FMO

11/11


2019

Ser corrupto é padecer no paraíso. Ô-lê-lê!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Olha só quem aflorou no recinto! O cientista político The Gaulle. Ele baixou no terreiro para assistir à Via Crucis da Operação LavaJato na segunda instância. Depois de combater as tenebrosas transações de corrupção, a LavaJato cumpre a sua Via Dolorosa. The Gaulle proclamou que o julgamento dos corruptos na nonagésima instância é uma decisão muito séria.   

Fica decretado que ser corrupto é padecer no paraíso verde-amarelo até o Dia do Juízo Final. Ô-lê-lê! Ô-lá-lá!

Alegrai-vos, corruptos, com o tráfego em julgado no Dia de São Nunca! Alegrai-vos, camarilhas do Mensalão, do Petrolão, dos corruptos do BNDES e das estatais! Não vos inquieteis! A prescrição dos processos da LavaJato já está a caminho.

Um passarinho me contou que a mundiça vermelha está celebrando pelo avesso a cantoria do profeta Ruy Barbosa em sua cantoria chamada de “Oração aos Moços, às Moças e à Galera da Terceira Idade”, publicada na conta do cabeção no Instagram. A saber:

“De tanto ver triunfar as sumidades; prosperar a honra, crescer a justiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos colaboradores da Operação LavaJato, os homens do sexo masculino chegam a desanimar-se da roubalheira, a rir-se da desonra, a ter vergonha de ser desonesto”.

De agora em vante nenhum corrupto poderá ser preso até o tráfego em julgado na nonagésima instância.

Com ou sem incontinências verbais do Capitão Marvel, não dá para ter saudades da corrupção e degradação moral da mundiça vermelha. Impossível esquecer os crimes de lesa-pátria e o legado nefasto dos vermelhos, de 14 milhões de desempregados. O desemprego e a corrupção, em todas as instâncias. Impossível ser feliz com a vitória dos corruptos e da corrupção.

Os demiurgos, entidades intermediárias entre o céu e a terra, entenderam que os corruptos só podem ser presos na nonagésima instância. As elites de meia tigela deste infeliz Nação brasileira hoje giram em torno dos umbigos vermelhos de um presidiário.

Ó venerável Ulysses Guimarães, penhor da Constituição Cidadã! Ó Constituição, quantas patifarias estão sendo cometidas em teu nome!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE

09/12


2019

As desventuras de um pai de chiqueiro

Por José Adalberto Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Keim é o líder hoje da oposição no Brazil? Zé Ruela, o ex metalúrgico, está enferrujado. Cansado de guerra e de cadeia, o bode rouco não disputa eleição desde 2006.

Aki pra nós, nascido no século XIX e hoje com 174 luas (cento e setenta e quatro) na cabeça, o pai de chiqueiro da seita vermelha está inelegível até a nonagésima instância. Adeus! 

Meu Brazil é com Z porque eu nasci no tempo do Império. Os gramáticos dizem que o S entre duas vogais tem o som de Z. Entonces, vou direto no Z sem intermediário. Eu sou um revolucionário conservador.

Eu escrevo errado porque aprendi a ler pelo método Paulo Freire da Pedagogia do Oprimido. Eu me sinto oprimido pelos gramáticos autoritários. Existem muitos jornalistas que não sabem ler, só sabem escrever, a começar pelo papaizinho, na moral.  Estou sendo politicamente correto e ninguém pode reclamar, Os intelectuais adoram Paulo Freire, visse!

Keim seria o herdeiro do pai de chiqueiro da seita vermelha? Radar, o boneco ventríloquo já derrotado? O cara descarregou a bateria. Alô! O cérebro dele tá fora de área ou desligado.

Ki tal a sinhazinha do nariz de Pinóquio? Cantante de uma nota só, furou o disco de tanto gritar “Zé Ruela livre”. Nada além. 

A mulher que estocava ventos embarcou a bordo de uma vassoura e sumiu no oco do mundo. Lá vai ela a liberar ventos orgânicos a bordo de aeronaves, estações de metrô e salas de espera dos aeroportos.

O Capitão do Mensalão ao sair da cadeia começou a delirar com a volta ao poder. Mais que ganhar eleições, o delírio esquerdofrênico propõe uma revolução tipo bolchevique de domínio total das instituições. Delirou, delirou.

Nesta cidade Recife dos altos coqueiros a deputada Marília Arraes está sendo preterida em favor de João Campos, o pimpolho mimado daqueles olhos verdes de Eduardo e Renata.    

Marta Suplicy já está fora do Anhangabaú da felicidade em São Paulo. Keim mais? Zé Ninguém, ou só restam figuras menores. A seita vermelha está virando uma casa mal-assombrada.

As eleições municipais do próximo ano vão tirar a prova dos noves fora os zumbis do cordão encarnado.

*Jornalista


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

EMPETUR

02/12


2019

The Gaulle: A Bruzundanga é um País muito sério

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Olha só quem aflorou no recinto! O famoso e formoso cientista político The Gaulle. Veio dar um rolé neste reino para elaborar nova tese sobre a punição aos meliantes somente na enésima instância, depois de esgotados todos os recursos e parafernálias dos goelas.

The Gaulle, para quem não sabe, é francês da gema nascido e criado na terra dos altos coqueiros de Paris, cidade lendária, visse!

Os 193 países da ONU que adotam a prisão em primeira ou segunda instância n’est pas sérieux, não são países sérios, segundo The Gaulle. Somente são sérios uma meia dúzia de quatro a cinco países que adotam a cadeia para corruptos na enésima instância, tipo a Bruzundanga, Brasenvile, Transilvânia, Sudão, Gabão.

Os que mandam os meliantes para a cadeia sem mais delongas não são muito sérieux, segundo The Gaulle, porque negam a presunção do direito de ser corruptos.

Pelo simples fato de assaltar os cofres públicos os corruptos dos Estados Unidos, do Canadá e Japão são enjaulados logo na primeira estação. No Império Chinês os corruptos são fuzilados e viajam ao assento etéreo para aguardar a misericórdia divina nas instâncias celestiais do Juízo Final. 

Mas, ninguém é de ferro. The Gaulle está esquentando as turbinas para cair na gandaia durante as confras do fim de ano. Disse que está de olho num donzela do sexo feminino nas imediações das montanhas da Jaqueira. Vai oferecer a ela casa, comida e uma lavadora Brastemp seminova. Pense numa donzela charmosa e top de linha! Com todo respeito.  

E por falar em Brastemp, dizei-me, nobre filósofo, o que acontece no coração do Brazil neste reinado do Capitão Marvel?

Exterminada a corrupção mastodôntica nas glândulas mamárias do governo, The Gaulle reconhece que a economia já respira com ajuda de aparelhos de privatizações e concessões em infraestrutura. O PIB ganha sustança e os empregos ressurgem das cinzas da recessão, noves fora os maus agouros da seita vermelha.

O combate à corrupção no Brazil se divide em duas fases: antes e depois da Operação LavaJato. Viva o honrado e valente Sérgio Moro! Ele é um ícone do bom combate, na moral.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Paulista

25/11


2019

O importante é navegar na derivada positiva

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Recorro de saída a uma das fontes luminosas da humanidade, o bem-aventurado filósofo Voltaire: “Para que discutir com os homens que não se rendem às verdades mais evidentes? Não são homens, são pedras. Tenho um instinto para amar a verdade, mas é apenas um instinto”.

Ou são homens de pedra, são trogloditas da idade da pedra vermelha. Viva Voltaire! Voltaire vive!

Para que discutir com pedregulhos que não reconhecem a evidência da Operação LavaJato no combate à corrupção? Não são homens, são metralhas, são petralhas, deveriam ser recolhidos em contêineres e caçambas para reciclagem.

Assim vos direi, gentes do cordão azul e do cordão encarnado, o papaizinho aqui eu tenho autogestão ideológica. Sou vacinado contra a gripe que ataca os velhinhos e velhinhas, contra a febre amarela, a  febre vermelha e contra as patrulhas ideológicas de todas as laias.  

Venho da geração que amava os Beatles e amava mais ou menos os Rolling Stones, quando as pedras rolavam e sonhavam com o advento da democracia no Brazil. Repito que sou pequenininho do tamanho de um passarinho e não recebo lição de democracia da mundiça vermelha. Que onda é essa, a esquerda ortodoxa, amante e financiadora de ditaduras comunistas, vir dar lição de democracia!   

Depois da tenebrosa recessão e da travessia dos pântanos da corrupção, as projeções indicam crescimento do PIB este ano em torno de 0,92 % este ano. De janeiro a outubro foram criados 841 mil empregos com carteira assinada. Significa um refrigério num oceano de 12 milhões de desempregados.  A seita vermelha boicota e trabalha pelo fracasso do governo na economia.  

O turismo, polo dinâmico da economia, impulsiona os segmentos de serviços. O alinhamento com nações prósperas e democráticas funciona como catalisador nessas áreas. O governo federal, através da Embratur, descobriu o ovo de Colombo ao liberar o visto para turistas dos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Japão.

Resultado é que o turismo de negócios e o turismo em geral cresceram na faixa dos 14 por cento e somaram reservas de mais de 5 bilhões no primeiro semestre. Eis um filão a ser explorado com potencial exponencial. Seja dito, o que vende turismo é infraestrutura, serviços, além do conceito romântico de paisagem. Meta os peitos,  sanfoneiro-empreendedor Gilson Machado Neto, presidente da Embratur!   

O importante é navegar na derivada positiva. Oh glória!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/11


2019

Meu reino por uma touceira de capim!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Na epopeia sobre a farsa socialista “A Revolução dos Bichos”, de George Orwell, uma legião animalesca sob a liderança dos porcos Bola de Neve e Garganta propõe-se a destruir o reino humano capitalista, combater a exploração entre os viventes de quatro patas e criar uma sociedade selvagemente igualitária.

O relato a seguir fica por conta do meu livre pensar.

O fazendeiro Jones, um capitalista malvado, foi destronado do poder na Granja Solar e substituído pela fauna animal, liderada pelos porcos socialistas.  

Os porcos, sapos, pais de chiqueiro, antas, lombrigas e carcarás passaram a usar barbas vermelhas como símbolo revolucionário.

Meu reino por uma touceira de capim! Proclamaram os revolucionários.   

Bola de Neve construiu um Moinho de Ventos para combater os privilégios das elites e redimir as desigualdades animalescas. A ovelha Maricota, criatura malévola, foi eleita para estocar furacões e distribuir ventanias com os bichos. Mas, os ventos viraram tempestades, devastaram nossas casas, nossas vidas, nossos empregos. A malévola voou a bordo de sua vassoura no rumo dos ventos.

Acusado de praticar tenebrosas transações, Bola de Neve foi preso em Curitiba.   

Hoje Bola de Neve virou Bola de Ferro que puxa o Brazil para trás, disse o Garganta, cobra criada da tribo do Ceará. O Garganta também é uma bola de ferro, venenoso e agressivo.

O Brazil não merece girar em volta do umbigo de um presidiário farsante guru de uma seita corrupta. O ex presidiário é uma assombração do passado que não disputa eleição desde 2006. O Garganta do Ceará insiste em ser derrotado desde 1998.               

A Revolução dos Bichos de George Orwell chega ao desfecho na Fazenda Solar. Depois de conquistar o poder e derrotar os capitalistas humanos, os animais se corrompem e praticam os vícios que antes combatiam. Eis uma fábula perfeita sobre a farsa do socialismo, chamada de distopia:

“Doze vozes gritavam, cheias de ódio, e eram todas iguais. As criaturas de fora olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez; mas já era impossível distinguir quem era homem, quem era porco”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jovelina Maria de Brito

desde quando li, há séculos, me apaixonei por essa fábula....sempre tive uma pena imensa de Sansão, o cavalo manso.


Prefeitura de Ipojuca

04/11


2019

Eu quero um vulcão pra chamar de meu

MONTANHAS DA JAQUEIRA – A imagem é recorrente: o vulcão Brazil está em erupção. As vísceras do vulcão irradiam radicalismos, maus sentimentos, confrontos, provocações. Meu vulcão tem uma estrela vermelha na testa. Meu vulcão é do cordão azul. Minha terra tem vulcões onda canta o carcará. Meus vulcões, minha vida.

O que seria dos vulcões encarnados se não fossem os vulcões azuis?!

Santa Irmã Dulce dos Pobrezinhos do Bolsa Família, abrandai o coração dos vulcões encarnados e verdes-amarelos! Santa Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, rogai por nós politicamente incorretos que recorremos a vós! Os devotos da mundiça vermelha e os vikings da direita estão se digladiando com fake news, numa guerrilha feroz.    

Seja sempre lembrado: corrupção mata, corrupção desemprega, corrupção empobrece, corrupção degrada, corrupção humilha. A corrupção foi elevada à enésima potência na dinastia das camarilhas vermelhas. Algum inocente duvida?! Camarilhas vermelhas na ribalta, no more, oh never more! como diz o corvo de Edgar Alan Poe, ou como diz o carcará em  nossa linguagem.

Eu quero ter um vulcão para chamar de meu. Meus filhos, meus vulcões Zero Um, Vulcão Zero Dois, Vulcão Zero Três. Minha língua, meu vulcão. Meu partido, meu vulcão Bivar, meu vulcão FBC. Meu vulcão Joice, meu vulcão Olavo, meu vulcão Adélio. Curitiba gera vulcões.

Meus vulcões são politicamente corretos. Os vulcões vermelhos  estão sujos com o farelo da corrupção.

Foi um rio que passou em nossas vidas. Não. Foram tempestades, terremotos, furacões. “Nunca me esquecerei deste acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas”, dizia o bem-aventurado Drummond. Nunca nos esqueceremos da herança nefasta que ainda perdura dos 12, 13, 14 milhões de desempregados. Dados de realidade se sobrepõem, impossível serem esquecidos ou deletados.

Nestes tempos de bruxarias, para que serve a imunidade parlamentar? Um certo senador da Costa preconizou tocar fogo no Brazil à moda do Chile. Tempos recentes uma certa deputada Benedita da Silva proclamou que sem derramamento de glóbulos vermelhos, hemácias e leucócitos não haverá redenção. O fogo e o sangue foram saudados em nome do pacifismo escarlate. Se um recruta Zero filhote do Capitão Marvel cometesse tais heresias seria estraçalhado, cassado e capado, acusado de fazer apologias a ditaduras.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Abreu e lima

28/10


2019

A impunidade ronda o coração do Brazil

MONTANHAS DA JAQUEIRA – O fantasma da impunidade ronda o coração do Brazil. O trânsito em julgado para corruptos é uma tangente, só existe na linha do horizonte, no dia de são nunca, no Juízo Final. É inatingível. Até lá, vem a prescrição. Entonces, é sinônimo de impunidade. (O meu Brazil é com Z porque eu nasci no tempo do Império. Saudades de Dom Pedro 2º!)  

O objetivo implícito, explícito, escancarado ou camuflado do  eixo do mal é reescrever a Constituição e explodir a operação LavaJato para consagrar a impunidade e agasalhar os corruptos. A LavaJato mexeu nas crateras e nos intestinos do vulcão da corrupção. O coração do Brazil está em erupção. O vulcão está em convulsão.

Bode rouco farsante, feio e fedorento, o presidiário de Curitiba se comporta como um Demiurgo, entidade mitológica intermediária entre o céu e a terra. O bicho se autoproclamou inocente, mais honesta que a Santa Irmã Dulce dos Pobrezinhos e a Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus. Legiões de devotos da seita vermelha se prostram diante dos umbigos dele para reverenciá-lo.

Os Demiurgos da lei, antes chamados de “acovardados”, giram em torno dos umbigos dele para adaptar a Constituição aos seus desígnios e conceder-lhe a liberdade, ou a impunidade. A proposta de impunidade vai além do presidiário,  beneficiaria todos os hereges da corrupção.   

Eu sou pequenininho do tamanho de um bem-te-vi, mas quando eu crescer Zeus me livre de ser devoto da seita vermelha corrupta. 

Seja dito, não se combate a corrupção com delicadezas. É a lei da vida e da política.

Os piratas e corsários estão nos mares e nos oceanos não pacíficos. Os vikings e os novos bárbaros estão nos ares, nos bares, até nos altares, em todos os lugares. As ondas da pirataria de petróleo conduzem crimes ecológicos, desastres e incompetências. Pusilânimes, as esquerdas latino-americanas e entidades tipo o Greenpeace transferem a culpa para o governo brasileiro.

Submetida ao embargo dos Estados Unidos, a ditadura da Venezuela pratica a venda clandestina de petróleo através de navios fantasmas. A costa marítima do Brazil expõe-se à guerra das máfias internacionais.

No Brazil intoxicado pelo farelo comunista as esquerdas radicais manipulam a opinião pública e são coniventes com o inimigo externo, em nome da ideologia globalista e ambientalista.  


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

21/10


2019

Os detonautas da Família Trapo

MONTANHAS DA JAQUEIRA – À moda de Adélio e em nome da transparência, o Capitão 17 deu uma facada no bucho do PSL. As tripas gaiteiras do governo estão sangrando. Esta é uma faca de dois legumes, os legumes da Nova Política e os legumes da Velha Política. Eis a Novelha Política.

Ao tempo em que dá uma facada no bucho do PSL e de suas crias, o Capitão Marvel preserva figuras notórias do próprio governo enrascadas até o talo da macaxeira em casos mal-assombrados.

Os detonautas da nova Família Trapo estão em ação. Nos tempos gloriosos da Família Trapo, de Ronaldo Golias e Jô Soares, o personagem Bronco era inocente. Hoje os detonautas pupilos do Capitão Marvel são cobras mal criadas.

Os detonautas da Família Trapo estão em ação. No início do governo o Zero 02 detonou o secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, depois detonou o secretário de Governo, general Santos Cruz, agora detona a liderança na Câmara dos Deputados e a líder Joice Hasselmann. O partido do governo está esfaqueado. Oh insensatez!

O detonauta Zero 02 ridiculariza a deputada Joice Hasselmann, chamada de Peppa Pig, a porquinha cor de rosa do seriado americano, por ser ela uma rechonchuda. Bate-rebate: “Nem-nem, menino mimado, nem líder nem embaixador”. O Zero 02 e a madame Peppa são duas cascavéis.

O destino do Capitão 17 nas mãos dos seus detonautas é a dança da solidão.

A dança da solidão acende a teoria das “aproximações sucessivas” do vice-presidente general Hamilton Mourão. A solidão é incompatível com a governabilidade e gera maus presságios.

Os atropelos do governo às vezes obscurecerem  as conquistas relevantes na área econômica, no combate à violência,  saneamento de finanças, desregulamentação e fim do financiamento às ditaduras comunistas.

No tratamento antidrogas existe a técnica de redução de danos. O veneno vermelho, droga pesada e alucinante, havia anestesiado a consciência nacional e a seita vermelha operou tenebrosas transações na Petrobras, BNDES e empresas estatais. A onda do Capitão Marvel foi adotada como tratamento de choque para redimir o País da droga vermelha. Oh glória!

Segue no tratamento de redução de danos. Se o Capitão Marvel tiver juízo convém dar uns cascudos nos seus pupilos detonautas para espantar a dança da solidão e navegar na derivada positiva.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

14/10


2019

Viva o beato e a Santa dos Pobrezinhos

MONTANHAS DA JAQUEIRA – “O Sertão vai virar mar, o mar vai virar Sertão, haverá rios de leite e montanhas de cuscuz”. Será proclamada a Nação Sertaneja do Arraial de Canudos. Viva El-Imperador Antonio Conselheiro!

Eis a guerra dos sertões de Canudos, segundo Euclides da Cunha, ou a Guerra do Fim do Mundo, de Vargas Llosa.

(Nos tempos de agora as praias do Nordeste estão sendo assassinadas pelo petróleo vermelho! Oh infelicidade!)   

Chamado de fanático e conspirador pela volta da Monarquia, o peregrino Santo Antonio dos Mares despertou a fúria da nascente República, idos de 1896, da milenar Igreja Católica, Apostólica Romana e dos fazendeiros donos de gado e de gente.

O Arraial foi exterminado pelas briosas tropas republicanas, os beatos e as beatas foram degolados e massacrados, em nome da paz e da harmonia social.    

Ora, direis, o Arraial de Canudos do Conselheiro faz parte de um passado remoto. Eu vos direi, quanta ignorância! Assim feito Elvis e a Santa Irmã Dulce dos Pobres, o Santo Guerreiro peregrino dos mares vive no coração do Brazil.

Os poetas, os heróis e as musas são flores sempre-vivas nos jardins de nossos corações.

A Igreja Apostólica de Roma, Amor, que perseguiu e odiava o autoproclamado “Santo Antônio dos Mares” é a mesmíssima Igreja do Papa globalista Francisco que canonizou a Santa Irmã Dulce dos Pobres. Mudam apenas os paramentos e o lero-lero da Cúria romana. Contritos e penitentes, os ricos e poderosos foram a Roma, às custas dos nossos impostos, venerar a santa irmã dos pobrezinhos.

Graças a Zeus eu não sou religioso, não sou papista, sou espiritualista, creio no Deus cósmico e universal de Spinoza e no Deus atômico do bem-aventurado poeta Augusto dos Anjos, dos Arcanjos e dos pecadores:

“Não, Jesus não morreu, /Vive na Serra/ da Borborema/, no ar de minha terra, /Na molécula e no átomo ele vive”.

 “Vandalismo – “Meu coração tem catedrais imensas (....)  Como os velhos templários medievais/ entrei um dia nessas catedrais/ e nesses templos claros e risonhos ... / E erguendo os gládios e brandindo as hastas./ no desespero dos iconoclastas/ quebrei a imagem dos meus próprios sonhos”.

Viva o beato Conselheiro! Viva Spinoza! Viva o genial e bem-aventurado Dos Anjos! Viva a Santa Irmã Dulce dos Pobres!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

07/10


2019

Os vikings navegam nas cavernas da Internet

MONTANHAS DA JAQUEIRA – A guerra da informação/comunicação, contra e a favor dos governos e instituições, é intergaláctica. Viemos da galáxia de Gutenberg, a escrita, e navegamos nas nuvens digitais do universo GAFA – Google, Apple, Facebook e Amazon, planetas, satélites e cavernas, o Messenger, Instagram, WhatsApp. As cavernas da Internet são chamadas de redes sociais. Os vikings e novos bárbaros habitam nessas cavernas.

O Papa globalista Francisco prega “o fogo do amor na Amazônia”, ao anunciar o Sínodo da floresta. Lindo! Os globalistas descobriram agora a Amazônia e preconizam a internacionalização da floresta. O ex índio Raoni, hoje figura exótica na Europa, seria autoproclamado rei dos santuários ecológicos.

Acontecem e aconteceram lampejos de amor dialético no Purpurado, a cor de púrpura do alto clero apostólico romano.  Rebobinem um pouco da história. Em julho de 2015, ao visitar a Bolívia, o Papa Francisco Bergoglio recebeu de presente do cocalero Evo Morales um crucifixo em forma do símbolo comunista da foice e martelo. Morales beijou-lhe as mãos e a Santidade sorriu encantado.

O cocalero não teria essa ousadia diante do Papa estadista João Paulo 2º. Se fosse um Papa rochedo, Bergoglio teria quebrado a foice e o martelo no toutiço do bicho comunista. Lá vai a Santidade visitar,  também em 2015, a ilha-presídio comunista de Cuba. Distribuiu sorrisos, gentilezas e água benta. O então ditador Raul Castro e seus comparsas ficaram felizes diante das gentilezas papais. As ditaduras terroristas não se comovem com água benta.

Desde então estão sussurrando pelas alcovas que Bergoglio é o Antipapa comunista. Vem agora o Sínodo da Amazônia, como parte da toada ambientalista derivada do credo vermelho de origem.

Depois do dilúvio, o Brazil está fazendo a travessia do mar vermelho. De modo apropriado o Capitão Marvel falou que a economia é um transatlântico, impossível dar um cavalo de pau para reverter a curto prazo o legado nefasto das camarilhas corruptas. E não se combate corrupção com delicadezas. É a lei da vida.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


30/09


2019

Os vulcões subiram nos telhados

MONTANHAS DA JAQUEIRA – O Brazil navega em campo minado. As emboscadas estão nas esquinas. Os vulcões subiram nos telhados. A cada dia, sua agonia, diz a proverbial sentença bíblica. A cada dia explode uma bombinha atômica no coração do Brazil. Há perigos no ar.

Jesus proclamou os 12 discípulos e partiu para ensinar nas cidades da Galiléia et Orbi. No Brazil os 11 corifeus se autoproclamaram supremos salvadores da Pátria. Jesus deu virtudes e poderes aos 12 discípulos para vencer os demônios e curar os enfermos. No Brazil os 11 discípulos se consideram componentes de uma corte celestial, com poderes para redimir os pecadores da LavaJato.

Discípulo da caserna, o vice-presidente, General Hamilton Mourão, trabalha na linha das “aproximações sucessivas” da tabela de logaritmos. Para traduzir a matemática em palavras simples, digamos que as radicalizações se aproximam do limiar de rompimento. Os radicais estão esticando a corda.

A Oposição-cabeça veio de longe, do ovo da serpente do marxismo, cujos ovários geraram a esquerda-raiz gramsciana. Depois vieram as derivadas da pedagogia do oprimido e zoologia da libertação. O socialismo-comunismo que não ousa dizer o nome hoje se chama ideologia de gênero e movimentos ambientalistas.

As ondas politicamente corretas da esquerda-raiz estão incrustadas feito carrapato, há décadas, nas universidades, na mídia, nas artes, nos tutanos das bolas de gude, digo eu.

Engano dizer que as ditaduras da Venezuela, Cuba e Nicarágua deram calote de dezenas de bilhões de dólares no BNDES. Ah, inocentes! Os empréstimos foram feitos de caso pensado para não serem pagos e gerar corrupção-raiz bilateral.  

Operações de 800 bilhões do BNDES, Petrobras e fundos de previdência estatais faziam parte de uma geopolítica de apoio a ditaduras de esquerda e colher de chá aos empresários nacionais de copa e cozinha. As almas penadas de Fidel Castro e Hugo Chavez também se regozijavam nas caldeiras de enxofre.

Um sitiozinho e um apartamento triplo são apenas penduricalhos na vastidão de pecados capitais.

O Brazil ainda tá sujo do farelo da mandioca vermelha. Hay que dedetizar, pero sem ternura. Chora, menino pra comprar pitomba!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/09


2019

As proezas do General Xicus

MONTANHAS DA JAQUEIRA – “Triste do poder que não pode”, assim falava aos seus discípulos o general Xicus Heráclium, autoproclamado guru da república de Limoeirus et Orbi. Está escrito no livro “General, generais”, de autoria do escritor imortal Vinicius, da Academia Brasileira de Ypisilon A B Z R  X K.   

Padroeiro do cordão azul, o general Xicus anuncia nas nuvens: mundiça da seita vermelha do cordão encarnado, nem morto.

“A peleja do Capitão Marvel contra os zumbis do Cordão Encarnado” era o livro de cabeceira do General Xicus, ao navegar na varanda de sua rede social. O general @xicus mandou prender os hackers do cordão encarnado que invadiram sua conta no twitter.

Dizei-me, General Xicus Heraclium, prender um cara em primeiro grau pelo simples fato de roubar uma conta no twitter não seria arbitrário?! Se o cara roubou em primeira instância tem que ser preso em primeira instância.  

O trânsito em julgado existe e não existe. Para os goelas só existe no Dia do Juízo Final. É uma múmia paralítica, não anda. Até lá as almas rotuladas como sendo imaculadas continuam deitando e roubando.

Roubou ou não roubou, matou ou não matou, este é o miolo da questão, o tutano da questão, e o mais são filigranas jurídicas. Se roubar um galináceo, é pau em primeiríssimo grau. Se roubar um trem pagador, ai são discutidas as abstrações formais. Chamam de “garantismo” a Impunidade até o julgamento no Além.  

O “suspeito” roubou, matou, esfolou, foi preso em flagrante, confessou a autoria, o crime foi filmado, fotografado, documentado. Continua sendo chamado de “suspeito”, foi liberado e saiu dando cambalhotas para festejar a liberdade. “Suspeito” tornou-se a palavra mais estúpida da língua portuguesa. Quem cometeu este sacrilégio? Algum jurista que se considera iluminado.

As leis não escritas são as que mais funcionam no Brazil. Exemplos: a Lei de Gerson e a Lei do Cabo Tino, ou a lei do cabotinismo. A filosofia do Cabo Tino é herdeira de Macunaíma, o herói zero caráter. Quem não conhece Macunaíma e o Cabo Tino não conhece as quebradas do Brazil e da vida.    


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/09


2019

Meu reino por uma flor do maracujá!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – “Segure seus radicais que eu seguro os meus!”, dialogo imaginário ou mais que real entre o general presidente João Figueiredo e o condestável Senhor Diretas, Ulysses Guimarães, idos da Anistia/transição democrática em 1979 e nas nascentes da década de 1980. Os radicais estão novamente no gramado. Criaram raízes nos ares, nas nuvens, nos lares, nos bares, nos alambrados, nos subterrâneos, nos mares, em todos os patamares.

Os corações auriverdes estão em chamas. Chamem os floristas,  bombeiros, cardiologistas, benzedeiras, irmãs das almas! Precisamos de bálsamos, colírios, ervas-cidreiras, camomilas e capins-santos.

Meu reino por uma flor de maracujá! Meu reino por uma tulha de capim-santo! assim falou o bicho-grilo Adalbertovsky, autoproclamado profeta-raiz das montanhas da Jaqueira, da Serra da Borborema, da Freguesia dos Aflitos et Orbi.  

Assim feito Elvis Presley, Michael Jackson do Pandeiro e Augusto dos Anjos, dos arcanjos e dos pecadores, os radicais estão vivos, radicais are alive. Viva Elvis, viva Michael Jackson do Pandeiro, viva Augusto dos Anjos, dos arcanjos e dos pecadores, noves fora os radicais!   

Os radicais incendeiam corações, multidões, pneus, florestas.

Os devotos da seita acreditam na pós-verdade. O Petrolão nunca existiu. Os 12/14 milhões de desempregados nunca existiram. Os pecadores serão redimidos e as almas honestas serão proclamadas.

Águas passadas movem moinhos, sim. A história é sempre escrita pelos vencedores. Errado. A história no Brazil está sendo escrita e reescrita pelos perdedores. Os vitoriosos pedem perdão mil vezes às esquerdas aliadas dos regimes comunistas de Cuba, China e à finada União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

Nos idos revolucionários, alhures, havia um lema: “É tempo de estourar miolos, não de alisar cabeças”. Muitos miolos foram estourados e fuzilados em nome da distopia socialista.

Ulysses revelou a ira santa ao assinar a Constituição de 1988. “Temos ódio e nojo à ditadura”. Naquele tempo também se dizia que não devemos perder a capacidade de nos indignar diante da corrupção.

Rock n’roll. Pedras que rolam não criam limo, reza a lenda proverbial. Ulysses vive!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/09


2019

Livrai-nos dos gafanhotos!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Uma nuvem de gafanhotos do Congresso aprovou o fundo partidário, com licença da palavra, de 2,8 bilhões de reais, em aberto, para patrocinar as eleições, inclusive o pagamento aos causídicos de despesas dos que cometem pecados contra o 7º Mandamento da Taboa de Moises.

Antigamente havia as saúvas. Hoje seja dito: ou o Brazil acaba com os gafanhotos políticos ou os gafanhotos acabam com o Brazil.

Os gafanhotos pecam contra os 10 Mandamentos, o Código Civil, o Código Penal, o Estatuto da Criança, o Estatuto do Idoso, o Estatuto de Gafieira e a santíssima Lei da Gravidade. Crise fiscal? Balela. Eles devoram as florestas monetárias.

É mais fácil um camelô ou muambeiro passar no buraco de uma fechadura que faltar dinheiro nos fundilhos dos gafanhotos e dos lobos.      

Mas, quem irá amparar os desvalidos do SUS?  Quem irá prover o sustento das famílias de 12 milhões de desempregados? Os sobreviventes da classe média trabalham cinco meses por ano para sustentar as nobrezas da República.

Saúde, direito de todos e dever do Estado brasileiro – esta é uma lenda tragicômica. Há mais lendas na proclamada Constituição Cidadã que no Sítio do Pica-Pau Amarelo de Monteiro Lobato, a começar pela lorota de que todo poder emana das manadas bovinas, lero-lero.

Os bovinos apenas dão alguns mugidos nas ruas. Muuuummmm! 

Expulsar as camarilhas vermelhas do poder, oh glória!

O novo governo herdou uma herança nefasta e a cebola está contaminada em todos os poros, da casca ao tutano.

A economia começa a reverter a estagnação e o desemprego. Privatizações, concessões e medidas de desregulamentação seguem na rota da modernização e abertura do mercado. Medida Provisória do Governo cria a carteira digital de estudante, a custo zero. Quem concedeu o monopólio capitalista da emissão de carteiras de estudante aos gafanhotos comunistas? Vem de uma lei de 2013.  Vamos lá que sejam 15 milhões de carteiras a um custo de 35 dinheiros por unidade.

O monopólio equivalia a mais que uma “revolução” de Sierra Maestra por ano. De grão em grão os gafanhotos dos ovários de ouro da caterva vermelha estão sendo castrados.  

São lampejos de libertação. Zeus dos céus e das lavouras, livrai-nos dos gafanhotos!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/09


2019

The Gaulle: Amazônia é joia

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Olha só quem aflorou no recinto, o cientista político The Gaulle! Ele veio dar um rolé nas quebradas para matutar sobre os incêndios e a proposta de internacionalização das florestas amazônicas.

Vosmecê aceitaria ser o chanceler internacional das florestas tropicais? perguntei. Aí vareia, respondeu. Depende do reino das riquezas minerais, animais e vegetais, botijas de ouro e diamantes. A Amazônia é joia.  

Ora, direis, não tem como internacionalizar a Amazônia. Ah inocentes! Basta liberar recursos para as ONGs e deixa-las atuar livremente.  Nas imensas reservas indígenas de hoje, tipo nações soberanas, os brasileiros já são tratados como estrangeiros.  

O pão francês é uma das principais riquezas da floresta amazônica, segundo o cientista político The Gaulle.

Os ambientalistas estrangeiros querem proteger a beiçola do cacique Raoni, ou seja, as reservas de nióbio, a fotossíntese do ouro,  aliás, a síntese do manganês, as minas de bauxita, castanheiras, jacarandás, a pirataria do mogno.      

Motores de Toyota, máquinas selvagens, são cultivados nas reservas indígenas em troca de madeiras de lei.

Dizem que no reino passado havia uma vez uma floresta encantada com zero incêndios, pássaros dourados, índios inocentes e ONGs filantrópicas à moda de São Francisco de Assis. Subitamente, não mais que subitamente, a floresta foi desvirginada por carbonários malvados a mando do Capitão Marvel.  

Faz parte da guerrilha do cordão encarnado contra o cordão azul. O Planalto está em chamas, as planícies estão em chamas, os palácios estão em chamas. É o fogaréu da política.

Dom Joaquim Francisco, o filósofo de Macarapana et Orbi, entra na linha e observa o pagode. Fazer política é o ofício de escalar coqueiros e tirar o coco no meio de casas de marimbondos, afirma. Os marimbondos vermelhos estão acesos.     

A carreira artística do Capitão Marvel, tirador de coco vitorioso em Brasília, é feita de lances ousados. Ele sacoleja os coqueiros e atiça os marimbondos. Brasília é terra de marimbondos ferozes. Estão espalhando brasas nas florestas.

No meio do fogaréu dos ambientalistas, caciques e índios são massas de manobras e também são manobristas. A inocência foi perdida na floresta.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/08


2019

A virgindade florestal

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Incêndios e queimadas, espontâneos ou não, aconteceram na Floresta Amazônica em 2002, 2003, 2019, 2020, na Catedral de Notre Dame em Paris (abril 2019), no Museu Nacional (setembro 2018), administrado pela ultra esquerda do Rio de Janeiro, nas florestas da Califórnia, no Instituto Butantã em São Paulo (2016), nas florestas de Chapecó e da casa de chapéu.  

Os maconheiros queimam a cannabis sativa para navegar no Nirvana e os agentes da lei queimam as inocentes lavouras de maconha em nome da moral e dos bons costumes. Paz e amor, bicho!  Os corações das mulheres do sexo feminino incendeiam os corações dos marmanjos do sexo masculino. Somos todos incendiários na vida. 

A questão ambientalista na Amazônia sempre existiu e tornou-se exponencial nos laboratórios do cordão encarnado como arma de artilharia para bombardear o pastoril do Capitão Marvel.

Disseram que na dinastia vermelha a floresta amazônica era virgem, usava cinto de castidade. Era tão virgem quando a mulher do Imperador Cesar.

Lembro-me como se fosse anteontem quando o Imperador Nero mandou tocar fogo em Roma, amor, para se vingar dos senadores do Centrão que faziam campanha contra ele. Os senadores da ultra esquerda estavam envolvidos na CPI Lava-Jato e aprovaram uma lei contra abuso de autoridades em Roma.

Antigamente havia muita corrupção no Império Romano. Barrabás e sua camarilha foram presos em flagrante delito por invadirem as minas de petróleo do Rei Salomão. Pôncio Pilatos lavou as mãos e entregou os juízes para serem devorados pelos leões do Coliseu. E mais os leões do Coliseu do Coaf foram proibidos de rastrear as contas bancárias dos suspeitos de tenebrosas transações.

No dizer politicamente correta existe a expressão “no lugar de fala”. Significa dizer que cada um fala no seu quadrado. Nesta idade de lobo mau, meu lugar de fala é ser aprendiz de jornalista. Um dia em chego lá.

O embaixador de Ecoturismo da Embratur, Richard Rasmussen, integrante da equipe do presidente Gilson Machado Neto, em seu “lugar de fala” como conhecedor da Amazônia, reiterou os dados de realidade de que as queimadas são fenômenos sazonais, noves fora sensacionalismos.

Richard Rasmussen conversa, de homem para homem, com os igarapés, jacarandás, mognos, jacarés, nitrogênio, onças, cascavéis, passarinhos, dinossauros, lobisomens, tubarões, comunistas e outros insetos da floresta. Ele é um bicho ecologicamente selvagem.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/08


2019

A lenda do Boto Cor de Rosa

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Subitamente, não mais que subitamente, as ONGs do planeta se uniram para defender a fauna, a flora, as borboletas, os mananciais, os rios, as cachoeiras, os igarapés e as pororocas da Amazônia. É a nova descoberta da Amazônia. Dizem que no passado a Amazônia era uma floresta virgem, não havia defloramento nem desmatamento. 

Era uma vez a lenda do Boto Cor de Rosa, amigo dos pescadores, dos poetas, namorados e seresteiros da Amazônia.

Nas noites enluaradas o Boto Cor de Rosa saia das águas e se transformava num belo cavalheiro, galanteador, para conquistar as donzelas femininas nos bares, nos solares, nas lanchonetes e na Internet. Quando seduzia uma donzela o Boto a convidava para visitar sua choupana no fundo do rio Amazonas. Deitava e rolava e deixava suas digitais no coração das donzelas. 

Um belo tempo o Boto Cor de Rosa ficou encantado com uma charmosa donzela fêmea do sexo feminino e ofereceu para ela um chocolate Sonho de Valsa. Ela exerceu o abuso de autoridade e respondeu “Eu não quero chocolate, eu quero um iate”. Desilusão.  A lenda do sonho de valsa acabou. O Boto Cor de Rosa recolheu-se à sua choupana no fundo do Rio Amazonas da Freguesia dos Passarinhos dos Aflitos.    

Também existe a lenda de que as ONGs estrangeiras amam as árvores da Amazônia, os índios, jacarandás, as vitórias-régias, mognos, peixe-boi, sucuris, mico-leão dourado, as seringueiras, jacarés. Despejam milhões de denários por amor febril à natureza.

As ONGs só amam as riquezas do solo e subsolo da Amazônia, os segredos farmacológicos das árvores e da fauna.  

Os gringos não amam as baleias. Os leões e elefantes da África são troféus de guerra diante dos fuzis dos valentes europeus.     

As ONGS estrangeiras não amam a flor do mandacaru do Nordeste, não amam as asas da graúna, as bromélias e juazeiros, calangos, tatus e xique-xiques. Os gringos não amam os galos cantando as manhãs, o coaxar dos sapos cantando as jias na beira dos rios.  

As ONGs estrangeiras não amam o luar do Sertão. Elas só amam denários e rios de dinheiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


12/08


2019

O império dos goelas

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Zero novidade dizer que a cada ano mais de 60 mil pessoas biológicas morrem de morte matada no Brazil. Mas, zero estatísticas existem sobre quantas pessoas jurídicas são assassinadas pelo Fisco a cada ano, de morte lenta ou dolorosa. Isto o IBGE não fala.

Olhai os lírios dos campos! Olhai as falências e concordatas! Os operadores da descarga elétrica tributária não fiam nem tecem, apenas acionam suas máquinas infernais. Todíssimos dias os cobradores de impostos extorsivos aplicam facadas, socos, pontapés e punhaladas nas costas das pessoas biológicas, pessoas físicas e pessoas jurídicas.

O aborto de fetos é proibido por lei. Pessoas jurídicas são eletrocutadas impunemente no nascedouro pela descarga elétrica tributária. A longevidade empresarial é um milagre neste País.

A mortalidade atinge as criaturas jurídicas ainda na infância. E as pobrezinhas PJs também são vítimas de aborto.

O presidente da República suplicou, humildemente, aos donos do Fisco para aliviar um pouquinho a alíquota do Imposto de Renda.  Suas Excelências os goelas responderam que não existe tempo-espaço para fazer caridades. Antipatrióticos e antissociais, eles mandam e desmandam nesta pinoia. 

A tabela do IR está congelada desde 2015. O nome disto é confisco, extorsão, apropriação indébita. 

Ao ser proclamada a reforma da Previdência, foi anunciado que haveria uma economia de 900 bilhões de denários a médio prazo.

Inflação sob controle, a taxa Selic de 6 % ao ano é a menor da série histórica desde 1999. Significa redução de centenas de bilhões em encargos da dívida pública.

Em cinco anos de existência, a operação LavaJato recuperou mais de 10 bilhões de denários roubados da Petrobras e de outras empresas públicas. Foi estancada a sangria desatada no BNDES, bancos estatais e fundos de previdência.

Impossível acreditar que os gênios tributaristas serão favoráveis à redução da descarga elétrica tributária, eles os construtores do monstrengo que nos devora. Serão sempre favoráveis, sim, aos procedimentos para esfolar cada vez mais os pagadores de impostos.

Vivemos sob o império dos goelas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

\"O presidente da República suplicou, humildemente.....\" kkkkkkkk o Bozo é uma pessoa humilde.



05/08


2019

Importante é explorar a derivada positiva

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Nosso País fez a travessia dos pântanos tenebrosos. E agora, sete meses depois, qual o legado da nova era do Capitão Marvel? Sem armistício, a luta continua e a guerrilha também continua, de ambos os lados. Vejamos alguns dados de realidade.

Depois das roubalheiras satânicas e da recessão devastadora, mais de 440 mil empregos com carteira assinada foram criados no primeiro semestre, resultado mais positivo desde 2015.

A Petrobras sobreviveu aos furacões tenebrosos e apresentou lucro de 18,9 bilhões no segundo trimestre deste ano. A quebra de monopólio da Petrobrás na distribuição de gás atrair investimentos e irá reduzir o preço do gás de cozinha. Faz parte da lei de mercado.

Em cinco anos de funcionamento a operação LavaJato recuperou mais de 13 bilhões roubados da Petrobras.

O ex governador Joaquim Francisco cita um fato social relevante, além dos indicadores macroeconômicos positivos: redução de 22 %, do índice de assassinatos nos últimos cinco meses, segundo levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública da USP e G1, monitores da violência.

O filósofo from Macaparana é um cara cerebral e centrado.

O Brazil fez um acordo histórico com a União Europeia e está a caminho de ingressar na OCDE – Organização pra a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Significa uma pauta para incrementar negócios na ordem de centenas de bilhões de dólares.

A Bovespa ultrapassa a marca dos 100 mil pontos, sinalização de atrativos econômicos e financeiros para investidores. Os juros da taxa Selic são os mais baixos da série histórica.

A liberação de vistos para países desenvolvidos e abertura de mercado para empresas aéreas internacionais incrementam o turismo.

Novos bárbaros do MST foram apascentados, estão mansinhos.

Foram fechadas dezenas de consulados e embaixadas inúteis criadas apenas para abrigar lombrigas do cordão encarnado.

O pacote anticrime do ministro Sérgio Moro proporciona ferramentas eficazes para combater a corrupção e a violência.

Ignorar estas conquistas, paciência, é torcer contra o Brazil ou destilar o mal secreto. O importante é explorar a derivada positiva.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/07


2019

A lenda dos cisnes vermelhos

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Reza uma lenda que os cisnes vermelhos do Palácio do Itamaraty são criaturas eruditas, cantantes  de muitas línguas, vestidas com luvas de seda e de pelica. Os cavalos brancos dos cisnes vermelhos só falam inglês, oh yeah!   

No tempo dos pântanos tenebrosos o chanceler do Brazil,  comandante em chefe dos embaixadores, era um cara pequenininho do tamanho de um paralelepípedo, devoto das ditaduras comunistas da Venezuela, Coreia do Norte, Cuba e Bolívia (quem inventou a palavra paralelepípedo devia levar um paralelepípedo na testa).

Sem noção do ridículo, o paralelepípedo se propôs à missão de intermediar negociações entre o Irã e Estados Unidos sobre armas nucleares.

Para que servia a erudição dos cisnes vermelhos do Itamaraty? Para endossar a compra de títulos podres da Venezuela?! Para apoiar a entrega de uma refinaria de petróleo aos cocaleros da Bolívia?! Para exercitar o terceiro-mundismo fracassado?! Financiar ditaduras corruptas da África e do Caribe faz parte das missões diplomáticas?

Lembremos o óbvio, que a indicação de embaixadores é prerrogativa do presidente da República, independente de laços familiares. Se for indicado embaixador em Washington, o deputado Eduardo Bolsonaro, o Zero 03, com certeza jamais será capacho de ditadores comunistas facínoras.

Advogado, concursado da Polícia Federal e deputado campeão de votos, o cara é terrivelmente preparado para ser embaixador, em igualdade de condições com os cisnes do Itamaraty.

Invejosos, os vermelhos questionam a competência do rapaz para ocupar a Embaixada do Brazil nos Estados Unidos. São os patrulheiros ideológicos armados de pré-conceitos.

Os falsos iluminados da esquerda se arvoram no direito de decretar a competência ou incompetência alheia. Vem da lenda do “guia genial” dos povos barbudos e dos sapos barbados.      

Qual o critério para definir competência: ser bom de urna e vitorioso? Ter fluência verbal? Falar inglês? Saber mentir? Ser politicamente correto? Ser doutor? Usar luvas de pelica?  Curioso, não se costuma questionar a competência do guru vermelho para ser presidente da República. Ele foi eleito pelo voto, dirão. O Capitão também. A mulher mandioca também. Tiririca também.

O chanceler Ad Hoc da dinastia vermelha, o finado Toc-Toc, adorava o ditador Hugo Chavez e dizia que o regime da Venezuela era uma democracia, sim, uma democracia efervescente.

Fritar hambúrguer no Estado do Maine (EUA) é ofício mais nobre que ser amante de tiranias comunistas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/07


2019

Alô-som! Alô-som! Epa!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Nestes tempos politicamente corretos, lembrei de Rubens Ricúpero, ministro da Fazenda no Governo Itamar Franco e chamado de “sacerdotes do Plano Real”, idos de 1994. Protagonizou o chamado “Escândalo da Parabólica” e foi obrigado a renunciar ao cargo. O caso eu conto como o caso foi.

Cena número 1 – Diplomata de carreira e intelectual de altos teores, Ricúpero estava nos estúdios da TV Globo para participar de uma entrevista com o repórter Carlos Monforte sobre o engenhoso Plano Real. Sem saber que os microfones já estavam abertos, soltou o verbo:

“Eu não tenho escrúpulos. Eu acho que é isso mesmo: o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde”.

Cena número 2: O Capitão Marvel reúne-se com a Imprensa internacional no Planalto. Alô-som! Alô som:

“Daqueles governadores de “Paraíba” o pior é o do Maranhão”.

Cometeu um ato falho, navegou no preconceito disseminado no Rio de Janeiro e São Paulo, nas regiões Sul e Sudeste. Foi flagrado no éter, com o microfone aberto.

O governador do Maranhão não é “Paraíba”, nem é paraibano. Ele é um cara terrivelmente comunista, visceralmente hostil ao Capitão Marvel e ao Governo Federal.    

Seja dito: o preconceito do Capitão Marvel não redime os crimes das camarilhas vermelhas em 16 anos no poder. As “tenebrosas transações” foram crimes de lesa-pátria.

Reconheço os pecados do Capitão Marvel. Mas uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa.

Noutros tempos, quando o guru da seita vermelha chamou as feministas de “mulheres do grelo duro” e disse que a cidade de Pelotas (RS) era um polo exportador de viados, não houve nenhum escândalo.

Agora, o primordial é o projeto de Nação, para reconstruir o Brazil devastado depois do dilúvio vermelho. O bate-estaca já  começou a trabalhar.  

Na área do turismo o Capitão Marvel “deu luz verde”(jargão dos paraquedistas) e o presidente da Embratur, Gilson Machado Neto, liberou os vistos para o Canadá, Austrália, Japão e Estados Unidos. Existe um potencial exponencial de turismo em nossa vastidão territorial. Meta os peitos, Capitão Gilson Machado Neto!

Terrivelmente nordestino, oriundi da Serra da Borborema, eu  sou pequenininho do tamanho de um vagalume, mas não bato continência para a caterva vermelha nem para os  zumbis que trabalham com amor febril contra as plataformas de reconstrução nacional.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/07


2019

Hoje é o dia seguinte

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Hoje é o Dia Seguinte. Depois da reforma da Previdência, o galo canta a reforma da descarga elétrica tributária e da reforma política administrativa.

Este é o País das ditaduras perversas do sistema financeiro parasitário e da descarga elétrica tributária, das tiranias dos planos de doenças, das corporações maléficas nas áreas de saúde e educação, do ensino universitário gratuito para os ricos e do ensino médio e fundamental indigente para os pobres.

Neste contexto o ministro da Economia, Paulo Guedes, ultraliberal até o tutano, representa um lampejo de modernidade econômica e avanço civilizatório. 

No lado avesso, este é um Brazil de intelectuais coliformes que celebram como mito um farsante guru de uma seita ideológica.

Exemplo de antiliberalismo: o Ministério da Educação proibiu, em portaria de novembro 2017, por cinco anos avante, a abertura de novas faculdades de Medicina no Brazil. A desculpa esfarrapada é melhorar a qualidade de ensino das atuais faculdades.

Isto aconteceu no Governo de Michel Temer. As elites pecaminosas silenciam. E o estrago antissocial continua.

O objetivo real é manter a reserva de mercado e os privilégios dos profissionais e suas corporações, em detrimento das carências da sociedade. Esta medida afronta as demandas da população, de centenas de milhares de famílias e jovens estudantes.

Somente os gênios dos cursinhos, filhotes de ricos têm acesso às faculdades públicas gratuitas de Medicina, mantidas com impostos dos assalariados. Cuba, uma ilha-presídio comunista com 11 milhões de escravos, fabrica mais médicos que todo o Brazil com 210 milhões de almas, mesmo que os médicos de lá sejam fabricados nas coxas feito os charutos cubanos.  

Continua liberada a criação de faculdades nas áreas de humanidades e desumanidades, para a promoção de surubas e formação de panfletários ideológicos com o dinheiro público.       

Em Pernambuco nos anos recentes foram criadas faculdades de Medicina em Garanhuns e Serra Talhada, inviabilizadas por conta da má vontade do Governo federal e das entidades corporativas.

Revogar a proibição da abertura de faculdades de Medicina seria uma medida eficaz para destravar o ensino universitário e atender às demandas da população. Equivale a um fator em favor da mobilidade social.

O Capitão Marvel, os ministros Paulo Guedes e Abraham Weintraub terão peito para enfrentar os espíritos de porco das corporações e revogar a proibição da abertura de novas faculdades de Medicina? O fim das reservas de mercado e desregulamentação administrativas contraria interesses poderosos e atiça vespeiros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/07


2019

O satânico Doutor Intercept

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Batman, o Cavaleiro das trevas -- Gotham City é aqui. Junto com o ministro Lanterna Verde, nosso herói vai interceptar o vilão que atormenta a cidade. Teje preso, Coringa malvado! 

My name is Bond, James Moro Bond, 007 contra o satânico Doutor Intercept, o espião que veio das trevas. O satânico Doutor Intercept quer libertar o Godzila, preso numa jaula em Curitiba. Os espiões vermelhos trabalham nas trevas.

Os kryptonianos estão em pânico na TV. Dizem que o vilão foi preso sem provas do Enem, nem do Mobral, nem do exame de admissão. Mas, o Super James Moro sacou as provas dos exames Supletivos de segundo instância e lançou a espada de aço de He-Man; “Eu tenho a força, sou invencível, vamos, amigos, unidos venceremos a semente do mal.” Pelos poderes de Greyskull! La-la-la-!

Tarzan, o rei das florestas, também entrou na linha no tempo e deu uma gravata no espião perverso das nuvens. As nuvens são tigres de fumaça. Não são nuvens de rochedo. 

A Mulher Mandioca pediu a palavra. Com base em provas do Ibope ela se autoproclamou senadora eleita por Minas Gerais. Não seja por isso, o roqueiro Supla, vestido com uma sunga vermelha erótica de causar suspiros em Dona Marta, também será proclamado senador da Pauliceia Desvairada.

Marta, my dear, meu coração por ti gela, sussurrou o roqueiro Supla à moda de Bob Dylan.

Entonces, Radar irá revogar a faixa presidencial do Capitão Marvel e ocupar o trono do Palácio do Planalto. 

E o vento levou a Mulher Mandioca.

Rebobinemos a história. Al Capone quer prender Eliot Ness por ter investigado a vida dele. O que fazer com 13 milhões de desempregados em primeira instância? A sentença do desemprego não transitou em julgado, segundo os alienígenas vermelhos.    

A Sinhazinha do narizinho de Pinóquio jura que o velho lobo é a alma via mais inocente da floresta auriverde e só tomava mingau. Wau-wau-wau! Quem queria degustar a vovozinha era o espião Moro,  James Moro Bond, um cara malvado. 

Chamem o xerife Eliot Ness! Chamem o detetive Sherlock Holmes! Quem roubou os tesouros do povo brasileiro?  Elementar, meu caro Eliot James Moro! Revoguem o Petrolão, soltem os bandoleiros, devolvam bilhões de reais aos corruptos!

Movido por kryptonita vermelha radiativa, o satânico Doutor Intercept está sendo capturado nas nuvens de silício pelo guerreiro Lanterna Verde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2019

Sergio Moro, as lendas e os goelas

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Pra não dizer que não falei das manifestações de rua no domingo, minha cantoria é a seguinte: eu sou pequenininho do tamanho de um passarinho, estou com meu herói o ministro Sérgio Moro e não abro nem para o trovão azul. Na moral. Taokay!

O folk lore do Brazil é povoado de lendas pitorescas, criativas, comoventes. Aliás, não só no Brazil, em todas as latitudes existem lendas, mistérios, romances, na Rússia, nas Arábias, no bairro dos Aflitos, na Serra da Borborema, Urbi et Orbi, até no planeta Marte.

Luís da Câmara Cascudo, o mais magistral folclorista brasileiro, relata a lenda “O negrinho do pastoreio”, uma das mais belas criações do Brazil em sua narrativa. “Era uma vez um estancieiro (fazendeiro) muito mau, muito”. Havia um escravo, “pequeno ainda, muito bonitinho e preto como um carvão e a quem todos chamavam somente o “Negrinho”. A este não deram padrinhos nem nome; por isso o Negrinho se dizia afilhado da Virgem, Senhora Nossa que é madrinha de quem não a tem”.

“Todas as madrugadas o Negrinho galopeava o parelheiro baio” do estancieiro malvado. A tarde sofria os maus-tratos do filho do estancieiro, que o judiava e se ria”. Um dia o cavalo baio do estancieiro atuou carreira com o cavalo mouro do seu vizinho. E largaram os parelheiros. Hip-hip! Valha-me a Virgem Madrinha, Nossa Senhora, se o sete léguas perde, o meu senhor me mata, gemia o Negrinho. Perdeu.

O estancieiro malvado botou a culpa no Negrinho. Mandou amarrar o bichinho num tronco e dar-lhe uma surra de chicote até ele não mais chorar nem gemer. Depois mandou atira-lo na panela de um formigueiro para as formigas devorarem sua carne e seus ossos.

O Negrinho chamou pela Virgem sua Madrinha, deu um suspiro triste e adormeceu. Para encurtar a lenda, foi amparado por sua Madrinha Nossa Senhora. Tão serena, pousada na terra, a Madrinha apascentou o formigueiro. Sarado e risonho, o Negrinho montou o cavalo baio e saiu a cavalgar nos pastoreios, cheio de ternura humana.

Viva o Negrinho do Pastoreio! Viva a ternura humana!  

Além da imaginação de Câmara Cascudo, existe uma lenda surreal no Brazil de que “Todo poder emana do povo... lero lero”.      

Ah! Inocentes! Todo poder emana dos goelas. São os príncipes e princesas dos Poderes da República, de todas as latitudes onde sopram os ventos. Prefiro acreditar nas proezas de Saci Pererê, o menino treloso e saltitante de uma só perna com bonezinho vermelho e cachimbo caipira. Goelas são discípulos de Macunaíma, o herói sem nenhum caráter.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/06


2019

O Desarmamento deu chabu

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Sob inspiração da Madre Superiora, em referendo popular em 23 outubro 2005, como parte do Estatuto do Desarmamento de 2003, 59.109.265 pessoas de coração generoso disseram “sim” e uma dizima periódica de 33.333.045 pessoas malvadas foram contra a venda de paus de fogo e munição em todo o País.

Os contrabandistas de armas e territórios de traficâncias nas fronteiras do Brazil estremeceram de emoção. Meliantes ficaram felizes e comemoraram o desarmamento da população com rajadas de metralhadoras.

Os brasileiros bem intencionados devolveram revólveres, metralhadoras, pistolas, fuzis, espingardas de dois canos, espingardas de três canos, escopetas, tanques de guerra, granadas, canhões. Seremos felizes e pacíficos, diziam. 

Eu mesmo devolvi minha garrucha de estimação do tempo em que lutei nas volantes contra o bando do cangaceiro Lampião. Naqueles idos, cortei muitas cabeças de cangaceiros com meu facão. Também lutei na guerra do Paraguay e ajudei a dizimar o Exército de pés rapados de Solano Lopes. Eu era malvado. 

A tradição brasileira é de violência e vai continuar sendo. São histórias que a Madre Superiora não contou. 

Mas, esqueceram de avisar aos bandoleiros, assaltantes, ladrões, meliantes em geral para ser desarmarem.

Se o freguês quiser comprar metralhadora, bombinhas atômicas de São João dos Carneirinhos, fuzis, remédios para perebas e outros mangaios, basta dar um pulo na Feirinha de Peixinhos do Paraguay, é tiro e queda. A Feirinha de Peixinhos só não vende peixinhos. 

Naqueles tempos de 2005 ocorriam 50 mil mortes matadas, “de susto, de bala ou vício”. De 2005 até hoje, na base de 60 mil mortes violentas por ano, mais de 900 mil almas verde-amarelas foram para o Além.  

Entonces eu pergunto: pra quer serviu o Estatuto do Desarmamento? Para morrer mais gente de morte matada?! “A prática é o critério da verdade”, diz o princípio da dialética. Tô fora dessa latomia dos falsos pacifistas. Não por acaso as ditaduras mais ferozes adotam o desarmamento da população.

De minha parte, não tenho armas nem de brinquedo, nem pretendo ter, mas defendo o direito de quem quiser possuir o seu pau de fogo.
Agora eu sou um pacifista-belicista. “Se vis pacem, para bellum”, se queres a paz, prepara-te para a guerra, diz o provérbio em latim. E o tal princípio dissuasório. Assim acontece nas sociedades democráticas do mundo. Dizem que o brasileiro não está preparado para usar armas. Quem defende os corruptos da seita vermelha não está preparado para votar, não está preparado para nada. Taokay! O Estatuto do Desarmamento no Brazil deu chabu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/06


2019

Assombrações de carne e osso

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Nos tempos de antanho, na era pós grandes navegações e descobertas, corsários e piratas saqueavam tesouros nos mares e nos oceanos não pacíficos. Corsários tinham licença dos reis. Piratas operavam na iniciativa privados.

Os piratas e corsários cibernéticos de hoje, hackers, roubam tesouros nas nuvens de silício do universo digital. Informações/comunicações são tesouros preciosos e poderosos nesta era digital.

Cada guerrilheiro, pirata, corsário, hacker ou terrorista navega no seu tempo.

Nos idos de 1970 houve a guerrilha do Araguaia. Armados com paus de fogo e faca nos dentes, os pixotes lutavam contra moinhos de vento da ditabranda de direita. O ideal sublime dos guerrilheiros, aliás, dos terroristas do Araguaia era fuzilar os reacionários para derrotar a ditabranda capitalista e implantar uma ditadura comunista.

O ideal sublime dos hackers de hoje seria detonar a cabeça do Capitão Marvel, a Operação Lava-Jato, Sérgio Moro e seus pupilos. Também querem reinventar o reinado das comilanças do cordão encarnado.   

Um passarinho globalista me contou que esses bichos navegam nas estratosferas e transam jogadas geopolíticas internacionais.

WikiLeaks, Julian Assange. CIA, KGB, Intercept, Rede Globo, caixas-pretas, casas de marimbondos, Geoge Soros, Lava-Jato, Capitão Marvel, zero 01, 007 – a aldeia global auriverde está em transe.

Assange, do WikiLeaks, preso na Inglaterra, acusado de espionagem internacional, será julgado em abril 2020 com pedido de extradição para os Estados Unidos. A acusação veio do tempo do querido das esquerdas, Obama, e não do direitista Donald Trump.

No dizer dos intelectuais o Brazil vive uma distopia, tipo uma utopia pelo avesso, terra arrasada. Digo eu, no popular, que nosso País tá na bagaceira, nas artes, na política, bagaceira social, em todos os cantos onde canta o carcará. Na base da embromation, a bagaceira pode ser chamada de esculhambation.

A seita vermelha foi um terremoto, deixou um legado de terra devastada. Agora, adelante! Depois dos terremotos sempre restam as doenças, febre amarela, febra vermelha, a bubônica, a bexiga lixa. Temos uma herança nefasta de 13 milhões de desempregados.

Antes do cientista Louis Pasteur e da descoberta do microscópio havia a teoria da geração espontânea, de que as doenças e os micróbios nasciam do nada. Puft! Assim germinavam os microrganismos do cólera, da tuberculose, da gota serena. Os vermelhos agora estão dizendo que os 13 milhões de desempregados nasceram do nada, da noite para o dia.

Seja repetido mil e uma vezes: a seita dos zumbis vermelhos não desiste jamais.  


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha