Lavareda

29/10


2020

E ninguém vai processar aloprados de Bolsonaro?

Por José Nêumanne*

Na pandemia de covid-19, enquanto convencia néscios de que a obrigatoriedade de vacina fere direitos individuais, o presidente da República reuniu chefões da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) fora da agenda. O encontro constou da agenda do serviçal Augusto Heleno, que nunca se destacou pelo uso da inteligência. Em 25 de agosto, Jair Bolsonaro levou à presença deste e do delegado Alexandre Ramagem as advogadas do primogênito, Luciana Pires e Juliana Bierrenbach, para denunciarem eventual crime de fiscais da Receita Federal na ação contra a ilícita prática de peculato quando Flávio Bolsonaro dava expediente na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

O aval dado pelo chefe do governo à teoria conspiratória do atual defensor do filho “zero um”, Rodrigo Roca, conhecido pelo patrocínio de causas de acusados de tortura na ditadura militar e substituto de Frederick Wassef, em cujo falso escritório de advocacia escondeu o subtenente PM-RJ Fabrício Queiroz, vassalo do filho, foi revelado sexta-feira 23 de outubro. E tem sido tratado como corriqueiro. Mas é grave. Muito grave. Não só por configurar nova tentativa de contornar, como num drible da vaca, a natureza técnica, fria e impessoal do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que originou o inquérito no Ministério Público do Rio (MP-RJ) sobre extorsão de parte dos vencimentos de servidores da Alerj praticada pelo ex-assessor. Mas, sobretudo, para esclarecer que papai Bolsonaro não estava brincando quando disse que não deixaria seus parentes e amigos serem prejudicados (no jargão sujo de hábito) em reunião ministerial, tornada pública. Esta motivou a saída do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro do Ministério da Justiça e da Segurança Pública e a seu respeito corre ação sem futuro no Supremo Tribunal Federal (STF).

O fato configura crime de responsabilidade, passível de impeachment. Pois o chefe do governo deslocou o Coaf do Ministério da Fazenda para o da Justiça, a pedido de Moro, e depois para o Banco Central, para sacá-lo da alçada do ex-magistrado. O Coaf nunca foi subordinado à Receita, nem no périplo armado por ele e seus aliados do Centrão no Congresso para aliviar a barra do rebento. Não estranhem o uso da gíria de Rio das Pedras, sede da milícia que foi chefiada pelo capitão PM-RJ Adriano da Nóbrega, cujos depósitos na conta de Queiroz fazem parte do acervo probatório do MP-RJ. Mas não basta. Wassef, que nunca deixou de se gabar de ascendência sobre a famiglia presidencial e seu mais poderoso chefão, conseguiu do então presidente do STF, Dias Toffoli, a suspensão por seis meses de todas as investigações de crimes financeiros no País para poupar Flávio. Mas a normalidade foi restaurada no plenário por nove votos a dois, tendo o autor votado contra a própria decisão monocrática.

A presença de Ramagem na citada reunião seria prova suficiente no inquérito aberto no STF, se não fosse mero pretexto para ganhar tempo. Como o seria a denúncia do empresário Paulo Marinho, que deu explicação plausível para as demissões de Queiroz do gabinete do filho e de sua filha Natália do do pai, segundo a qual um delegado bolsonarista da Polícia Federal (PF) havia avisado o senador sobre o adiamento da Operação Furna da Onça para não prejudicar a vitória do pater familias no segundo turno do pleito presidencial. A informação poderia ter sido confirmada ou desmentida se o juiz federal Elder Fernandes não tivesse negado a quebra do sigilo dos telefones da PF para confirmar a versão do suplente, em lugar da acareação, fancaria que tenta mascarar o óbvio ululante (apud Nelson Rodrigues).

No entanto, a não ser pela débil manifestação do líder do Partido Socialista Brasileiro (PSB) na Câmara, Alessandro Molon, não houve um “pai da pátria” (todos comprometidos com o conluio-mor que paralisa a democracia e a justiça no País) que tomasse atitude capaz de deter novas tentativas espúrias de justificar o inexplicável que, na certa, estão por vir.

Nem original é. Circula pela Câmara dos Deputados o líder José Guimarães, cujo assessor foi detido com dólares na cueca no processo que investigava o financiamento espúrio de dossiê para comprometer José Serra, candidato tucano favorito ao governo de São Paulo, em 2006. Na ocasião, o então presidente Lula deu definição exata à manobra abortada: aloprados. Agora, com o Congresso Nacional e o STF mais uma vez desmoralizados com o acordo espúrio para evitar a punição de sócio da alta corte bolsonarista, Chico Rodrigues, de Roraima, o tirambaço dado por Jair Bolsonaro propondo arapongagem explícita para limpar o cueiro sujo do primogênito presidencial afundará em água de esgoto.

Assim como as ações no STF com punição adiada para as calendas gregas para evidente interferência política de Bolsonaro na PF, na Abin e no GSI e o uso do gabinete do ódio do filho “zero dois” promovendo manifestações fascistoides, essa tentativa de perseguir fiscais da Receita com devassa inadmissível será despejada na vala comum do lixão da covardia.

*Jornalista, poeta e escritor


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE

Confira os últimos posts



24/11


2020

Embaixada chinesa reage a tuíte de Eduardo Bolsonaro

A embaixada da China no Brasil acaba de soltar comunicado em que repudia o tuíte em que Eduardo Bolsonaro acusa o gigante asiático de usar a tecnologia 5G para espionagem. Depois do estrago feito, o deputado apagou a postagem.

“Eduardo Bolsonaro e algumas personalidades têm produzido uma série de declarações infames que, além de desrespeitarem os fatos da cooperação sino-brasileira e do mútuo benefício que ela propicia, solapam a atmosfera amistosa entre os dois países e prejudicam a imagem do Brasil”, diz a embaixada.

“Instamos essas personalidades a deixar de seguir a retórica de extrema direita norte-americana, cessar as desinformações e calúnias sobre a China e evitar ir longe demais no caminho equivocado. Caso contrário, vão arcar com as consequências negativas e carregar a responsabilidade histórica de perturbar a normalidade da parceria China-Brasil”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Até quando esses vagabundos filhos de Bolsonaro, vão ficar perturbando o Brasil, esse Eduardo Bananinha de vez enquanto fica prejudicado a imagem do Brasil, que já não é boa, justamente por causa do Presidente e desses MILICIANOS filhos dele.

Wellington Antunes

\"Caso contrário, vão arcar com as consequências negativas e carregar a responsabilidade histórica de perturbar a normalidade da parceria China-Brasil” Toma Eduardo Bananinha imbecil. Chupa essa agora!.


O Jornal do Poder

24/11


2020

Federal com suspeita de derrame de dinheiro

Soube, há pouco, que a Polícia Federal vai agir com rigor nas áreas sociais vulneráveis do Recife, nas quais colheu informações de que há dinheiro sujo do PSB sendo distribuído fartamente na compra de votos. "Se for comprovado de fato derrame de dinheiro, vamos botar muita gente na cadeia", disse uma fonte da PF.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

24/11


2020

Greca vê DEM com bons quadros, mas elogia Bolsonaro

Em live, há pouco, pelo Instagram deste blog, com transmissão simultânea pela Rede Nordeste de Rádio, o prefeito reeleito de Curitiba, Rafael Greca (DEM),  disse que o seu partido tem três nomes de grandeza nacional para disputar à Presidência da República, citando o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o prefeito de Salvador, ACM Neto, mas deu a entender que será voz destoante. Pelo tom dos elogios e da defesa do Governo Bolsonaro, íntegra a corrente dos democratas que pode apoiar a reeleição do presidente.

"Bolsonaro tem como grande capital não ter deixado faltar recursos para os Estados e os municípios. Mais do que isso, para os pequenos empreendedores que sofreram na pandemia e os menos afortunados, com a ajuda dos R$ 600", afirmou. Na opinião de Greca, ainda não surgiu um nome capaz de se transformar num candidato anti-bolsonaro.

"Eu não enxergo ninguém com esse perfil, nem mesmo o apresentador global Luciano Huck ou o governador Dória", disse Greca. O prefeito curitibano acha que este não é o momento de se discutir sucessão presidencial, estando o País ainda realizando eleições de segundo turno em 57 cidades no próximo domingo. "O momento é de união nacional para livrar o País do mal maior que ameaça o seu povo, que é a pandemia do coronavírus", afirmou.

Rafael Greca, 64 anos, foi reeleito com mais de 60% dos votos sem ir a um só debate na TV com os seus adversários. Explicou que ficou ausente por ter contraído Covid e por achar que os adversários não queiram debater a cidade, mas agredi-lo. A íntegra da live está disponível no Instagram deste blog no @blogdomago.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/11


2020

Justiça proíbe Frente Popular de distribuir panfletos contra Marília

Do G1/PE

A Justiça Eleitoral determinou, hoje, que a Frente Popular do Recife, coligação do candidato à prefeitura do Recife João Campos (PSB), se abstenha de distribuir panfletos apócrifos contrários à adversária no segundo turno das eleições, Marília Arraes (PT), em conjunto com outros a favor do candidato socialista.

Os panfletos contra a candidata, distribuídos em conjunto com propagandas favoráveis a João Campos, trazem uma imagem de Marília Arraes com diagramas apontando para dizeres como "ideologia de gênero", "aborto", "legalização das drogas", "tirou a bíblia da Câmara do Recife-PE", "votou contra o perdão das igrejas" e "pertence ao PT que persegue os cristãos de todo Brasil".

Anteriormente, a campanha de João Campos perdeu uma ação na Justiça sobre uma propaganda televisiva com o mesmo teor dos panfletos. A nova decisão foi assinada pela juíza da 7ª Zona Eleitoral Virgínia Gondim Dantas.

A magistrada deferiu a liminar determinando que a campanha pare "de realizar a distribuição dos panfletos com propaganda positiva em favor de João Campos e com propaganda negativa em desfavor de Marília Arraes", sob pena aplicação de multa de R$ 2 mil, por ato de descumprimento.

Por meio de nota, a Frente Popular do Recife afirmou que repudia "as tentativas de associação de qualquer material apócrifo à candidatura do deputado federal João Campos, que vem discutindo de forma altiva e propositiva, junto à população, alternativas para o enfrentamento aos desafios da cidade".

Na ação, proposta pela coligação Recife Cidade da Gente, da qual Marília faz parte, consta a informação de que há um vídeo que mostra a distribuição do material. O carro em que a ação era feita foi filmado e o dono, identificado.

O carro utilizado para distribuição dos panfletos, segundo a magistrada, tem adesivos com design típico da campanha de João Campos, impressos em alta qualidade.

A juíza considerou que há responsabilidade do candidato na distribuição porque, mesmo não sendo quem diretamente entregou o material, teve conhecimento do caso e não providenciou contato com o responsável para parar a divulgação do material. Além disso, ele é o beneficiado com a manifestação.

A juíza determinou ainda que fiscais da propaganda façam diligências no local onde o caso ocorreu, próximo à igreja Assembleia de Deus da Torre, na Zona Oeste, e no entorno, no horário do início ou do término dos cultos que ocorrerem durante a semana.

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

24/11


2020

Duplicação da rodovia de acesso a Petrolina tem edital publicado

Foi dado o primeiro passo para o início das obras de duplicação da BR-428, rodovia que dá acesso a Petrolina. O edital de licitação foi publicado pelo Governo Federal hoje. A expectativa é que em janeiro seja iniciada a obra estruturante no município sertanejo.

O projeto da BR-428 prevê a duplicação no trecho entre a rotatória do Monumento do Centenário, na altura do km 188, até o posto Umburuçu, nas proximidades do Residencial Vivendas. Além do alargamento das faixas de trânsito de veículos, a obra pavimentará as vias marginais e implantará uma ciclovia ao longo desse trajeto.

A intervenção foi resultado de uma articulação junto ao Governo Federal do prefeito Miguel Coelho, do senador Fernando Bezerra e do deputado federal Fernando Filho. Serão cerca de R$ 45 milhões de investimento no empreendimento coordenado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

"Essa é uma das obras que a gente falava na campanha de um conjunto de 15 duplicações. Serão diversos bairros beneficiados, como a Vila Marcela, Padre Cícero, Loteamento Recife, residenciais. Portanto, é mais um marco na mobilidade de Petrolina, que propiciará uma cidade mais bonita, acessível, estruturada e planejada para o presente e o futuro", explica o prefeito Miguel Coelho.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/11


2020

Quem é o guru de João? Lula ou Aécio?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Agora é Marília 13!

Fabiano

Para Magno, tá feio já. Vc não precisa disso.



24/11


2020

Rafael Greca daqui a pouco na live do blog

Daqui a pouco, no horário do Frente a Frente, de 18 às 19 horas, vou entrevistar, em live pelo Instagram, o prefeito reeleito de Curitiba, Rafael Greca (DEM). O democrata, cria na vida pública do ex-prefeito e ex-governador Jaime Lerner, que se notabilizou pela implantação de um modelo de gestão inovadora e revolucionária em mobilidade urbana, foi reeleito domingo passado para o terceiro mandato à frente da capital paranaense.

A grande transformação de Curitiba, fundada em 1693, começou há quatro décadas. Jaime Lerner, arquiteto e urbanista, o padrinho político de Greca, chegou à Prefeitura em 1971. A estreia do novo Governo municipal foi polêmica e marcou um precedente: Lerner decidiu encerrar o tráfego na rua XV de Novembro, uma avenida recheada de negócios e carros. 

Os comerciantes negaram-se a fazer isso, preocupados com a perda de clientes, e organizaram um bloqueio à rua no sábado. Ao chegarem, encontraram dezenas de crianças desenhando no asfalto. Em tempo recorde (um fim de semana), Curitiba inaugurou a primeira via de pedestres do Brasil. Desde então, é tradição que as crianças desenhem no chão aos sábados.

O prefeito desenvolveu, com o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), que existe até hoje, um modelo de transporte inovador. Na contramão de outras grandes cidades, decidiu ignorar o metrô, por considerá-lo caro e pouco eficiente. Decidiu que os ônibus usariam vias expressas exclusivas nas ruas principais da cidade. 

Em seguida, nos anos oitenta, afinou o sistema: criou estações em forma de tubo que estão na altura das portas dos ônibus, onde os passageiros compram seus bilhetes antes de entrar (um sistema nada comum no Brasil, onde se paga a passagem ao cobrador ou ao motorista). 

Os ônibus passavam a cada minuto. O chamado Transporte Rápido por Ônibus (BRT, na sigla em inglês) tornou-se rapidamente um ícone, especialmente em um país onde os habitantes das grandes megalópoles, São Paulo e Rio de Janeiro, sofrem diariamente com o transporte público, e onde não é raro que um trajeto da periferia ao centro dure duas ou três horas.

Atualmente, por volta de 300 cidades usam o modelo BRT criado em Curitiba. Aproximadamente 45% da população da cidade utiliza o transporte coletivo, segundo a Prefeitura, e a rede transporta por volta de 2,3 milhões de pessoas por dia, de acordo com o IPPUC, que usa como exemplo o metrô de Londres, com três milhões de passageiros diários.

Paradoxalmente, Curitiba tem a maior frota de veículos do país (aproximadamente 1,4 milhão). Tem a ver, dizem os especialistas, com o fato de ser a quinta maior econômica nacional, segundo dados de 2013 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O PIB per capita da cidade, atrativa para a indústria, gira em torno de 42.900 reais, contra os 28.800 da média do Brasil.

Greca, que sucedeu a Lerner, é engenheiro urbanista. Nos 300 anos de Curitiba, quando não havia reeleição, a cidade ganhou o Prêmio Mundial do Habitat das Nações Unidas pelo conjunto da sua obra. Curitiba é a única cidade a ter praticado a recomendação da Organização Mundial da Saúde de 50% da lotação dos ônibus na pandemia. Foi promovida uma higienização sem precedentes no Brasil e no mundo. O colapso da saúde não aconteceu.

Três hospitais foram erguidos em menos de dois meses. O Fundo de Emergência de Curitiba,  de R$ 600 milhões, não foi consumido e todas as despesas são pagas em dia. No transporte coletivo, o usuário paga apenas uma tarifa para determinados trajetos entre Curitiba e demais municípios da região, mesmo que precise trocar de linha. 

Desde outubro de 2019, a Prefeitura de Curitiba reduziu o preço da tarifa de ônibus para alguns horários e linhas do transporte coletivo. Enquanto o valor da tarifa comum é de R$ 4,50, estas linhas custam R$ 3,50. 

Em 2018, Greca lançou o Cohab Solar, desenvolvido pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab). A proposta do programa é instalar placas fotovoltaicas em moradias sociais, a fim de diminuir a conta de luz paga pelo usuário por meio do consumo de energia solar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/11


2020

TRF-5 nega novo habeas corpus para braço direito de Geraldo

O vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, desembargador Lázaro Guimarães, negou mais um pedido de habeas corpus interposto por Felipe Soares Bittencourt, diretor executivo de Finanças e Administração da Secretaria de Saúde do Recife, mantendo o seu afastamento do cargo e as demais medidas cautelares em vigência, como a proibição de visitar a sede da Prefeitura e de se aproximar de qualquer agente público da gestão municipal. No processo em questão, o prejuízo de máscaras e aventais descartáveis comprados e não entregues (compras fantasmas) é de aproximadamente R$ 7,0 milhões. Bittencourt, braço direito de Geraldo Julio há dez anos, está afastado do cargo desde 23 de julho por decisão da 36ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, que autorizou a medida no âmbito da Operação Bal Masqué da Polícia Federal.  O despacho do desembargador negando o habeas corpus data de 10 de novembro e foi remetido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

A tentativa de derrubar as seguidas decisões da Justiça Federal e retornar ao cargo de chefe da Direção Executiva de Finanças e Administração da Secretaria de Saúde do Recife tem consonância com a decisão política do prefeito Geraldo Julio (PSB) de não exonerar o assessor, que apesar de todas os indícios de corrupção, segue normalmente recebendo os proventos do seu cargo comissionado como se trabalhando estivesse. De agosto até novembro, de acordo com o Portal da Transparência do Recife, o custo da gestão municipal com o servidor afastado já alcança R$ 49,8 mil. Além das investigações federais, Felipe Bittencourt é citado em 22 auditorias especiais instauradas no Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) para apurar irregularidades nas contratações e compras referentes à Covid-19.

Filiado ao PSB desde 2007, Bittencourt iniciou sua trajetória aos 20 anos como oficial de gabinete do então governador Eduardo Campos no Palácio do Campo das Princesas, tendo sido remanejado para auxiliar de Geraldo Julio na Secretaria de Desenvolvimento Econômico em 2010. Antes de assumir o posto na Secretaria de Saúde do Recife, foi ordenador de despesas no Gabinete de Projetos Especiais da PCR, sob a chefia do então secretário João Guilherme Ferraz. Atualmente secretário de Governo e Participação Social, João Guilherme é o responsável por dezenas de indicações no quadro de comando administrativo da Secretaria de Saúde. 

A decisão do desembargador Lázaro Guimarães cita dados do inquérito policial referente à dispensa de licitação 13/2020,  cujo objeto foi a compra de 2,88 milhões de máscaras e de 899,6 mil aventais descartáveis, via dispensa de licitação, à empresa de pequeno porte Delta Med. O contrato somava R$ 15,2 milhões. Além da não comprovação de entrega de R$ 4,28 milhões em máscaras (1,7 milhão de unidades) e de R$ 3,06 milhões em aventais (340 mil) - pagos sem que tivessem sido entregues pela empresa fornecedora -, o relatório descritivo da compra, assinado por Felipe Bittencourt, data de quarenta dias após os pagamentos, situação que configura o direcionamento e a irregularidade da aquisição.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/11


2020

Jornalista Fernando Vannucci morre aos 69 anos

O apresentador e jornalista Fernando Vannucci morreu, na tarde de hoje, aos 69 anos, em Barueri, na Grande São Paulo. Vannucci deixa quatro filhos. Segundo Fernandinho Vannucci, filho do apresentador, na manhã desta terça, ele passou mal em casa e foi levado para o hospital.

De acordo com informações da Guarda Civil Municipal de Barueri, Vannucci foi levado ao Pronto-Socorro central da cidade, onde morreu.

No ano passado, Vannucci sofreu um infarto e ficou internado no Hospital Oswaldo Cruz, onde passou por uma angioplastia coronária. Ele chegou a colocar um marcapasso.

Nascido em Uberaba, Vannucci começou a trabalhar em rádio ainda adolescente. Na década de 70, entrou na TV Globo, em Minas Gerais, e depois foi transferido para a Globo do Rio de Janeiro. Na emissora, apresentou jornais como o Globo Esporte, RJTV, Esporte Espetacular, Gols do Fantástico, entre outros.

Na passagem pela Globo, Fernando Vannucci cobriu seis Copas do Mundo: 1978, 1982, 1986, 1990, 1994 e 1998 e ficou marcado pela criação do bordão "Alô, você!". Ele também trabalhou em TV Bandeirantes, TV Record, Rede TV. Desde 2014, ele atuava como editor de esportes na Rede Brasil de Televisão.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/11


2020

O desabafo odiento de João da Costa

Após ser citado inúmeras vezes pelo candidato do PSB à Prefeitura do Recife, João Campos, como o causador dos desmandos que assolam a capital, o ex-prefeito e vereador pelo PT, João da Costa, fez um desabafo no Twitter. João disse que, no momento certo, vai abrir a caixa de Pandora e revelar o que sabe. Aguardemos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha