Cabo Agosto 2021

25/06


2021

Coluna da sexta-feira

Cerco ao Governo na CPI

Por Houldine Nascimento – interino

Há uma grande expectativa em relação aos depoimentos de Luis Ricardo Fernandes Miranda, servidor do Ministério da Saúde, e do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), que é seu irmão, na CPI da Pandemia, logo mais, às 14h. A dupla denunciou possíveis irregularidades na aquisição que o Governo Federal fez da vacina Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech.

Nos últimos dias, a imprensa divulgou amplamente um trecho do relato que Luis Ricardo fez ao Ministério Público Federal sobre pressões que teria sofrido para acelerar o processo de compra do imunizante, que teve a importação negada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no último mês de março por falta de documentos que comprovassem a eficácia e a segurança da vacina, além de problemas com o prazo de validade. A negociação já estava sob suspeita do próprio MPF em razão de dúvidas sobre a Covaxin e pelos valores considerados elevados – cada dose saiu por R$ 80.

O contrato fechado em fevereiro deste ano com a Precisa Medicamentos, que representa a Bharat no Brasil, previa a aquisição de 20 milhões de doses por R$ 1,6 bilhão (o Governo chegou a empenhar os recursos). O imunizante é o mais caro de todos já comprados pelo país. Outro ponto foi a velocidade com que a tratativa ocorreu (97 dias), em um tempo bem menor que outras vacinas, a exemplo da Pfizer, que levou 330 dias para fechar o contrato. Diante disso, a procuradora da República Luciana Loureiro Oliveira estabeleceu apuração aprofundada, nas esferas cível e criminal, sobre o caso.

Foi a ela que Luis Ricardo contou ter sido pressionado por um superior. Já o sócio-administrador da Precisa, Francisco Maximiano, também é proprietário da Global Gestão em Saúde, que vendeu remédios de alto custo ao Ministério da Saúde durante o Governo Temer, gerando prejuízo estimado de R$ 20 milhões aos cofres públicos ao não entregar os medicamentos. Na época, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) – atual líder do Governo Bolsonaro na Câmara – estava à frente da pasta.

Os acontecimentos acenderam o alerta em integrantes da CPI. O relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), fez um requerimento convocando os irmãos Miranda e a maioria da Comissão aprovou a solicitação. O deputado Luis Miranda disse aos senadores que a Precisa exigiu um pagamento adiantado de US$ 45 milhões (cerca de R$ 220 milhões) na conta de uma outra empresa, a Madison Biotech, com sede em Cingapura. Na última quarta (23), Miranda deu publicidade a prints de conversas de WhatsApp em que afirma ter avisado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre as suspeitas de irregularidades.

O parlamentar também sustenta que conversou pessoalmente com o chefe do Executivo no último dia 20 de março e que apresentou documentos denunciando o caso. No mesmo dia, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, fez um pronunciamento e reagiu às acusações, ameaçando os irmãos Miranda, levantando a possibilidade de falsificação de documentos por parte do funcionário do Ministério da Saúde e que o presidente Bolsonaro determinou que a Polícia Federal os investigasse.

Presidente nega corrupção – Em sua tradicional live nas redes sociais, ontem, Jair Bolsonaro confirmou que se reuniu com Miranda, mas negou que foi avisado sobre corrupção e rebateu qualquer irregularidade envolvendo a compra e a importação da Covaxin. “Não recebemos uma dose de vacina, que corrupção é essa? Não foi gasto um centavo com aquilo. Pode olhar aí todas as notas. Sem falar que, publicamente, eu disse que só compraríamos vacina depois que passar pela Anvisa”, declarou. Ele também fez críticas ao ex-aliado: “Deputado aí que tem uma ficha, um prontuário bastante extenso”. Miranda acumula vários processos, entre os quais por estelionato e ameaças de morte.

“Coronavac com problemas” – Ainda na live, acompanhado do ministro das Comunicações, Fábio Faria, Bolsonaro fez várias críticas à Coronavac, vacina contra a Covid-19 produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. “Vocês estão vendo que essa vacina, a Coronavac, está com problemas em alguns países do mundo, como por exemplo Chile. No Brasil, não está sendo diferente”, disparou. Bolsonaro ainda perguntou se Fábio tomaria o imunizante. “Não, vou ver se tem outra”, respondeu o ministro. Um levantamento feito pelo secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo Tribunal Federal, Wanderson de Oliveira, mostrou que a Coronavac é a que mais protege contra casos graves da doença, evitando até 97% das mortes.

Superpedido – Um grupo formado por parlamentares de centro, direita e esquerda, movimentos sociais e pessoas físicas vai apresentar um superpedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara dos Deputados, na próxima quarta-feira (30). A definição sobre o pedido ocorreu hoje, durante uma reunião virtual ampliada. A frente alega “um conjunto de crimes cometidos pelo atual presidente da República desde que tomou posse em 2019, sendo a maioria os crimes cometidos durante a pandemia, que resultaram na morte de mais de 500 mil brasileiros”.

Queda na ocupação – A taxa de ocupação das UTIs em Pernambuco chegou ontem a 79%. Este é o menor índice desde 24 de novembro de 2020. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, há 368 leitos de terapia intensiva disponíveis para pacientes de Covid-19 em Pernambuco, zerando a fila de espera por vagas. O Estado tem, atualmente, 1.812 leitos ativos de UTI, sendo a sexta maior rede do país e é a mais robusta do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Pediu para sair – O vice-procurador-geral Eleitoral, Renato Brill de Góes, enviou um ofício ao procurador-geral da República, Augusto Aras, pedindo para deixar o cargo. Ele foi indicado para a função pelo próprio Aras, que lidera o Ministério Público Eleitoral. A justificativa oficial é de que está enfrentando problemas pessoais. Nos bastidores, a informação é de que Góes se chateou com algumas movimentações, como a tentativa de voto impresso que corre na Câmara Federal. No cargo desde março de 2020, o vice-procurador-geral Eleitoral deve sair em julho.

CURTAS

PERNAMBUCANO EM CANNES – O cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho (“Bacurau”) integrará o júri principal do 74º Festival de Cannes, na França. O diretor é um dos nove convidados para compor o grupo, que será presidido pelo realizador estadunidense Spike Lee (“Faça a coisa certa”). O evento ocorrre entre os dias 6 e 17 de julho deste ano.

TÚLIO CONTRA SALLES – O deputado federal Túlio Gadêlha (PDT-PE) entrou, ontem, com uma representação na Procuradoria-Geral da República, para que o órgão instaure medida cautelar de inquérito para reter o passaporte do ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, que foi exonerado na última quarta-feira (23).

Perguntar não ofende: quem está falando a verdade nessa guerra de versões sobre a Covaxin?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

A mentira está sempre ao lado de quem dissemina a mentira, neste caso sabemos quem está com verdade ! Fábio Farias agora disputa com o ministro do Turismo, Onyx Lorenzoni e o presidente da caixa econômica Federal quem é o maior lambe-botas do Bozo, sem esquecer do senador Hainze do RS.


Petrolina Julho 2

Confira as últimas colunas

02/08


2021

Coluna da segunda-feira

O fator Gilson Machado  

Pré-candidatos a governador, os prefeitos de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), e de Jaboatão, Anderson Ferreira (PL), têm outra pedra no meio caminho para tentar um voo de brigadeiro rumo ao Palácio das Princesas em 22, além das dificuldades que apontei no comentário de sábado neste espaço: o candidato do arco de forças a ser apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Como nenhum deles assume o desejo de ter Bolsonaro no palanque, o presidente certamente buscará em outro segmento o seu candidato. O nome dos sonhos dele é o do ministro do Turismo, Gilson Machado Neto. Na entrevista a este colunista, terça-feira passada, com exclusividade, diretamente do Palácio do Planalto, Bolsonaro chegou a citar o Senado como alternativa para o aliado pernambucano.

Há quem tenha interpretado como uma forma de despistar a sua verdadeira estratégia, de jogar Gilson Machado para o Governo do Estado. Se isso ocorrer, como se especula em Brasília, reduzem-se as chances de Raquel, Miguel e Anderson entrarem na disputa, num cenário em que a briga no plano nacional estará polarizada entre Bolsonaro e Lula.

Neste caso, a tendência do eleitor bolsonarista em Pernambuco é acompanhar o candidato do presidente e não uma aposta fora do seu campo. Na hipótese de sair candidata, Raquel Lyra, por exemplo, não se alinhará a Bolsonaro, mas ao candidato tucano ao Planalto, que deve sair da eleição prévia entre João Dória, Tasso Jereissati e Eduardo Leite.

Miguel e Anderson estão, na verdade, mais próximos a órbita que gira em direção ao Planalto, mas nunca declararam que querem o apoio de Bolsonaro, principalmente nos últimos três meses nos quais as pesquisas apontam um momento de dificuldades enfrentado pelo Governo e o próprio Bolsonaro. Saindo candidato a governador com o presidente em seu palanque, Gilson Machado transforma Raquel, Miguel ou Anderson em terceiras vias, e polariza a disputa com o candidato do PSB, que estará no mesmo palanque de Lula.

Raquel, Anderson e Miguel abrirão mão de ficar dois aos e oito meses no poder para entrarem numa bola divida como esta? De forma nenhuma, claro. A não ser que tenham vocação para suicídio politico precoce.

A vez do PP – Em 1976, o novo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, tinha apenas oito anos quando seu conterrâneo piauiense, o então deputado federal e presidente da Arena, Francelino Pereira, comemorou o resultado da legenda nas eleições municipais afirmando que ela se tornara “o maior partido do Ocidente”. Se, na época, o desempenho celebrado por Francelino (eleito por Minas) era impulsionado pelos métodos da ditadura militar, agora, 45 anos depois, é a vez de Nogueira tentar aproveitar o apoio do Planalto para liderar o projeto nacional do Progressistas (PP) de se tornar o maior partido do País. Descendente direto da Arena, o PP é presidido nacionalmente por Nogueira, que pretende aproveitar sua entrada num dos principais ministérios do governo de Jair Bolsonaro para deflagrar a estratégia expansionista do partido já nas próximas eleições. Sua posse será amanhã.

O mais votado – Prefeito de Serra Talhada por dois mandatos, responsável pela eleição da sucessora Márcia Conrado (PT), Luciano Duque (PT) tem um cenário bastante favorável pela frente para sair das urnas em 2022 como o deputado estadual mais votado nas eleições para a Assembleia Legislativa. Além da própria Serra, onde deve sair com mais de 20 mil votos, arregimentou o apoio de importantes lideranças da região, como o prefeito de São José do Belmonte, Romonilson Mariano, e a ex-prefeita de Calumbi, Sandra Magalhães (PT).

Boa notícia – A média de mortes por covid-19 nos sete dias até, ontem, foi de 989. É a primeira vez que esse indicador fica abaixo de 1.000 desde 20 de janeiro, quando a média foi de 981. Trata-se da média diária de mortes e casos nos sete últimos dias, incluindo a data. O indicador matiza eventuais variações abruptas, sobretudo nos fins de semana, quando há menos casos relatados. Nesses dias há menos funcionários nas secretarias estaduais de Saúde e no Ministério da Saúde para reportar e compilar os dados, respectivamente. A média diária de novos casos está em 35.332. É a menor desde 5 de janeiro, quando foi a 35.264.

Erro da CPI - O ministro Fábio Faria (Comunicação) acha um erro a CPI da Covid mirar em veículos de imprensa, como a Jovem Pan. Segundo ele, a rádio “desempenha um papel essencial para o País”. O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão, apresentou requerimento pedindo a quebra do sigilo bancário do grupo Jovem Pan, por ser “grande disseminador de fake news” sobre a pandemia de covid-19. “Precisamos de diversidade de ideologias e posições políticas, sem cerceamento, para garantir a liberdade de expressão e uma sociedade democrática”, escreveu o ministro em seu perfil no Twitter.

Direto da Pajeú – No Frente a Frente itinerante, longe dos estúdios do Recife, chegou, hoje, a oportunidade de ouvir os prefeitos do Sertão do Pajeú em relação aos primeiros seis meses de gestão, a redução do quadro da pandemia e o tratamento do Estado e da União aos municípios. Na mesa redonda, direto dos estúdios da Rádio Pajeú, em Afogados da Ingazeira, a partir das 18 horas, estarão cara a cara os prefeitos Sandro Palmeira (Afogados), Márcia Conrado (Serra Talhada) e Anchieta Patriota, de Carnaíba, terra de Zé Dantas, compositor e parceiro de Luiz Gonzaga.

CURTAS

Herdeiro jarbista – Jarbinhas, filho do senador Jarbas Vasconcelos, foi visto ao longo da semana passada no Sertão do Pajeú catando apoios para tentar viabilizar uma candidatura a deputado estadual. É a segunda experiência na política. A primeira, a disputa por um mandato na Câmara de Vereadores do Recife, não foi bem sucedida.

No São Francisco – O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), e a prefeita de Juazeiro (BA), Suzana Ramos (PSDB), serão convidados para o Frente a Frente itinerante do Sertão do São Francisco, na próxima quinta-feira, direto dos estúdios da Rádio Tropical, em Juazeiro, emissora integrante da Rede Nordeste de Rádio na Bahia, sob o comando do competente Flávio Ciro.

Perguntar não ofende: Distritão ou federação de partidos, qual regra para eleição proporcional deve ser aprovada pelo Congresso? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Só se for o fator do puxa saquismo e delírio do blogueiro!

Wellington Antunes

Quem é esse Gilson Machado na fila do pão?

gilson

Gilson Machado, a piada pronta.


Pousada da Paixão

31/07


2021

Coluna do sabadão

Todos saem perdendo

Quanto mais se aproximam os prazos a serem cumpridos para as eleições de 22, que já bate à porta, mais dúvidas aparecem em relação à unidade das oposições e ao nome que despontará como alternativa para o conjunto dessas forças que se opõem ao PSB. Os três pré-candidatos – Miguel Coelho (MDB), Raquel Lyra (PSDB) e Anderson Ferreira (PL) – têm algo em comum: a perda do poder nos municípios que governam, Petrolina, Caruaru e Jaboatão, respectivamente, se vierem a renunciar.

Raquel, que criou ânimo nos últimos dias, não vai abrir mão de governar a capital do Agreste por mais dois anos e oito meses, se não tiver a certeza do apoio de Miguel e de Anderson. Isso se aplica também aos prefeitos de Petrolina e Jaboatão. Raquel recebeu Miguel na última quarta-feira em Caruaru. Jogaram confetes um no outro, mas não chegaram a lugar nenhum. Além das dificuldades de um abrir o projeto majoritário de 22 para o outro, há um passado de desconfiança na relação dos dois grupos políticos.

Lá atrás, quando Fernando Bezerra Coelho, pai de Miguel, disputou o Senado, posto por Eduardo Campos, João Lyra impôs dificuldades, negando-se a apoiar o representante do clã na chapa majoritária planejada e costurada com muita paciência por Eduardo. Nem Lyra confia nos Coelho nem os próprios Coelho põem a mão no fogo pelos Lyra. Isso até os mais neófitos em política não questionam.

Os caciques Fernando Bezerra e João Lyra não são capazes, hoje, de trocarem amenidades, porque não se toleram na relação quase inexistente, marcada pela desconfiança recíproca. Terceiro personagem do jogo sucessório no campo da oposição, Anderson Ferreira também não sai candidato a governador se não tiver a sólida convicção de que Miguel e Raquel estarão em seu palanque.

Há quem diga que Anderson aceitaria disputar o Senado, abrindo espaço para viabilizar Miguel ou Raquel para o Governo do Estado, mas se esses dois não se entenderem, numa unidade, o prefeito de Jaboatão joga a toalha para o Senado, porque também tem muito o que perder: a Prefeitura de Jaboatão.

Priscila, o nome – Se Miguel não abre para Raquel nem Anderson também e vice-versa, alguém teria que surgir como alternativa para se construir o palanque da oposição. Segundo o que se comenta nos bastidores, quem poderia ir para o sacrifício de botar a sua reeleição no arquivo de deputada estadual seria Priscila Krause, do DEM. "Priscila seria a Krause de saia de 94", interpreta um cientista político com amplo conhecimento do histórico político estadual. Mas há quem desconfie da disposição de Priscila de entrar nessa aventura, principalmente se o candidato do PSB vier a contar com o apoio do ex-presidente Lula.

No Sertão, mas em descanso – Pré-candidata ao Governo do Estado, a tucana Raquel Lyra aterrissou em Triunfo, ontem, mas para um fim de semana de relax. Quer curtir o frio da chamada Gramado nordestina, sem abrir espaço para agenda política. "Vou levar meus filhos para conhecer a cidade e seu friozinho gostoso", disse nos estúdios da rádio Cultura, em Caruaru, quinta-feira passada, ao final da mesa redonda do Frente a Frente com as colegas prefeitas de Bezerros, Lucielle Laurentino e Juliana de Chaparral, ambas do DEM, de Bezerros e Casinhas, respectivamente.

Pai sai estadual – Perguntei a Raquel Lyra, já fora do ar, se o seu marido Fernando sairá candidato a deputado estadual, conforme se especula. Não disse nem sim nem não. Informou que a gestão estava tomando muito o seu tempo e que não havia tratado do assunto com o primeiro-damo. Um amigo da família, entretanto, aposta que o estadual do grupo dela será o pai, o ex-governador João Lyra Neto, mas na hipótese de a tucana não disputar o Governo do Estado.

Festa de arromba – O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, estará em Caruaru na próxima terça-feira para prestigiar a inauguração da nova sede da instituição na cidade, que ficou com uma bela estrutura moderna. Entre Caruaru e os municípios do Agreste há mais de três mil advogados filiados à regional da OAB. Além de Santa Cruz, estarão presentes a prefeita Raquel Lyra, o presidente estadual da OAB e prefeitos da região. A nova estrutura custou mais de R$ 1 milhão, segundo o presidente Fernando Júnior.

Olho na Câmara – Ex-senador por quase dois anos, tempo que substituiu Armando Monteiro quando este assumiu o Ministério do Desenvolvimento no Governo Dilma, o empresário Douglas Cintra já decidiu que disputará um mandato de deputado federal nas eleições do próximo ano. Como senador, Douglas teve uma boa presença no Congresso. Recentemente, assumiu a Sudene, mas por pouco tempo em razão de problemas derivados da briga de espaço entre partidos da base do Governo Bolsonaro.

CURTAS

NO PAJEÚ – Já no Sertão do Pajeú, depois de iniciar a semana por Brasília, onde entrevistei o presidente Bolsonaro com exclusividade para a Rede Nordeste de Rádio, promovo, na próxima segunda-feira, dos estúdios da rádio Pajeú, em Afogados da Ingazeira, uma mesa redonda com os prefeitos de Afogados da Ingazeira, Serra Talhada e Carnaíba. Na pauta, os seis meses de gestão.

NA REDE – Já na próxima terça-feira, quem concede entrevista ao Frente a Frente, com geração pela Rede Nordeste de Rádio, é o governador do Rio Grande do Sul, o tucano Eduardo Leite. Vou tratar com ele sobre sua possível candidatura ao Palácio do Planalto em 22 na condição da construção da chamada terceira via presidencial.

Perguntar não ofende: Dá para acreditar na quebra da polarização presidencial entre Bolsonaro e Lula?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca - Muro de Arrimo

30/07


2021

Coluna da sexta-feira

A novela da filiação

Faltando pouco mais de dois meses para o prazo final de filiação, o presidente Jair Bolsonaro enfrenta enormes dificuldades para se abrigar numa legenda com vistas a disputar a reeleição. Sua última aposta era o PP, mas ontem, o vice-governador da Bahia, João Leão (PP), disse, em entrevista à Globo News, que o chefe da Nação não irá para o partido.

“Bolsonaro não vem para o PP. Nós não vamos aceitar que venha alguém para comandar o partido. Não existe isso dentro do PP”, afirmou. O chefe do Executivo sondou Ciro Nogueira, presidente nacional do partido e seu novo ministro da Casa Civil, sobre a possibilidade de se filiar à sigla. O presidente Jair Bolsonaro fez uma pequena reforma ministerial para acomodar o político do PP no Governo.

Porém, dirigentes do partido estavam divididos sobre possível filiação de Jair Bolsonaro e temiam que ida de Bolsonaro para o PP pudesse prejudicar acordos estaduais para eleições de 2022. Bolsonaro já fez parte do Progressistas de 2005 a 2016, quando era deputado federal. O presidente tem falado que “é do Centrão”.

“Sou do Centrão. Fui do PP metade do meu tempo. Fui do PTB, fui do então PFL. No passado, integrei siglas que foram extintas”, disse o chefe do executivo ao rebater as críticas de que tenha entregado o governo para o Centrão quando nomeou Ciro Nogueira como ministro.

Jair Bolsonaro está sem partido desde novembro de 2019, quando anunciou sua saída do PSL. O presidente tentou criar uma nova legenda, a Aliança pelo Brasil, mas não conseguiu recolher as assinaturas necessárias. O comandante do Planalto agora negocia com várias siglas. O PP é um dos partidos mais fortes na Câmara, com 41 deputados federais. No Senado, a sigla ocupa 7 cadeiras.

Batendo contra – O presidente afirmou, ontem, que uma mudança no sistema de governo para o semipresidencialismo é “besteira“. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), é uma das autoridades que é favorável a debater sobre o tema na Casa. A proposta cria o cargo de primeiro-ministro, mas só valeria para as eleições de 2026, segundo Lira. “Alguns falam em sempresidencialismo para 2027. É besteira “, declarou Bolsonaro em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. “Você pode ver, pega o Estado de Roraima tem mais ou menos 500 mil eleitores. Então, tem gente que está com mil votos aqui dentro. Meu filho está com dois milhões. O peso é o mesmo. Não vai mudar o caráter da pessoa ter mil votos ou dois milhões de votos “, disse.

Raquel é candidata – Ao aceitar o convite para o Frente a Frente de ontem, direto dos estúdios da Rádio Cultura de Caruaru, ao lado das também prefeitas de Bezerros, Lucielle Laurentino (DEM) e de Casinhas, Juliana de Chaparral (DEM), Raquel Lyra (PSDB) sinalizou que está se animando para entrar na disputa pelo Governo de Pernambuco nas eleições do ano que vem. Por uma questão de estratégia, só dirá que será candidata em outubro, faltando um ano para o pleito.

Boa notícia – O ministro Paulo Guedes (Economia) disse, ontem, que o Brasil vem criando empregos em “ritmo acelerado”, sinalizando para uma “retomada robusta” do mercado de trabalho. O país teve saldo de 309.114 empregos formais em junho. Foi o 6º mês seguido de alta. No ano, já são 1,5 milhão de novas vagas, segundo dados do Novo Caged (Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregado). “Se pegarmos os últimos 12 meses, geramos 2,8 milhões de novos empregos. O mercado formal atinge agora pela primeira vez desde 2015/2016 o patamar dos 40,8 milhões de empregos”, disse.

Inconstitucional – O Ministério Público de Contas (MPCO) quer que seja declarada inconstitucional uma resolução do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE) que permite o pagamento de aposentados e pensionistas do Governo do Estado com verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). A permissão, solicitada pela gestão de Paulo Câmara (PSB) é, segundo o órgão, ilegal. O MPCO anunciou que enviou uma representação ao Ministério Público Federal (MPF) solicitando que o órgão ajuíze no Supremo Tribunal Federal (STF) uma ação direta de inconstitucionalidade. Na quarta-feira passada, o MPF informou que iniciou uma apuração sobre o caso.

No tiroteio – Lembrado pelo presidente Bolsonaro como alternativa para o Senado em Pernambuco, o ministro do Turismo, Gilson Machado, ganhou gosto pelo tiroteio político na defesa do Governo e do chefe. Bateu duro no governador de São Paulo, João Doria (PSDB), no Twitter. Disse que o político “quer brincar de ser governador com recurso federal”. “João Doria é no mínimo comédia com fama alheia, quer brincar de ser governador com recurso federal. Assim é fácil. Palanque sem mérito qualquer papagaio de pirata consegue. Afinal colocas apenas 1 real na obra? “, disse ao comentar publicação do secretário da Cultura, Mario Frias.

CURTAS

CHURRASCO – A Justiça de São Paulo proibiu a Prefeitura de Presidente Prudente (SP), de realizar um megachurrasco para duas mil pessoas durante uma visita do presidente Jair Bolsonaro. Caso descumpra a decisão publicada na última quarta-feira, a administração municipal deve pagar uma multa de R$ 2 milhões. Bolsonaro deve visitar o município amanhã para o credenciamento junto ao SUS (Sistema Único de Saúde) do Hospital Regional do Câncer, que agora passará a ser chamado de Hospital da Esperança.

VOLTA AOS ESTÁDIOS – A Prefeitura do Rio anunciou, ontem, um plano gradual de flexibilização das medidas de restrição na cidade. Serão três etapas, de 2 de setembro até 15 de novembro com uma série de eventos. O anúncio também incluiu a programação para o réveillon e o carnaval no ano que vem. E em Pernambuco?

Perguntar não ofende: Qual partido vai abrir espaço para Bolsonaro disputar um novo mandato?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Ninguém quer, parece doença contagiosa, onde chega contamina. O ministro do Turismo ganhou, é o maior puxa-saco do Bozo!



29/07


2021

Coluna da quinta-feira

Bastidores e a força do rádio

Na entrevista com o presidente Bolsonaro, terça-feira passada, no Palácio do Planalto, fiz questão de informá-lo e ouvir a sua opinião de um exemplo, entre tantos outros, da fragilidade da sua área de comunicação. Passou-se em Caruaru, quando os ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Gilson Machado (Turismo) estiveram na crise da ameaça de falta de oxigênio e de vacina, mas após a solução do problema a população atribuiu o feito à prefeita Raquel Lyra (PSDB) e não ao Governo Federal.

“É a Imprensa que não nos ajuda”, queixou-se o presidente. Bolsonaro trava um duelo com a mídia, especialmente com as organizações Globo, mas, na verdade, sua área de comunicação pecou por muito tempo – dois anos e meio – e ainda está se ajustando. A internet para geração da minha entrevista, por exemplo, para mais de 400 emissoras no Norte e Nordeste, só ficou disponibilizada cinco minutos antes.

A esta altura, meu celular pipocava de reclamações das emissoras parceiras alegando a falta de som. O sinal para geração do link só saiu por causa de um wi-fi disponibilizado de última hora, quando nossa equipe técnica precisava de um cabo central seguro, que não caísse em nenhum momento. Resultado: com o wi-fi provisório, chegamos a perder entre três a cinco minutos da entrevista, provocando uma reclamação geral entre as emissoras.

Em resumo, isso é amadorismo. Bolsonaro chegou ao Salão de Audiências, local da entrevista, faltando exatamente oito minutos para o início da entrevista. Começou um pouco tenso, mas o deixei bem à vontade, chegando a relaxar, bater duramente no ex-presidente Lula e encarar toda pauta com destemor.

Para o grande público, o presidente passou uma imagem completamente diferente das outras aparições em entrevistas. Parece ter sido orientado para evitar declarações polêmicas, não pisar em cascas de banana. Tanto que, nem quando o provoquei sobre o “acidente” envolvendo a deputa Joice Hasselmann (PSL-SP) derrapou. Respondeu com serenidade, achando apenas esquisito o incidente.

Por fim, ao trazer esses bastidores, não poderia destacar que o Governo descobriu a pólvora, depois de dois anos e meio de gestão: falar em rádio, veículo que nunca morre, sempre atual, que ganhou mais vitalidade ainda com o advento da internet, quando muitos imaginavam que perderia seu poder de fogo na formação da opinião pública. Bolsonaro quer falar toda a semana em rádio e essa tem sido uma estratégia já delineada pelo seu novo secretário de Comunicação, André de Souza Costa, que nos recebeu com muita distinção, dando total apoio para a entrevista.

Tensão e alívio – Tão logo acabou a entrevista, o presidente disse: “Gostei, Magno”, para em seguida reclamar que fazia tempo que havia ficado tão à vontade. Na realidade, em nenhum momento o presidente deixou de responder as questões levantadas, nem mesmo quando se tratou das suspeitas de corrupção em seu Governo nas denúncias de um contrato superfaturado para compra de vacina que não chegou a ser assinado. “A entrevista depende muito do entrevistador”, comentou.

Gilson senador – Embora tenha sete ministros do Nordeste em sua equipe, o presidente se referiu apenas ao pernambucano Gilson Machado Neto como um possível candidato a senador, mas com a ressalva de que dependeria das articulações envolvendo os partidos aliados da sua base em Pernambuco. Para o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra, ao não se referir a Machado como candidato a governador, o presidente deixou transparecer que pode se sensibilizar à tese, defendida pelo próprio FBC, de que, para derrotar Lula em Pernambuco, o presidente tem que se convencer da necessidade de múltiplas candidaturas a presidente.

Festa com dinheiro alheio – De Bolsonaro, na entrevista à Rede Nordeste: “Se tivéssemos uma lei dizendo que eles (governadores e prefeitos) pudessem comprar vacinas sem a certificação da Anvisa e sem licitação. O que você acha que iria acontecer? Ia ser uma festa. Agora, o senador Omar Aziz, que está na CPI, o irmão do Renan Calheiros, Renildo Calheiros, juntamente com o Randolfe (Rodrigues), que está na CPI, tentaram modificar uma medida provisória nossa para que governadores e prefeitos pudessem comprar vacina sem a certificação da Anvisa e sem a licitação. Então, eles ficaram frustrados com isso e estão nos acusando daquilo que eles tentaram fazer e não conseguiram”.

Suape em ferrovia – A divulgação do plano de retomada das obras da ferrovia Transnordestina surpreendeu e gerou revolta na bancada federal de Pernambuco. “Suape não pode ficar de fora, considerando tudo o que representa no contexto da Transnordestina. É o momento de sairmos em campo buscando uma definição”, diz o governador Paulo Câmara, ao falar sobre a possibilidade de o Estado ficar sem o ramal até Suape. Ele tem encontro marcado com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, o dia 16 de agosto. Na entrevista à Rede Nordeste, o presidente não quis se aprofundar sobre o caso, sob a alegação de que precisa se inteirar com o ministro da área.

O esporro e o som – Um ruido que chamou atenção durante a entrevista do presidente foi um carão que ele deu aos que estavam conversando no mesmo ambiente. A conversa, entretanto, não foi provocativa nem intencional. Na verdade, se deu entre dois assessores da deputada Bia Kicis (PSL-DF) que tentavam ajustar o som que estava muito baixo para geração nas redes sociais. Nada mais além disso.

CURTAS

NO PROGRAMA – No Frente a Frente de ontem, direto dos estúdios da Rádio Cultura de Caruaru, os prefeitos de Vertentes, Agrestina e São Caetano, respectivamente Romero Leal, Josué Mendes e Josafá Almeida falaram sobre os primeiros seis meses de suas gestões. A convidada de hoje, também da Cultura, é a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB).

GRANDE POOL – O Governo do Estado anunciou, ontem, um novo avanço no plano de convivência com a Covid-19. A partir da próxima segunda-feira, bares e restaurantes terão o horário de funcionamento ampliado até a meia-noite. Além disso, o número de pessoas em eventos corporativo vai passar de 100 para 200 pessoas ou 50% da capacidade do espaço.

Perguntar não ofende: Quanto, ao final, Bolsonaro já investiu no Nordeste?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Com certeza ele não saberia responder, ele mistura repasses obrigatórios (constitucionais) com orçamento dos próprios entes, como se fosse dinheiro do governo federal. A única coisa que ele sabe é disseminar mentiras e encontrar culpados pela sua incapacidade de fazer alguma coisa!


Caruaru Novas Creches

27/07


2021

Coluna da terça-feira

Bolsonaro fala ao Nordeste

Faço, hoje, no Frente a Frente, transmitido pela Rede Nordeste de Rádio, no horário das 18 às 19 horas, a segunda entrevista com o presidente Bolsonaro desde a sua posse. A primeira, em março do ano passado, se deu através de uma live pelo Instagram do meu blog, batendo um recorde de audiência, com 60 mil pessoas online, instantaneamente.

Como deputado federal, Bolsonaro também já me concedeu várias entrevistas, em seu gabinete ou no Salão Verde da Câmara dos Deputados, para o blog e a Rede Nordeste de Rádio, irmãos siameses. Na live, o presidente encerrou com uma frase que repercutiu em todos os veículos da mídia nacional, a começar pelo Jornal Nacional, da TV-Globo.

Na ocasião, Bolsonaro, brincando, disse que quem era de direita tomava cloroquina, e quem era de esquerda, tubaína. De presidentes, Bolsonaro não é o primeiro que entrevistei com exclusividade. Repórter setorista do Palácio do Planalto, viajei com o ex-presidente Sarney, com direito a uma exclusiva na cabine do Boeing presidencial.

Entrevistei, também, Fernando Collor presidente e depois cassado, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Lula, assim como Michel Temer. A única que escapou das minhas provocações foi Dilma Rousseff, com quem não consegui criar nenhum tipo de relação ao longo do seu Governo. Com Lula, vivi algumas peculiaridades. A primeira entrevista se deu quando era líder do PT na Câmara dos Deputados, uma página inteira no Diário de Pernambuco.

Depois, o entrevistei em Cuba, na cobertura da viagem que ele fez com um grupo de políticos e empresários, com direito também a uma mini coletiva com o então presidente Fidel Castro, na qual, além deste colunista, estavam os repórteres do Estadão e da IstoÉ, veículos que acompanharam a visita ao território cubano.

Provas de fraudes – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, ontem, que irá realizar uma transmissão ao vivo, na próxima quinta-feira, às 19h, para apresentar provas de fraudes nas eleições presidenciais dos últimos anos. Não detalhou se os documentos são referentes ao pleito de 2014, em que ele afirma que Aécio Neves venceu Dilma Rousseff no segundo turno, ou sobre a eleição de 2018, na qual ele foi eleito presidente da República. Bolsonaro alega que venceu, ainda em primeiro turno, mas houve fraude para que disputasse o segundo contra Fernando Haddad, candidato do PT. O presidente disse que a live será realizada na sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Henry, o culpado – O site oficial do Tribunal de Contas do Estado apontou, ontem, o ex-governador Jarbas Vasconcelos (MDB) como responsável pelo uso dos recursos da educação para pagar aposentados e pensionistas por mais de 20 anos, a partir de 2001. A culpa, segundo o TCE, seria de uma lei editada pelo governo de Jarbas. O TCE chegou a afirmar, textualmente, que a lei que retirou os recursos da educação foi "de iniciativa do então Governador Jarbas Vasconcelos". Na verdade, segundo o blog apurou, quem levou Jarbas a cometer esse tropeço foi o atual deputado Raul Henry, presidente estadual do MDB, que na época era o secretário de Educação.

Veto ao fundão – Bolsonaro (sem partido) diz que “vai ser vetado o excesso do que a lei garante” em relação ao fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso. Para apoiadores, Bolsonaro citou que a lei garante “quase R$ 4 bilhões do fundo” e que “o extra de R$ 2 bilhões vai ser vetado”. “Deixar claro uma coisa, vai ser vetado o excesso do que a lei garante, tá? A lei [garante] quase R$ 4 bilhões do fundo, o extra R$ 2 bilhões vai ser vetado. Se eu vetar o que está na lei, eu estou incurso crime de responsabilidade. Espero não apanhar do pessoal aí como sempre “, declarou na saída do Palácio da Alvorada.

STF dá prazo – A ministra Rosa Weber, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, determinou que o Congresso tem o prazo de 10 dias para dar explicações sobre a aprovação do fundo de R$ 5,7 bilhões para as campanhas eleitorais de 2022. O texto do Fundo Eleitoral foi aprovado na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2022 no último dia 15 de julho. A norma aprovada contém a possibilidade de aumentar o fundo, usado por partidos e candidatos para fazer campanha. Os recursos destinados a esse fim podem chegar a R$ 5,7 bilhões. Em 2020 foram R$ 2 bilhões.

Dinheirama para Serra – Em entrevista, ontem, à Serra FM, emissora dirigida por Marcos Oliveira em Serra Talhada, o deputado Fernando Monteiro (PP) foi muito franco, correto e transparente quando falou sobre as emendas – e são muitas – que têm saído da sua cota parlamentar para a capital do Xaxado. “Só anuncio quando está 100% acertada a sua liberação, para que a população não se frustre”, disse. Em Serra, onde já alavancou uma montanha de dinheiro via emendas federais, Monteiro terá o apoio do grupo da prefeita Márcia Conrado (PT) nas eleições do próximo ano. Luciano Duque, ex-prefeito, diz que ninguém teve mais atenção ao município em Brasília do que Fernando Monteiro.

CURTAS

VOLTA ÀS URNAS – Após uma série de polêmicas, indefinições e batalhas judiciais, os municípios de Martinópole, Missão Velha e Pedra Branca, no Ceará, terão eleição suplementar no próximo domingo. Em Martinópole, um dos candidatos decidiu, após ser julgado inelegível, apresentar um substituto nas urnas faltando sete dias para o dia da votação. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 69.253 eleitores estão aptos a votar nas três cidades.

GRANDE POOL – Cerca de 200 emissoras no Nordeste formaram um pool, via Rede Nordeste de Rádio, para a transmissão da entrevista do presidente Bolsonaro, hoje, entre 18 e 19 horas, a este colunista, âncora e blogueiro. Quem quiser acompanhar pelas redes socias será possível pelo Instagram ou o Facebook deste blog. 

Perguntar não ofende: Quando vão descobrir a fraude de Joice Hasselmann (PSL-SP)?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Que fraude? Eleições De 2014, o que tem a ver com a eleição desse coiso! Fraude é o próprio Bozo. Incompetente, incapaz, estúpido......isso é verdadeiramente uma fraude, e a pior que já tivemos!


CABO

26/07


2021

Coluna da segunda-feira

Ninguém votará no papel

Voltei, ontem, de um giro ao Interior impressionado com a falta de conhecimento da população em relação à polêmica do voto impresso proposto para as eleições de 2022, como deseja o presidente Bolsonaro na forma, também, como tramita no Congresso uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da deputada Bia Kicis (PSL-DF).  

Assustou-me, especialmente, gente esclarecida achar que o voto impresso é regredir ao passado, votando em cédula de papel. Não tem nada disso, nem poderia. O que se debate hoje não é o retorno do voto em cédulas, mas a adoção de um comprovante em papel do voto dado na urna eletrônica. O comprovante não passaria pelas mãos do eleitor e serviria para uma auditoria dos resultados da urna eletrônica —ou seja, conferir se os votos dados pelos eleitores são iguais ao resultado computado pelas urnas.

A urna eletrônica será usada pelo eleitor do mesmo jeito. O que muda é a adição de um mecanismo complementar. A ideia passa pela instalação de impressoras acopladas à urna eletrônica, com um recipiente lacrado e transparente onde esses votos seriam armazenados. A proposta não prevê que o eleitor possa levar com ele um comprovante do voto. No procedimento, o votante poderia observar pela transparência do recipiente se o voto computado pela urna eletrônica corresponderia ao que foi digitado por ele no equipamento.

Defensores da medida argumentam que a auditoria do voto eletrônico, como é feita hoje, exige um conhecimento técnico especializado, o que exclui a maior parte da população desse processo. Essa proposta tem o nome de VVPAT, sigla em inglês para comprovante de votação verificado pelo eleitor. A ideia funciona da seguinte forma: o eleitor vota na urna eletrônica, e sua escolha é registrada também em papel por uma impressora acoplada e protegida por um acrílico —assim, ninguém tem contato físico com a cédula.

O eleitor verifica se o registro corresponde à sua vontade e confirma o voto. O papel é então despejado automaticamente em uma urna indevassável, o que resulta em dois registros do voto: o eletrônico e o impresso. No caso de contestação sobre o resultado das eleições e uma eventual recontagem de votos, isso pode ser feito tanto por técnicos, quanto pela sociedade civil.

Referenciais no Exterior - O voto impresso já é adotado por alguns países, como Índia, Argentina e Venezuela, que implementam o recurso de forma gradual. Alguns especialistas defendem que, em vez de trocar todas as urnas do País, isso seja feito apenas em um grupo de seções randomizadas, de forma a ter uma amostra auditável em papel dos votos. "Não é ruim ter a possibilidade de fazer auditoria em papel. O que não quer dizer que voto tem que ser em papel em todas as urnas. O governo pode aleatorizar em seções eleitorais urnas que imprimem o voto e auditar essas urnas. Se houver fraude, seria possível identificar a partir disso", explica a cientista política Lara Mesquita, pesquisadora do Centro de Política e Economia do Setor Público da Fundação Getúlio Vargas.

Sem provas - Autora da PEC do voto impresso, a deputada Bia Kicis diz que não pode provar que a eleição presidencial de 2018 foi fraudada. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) declarou, por mais de uma vez, que houve fraude no pleito que o elegeu, mas não apresentou provas. “Eu não vou entrar nesta seara. Sabe por quê? Porque eu não vou falar uma coisa que eu não possa provar. Eu não posso provar que teve fraude. Sabe por quê? Porque o sistema não é auditável”, disse, ontem, em entrevista à Folha de São Paulo.

PP não garante legenda – Depois do presidente Jair Bolsonaro escolher o senador Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil, as negociações para que concorra à reeleição em 2022 pelo PP (Progressistas) se intensificaram. Contudo, não há consenso na sigla. Segundo a Folha de S. Paulo, o PP também articula a filiação de dois ministros. Possíveis intervenções de Bolsonaro preocupam líderes do partido, especialmente do Nordeste. “Estou tentando um partido que eu possa chamar de meu e possa, realmente, se for disputar a Presidência, ter o domínio do partido. Está difícil, quase impossível “, disse Bolsonaro, na última sexta-feira.

O espanta turista - O novo ataque de tubarão a um banhista, ontem, em Piedade, deve ter dado uma forte contribuição para afugentar turistas que antes planejavam conhecer as praias pernambucanas. A notícia foi destaque em todos os portais do País e até no exterior por uma razão muito simples: se deu após a morte de outro banhista, também em Jaboatão, num intervalo de apenas uma semana. A Bahia e o Ceará, rivais no turismo nordestino, mandam agradecer.

Distritão avança – Ex-líder do PSB na Câmara Federal, o deputado Tadeu Alencar acha mais provável que o Congresso aprove, na proposta da reforma política em discussão, a adoção do distritão na eleição proporcional, o que, na prática, se configura a verdade eleitoral, ou seja, passariam a ser eleitos os mais votados, independente de siglas ou alianças. “O problema reside na resistência dos pequenos partidos”, diz, adiantando que a proposta está mais amadurecida do que mesmo a federação de partidos, já na pauta de votação em regime de urgência.

CURTAS

CRISTO – Embora seja a capital nacional da rapadura, Santa Cruz da Baixa Verde, no Sertão do Pajeú, não avança no turismo como Triunfo, sua famosa vizinha, distante apenas 4 km, porque faltam atrativos, além do clima. O prefeito Irlando Parabólica (PP) está animado com um equipamento que pode criar na região o chamado turismo religioso: a instalação de um Cristo na serra mais alta do município, com toda infraestrura, desce acesso a restaurantes.

BURAQUEIRA – O Governo do Estado tapou os buracos da estrada que dá acesso a Triunfo, procedente de Serra Talhada, mas esqueceu o outro acesso, via Flores, que virou uma tábua de pirulito. Subir a serra tem sido uma aventura perigosa. Já houve até manifestações, mas o Governo não está nem aí.

Perguntar não ofende: E o fundão eleitoral de quase R$ 6 bilhões? Tem algo mais imoral?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Voto impresso, ou seja no papel, só mesmo àqueles que digerem celulose!


Serra Talhada 2021

24/07


2021

Coluna do sabadão

Nova cisão petista

Por Houldine Nascimento – interino

Ficou para agosto o encontro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com lideranças do PT em Pernambuco. Dirigentes municipais da sigla chegaram a ser convocados para uma reunião com Lula no domingo (25), mas a agenda foi adiada, conforme revelou um importante nome petista a esta coluna.

Enquanto isso, o PT passa por uma nova divisão interna no Estado. A ala capitaneada pela deputada federal Marília Arraes defende candidatura própria ao Governo de Pernambuco. Já o grupo do senador Humberto Costa está disposto a formar uma nova aliança com o PSB, levando o partido a desistir de concorrer em faixa própria ao Palácio do Campo das Princesas.

Um novo capítulo dessa saga foi ao ar nas redes sociais. Primeiro com uma publicação da vereadora do Recife Liana Cirne, fazendo alusão a ela mesma como candidata a deputada federal em 2022 e incluiu Marília nisso. “Em 2022 teremos Lula Presidente e DUAS mulheres rochedas na Câmara das DeputAdas! Marília e eu levantamos uma à outra!”, escreveu. Faltou combinar justamente com Marília Arraes, que recebeu a mensagem com estranheza.

Tudo isso um dia depois de Liana encontrar Humberto. A atitude da vereadora foi interpretada por apoiadores da deputada como traição, uma vez que o senador sempre se opôs a projetos majoritários de Marília. “No PT convergimos na maioria dos temas e priorizamos um projeto de país, a defesa de Lula e contra Bolsonaro. Mas, em PE, alguns de nós não concordamos com gestões do PSB e há os que querem aliança, ou que flexibilizam de posição, por motivos que não vou nem comentar”, disparou Marília.

“Em Pernambuco, sou oposição ao PSB, por responsabilidade com nosso Estado, com seu povo, que conhece minha coerência e meu trabalho”, completou. Também houve reação direta da vereadora petista Flávia Hellen, de Paulista: “Quando uma mulher ousou governar Recife foi sabotada até o último dia. O povo tem memória.”

Em síntese, tudo caminha para um repeteco de 2018, quando Marília foi rifada da disputa ao Governo do Estado em nome de um projeto nacional do PT. O mesmo se desenha em 2022, apesar dos ataques promovidos à Marília Arraes pelo PSB durante a campanha pela Prefeitura do Recife no ano passado.

Isso chamou atenção no Brasil inteiro e gerou críticas de lideranças nacionais do PT aos socialistas e ao prefeito João Campos pela estratégia bastante ríspida na descontrução da candidatura petista, desconsiderando a histórica parceria entre as duas siglas.

Jogo duplo – Lula já havia iniciado conversas com a cúpula do PSB em Pernambuco e está disposto a uma nova união com os socialistas em nome do seu projeto para voltar ao Planalto. Ao mesmo tempo, o ex-presidente deixou vivo o sonho de Marília de concorrer ao Governo do Estado. Em entrevistas, chegou a dizer que tanto Marília quanto Humberto têm direito de querer disputar. Ele abriu a possibilidade de um rearranjo com o PSB no segundo turno, como ocorreu em 2006, quando o próprio Humberto ficou pelo caminho e Eduardo Campos avançou para a vitória.

Movimentação – Presidente nacional do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP) esteve em Pernambuco nos últimos dias. Ela foi recepcionada pelo dirigente estadual da legenda, o também deputado federal Ricardo Teobaldo, e por outros nomes da política local, entre os quais o vereador recifense Tadeu Calheiros. Na ocasião, eles discutiram ações para melhorias da saúde no Estado, as projeções para as eleições de 2022 e a reforma eleitoral que tramita no Congresso.

Volta às aulas – No Recife, houve o retorno das aulas presenciais na rede pública. O prefeito João Campos visitou a Escola Municipal Reitor João Alfredo, na Ilha do Leite, para acompanhar o segundo dia da volta. Esteve com o secretário municipal de Educação, Fred Amâncio. “Voltamos às aulas presenciais desde ontem, começou com 8° e 9° ano. Na próxima semana haverá um novo grupo e daqui a 15 dias mais um novo grupo. Um retorno seguro, prezando sempre pelos cuidados sanitários e as recomendações de saúde. Apenas 16% das cidades brasileiras estão tendo aulas no modo presencial e Recife é uma delas”, explicou.

Rescisão – A Bharat Biotech informou que rescindiu um memorando de entendimento para vender a vacina indiana Covaxin à Precisa Medicamentos. No comunicado, a fabricante não revelou o motivo. A Bharat afirmou que seguirá trabalhando com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para obter todas as aprovações necessárias para o uso do imunizante contra a Covid-19 no Brasil. A empresa disse que não recebeu nenhum pagamento antecipado nem forneceu vacinas ao governo brasileiro. A decisão vem após o laboratório indiano negar a autoria de documentos entregues pela Precisa ao Ministério da Saúde.

Saúde encerra contrato – Depois do anúncio do laboratório indiano, o Ministério da Saúde assegurou que vai cancelar o contrato com a Precisa Medicamentos devido ao descredenciamento da empresa. A decisão foi do ministro Marcelo Queiroga e deve ser oficializada no domingo, quando está prevista uma reunião entre ele e o secretário-executivo Rodrigo Cruz. A consequência disso é o cancelamento da nota de empenho de R$ 1,6 bilhão, dinheiro ainda reservado para o negócio. Com a quantia, 20 milhões de doses da Covaxin seriam adquiridas.

CURTAS

ATOS CONTRA BOLSONARO – Uma nova rodada de atos contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) está programada para hoje. De acordo com a lista atualizada por movimentos sociais, 426 ações estão confirmadas em 405 cidades e 15 países.

PE NA MOBILIZAÇÃO – Em Pernambuco, também estão previstas algumas manifestações. No Recife, a concentração é na Praça do Derby, a partir das 10h. Já em Caruaru, haverá uma ação a partir das 9h em frente ao INSS. No total, são 16 cidades no Estado.

Perguntar não ofende: Marília aguenta ser passada para trás novamente?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/07


2021

Coluna da sexta-feira

Montanha vai até Raquel

Por Houldine Nascimento – interino

O PSDB quer Raquel Lyra disputando o Governo de Pernambuco em 2022. O movimento para que a prefeita de Caruaru e presidente estadual da legenda concorra ao Palácio do Campo das Princesas só cresce, mesmo com o silêncio da tucana sobre o assunto. O ex-ministro Armando Monteiro Neto é um dos grandes entusiastas de sua candidatura.

“Não tenho dúvida alguma que ela é candidata e assumirá essa missão. Cada um tem um estilo e ela é muito tranquila. Os passos que ela dá são todos muito consequentes e ela está nesse momento com a responsabilidade da gestão de Caruaru, que é uma grande prefeitura. Portanto, priorizou o seu trabalho lá nesse momento de pandemia. Ela estará no processo e vai liderar a chapa da oposição”, declarou a esta coluna.

Armando também realçou os bons índices que a prefeita de Caruaru apresenta em pesquisas para o Governo do Estado e falou que sua prioridade “é Raquel, que desponta com muita força”, podendo abdicar de uma eventual disputa ao Senado. Na mesma linha, o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, já deixou claro que Raquel Lyra “só não será candidata ao Governo se não tiver interesse”.

Durante a semana, foi a vez do governador paulista, João Doria, engrossar o coro, exaltando a colega de partido. “Raquel Lyra é um dos melhores valores da política do Nordeste brasileiro, uma mulher de extrema capacidade. Não terei a menor dúvida de somar com ela, caso vença as prévias, para sensibilizar o eleitorado de Pernambuco. E apoiar também Raquel Lyra no seu futuro, um dos grandes nomes da política do Nordeste brasileiro e um dos grandes nomes femininos da política nacional”, disse em entrevista à Rádio Clube.

Para o PSDB, que historicamente lança candidatos à Presidência, é essencial contar com palanques no Nordeste. Mais ainda para Doria, com baixa inserção na região. A construção da candidatura de Raquel está vindo de fora para dentro. Por outro lado, isso demonstra que tem apoio total do partido, saindo na frente de outros nomes fortes do bloco oposicionista. Recentemente, o prefeito de Petrolina, o emedebista Miguel Coelho, teve as portas fechadas pelo deputado federal e presidente estadual do MDB, Raul Henry, que optou por manter a sigla na aba do PSB.

Em Caruaru, Raquel também tem sido visitada por lideranças de partidos variados, da esquerda à direita, mostrando que tem bom trânsito entre as diversas correntes. Tudo tem conspirado a favor de sua candidatura, fazendo frente aos 16 anos de domínio socialista em Pernambuco. Basta querer.

Acerto – Outro nome forte do grupo de oposição, o prefeito de Jaboatão dos Guararapes e presidente estadual do PL, Anderson Ferreira, tem apoio irrestrito da Executiva Nacional. O presidente da sigla, Valdemar Costa Neto, o saudou como “futuro governador de Pernambuco” durante ato na sede do partido em Brasília, no final de maio. Desde então, Anderson teve sinal verde para fazer articulações. Diferentemente de Raquel, ele tem circulado em várias regiões do Estado e apresentado sua pré-candidatura. Para montar uma chapa forte para enfrentar a situação, terá de haver um acerto entre os dois.

Incidente – A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) acionou a Polícia Legislativa da Câmara para investigar um incidente em sua residência, no último fim de semana. A parlamentar relatou que acordou com marcas de sangue no chão de casa, um dente quebrado e um corte no queixo. Ela também falou que o marido, que é médico, a socorreu. De acordo com Joice, ele estava dormindo em outro quarto. Um hospital de Brasília constatou cinco fraturas no rosto e na costela. À imprensa, a deputada disse não lembrar do que houve. A Polícia já solicitou imagens das câmeras de segurança. O próximo passo é ouvir Joice e testemunhas.

Perdão – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) minimizou críticas feitas a ele pelo presidente nacional do Progressistas, Ciro Nogueira, em 2017. Na ocasião, o senador, que está prestes a assumir a Casa Civil, foi bastante duro com o chefe do Executivo, além de rasgar elogios ao ex-presidente Lula. “Tem um vídeo correndo a internet de que ele [Ciro] me chamou de fascista lá atrás. Sim, chamou. As coisas mudam. Eu tinha posições no passado que não assumo mais hoje. Mudei. Nenhuma de forma radical. Quem estava no Nordeste e não fosse Lula no passado não tinha sucesso na política. Isso para mim é coisa passada”, declarou Bolsonaro.

Fusão – PSL, DEM e PP estariam articulando uma junção, segundo o Poder360. Caso a fusão se concretize, o novo partido se tornaria o maior do Congresso, somando 121 deputados e 15 senadores. O arranjo colocaria o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE) na Presidência, ACM Neto como vice e o senador Ciro Nogueira na Secretaria-Geral. Ainda de acordo com o portal de notícias, a negociação está no último estágio e, para ser concluída, Bivar não abre mão da candidatura de José Luiz Datena à Presidência da República.

Respeito – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes cobrou as Forças Armadas. Em uma publicação no Twitter, ele afirmou que “os representantes das Forças Armadas devem respeitar os meios institucionais do debate sobre a urna eletrônica”. Gilmar também declarou que a política é feita, sobretudo, com "respeito à Constituição". "Na nossa democracia, não há espaço para coações autoritárias armadas”, concluiu. A declaração foi dada depois de uma ameaça que o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, teria feito quanto à realização de eleições em 2022. Segundo o Estadão, Netto mandou um recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), dizendo que não haveria eleições no ano que vem, se não houvesse “voto impresso e auditável”.

CURTAS

NEGOU EM PARTE – Braga Netto negou que se comunicasse com outros poderes por meio de interlocutores, embora não tenha descartado a ameaça. “Em relação à matéria publicada em veículo de imprensa, que atribui a mim mensagens tentando criar uma narrativa sobre ameaças feitas por interlocutores a Presidente de outro Poder, o Ministro da Defesa informa que não se comunica com os Presidentes dos Poderes, por meio de interlocutores”, afirmou em nota.

PROFESSORES NA BRONCA – Em Trindade, no Sertão do Araripe, os professores reclamam da elevação de 11% para 14% na arrecadação previdenciária. De acordo com a Prefeitura, era necessário promover esse reajuste para cobrir prejuízos causados ao Fundo Municipal de Aposentadorias e Pensões (Fumap) em gestões anteriores e, assim,  garantir os pagamentos.

 Perguntar não ofende: Quando Raquel Lyra começa a se movimentar para concorrer ao Governo?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/07


2021

Coluna da quinta-feira

Casamento suspeitoso

Por Houldine Nascimento – interino

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acertou uma nova mudança em ministérios a partir da próxima segunda-feira (26). O ministro-chefe da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, foi comunicado ontem sobre sua saída do cargo, dando lugar ao senador piauiense Ciro Nogueira, que também é presidente nacional do Progressistas.

Bolsonaro entende que a presença de um político na pasta vai ajudar na relação com o Congresso, especialmente com o Senado, que hoje abriga a CPI da Pandemia, responsável por promover desgastes ao Planalto. Ontem mesmo, Ciro entrou em contato com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para falar sobre o convite recebido.

A chegada de Ciro também sela o casamento de Bolsonaro com o chamado Centrão, grupo de partidos que garante sustentação ao seu governo no Parlamento e que também compôs gestões anteriores. A união fez até o presidente esquecer que Nogueira o tachou de "fascista" anos atrás, além de o senador pepista tecer elogios ao ex-presidente Lula.

Ao mesmo tempo, esse apoio dá um alívio temporário a Bolsonaro sobre um eventual risco de impeachment, fantasma que ronda todos os chefes do Executivo desde a redemocratização. O fortalecimento dessa parceria entre Bolsonaro e Centrão surge no momento em que o presidente aparece com os maiores índices de rejeição. O PoderData trouxe novos números ontem.

A pesquisa mostra que 56% dos entrevistados avaliam o presidente como ruim ou péssimo, um aumento de 1% em relação ao levantamento anterior. Já 26% consideram a atuação de Bolsonaro boa ou ótima e 15% veem como regular. Quando é levado em conta o governo, 62% desaprovam e 32% aprovam a gestão. Ao todo, foram 2,5 mil entrevistados em 427 municípios das 27 unidades federativas, entre 19 e 21 de julho. Margem de erro de dois pontos percentuais.

A expectativa é de que Luiz Eduardo Ramos siga no Planalto e vá para a Secretaria-Geral da Presidência, que tem Onyx Lorenzoni como titular. Para acomodar Onyx, Bolsonaro deve recriar o Ministério do Trabalho e Previdência, que será desmembrado da pasta da Economia. A ver apenas como será o novo nome do ministério.

Atropelado – Ramos disse que foi surpreendido com as informações sobre sua saída. “Eu não sabia, estou em choque. Fui atropelado por um trem, mas passo bem”, disse em tom de humor à colunista Eliane Cantanhêde, do Estadão. O general da reserva fez questão de destacar sua fidelidade a Bolsonaro: “O presidente é ele, eu sou soldado, cumpro missão. Aprendi, em 47 anos de vida militar, que soldado não escolhe missão. Se ele me der outra no governo, eu aceito.”

“Excelente escolha” – Líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) cumprimentou o senador Ciro Nogueira antes mesmo da oficialização do piauiense na Casa Civil. “Parlamentar experiente, com boa interlocução na Câmara e no Senado, Ciro Nogueira reúne as credenciais para ampliar o apoio ao governo, avançar com a agenda econômica e contribuir para a construção de políticas públicas. Excelente escolha do presidente Bolsonaro no sentido de aperfeiçoar a relação com o Congresso!”, postou em sua conta oficial no Twitter.

Suspensão – O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) dediciu suspender o reajuste da cota de combustível para os vereadores Petrolina, no Sertão do São Francisco. A sentença do juiz João Alexandrino de Macêdo Neto foi proferida na última sexta-feira (16). A Câmara Municipal aprovou no mês passado um aumento de 50% no auxílio, passando de R$ 2 mil para R$ 3 mil mensais para cada legislador. O magistrado também estabeleceu um prazo de 15 dias para que o presidente da Casa, Aero Cruz (MDB), dê explicações sobre o reajuste.

Professores querem vacina – Em assembleia realizada ontem, os professores da rede pública do Recife decidiram manter as atividades remotas até que os profissionais tenham ciclo vacinal completo e que 60% da população esteja vacinada contra a Covid-19. De acordo com o Simpere, instituição que representa a categoria, boa parte ainda não tomou a segunda dose do imunizante. “Queremos garantir o direito à vida dos docentes, alunos e demais profissionais ligados ao ensino. Não somos contra as aulas presenciais, e sim a favor que a volta seja em condições seguras. Há relatos de que em algumas escolas nem as pias funcionam”, diz o comunicado da Direção do Simpere.

Encontro – As prefeitas de Serra Talhada, Márcia Conrado (PT), e de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), se reuniram na última terça-feira (20). O encontro ocorreu no gabinete de Raquel e contou com a participação do ex-prefeito de Serra e padrinho político de Márcia, Luciano Duque (PT). De acordo com as gestoras, a reunião serviu para que trocassem experiências. “Que felicidade em conhecer essa mulher que inspira e que é referência quando o assunto é gestão municipal”, disse a petista sobre a colega tucana. Apesar da gentileza, é certo que ambas estarão em palanques distintos em 2022.

CURTAS

TARIFA SOCIAL CONGELADA – A Compesa informou ontem que a tarifa social não sofrerá reajuste. Com isso, a cobrança para os consumidores de baixa renda se mantém em R$ 9,44, beneficiando quase 600 mil pessoas. Ainda segundo a empresa, esta foi uma recomendação do Governo do Estado. A fatura dos demais clientes sofrerá um reajuste de 11,90% a partir de 19 de agosto.

NOVAS AGÊNCIAS – A Caixa Econômica Federal vai inaugurar 268 agências em todo o país até o fim do ano. Destas, 168 são voltadas a clientes em geral. Onze delas serão abertas em Pernambuco, no projeto de expansão do banco. A meta é chegar a 4,5 mil unidades ao todo.

Perguntar não ofende: Até quando dura o casamento entre Bolsonaro e Centrão?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

É impressionante como o general Ramos e Braga Neto estão jogando no lixo a respeitabilidade das forças armadas. Dois generais subjugados aos caprichos de um ex capitão sem estrelas, sem comendas e sem história. Não se faz generais como antes!

Jovelina Maria de Brito

Fernando Bezerra, o dinossauro da corrupção no Brasil, só podia elogiar bozo e ciro. é um baba ovo nojento,,,,,

Joao

Até quando o governo não tiver cargo e dinheiro a oferecer, ou até às próximas eleições, dependendo de como o acéfalo esteja nas pesquisas, espero que muito mal!



21/07


2021

Coluna da quarta-feira

Água mais cara

Por Houldine Nascimento – interino

Os pernambucanos terão de conviver com mais um reajuste na conta de água e esgoto a partir do próximo dia 19 de agosto. O aumento, de 11,9%, foi autorizado pela Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe) e publicado na edição de ontem do Diário Oficial do Estado. A medida afeta clientes de modalidades diversas da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa). 

Com isso, a tarifa mínima residencial paga por quem consome até 10m³ de água por mês passa de R$ 45,13 para R$ 50,50. A tarifa social sofre um aumento de R$ 1,12, indo de R$ 9,44 para R$ 10,56. Já os consumidores comerciais pagarão R$ 74,30 a cada 10m³ (hoje, a taxa custa R$ 66,40). O setor industrial também sofrerá impecto ao pagar R$ 93,10 pela tarifa mínima, uma elevação de R$ 9,90. Na rede pública, a taxa avança de R$ 64,17 para R$ 71,81.

A justificativa oficial é de que a elevação da taxa, que não poupa nem os beneficiários da chamada tarifa social, é a de "compensar os efeitos da inflação do período de 1º de julho de 2020 a 30 de junho de 2021". Outro ponto levantado pela Compesa é de que “o reposicionamento tarifário obedece a Lei Federal 11.445/2007, que estabelece que os reajustes de tarifas de serviços públicos de saneamento básico sejam realizados no intervalo mínimo de 12 meses".

Em janeiro deste ano, um reajuste de 2,4% já havia sido aprovado. Fato é que o aumento vem em momento bastante inoportuno para a população, que enfrenta dificuldades de subsistência. Os serviços ofertados pela própria Compesa também são alvos constantes de críticas por parte da sociedade, em razão da dificuldade em garantir o abastecimento de áreas diversas, impondo rodízios, e até pela qualidade do produto que chega às residências e estabelecimentos.

A falta d'água também acaba prejudicando na hora de manter hábitos de higiene no combate ao novo coronavírus, que já levou à morte 18.388 pernambucanos, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde. 

Nova mudança ministerial? – A dificuldade do governo federal na articulação política tem colocado o ministro da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, em xeque. Isso tem feito o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pensar em uma mudança na pasta, segundo a jornalista Natuza Nery. O nome cotado por ora é o do senador piauiense e presidente nacional do Progressistas, Ciro Nogueira. Bolsonaro colocaria alguém experimentado na política. “Um dos maiores desafios do Palácio do Planalto está justamente no Senado, sede da CPI da Covid, por isso a ida de um representante do centrão poderia ajudar a conter a vulnerabilidade do governo no Congresso”, afirma Natuza.

Declaração de amor – De olho no eleitorado pernambucano, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rasgou elogios à presidente estadual do PSDB e prefeita de Caruaru, Raquel Lyra. Em entrevista à Rádio Clube, ontem, o tucano também disse que espera contar com o apoio da correligionária, caso vença as prévias do partido para disputar a Presidência da República. “Vou fazer aqui uma declaração de amor à Raquel Lyra: eu adoro a Raquel Lyra, ela é brilhante. Brilhante como prefeita, como política, como ser humano, como cidadã, como patriota, como brasileira, como filha, como mulher, sou um profundo admirador”, afirmou.

Punida – Candidata derrotada na disputa à Prefeitura do Recife em 2020, a delegada da Polícia Civil Patrícia Domingos (Podemos) foi punida pelo Governo do Estado. Por meio de boletim, no último dia 13, a Secretaria de Defesa Social informou que a servidora foi suspensa por seis dias e aponta “irregularidades administrativas nos procedimentos e investigações da extinta Delegacia de Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos – Decasp”, que teve Patrícia como titular. A SDS ainda cita um relatório do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e fala que a delegada cometeu “transgressão disciplinar de faltar com a verdade no exercício do cargo ou função pública, por malícia ou má fé” ao falar em entrevista sobre o motivo do fechamento da Decasp.

Defesa – A punição foi consequência de um Processo Administrativo Disciplinar Especial instaurado com base em uma sindicância da Corregedoria da SDS. Nas redes sociais, Patrícia Domingos se defendeu e falou em “liberdade de expressão”. “Querem me punir por exercer meu direito constitucional à liberdade de expressão. A decisão (nem) sequer menciona em que momento da minha fala eles consideram que houve falta de verdade. Vou recorrer e a justiça vai prevalecer, nem que eu precise ir às instâncias judiciais”, prometeu.

Acomodação – O secretário estadual de Turismo e Lazer, Rodrigo Novaes (PSD), conseguiu emplacar a ex-prefeita de João Alfredo e colega de partido, Maria Sebastiana, como gestora de Marketing da Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ela é formada em Administração. A nomeação ganhou publicidade na semana passada, quando foi divulgada pelo blog do JC. Trata-se de um dos tantos cargos em comissão criados pelo governador Paulo Câmara (PSB) após a ruptura da parceria público-privada com a Odebrecht na gestão da subutilizada Arena, em 2016.         

CURTAS

AGONIA NO BANDEPREV – Os beneficiários do Bandepe Previdência Social (Bandeprev) apontam mais uma dificuldade para ter acesso aos serviços a partir da mudança nos canais de comunicação. Agora, eles terão de requisitar atendimento por meio do 0800-722-3008 ou por e-mail: [email protected].

EMPECILHOS – Ainda segundo os beneficiários do Bandeprev, a mudança foi comunicada apenas no rodapé dos contracheques. Na visão do grupo que tem defendido os usuários do Bandeprev, hoje aos cuidados do Banco Santander, essas alterações criam empecilhos. “Estamos todos numa idade já avançada e o 0800 é de difícil manuseio”, diz um dos aposentados.

Perguntar não ofende: O povo pernambucano aguenta mais um aumento na conta de água?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/07


2021

Coluna da terça-feira

Em busca da terceira via

Por Houldine Nascimento – interino

Diante do cenário atual, em que as pesquisas apontam real chance de disputa envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no segundo turno, os partidos mais ao centro lançam nomes na tentativa de testar potencial de voto. As eleições de 2022 ainda estão distantes, mas esse movimento vem se intensificando em legendas variadas.

É um processo ainda incipiente e bastante difuso. Desde a redemocratização, a evocada terceira via jamais conseguiu sair da teoria. No próximo ano, diversos atores políticos tentarão quebrar esse histórico. Alguns nomes surgiram nos últimos dias. Um deles é o da senadora Simone Tebet (MDB-MS), que tem obtido destaque pela participação consistente na CPI da Pandemia, mesmo sem integrar o colegiado. Presidente nacional do MDB, o deputado federal Baleia Rossi (SP) tenta viabilizar a correligionária na disputa.

Outro personagem exposto recentemente como pré-candidato é o comunicador José Luiz Datena (PSL). O presidente da sigla é o deputado federal pernambucano Luciano Bivar, que está trabalhando intensamente para que Datena vá adiante. A aposta é na sua popularidade construída há décadas no rádio e na TV, no que seria verdadeiramente um outsider. Em outras ocasiões, o apresentador ensaiou candidatar-se, mas sempre desistiu. Desta vez, está disposto.

Tanto MDB quanto PSL integram um grupo formado por nove partidos que têm dialogado de forma permanente para construir uma alternativa a Lula e Bolsonaro. Cidadania, DEM, Novo, Podemos, PSDB, PV e Solidariedade também compõem essa frente. Destes, o PSDB tradicionalmente lança presidenciáveis e hoje vivencia uma briga pública entre dois caciques: o deputado mineiro Aécio Neves e o governador paulista João Doria.

Os tucanos mais uma vez terão prévias para decidir quem será o candidato. Doria enfrenta resistência por ter um perfil considerado por seus pares como desagregador. Além disso, terá de vencer uma dura disputa interna com o governador gaúcho Eduardo Leite e, talvez, o senador cearense Tasso Jereissati.

O presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco, está perto de deixar o DEM e migrar para o PSD, liderado por Gilberto Kassab, que já anuncia aos quatro ventos a pré-candidatura do mineiro à Presidência. Na tentativa de evitar desgaste, Pacheco se ausentou da polêmica sessão que resultou na aprovação de projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022, com direito a um fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões.

Outros não estão dispostos a desistir do sonho, como é o caso de Ciro Gomes (PDT), ex-ministro e ex-governador do Ceará. O pedetista tem apostado em uma forte contraposição a Lula e Bolsonaro. Com a orientação do ex-marqueteiro petista João Santana, Ciro tem feito inserções diárias nas redes sociais, com vídeos e comentários que obtêm bom alcance. Opções não faltam ao eleitor.

Como costuma dizer o titular deste Blog, pesquisas são fotografias de momento. Pelo que se desenha, a tendência é que o PT ocupe uma das vagas em eventual segundo turno. Aos que desejam impedir o retorno da sigla ao poder, resta seguir desgastando Bolsonaro. Ambos possuem intenções de voto que impressionam. Se a retirada de um deles do páreo será possível ou não, o futuro dirá. Antes, é preciso combinar com o eleitorado.

PSDB pode desistir – O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, admitiu pela primeira vez que a legenda pode abrir mão da candidatura à Presidência da República. Ao ser perguntado pelo jornal O Globo sobre o tema, o líder tucano declarou que o partido poderia fazer isso em nome de uma unidade de centro. “Ninguém pode querer um apoio sem ter disposição de apoiar. O PSDB está aberto até o último momento nas convenções de construir essa unidade no campo distante da polarização entre o presidente Bolsonaro e o ex-presidente Lula”, assegurou.

Promessa de veto – O presidente Jair Bolsonaro indicou, ontem, que deve vetar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões previsto para o próximo ano. Em entrevista à TV Brasil, o chefe do Executivo disse: “Posso adiantar para você que não será sancionada. Eu tenho que conviver em harmonia com o Legislativo. E nem tudo que eu apresento ao Legislativo é aprovado e nem tudo que o Legislativo aprova, vindo deles, eu tenho obrigação de aceitar para o lado de cá. Mas a tendência nossa é não sancionar isso daí em respeito ao trabalhador, ao contribuinte brasileiro.”

Como votaram pernambucanos – A proposta de aumento do fundão veio dentro da aprovação do projeto da LDO de 2022. Na Câmara, 11 deputados pernambucanos votaram a favor, nove contra e cinco não compareceram à sessão do Congresso realizada na última quinta-feira (15). A favor: André de Paula (PSD), Augusto Coutinho (SD), Eduardo da Fonte (PP), Fernando Filho (DEM), Fernando Monteiro (PP), Fernando Rodolfo (PL), Luciano Bivar (PSL), Ossesio Silva (Republicanos), Pastor Eurico (Patriota), Ricardo Teobaldo (Podemos) e Silvio Costa Filho (Republicanos).

Lista segue – Contra: Carlos Veras (PT), Danilo Cabral (PSB), Felipe Carreras (PSB), Gonzaga Patriota (PSB), Marília Arraes (PT), Milton Coelho (PSB), Tadeu Alencar (PSB), Raul Henry (MDB) e Renildo Calheiros (PCdoB). Entre os ausentes: Daniel Coelho (Cidadania), Sebastião Oliveira (Avante), André Ferreira (PSC), Túlio Gadêlha (PDT) e Wolney Queiroz (PDT). Ao todo, foram 278 votos favoráveis e 145 contrários na Câmara. Já no Senado, 40 a favor e 33 contra. Dos senadores pernambucanos, o voto pela aprovação foi de Fernando Bezerra Coelho (MDB), que é líder do governo na Casa Alta, enquanto Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB) votaram não.

Acesso a processos – Por meio de requerimento, o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), solicitou, ontem, ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), cópias dos 127 pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Alçado à condição de novo desafeto presidencial, Ramos disse à cúpula do PL: “Não sou mais um deputado independente. Sou um deputado de oposição.” Nas redes sociais, o parlamentar voltou a rebater Bolsonaro. “O presidente é um mentiroso contumaz”, afirmou.

CURTAS

DESMONTE – De volta ao cargo de prefeito em Arcoverde, Wellington Maciel (MDB) decidiu fechar o Posto Veterinário de São Cristovão. Já a unidade do bairro de São Geraldo está na iminência de encerrar as atividades. Ambos foram inaugurados na gestão interina de Siqueirinha (PSB). Em reserva, uma fonte informou ao Blog que também há atraso de 19 dias nos salários dos trabalhadores da Saúde de Arcoverde.

ENCONTRO – O governador Paulo Câmara (PSB) discute, hoje, com o comandante do Exército Brasileiro, general Paulo Sérgio Nogueira, detalhes para instalação da Escola de Sargentos em Pernambuco. Em abril deste ano, o Estado se colocou à disposição para receber o estabelecimento de ensino, que prevê um investimento de R$ 323 milhões e um impacto positivo inicial para quase 10 mil pessoas.

 Perguntar não ofende: O Brasil vai, enfim, fugir de uma polarização em 2022?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/07


2021

Coluna da segunda-feira

Congresso desconectado do povo

Por Houldine Nascimento – interino

A grave crise econômica que o Brasil atravessa não foi suficiente para sensibilizar o Parlamento brasileiro na última quinta-feira (15), quando decidiu pelo aumento dos recursos públicos para o financiamento eleitoral no próximo ano. A medida foi aprovada no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em 2022, que determina as metas e prioridades para os gastos do governo.

Relator da proposta, o deputado federal Juscelino Filho (DEM-MA) incluiu no texto um piso correspondente a 25% da verba destinada à Justiça Eleitoral no ano que vem. Pelos cálculos de técnicos do Congresso, o valor para o fundo será de R$ 5,7 bilhões, quase o triplo dos R$ 2 bilhões gastos nas últimas eleições.

O parlamentar argumentou que “o Fundo de Financiamento de Campanha tem papel no exercício da democracia dos partidos”. O texto foi aprovado por 278 votos a 145 na Câmara, enquanto no Senado Federal, foram 40 favoráveis e 33 contrários.

É estarrecedor que o Congresso chancele um fundo eleitoral tão volumoso, sobretudo por desconsiderar a realidade do Brasil, um país extremamente desigual. São quase 15 milhões de desempregados, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e 19 milhões de pessoas em situação de fome, conforme aponta a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan).

Após a aprovação, parlamentares foram cobrados nas redes sociais. Membros da base governista chegaram a protestar contra a elevação do fundo, embora tenham votado a favor da LDO, mesmo com o jabuti. “A gente votou a favor porque, sendo governo, precisa votar com o Orçamento”, justificou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP). O texto seguiu para sanção presidencial.

“Casca de banana” – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou de “casca de banana” o fundo eleitoral de R$ 5,7 bi. A declaração foi dada em entrevista coletiva, ontem, na saída do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, após quatro dias internado. Ele saiu em defesa dos que votaram a favor da LDO e abriu a possibilidade de vetar o fundão: “Obrigado aos parlamentares que votaram a LDO. Todos eles estão sendo acusados injustamente de ter votado o fundão. Eu sigo a minha consciência, sigo a economia, e a gente vai buscar dar um bom final para isso daí. Afinal de contas, já antecipo: R$ 6 bilhões para fundo eleitoral? Pelo amor de Deus.”

Bolsonaro culpa Ramos – O chefe do Executivo responsabilizou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que conduziu a sessão da LDO na Casa, pela aprovação do fundo eleitoral. “Muitos parlamentares tentaram destacar essa questão (fundo eleitoral). O responsável por aprovar isso aí é o Marcelo Ramos lá do Amazonas, viu presidente (Arthur Lira, do PP-AL). Ele que fez isso tudo”, acusou. “Pelo amor de Deus, o estado do Amazonas ter um parlamentar como esse. Ele (Marcelo Ramos) atropelou, ignorou, passou por cima e não botou em votação o destaque”, prosseguiu.

Deputado desafia presidente – “Ele (Jair Bolsonaro) deveria é dizer que vai vetar, mas vai tentar arrumar alguém para responsabilizar também, porque é típico dele e dos filhos correrem das suas responsabilidades e obrigações”, reagiu Ramos. Em vídeo, o parlamentar foi além: “Quem encaminhou a LDO com previsão de fundo eleitoral para o Congresso foi ele, o governo dele. Quem articulou a votação na Comissão Mista do Orçamento para definir o valor foram os líderes do governo dele. Quem articulou a votação em plenário foram os líderes do governo dele. Eu só presidi a sessão e quero lembrar que não houve protestos pelos líderes do governo, nem pelo líder do partido do filho dele (Eduardo Bolsonaro, do PSL-SP) contra a votação simbólica.”

Voto impresso – Ficou para depois do recesso parlamentar a votação do parecer sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, que torna a impressão do voto obrigatória. Na última sexta-feira (16), a comissão especial que analisa o tema na Câmara chegou a se reunir, mas a sessão bastante açodada terminou sem que os 34 membros pudessem votar. Na iminência de uma derrota, o presidente da Comissão, Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), decidiu dar mais tempo ao relator Filipe Barros (PSL-PR) para que ele faça alterações no texto. Ambos são da ala bolsonarista e favoráveis à proposição. Após o anúncio, Martins, que presidia a distância, encerrou a reunião abruptamente, sob protestos de vários parlamentares de oposição. Foi chamado de “picareta” pelo deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP).

Pernambucanos na comissão – Há três deputados pernambucanos entre os titulares na Comissão: Carlos Veras (PT), Milton Coelho (PSB) e Wolney Queiroz (PDT). Ao menos os dois primeiros são contrários à mudança. “O contexto de implantar o voto impresso é de criar embaraços para a apuração das eleições de 2022, tornando o processo de apuração confuso e inconclusivo, a exemplo do que se tentou fazer nos EUA e mais recentemente no Peru”, disse Milton à coluna. Veras, por sua vez, avalia “a questão do voto impresso, geral e amplo, da forma como os governistas pretendiam, como matéria já derrotada. É possível que o relator faça uma alteração substancial, sabendo da derrota. O que importa é que a democracia, e as suas garantias, se impuseram”. O Blog procurou Wolney, mas não obteve resposta.

CURTAS

SEMIPRESIDENCIALISMO – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), tem defendido a mudança de sistema de governo por meio de uma PEC. Ele já articula com aliados a alteração e justifica que o presidencialismo virou “fonte inesgotável de crises”.

RECUPERADO – O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, publicou um vídeo de agradecimento em suas redes sociais, ontem, demonstrando estar recuperado da angioplastia para a colocação de stent. Na madrugada de sábado (17), ele se submeteu ao procedimento. Na noite anterior, teve um mal-estar enquanto viajava para Porto Seguro (BA), onde passa férias.

Perguntar não ofende: Bolsonaro vai vetar o fundão eleitoral?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/07


2021

Coluna do sabadão

Revolução no Nordeste

A crise nacional e agora a internação do presidente Bolsonaro desviaram a atenção da mídia brasileira para uma revolução que vem ocorrendo no semiárido nordestino em termos de renovação da energia limpa: a instalação das usinas solares Brígida, Bom Nome e Belmonte, no município de São José do Belmonte, no Alto Sertão pernambucano, a 428 km do Recife.

O complexo foi inaugurado na semana passada pelos ministros Bento Albuquerque, de Minas e Energia, e Gilson Machado Neto, de Turismo. O presidente queria ir, mas um evento no Rio Grande do Sul impediu a presença dele, mas o que vale, na verdade, é a magnitude do empreendimento num momento de baixos investimentos, provocado pela pandemia.

Com uma ocupação de 186,9 hectares, o complexo foi anunciado em abril de 2019 e pertence à empresa espanhola Solatio. As obras geraram 2,5 mil empregos diretos e indiretos e, juntas, as usinas possuem uma potência instalada de 810 MW, podendo abastecer cerca de 800 mil famílias. O conjunto, que já forma o maior parque solar do Brasil, deverá ser o maior da América Latina em geração solar, com cerca de R$ 3 bilhões em investimentos.

A espanhola Solatio tem sido a promotora das usinas com uma capacidade instalada de 810 MWp. A usina de Brígida adicionará 80 MW de potência ao Sistema Interligado Nacional (SIN); A usina de Bom Nome terá 130 MW e começará a operar em abril de 2022. A usina de Belmonte, que terá 600 MW de potência, está prevista para entrar em operação a partir do terceiro trimestre de 2022.

A Solatio, cuja sede na Espanha se chama Técnicos Consultores, chegou ao Brasil em 2009. É a maior empresa de projetos de energia solar fotovoltaica do Brasil, com 10 GW em andamento ou operando nos segmentos regulado, livre e de geração distribuída (GD). Entre 2021 e 2023, a Solatio planeja investir mais de 20 bilhões de reais em usinas solares fotovoltaicas somente em Minas Gerais, além de realizar investimentos adicionais em projetos solares nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Pernambuco.

Títulos verdes - A popularidade dos títulos verdes está crescendo e, de acordo com o International Financing Review, plataforma especializada no mercado financeiro, o comércio global dos chamados green bonds em 2021 ultrapassará o total do ano passado, que foi de U$ 247,5 bilhões, ainda no primeiro semestre. No Brasil, de janeiro a março, dados mais recentes disponíveis, mais de U$ 4,6 bilhões em títulos verdes foram executados. Tanto no cenário nacional quanto no internacional, grande parte desses investimentos tem o mesmo destino: o desenvolvimento de energias renováveis, com foco na energia solar.

Grande aposta – O ministro Bento Albuquerque, de Minas e Energia, está apostando na expansão de energia renovável para a próxima década. Segundo ele, o que se observa é uma redução considerável da dependência de fontes de energia hidráulica. “Hoje ainda temos uma dependência e 61% da fonte hidráulica, mas a expectativa é que diminua para 49% nos próximos 10 anos. Nós notamos a expansão das energias renováveis. Em 2014, nós praticamente não tínhamos geração de energia solar e eólica no Brasil e, até 2030, a energia renovável deverá representar 25% da nossa matriz”, afirmou.

Cuba e FHC – Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, não há justificativa para a forte repressão do regime de Cuba aos atos populares realizados no país desde o último fim de semana. Também não é plausível "jogar a culpa nos americanos", acrescenta o tucano, em referência aos representantes do regime que apontam participação dos EUA na articulação dos protestos. “Calar equivale a concordar com ela. Assim como sempre fui contra as pressões armadas e econômicas feitas contra o regime cubano, sou contra sufocar as manifestações do povo. A democracia exige respeito aos que protestam, mesmo quando se está em desacordo com o que desejam. Mormente quando lutam pela liberdade.”

De volta – O presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, que “em breve” estará “de volta a campo“. O chefe do Executivo está hospitalizado há três dias para tratar uma obstrução intestinal. Em suas redes sociais, publicou foto em que aparece andando no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde está internado. “Em breve, de volta a campo, se Deus quiser! Muito fizemos, mas ainda temos muito a fazer pelo nosso Brasil! Obrigado pelo apoio e orações. Um forte abraço a todos!”, escreveu o presidente em sua conta no Twitter.

Bloqueio econômico – O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, ex-ministro e ex-governador do Ceará, compartilhou, ontem, um vídeo em que afirma que “é preciso coragem, equilíbrio e isenção” para o povo cubano que lida com “o bloqueio econômico e a ditadura política”. Com duras críticas aos oponentes, Jair Bolsonaro e Lula, Ciro afirma não temer o debate sobre a ditadura cubana. Assista ao vídeo completo. Na publicação, o pré-candidato à Presidência escreveu que “a política externa brasileira não pode ser condescendente com o desrespeito à soberania de Cuba, como é agora no governo Bolsonaro. Nem deve seguir o figurino da política exterior do PT”.

CURTAS

Cancelou – A Câmara Municipal do Recife suspendeu, ontem, uma licitação para adquirir celulares modernos, com câmeras que gravam vídeos com qualidade de cinema (4K), e modens de internet para o uso dos vereadores e servidores. Foi unânime a decisão dos vereadores de acatar as recomendações do Ministério Público de Contas (MPCO) sobre o pregão eletrônico para renovar o contrato de serviços de telefonia móvel.

Grana braba – O Ministério Público de Contas emitiu ofício notificando a Câmara para que adiasse o processo até que fosse suspenso o estado de calamidade pública devido à pandemia da Covid-19 em Pernambuco. O valor total do contrato para 12 meses era de R$ 1.926.552. No comunicado, a Câmara disse que todos os parlamentares "concordam que o certame é transparente, lícito e segue o modelo utilizado pelo parlamento municipal desde 2001".

Perguntar não ofende: Fernando Bezerra ganha a quebra de braço com o grupo de Jarbas no controle do MDB?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/07


2021

Coluna da sexta-feira

FBC vai à guerra no MDB

Líder do Governo Bolsonaro no Senado, o pernambucano Fernando Bezerra Coelho vai guerrear dentro da executiva nacional do MDB para reverter a decisão monocrática do presidente estadual, Raul Henry, de negar a legenda ao prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, filho do senador, para disputar o Governo do Estado nas eleições do ano que vem. Uma fonte bem próxima ao presidente do diretório nacional, Baleia Rossi (SP), garante que são altíssimas as chances de FBC dar o troco.

É que, disputando com candidato próprio o Palácio do Campo das Princesas, o MDB tem condições de eleger entre três a quatro deputados federais e igual número para Assembleia Legislativa. Já batendo continência para o PSB, como deseja Henry, não elege nenhum candidato, nem mesmo o próprio Henry, que, para tentar se manter na Câmara Federal, só lhe restaria a alternativa de mudar de partido.

Em Pernambuco, o MDB, segundo visão de Baleia, está num processo de esvaziamento que tende a ser irreversível, se prevalecer a tese de Henry. Hoje, o partido só um deputado federal e um deputado estadual, 13 prefeitos e pouco mais de 100 vereadores. “Para um partido que já esteve no poder, com a maior bancada federal e a maior estadual, além da maioria expressiva dos prefeitos, um retrocesso atroz”, diz essa mesma fonte ligada a Baleia.

Henry está levando o MDB a calvar uma sepultura coletiva quando nega a legenda a Miguel e se alia ao PSB, pois além de não eleger candidatos proporcionais, tende a perder também espaço na chapa majoritária do PSB, já que os socialistas, em razão da aliança nacional em torno da candidatura de Lula ao Planalto, priorizarão o PT na montagem da chapa.

Isso é fato lógico, mas Henry, com o aval de Jarbas, seu guru e padrinho político, no ocaso da carreira, prefere se abraçar com a morte. Único deputado estadual da legenda, o ex-prefeito de Caruaru, Tony Gel, já mandou avisar que não vai participar do suicídio coletivo, estando de olho em outra legenda para disputar a reeleição.

Estados no prejuízo – A queda de arrecadação prevista com as mudanças no Imposto de Renda vai pressionar Estados e municípios, que ficarão com a maior parte dessa conta. A perda deve ficar entre R$ 23 bilhões e R$ 27 bilhões, segundo cálculos de tributaristas. Em reação, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) divulgou nota classificando a nova versão do texto como “escândalo”. O parecer do relator do projeto, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), prevê uma diminuição total da carga de até R$ 30 bilhões, resultado de medidas como o corte da alíquota do IR das empresas de 15% para 2,5%. Na prática, governadores e prefeitos assumiriam entre 77% e 90% do impacto total.

Chances de salvação – Depois de passar pelo purgatório e enxergar o inferno, o PSDB em Pernambuco parece, enfim, que alcançará a salvação política. Seus dois melhores quadros, o ex-senador Armando Monteiro Neto, e a prefeita de Caruaru, Mainha Raquel Lyra, aparecem bem posicionados nas pesquisas, o primeiro para voltar ao Senado, enquanto a gestora da capital do Agreste surge como um dos nomes preferenciais na disputa pelo Governo do Estado nas eleições de 2022.

Mulher em alta – O Senado aprovou uma proposta que impõe aos partidos a aplicação de recursos do fundo partidário na promoção de candidaturas femininas a partir de 2022. A mudança foi feita por meio de PEC relatada pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e apresentada pelo senador Carlos Fávaro (PSD-MT). O texto estabelece que cada partido deverá aplicar no mínimo 5% do fundo partidário na criação e manutenção de programas que promovam a participação política das mulheres. Os recursos poderão ser acumulados em diferentes exercícios financeiros para utilização em campanhas futuras.

Vacinação em 15% – O Brasil chegou ao número de 86.332.655 vacinados com ao menos uma dose contra a covid-19, o equivalente a 40,77% da população. Já aqueles que receberam duas doses ou dose única agora são 32.118.717, ou 15,17% da população. É a primeira vez em que o índice fica acima de 15%. Nas últimas 24 horas, foram administradas 1.580.833 doses de vacinas anti-covid. Ao todo, 912.894 pessoas receberam a primeira dose, 490.678 receberam doses de reforço e outras 177.261 foram imunizadas com uma vacina de aplicação única, representada no Brasil pelo imunizante da Janssen.

A terceira via – Presidente nacional do PSL, o deputado Luciano Bivar é um dos mais entusiasmados com o ingresso do apresentador José Luiz Datena, da Band-SP, em sua legenda. Acha que o vácuo da terceira via presidencial tem tudo para ser ocupado pela alternativa Datena. “Pode apostar. Datena vai se revelar numa grata surpresa, sendo a melhor alternativa para os que não querem a continuidade deste governo derretido e aos que não querem a volta da corrupção, do PT e de Lula”, diz.

CURTAS

COMPROVAÇÃO – A Câmara dos Deputados aprovou o projeto que suspende até 31 de dezembro de 2021 a comprovação de vida dos beneficiários junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A matéria retorna para análise do Senado. “A prova de vida presencial, num contexto de pandemia, serve como fio condutor que pode acarretar a morte daqueles que se submetem ao risco de contágio para não comprometer sua renda”, argumentou o relator da matéria, deputado Danilo Cabral (PSB-PE).

CEARÁ TEM DISSO – O Ceará tem a segunda maior taxa de óbitos associados ao consumo abusivo de álcool do Brasil: são 38,2 mortes por 100 mil habitantes, atrás apenas de Sergipe, com 39,3/100 mil. A taxa do País é de 32,6 óbitos/100 mil. Uma a cada quatro (25%) dessas mortes entre cearenses é causada por violência interpessoal, que inclui brigas e homicídios, por exemplo.

Perguntar não ofende: O Congresso aprova a reforma política ou as regras eleitorais de 20 vão prevalecer em 22?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores