Jaboatão vai conquistar você

08/12


2021

O MDC entre Moro, Doria e Ciro

Por Marlos Porto*

Na algaravia dos discursos e articulações pré-eleitorais que temos presenciado nos últimos meses, talvez seja preciso voltar às lições de aritmética do primário para encontrar consensos mínimos que possam apresentar a melhor alternativa para o Brasil na próxima campanha presidencial.

Lembram do MDC, o máximo divisor comum? Tomando como exemplo os números 9, 12 e 21, o MDC é 3, pois este é o maior número pelo qual os outros três podem ser divididos, tendo um número inteiro como resultado.

Afora os dois pré-candidatos mais bem colocados nas pesquisas, que representam projetos já experimentados pelo país, temos as pré-candidaturas de Ciro Gomes (PDT), João Dória (PSDB) e, mais recentemente, Sérgio Moro (Podemos), que justamente por nunca terem governado o país são os que mais dúvidas e mais expectativas geram para os cidadãos em geral, sobre como seria um eventual governo de cada um deles. São também os que se encontram mais atrás nas pesquisas, disputando o terceiro lugar – e, assim, a chance de, durante a campanha, desbancar o segundo colocado e ir para o segundo turno (se segundo turno houver).

Pois bem. Seria possível vislumbrar um MDC de ideias, projetos e bandeiras entre Moro, Dória e Ciro, capaz de nortear um diálogo republicano entre os mesmos e robustecer a chance de fugirmos da polarização nefasta que tem afundado o país?

Principiemos por aquele que é o menos conhecido dos três. Sobre Sérgio Moro, é preciso destacar que ainda é muito cedo para se saber ao certo o que pensa o pré-candidato sobre os graves problemas do país, até porque nunca disputou mandato eletivo e nunca precisou falar a respeito deles com profundidade, nem foi confrontado por nenhum oponente em uma campanha política. Uma bandeira sua, todavia, é inconteste: a do combate à corrupção (que é tema inclusive do livro que recentemente lançou, intitulado “Contra o Sistema de Corrupção”). 

Observemos que este combate, pelas informações disponíveis aos cidadãos em geral, foi travado por Ciro Gomes de forma exemplar ao longo de sua larga trajetória política, como prefeito, governador, deputado e ministro. Ciro tem autoridade para falar em combate à corrupção e esse é um ponto nítido de convergência entre ambos, mesmo que não se apercebam disso e ainda que divirjam sobre como esse combate foi ou deva ser feito.

Doria, por sua vez, nos cargos eletivos que ocupou e ocupa, não foi nem é, pelo que consta, alvo de nenhum escândalo envolvendo verbas públicas e tem apreço pela pauta anticorrupção, desde o tempo em que despontou como outsider concorrendo à prefeitura de São Paulo, vencendo o candidato governista Fernando Haddad, que sofreu as consequências do desgaste do seu partido no plano nacional, após a crise moral e econômica do governo Dilma, que culminou no impeachment. 

Ainda com relação a Doria, podemos enxergar que o mesmo tem centrado sua atuação na eficiência da gestão e na diminuição do peso da máquina pública, principalmente naquilo que considera não ser a sua função primacial, derivando daí seu enfoque nas privatizações. Ora, não obstante as privatizações sejam tema polêmico e alvo de acirrados debates no país desde os anos 90, é indene a avaliação de que o Estado Brasileiro é, em geral, muito ineficiente.

Ademais, muitos veem na eficiência do governo de João Doria no tocante à aquisição pioneira das vacinas contra a covid um dos pontos fortes de seu futuro discurso eleitoral. O mérito de João Doria, como governador de São Paulo, na vitoriosa “guerra” que travou em busca de vacinas contra a covid, mais deve ser ressaltado se atentarmos para seu antípoda, o presidente negacionista que sabotou os esforços nacionais de combate à pandemia. O mesmo que, se tivéssemos o apreço coletivo pela honra, memória e história que tinham os romanos, teria contra si decretada a damnatio memoriae (danação da memória), tal como o Imperador Domiciano, apagando-se qualquer vestígio público da tenebrosa passagem pelo poder desse que bem poderia ser conhecido como “o Flagelo dos Trópicos”.

Assim, foram dissipadas as dúvidas que alguns alimentavam, sobretudo fora de São Paulo, de que o governador paulista pudesse ser um mero produto de marketing das elites econômicas, pois a eficiência do seu governo na questão das vacinas o credenciou como um gestor competente, diligente, ousado, corajoso e equilibrado.

Todavia, dar maior eficiência e racionalidade ao gasto público é certamente algo que Moro e Ciro também almejam para nosso país. Ciro, com uma bem sucedida experiência administrativa, sobretudo no governo do Ceará e como ministro da Fazenda de Itamar Franco, durante uma fase decisiva do Plano Real, tem muito a contribuir com esse debate.

Moro, apesar de erros ou excessos ocorridos na assim chamada Operação Lava Jato (talvez não menores do que a demora homérica do STF no julgamento de habeas corpus do ex-presidente Lula, ação reputada urgente que não deveria demorar sequer meses, que dizer anos), notabilizou-se como juiz profícuo e diligente, responsável pelo julgamento em primeira instância dos processos da maior operação de combate à corrupção da história do Brasil.

Como ministro da Justiça e Segurança Pública, Moro, que teve espírito público para abrir mão do privilegiado cargo de juiz, um das carreiras públicas mais cobiçadas do país, em prol da oportunidade de liderar esforços nacionais no combate à violência e à corrupção, simplesmente teve seus projetos e ações, em suas palavras, sabotados pelo próprio presidente da República (aquele que antes da campanha de 2018 lhe batera continência de forma inopinada em um aeroporto quando ainda perambulava pelo país em busca de notoriedade e tecia as tramas de seu discurso eleitoral embusteiro), tanto que pouco mais de um ano após a sua nomeação pediu exoneração e manifestou publicamente as razões em uma entrevista coletiva, dando novas mostras de integridade e espírito público, por não admitir as interferências indevidas que o presidente buscava fazer.

Por fim, qual seria a principal bandeira de Ciro Gomes? Ora, não obstante o equilíbrio, a propriedade e a desenvoltura com que aborda os mais variados temas relativos aos problemas nacionais, tem como sua maior marca a defesa de um Projeto Nacional de Desenvolvimento (que por sinal consta no nome de seu mais recente livro, “Projeto Nacional: o Dever da Esperança”). 

O Brasil já foi o país cuja economia mais cresceu no mundo. As décadas perdidas e o gigantesco passivo social acumulado provocam, em Ciro Gomes, não apenas uma preocupação própria do sensível e ávido estudioso dos problemas nacionais que ele é, mas uma genuína e compreensível revolta, por deter o savoir-faire e se ver ainda impossibilitado de liderar o despertar do imensurável potencial de nosso país e de nossa gente, que jazem entorpecidos e constantemente sabotados pela ínfima minoria detentora do poder político e econômico. 

Certamente, Moro e Dória terão suas divergências quanto ao projeto encampado por Ciro, mas não se opõem à necessidade da recuperação econômica do país em um modelo que contemple o desenvolvimento industrial e tecnológico e não apenas a exportação de commodities agrícolas; que retire da marginalidade parcela considerável da nossa juventude e ampare os idosos, trazendo dignidade na mais ampla acepção do termo a milhões de brasileiros que se veem privados de saúde, educação, segurança, moradia e emprego. Que insira o Brasil na Era do Conhecimento, de forma ambientalmente sustentável e socialmente responsável.

Sem um planejamento sério, sem um diálogo franco e transparente que envolva o pensamento crítico da nação e chegue de forma clara às massas, e, por fim, sem coragem para contrariar interesses e privilégios, não se consegue colocar o Basil no rumo certo.

Assim, em linhas gerais, vislumbraria que o combate à corrupção, a eficiência administrativa e a promoção de um Projeto Nacional de Desenvolvimento poderiam ser a base para um “MDC” de Moro, Dória e Ciro, que poderia servir para fomentar o diálogo construtivo entre os mesmos, tendo como balizas inafastáveis o respeito à Constituição Federal, às instituições republicanas e à democracia.

Afinal, tal diálogo é o mínimo que se espera de homens públicos responsáveis, em uma quadra tão grave da história brasileira.

*Funcionário público, bacharel em Direito e membro do partido Cidadania em Arcoverde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru - Jan 2022

Confira os últimos posts



26/01


2022

STF cancela retorno presencial dos ministros às sessões

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, decidiu cancelar o retorno presencial das sessões da corte, que ocorreria já na próxima semana. A informação foi apurada junto ao gabinete da Presidência do tribunal. O motivo é o aumento dos casos de Covid-19 causado pela variante Ômicron.

O blog da Ana Flor obteve a informação de que a decisão foi tomada após Fux ter conversado com os demais ministros do Supremo. O STF retomará as atividades em fevereiro. Em princípio, a retomada seria presencial. Com o avanço da Covid, decidiu-se estender as sessões e o trabalho remoto até o final de fevereiro, quando será feita uma nova avaliação com base na situação epidemiológica do país.

A decisão deve impactar a posse do ministro Edson Fachin na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), marcada para 22 de fevereiro. A Câmara dos Deputados também decidiu recentemente retomar os trabalhos, em fevereiro, de forma remota. No Senado, serão mantidas as sessões em caráter semipresencial.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem

26/01


2022

EPTI começa adesivar os veículos do transporte regular

A Empresa Pernambucana de Transporte Intermunicipal (EPTI) iniciou, hoje, a adesivação dos cerca de 800 ônibus que operam no transporte intermunicipal regular. A medida facilitará a identificação dos veículos que estão circulando de forma correta, com todas as suas exigências em dia.

“É importante que as empresas sejam parceiras nesse processo, evitando futuros transtornos, como a apreensão do veículo. “Os nossos técnicos estão indo até as garagens. O trabalho é rápido. É primordial que todos os ônibus sejam vistoriados e recebam o aval para rodar”, explicou a diretora de Operações da EPTI, Roberta Meneses, que participou do primeiro dia da ação.

O pontapé inicial foi dado com o transporte regular, mas, em breve, todos os veículos que fazem parte dos Transportes Complementar e Fretamento também serão adesivados. “Trata-se de mais uma iniciativa do Governo do Estado visando reforçar a segurança do usuário. O adesivo indica que os veículos apresentam as condições necessárias para transportar os nossos passageiros com segurança”, ressaltou o diretor presidente da EPTI, Antônio Júnior.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Dezembro 2021

26/01


2022

Ciepe elogia manutenção do preço do gás em PE

O presidente do Centro das Indústrias de Pernambuco (Ciepe), Mássimo Cadorin, afirma que a manutenção do preço do Gás Natural em Pernambuco, anunciada hoje pela Copergás, apesar do aumento de 15,9% na molécula do GN trimestral pela Petrobras, é fruto do diálogo aberto em prol do desenvolvimento econômico, firmado entre a distribuidora e as indústrias pernambucanas.

“Estamos colhendo mais um bom resultado da parceria entre o Ciepe e a Copergás, através do seu presidente André Campos e equipe, que mantém o diálogo aberto com a indústria e empresas e se mostra sensível na busca de soluções em prol do desenvolvimento”, declarou Cadorin.

Segundo ele, no começo deste ano, o setor industrial pernambucano obteve outra vitória rumo ao mercado livre, quando o governador Paulo Câmara sancionou a lei que atualiza as regras para exploração direta, ou mediante concessão, do gás canalizado no Estado, expandindo a comercialização do insumo a outros fornecedores, além da Companhia Pernambucana de Gás (Copergás).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/01


2022

No Sextou, tributo a Nelson Gonçalves

A carreira do cantor Nelson Gonçalves, fenômeno musical no Brasil entre os anos 70 e 90, recordista em venda de discos abaixo apenas de Roberto Carlos, será destacada no Sextou da próxima sexta-feira. Responsável pela produção de um álbum com canções dele, a ser lançado em abril, a cantora pernambucana Cristina Amaral confirmou, há pouco, sua presença no programa.

Além de falar sobre a vida e os sucessos de Nelson Gonçalves, que atingiu a impressionante marca de 100 milhões de discos vendidos, com mais de 200 canções, entre elas A volta do boêmio, a mais tocada, Cristina vai cantar algumas das canções que selecionou para o álbum. "Nelson Gonçalves, uma saudade", tema da sua incursão no mundo do célebre cantor, é para quem gosta, verdadeiramente, da boa música.

O Sextou vai ao ar às 18 horas pela Rede Nordeste de Rádio, formada por mais de 40 emissoras, tendo como cabeça de rede a Nova FM 98,7, no Recife. Se você deseja ouvir pela internet, clique no botão Rádio acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio na play store.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Arcoverde janeiro 2022

26/01


2022

Humberto: Governador vai anunciar candidato do PSB semana que vem

O governador Paulo Câmara (PSB) teve uma nova rodada de conversas com lideranças do PT no Estado, entre eles, o senador Humberto Costa (PT). Em conversa com o blog do Elielson, Humberto disse que “não teve nada de novo, reforçamos o nosso nome como opção para ser candidato a governador”.

“O governador destacou seu papel na condução do processo e confirmou o anúncio do candidato do PSB para semana que vem”, completou Humberto. Perguntado se o PT estaria apoiando, o senador afirmou que tudo vai “depender da conjuntura nacional, mas acredito que sim”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

26/01


2022

Saúde e sustentabilidade marcam história de sucesso cooperativista

Por Carlos  Laerte

Quando Francisco, Mádia e Luzivanda resolveram olhar na mesma direção e ajudar a construir uma cooperativa médica às margens do grande Rio São Francisco, eles nem imaginavam o tamanho do sonho que estavam sonhando juntos.

Com uma história de três décadas dedicadas à promoção da vida e ao cuidado da saúde das pessoas, a Unimed Vale do São Francisco é considerada hoje líder de mercado e responsável pelo maior aporte de recursos no sistema de saúde da região. Uma eficiente e moderna estrutura com uma equipe de 506 médicos cooperados em diversas especialidades, atendendo com excelência e segurança mais de 70 mil beneficiários. A cooperativa gera 1.100 empregados diretos e 300 empregos indiretos e a rede de atendimento inclui hospitais, clínicas e laboratórios credenciados, além dos serviços próprios de dois hospitais (Petrolina - PE e Juazeiro – BA), um laboratório que é referência em processamento de exames, centro de diagnóstico, uma clínica de fisioterapia, Unidor (clínica para tratamento de dores crônicas), e o novo Núcleo de Terapias (NTU), para atendimento a pacientes pediátricos de 0 a 12 anos com Transtorno do Espectro Autista – TEA, inaugurado recentemente.

Colocando a região entre os centros médicos mais avançados do País, a Unimed Vale do São Francisco tem realizado procedimentos inéditos a exemplo da primeira Angioplastia de Oclusão Coronária Crônica (CTO), além de tratamentos de doenças congênitas e valvulares e um implante Transcater de Válvula Aórtica (TAVI), executados com pleno êxito no Hospital Unimed de Petrolina, a maior e mais completa unidade hospitalar do Vale.

Como resposta pela primazia e sustentabilidade e com uma vitalidade econômica financeira que hoje é exemplo em todo Brasil, a entidade conquistou o Selo Prata em 2019 e o Selo Ouro em 2021 de um dos mais importantes prêmios do cooperativismo brasileiro: ‘SomosCoop Excelência em Gestão’, promovido pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP), em reconhecimento as boas práticas de gestão e governança.

Desafios

Mas, o caminho do progresso não foi rápido nem muito menos fácil. Muitos foram os obstáculos contornados e os desafios vencidos desde a criação da cooperativa, em 1991, quando um grupo de pouco mais de 100 médicos decidiu juntar as Unimeds Petrolina e São Francisco, da vizinha cidade de Juazeiro, que já funcionava desde 1989, formando assim a Unimed Vale do São Francisco. A nova operadora de planos de saúde, que começou os trabalhos com 12 mil clientes e passou bastante tempo na dependência de terceiros para a prestação dos serviços médicos, vivenciou sérios problemas de inadimplência, autuações e acúmulo de débitos a exemplo de uma dívida tributária que chegou a R$ 19 milhões.

De acordo com o diretor presidente do Conselho de Administração da Unimed Vale do São Francisco, Francisco Otaviano, a situação da operadora em 2004, quando assumiu o primeiro dos cinco mandatos, juntamente com os diretores Francisco Aires (Comercial e Marketing), Luiz Gustavo (Administrativo) e Carlos Tadeu (Financeiro), era muito difícil e bastante preocupante. “Encontramos uma cooperativa médica com muitos conflitos e dificuldades para com os seus associados médicos, prestadores de serviço hospitalar, laboratórios e também com a rede de intercâmbio com as outras Unimeds do Brasil”, lembra.

Apaixonado pelo cooperativismo e com passagens pela administração de dois hospitais na região, o médico ginecologista e obstetra Francisco, lembra que um dos momentos mais marcantes nestes 18 anos à frente dos destinos da operadora foi quando, na realização do balanço de 2004, os 140 médicos cooperados aceitaram ratear uma perda de R$ 865 mil para a recuperação econômica e financeira da cooperativa. “Hoje, feitas as devidas correções, representa uma verdadeira fábula”, pontuou o presidente que também é conselheiro fiscal da Unimed Brasil e da Federação das Unimeds da Bahia, além de diretor superintendente da Federação das Unimeds de Pernambuco.

Tenacidade

Um ano depois, outro episódio marcou a história de tenacidade e determinação dos cooperados da Unimed Vale do São Francisco. Com uma proposta de criação de um plano de saúde próprio os dois principais hospitais de Petrolina se unem e pedem descredenciamento conjunto da cooperativa médica.  As dificuldades geradas com a suspensão do atendimento aos clientes surtiram o efeito de uma bomba para uma estrutura que ainda não tinha nenhum serviço próprio. Depois de muito diálogo, e até a assinatura de um termo de ajuste de conduta firmado junto ao Ministério Público, foi restabelecido o atendimento nos dois hospitais.

Passada a tempestade, vieram os passos iniciais para construção da sede própria onde começaram a funcionar as primeiras unidades de prestação de serviços com a marca Unimed. Em paralelo, o sentimento de ter um hospital próprio foi amadurecendo no peito dos cooperados até que em 2010 a operadora entregou à comunidade sanfranciscana o Hospital Unimed de Juazeiro e oito anos depois inaugurou o Hospital Unimed de Petrolina. Duas modernas unidades hospitalares edificadas com recursos da própria cooperativa que hoje não possui nenhuma dívida tributária. “Tudo isso é fruto do trabalho de uma equipe coesa, da continuidade de uma diretoria que estuda junto, empreende unida e busca em harmonia compreender os mais diversos aspectos que envolve esse ramo de negócio”, ressaltou o presidente.

E assim como Francisco, Mádia Cecília também traz na sua história as letras todas da palavra cooperar, da essência do coletivo, do que se faz junto, do que é capaz de unir, mover e fazer abraçar um objetivo comum. Médica clínica cooperada e coordenadora da Auditoria Médica, que começou na Unimed Vale do São Francisco há 23 anos, “por acreditar nesse modelo que transforma habilidades individuais em resultados coletivos”, ela define a entidade como uma organização transparente onde os médicos cooperados contam com uma força laborativa, são os donos do negócio e têm voz ativa nas decisões e resultados apresentados pela organização.

Capacitação

Destacando a política de capacitação e atualização, ela enfatiza os cursos e treinamentos que são oferecidos constantemente aos cooperados nas áreas de cada especialidade médica e no segmento de educação cooperativista. “Hoje, também conseguimos alguns benefícios a exemplo de um plano de saúde master sem custos para o cooperado e com descontos generosos para os dependentes além de um seguro Serit (Seguro de Renda por Incapacidade Temporária), que está sendo bastante oportuno agora durante a pandemia da Covid-19”, avaliou Mádia.

A médica cooperada também lembrou o período desafiador vivenciado durante a pandemia, recordando a Moção de Aplausos concedida pela Câmara de Vereadores de Petrolina pelo desempenho da equipe do Hospital Unimed de Petrolina como referência nacional no combate à Covid-19. Votada por unanimidade em junho de 2021, a honraria, “se justifica pelo trabalho do hospital que vem apresentando um índice de mortalidade de 13,4%, bem abaixo da média nacional que foi de 39,3%, no último mês de abril. Índices divulgados pelo site de Registro Nacional de Terapia Intensiva (Epimed Monitor)”, conforme assinalou o autor do requerimento, vereador Cesar Durando (DEM).

Apesar de todas as dificuldades impostas pela pandemia, a cooperativa concluiu o ano de 2020 comemorando uma conquista dupla: o Selo Unimed de Governança e Sustentabilidade 2020, na categoria Ouro e o Selo Hospital Unimed de Sustentabilidade 2020, na categoria Prata para o Hospital Unimed de Petrolina. Certificações de reconhecimento que refletem o engajamento das equipes e a consolidação do espírito cooperativista na promoção do crescimento sustentável do Sistema Unimed, o maior sistema cooperativista de trabalho médico do mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil.

Valorização

Também conhecida pelas oportunidades criadas para o crescimento profissional dos colaboradores, a Unimed Vale do São Francisco, segundo a gerente de Relacionamento com Cooperados, Luzivanda Ferraz, além de gerar muitos empregos diretos e indiretos, valoriza cada um dos seus funcionários, estimulando o desenvolvimento pessoal através do reconhecimento dos esforços e das conquistas. Na cooperativa desde 2001, ela começou como secretária executiva e depois de contribuir com o setor de Relacionamento com Cooperados foi promovida a gerente.

“Participei de uma transformação incrível da cooperativa e hoje faço parte da turma de Pós-Graduação em Práticas de Gestão em Cooperativas de Saúde com enfoque na RN nº 452 e de iniciativas exitosas como o Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas (PDGC), Selo de Sustentabilidade, RN 443, parto adequado, gestão da qualidade entre outros”, enumerou. Luzivanda agradeceu a ampliação dos espaços e a crescente participação feminina em cargos relevantes e com poder de decisão nos mais variados setores da operadora. “Aqui os valores do cooperativismo são devidamente pautados pela ideia de democracia, liberdade, equidade, justiça social e solidariedade”.

Ela evidenciou ainda a responsabilidade social da cooperativa a partir da realização de campanhas e projetos em prol da comunidade a exemplo do Cooperar tá no Sangue (doação de sangue e cadastro medula óssea), Natal Solidário e o Arraiá Solidário, que arrecadam e doam cestas básicas e materiais de higiene pessoal para inúmeras entidades filantrópicas de Petrolina e Juazeiro.

Com foco nas novidades tecnológicas e preparando os passos seguintes com bastante equilíbrio e soluções inovadoras, a Unimed Vale do São Francisco tem muitos planos para o futuro. A diretoria da cooperativa adquiriu um terreno de três mil metros quadrados em Petrolina e vai construir uma nova unidade para funcionamento de laboratório, unidade de terapias e de Atenção básica à Saúde (ABS).

Então, é assim que a Unimed Vale do São Francisco caminha, avançando a passos largos e reafirmando a história de sucesso do cooperativismo que é a própria lição diária de muitos Franciscos, Mádias e Luzivandas. Gente que de mãos dadas e olhar no futuro ajuda a construir essa organização confiável, moderna e sólida que vem aprimorando os programas de atenção à saúde e transformando desafios em oportunidades.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC - Férias de Janeiro

26/01


2022

Porto do Recife inicia obra de dragagem

O Porto do Recife iniciou a obra de dragagem, serviço de desassoreamento e desobstrução dos berços de atracação, canais de acesso e bacias de evolução. O objetivo desta obra é estabelecer uma profundidade satisfatória para o Porto, facilitando assim a navegação e chegada de navios de maior tonelagem. Atracada desde o dia 20/01, a draga holandesa Lelystad começou a operar no último sábado (22).

A previsão é que a draga conclua o serviço de desassoreamento de todos os trechos previstos, em 40 dias. Do berço 00 ao 01, será aprofundado para 10 metros de profundidade; do berço 02 ao 06 para 11 metros de profundidade; e do trecho do berço 07 ao 09 para os 8 metros de profundidade. Os trechos mencionados chegarão às profundidades máximas, na maré alta, de 12,70m, 13,70m e 10,7m respectivamente. Serão aproximadamente 832.200 mil metros cúbicos de sedimentos dragados do cais acostável, canal interno e bacia de evolução.

“O crescimento nas operações do Porto do Recife não é uma expectativa, é uma realidade. Hoje nós temos uma demanda que não podemos atender devido a profundidade do nosso cais não suportar navios de maior tonelagem. O açúcar que exportamos tem um crescimento previsto de cerca de 40%. Os fertilizantes que importamos principalmente da Bélgica tem uma expectativa de 20% de incremento. O milho que abastece a avicultura do Estado e da Paraíba também crescerá cerca de 40%. A barrilha, um dos principais produtos que movimentamos na capital pernambucana, tem previsão de 30% de crescimento. O material metalúrgico, que apresentou um crescimento de 172,53% em 2021, possui uma expectativa de incremento de 10%. Essa nova fase do Porto do Recife, que se inicia com a obra de dragagem, tornará o nosso terminal ainda mais atrativo para novos investidores”, afirma José Lindoso, presidente do ancoradouro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes novembro 2021

26/01


2022

Em Floresta, cadeia pública está abandonada

A cadeia pública de Floresta, no Sertão de Itaparica, também está desativada. O Blog recebeu um vídeo, hoje, que mostra a situação do equipamento administrado pelo Governo de Pernambuco.

O caso se assemelha ao da cadeia de Belém de São Francisco, que está sem funcionar por falta de efetivo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

26/01


2022

Avante organiza encontro nacional no Recife

No próximo sábado, o Recife irá sediar o Encontro Nacional do partido Avante, no Mar Hotel, em Boa Viagem, das 10h às 12h. A expectativa é de que participem 300 filiados, entre prefeitos, deputados e presidentes estaduais e municipais.

O encontro tem o objetivo de realizar o balanço de crescimento do partido, alinhar as metas para este ano, além de reunir os quadros políticos para planejamento de ações para o próximo pleito eleitoral. O evento deve ser marcado pela apresentação dos resultados do serviço de inteligência artificial para os escritórios estaduais, sendo o Partido Avante o primeiro do país a utilizar esse método, assim como o lançamento da pré-candidatura do deputado federal André Janones à Presidência da República está na programação.

Além de seguir todos os protocolos para não propagar a covid-19, para participar do evento será necessário apresentar o comprovante de vacinação completo. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/01


2022

Rossine relata explosão de violência no Agreste

Em entrevista ao Frente a Frente, ontem, o ex-prefeito de Lajedo Delegado Rossine Blesmany falou sobre a explosão de casos de violência no Agreste pernambucano. Um deles envolve um prefeito da região, que teve a casa invadida por bandidos que chegaram a jogar gasolina no filho do gestor.

"Fui convidado a ir à casa de um prefeito e ele disse: 'Rossine, minha casa foi invadida às sete horas da noite. Eu, minha esposa, meu pai e minha mãe idosos, toda a família reunida'. Seis bandidos invadiram a casa dele e fizeram a família refém, sabendo que estava na residência do prefeito. Derramaram gasolina no filho dele de 15 anos. Um dos bandidos ficou com isqueiro na mão, ameaçando", conta.

De acordo com Rossine, este prefeito fez uma "vaquinha" entre a família para repassar o dinheiro aos assaltantes. Só depois disso, eles libertaram os familiares.

O ex-prefeito de Lajedo tem feito um périplo pela região e relatou outros casos, incluindo o de uma empresária em Garanhuns. "Eu estava saindo de uma entrevista e uma empresária me procurou. Ela disse que havia sido sequestrada às quatro da tarde com a filha e colocada em um cativeiro uma semana atrás", comentou.

Ouça a entrevista completa:

blogdomagno · Frente a Frente - Entrevista com Delegado Rossine Blesmany (25.01.2022)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

Publicidade

Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Opinião

Publicidade
Apoiadores
Parceiros