23/01


2021

Um embaixador no inferno

Por Marcelo Tognozzi*

O embaixador Paulo Tarso Flecha de Lima nasceu vacinado contra a mediocridade e a incompetência. Ao longo dos seus mais de 50 anos de carreira não foram poucas as vezes em que desafiou o impossível e venceu. Diplomata brasileiro mais importante da segunda metade do século 20, sempre teve como marca pessoal a eficiência da sua diplomacia exercida com determinação, cavalheirismo e, acima de tudo, uma enorme paixão pelo Brasil. Os mais jovens não sabem, mas nos anos Paulo Tarso o Itamaraty era muito mais que uma repartição burocrática com funcionários poliglotas. Ali funcionava uma usina de talentos capazes de ousar e fazer a diferença.

O embaixador, que completará 88 anos em julho, é símbolo da competência e inteligência que necessitamos resgatar urgentemente para que o Brasil recupere sua importância e prestígio na comunidade internacional.

Nos últimos anos experimentamos a diplomacia de uma nota só, na qual o único parceiro relevante era o ex-presidente Trump. Os erros da diplomacia são caros demais e às vezes duram séculos até serem superados.

Esta semana o Brasil se encheu de esperança com as primeiras imagens de pessoas sendo vacinadas. Mas perdeu o fôlego logo em seguida, abatido pela notícia de que não teremos matéria-prima suficiente para produzir imunizantes em larga escala. Nossa diplomacia foi lerda, justamente quando mais precisávamos dela e pagaremos caro.

Foi por isso que decidi reproduzir esta conversa até agora inédita. Na tarde do dia 11 de julho de 2003, eu e o fotógrafo Orlando Brito batemos um longo papo com o embaixador Paulo Tarso sobre os bastidores do resgate dos brasileiros feitos reféns pelo ditador do Iraque, Saddam Hussein, em 1990, pouco antes de estourar a Guerra do Golfo. Saddam usaria brasileiros trabalhadores da Mendes Junior como escudos humanos no caso de um bombardeio norte-americano. Embaixador em Londres, ele interrompeu as férias no sul da França para rumar ao inferno iraquiano. Seu relato é uma aula de diplomacia, ousadia, coragem, solidariedade humana e profissionalismo. Tudo o que se espera de um embaixador de verdade.

Quando o presidente Fernando Collor pediu para o senhor resolver a questão dos reféns brasileiros no Iraque?

Paulo Tarso – Foi em 1990. Estava de férias no Hotel du Cap no Sul da França, quando o garçom trouxe o telefone. Era nosso encarregado de negócios em Bagdá pedindo para que eu entrasse em contato com o ministro do Comércio do Iraque e solicitasse a liberação dos vistos dos brasileiros. Em seguida, telefonou o Azambuja (embaixador Marcos Azambuja, secretário-geral do Itamaraty), e combinamos que eu iria a Londres pegar minhas coisas e depois voaria para Bagdá via Aman, na Jordânia. Eu tinha uma carta do Collor ao Saddam para usar em caso de necessidade.

Quantos eram?

Paulo Tarso – Eram 450 brasileiros que o governo Saddam chamava de hóspedes. Cada grupo estava ligado a um ministério. O primeiro grupo que consegui liberar era o do brigadeiro Hugo Piva. Diziam que ele estava lá ajudando o Iraque a fazer bomba atômica, mas não era nada disso. Ele estava fazendo uns awacs, aqueles aviões com radar e fez os awacs com uma plataforma russa.

Qual era sua estratégia?

Paulo Tarso – Manter a pressão com o grande número de brasileiros, porque queria que saísse todo mundo junto como forma de pressionar o governo do Iraque. O Itamar era presidente interino (Collor estava em viagem oficial no exterior) e um sujeito do SNI (antigo Serviço Nacional de Informações) que o assessorava começou a soprar no ouvido dele para mandar vir todo mundo que já tinha visto. Me recusei a cumprir esta instrução, porque era uma instrução suicida do ponto de vista dos nossos interesses.

Se ficasse um para trás já fracassaria…

Paulo Tarso – Exatamente. E perderia o poder de pressão. Em Bagdá não tinha comunicação com o Brasil. Fizemos uma gambiarra com o computador do José Meirelles Passos, correspondente de O Globo, e conseguimos acesso a uma internet precaríssima. Nosso sistema de telefone por satélite dava muita interferência com os tais awacs que o Piva montou lá. O Piva resolveu tirar o pessoal dele antes. E nós o pegamos em flagrante numa agência comprando passagens. Eu o chamei e passei-lhe os fogos. Como eu era o chefe, me prevaleci desta condição e desanquei o Piva. Como é que ele estava fazendo um negócio desse sem me falar e que poderia comprometer o êxito da missão? Ele ficou muito aborrecido comigo, mas acabou desistindo de sair antes.

E os outros?

Paulo Tarso – Começou-se a criar um fermento de insatisfação no acampamento da Mendes Junior. O pessoal estava muito revoltado e fui lá. O Rosental Calmon Alves, do Jornal do Brasil, tremendo gozador, disse que eu não conseguia me comunicar com os operários, porque falava difícil. No dia seguinte mudei o discurso. Um gerente da Mendes Júnior não me queria no acampamento apavorado com a possibilidade de eu ser sequestrado. O clima era esse. Fiz um discurso bem pedestre na linguagem. Nessa altura a Lúcia (mulher de Paulo Tarso) decidiu vir para Bagdá, mesmo contrariando minha orientação e a do Itamaraty. Usei isso como trunfo: “Olha aqui, quero dar uma prova de que a coisa está se normalizando, tanto que mandei vir minha patroa”. Esse troço rendeu, porque usei a expressão patroa e os jornalistas me gozaram pra burro. Mas surtiu efeito.

Como seguiram as negociações?

Paulo Tarso – O subsecretário de relações exteriores deles era muito influente e com prestígio no Iraque. Wissan Zhawyi. E o acesso a ele obtivemos usando o diplomata René Loncan, seu amigo. A Lúcia fez um jantar para ele na embaixada. Foi aquela luta, porque não havia mais gêneros em Bagdá. Mas o motorista da embaixada conseguiu comprar um carneiro e o cozinheiro fez um carneiro ótimo. Só que Wissan Zhawyi era vegetariano. Então foi uma decepção danada. Mas ele me ajudou, porque era parte da máquina permanente do Ministério do Exterior.

Como ele ajudava?

Paulo Tarso – A gente telefonava e ele dava informações importantes.

Nessa viagem o senhor não chegou a ter contato direto com o Saddam?

Paulo Tarso – Não foi preciso. Consegui resolver tudo sem falar com ele.

Então quem ajudou o senhor foi o Tariq Aziz e…
Paulo Tarso – E o Arafat (Yasser Arafat 1929-2004). O Arafat eu já conhecia e o procurei. Ele tinha uma casa em Bagdá e era muito meu camarada. Era fascinado pelo Brasil e, coitado, levou um cano aqui. Ele era empreiteiro no Oriente Médio, quando começou a construção de Brasília. Um vigarista vendeu para ele um lote apregoando qualidades excelsas para este lote e ele nunca conseguiu achar o diabo do lote. Eu ajudei a procurar também, mas nunca achei. Ele contava isso com muita graça.

Onde o senhor o conheceu?
Paulo Tarso – No Brasil havia um representante da OLP (Organização para Libertação da Palestina, chefiada por Arafat), o Farid Suwan, que ficou meu amigo. Numa das vezes que eu fui ao Iraque ele fez questão que eu conhecesse o Arafat. Quando fui para Bagdá nesta missão, antes passei pela Jordânia e consegui uma audiência com o rei Hussein, pedi para ele dar uma palavra com o Saddam e de fato ele deu. E o Arafat a mesma coisa. Eu o procurei e disse: “Chairman –ele era conhecido como chairman Arafat– precisamos de uma ajuda sua aí com o Saddam, faça ver a ele que é um erro histórico que está cometendo. Isso vai dificultar no futuro uma possível cooperação entre o Brasil e o Iraque“. O Arafat concordou e prometeu intervir junto ao Saddam. Foram duas ajudas políticas.

E as coisas evoluíram?
Paulo Tarso – Começaram a pingar os vistos que estavam faltando até que o Collor, que estava em Nova York, teve uma reunião com o Bush pai. Os americanos redigiram um comunicado à imprensa dizendo o seguinte: “O presidente Collor e o presidente Bush conversaram sobre a situação do Oriente Médio e convieram ambos que Saddam Hussein é um bandido”. Uma coisa desse gênero. E eu com mais de 400 brasileiros lá.

Como o senhor saiu dessa?
Paulo Tarso – O Nezar Hamdoum mandou me chamar. Era o homem forte do Ministério do Exterior e encarregado da propaganda no Iraque. Os americanos o chamavam de Goebbels do Iraque. Pegou um teletipo e disse: “Você viu essa notícia”. Eu respondi: “Soube, mas não vi e estou procurando confirmar”. Então mandei um telegrama para o Rezek (Francisco Rezek, ministro das Relações Exteriores), dizendo que a situação estava muito crítica, porque houve este problema do comunicado e isso poderia ser atenuado, caso ele concordasse em mandar um telegrama para o ministro do Exterior do Iraque. Preparei a minuta do telegrama. Telefonei para o Rezek e falei que a solução era essa e que ele mandasse o telegrama. Você pensa que mandou? Não mandou. Estava a fim de me queimar mesmo.

Como o senhor fez, embaixador?
Paulo Tarso – Eu fui e ensaboei o negócio sem nenhuma cobertura da retaguarda. Me tiraram o tapete. Se eu tivesse um documento do nosso ministro do Exterior dirigido ao ministro do Exterior do Iraque, dizendo que as palavras estavam fora de contexto, seria muito diferente. Outra coisa é o negociador, que não esteve presente à reunião, afirmar isso. Fiquei inteiramente pendurado na brocha. Sem nenhuma cobertura. Aí eu tive medo do Brasil: “Esses caras estão querendo me imolar aqui”.

O presidente Collor soube disso?
Paulo Tarso – Não sei se ficou sabendo desse detalhe. Fui lá no Nezar Hamdoum e consegui convencê-lo de que o Collor havia sido citado fora de contexto e que na hora de produzirem a nota penderam o texto para a posição americana. Aquilo não representava a posição brasileira, que estava expressa na minha atuação de conciliação e de buscar uma saída honrosa. Mas você vê o tipo de deslealdade que o sujeito cometia. Não custava nada mandar o telegrama.

E ele não estava fazendo uma coisa contra o senhor, mas sim contra…
Paulo Tarso – Os brasileiros. O Marcos Azambuja também estava cheio do negócio e me telefonava dizendo assim: “Tá na hora de você sair daí, rapaz”. E respondi ao Marcos: “Eu só saio daqui quando tirar o último brasileiro. Antes da hora eu não saio”. Se saísse antes da hora estava desmoralizado. O engraçado nessa missão era que onde quer que eu fosse era seguido de perto pelo embaixador inglês. Ele estava encucadíssimo sobre o que eu estava fazendo lá.

A Inglaterra tinha o mesmo problema?
Paulo Tarso – Tinha, mas era parte beligerante. A grande vitória foi a seguinte: fui o único sujeito que não era chefe de Estado e tirou os brasileiros de lá. Os austríacos mandaram o Waldheim, que era presidente da Áustria. E eu tirei sem necessidade de um adjutório político maior. Ele conseguiu tirar o pessoal dele, mas eram só 30. E eu ali vendo aquele negócio, ansioso por tirar os meus.

Como o senhor arquitetou a saída?
Paulo Tarso – Aí foi outro abacaxi. A Varig não quis desviar um avião da Europa para buscar o pessoal. Então fretei aviões da Iraq Airways. E foi uma coisa chata, porque o tesouro americano já tinha bloqueado as contas dos iraquianos. Acertamos o pagamento do avião e o banco Manufactures Hannover Trust não quis transferir o dinheiro, atrasando a operação. Não tive dúvida: botei a boca no trombone, dizendo que a culpa era do Manufactures Hannover, que não quis transferir o dinheiro.

E depois?
Paulo Tarso – Fretei um 747 para o primeiro voo e junto foi o embaixador Antonio Amaral Sampaio. Eu fiquei. No dia do meu embarque chegamos no aeroporto pontualmente à meia-noite. Toca o tempo a rolar e nada do avião estar pronto. Aí fiquei apavorado e disse para a Lúcia: “Isso é sacanagem do Saddam Hussein para nos obrigar a ficar aqui. Nós estamos fritos”. Esperamos no aeroporto quatro horas. Deitei num banco e às 4 da manhã, quando chamaram para o embarque, entrou um operário da Iraq Airways com um alicate e um arame nas mãos. Contou que estava dando problema na direção do avião. Eu disse: “Puta que pariu, agora nós estamos fodidos”. Um sujeito com um aspecto horrível, com um alicate e um arame na mão, vai fazer cagada.

O senhor ligou para o presidente?
Paulo Tarso– Liguei para o Marcos (Azambuja) avisando. E eles anunciaram.

Estavam todos apostando no seu fracasso.
Paulo Tarso – Hoje eu estou convencido disso. Cheguei aqui 12 de outubro de 1990, dia de Nossa Senhora Aparecida. Acho que foi a primeira vez que um diplomata brasileiro chegou no Brasil e 10.000 pessoas estavam no aeroporto. Fui direto falar com o Collor e ele preocupado em saber como tinha sido com o rei da Jordânia e o que o brigadeiro Piva estava fazendo lá.

Quantas horas de voo?
Paulo Tarso – Umas 18. Trouxemos a Mônica Yanakiev (jornalista). Na hora de ir para o aeroporto, ela pegou um táxi e o taxista quis agarrá-la. E ela se defendeu com um notebook. Deu uma notebocada na cabeça do sujeito. Estávamos desesperados para vir embora e apavorados de ter de ficar. Nossa saída foi muito engraçada. Quando o Mercedes da embaixada estava partindo para o aeroporto, o René Loncan colocou no toca-fitas o coro dos hebreus saindo da Babilônia, da ópera Nabuco de Verdi. Então saímos ao som do coro dos hebreus. Foi uma coisa emocionante. Quando ouço Nabuco lembro da nossa saída de Bagdá. Os hebreus éramos nós saindo da Babilônia.

*Jornalista. Texto publicado originalmente no site Poder 360.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo 2021

Confira os últimos posts



24/02


2021

Oposição pede devolução de MP da Eletrobras

Os líderes da oposição solicitaram, hoje, a devolução imediata da medida provisória 1.031/2021, que trata sobre a privatização da Eletrobras. Em ofício enviado ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), os parlamentares afirmam que o texto entregue pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional, na noite de ontem, não atende ao requisito da urgência necessário para a publicação de qualquer MP e também por ser inconstitucional.

“Sempre que o governo provoca uma crise que abala a confiança do mercado financeiro, como ocorreu com a troca de comando da Petrobras, usa mão da proposta de privatização da Eletrobras. O governo não pode se desfazer de uma empresa lucrativa e um patrimônio estratégico para os interesses e a soberania nacional, especialmente no momento de crise que estamos vivendo e sem a ampla discussão com a sociedade”, criticou Danilo Cabral, líder do PSB na Câmara dos Deputados e um dos signatários do documento.

Segundo os líderes da oposição, a MP não dispõe de qualquer sinalização que justifique o cumprimento real do requisito da relevância e, mais especialmente, do requisito da urgência. O conteúdo é praticamente idêntico ao texto do projeto de lei 5.877, enviado pelo mesmo governo ao Congresso Nacional em 2019. E também similar à proposta (PL 9463/18) enviada pelo Governo Michel Temer ao Parlamento. “Portanto, temos que pelo próprio entendimento do governo tal conteúdo não contém a relevância ou urgência que enseje a edição de medida provisória. Principalmente no contexto pandêmico da atualidade, que exige medidas efetivas e atenção integral do Governo e do Congresso Nacional”, diz trecho do ofício.

A MP busca acelerar a privatização da Eletrobrás, permitindo que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) inicie os estudos para que a União, hoje detentora de 60% das ações da empresa, abra o capital. O texto prevê também que o governo mantenha poder de veto sobre decisões da estatal por meio de ações preferenciais, as chamadas golden shares.

Além de violar a Constituição pela ausência do requisito de urgência e relevância, os líderes da oposição alegam que a MP, que traz a força de lei de cumprimento vigente imediato, gera profunda insegurança jurídica, em razão da permitir a formalização de contratos antes do crivo do Congresso Nacional a respeito do tema, colocando em risco o patrimônio público e atentando contra o Estado Democrático de Direito, na medida em que usurpa competência do Congresso Nacional.

“Esse é um assunto, diante de sua complexidade, precisa ser discutido no Parlamento sem açodamento. A venda de uma estatal não deve ser viabilizada apenas para gerar caixa ao governo em meio a uma crise econômica. Há outras formas de aumentar a arrecadação, como, por exemplo, promovendo um ajuste fiscal”, encerra Danilo Cabral.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/02


2021

Bolsonaro dá posse a João Roma e Onyx Lorenzoni

Indicado pelo Centrão, o deputado João Roma (Republicanos-BA) tomou posse, hoje, como novo ministro da Cidadania. O termo de posse foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) em evento no Palácio do Planalto. Roma assume a vaga de Onyx Lorenzoni, que também tomou posse nesta quarta para assumir o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

"Seguiremos ampliando e aperfeiçoando a rede de assistência social no Brasil", disse Roma em seu discurso. "A área social e a área econômica são as duas faces de uma mesma moeda", disse.

A escolha por Roma para assumir o ministério é parte do compromisso de entrega de cargos no primeiro escalão do governo a nomes do Centrão. O Republicanos foi um dos partidos do bloco do Centrão que apoiou a eleição de Arthur Lira (PP-AL) como presidente da Câmara dos Deputados.

O Republicanos abriga hoje dois dos filhos do presidente Jair Bolsonaro: o vereador Carlos Bolsonaro (RJ) e o senador Flávio Bolsonaro (RJ). Roma será o terceiro ministro a ocupar a cadeira na Cidadania. A pasta também já foi comandada anteriormente pelo deputado Osmar Terra (MDB-RS).

Antes de ser ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni chefiou até fevereiro de 2020 a Casa Civil. O retorno de Onyx ao Planalto ocorre por conta da saída de Jorge Oliveira da Secretaria-Geral para assumir, no fim do ano passado, vaga de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner Jaboatao 2021

24/02


2021

“Se (Daniel) quebrou o decoro, tem que ser punido”, diz Rodolfo

Por Houldine Nascimento, da equipe do Blog

O deputado federal Fernando Rodolfo (PL-PE) falou, há pouco, em entrevista ao programa Frente a Frente, sobre o papel que vai desempenhar como relator no caso envolvendo o colega de parlamento Daniel Silveira (PSL-RJ), que segue preso após aparecer em vídeo atacando ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele foi escolhido, hoje, para assumir essa função no processo que está tramitando no Conselho de Ética da Câmara contra o deputado fluminense.

Na conversa com o âncora Magno Martins, Rodolfo destacou que “o episódio da prisão foi superado” e que se restringirá a avaliar a conduta de Silveira. “Nós vamos analisar a conduta dele. Se houve quebra de decoro ou não. Essa é a grande questão”, disse. “Defender a volta do AI-5 significa quebra de decoro? Houve ameça a ministros do Supremo? É isso que vai ser discutido nesse processo”, completou.

Fernando Rodolfo se posicionou pela manutenção da prisão de Daniel Silveira, referendada em votação aberta por 364 deputados, 107 além do mínimo necessário, na última sexta-feira (19). Nos próximos 60 dias, o deputado pernambucano atestou que conversará com juristas, técnicos dentro e fora do Congresso: “O que eu posso garantir é que farei um trabalho com serenidade”.

Em suas palavras, “deixando a paixão de lado e se prendendo estritamente à questão jurídica”. “A opinião pública já está formada. Aqui a gente não vai permitir que o nosso relatório seja pautado por sentimentos de paixão política”, prosseguiu. Para Fernando Rodolfo, estando caracterizada a quebra de decoro, não há outro caminho que não seja a cassação.

“Não é uma situação confortável para ninguém. Ninguém se elege para exercer o mandato por um ou dois anos e ser cassado, mas existem regras, existe o regimento, que precisa ser cumprido. A função do parlamentar é muito nobre, é uma função muito bonita na sociedade e a gente precisa preservar em todos os momentos aquilo que foi confiado pela população. É o que nós chamamos de decoro parlamentar. Se quebrou o decoro, tem que ser punido”, concluiu.

Ouça a entrevista na íntegra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Daniel tem que ser punido. Bandidão.

marcos

NUNCA MAIS votem em Rodolfo, ele é amiginho dos ministros do STF.



24/02


2021

Bolsonaro diz que se livrou de 20 processos de cassação

Na despedida do ministro da Secretaria Geral da Presidência, em ato, há pouco, no Planalto, o presidente Bolsonaro fez um rápido agradecimento e afirmou que o pai do ex-auxiliar o livrou, quando o assessorou na Câmara, de pelo menos 20 processos de cassação.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina 2021

24/02


2021

Bolsonaro elogia Roma e diz que Guedes tem coração

Ao saudar o novo ministro da Cidadania, João Roma Neto, o presidente Bolsonaro afirmou não ter dúvida de que fará muito em favor dos mais necessitados. "Agradeço a João e ao seu partido, o Republicanos, por atender essa convocação que não é minha, mas do País, do Brasil que precisa mudar e avançar", afirmou.

Bolsonaro aproveitou para fazer um afago aos seus ministros. "Não existe manual para ser presidente. É preciso que haja lealdade de vocês para mim e eu para vocês, ministros", assinalou. O presidente encheu também a bola do ministro da Economia, Paulo Guedes. "O Guedes já demonstrou que tem coração, é a âncora do nosso Governo, com austeridade absoluta e responsabilidade fiscal", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

24/02


2021

Roma cita avô, Joaquim, Krause e Maciel em fala

Ao assumir o Ministério da Cidadania, há pouco, o deputado João Roma Neto, do Republicanos da Bahia, disse que sua missão é não deixar ninguém desamparado como condutor da pasta que faz ação social no Governo Bolsonaro. "Cidadania é buscar fazer mais e muito pelos que mais precisam", disse.

Roma citou o Padre Roma, um dos condutores da Insurreição Pernambucana, o seu avô João Roma, ex-deputado por Pernambuco, e os políticos Marco Maciel, Joaquim Francisco e Gustavo Krause, com quem trabalhou. Deu ênfase ao seu padrinho político na Bahia, o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, presidente estadual do DEM.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

24/02


2021

FBC recebe prefeitos de diversas regiões de Pernambuco

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) recebeu, hoje, em Brasília, o prefeito de Toritama, Edilson Tavares, que pediu o apoio do governo federal para viabilizar a obra de duplicação da BR-104, na entrada do município. Cerca de 30 mil pessoas passam pelo local nos dias de funcionamento da feira de moda e confecção. Fernando Bezerra, que é líder do governo no Senado, se comprometeu a articular uma reunião com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, para destravar a obra.

“Esse é um projeto muito maior que Toritama, um projeto que vai atender o estado de Pernambuco e que vai fazer diferença para o polo de confecções, gerando emprego e renda para a população do Agreste”, disse o senador.

“Esta obra, que está parada há mais de uma década, compreende a duplicação de um trecho de aproximadamente seis quilômetros, por onde passam mais de 30 mil pessoas somente no dia da feira, gerando um engarrafamento de duas horas”, acrescentou Edilson.

Já o prefeito de Timbaúba, Marinaldo Rosendo, pediu apoio para a aquisição de máquinas e equipamentos, como tratores, caminhão caçamba e retroescavadeira. “São equipamentos importantes para apoiar a produção e a limpeza urbana, além de ajudar nas obras de recapeamento e pavimentação de ruas”, disse Marinaldo.

A aquisição de máquinas também foi a demanda apresentada pelos prefeitos de Parnamirim, Nininho, e de Moreilândia, Teto Teixeira, enquanto os prefeitos de Lagoa Grande, Vilmar Capellaro, de Cortês, Fátima Borba, e de Condado, Antonio Cassiano, solicitaram recursos para o custeio da saúde.

“Os prefeitos vêm a Brasília com demandas importantes para os municípios, e é dever do parlamentar articular o apoio do governo federal, levando recursos e obras para o seu estado. Além de melhorar a qualidade de vida da população através de equipamentos de saúde, escolas e obras de saneamento e infraestrutura, os investimentos federais ajudam a movimentar a economia e gerar emprego”, afirmou Fernando Bezerra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jornao O Poder

24/02


2021

Sebá assume liderança do Avante na Câmara

O deputado federal Sebastião Oliveira assumiu, hoje, a liderança do Avante na Câmara dos Deputados. No primeiro dia no exercício da nova função, o parlamentar recebeu a visita de cortesia dos prefeitos Matheus Martins (Terezinha), Douglas Duarte (Angelim), Gilmar Assunção (Frei Miguelinho) e Eudes Tenório (Venturosa).

Com Sebá como liderança nacional, o Avante Pernambuco conseguiu emplacar, nas últimas eleições, dez prefeitos, cinco vices e 112 vereadores, sendo dois deles no Recife. Antes dos irmãos Sebastião e Waldemar Oliveira, que é presidente estadual da legenda, a sigla não comandava nenhuma prefeitura no Estado.

Já na sua estreia na Câmara Municipal do Recife, os vereadores do Avante assumiram a presidência de duas importantes Comissões: Segurança Cidadã (Dilson Batista) e Acessibilidade e Mobilidade Urbana (Fabiano Ferraz). 

“Agradeço ao deputado Luiz Tibé - meu antecessor e presidente Nacional do Avante – e aos demais companheiros da nossa bancada pela confiança. Estamos totalmente alinhados com as demandas atuais e mais importantes do Brasil. Vamos trabalhar em sintonia com todas as áreas, sobretudo, com a saúde e a economia. O País pode contar com o Avante. O momento exige união e muito trabalho”, ressaltou Sebastião Oliveira.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

NUNCA NAIS votem em Sebá. Ele é amiguinho dos ministros do STF.



24/02


2021

Começa posse de João Roma

A solenidade de posse do novo ministro da Cidadania, João Roma Neto, já começou com uma hora e meia de atraso. O presidente Bolsonaro também vai sancionar o projeto de autonomia do Banco Central.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/02


2021

Bolsonaro anuncia sanção da autonomia do BC

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou para hoje, juntamente com a posse do deputado João Roma (Republicanos-BA) como ministro da Cidadania, a sanção do texto que dá autonomia ao Banco Central.

A informação consta em postagem feita no Facebook. Junto ao texto, Bolsonaro divulgou uma foto dele com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha