FMO janeiro 2020

21/03


2017

Isso sempre foi assim mesmo. E daí?

Por José Nêumanne*

Acusar polícia de idiotice não trará de volta compradores de nossa carne no exterior

Na sexta-feira, o Brasil recebeu a chocante notícia de que muitos frigoríficos nacionais – entre os quais, os maiores – protagonizavam um escândalo que atingia ao mesmo tempo o bolso e o estômago dos brasileiros: a maquiagem de carne podre com ácido ascórbico e a mistura de papelão e outros ingredientes indesejados nos embutidos nossos de cada dia. O País é o maior exportador mundial de carne. Et pour cause, a venda de alimentos contaminados com o beneplácito da fiscalização federal, além de nociva à saúde do consumidor interno, prejudica as receitas de exportação num momento de penúria causada pela maior crise econômica da História.

Numa reação inédita, o presidente Michel Temer, que até hoje não se dignou a visitar os presídios conflagrados no início do ano em Manaus, Boa Vista e Nísia Floresta, na Grande Natal, chefiou uma série de reuniões para anunciar medidas como compor uma força-tarefa para reforçar a fiscalização da pecuária. Além disso, o episódio provocou uma reação indignada do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que, em defesa de seus parceiros da agroindústria, condenou a investigação policial. Numa entrevista em que esquartejou a pobre língua portuguesa com uma sequência atroz de barbarismos inaceitáveis num aluno de grupo escolar, reclamou da ausência dos investigados na avaliação técnica da investigação. E classificou de “idiotice” insana a interpretação do uso de papelão na carne, atribuindo-o à embalagem e esquecendo-se de informar desde quando frigoríficos exportadores embalam carne com o dito material.

O presidente Michel Temer defendeu a Polícia Federal (PF), que, num desvario dos desesperados ante os efeitos maléficos da divulgação da investigação, foi comparada aos responsáveis por um dos maiores erros policiais, com cumplicidade dos meios de comunicação, da História: o caso da Escola Base, em São Paulo. Nenhum dos acusadores, contudo, se lembrou de apontar uma causa lógica para tamanha irresponsabilidade da PF.

Nervoso e confuso, Temer adotou a desculpa usada pelos pecuaristas, que também participaram da reunião dele com a imprensa e 40 diplomatas das embaixadas de 27 países compradores: das 4.837 unidades sujeitas à inspeção federal, apenas 21 foram acusadas de irregularidades. “E dessas 21, seis exportaram nos últimos 60 dias.” Para provar sua convicção, o presidente convidou os presentes no encontro para comer carne de boi, postando em seu Twitter: “Todas as carnes servidas ao presidente Temer e embaixadores na churrascaria Steak Bull eram de origem brasileira”. Mas a Coluna do Estadão foi informada pelo gerente, Rodrigo Carvalho, que tinham corte europeu, uruguaio e australiano. Um papelão!

Vexames do tipo poderiam ser evitados se o governo tratasse o escândalo com a transparência sugerida pelo ministro Maggi, “rei da soja”, citado nas delações premiadas da Odebrecht e tido como responsável por metade da devastação ambiental brasileira entre 2003 e 2004, segundo o Greenpeace. Não será com truques de malandro campainha (que se anuncia antes de assaltar) que os governantes e pecuaristas brasileiros manterão seus mercados, invejados por outros grandes e poderosos produtores de carne. De Genebra, Jamil Chade relatou que, se o Brasil não retirar essas companhias da lista de exportação, a União Europeia vai bloquear a entrada dos produtos. E China, Hong Kong e Chile informaram oficialmente ao Ministério da Agricultura a suspensão de importação de nossa carne.

Não é desprezível a afirmação do delegado Maurício Moscardi Filho de que a propina que a PF diz ter sido paga a fiscais irrigava contas do PMDB e do PP. Esses partidos – antes aliados de Dilma e agora, de Temer – ocupam a pasta há 18 anos. Maggi trocou o PR pelo PP para assumi-la na atual gestão. E esse não é o primeiro dano provocado pelo loteamento do governo federal.

Não faltará quem lembre que se compram fiscais nestes trágicos trópicos desde o desembarque de Cabral em Porto Seguro. Já há também quem lembre que corrupção na política não é uma exclusividade brasileira, uma jabuticaba, como se usa correntemente. Pois sim! E não disse Otto Eduard Leopold von Bismarck-Schönhausen, duque de Lauenburg, unificador da Alemanha sob o punho da Prússia, morto antes da chegada do século 20, que “os cidadãos não dormiriam tranquilos se soubessem como são feitas as salsichas e as leis”? Pois então...

A sábia sentença vale como nunca no Brasil destes nossos idos de março, nos quais não faltam também trágicos avisos, como o que o general romano Júlio César ouviu, nas ruas de sua Roma, de um vidente anônimo sobre os punhais que o esperavam na escadaria do Senado. A não ser que a PF tenha cometido barbaridade similar à da Escola Base, em que um casal de educadores perdeu tudo pela acusação cruel de uma criança que viralizou na imprensa, a onda de lodo que se abateu sobre toda a República não terá poupado a galinha de ovos de ouro da economia nacional: nossa produtiva, próspera e moderna agroindústria. Se a polícia exagerou, o caso merece punição pesada.

Mas se a polícia contou, como parece lógico, a verdade, não dá para cair na lorota do empreiteiro Emílio Odebrecht, que desonrou a memória do pai, Norberto, que construiu e deu nome à maior empreiteira do Brasil, pretendendo conquistar o perdão para o filho, Marcelo, e seus comparsas. E, para tanto, adotou o mantra sórdido de Tavares, o canalha cínico encarnado por Chico Anysio: “Eu sou, mas quem não é?”. Ou seja, “não foi?”.

A Operação Carne Fraca, que deveria chamar-se Carne Podre ou Carniça, precisa abrir a caixa-preta onde se guardam mistérios como o milagre da multiplicação das picanhas, em que uma família de pequenos açougueiros de Anápolis hoje controla a empresa campeã na produção de proteína animal neste mundão todo.

*Jornalista, poeta e escritor


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Dickson Franklin Alves de Lima

Das minhas reflexões que faço sobre o que vi, ouvi e li referente à Operação Carne Fraca, veiculados pela mídia e pelas autoridades governamentais e, principalmente, pela PF, faço as seguintes ponderações: 1) Toda preocupação governamental parece não estar em demonstrar se a mulher se César era honesta, mas dá a impressão que apenas quer dizer que ela era honesta. 2) Em outras palavras, a preocupação não é de se demonstrar que uma organização governamental, contaminados em corrução relativas ao afrouxamento das fiscalizações, podem ter colocado no mercado produtos inadequados ao consumo, implicando desrespeito à dignidade da pessoa humana, desprezo à saúde pública e à segurança alimentar! 3) A ênfase parece em dizer, de pronto, que não existiu produtos irregulares e o que aconteceu foram meras anormalidades sem efeito sobre a produção! 4) O governo deveria se colocar exercendo rigorosa fiscalização nos servidores dissonantes e auditar o trabalho deles para averiguar qual a extensão do que fez e por que o fez, para o funcionamento inadequado do sistema produtivo de carnes! 5) Note-se que, dos 36 presos pela PF, dois deles são da cúpula de alguns dos órgãos de fiscalização agropecuária mais importantes da federação, que foram os titulares da Superintendência do Ministério da Agricultura, no Paraná e em Goiás, que eram os condutores do gerenciamento daquela fiscalização. 6) Assim, na podridão da corrução na fiscalização agropecuária, deixa-se de se PRIVILEGIAR O VALOR DA VIDA DOS BILHÕES DE CONSUMIDORES, que estão com a sua dignidade em exposta para, mesmo com o risco dos danos a estes últimos, se DEFENDER E SACRALIZAR O MERCADO, O LUCRO e, para tanto, joga-se, emocionalmente, A CÍNICA INDIGNAÇÃO NA PREOCUPAÇÃO COM 6 (SEIS) MILHÕES DE DESEMPREGADOS. 7) A referida operação não foi um simplório acontecimento de polícia repressiva, mas a consequência de 2 (dois) anos de investigação, gerando a necessidade de emprego de 1.500 policiais para fazerem diligências com vistas a realizar prisões, apreender documentos e produtos e empregar cerca de 70 (setenta) peritos, tudo com a devida autorização judicial! 8) Países que sabem que onde há fumaça a fogo não serão tolos em acreditar que se trata apenas de uma pequena amostra de fiscais, dentre 4 mil existentes, que cometeram ligeiras irregularidades sem efeito na possibilidade de se distribuir produtos que não deveriam ter sido distribuídos para o mercado. 9) Não foi por acaso que alguns dos maiores importadores de nossas carnes suspenderam a importação totalmente ou parcialmente e exigem que o governo não só diga o que está acontecendo, mas prove o mais rápido possível.

LUIZ MAIA

A corrupção sistêmica no Estado brasileiro não pode ser ignorada por um tipo de imprensa que apenas repete o que dizem aqueles mesmos que estão sendo investigados. Desde que foi deflagrada a Operação Carne Fraca, o governo de Michel Temer corre para tentar minimizar o prejuízo financeiro produzido pelo escândalo, mas fecha os olhos para a dimensão da corrupção investigada na \'Operação\'. Vamos acreditar na PF [...]


Banco de Alimentos

Confira os últimos posts



05/07


2020

Bolsonaro desiste de Feder, diz jornalista

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desistiu de nomear Renato Feder como ministro da Educação, segundo a jornalista Ana Flor, do G1 e da GloboNews. Há muita resistência de apoiadores do chefe do Executivo ao nome de Feder, que é secretário da Educação no Paraná.

"Segundo o relato de assessores próximos do presidente, ele faz consultas acerca de outros nomes, mas insiste que o próximo ministro da Educação precisa estabelecer uma gestão técnica e ter uma relação harmoniosa com outros poderes, como o Congresso, onde as regras do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) precisam ser definidas até dezembro", detalha Flor.

Bolsonaro chegou a fazer o convite a Renato Feder para que fosse a Brasília amanhã, mas recuou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

05/07


2020

Justiça ameaça penhora nas contas de Belo Jardim

A Justiça determinou que a Prefeitura de Belo Jardim efetue o pagamento dos três meses de salários atrasados no prazo de 10 dias dos funcionários da Autarquia Educacional/Faculdade do Belo Jardim (AEB/FBJ), sob pena de bloqueio mensal das contas do município no valor de R$ 300 mil reais. A decisão foi expedida no último dia 18 pelo juiz de Direito Clécio Camêlo de Albuquerque e segue em tramitação.

O cumprimento se dá a partir do recebimento pela Prefeitura de Belo Jardim, segundo informações repassadas ao portal BJ1. O juiz determinou ainda que sejam mantidos em dias os “vencimentos subsequentes, sempre até o quinto dia do mês subsequente à prestação dos serviços”. No dia 16 de junho, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) deu entrada em uma ação civil contra a Prefeitura.

O órgão solicitava o pagamento imediato dos três meses de salários atrasados. A cidade vem passando por dificuldades na gestão do prefeito Hélio dos Terrenos (PTB), que tenta emplacar o pré-candidato Wilsinho, ex-presidente da AEB/FBJ e que chegou a comprometer a saúde financeira da autarquia, conforme relato de funcionários.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/07


2020

Sergio Reis convoca público para live de Delmiro

O cantor e compositor Sérgio Reis gravou um vídeo chamando o público para assistir à live de Delmiro Barros, que ocorre logo mais, às 15h, no YouTube. Reis é um dos tantos músicos que gravaram suas composições.

Nascido em São José do Egito, no Sertão do Pajeú, Delmiro Barros tem mais de 35 anos de carreira e leva histórias de sua terra natal por onde passa. Ficou marcado como "Embaixador do Forró".

Hoje, o público terá o privilégio de desfrutar seus grandes sucessos. Para assistir, basta acessa o canal (https://bit.ly/3iqv9tQ) do cantor e compositor pernambucano, um filho legítimo do Pajeú.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/07


2020

Em Olinda, Antônio deve ser candidato de Bolsonaro

O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, pode pintar na corrida eleitoral à Prefeitura de Olinda este ano. Filiado ao PRTB, sigla do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, o advogado se animou depois de ver fragilidade nas pré-candidaturas de oposição ao prefeito Professor Lupércio (SD).

Com isso, Antônio Campos deve ser o candidato apoiado pelo presidente Bolsonaro na Marim dos Caetés, uma vez que chefia órgão vinculado ao governo federal. Recentemente, o PRTB divulgou uma nota assinada por Tonca como presidente de honra do partido com críticas à administração de Lupércio. “O PRTB trabalha pela criação de uma frente política e social de oposição na cidade diante do desgoverno do Professor Lupércio”, endossa o texto, conforme pontua o site Observatório de Olinda.

Em 2016, quando era do PSB, Antônio Campos chegou ao segundo turno na disputa pela Prefeitura olindense.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Fale News, Em Olinda Antônio deve ser candidato de Lula.



05/07


2020

Para botar na parede

Caro Magno,

Sua crônica de hoje sobre seu passado desportista em Afogados da Ingazeira, também raízes minhas do meu Pajeú das Flores, da velha Coruja, hoje Iguaracy, está maravilhosa. Posso dizer que entre as melhores crônicas que já li, e não somente de Magno Martins. 

Dignas para botar em quadro na parede (Drummond assinaria sem pestanejar), em homenagem ao que fomos, e dizer SIM a uma inteligência privilegiada, pois que parida pelo Pajeú das Flores.

Zé da Coruja, seu conterrâneo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/07


2020

Ao confirmar Marco Aurélio, Levy detona Geraldo

Líder da oposição ao PSB na Assembleia Legislativa de Pernambuco, o deputado estadual Marco Aurélio (PRTB) recebeu mais uma vez o apoio de Levy Fidelix, presidente nacional do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro, para participar da disputa majoritária na capital pernambucana. Durante live realizada na noite da última sexta-feira (4), Fidelix reafirmou que Marco Aurélio será o candidato do PRTB na corrida eleitoral pela Prefeitura do Recife.

Na conversa virtual, Levy ainda fez críticas ao prefeito Geraldo Julio (PSB) ao compará-lo com os integrantes do PSDB paulista, após denúncia da Operação Lava Jato em São Paulo contra o senador e ex-governador José Serra (PSDB) e a filha dele, Verônica Allende Serra, por lavagem de dinheiro. “Nosso futuro prefeito Marco Aurélio da cidade do Recife. Mandei a 'fotinha' hoje aí pra você do Topo Gigio, que é esse prefeito Geraldo Julio, que é exatamente primo também dos tucanos”, disse Levy Fidelix. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/07


2020

As lives dos artistas, taxas do Ecad e direitos autorais

A partir de amanhã, as lives deste blog passam a ser realizadas sempre às segundas e quartas-feiras, mantendo o mesmo horário das 19 horas. Nesta segunda, resolvi entrar numa grande polêmica: as crescentes lives das estrelas musicais do Brasil, seus direitos autorais e como está sendo feito o monitoramento e as cobranças de taxas por parte do Ecad, o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição dos Direitos Autorais. Minha convidada é a superintendente-executiva da instituição, Isabel Amorim, do Rio de Janeiro, sede do órgão.

O Ecad é um escritório privado brasileiro responsável pela arrecadação e distribuição dos direitos autorais das músicas aos seus autores. É uma instituição privada criada pela Lei nº 5.988/73 e mantida pela Lei Federal nº 9.610/98.  Em 2012, foram mais de R$ 625 milhões arrecadados pela empresa e no mesmo ano os cantores com maior rendimento foram Sorocaba (da dupla Fernando & Sorocaba), Victor Chaves (da dupla Victor & Leo), Roberto Carlos e Paula Fernandes. 

Chefona do Ecad, Isabel Amorim tem experiência em negócios e em comunicação. É formada em Administração de Empresas, pós-graduada em Comunicação pela USP e possui um MBA pela Business School de São Paulo e Rotman School em Toronto. Cursou em 2013 uma pós na IE Madrid em Gerenciamento Global e foi bolsista de Stanford, onde estudou Ciências Políticas entre 2016 e 2018. 

Além disso, é membro do Conselho da WAN - Associação Mundial de Jornais. Desde novembro de 2019, ela é superintendente executiva do Ecad. A executiva iniciou a carreira na Editora Abril em 1988 e, desde então, trabalhou em grandes empresas de mídia. Entre os anos de 2001 e 2013, dirigiu o The New York Times Syndicate na América Latina. 

Em 2013, lançou a versão digital do jornal El País no Brasil, acumulando responsabilidade pela área de direitos autorais do grupo Prisa. Em 2016, voltou para a Abril para dirigir a área Digital e Comercial. Em 2019, foi responsável pela área de comunicação da Prefeitura de São Paulo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/07


2020

PT deve apoiar João Paulo em Olinda

O diretório municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu, ontem, por unanimidade, apoiar a pré-candidatura do deputado estadual e ex-prefeito do Recife, João Paulo (PCdoB), à Prefeitura de Olinda. De acordo com o presidente da sigla na cidade, Luiz Antonio Borges, o Lulinha do PT, o objetivo é formar uma "frente ampla de esquerda contra o bolsonarismo", apontada pelo grupo nas candidaturas do atual prefeito, Professor Lupércio (SD), e do presidente da Câmara, o vereador Jorge Federal (PSL).

“Sempre que o PCdoB disputou em aliança com o PT, em Olinda, a chapa saiu vitoriosa. Foram 16 anos trabalhando com Luciana e Renildo pela melhoria da cidade. Acreditamos que voltaremos a ter êxito neste projeto com João Paulo, que teve uma passagem muito bem sucedida à frente da Prefeitura do Recife”, comentou Lulinha.

Na gestão de Luciana Santos (PCdoB), o PT teve o professor Paulo Valença como vice em seus dois mandatos (2001-2008). Na administração de Renildo Calheiros (PCdoB), foram dois vice-prefeitos petistas: o professor Horácio Reis (2009-2012) e o ex-vereador Enildo Arantes (2013-2016).

Mesmo com este histórico, Lulinha afirmou que ainda não há definições sobre uma “reserva automática” da vaga de vice-prefeito na chapa de João Paulo para o PT. “Vamos começar a construir essa possibilidade a partir de agora. Mas isto não foi precondicionado em troca do nosso apoio”, explicou. As informações são do site Observatório de Olinda.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Nunca esquecer que o Corona Vírus foi fabricado pelo Partido Comunista. Não votem em candidatos do partido comunista.

marcos

Vôte o povo de Olinda não é doido de votar em um ladrão condenado.



05/07


2020

Exu sai do isolamento no adeus a ex-prefeito

A morte do ex-prefeito Léo Saraiva, 49 anos, consternou Exu, terra natal de Luiz Gonzaga. Ele morreu no Hospital Português, no Recife, vítima de uma enfermidade que se agravou em decorrência da Covid-19, vírus que tem arrastado milhares de vidas ao túmulo. Seu corpo chegou à noite para sepultamento no cemitério do município que governou por oito anos e foi recebido por uma multidão emocionada. Na última eleição, em 2016, Léo virou notícia nacional por ter sido eleito com a diferença de apenas um voto.

De máscaras, o povo se despediu de Léo nas ruas promovendo uma carreata. A cidade parou para o último adeus. De carro, moto e até a pé muita gente acompanhou a urna funerária numa unidade do Corpo de Bombeiros e no cemitério ainda ocorreu uma missa reunindo milhares de pessoas, mesmo a cidade cumprindo isolamento social da pandemia do coronavírus. Uma prova de que era muito querido, um gestor de massa, de rara identificação com o povão num tempo em que os políticos em geral enfrentam uma onda de descrédito e rejeição.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/07


2020

Meus tempos de escuridão e do Barcelona

Nascido entre o símbolo do mandacaru e a fecundidade poética da viola e do repente brotante do Rio Pajeú, vivi até os 18 anos em Afogados da Ingazeira, a 386 km do Recife. Uma época em que não havia estrada pavimentada para pegar o prumo da capital. Só nos restava comer muita poeira na cara até Arcoverde, confluência da BR-232, sonho realizado por Nilo Coelho, governador biônico, das barrancas do São Francisco.

Época também que não havia energia gerada pelas turbinas de Paulo Afonso, cantada e decantada por Luiz Gonzaga. Tempo em que um velho gerador, que a gente chamava casa de energia, impunha hora para nos levar ao abraço da escuridão: dez da noite.

O aviso vinha por meio de três apaga e desliga do sistema a partir das 21h30. Era como um anúncio ou uma ordem: vai pra casa te recolher. Era a hora de preparar o candeeiro, acender vela e pegar o lampião. Quando o motor do gerador quebrava, demorava uma eternidade para sanar o problema, porque as peças só eram encontradas em São Paulo.

Tempo, entretanto, feliz. Sem notícias das terras civilizadas, a praça era o nosso shopping: parque com canoas, algodão doce nas barracas, quebra-queixo, cocada, raspa-raspa, confetes e serpentinas quando chegava o carnaval. A praça era do povo. Palco de comícios, procissões, novenas e pastoris, disputa sadia entre os torcedores das meninas mais bonitas que representavam o azul e o vermelho. 

Afogados da Ingazeira também era movida a esportes e já exportou até jogador para a seleção brasileira, o Deinha, de quem levei muitos dribles nas peladas. Deinha jogou no Santa Cruz depois de ser descoberto por um olheiro do tricolor do Arruda. Revelou-se um craque, volante do futebol arte.

Era filho de Zé Pretinho, trabalhador da roça que perdeu o juízo com o tempo das secas inclementes que transformam em pó todos os roçados. Mas virou um doidinho engraçado. Vivia a andar descalço para baixo e para cima entre as ruelas da cidade. Certa vez, ao passar em frente a uma farmácia, se deparou com uma jovem vomitando, quando quis saber o motivo. Como resposta disseram que a moça tinha sido comida. De pronto, ele não perdoou: "E o cabra já foi preso?"

Foi no futebol, mas de salão, que vivi uma das fases mais felizes em Afogados da Ingazeira. Criei o Barcelona, comandado pelo abnegado técnico Ademar, na foto o primeiro à direita. Joguei muito pouco e vivia na reserva, mas o time ganhou fama na região, teve o seu reinado e tinha até torcida organizada de mulheres, sob o comando de Mariana Siqueira e Ana Lúcia. De tão apaixonadas, elas choravam quando a derrota batia a nossa porta.

Na foto que ilustra esse texto, o primeiro elenco era formado por Marcelo, meu irmão, primeiro à direita, o goleiro. Na defesa, Miranda e Roberto de Cabo Paulo formavam uma dupla perfeita. À frente, Pé de Banda, grande artilheiro, e eu, o do meio entre os agachados, só para atrapalhar. Com o tempo, vieram os reforços que nos levaram aos píncaros da glória, com taças e troféus conquistados na região.

Entre os novos atletas, Bartô Garcia, carne de pescoço na batida nos adversários; Alex, craque com C maiúsculo, e Wanderley Galdino, nossa grande estrela, pai da pentatleta Yane Marques. Tinha ainda um grande goleiro, Genecy, que nos livrou de grandes derrotas. Eu era o "Carinha" do Barcelona, apelido que ganhei no cabaré de uma mulher da vida, que me achou muito parecido com mamãe e berrou na frente da minha turma da pesada: "Ele é a cara da mãe". Para abreviar, ficou Carinha.

O Barcelona é um rio de saudade perene. A pior saudade é aquela que se sente, mas com a triste realidade que não é possível ir atrás. É, na verdade, o preço que se paga por viver momentos inesquecíveis. O destino une e separa. Mas nenhuma força é grande o suficiente para fazer esquecer pessoas que por algum motivo um dia nos fizeram felizes.

Quem pensa que a distância faz esquecer, esquece que a saudade faz lembrar. Quem inventou a distância que separa a dor da saudade nunca sofreu a dor dessa mesma saudade. O poeta Antônio Pereira me inspirou a concluir recorrendo a um verso universal da sua lavra:

"A saudade é um parafuso
que quando a rosca cai
só entra se for torcendo
porque batendo não vai.
Mas quando enferruja dentro 
nem distorcendo não sai".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


04/07


2020

Na PE 418, condutor morre ao colidir com areia na pista

A péssima qualidade das rodovias pernambucanas tira a paciência e, em alguns casos, a vida das pessoas. Em Serra Talhada, no último domingo, um morador da cidade, de 48 anos, morreu ao colidir a sua motocicleta numa montanha de areia na PE-418, que liga o município ao distrito de Santa Rita.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a colisão aconteceu na altura do KM-34. A vítima teve ferimentos na face e no crânio e não resistiu. Havia montes de terra espalhados na rodovia, como é possível ver na foto, que teriam sido despejados na pista pelo Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER), conforme atestou a líder comunitária Rita Inácio. A informação está disponível no blog Farol de Notícias.

BURACOS NA DIVISA PE/PB - Outra situação que tem prejudicado motoristas ocorre nas proximidades de São José do Egito, na divisa com a Paraíba. Em vídeo, um leitor faz um comparativo entre os trechos paraibano – bem conservado – e pernambucano, que conta com diversos buracos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


04/07


2020

Rádio de Bonito volta a transmitir Frente a Frente na segunda

Mais uma emissora integrante da Rede Nordeste de Rádio: a Verdade FM 98,7, em Bonito, no Agreste pernambucano, volta a retransmitir o Frente a Frente, programa que ancoro das 18 às 19 horas, de segunda à sexta-feira, tendo como cabeça de rede a Hits 103,1 FM, no Grande Recife. Volta na próxima segunda-feira como principal destaque da nova grade da emissora, líder de audiência em Bonito e 20 municípios próximos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


04/07


2020

Irregularidades tiram prefeito de Maraial do cargo

Em sessão que durou mais de oito horas, realizada, ontem, na Câmara Municipal de Maraial, sete dos nove vereadores decidiram pela cassação do mandato do prefeito Marquinhos Moura (PTB). A maioria dos vereadores entendeu que, o agora ex-prefeito, cometeu improbidade administrativa.

Pesaram contra ele duas acusações: não ter repassado os recursos obrigatórios para a área de saúde e ter gasto R$ 1,3 milhão sem que a despesa tenha sido empenhada. Votaram pela cassação os vereadores Everaldo do Queijo, Edson Professor, Roni de Laerte, Irmão Eraldo, Mano Pantanal, Val do Gás e Carlos Alexandre.

Com a decisão de ontem, Marquinhos Moura seguiu o mesmo caminho do seu pai e ex-prefeito, Antônio Carlos Moura, que, em 1989, também por decisão do Poder Legislativo Municipal, foi obrigado a se afastar do cargo. Quem assume o comando da cidade é o vice-prefeito Dr. Márcio.

“Acredito que desta vez Maraial encerrou de vez a trajetória política da família Moura. É dever dos vereadores, que foram eleitos pelo povo, fiscalizar o trabalho do prefeito. E assim fizemos. É preciso seguir adiante e reerguer a nossa cidade”, avalia Carlos Alexandre, um dos vereadores que votaram a favor da cassação.

Confira a decisão da Câmara neste link.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


04/07


2020

Gilson toca Asa Branca em resposta a netos de Gonzaga

O presidente da Embratur, Gilson Machado Neto, falou com exclusividade ao blog sobre as críticas que netos de Luiz Gonzaga fizeram sobre o uso da música "Riacho do navio" em live com o presidente Jair Bolsonaro na última quinta-feira (2). Na ocasião, Gilson chegou a tocá-la. Em resposta à reclamação, decidiu interpretar "Asa branca" na sanfona.

Gilson Machado também explicou que continuará admirando o Rei do Baião. "Nada vai mudar meu respeito e idolatria por Luiz Gonzaga, um exemplo para o nordestino e para minha carreira! Sempre toco músicas do Rei em todas as minhas apresentações. A chama do verdadeiro forró nunca pode se apagar. Deveria ser obrigatório, em todo evento junino no Nordeste, os artistas tocarem músicas de Luiz Gonzaga. Tenho orgulho de ser discípulo dele, nada nem ninguém vai mudar meu sentimento e respeito pelo Rei do Baião", ressaltou.

Em um texto publicado nas redes sociais, Amora Pêra, Nanan Gonzaga e Daniel Gonzaga, filhos de Gonzaguinha, declararam que não autorizam o governo federal a utilizar canções assinadas por pessoas da família.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


04/07


2020

Princesa do Pajeú

Afogados da Ingazeira, minha terra natal, ficou imortalizada nos versos de uma conterrânea: a saudosa cantora e compositora Maria da Paz, a Paizinha. "A Princesinha da Ingazeira" virou um hino extraoficial da cidade, que completou 111 anos de emancipação política na última quarta-feira (1º).

Deixo aqui mais uma homenagem a minha Afogados, nobre princesa do Pajeú.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha