27/02


2021

O homem que amava livros e poesia

Por Antônio Campos*

Um dos grandes vultos da cultura brasileira do século XX, Edson Nery da Fonseca inovou no campo da biblioteconomia. Criou técnica de arquivos e de preservação de livros e documentos. Neste ano, em dezembro, será o centenário de nascimento do ilustre pernambucano de Recife. 

A Fundação Joaquim Nabuco já iniciou  os preparativos para marcar essa importante data. Em 23 de abril, Dia Nacional do Livro,  Edson Nery será celebrado. E lembrado não só como bibliógrafo, bibliotecário, historiador, intérprete e crítico literário. Atividades que exercia com tamanha qualidade que, já aos 20 anos incompletos, era elogiado por Álvaro Lins. E visto com Gilberto Freyre a realizar pesquisas em arquivos da Câmara Federal. 

Não podermos esquecer do legado que nos deixou com o seu pioneirismo metodológico na Biblioteca Nacional, de Brasília, a que tive a oportunidade de visitar há poucos dias. Nessa biblioteca, que continua sendo uma referência pelo tratamento arquivistico e catalogação do acervo, Edson Nery deixaria a marca de sua competência inovadora. 

Importante destacar nas celebrações a  sua participação, durante décadas, no Seminário de Tropicologia, quando era presidido por Gilberto Freyre, na Fundaj,  instituição a que tenho a honra de presidir. Na Fundação, Edson Nery tornou-se um dos mais próximos colaboradores, em pesquisas, do autor de 'Casa Grande & Senzala", ao lado de Gilberto Osório de Andrade, Estevão Pinto, Renê Ribeiro, Maria Graziela Peregrino, Clovis Cavalcanti, Paulo Rosas, Frederico Pernambucano, Mário Souto Maior, Waldemar Valente, Maria do Carmo Tavares de Miranda e Fátima Quintas.  

Na celebração de seu centenário, no dia 23 de abril, farei uma palestra pelo canal da Fundaj, no YouTube. Abordarei o tema "O livro na era digital, o suporte material dos textos e as variadas formas de ler em época de aceleração digital." Vou lembrar o quanto foi gratificante, para mim, a oportunidade que tive de produzir um CD com a voz de Edson Nery. Ele que foi um dos nossos grandes intérpretes e declamadores da poesia de Manuel Bandeira. 

Para ser mais preciso, não só de Bandeira, o seu preferido a vida inteira, mas dos poetas do seu íntimo miradouro. Vou reeditar esse CD, pela importância histórica e afetiva que ele enseja. Edson Ney tinha o que Rolland Barthes no seu monumental "A Aventura Semiológica", chama de Ethè, os atributos do orador, os traços fundamentais de quem fala. Possuía o dom da voz e a  imponência corpórea. Era prazeroso escutar Edson declamar Bandeira.  

Além de ter sido o mais importante e conceituado mestre na sua especialidade,ele próprio se dizia bibliófilo e “bibliósofo”, "Bibliósofo”, como o chamava seu amigo Antônio Houaiss, que não se cansava de convidá-lo para, ambos, realizarem grandes projetos. 

Na sua casa olindense, a 20 metros do Mosteiro de São Bento, nas visitas que fiz vi de perto os 595 volumes sobre o sociólogo Gilberto Freyre, de quem Nery foi amigo por 47 anos. Tornou-se o maior conhecedor, no campo da bibliografia, assim como biógrafo do Mestre de Apipucos.

A historiadora Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke, curadora da homenagem a Gilberto Freyre na Festa Literária Internacional de Paraty de 2010 e autora da biografia "Gilberto Freyre: Um Vitoriano dos Trópicos", confirma Edson Nery como o maior conhecedor da obra de Freyre: “Penso que não há exagero em dizer que ele conhece praticamente todos os livros, artigos, opúsculos que Freyre escreveu, assim como muito do que foi escrito sobre sua obra”. Antes de Maria Lúcia, Otto Maria Carpeaux, de quem Edson era amigo, já dizia isso, juntando-se as vozes de Eduardo Portela e Vamireh Chacon, outros grandes leitores de Edson e pesquisadores da obra de Gilberto.  

A Fliiporto, por minha iniciativa, em 2013, foi dedicada à sua vida e à sua obra. Recordo a alegria que Edson Nery teve ao ser aplaudido por milhares de pessoas. Saiu do leito de enfermo, fez questão de estar presente, assistido por dois enfermeiros. O acompanhei nesse trajeto. Não, queria perder a oportunidade de estar perto da multidão que o aplaudia de pé.  

Não sei qual das vozes mais cheias de emoções e fervor, a do numeroso público ou a dele. A Fliporto engrandeceu-se naquela noite, no Pátio do Carmo. Podíamos ouvir, ao longe, os sinos da Abadia do Mosteiro de São Bento, quando da entrada de Edson no palco monumental do evento.  

Ao voltar para a casa, Edson teria visto pela janela do carro, que o conduzira em marcha lenta, a cidade que tanto amou. A Olinda das ladeiras, do casario e quintais ensolarados, das sete colinas onde o ar se faz mais fino, das igrejas e seus sinos seculares, das procissões centenárias, das ladainhas e orações da gente simples, do seu querer bem aos livros e aos seus gatos de estimação. Um amor que não consentia extinção.  

*Advogado, escritor, membro da Academia Pernambucana de Letra e presidente da Fundação Joaquim Nabuco


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021

Confira os últimos posts



20/04


2021

José Maria destaca meu livro na Jovem Pan

Meu amigo José Maria Trindade, um dos jornalistas mais notáveis de Brasília, âncora dos Pingos nos Is, programa de fenomenal audiência no Brasil pela Jovem Pan, registrou, ontem, o lançamento do meu livro A dor da pandemia e ainda enviou o áudio divulgado. Amigos são para sempre!

Aproveitando, na live de lançamento ontem, com José Nêumanne, do Estadão, em São Paulo, e Paulo André, ex-Globo Recife, acabei não divulgando a forma de adquirir o livro. Você pode comprar usando o seu pix. O valor é simbólico, apenas R$ 10, mas tem gente colaborando com o blog e transferindo valores do tamanho do seu bolso.

Fique à vontade. O número do meu pix é: 187870704-30. Caso não use pix, entre em contato comigo pelo (81) 9.8222-4888. Tão logo a compra seja confirmada, o livro é remetido em PDF.

Muito obrigado!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

20/04


2021

Governo oficializa troca na PF no Amazonas

O governo federal oficializou, hoje, a troca na Superintendência da Polícia Federal no Amazonas. O delegado Leandro Almada da Costa assume o cargo no lugar de Alexandre Saraiva. A troca foi assinada pelo secretário-executivo do Ministério da Justiça, Tercio Issami Tokano, e publicada no "Diário Oficial da União".

A mudança no comando da PF no Amazonas foi anunciada no último dia 15, um dia após Saraiva ter pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) que investigue o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Na notícia-crime, Saraiva argumentou que ações de Salles podem "obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais".

Na nota em que anunciou a troca, a PF afirmou que Saraiva foi comunicado da substituição "no decorrer da tarde" do dia 14, mesmo dia em que a notícia-crime foi apresentada.

A notícia-crime é um instrumento usado para alertar uma autoridade – a polícia ou o Ministério Público – da ocorrência de um ilícito. Na ocasião, a assessoria de Salles informou que o ministro se manifestaria somente "em juízo". Em entrevista à GloboNews após ter apresentado notícia-crime, Saraiva disse que o ministro defende "infratores ambientais".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE

20/04


2021

Centro Clínico Clara Florêncio se consolida em Arcoverde

Há nove anos, o Centro Clínico Clara Florêncio era inaugurado no município de Arcoverde e, contrariando as expectativas de um empreendimento no Sertão, onde não há muitos recursos para manutenção, se consolidou como uma das mais conceituadas clínicas de Pernambuco

“Hoje a Clínica faz 9 anos. Quero agradecer a vocês pela parceria e dedicação de tantos anos. Que nossa equipe se torne cada vez mais unida trabalhando sempre em prol do bem-estar do próximo. Um grande abraço a todo e comemoraremos ano que vem os 10 anos em grande estilo, se Deus quiser”, disse a idealizadora do centro clinico, Dra. Clara Florêncio.

Dotado de uma infraestrutura moderna, totalmente climatizado, com ampla recepção e consultórios com as mais variadas especialidades médicas, o Clara Florêncio Centro Médico atua através de um olhar humanizado do outro que o permite atender com excelência.

Passados esses nove anos de sucesso, o centro que se iniciou apenas com o consultório de dermatologia, conta hoje com as seguintes especialidades: Cardiologia, Cirurgia Geral, Clínica Médica, Dermatologia Clínica e Cirúrgica, Endocrinologia, Nutrição, Nutrologia, Oftalmologia e Radiologia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/04


2021

Roberto Carlos e Zé Corninho

Da Coluna de João Alberto

Uma curiosidade sobre o oitentão Roberto Carlos. Numa das vezes que veio ao Recife, seu produtor encomendou para ele o bacalhau gratinado do restaurante “Recanto dos Amigos”, em Campo Grande, muito mais conhecido como Zé Corninho. A iguaria foi servida na sua suíte no hotel. Gostou tanto que em todas as outras vezes que veio à cidade pediu para receber o prato. E prometeu que iria conhecer o restaurante. Está devendo...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes 2021

20/04


2021

Só o polígrafo revela a verdade dos fatos

Por José Nêumanne*

Em 15 de julho de 2005, o então presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, inaugurou na República a fala do trono: confortavelmente instalado numa poltrona posta num jardim em Paris, deu a primeira de suas várias versões sobre o momentoso caso do mensalão à repórter brasileira Melissa Monteiro, que trabalhava numa emissora francesa. A Rede Globo de Televisão, segundo informou a jornalista da casa Glória Maria, comprou os direitos de retransmissão, que, sem perguntas de repórteres abelhudos, foi ao ar no programa dominical Fantástico. Inaugurou-se, então, o atual padrão de “entrevista coletiva”, em que profissionais de imprensa podem ouvir e registrar, jamais perguntar.

A 16 anos de seu feito pioneiro, o ex-dirigente sindicalista avançou rumo à retomada da narrativa em programas de entrevistas nos meios eletrônicos de comunicação ao condicionar sua presença no Conversa com Bial, da mesma rede, a uma transmissão ao vivo. Em teoria, para evitar eventuais distorções na edição. “Ao vivo só com polígrafo”, ironizou o apresentador no programa Manhattan Conection. Foi o suficiente para desabar uma tempestade de insultos impublicáveis e outras agressões em redes sociais, numa demonstração de que o gabinete do ódio instalado por Carlos Bolsonaro no Palácio do Planalto tem antecedentes no teórico lado oposto do espectro ideológico. A palavra teórico, aqui usada, registra a afirmação do cientista político da Universidade Federal Fluminense (UFF) Eurico Lima de Figueiredo, na série Nêumanne Entrevista, publicada neste blog, de que o então deputado Jair Bolsonaro disse que “na vida pública, precisamos de gente como Vossa Excelência”, referindo-se à colega Luiza Erundina, então no PSB. E votou em Ciro Gomes, hoje no PDT, no primeiro turno, e em Lula, sempre no PT, no segundo, para presidente, em 2002. Útil ainda lembrar que o capetão sem noção dissera ao Estadão que o coronel venezuelano Hugo Chávez era “uma esperança para a América Latina e gostaria muito que essa filosofia chegasse ao Brasil”.

O repórter esclareceu na editoria de Opinião da Folha de S. Paulo em artigo intitulado O passado como polígrafo: “O caso é pessoal e Lula sabe muito bem que já mentiu a meu respeito. A verdade está registrada, há provas e testemunhas”. O autor destas linhas, verbi gratia, conhece entrevistador e entrevistado há tempo suficiente para saber quem conta a verdade. E contribui para essa discussão relatando fatos históricos indesmentíveis, que têm faltado na crônica jornalística do dia a dia nesta época de pandemia. O gabinete do ódio da famiglia Bolsonaro não é uma inovação e o paredón petecomunista “anti-Bial” não vai me deixar mentir.

Pensando bem, a boutade do apresentador seria uma excelente ideia a ser usada para o perfeito funcionamento das nossas instituições, ao contrário do que seria a bolivarianização proposta pelo “mau militar” (apud Geisel) no apagar das luzes do século 20. O que a verdade faria da cruzada do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes na sua tentativa de desacreditar depoimentos de delatores premiados comprovando os crimes cometidos por Lula para envernizar com juridiquês a vexaminosa higienização da ficha suja do dito cujo? Se Antônio Palocci, que foi ministro da Fazenda do ex-sindicalista e chefe da Casa Civil de Dilma do PT, tivesse sido submetido ao detector de mentiras, continuaria sendo usado cinicamente por advogados de defesa, ministros do “pretório excelso” e outros entusiastas das fantasias garantistas de araque, hein?

A autorização do uso do polígrafo não teria poupado a Polícia Civil do Rio de ter de ouvir duas versões opostas de Tainá Ferreira, babá de Henry Borel, e da empregada doméstica do vereador Jairo Jr. sobre o assassínio sob tortura do menino de 4 anos pelo “Maçaranduba de Bangu”, acusado de chefiar uma milícia? Que tal seria autorizar a tecnologia a detectar os fatos relatados nos votos dos oito ministros do STF que acordaram subitamente para a incompetência de Sergio Moro para julgar o citado Lulinha Rumo ao Centro, após cinco anos de confirmações em todas as instâncias, incluindo as dos próprios “chaveiros de tornozeleiras”?

O que restaria das lives semanais do presidente da República e seus sequazes se os arroubos nelas perpetrados fossem denunciados como mentirosos pelo frio e imparcial aparelhinho, tá OK? Como diria o Cristo, que o apreciador de milicianos Jair (quase Jairo) diz venerar, “em verdade, em verdade, eu vos digo”, a submissão das sessões da Câmara, do Senado e do próprio Congresso não faria os sinais de falta de convicção do que dizem os ditos representantes do povo do alto da tribuna, na qual exercem a sua imunidade, ou seja, impunidade com pê oculto, virar tábula rasa?

Mas este escriba, que nunca viu um polígrafo ao vivo, pode garantir, com certeza absoluta, que quem inventou a polarização, que agora a soi-disante oposição execra, foi o protagonista deste texto, “o cara”, conforme Obama, que também talvez não passasse incólume por uma dose do soro da verdade… Poucos se lembram de que foi o PT que inventou o abismo insondável entre nós e eles, e não a extrema direita, que também não é tão infensa assim ao uso da patranha como método. É que, tal qual a verdade, a memória não é muito popular e benquista no país onde agora a cúpula da Justiça se prepara para condenar o julgador e permitir que um tríplice condenado dispute um pleito no qual talvez se confirme o velho brocardo de bardo segundo o qual quem mentir mais vai chorar menos.

Calma, Centrão de Eduardo Cunha e Arthur Lira! Ninguém aceitará essa ideia do “polígrafo para todos”. No máximo, Planalto, Congresso e Supremo exigirão a prova da verdade inútil apenas dos inimigos antifas.

*Jornalista, poeta e escritor


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

20/04


2021

Bolsonaro nomeia presidente do Banco Central

O presidente Jair Bolsonaro nomeou, hoje, o presidente, Roberto Campos Neto, e sete diretores que terão mandatos fixos no Banco Central.

A legislação que estabelece a autonomia do Banco Central foi sancionada em fevereiro e estabelece uma série de regras, entre elas, o mandato de quatro anos para o presidente do BC, não coincidente com o do presidente da República. Diretores também terão mandatos. Todos podem ser reconduzidos ao cargo, uma única vez, por igual período.

O governo federal tinha 90 dias após a sanção da lei para nomear os diretores do BC. Campos Neto já ocupava o cargo de diretor antes da oficialização do mandato. Um dos objetivos da nova legislação é blindar o órgão de pressões político-partidárias.

Os diretores nomeados foram:

  • Roberto Campos Neto (presidente) – mandato até 31/12/2024;
  • Fábio Kanczuk – mandato até 31/12/2021;
  • João Manoel Pinho de Mello – mandato até 31/12/2021;
  • Bruno Serra Fernandes – mandato até 28/02/2023;
  • Paulo Sérgio Neves de Souza – mandato até 28/02/2023;
  • Carolina de Assis Barros – mandato até 31/12/2024;
  • Otávio Ribeiro Damaso – mandato até 31/12/2024;
  • Maurício Costa de Moura – mandato até 31/12/2023;

Entre outras funções, cabe ao Banco Central, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom), definir a taxa Selic, a taxa básica de juros da economia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Anuncie Aqui - Blog do Magno

19/04


2021

Instituto JCPM realiza novas doações de cestas básicas

A fome ainda é uma das consequências mais cruéis da pandemia. Com a necessidade de isolamento social, iniciativas públicas e da sociedade em geral são os únicos caminhos para amenizar essa problemática. Nesta terça-feira, dia 20, o Instituto JCPM inicia nova rodada de distribuição de cestas básicas, com a entrega de 3.392 unidades. Entre os beneficiados estão todos os 1.367 jovens matriculados nos cursos de qualificação oferecidos nas unidades, além do repasse para 15 instituições parceiras com atuação social nas comunidades.

Do total, 2.260 serão distribuídas no Recife nas comunidades do Pina e de Brasília Teimosa. Moradores da Ilha de Deus também foram inseridos nas doações. “É visível que a fome vem aumentando nas cidades. É extremamente duro ver pessoas que não têm absolutamente nada para comer. É preciso aumentar essa corrente de solidariedade. Sabemos que toda a sociedade está sendo impactada, mas a fome é o mais urgente dos problemas. A retomada da economia ainda é cercada de incerteza, prolongando o sofrimento de quem não tem renda”, pontua a diretora de Desenvolvimento Social do Grupo JCPM, Lucia Pontes.

Foram levados em consideração os bolsões com maior vulnerabilidade social, identificados, também, a partir de uma sondagem realizada pelo IJCPM, considerando a precariedade de estrutura das residências, além de maior quantidade de pessoas morando na mesma unidade. Outro indicador de apoio foi uma sondagem sobre os impactos da pandemia na população da região e o cadastro dos inscritos no Fundo Social – programa criado pelo Instituto em 2020 para apoiar os pequenos empreendedores informais que foram impactados com a perda de mercado consumidor.

Este é segundo mês de doação de alimentos por parte da instituição em 2021. Em março, foram doadas outras 2.955 cestas. Considerando desde o início da pandemia, chega-se à entrega de 43.215 famílias beneficiadas com a doação de alimentos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

19/04


2021

Emendas vão proporcionar obras de abastecimento em Caruaru

Duas emendas parlamentares destinadas pelo deputado estadual Tony Gel (MDB), para o IPA e a Compesa, vão proporcionar investimentos na ordem de R$ 506 mil em obras de ampliação no abastecimento de água, limpeza e construção de barreiros em várias vilas da Zona Rural de Caruaru.

O parlamentar encaminhou as emendas para o IPA realizar a limpeza e construção de barreiros a fim de facilitar o acúmulo de água proveniente das chuvas e para a Compesa garantir a ampliação no fornecimento de água para famílias da zona rural do município.

Tony Gel destacou que as emendas parlamentares destinadas por ele têm como objetivo melhorarem a oferta de água para os moradores da zona rural de Caruaru. Pois, trabalhar para diminuir as dificuldades enfrentadas por aqueles que residem nas comunidades rurais tem sido a sua luta na Alepe.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/04


2021

Confira o especial do rei

O Frente a Frente de hoje, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, que tem como cabeça de rede a Hits 103,1 FM, no Grande Recife, foi todo em homenagem ao rei Roberto Carlos, pela passagem dos seus 80 anos. Se você perdeu o programa confira agora na íntegra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/04


2021

Diretor da CNI morre em decorrência da Covid-19

Morreu, hoje, em decorrência da Covid-19, o diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Eduardo Abijaodi.

Abijaodi tinha 75 anos e estava internado desde o dia 13 de março no hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, sua cidade Natal. Deixa a esposa Zuleide, os filhos, Gustavo e Juliana, e os netos Bernardo, Matheus e Sophia.

Diretor da CNI há mais de dez anos, era tido como um dos maiores especialistas do país em política industrial e comércio exterior. “Além do amigo, perdemos também um profissional de visão e com espírito inovador, cuja trajetória foi marcada pela defesa incansável de políticas públicas pela inserção internacional da indústria brasileira”, declarou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores