23/10


2020

Bolsonaro, Doria e a guerra das vacinas

Por Arnaldo Santos*

Machado de Assis, um dos gênios da literatura brasileira, cunhou a seguinte frase: “[…] os adjetivos passam e os substantivos ficam”. Apesar de simples e direta, de tão repleta de significados, não só para a língua, essa frase não abre espaço para contestação ao pensamento machadiano. Monteiro Lobato nos ensinou que “[…] o adjetivo é escasso e sóbrio”, “deve ser usado com pão-durismo”. Sob o ponto de vista da escrita em linguagem culta, sobra claro que, na árdua tarefa da produção textual, mesmo em um simples artigo para jornal, há que se evitar os exageros no emprego dos adjetivos.

Com todas as vênias de duas das nossas maiores referências literárias, cada um a seu tempo e estilo, esse esforço de ser “pão-duro” no uso do adjetivo torna-se nulo, em vão, quando a personagem sobre a qual se escreve é um certo Presidente, de estilo “macunaímico”, dessas bandas dos trópicos, cercado de malfeitores por todos os lados, se o leitor me permite o uso desse eufemismo para designação de corruptos, adjetivo que foi corrompido; que sofreu corrupção, cujo conceito foi relativizado nesses tempos de “Brasil acima de tudo; meus filhos a cima de todos”.

Agindo como menino birrento, o que não constitui novidade, o presidente Jair Bolsonaro, respondendo indiretamente ao governador de São Paulo, João Doria (ambos sofrem da escassez de recursos mentais), no início da semana, surpreendeu o Brasil, e ao mundo (ele ainda consegue), com outra de suas declarações genocidas, quando afirmou que “[…] nenhum brasileiro será obrigado a tomar qualquer vacina contra o coronavírus”; e, com um sorriso irônico de canto de boca e em tom ameaçador, para o aplauso dos áulicos que compunham a audiência, arrematou: “[…] mesmo porque quem autoriza campanha de vacinação é o Ministério da Saúde, e quem aprova vacina é a ANVISA”. Disse o óbvio, e seria preocupante se não fosse assim! Depois da cloroquina, a guerra das vacinas.

Quando se examina o histórico do comportamento do Presidente, durante a pandemia, especialmente na fase mais aguda do processo de transmissibilidade da doença, suas últimas declarações não apenas ratificam sua atitude errática em relação à covid-19, como sugerem, se não a proibição do uso das vacinas, no mínimo desestimula a população, a se vacinar, e dar  indicações de que pode retardar propositadamente a aprovação das vacinas em fase de testes, pouco se importando com o agravamento da pandemia.

Imaginar que a motivação dessa atitude que adentra a irresponsabilidade, é por birra contra o governador João Dória, seu desafeto político, porque esse havia anunciado para janeiro o início da vacinação contra o coronavírus em seu Estado. Isto, além de muito trágico, é a prova de que o ocupante do Palácio do Planalto sofre de atrofia político-mental.

Registre-se o fato de que essa declaração de caráter eugenista representa uma grave ameaça à saúde de milhões de brasileiros e confirma, mais uma vez, seu desprezo pela vida humana, evidenciando que pode estar em curso um boicote aos esforços e estudos científicos, bem como aos bilionários investimentos financeiros que o mundo inteiro está fazendo, inclusive o Brasil, para produzir uma vacina, pois, a julgar pelas afirmações do Presidente, pelo menos no curto prazo, poderão ter sido em vão para o nosso País, se prevalecer essa sua mórbida vontade.

Tal atitude não surpreende só pela ignorância, pois de há muito se sabe que o Presidente ignora que é ignorante, mas, também pela ratificação do negacionismo à ciência, mesmo depois de todas as consequências produzidas pela pandemia, com centenas de milhares de mortes, e a pauperização, econômica e social, de significativo contingente da população.

Para provar que não estava blefando como de outras vezes, em menos de 24 horas, após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciar a compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, do laboratório chinês, produzida pelo Instituto Butantã em São Paulo, o Presidente, se dizendo traído, sem citar por quem, determinou a suspensão da compra, desautorizando o seu Ministro, perante a Nação, e mais uma vez ratificou a sua intenção de não realizar qualquer campanha de vacinação em massa como era o esperado.

Ante essa ameaça à saúde pública, a comunidade científica brasileira, os partidos políticos, a CNBB e a sociedade civil, em geral, têm o dever de acionar à justiça contra essa ação do Governo e até  aos tribunais internacionais, para impedir esse boicote que o presidente Bolsonaro está promovendo contra a vacina, que, por extensão, significa sabotar a ciência, desperdiçar os recursos da Nação, e pôr em risco a saúde de todo o povo brasileiro.

Não é sem propósito lembrar que foi, desde a ascensão do mandarinato bolsonarista ao poder, que teve início uma ação criminosa de desacreditação das vacinas, corrompendo a histórica crença da população em sua eficácia, constituída com muito trabalho e pesquisas científicas, iniciada pelo médico Oswaldo Cruz, ainda no século XIX, e consolidada no século XX (saibam os ignorantes do governo que essa atitude é uma das piores modalidades de corrupção), repercutindo na diminuição da cobertura vacinal, fazendo recrudescer algumas doenças, como sarampo e catapora, que já haviam sido erradicadas no País.

 Por insuficiência cognitiva e interesses inconfessados, é como se o Presidente estivesse querendo reeditar a revolta das vacinas, ocorrida de 10 a 16 de agosto de 1904, no Rio de Janeiro, quando a população saiu às ruas para protestar contra a vacinação obrigatória para combater a varíola, durante o governo do Presidente Rodrigues Alves.

A propósito dessa negação à ciência e da tentativa de corromper a cultura de acreditação da população nas vacinas (para eles, corrupção se resume ao pagamento e recebimento de propina), nesse governo, o conceito de corrupção foi relativizado de tal maneira que vale citar alguns exemplos. O coronavírus, com toda sua letalidade, foi considerado apenas uma “gripezinha”, o que fez corromper em grande parcela da população a ideia da gravidade sobre a doença, provocando o descumprimento ainda vigente de não aglomeração e do uso de máscara, o que, com a retomada das atividades econômicas, cria as condições para possível segunda onda, como ocorrente na Europa.

Falam por si a prática das “rachadinhas”, as altas somas em depósito nas contas bancárias do Queiroz, da sua esposa e filhas, em tempos recentes; a produção e disseminação de fake news em massa, para manipulação das pessoas menos informadas - na vã tentativa de construir a falsa imagem de um governo de vestais;  a circulação de dinheiro em espécie sem comprovação de origem, entre pessoas da antessala do Gabinete Presidencial, e de “líderes” no Congresso.

 Para confirmar essas práticas nem um pouco lisonjeiras, a última novidade foi o lançamento, pelo senador Chico Rodrigues, de uma nova tecnologia para contar e guardar dinheiro, popularizada com o sugestivo nome de “nádegas-cofre”. Esses são apenas alguns exemplos contundentes da relativização da corrupção entre pessoas muito próximas do governo, e, como é consabido, algumas de dentro da casa do Presidente. Ainda assim, insistem em atentar contra a inteligência coletiva, quando afirmam combater a corrupção.

Em ditas circunstâncias, vale transcrever a definição genérica de corrupção editada pela Organização da Nações Unidas – ONU, que afirma: “[…] corrupção seria o abuso da função pública para ganho pessoal direto ou indireto – ganho indireto incluiria benefícios que alguém assegura indevidamente para a sua organização”.

E como dito por Machado de Assis, na frase com a qual início esse artigo, a corrupção é o substantivo que fica dessa realidade. Não é preciso dizer mais.

*Jornalista, sociólogo e doutor em Ciências Políticas


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão Habitacional Suassuna

Confira os últimos posts



24/06


2021

Justiça manda Compesa garantir água em Orobó

A Justiça atendeu a uma ação civil pública da Promotoria de Justiça de Orobó, no Agreste pernambucano, contra a Compesa. No processo, o Ministério Público do Estado denunciou a empresa em razão da “falta de abastecimento regular em diversas regiões da cidade, não obstante as faturas serem enviadas aos consumidores regularmente, após denúncia encaminhada pela Câmara Municipal”.

Na peça, o MPPE alega que instou o Município “sobre o fornecimento de água, o qual manifestou, em 04 de julho de 2019, que era de conhecimento público e notório o colapso no sistema de abastecimento”. Na decisão proferida na última terça-feira (22), o juiz Hailton Gonçalves da Silva determinou que a Compesa garanta o fornecimento regular e contínuo da água em até 15 dias.

Além disso, o magistrado estabeleceu que a empresa apresente relatórios mensais sobre o fornecimento e comprove que o calendário de abastecimento foi cumprido. A Justisa também requereu à Compesa que a água fornecida não tenha coliformes totais, que higienize os reservatórios em que forem detectadas amostras com os bacilos.

Ainda segundo a sentença, a Compesa terá de pagar multa diária de R$ 25 mil em caso de descumprimento. A população de Orobó se queixa da situação e afirma que há duas barragens no município, mas que as dificuldades persistem, com a água não chegando nas torneiras.

“Em contrapartida, as tarifas continuam sendo entregues pela Compesa e a população não consegue dar baixa, tendo em vista que o único escritório da Compesa está fechado. Não há a quem recorrer!”, desabafou um morador, que optou por não se identificar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

24/06


2021

Empresário destaca passaporte digital da vacina

O empresário brasileiro Everton Cruz concedeu entrevista, hoje, ao Frente a Frente. Ele falou sobre a companhia Mooh! Tech, responsável pelo Chronus i-Passport, passaporte imunológico digital. 

Cruz explicou como funciona o passaporte digital da vacina anticovid, sucesso no mundo, implantado pioneiramente no Brasil em Afogados da Ingazeira, Sertão do Pajeú, a 386 km do Recife (ouça acima).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/06


2021

Petrolina: Vereadores elevam verba de combustível em 50%

Em plena pandemia, os vereadores de Petrolina, no Sertão do São Francisco, decidiram aprovar o Projeto de Lei 120/21, de autoria do presidente da Câmara, Aedo Cruz (MDB), que aumentou em 50% a cota de combustível dos legisladores. Com isso, a verba passa de R$ 2 mil para 3 mil. O vereador Gilmar Santos (PT) se voltou contra a proposta e solicitou a retirada do PL, mas não teve o pedido atendido.

O Blog foi procurado por um leitor, que demonstrou indignação sobre o caso: "São R$ 69 mil por mês só com combustível dos 23 vereadores em plena pandemia, enquanto as famílias deste país passam por dificuldade. Isso é uma vergonha! Temos pessoas em Petrolina passando fome."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/06


2021

Gilmar estende suspeição de Moro em processos de Lula

Poder360

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), estendeu a decisão que declarou a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro no caso do triplex do Guarujá a outras 2 ações penais da Lava Jato contra o petista. A decisão desta quinta-feira (24) anula os atos proferidos por Moro nos processos do sítio em Atibaia e no terreno do Instituto Lula.

Na prática, 3 das 4 ações penais da Lava Jato voltam agora à estaca zero, reduzindo ainda mais o risco de uma condenação retirar Lula da disputa eleitoral em 2022. 

Gilmar afirma que diversos fatos registrados nas ações do sítio e do Instituto Lula são compartilhados com o caso do triplex, no qual Moro foi considerado suspeito. O ministro cita a condução coercitiva do ex-presidente, a quebra de sigilo telefônico do petista e o levantamento do sigilo da delação premiada do ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci nas vésperas da eleição.

“Nos três processos, houve a persecução penal do paciente em cenário permeado pelas marcantes atuações parciais e ilegítimas do ex- juiz Sergio Fernando Moro. Em todos os casos, a defesa arguiu a suspeição em momento oportuno e a reiterou em todas as instâncias judiciais pertinentes“, escreveu Gilmar. “Assim, por isonomia e segurança jurídica, é dever deste Tribunal, por meio do Relator do feito, estender a decisão aos casos pertinentes, quando há identidade fática e jurídica“.

Apenas um processo da Lava Jato contra Lula não foi atingido: a ação penal que apura doações da Odebrecht ao Instituto Lula. O caso não contou com a participação de Moro, que já havia deixado a magistratura para se tornar ministro da Justiça do presidente Jair Bolsonaro.

Em nota, o criminalista Cristiano Zanin Martins afirmou que a decisão de Gilmar confere a “amplitude necessária” à suspeição de Moro.

“Com essa extensão, que atende ao pedido que formulamos, todos os processos em que o ex-juiz Sergio Moro atuou envolvendo o ex-presidente Lula estão maculados pela nulidade irremediável — de forma de que nenhum ato poderá ser reaproveitado em qualquer instância”, disse o advogado.

A extensão da suspeição de Moro a outros 2 processos é mais uma derrota da Lava Jato no STF. Nesta 4ª feira (23.jun), o plenário da corte concluiu o julgamento que validou a decisão da 2ª Turma que considerou o ex-juiz parcial no caso do triplex. A maioria havia sido formada em abril, mas restavam os votos de Marco Aurélio Mello e Luiz Fux. Ambos ficaram a favor de Moro, mas foram vencidos pelos colegas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

24/06


2021

Câmara flexibiliza Lei da Ficha Limpa

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, hoje, proposta que garante o direito de se candidatar ao gestor público que tenha tido suas contas julgadas irregulares, mas tenha sido punido apenas com multa. Foram 345 favoráveis, 98 contrários e 4 abstenções. O Projeto de Lei Complementar 9/21, do Lúcio Mosquini (MDB-RO), agora segue para o Senado Federal. As informações são da Agência Câmara.

Atualmente, é inelegível por oito anos o gestor que tiver contas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário.

A proposta aprovada determina que a pena não cabe aos responsáveis que tenham tido suas contas julgadas irregulares, sem imputação de débito, e tenham sido sancionados exclusivamente com o pagamento de multa. 

O relator, deputado Enrico Misasi (PV-SP), afirmou que se trata de tornar a Lei Complementar 64/90 compatível com a jurisprudência dos tribunais eleitorais. “Ao analisarem as contas, os tribunais vêem que a pena é desproporcional. São casos de omissão parcial na prestação de contas, divergência com Tribunal de Contas acerca de dispensa de licitação para a realização de algum show, situações de baixíssimo potencial ofensivo em que não há dano ao erário”, disse.

Autor da proposta, o deputado Lúcio Mosquini destacou que a inelegibilidade para o político é “a pena de morte”. “A pena máxima é a inelegibilidade para quem faz da política uma militância. E esse projeto tira a inelegibilidade apenas para aqueles que não cometeram ato doloso, não tem dano ao erário, não tem enriquecimento ilícito e tem apenas uma sanção de multa”, defendeu. Ele disse que a lei atual aplica a pena máxima de forma muito genérica.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021

24/06


2021

Carla Zambelli diz que Luís Miranda é manipulável

Em entrevista ao UOL, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) disse hoje que a CPI da Covid, que investiga ações e omissões do governo federal na pandemia, "nasceu" para derrubar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e declarou que o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) pode "estar sendo manipulado".

"Com certeza vão tentar derrubar o presidente nessa CPI. Essa CPI já nasceu para isso. (...) O relatório da CPI está construído desde o começo, não à medida que as informações acontecem. É óbvio que estão tentando achar culpado e vão colocar como sendo o presidente", declarou a aliada do presidente.

Sobre o deputado Luís Miranda, que diz ter alertado Bolsonaro sobre indícios de irregularidade nas negociações do Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin, Zambelli disse que, "por ser muito emotivo e sensível, [ele] pode ser manipulado por pessoas inescrupulosas como Renan Calheiros e [o presidente da CPI] Omar Aziz (PSD-AM)". O deputado será ouvido como testemunha da CPI da Covid na sexta-feira (25).

"Eu gosto dele [Miranda] como pessoa. É um ser humano que age com emoção, que fala com o coração e o fígado e nem sempre com a cabeça", afirmou ela no UOL Entrevista, conduzido pelo apresentador Diego Sarza e pelo colunista Tales Faria.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru Campanha São João 2

24/06


2021

Camaragibe: TCE avalia possível irregularidade em licitação

O Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE) vai instaurar uma auditoria especial para aprofundar investigações sobre uma possível restrição à competitividade na concorrência nº 001/2021 da Prefeitura de Camaragibe. A licitação, estimada em R$ 3.818.191,85, era destinada à contratação de empresa de engenharia para realizar manutenção nas ruas do município.

Os indícios de irregularidades foram apontados durante análise prévia do edital realizada pela equipe técnica da Gerência de Auditoria de Obras Municipais/Sul (GAOS) do TCE. Segundo o relatório preliminar de auditoria, a licitação, que seria aberta no dia 1º de junho deste ano, fazia exigências indevidas para habilitação das empresas concorrentes, que teriam que comprovar a execução de quantitativos de serviços sem qualquer complexidade técnica.

A auditoria também questionou a aplicação de taxa excessiva de atualização financeira e a inércia administrativa do município, ocasionando a ociosidade de equipamentos adquiridos com dinheiro público.

O relator, conselheiro Carlos Neves, chegou a expedir, monocraticamente, uma medida cautelar no dia 27 de maio (processo TC nº 21100311-6), suspendendo a concorrência e fazendo determinações sobre os preços e quantitativos. Mas a decisão não foi homologada pela Primeira Câmara por perda de objeto, uma vez que a Prefeitura, ao ser notificada das falhas apontadas pela auditoria, suspendeu o edital, por tempo indeterminado, dois dias antes da expedição da Cautelar.

HISTÓRICO – No dia 1º de fevereiro de 2021, um Alerta de Responsabilização foi encaminhado pelo conselheiro Carlos Neves à Secretária municipal de Infraestrutura, Eryka Maria de Vasconcelos Luna, determinando que fizesse uso de um índice de atualização financeira não excessivo para as contratações, baseado em indexadores compatíveis com o objeto e com a realidade financeira do mercado.

A Prefeitura também deveria estipular percentuais adequados, sem riscos para a competitividade dos certames seguintes, para comprovação de qualificação técnica em serviços de baixa complexidade. Por fim, o município deveria fazer as correções necessárias para colocar em operação a usina de asfalto adquirida pela gestão anterior ou justificar a não utilização dos equipamentos (kit patrulha asfáltica), entretanto, apresentando as medidas que seriam tomadas para reduzir os prejuízos.

O aviso de concorrência nº 001/2021 foi publicado no dia 30 de março, com objeto semelhante e os mesmos vícios encontrados em um certame anterior (concorrência nº 002/2019), com contrato ainda vigente. Entretanto, o valor estimado da nova licitação (R$ 3.818.191,85) era cerca de 70% superior ao da licitação subsequente.

Em sessão realizada no último dia 08 de junho, a Primeira Câmara decidiu pela não homologação da cautelar, por perda de objeto, mas determinou a abertura de Auditoria Especial com o intuito de averiguar se de fato as irregularidades aconteceram.

O voto do relator foi acompanhado pelos demais membros do colegiado e pelo procurador do Ministério Público de Contas, Guido Monteiro.

*Com informações do TCE-PE


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

CABO

24/06


2021

Prefeito de Ouro Velho celebra pacote de obras

O prefeito de Ouro Velho (PB), Augusto Valadares (DEM), comemorou a destinação de R$ 1 milhão em um pacote de obras na cidade. Ele ressaltou que os recursos foram deixados em conta ainda na gestão da ex-prefeita Natália de Dr. Júnior.

“Esses recursos foram deixados em conta ainda na gestão da ex-prefeita Natália de Dr. Júnior e ressalto que todas as obras são frutos de nossa parceria com a ex-gestão. Sem dúvidas essas obras trarão um grande benefício para nossa população e tornará Ouro Velho um melhor lugar para se viver,” afirmou Valadares.

Pavimentações de ruas, reforma da Praça Cabo João e a construção da Adutora dos Zuzas estão entre as obras.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Junho 2021

24/06


2021

Primeiras doses da Janssen chegam a Pernambuco

Pernambuco recebeu, hoje, novas vacinas contra a Covid-19. O lote chegou ao Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre às 11h13, trazendo, pela primeira vez, os imunizantes da Janssen, com 62.250 unidades, que serão aplicadas em dose única. Na mesma remessa também chegaram mais 117.800 vacinas da Coronavac/Butantan, que devem ser utilizadas para a primeira e segunda doses.

Os novos insumos já foram entregues ao Programa Estadual de Imunização (PNI-PE), que conferiu a carga e iniciou a separação para envio às Gerências Regionais de Saúde (Geres), que já ocorre a partir da madrugada desta sexta-feira (25). As doses recebidas da Coronavac/Butantan serão destinadas à imunização de guardas municipais, trabalhadores do transporte coletivo e população privada de liberdade.

Os municípios, porém, também poderão dar seguimento à campanha em outros grupos ou por faixa etária, de acordo com a organização de cada um, já que muitas cidades já iniciaram a vacinação de alguns desses públicos. “Recebemos lotes importantes para dar continuidade à campanha de vacinação da população pernambucana. Mas vale ressaltar que as vacinas estão sendo enviadas aos municípios para utilização em primeiras e segundas doses. Assim, é necessário que cada cidade se organize e preserve os quantitativos que serão destinados à segunda aplicação”, observou o governador Paulo Câmara.

O secretário estadual de Saúde, André Longo, reiterou a advertência, alertando que o município que usar todo o quantitativo da Coronavac/Butantan apenas como primeira dose irá gerar um déficit mais à frente. “Precisamos evitar que essa situação se repita. Os gestores devem manter uma organização e controle rígido de seus estoques para que a população possa completar seus esquemas vacinais”, acrescentou Longo.

Já as doses da vacina da Janssen, segundo o que foi acordado com os gestores municipais na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), serão destinadas ao Recife, na Região Metropolitana, além de Caruaru e Garanhuns, no Agreste, e Arcoverde, Serra Talhada e Afogados da Ingazeira, no Sertão. O imunizante será distribuído da seguinte forma: Recife (31.125 doses), Caruaru (16.230 doses), Garanhuns (6.175), Arcoverde (3.555 doses), Afogados da Ingazeira (1.800 doses) e Serra Talhada (3.365 doses).

A superintendente de Imunizações da Secretaria de Saúde, Ana Catarina de Melo, afirmou que Pernambuco está recebendo metade do quantitativo da Janssen que havia sido pactuado inicialmente com o Ministério da Saúde. Com essas entregas, Pernambuco totaliza mais de 5 milhões de doses recebidas. Foram, especificamente, 5.172.510, sendo 2.141.960 da Coronavac/Butantan; 2.630.170 da Astrazeneca/Oxford/Fiocruz; 338.130 da Pfizer/BioNTech; e 62.250 da Janssen.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

24/06


2021

Deputado Daniel Silveira é preso novamente

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) foi preso novamente por desrespeitar o uso da tornozeleira eletrônica 36 vezes. As informações foram veiculadas pela CNN Brasil e pela GloboNews.

Segundo a GloboNews, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, decretou a prisão acatando o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Ainda segundo a apuração do canal, Moraes ainda não fixou a fiança.

A reportagem da emissora relatou que Daniel Silveira estava a caminho do Instituto Médico Legal (IML) no Rio de Janeiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha