Ipojuca 2021 IPTU

16/01


2021

Homicídios aumentam em Pernambuco

A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco divulgou um balanço, ontem, sobre os números da segurança no Estado em 2020. Houve um aumento de 8,4% nos homicídios: 3.759 pessoas foram assassinadas no ano passado em solo pernambucano, enquanto 3.469 morreram de forma violenta em 2019.

Quanto aos feminicídios (assassinatos contra mulheres), os números subiram 33,3%. Setenta e seis mulheres foram mortas em 2020, já 57 foram assassinadas no ano retrasado. Os dados alarmantes chamam atenção pelo fato de aumentarem mesmo durante a pandemia.


Email

Petrolina abril 2021

Confira os últimos posts

19/04


2021

Crimes virtuais crescem durante a pandemia

Enquanto segue como um tsunami que já matou quase 400 mil pessoas no Brasil, a pandemia da Covid-19 tem sido explorada como uma grande aliada para a prática de crimes virtuais, aproveitando-se da vulnerabilidade das pessoas em meio à crise sanitária global. Levantamento da revista Política Democrática Online de abril, produzida e editada pela Fundação Astrojildo Pereira (FAP), sediada em Brasília e vinculada ao Cidadania, mostra que, no ano passado, os relatos de crimes virtuais mais que dobraram, em relação a 2019.

A Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, uma parceria da ONG Safernet Brasil com o Ministério Público Federal (MPF), recebeu 156.692 denúncias anônimas de crimes cometidos pela internet, em 2020. No ano anterior, foram 75.428.

A Polícia Federal investiga centenas de golpes envolvendo o auxílio emergencial. Nessa modalidade, os criminosos usam aplicativos falsos para simular o app da Caixa Econômica Federal e capturam informações pessoais dos usuários.

“Após obter esses dados, o criminoso consegue a carta coringa, literalmente, pois consegue dar vários golpes no nome da vítima e pedir o próprio auxílio emergencial”, explica o delegado Warley Ribeiro, em entrevista.

Fraudes e links falsos

De acordo com a reportagem da revista Política Democrática Online, além de golpes de auxílio emergencial e pesquisas fraudulentas sobre o coronavírus, os criminosos enviam links falsos.

Os links falsos são de supostas cervejarias com oferta fictícia de bebida gratuita a quem adere ao isolamento social e de lives de shows clonadas para desviar doações. Tudo para furtar dados do celular da vítima.

Os crimes virtuais, especialmente os estelionatos, dispararam desde o início da pandemia de Covid-19. No início da crise sanitária no país, pesquisa da Apura Cybersecurity Intelligence, empresa especializada em ameaças digitais, identificou salto de 41.000% de sites suspeitos sobre coronavírus e Covid com domínio no Brasil. Passaram de 2.236, em março de 2020, para 920.866, dois meses depois.

Ransomware

Em fevereiro deste ano, ataques cibernéticos causaram a suspensão do funcionamento de empresas do setor elétrico como a Copel e a Eletronuclear e levantaram alerta para demais companhias. Os crimes foram ransomware, cada vez mais sofisticados e que se caracterizam pelo sequestro de dados de dispositivos e liberação só com o pagamento de “resgate”

Alguns ataques causaram a suspensão do funcionamento de empresas do setor elétrico como a Copel e a Eletronuclear. Tal situação já acendeu um sinal de alerta para demais companhias do segmento.

Os crimes foram do tipo ransomware, que estão cada vez mais sofisticados, e se caracterizam pelo sequestro de dados de dispositivos e liberação apenas com o pagamento de um “resgate”.

Há ainda ataques por meio do envio de arquivos por email, muitas vezes clonados e capazes de driblar os antivírus. Mensagens em SMS com links falsos que apontam para sites falsos também são utilizados.

Orientação

O consenso entre os especialistas, conforme alerta a reportagem, é de que, apesar de serem praticados de diversas formas, os crimes cibernéticos podem diminuir caso as pessoas, como a empresária de Brasília, adotem, principalmente, dois parâmetros essenciais: desconfiar, sempre; compartilhar dados sigilosos virtualmente ou por telefone, jamais.

A edição de abril da Revista Política Democrática Online também tem entrevista exclusiva com o ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão, análises de política nacional, política externa, cultura, entre outras, além da reportagem especial.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

ALEPE

19/04


2021

Randolfe prepara lista com 18 alvos para apurações da CPI

Possível vice-presidente da CPI da Pandemia, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) já preparou uma lista de sugestões de requerimentos com 18 temas para, segundo ele, "encontrar o caminho que nos leve à verdade sobre quem são os responsáveis pelo genocídio no Brasil causado pela pandemia do coronavírus". As informações são do Blog do Valdo Cruz.

Entre os temas, estão: investigar a produção e a distribuição de cloroquina e defesa do tratamento precoce contra a Covid-19; a crise de oxigênio em Manaus e no país; o atraso na compra de vacinas e falta de medicamentos do kit intubação.

A seguir, os temas de requerimentos que serão sugeridos pelo senador para serem investigados quando a CPI da Pandemia começar os seus trabalhos, o que deve acontecer na próxima semana:

  • Tema 1: estratégia de comunicação do Ministério (da Saúde) acerca das ações referentes ao combate da pandemia;
  • Tema 2: ações de vigilância no mapeamento da pandemia;
  • Tema 3: produção e distribuição de cloroquina e tratamento precoce;
  • Tema 4: fechamento de mais de 4 mil leitos por não renovação de contratos nos hospitais federais do RJ;
  • Tema 5: cancelamento de leitos de UTI em 31 de dezembro de 2020;
  • Tema 6: crise de oxigênio em Manaus e no país;
  • Tema 7: atraso na compra de vacinas;
  • Tema 8: falta de medicamentos do kit intubação;
  • Tema 9: fornecimento de insumos (máscaras) sem registro para uso em estabelecimentos de saúde;
  • Tema 10: falta de testes;
  • Tema 11: falta de respiradores;
  • Tema 12: falta de estoque de seringas e agulhas;
  • Tema 13: testes vencidos em Guarulhos;
  • Tema 14: visita de comitiva oficial a Israel para conhecer spray contra Covid;
  • Tema 15: transferência de recursos do Fundo Nacional de Saúde para estados e municípios;
  • Tema 16: portaria SVS nº 28, de 3 de setembro de 2020;
  • Tema 17: portaria nº 3.190, de 26 de novembro de 2020;
  • Tema 18: Orçamento de 2021 e as verbas para saúde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Bandeirantes 2021

19/04


2021

Não perca o especial do rei! É daqui a pouco

Se você é fã do rei Roberto Carlos, não perca o especial do Frente a Frente, exatamente às 18 horas, em homenagem aos seus 80 anos de vida e 70 de carreira. Majestade do romantismo, Roberto Carlos vira oitentão como celebridade da música brasileira. O programa traz depoimentos de Erasmo Carlos, da musa Vanderléia, de Martinha, Sílvio Brito e de uma grande amiga Helô Pinheiro, além de José Carlos Mendonça, o Pinga, o maior promotor de shows do rei em território nacional. 

Para ouvir o programa, gerado pela Rede Nordeste de Rádio para 44 emissoras em quatro Estados do Nordeste, tendo como cabeça de rede a Hits 103,1 FM, clique no botão Rádio acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio na play store. 

Imperdível! 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


19/04


2021

O exemplo alemão

Por Maurício Rands*

É triste constatar o fracasso do país que amamos. E que até hoje não se realizaram as esperanças de tantas gerações. Fracassamos no crescimento, na inclusão social, na erradicação da pobreza, na consolidação de instituições democráticas eficazes, no meio ambiente, na educação. Um país de insegurança jurídica. Fracassado até mesmo na garantia das liberdades do estado de direito. Como se viu no aplauso de nossos liberais a um juiz parcial como Moro. Mesmo ele tendo violentado liberdades fundamentais e o devido processo legal. E tendo usado a toga para interferir na eleição presidencial. Tudo isso levou nossa imagem internacional à situação de pária.

Esse fracasso acentuou-se com o atual governo, dados o seu negacionismo e a péssima gestão da pandemia. Mas não se pode atribuir apenas a Bolsonaro e à extrema-direita o fracasso brasileiro. Nossas instituições e nossa sociedade estão doentes há muito. O atual presidente e seu governo-desastre são mais sintomas do que causas dos nossos males.

Um fracasso tão rotundo reclama o repensar do país. Porque é possível sair do fundo do poço. Se redesenharmos nossas instituições e mudarmos nossa cultura política. E se formularmos consensos parciais sobre um novo projeto nacional de reconstrução do país dilacerado.

Necessitamos de uma frente ampla para em pouco mais de um ano darmos fim ao triste episódio iniciado com o voto puramente ressentido de 2018. Mas uma frente ampla, fique claro, que vá além dos partidos e suas burocracias que só pensam nos espaços de poder para se auto reproduzir. O país reclama alianças de forças sociais sobre os grandes temas. A começar pelo combate ao vírus, a recuperação da economia, a reforma do estado e um plano para revolucionar a educação e os serviços básicos. Impossível? Se alguns países conseguiram, por que o Brasil não poderia se reinventar?

Uma das nações que operaram o milagre com o qual sonhamos foi a Alemanha. O país devastado que emergiu da derrota na II Guerra alcançou a estabilidade e a maturidade num espaço de tempo mais curto que qualquer outro. Soube se reunificar, com uma injeção de 2 trilhões de euros em infraestrutura na antiga Alemanha do Leste nos últimos 30 anos. Graças à taxa de solidariedade de 5,5% adicionais ao imposto de renda. Uma eficiente estrutura econômica em que centenas de milhares de pequenas e médias empresas empregam ¾ da força de trabalho (80% do PIB proveniente de negócios familiares), espalhadas em todo o território nacional.

Um exemplo de desenvolvimento industrial e tecnológico que oferta ao mundo, por exemplo, automóveis e produtos industriais da mais alta qualidade (ThyssenKrupp, Basf, Bayer, BMW, Mercedes-Benz). Um regime social de mercado, com governança corporativa em codeterminação que assegura assento aos trabalhadores nos conselhos de administração. Uma consciência ambiental que já fez chegar a 40% a proporção das energias renováveis na produção de energia elétrica (com subsídios de 25 bilhões de euros anuais). E que fez do Partido Verde uma força política com grandes expectativas para as eleições marcadas para 26 de setembro deste ano. Uma imprensa livre e comprometida com o fact-checking e o debate plural. Universidades poderosas como a de Heidelberg, berço de 56 prêmios Nobel. Um sistema político maduro, capaz até de absorver e conter o fenômeno hoje universal dos partidos de extrema-direita e xenófobos como o AfD. Um sistema político, ademais, capaz de formar coalisões entre forças políticas de origens tão distintas como o social democrata SPD e o liberal CDU/CSU, sob a liderança de Ângela Merkel. Um exemplo de estadista

 Uma sociedade madura que teve a generosidade de absorver mais de um milhão de imigrantes no único ano de 2015 em que a crise de refugiados chegara ao pico. E que hoje tem 25% de sua população com background de imigrante. Uma cultura de austeridade, avessa à ostentação consumista. O senso de responsabilidade para com os demais e para os esforços coletivos. O compromisso com a produtividade e a eficiência que libera o tempo das pessoas para o lazer, o estudo e o convívio familiar e social. 

Essa trajetória tão inspiradora está retratada no excelente livro do inglês John Kampfner (Why the Germans Do it Better, 2020). Escrito a partir de sua experiência como correspondente do Financial Times e da BBC, além de editor da New Statesman. Longe da pretensão de que o Brasil se torne uma Alemanha. Mas, no momento em que constatamos o nosso fracasso e precisamos de imaginação para reinventar nosso projeto de país, não custa olhar paradigmas de sucesso que nos possam inspirar. Esse livro conta a história de uma nação que, tendo ido ao fundo do poço do Nazismo, soube se reconstruir e consolidar uma cultura de respeito à lei e às instituições (um dos grandes orgulhos nacionais é a Constituição, a Lei Básica de 1949). E que foi capaz de combinar a busca pelo desenvolvimento com a sustentabilidade socioambiental. Pela via da democracia e do espírito comunitário. Ah como poderíamos aprender com o exemplo alemão!

*Advogado formado pela FDR da UFPE, PhD pela Universidade Oxford


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Serra Talhada 2021

19/04


2021

Ex-prefeito de Araripina tem contas rejeitadas pelo TCE

O ex-prefeito de Araripina, Alexandre Arraes (PSB), sofreu mais uma derrota no tribunal. Suas contas de Governo referentes ao ano de 2015 foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), pela ausência de recolhimentos previdenciários no valor de R$ 5,3 milhões.

O processo TCE-PE N° 16100117-8RO001 analisou as contas do ano de 2015 do ex-prefeito e atestou a ausência de recolhimentos para o Regime Próprio de Previdência Privada (RPPS) e para o Regime Geral de Previdência Privada (RGPS), totalizando um prejuízo de R$ 5.356.886,39 aos cofres públicos.

O voto do relator, o conselheiro Marcos Loreto, que foi pela rejeição das contas, foi acompanhado em unanimidade pelos conselheiros Carlos Porto, Teresa Duere, Valdecir Pascoal, Ranilson Ramos e Carlos Neves. A sessão para o julgamento aconteceu no dia 24/03 e teve sua publicação no dia 29 do mesmo mês.

Com a decisão do TCE-PE, a Câmara de Vereadores de Araripina receberá o parecer favorável pela rejeição das contas do ex-prefeito Alexandre Arraes referentes ao ano de 2015. Também existem outros dois pareceres recomendando a rejeição das contas dos anos de 2014 e 2016.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Anuncie Aqui - Blog do Magno

19/04


2021

TCE e MPCO orientam prefeitos sobre retorno às aulas

O Tribunal de Contas e o Ministério Público de Contas elaboraram uma recomendação conjunta (nº 2/2021) com orientações aos prefeitos sobre o retorno seguro das aulas presenciais nas escolas públicas do ensino infantil e fundamental, suspensas desde o ano passado por conta da Covid-19 em Pernambuco.

A recomendação estabelece aos gestores dos 184 municípios do Estado a elaboração de um Protocolo Sanitário Setorial estabelecendo as diretrizes para a aplicação de medidas preventivas e de enfrentamento à pandemia, com orientações específicas para o setor de educação. As medidas precisam levar em conta o Guia de Implementação de Protocolos de Retorno das Atividades Presenciais nas Escolas de Educação Básica do Ministério da Educação e não poderão ser menos restritivas que as regras previstas no Protocolo Setorial de Educação do Governo do Estado.

As escolas municipais deverão oferecer, dentre outros, a possibilidade de acesso ao ensino remoto ou híbrido aos alunos, pais e responsáveis que se sentirem inseguros ou não concordarem com o retorno das aulas presenciais; manter levantamento de estudantes e profissionais da educação pertencentes aos grupos de risco para a Covid-19; adotar o escalonamento de horários de entrada, saída e alimentação dos alunos, evitando aglomerações; e instituir um sistema de rodízio nas salas de aula, caso o número exceda a capacidade mínima permitida para garantir o correto distanciamento social.

As instituições de ensino deverão ainda reavaliar suas estruturas físicas e promover as adaptações necessárias - como instalações sanitárias adequadas e a colocação de lavatórios e bebedouros - para garantir a correta higienização de alunos, professores e funcionários; promover melhorias na ventilação dos ambientes; afixar cartazes informativos e faixas de demarcação, além de disponibilizar insumos (álcool gel, tapetes sanitizantes, etc) em quantidade suficiente para preservar a segurança da saúde dos frequentadores. Para que isso ocorra, será preciso planejar a contratação dos serviços e aquisições, bem como efetuar o levantamento dos custos para as adaptações, evitando a continuidade de obras após o reinício das aulas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

19/04


2021

Hospital Alfa pode virar estadual

Da coluna de João Alberto

O governador Paulo Câmara destaca o primeiro ano de funcionamento do hospital de referência no tratamento da Covid-19, que já recebeu pacientes de 116 municípios pernambucanos e de outros estados. O antigo Hospital Alfa, depois da pandemia, pode virar um hospital estadual permanente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


19/04


2021

Sebastião comemora resultado da eleição da UVP

A vitória dos vereadores Léo do Ar e Zé de Benga, na eleição da União dos Vereadores de Pernambuco (UVP), contou com a participação efetiva do deputado federal Sebastião Oliveira. Entre os compromissos de parlamentar e líder do Avante na Câmara dos Deputados, Sebá empenhou-se pessoalmente para que a dupla conquistasse o pleito.

"Os vereadores pernambucanos fizeram a melhor escola. Léo do Ar e Zé de Benga são competentes e sabem trabalhar. Eles contam com o meu mandato na defesa dos interesses da UVP. Tenho a certeza de que a jornada que se inicia será exitosa", destacou Sebastião Oliveira.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


19/04


2021

Crônicas de dor e de esperança

Por Paulo André Leitão

Ao ler, em 17/02/2021, "A escola que desvendou meus olhos", publicada na mesma data, enviei a Magno a seguinte mensagem: 

“A escola que desvendou meus olhos fala por si: é crônica. O leitor, transplantado para seu chão, acompanha você até a última linha. O seu tempo físico e afetivo torna-se nosso. Permita-me, portanto, uma sugestão: nas próximas crônicas, deixe de lado as digressões do primeiro parágrafo – que interromperam a ligação direta do belo título com o texto – e nos faça mergulhar de imediato no seu universo”.

- Obrigado, respondeu ele.

Onze dias depois, 28/02/2021, enviei PDF da última versão impressa do cearense Diário do Nordeste.

- Me mandaram. Nada dura para sempre.

- Sim, mas suas crônicas podem durar mais. Já pensou nisso?

- Como assim, amigo?

- Releia todas, selecione e publique as escolhidas em livro digital.

Magno aceitou a sugestão. Foi assim que nasceu “A dor da pandemia”.

Selecionadas as crônicas, revisei todas – foi esse o meu trabalho. A revisão me deixou claro o que considero a principal característica dos textos: a pandemia dói no autor, mas não o faz perder a esperança. O dia a dia sofrido – e não é apenas dele o sofrimento porque a dor do outro o machuca também – não o imobiliza. Ao contrário, move-o em direção ao que imagina ser paliativo para as limitações e impossibilidades.

O bálsamo das crônicas está na contemplação da natureza, nas visitas ao pai, no trabalho, nas lembranças gostosas da vida, nos encontros com os filhos, no solitário ato de escrever, e, principalmente, na empatia com o ser humano, vítima do que ele, Magno, passou a chamar de mal do século.

As pessoas que a Covid-19 levou, a necessidade de matar o tempo do isolamento social, reflexões sobre pandemia e saudade, desencanto e esperança, a condição de ser cronista, tudo isso está presente nos textos escritos no calor do momento pois a vida é fugaz e o autor é jornalista. 

As crônicas durarão para sempre? Certamente não. São olhares, percepções, expressão de sentimentos sobre época, creio, já historicamente delimitada por tudo que ainda estamos a viver. É presente e futuro, meio Black Mirror.

O registro desse tempo apavorante está no livro. É tempo de dor, ainda pleno de esperança.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


19/04


2021

Raimundo agradece votos e diz que vai fiscalizar gestão

Caro Magno,

O nosso projeto não era de nomes, mas por mudanças na UVP, a qual ajudamos a construir a sua história, fazendo parte de enormes conquistas, inclusive da aquisição do seu prédio. Lançamos candidaturas buscando transparência na entidade, pois, há mais de 2 anos, que não se realiza sequer a prestação de contas dos seus gastos com recursos que são públicos.

Buscamos, ainda, que a UVP voltasse a ser uma entidade dinâmica e que verdadeiramente represente e lute pelo vereador, o que deixou de ser. Caso o marasmo, a falta de transparência e credibilidade continue, daqui a dois anos estaremos contra novamente, ou mesmo antes pelos meios judiciais.

O nosso projeto é sincero e vitorioso, conseguimos que o atual presidente não tivesse condições de disputar e conseguimos colocar a UVP em evidência e discutir alternativas viáveis para a entidade. Conseguimos que a oposição, junto com a candidatura de Weber, cujo projeto de renovação era o mesmo, conseguisse mais de 500 votos, provando que a maioria dos votantes querem mudanças na entidade.

Como talentoso articulista político, você deixou de observar que a candidatura da situação teve o apoio de vários políticos ligados ao Governo do estado, a exemplo de Sebastião Oliveira, Eduardo da Fonte e Eriberto Medeiros, que esteve presente no local da votação. Do nosso lado, tivemos o apoio de políticos do governo a exemplo de Rodrigo Novaes, Joao Batista e Biu Farias e da oposição como Fernando Filho, a quem agrademos por acreditarem no nosso projeto de mudança e por ser a UVP uma entidade suprapartidária.

Por fim, gostaria de agradecer aos 300 vereadores que acreditaram na nossa proposta, estes sim são verdadeiras águias, que como elas,são livres e independentes e se uniram no projeto de reerguer a nossa UVP.

José Raimundo – vereador de Serra Talhada e ex-candidato à presidência da UVP


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se