Gravatá IPTU 2019 Prorro

24/03


2017

Sem mobilização, fracassa etapa de Itaparica

Diferentemente da abertura, ontem, em Afogados da Ingazeira, polo do Pajeú, onde se observou a presença das mais expressivas lideranças políticas da região, o seminário de Petrolândia, aberto há pouco, não repete o sucesso de ontem.

A começar pela plateia, fortemente composta por estudantes do ensino médio, que não estão nem aí para o que as autoridades falam. Há pouco, um grupo de estudantes chegou a levar um carão de uma supervisora de escola por mau comportamento.

Assessores do governador não admitem que o evento fracassou. Alegam que a região de Itaparica é bem menor do que a do Pajeú. "Enquanto o Pajeú tem 17 municípios, aqui são apenas sete municípios", justifica um assessor.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Congresso Nordestino de Educação Médica

Confira os últimos posts



26/04


2019

Encheu: Exército não vai mais responder a Olavo

Integrantes do Exército dizem que os comandantes das Forças têm muito claro que os generais que estão no Planalto representam o governo, não o Estado ou a instituição.

Por isso, a ordem é não responder a qualquer ataque de Olavo de Carvalho ao vice ou a ministros.

Enquanto isso, Luciano Coutinho, ex-presidente do BNDES informou que vai recorrer da decisão do TCU que o condenou a pagamento de multa e inabilitação para cargos públicos por seis anos. Segundo sua assessoria, ele considerou o veredito “flagrantemente injusto e descabido”.

Em nota, a assessoria diz que Coutinho “foi um gestor diligente e não se omitiu na cobrança das chamadas ‘pedaladas fiscais'”. “Ao contrário, conseguiu junto com o Ministério da Fazenda a quitação, em 2015, de todo o montante devido ao BNDES.”  (Daniela Lima – Painel –FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Trabalha PMR

26/04


2019

Delator diz que sua delação rendeu bilhões ao país

Mônica Bergamo - Folha de S.Paulo

O doleiro Alberto Youssef diz que sua delação premiada foi utilizada para o ressarcimento de mais de R$ 13 bilhões aos cofres públicos. A afirmação está em um relatório juntado ao processo de Youssef. 

Segundo o levantamento, feito pelos advogados do doleiro no documento, apenas nos primeiros termos de sua colaboração 206 pessoas físicas e 109 pessoas jurídicas foram implicadas criminalmente.

No início do mês, o Ministério Público Federal manifestou-se favoravelmente à progressão do regime de cumprimento de pena do doleiro. Ele atualmente está com tornozeleira eletrônica e tem que se recolher das 20h às 6h e aos feriados e finais de semana. 

Procurado, Youssef não comentou o conteúdo por estar em sigilo de Justiça.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Olinda 2019

26/04


2019

Palavrões para Mourão

Deputados que conversaram com Jair Bolsonaro nas últimas semanas disseram que ele chegou a usar palavrões em meio a comentários desairosos sobre Hamilton Mourão.

Como mostrou O Estado de S. Paulo, o presidente criticou o vice durante voo às vésperas do início dos ataque de Carlos. A informação é de Daniela Lima, na coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

Segundo ainda a colunista, integrantes do Exército dizem que os comandantes das Forças têm muito claro que os generais que estão no Planalto representam o governo, não o Estado ou a instituição.

Por isso, a ordem é não responder a qualquer ataque de Olavo de Carvalho ao vice ou a ministros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/04


2019

Cacique de partido quer mais poder para o PP

Valdemar Costa Neto, do PR, acertou há um mês que o comando da comissão especial da reforma ficaria com sua sigla.

Mas precisou reforçar o lobby na manhã desta quinta (25), véspera do anúncio.

Pelo posto, abdicou do comando da comissão que vai analisar o projeto da tributária.

Motivo: Valdemar acha que, no comando da Previdência, o PR terá mais poder.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

26/04


2019

Escolha de tucano para a reforma irrita o partido

A escolha do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) para a relatoria da reforma da Previdência na Câmara provocou desconforto em ala do partido. Ele foi chefe da Casa Civil de São Paulo na gestão Geraldo Alckmin. O ex-presidenciável, que deixa em breve a direção do PSDB, era contra o embarque da sigla na empreitada.

Na quarta (24), a executiva do PSDB fez reunião em Brasília e, segundo relatos, Alckmin deixou o local convencido de que nenhum tucano teria papel de destaque na tramitação da Previdência. A escolha de Moreira foi vista por deputados de outros partidos como um aceno de Maia ao atual governador de SP, João Doria (PSDB).  (Painel – FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

26/04


2019

Partidos querem mais cargos de Bolsonaro

Cargos ofertados pelo Planalto são insuficientes para atender partidos, dizem dirigentes

Daniela Lima – Painel - Folha de S.Paulo

A iniciativa do governo de distribuir cargos de segundo escalão para alavancar o apoio de partidos à reforma da Previdência dá sinais de que vai naufragar. A lista de opções que chegou ao Congresso é insuficiente para atender a todas as siglas que poderiam se alinhar ao Planalto. Há mais: fatia expressiva dos postos tem vínculo com o Nordeste e não atenderia a parlamentares do Sul e Sudeste. Dirigentes de legendas dizem ainda que as negociações estão mal conduzidas, sem sinal de conclusão.

Comandantes de partidos de centro e centro-direita avaliam também que a decisão de liberar R$ 10 milhões em emendas por ano pode fidelizar alguns votos, mas não todos. Deputados que atuam na ponta de lança da articulação tinham, em gestões anteriores, nacos mais importantes para exercer influência.

Esses dirigentes dizem que a reforma da Previdênciaavançou até aqui apoiada no prestígio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mas que a força dele “tem limites” e que ninguém vai “comprar briga com professor e policial” só com base nos apelos do democrata.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/04


2019

Lava Jato: Raquel pede 22 anos de prisão para Collor

'Há não apenas suspeitas, mas prova para além de dúvida razoável de que cometeu crimes", diz a procuradora-geral sobre o ex-presidente da República, hoje senador

Luiz Vassallo e Rafael Moraes Moura – Estadão

Em alegações finais, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal que imponha ao senador Fernando Collor (PROS) uma pena de 22 anos, 8 meses e 20 dias, em ação penal no âmbito da Operação Lava Jato. Raquel apontou a suposta participação do senador em propinas, que somadas, chegariam a R$ 50,9 milhões em contratos da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobrás. Ele é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Documento

A procuradora-geral detalha que ‘entre 2010 e 2014, uma organização criminosa instalou-se nas Diretorias da Petrobras Distribuidora S/A – BR Distribuidora – capitaneada pelo Partido Trabalhista Brasileiro, em particular na figura do Senador Fernando Collor, e também pelo Partido dos Trabalhadores, com destaque para o Deputado Federal Vander Loubet’.

Segundo Raquel, Collor participou de supostas propinas de ‘pelo menos R$ 9.950.000,00 em razão de contrato de troca de bandeiras em postos de combustíveis’. Ele também teria recebido vantagens de ‘pelo menos R$ 20.000.000,00 em razão de contratos para a construção de bases de distribuição de combustíveis celebrados entre a BR Distribuidora’.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

BM4 Marketing

26/04


2019

Bolsonaro: ridículo ao vetar propaganda do BB

Presidente se cobre de ridículo ao vetar propaganda inócua do BB

É preciso um parafuso a menos para se ofender com o comercial

Tony Goes - Folha de S.Paulo

Quando saiu a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro havia não só mandado cancelar a nova campanha publicitária do Banco do Brasil, como também demitir o diretor de marketing que a aprovou, achei que o comercial censurado trazia alguma coisa de grave.

“Grave”, é claro, para o moralismo raso de Bolsonaro e seus seguidores mais fanáticos. Sim, raso: nesta mesma quinta-feira (25), o mandatário supremo da nação disse, durante um café da manhã com jornalistas, que “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”. Ou seja, turismo sexual no Brasil pode, talkei? Contanto que seja sexo heterossexual.

Concluí que o filme do BB, criado especialmente para celebrar a diversidade racial e sexual dos jovens brasileiros —um segmento cobiçadíssimo por qualquer instituição financeira– mostrasse um “trisal”, um casal de três, como na propaganda recente de uma cadeia de lanchonetes. Ou, talvez, um par de lésbicas trocando um selinho? Dois homens vestindo rosa e embalando um bebê?

Leia matéria na íntegra clicando ao lado: Bolsonaro se cobre de ridículo ao vetar propaganda inócua do BB


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/04


2019

Velhacos

Blog do Kennedy

Nos seis governos anteriores ao de Bolsonaro, sempre que houve liberações de emendas parlamentares em datas próximas a votações importantes no Congresso, a imprensa caracterizou tais ações como fisiologia, é dando que se recebe, toma-lá-dá-cá, compra de apoio parlamentar etc.

Deputados federais do Centrão, grupo de legendas conservadoras que costumam agir em sintonia no Congresso, confirmam que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, oferece a liberação extra de R$ 10 milhões por ano para cada parlamentar que votar a favor da reforma da Previdência. Seriam R$ 40 milhões per capita até 2022. A “Folha de S.Paulo” trouxe reportagem consistente a respeito desse tema.

Onyx condicionou liberação de dinheiro público a voto no parlamento. Isso é contra o que Bolsonaro pregou na campanha.

Não se trata de uma negociação política legítima. É uma oferta espúria. É o que há de mais velho na política


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/04


2019

PSB fecha questão contra reforma da Previdência

O PSB decidiu, hoje, fechar questão contra a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro. A posição foi aprovada em reunião do Diretório Nacional, realizada em Brasília.

“Temos tido a clareza de que essa proposta, que causa um impacto de mais de R$ 1 trilhão, não é um número qualquer: ela fere de morte o sistema de Proteção Social, de uma Seguridade Social que foi construída pela luta de muitas mãos na Constituição de 1988. E o PSB estava lá participando daquele enfrentamento contra o ‘Centrão’, que claramente não queria esses avanços”, disse o líder do PSB na Câmara dos Deputados, deputado federal Tadeu Alencar (PE).

O texto considera a reforma “um ataque impiedoso ao Sistema de Seguridade Social, cujo fundamento é a solidariedade social, sem a qual não se pode falar com propriedade de uma sociedade democrática e inclusiva”. “Essa reforma é contra as classes populares e contra as classes médias que já pagam impostos demais. É uma política regressiva que jamais qualquer governo, inclusive a ditadura, teve coragem de apresentar ao país”, criticou o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, durante a reunião, sob o slogan “Essa Reforma da Previdência Não!”.

O partido considera, ainda, que o governo Bolsonaro se utiliza de uma “abordagem fiscalista” da questão previdenciária com o objetivo de “poupar os segmentos de maior renda e riqueza da população da contribuição que devem dar ao país, no sentido de seu desenvolvimento”.

O documento faz duras críticas ao texto aprovado nesta semana pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), da Câmara dos Deputados. Destaca entre os pontos mais graves na proposta governista: o regime de capitalização, a desconstitucionalização das despesas previdenciárias, a mudança na aposentadoria rural no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e nas regras de transição nos regimes Geral e Próprio.

O líder Tadeu Alencar afirmou ainda que “ajustes já foram feitos no passado e outros poderão ser feitos, desde que com justiça e equilíbrio, atendendo ao princípio da capacidade contributiva e não se atendo apenas à previdência, mas à necessidade de alterar o perfil do Estado brasileiro que é patrimonialista e cego às desigualdades sociais”.

A Resolução aprovada prevê ainda que o Diretório voltará a se reunir para apreciar o relatório sobre a PEC nº 6/2019 quando este for apresentado na Comissão Especial que tratará sobre o mérito da reforma da Previdência.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Isso é um partido nojento, quero ver esse PSB partido defende o mesmo em PE. Isso são uns demagogos protetores de bandido, igual ao PT, esse PSB é a cara da Corrupção, um dos partidos mais CorruPTo do Brasil.



25/04


2019

PGR pede condenação de Collor no caso BR Distribuidora

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal a condenação do senador Fernando Collor de Mello (PROS-AL) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro a uma pena de 22 anos e oito meses de prisão.

Collor é réu pelos dois crimes, acusado de receber mais de R$ 30 milhões em propina por negócios da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras na venda de combustíveis. Segundo a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), ele pediu e recebeu o dinheiro entre 2010 e 2014 em três negócios envolvendo a subsidiária, que tinha dois diretores indicados pelo senador.

A defesa de Collor afirma que a denúncia não traz provas concretas de que o senador recebeu o dinheiro de propina. Além disso, questiona que contrapartida o senador teria dado para viabilizar os negócios da BR.

Ainda não há previsão de data para o Supremo julgar o caso. O relator da Lava Jato, Luiz Edson Fachin, precisa elaborar um relatório e liberar o caso para o revisor, Celso de Mello, analisar o processo. Só depois disso o Supremo marca o julgamento.

Embora Dodge tenha sugerido, quem fixa a punição é a Justiça – no caso, o Supremo.

Dodge pediu que a pena de Collor para o crime de corrupção passiva seja de de 12 anos, 5 meses e 10 dias de reclusão porque cometeu, de acordo com a procuradora, 30 crimes de corrupção passiva. Para o crime de lavagem de dinheiro, a sugestão é de pena de 10 anos, 3 meses e 10 dias de prisão porque, segundo ela, foram cometidos 369 crimes de lavagem de dinheiro.

Em relação à corrupção, Dodge pediu a aplicação de agravante por se tratar de detentor de cargo público. "Trata-se de cargo público de membro de Poder do Estado, preenchido mediante outorga de mandato pelo povo do Estado de Alagoas. Portanto, mais do que a corrupção de um mero agente público, houve corrupção praticada pelo titular de um dos cargos mais relevantes da República, cuja responsabilidade faz agravar sua culpa na mesma proporção", afirmou.

Para Raquel Dodge, Collor "traiu seu mandato e descumpriu a função constitucional de mais alta relevância dele esperada: zelar pela moralidade administrativa, zelar pelo patrimônio público".

Sobre o crime de lavagem de dinheiro, ela pediu que a pena fosse mais elevada devido à "habitualidade" do crime.

"Em razão da habitualidade com a qual foram praticados os delitos de lavagem de dinheiro, no âmbito de complexa organização criminosa instalada em prejuízo da BR Distribuidora, há de incidir a majorante", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/04


2019

“Vamos tirar o trabalhador rural da reforma”, diz Silvio

Eleito vice-presidente da comissão especial que vai discutir a nova reforma da previdência na Câmara dos Deputados, o deputado Silvio Costa Filho (PRB-PE) colocou duas condições para aceitar o desafio: que o governo retire da proposta enviada ao Congresso a aposentadoria rural e o BPC. O deputado entende que ambas prejudicam os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A comissão terá a responsabilidade de debater o conteúdo da proposta e contará com 49 integrantes titulares e 49 suplentes e será presidida pelo deputado Marcelo Ramos (PR-AM) e terá relatoria do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Silvio defende que seja feito um amplo diálogo sobre a proposta no colegiado. “Acho que temos um grande desafio pela frente, independente da coloração partidária, o Congresso Nacional precisa se reencontrar com o Brasil. A comissão é formada por um conjunto de deputados que têm diferenças, mas tenho certeza que a nossa convergência é ajudar e trabalhar pelo Brasil. É necessário fazer a discussão, ao lado do relator, com muita seriedade e equilíbrio, até porque nós precisamos dar respostas à sociedade brasileira”, pontuou.

Após a instalação do colegiado, uma nova reunião deve ser realizada na próxima terça-feira (30), entre a área técnica e a mesa diretora da comissão, com objetivo de definir a agenda de trabalhos. Ao todo, serão realizadas 40 sessões para discutir o mérito da proposta, sendo 10 para apresentação de emendas dos parlamentares. Além disso, o deputado irá se reunir com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o relator, para tratar do tema.

“O povo brasileiro tem uma grande expectativa sobre a votação da reforma. Acho fundamental que a Câmara possa ouvir a sociedade civil organizada, a voz das ruas e todos os canais institucionais de participação popular. É importante que a gente possa ouvir para formar, cada vez mais, opinião e ao final aprovar um relatório que preserve o trabalhador, aqueles que mais precisam, mas sobretudo, que ajude o país. Digo sempre que o maior programa social tem que ser o emprego e a renda. E quem defende o trabalhador, defende a geração de emprego. Quem defende o emprego, defende a reforma da previdência. Qualquer presidente da República, independe de partido político, teria que fazer a reforma da previdência. Caso contrário, o país pode quebrar nos próximos anos. Foi muito importante o Governo Federal ter apresentado os números da previdência, nesta quinta, como havia prometido. Essa pauta é fundamental para o Brasil. Vamos construir de forma coletiva à agenda fiscal, a reforma tributária e depois o novo pacto federativo para ajudar o País”, destacou Silvio.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/04


2019

STJ libera obras de transposição do rio São Francisco

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, liberou a retomada das obras referentes ao Eixo Norte da transposição do rio São Francisco. A decisão foi tomada na última terça-feira (23).

Noronha liberou as obras ao analisar um recurso da Advocacia Geral da União contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que havia suspendido um contrato referente ao Eixo Norte.

O eixo será responsável pelo abastecimento de água em quatro estados: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/04


2019

Ao meu pai

Meu pai completa hoje 97 anos. Se eu pudesse já estaria em Afogados da Ingazeira ao seu lado comemorando esta dádiva celestial, mas amanhã, se Deus quiser, vou dar cafuné nele, abraçá-lo fortemente, acariciar o seu rosto e beijar a sua face que tem aroma da caatinga. Meu pai é um sertanejo apaixonado pela geografia da região, pela sua gente simples e sofrida e é um exemplo de homem zeloso e amável.

Com ele aprendi que no amor e na dor, seja qual for o frio e o calor, nada é mais confortante e revigorante que o abraço de um pai, um abraço verdadeiro qual se consolide o amor. A prendi que a paciência é a arte de acreditar no momento certo para o aprendizado perfeito. Também aprendi que cada um tem o próprio jeito de expressar o amor. Não existe um jeito mais justo que o outro. Seja você mesmo e compreenda a forma do outro.

Aprendi com meu pai a ter transparência, de ser uma pessoa digna, para que eu possa me deitar todos os dias e dormir sem peso na consciência. Aprendi com ele os pequenos valores da vida, para que eu possa tornar-me um grande homem. Humildade e raça sempre para vencer na vida.

Há quem saiba dizer “gosto de você” sem grande emoção enquanto há os que fazem isso com um sorriso, com os olhos brilhando, como ele. Aprendi igualmente que não existe luz sem sombras, que você não é perfeito nem nunca será, mas poderá ser perfeitamente você mesmo com a luz e as suas sombras. As pessoas verdadeiras da sua vida te amarão por tudo aquilo que você é. Me ensinou que devemos ser presentes com as pessoas que amamos.

Há momentos, ele dizia, em que a vida é mais dura e outros nos quais você coloca tudo a perder. Haverá dias nos quais os joelhos ficarão doloridos, a dor será mais intensa e a vontade de deixar tudo será forte. Desde os 18 anos vivo longe do meu pai por circunstâncias impostas pela vida. Se dependesse do meu coração, no entanto, teria estado lado a lado com ele todos os dias, feito cola de sapateiro.

Confesso que cada segundo longe dele é um tijolo a mais na casa da saudade. Meu amado pai me legou algo que nunca esqueci: a honra e a honestidade vem de dentro e se revela nesses momentos. Meu amado pai permanece como uma foto 3X4 guardada no álbum de recordação do meu coração.

Papai querido do meu coração, eu amo muito você. Minha joia rara. Digo com muito amor no coração: meu pai é meu tesouro e meu saber de vida. Papai é mais que um simples poço, é um oceano inteiro de sabedoria e experiência que nos guia por entre pedras e espinhos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/04


2019

Rodrigo Janot se aposenta e passará a advogar

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot se aposentou do Ministério Público Federal e deverá passar a advogar. A portaria que concedeu a aposentaria foi assinada no dia 22 por sua sucessora na Procuradoria-Geral da República, Raquel Dodge, e foi publicada no Diário Oficial da União hoje.

Segundo o texto, Janot se aposentou voluntariamente com proventos integrais. O ex-procurador-geral comandou a PGR por dois mandatos, de 2013 a 2017, indicado para o cargo pela ex-presidente Dilma Rousseff. Nas duas ocasiões ele foi o primeiro colocado na lista tríplice formada em eleição interna.

À frente da instituição, Janot teve altos e baixos. Aumentou o número e o ritmo de investigações criminais, firmou vários acordos de delação premiada, incluindo o de executivos da Odebrecht e o da JBS e angariou apoio entre seus colegas, principalmente entre jovens procuradores, considerados combativos por colegas, que ascenderam no Ministério Público Federal em sua gestão.

Conforme a coluna Painel noticiou nesta quinta, Janot se prepara para advogar em ao menos um caso de repercussão. Ele deve assumir, ao lado de Márcio Elias Rosa, ex-secretário estadual de São Paulo, uma causa contra a Vale, pro bono (de graça), em benefício de moradores do distrito de Macacos (MG) afligidos pela mineração.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores