Ipojuca 2021 IPTU

05/03


2021

Coluna da sexta-feira

Prefiro ouvir Beethoven

Não dá para deixar de reconhecer que a pandemia chegou, depois de um ano de instalada no País, a um estágio dos mais graves e preocupantes, com UTIS saturadas, filas enormes para atendimento nas emergências, enfim, um quadro que, infelizmente, parece ser mais angustiante que se possa imaginar. Mais dramático se apresenta nos telejornais.

Ouço, no dia a dia, depoimentos de pessoas que não conseguem dormir depois de assistir ao Jornal Nacional, da TV-Globo. A linha adotada pela emissora beira ao terrorismo. Há muito, aliás desde março do ano passado, que não vejo TV. Embora jornalista, por ofício obrigado a me inteirar de tudo, prefiro buscar informações pela internet.

TV, do nível em que se encontra hoje a Globo, não me faz a menor falta. Não digo que a Globo é lixo para não me acusarem de bolsonarista, mas a sua linha editorial na pandemia me assusta, por isso mesmo prefiro manter distância. E quanto mais os tempos se agudizam mais assombração invadindo os lares de todos os brasileiros, sem distinção. “Quanto vejo o JN fico com a sensação que vou morrer”, confessou um colega de profissão.

Como não sou obrigado a pegar o controle na sintonização da poderosa, recorro aos melhores sites e portais do País, leio opiniões abalizadas, principalmente de médicos e cientistas, para me inteirar de tudo que na TV chega em versão apocalítica, anunciando o fim do mundo, que ninguém vai escapar da morte anunciada. Depois relaxo, leio bons livros, ouço música.

As pessoas me dizem que assistem ao JN ingerindo tranquilizantes e quando o telejornal acaba ficam extremamente tensas, veem a morte à frente, demônios e alucinações. Como não sou masoquista, prefiro um clássico de Beethoven. Cai como um bálsamo, suaviza a alma, o resumo da sua obra é a liberdade, um gênio, querubim que se ergue diante de Deus com as suas sinfonias.

Mais fiscalização – Diante da piora dos números da pandemia de Covid-19, o Governo de Pernambuco anunciou, ontem, que vai reforçar a fiscalização para coibir o descumprimento de restrições para evitar o contágio. Serão 3,4 mil plantões a mais de policiais em todo o Estado. Em pronunciamento transmitido pela internet, o secretário-executivo de Defesa Social, Humberto Freire, afirmou que, além do reforço no número de policiais nas ruas, foi combinado com os municípios do litoral uma fiscalização mais efetiva nas praias e parques.

Debaixo da cama – O presidente Bolsonaro se irritou ao ser questionado por um apoiador sobre a vacinação contra o coronavírus, ontem, em Uberlândia (MG). Bolsonaro criticou a imprensa e declarou que “não tem [vacina] pra vender no mundo”. Em conversa com apoiadores, ele também voltou a criticar as medidas de isolamento social que buscam conter o avanço da pandemia. “Eu tenho dito há muito tempo que os problemas temos que enfrentar, não adianta ir para debaixo da cama”, disse.

PEC emergencial – O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse, ontem, que pretende colocar a PEC emergencial em votação na Câmara na próxima semana. O texto foi aprovado no Senado, e, agora, deve ser analisado pelos deputados. “Não é justo que a PEC saia hoje do Senado e a Câmara tenha que votar hoje ou amanhã sem discutir. O Senado levou um tempo maior”, disse Lira. Segundo ele, a ideia é mostrar a proposta aos deputados para poder fazer a discussão em plenário na próxima terça-feira. E, se possível, votar a admissibilidade do projeto.

Carta de cobrança – Um grupo de 14 governadores enviou carta ao presidente Jair Bolsonaro cobrando a "imediata adoção de providências necessárias" para viabilizar a compra de vacinas contra a covid-19. Os governadores dizem que os Estados estão envidando todos os esforços para enfrentar o aumento de casos e mortes relacionadas ao novo coronavírus e que estão "no limite de suas forças e possibilidades". Cobram do governo que aja com celeridade, afirmam que não há espaço para "procrastinar" ações e procedimentos e alertam que "o futuro não nos julgará com benevolência".

Cronograma – Na entrevista que concedeu, ontem, ao Frente a Frente, o presidente reconduzido da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), admitiu que o Governo Bolsonaro está super atrasado na administração da vacina contra a covid, mas disse confiar na palavra do ministro da Saúde, com quem teve uma videoconferência, no cumprimento do cronograma completo da compra de 415 milhões de doses. “O movimento municipalista espera que o Ministério da Saúde siga o pacto federativo e, consequentemente, fortaleça o SUS e o Plano Nacional de Imunização”, disse.

CURTAS

ESTOQUE – Patriota esclareceu, também, que os Estados e Municípios só poderão comprar vacina para doar ao estoque da União, dentro do Programa Nacional de Vacinação. “Estados e municípios não terão autonomia na realização da própria vacinação, que é atribuição da União”, alertou. Quanto aos prefeitos que aderiram ao consórcio para compra da vacina, informou que qualquer quantidade adquirida tem que ser repassada ao Conselho do Ministério da Saúde para reforçar o estoque em nível nacional.

PREFEITO RELAPSO – O cardiologista Edmilson Henauth (PCdoB), que disputou à Prefeitura de Bonito, no Agreste pernambucano, nas eleições passadas, foi às redes sociais, ontem, criticar o prefeito Gustavo Adolfo (PSB). De acordo com o médico, o atual gestor fechou uma Unidade de Pronto-Atendimento, que era utilizada para receber pacientes com suspeita de Covid-19. "O prefeito insiste em não cumprir a decisão judicial de fazer funcionar a UPA do nosso município", afirma.

Perguntar não ofende: Por que o PSB faz vista grossa a Sileno no uso da máquina do partido para tentar se eleger deputado estadual?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ciro Gomes. Bolsonaro sempre foi corrupto! E o pior: corrompeu os filhos desde jovens. Não demora e todo o Brasil vai perceber que somos governados por uma quadrilha! Quem tá achando bom é marcos de camaragibe mamador de piroca e queima a rosca. Ui o barraco está só começando, Pega fogo o Cabaré Direitopatas. kkkkkkkkk

marcos

Ciro Gomes o ídolo da esquerda e dos idiotas úteis. Kkkkkkkkk

Fernandes

Ciro Gomes. Bolsonaro sempre foi corrupto! E o pior: corrompeu os filhos desde jovens. Não demora e todo o Brasil vai perceber que somos governados por uma quadrilha! Quem tá achando bom é marcos de camaragibe mamador de piroca e queima a rosca. Ui o barraco está só começando, Pega fogo o Cabaré Direitopatas. kkkkkkkkk

marcos

China exige teste anal para Covid nos estrangeiros que chegarem ao pais. Fernado Haddad já comprou 30 passagens para Pequim. kkkkk

marcos

Bolsonaro se tornou um perigo para o planeta... Bolsonaro já testou Negativo para o Covid-19. No momento quem testa positivo é Dória, Flávio Dino, Camilo Santana e Lula. Simples assim.


Petrolina abril 2021

Confira as últimas colunas

10/04


2021

Coluna do sabadão

Criminalização injusta

A criminalização da política no Brasil, especialmente após os mega escândalos na República gerados na era petista, entre os governos Lula e Dilma, se espalhou de forma tão contagiosa no seio da sociedade que assusta, provoca calafrios e horror. Mas tem que haver por parte da mesma sociedade, entretanto, uma permanente vigilância contra o discurso prejudicial a quem venha a ser atingido de morte ferida injustamente, sem culpa no cartório, sem dolo ou pecado.

Um caso simbólico, lembro bem, se deu com o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Ibsen Pinheiro. Investigado pela CPI dos Anões do Orçamento, teve seu mandato cassado em 1994. Quatro anos após, em 1999, o Supremo Tribunal Federal arquivou a denúncia e a considerou insatisfatória, sem consistência em nenhuma prova. Dois anos antes, em 1992, Ibsen havia presidido a sessão que autorizou a abertura do processo de impeachment contra o então presidente Fernando Collor de Melo.

Em 2003, Ibsen voltou à política como secretário de Comunicação do governo Germano Rigotto, no Rio Grande do Sul, depois de trabalhar como professor, diretor de clube de futebol, jornalista e comentarista esportivo. Em 2004, foi o vereador mais votado em Porto Alegre. "Foi um resultado de lavar a alma", comemorou à época. Na eleição de 2006, Ibsen recebeu 76.165 votos e voltou à Câmara dos Deputados consagrado.

Por isso, a criminalização da classe política sem provas provoca danos irreparáveis. Em Pernambuco, o deputado federal Sebastião Oliveira, atual líder do Avante na Câmara, que o diga. Sofreu um ataque covarde e injusto há um ano, resultado de uma ação da Polícia Federal de investigação de uma obra na BR-101 quando secretário dos Transportes. Teve suas contas devassadas, seu celular recolhido, sua vida privada invadida.

Quarta-feira passada, porém, praticamente com um ano do ocorrido, a própria PF comprovou que Sebá, como o parlamentar é conhecido, não teve nenhum envolvimento. E agora, não cabia ao deputado entrar com uma ação por perdas e danos contra a Polícia Federal, que o constrangeu em cima de uma denúncia do “ouvi dizer”?

Deputado estadual por três mandatos, secretário de Transportes de Pernambuco em duas ocasiões e, atualmente, no exercício do segundo mandato na Câmara Federal, Sebá disse, ontem, ao blog, que não esperava outro resultado do relatório final da Polícia Federal, que não fosse o que aponta a total ausência de provas em relação à sua pessoa - que de fato aconteceu. A investigação minuciosa realizada pela Polícia Federal, que durou mais de um ano e culminou com a conclusão da sua inocência, fez uma varredura na vida do parlamentar, que foi exaustivamente exposta à opinião pública pela mídia.

Sigilos bancário, fiscal e telefônico foram quebrados.  E, na medida que a investigação avançava, ficava mais claro que o parlamentar, que sempre colaborou com o trabalho investigativo, era inocente. “Momentos difíceis foram enfrentados, mas a consciência tranquila, a serenidade e a confiança foram minhas aliadas”, desabafa. Por sua vez, em investigação paralela, o Tribunal de Contas da União (TCU) não imputou qualquer tipo de irregularidade ligada ao nome dele.

No relatório do principal órgão de controle da esfera Federal, apenas a constatação apenas de erros formais e, que, em nenhum momento, representaram sobrepreço na obra da BR-101. “Tal conclusão comprova a lisura do processo. A prova disso é que a intervenção jamais foi paralisada, pois o TCU entendeu que os problemas encontrados não justificavam uma decisão desta natureza. Sendo assim, os serviços prosseguiram normalmente”, destacou.

Ciente de sua responsabilidade com a cidadania pernambucana, o parlamentar reforça os compromissos com a probidade e a luta incansável pelos interesses do Estado. A sua inocência, apesar de esperada, renova as suas energias para continuar atuando em prol da melhoria de vida do povo pernambucano, sobretudo, dos sertanejos e dos mais necessitados. “Homem devoto de Nossa Senhora, Oliveira acredito piamente que “Conhecendo a verdade, ela vos libertará”, afirmou.

Obra mais barata – Ainda sobre o Tribunal de Contas da União, ao tomar conhecimento da Medida Cautelar emitida pelo órgão, Sebastião Oliveira, imediatamente, montou uma equipe de monitoramento, que tinha como prioridade atender às demandas que, por ventura, surgissem do TCU. O que sempre foi feito. “É importante destacar que a obra viária da BR-101, orçada inicialmente pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes em R$ 250 milhões, foi licitada pela Secretaria de Transportes de Pernambuco, sob a gestão de Sebastião Oliveira, por R$ 192 milhões, o que resultou na economia de R$ 58 milhões aos cofres públicos.

Injustiçado – Em quase 20 anos dedicados à vida pública – Executivo e Legislativo –, Sebastião Oliveira nunca respondeu a qualquer tipo de processo, seja penal ou civil, assim como, nunca teve uma conta rejeitada. Zelar pelo patrimônio público sempre norteou a sua conduta, cuja trajetória é marcada pela cooperação com as atividades investigativas da Polícia e do Ministério Público, pois considera e trabalha para que a corrupção seja combatida com vigor, desde que não haja a penetração de injustiças.

Bolsonaro ataca – O presidente Jair Bolsonaro afirmou que “falta coragem” ao ministro Luís Roberto Barroso, do STF, e sobra a ele “ativismo judicial”. O comentário foi feito na manhã de ontem a apoiadores. Bolsonaro comentava a decisão do ministro que obriga o Senado a instalar a CPI da Covid para investigar as ações do governo federal no combate à pandemia. “Pelo que me parece, falta coragem moral para o Barroso e sobra ativismo judicial “, disse o presidente. E completou: “Não é disso que o Brasil precisa. Vivendo um momento crítico de pandemia, pessoas morrem. E o ministro do Supremo Tribunal Federal faz politicalha junto ao Senado Federal “.

Supremo rebate – O Supremo Tribunal Federal cobrou “espírito republicano” depois de o presidente Jair Bolsonaro ter acusado o ministro Luís Roberto Barroso de praticar “politicalha” e “ativismo judicial”. Em nota, o Supremo disse que questionamentos a decisões da Corte “devem ser feitos nas vias recursais próprias”. “O Supremo Tribunal Federal reitera que os ministros que compõem a Corte tomam decisões conforme a Constituição e as leis e que, dentro do Estado democrático de Direito, questionamentos a elas devem ser feitos nas vias recursais próprias, contribuindo para que o espírito republicano prevaleça em nosso país”, diz o texto.

João gotinha – O ritmo de vacinação contra a Covid-19 está bastante avançado no Recife e tem chamado atenção e despertado ciúme. Acabou levantando suspeitas em prefeitos, especialmente dos que estão situados no campo da oposição. Em reserva, alguns deles falam em benefício do Governo à gestão de João Campos (PSB). O incômodo tem sido tão grande a ponto de uma montagem com o gestor recifense, em tom sarcástico, passar a circular em grupos de WhatsApp. Um prefeito chegou a apelidá-lo de "João Gotinha", uma associação jocosa ao Zé Gotinha, histórico mascote utilizado pelo Governo Federal em campanhas de vacinação.

CURTAS

PARA 62 ANOS – O prefeito João Campos, aliás, anunciou, ontem, a ampliação da campanha de vacinação contra a Covid-19 para idosos com idades entre 62 e 63 anos. O agendamento, feito pela internet ou por meio da ferramenta Conecta Recife, começou às 12h e a aplicação das doses poderá ser feita a partir de hoje. As doses serão aplicadas nos centros de vacinação da prefeitura, incluindo os do modelo drive-thru, sem a necessidade de sair do carro.

MAIS VACINAS – O Banco Mundial vai destinar US$ 2 bilhões em financiamento para a compra, o desenvolvimento e a fabricação de vacinas até o final de abril, segundo anunciou, ontem, o diretor-gerente de operações da instituição, Axel Van Trotsenburg, acrescentando que mais de 40 países estão envolvidos nesse esforço. Já o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu vontade política para intensificar a produção de vacinas contra Covid-19 e compartilhar suprimentos.

Perguntar não ofende: O governador Paulo Câmara está privilegiando João Campos nos lotes da vacina anti Covid?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É SÓ ELE SER ACUADO QUE ELE VOLTA COM A CLOROQUINA, VOTO IMPRESSO, GOLPE MILITAR, ATAQUES AO SUPREMO, A VENEZUELA, FALTA DE PAGAMENTO AOS SERVIDORES E NÃO USA MÁSCARA. O BOZO É PREVISÍVEL!

Fernandes

Moro destruiu Brasil. Bolsonaro o sepultou.

Fernandes

Pra mim, falou que é cidadão de bem, fiel à Deus e de família tradicional. Eu já sei que a pessoa não vale nada

Fernandes

Brasil de Luto! 350 mil mortes por covid, 17 dias depois da marca de 300 mil.

Fernandes

Bom Dia, sobreviventes do desgoverno bolsonarista. Manter a esperança na retomada da democracia é um ato de resistência. Esquerda Segue Esquerda.


ALEPE

09/04


2021

Coluna da sexta-feira

A resiliente Folha

Em meio às profundas mutações que o jornalismo impresso vem sofrendo no mundo, decorrência do avanço das plataformas digitais, a Folha de Pernambuco completou, sábado passado, seu 23º aniversário num cenário ímpar, no qual o seu principal concorrente, o Jornal do Commercio, virou 100% digital, deixando de chegar em papel aos assinantes, suspendendo, consequentemente, a venda avulsa nas bancas.

A vitalidade da Folha e a forte resistência se dão, naturalmente, à visão empreendedora e ao dinamismo do empresário Eduardo Monteiro, seu presidente. Corajoso e obstinado, Eduardo abriu o jornal depois de uma experiência bem-sucedida à frente do Diário de Pernambuco. Com isso, criou a terceira via impressa no Estado e logo na largada o periódico virou fenômeno de venda avulsa, caindo na graça do povo.

“A Folha de Pernambuco é um jornal que enfrentou e enfrenta todos os tipos de adversidades. Mas é resiliente. Não se dobra. Adapta-se às mudanças. Foi assim quando a criamos, enfrentando um mercado onde existiam dois jornais em circulação no Estado, um secular e outro em vias de ser centenário. Nascemos. Criamos nosso espaço. Nos consolidamos em meio às inúmeras crises econômicas e políticas. Fomos resilientes”, diz Eduardo.

E acrescenta: “Chegamos à maturidade. Mudamos a direção das velas. Modificamos radicalmente nossa linha editorial. Podemos ter perdido alguma fatia de mercado, mas ganhamos outras. Não nos abalamos. Seguimos resilientes. Fizemos o mesmo ao mudar nosso formato de standard para berliner”. Em editorial na primeira página da edição comemorativa, Eduardo Monteiro foi mais além.

“Economia no custo do papel que compramos em dólar? Sim! Mais uma prova do quanto podemos ser resilientes. O digital, que já vinha se avizinhando, chegou como prova, diria, cabal. E mais uma vez fomos testados. E mais uma vez não nos apequenamos. Evoluímos. Se há algo que essa pandemia nos ensinou foi a sermos fortes. A sermos resilientes. A Folha de Pernambuco se manterá nas bancas e em todos os canais digitais”, disse.

Disse, ainda: “Joãos, Josés e Marias vão encontrá-la no jornal impresso, que é rodado na gráfica da nossa sede, no Bairro do Recife, há exatos 23 anos. Mas a nossa presença também é forte em outras plataformas. A Folha está no portal, nas redes sociais, no rádio. Onde você estiver, a Folha está. Basta acessar o seu smartphone. E todo esse conteúdo diário que vocês encontram nos vários meios de difusão da notícia é feito com esforço, por pessoas resilientes. Dos que manejam as máquinas, dos que buscam informações e as compartilham, dos que fotografam os fatos, dos que se ocupam em comercializar seus espaços publicitários, dos que a dirigem”.

E completou: “São muitas mãos, muitas histórias de resiliência. Na contramão de outros jornais, neste Domingo de Páscoa reafirmamos nossa força. Nossa crença em dias melhores. Nossa certeza de que estaremos aqui, no Bairro do Recife, rodando nosso jornal impresso dia após dia e atualizando nosso portal e redes sociais minuto a minuto, porque o nosso maior compromisso é com você, o nosso leitor. E a você, desejamos resiliência e uma Páscoa de fé e esperança em melhores dias!”

Na berlinda – Apesar de ter sido prestigiado por Jair Bolsonaro na última quarta-feira em jantar com empresários, o ministro da Economia, Paulo Guedes, permanece sob fogo cerrado do Centrão. Os deputados e senadores do Centrão (grupo de partidos sem coloração ideológica clara que adere aos mais variados governos) e de partidos adjacentes pró-Bolsonaro afirmam que o Orçamento, com alguns ajustes propostos (corte de R$ 13,5 bilhões), fica 100% legal e não fura o teto de gastos nem a Lei de Responsabilidade Fiscal. Guedes disse ao presidente que o corte deve ser na casa de R$ 30 bilhões. Bolsonaro terá de arbitrar.

Ciro ignorado – Ninguém no PT levou a sério as declarações do presidenciável Ciro Gomes, do PDT, de sugerir o ex-presidente Lula a seguir o exemplo da ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que abriu mão da disputa e entrou na chapa como vice do presidente Alberto Fernández. Ao se espelhar nesse exemplo, Ciro insinuou, na verdade, em ter Lula como seu vice. “Ciro não merece mais resposta”, disse o deputado Alencar Santana (PT-SP). “Se ele for democrata, apoiará o Lula em um eventual 2º turno”, declarou.

PDT aplaude – Já o deputado pedetista cearense Eduardo Bismarck disse acha, por outro lado, que Ciro Gomes joga para as esquerdas não permitirem, com a divisão, a reeleição do presidente Bolsonaro. “Se o Lula insistir na candidatura dele, e o PT insistir, estarão dando novamente a eleição do Bolsonaro, agora a reeleição. Se o Lula não tivesse insistido na candidatura do Haddad na eleição passada o Bolsonaro não era presidente”, afirmou. “O PT vive da rejeição do Bolsonaro e o Bolsonaro da rejeição do PT”, disse, por sua vez, o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS).

Lula cresce – Desde a decisão de Fachin, Lula conquistou 739 mil novos seguidores nos seus perfis oficiais no Twitter, Facebook, Instagram e Youtube. A média de novos seguidores por dia é de 24.549, contra 5.131 aliados digitais da média anterior (1º de janeiro de 2019 a 7 de março deste ano). Já o ex-ministro Ciro Gomes ganhou 2.570 seguidores a cada 24 horas no mesmo intervalo. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ganhou 1.987 e o ex-ministro Sergio Moro ficou com 306 por dia. Nomes fora da polarização, como o governador João Doria e o ex-ministro Sergio Moro, têm dificuldade de chamar atenção da opinião pública digital.

O PSB é assim – Alvo da Polícia Federal na operação Apneia, o ex-secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, vai atuar na Secretaria Estadual de Saúde. Sua nomeação no gabinete de André Longo, titular da SES-PE, foi publicada no Diário Oficial de Pernambuco, hoje. De acordo com portaria que traz a assinatura da secretária executiva de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde de Pernambuco, Fernanda Tavares Costa de Sousa, a nomeação é retroativa a 1º de fevereiro. Correia atuou como titular da Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife entre 2013 e 2020, durante a gestão do prefeito Geraldo Júlio (PSB).

CURTAS

O CASO – No ano passado, a PF investigou o então secretário por irregularidades na compra de 500 respiradores, que não tinham a aprovação da Anvisa, ao custo de R$ 11,5 milhões. A contratação à época foi feita com a MEI Juvanete Freire, que trabalhava no segmento veterinário. O Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO) também fez denúncias a respeito do manejo dos recursos destinados pelo Governo Federal no combate à Covid-19.

ADIADA – Em ofício elaborado em conjunto hoje, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado (SJDH) e o Procon Pernambuco suspenderam as eleições da União dos Vereadores de Pernambuco (UVP), prevista para ocorrer na próxima segunda-feira (12), no Hotel Canarius D'Gaibu, no Cabo. O documento é assinado pelo secretário de Justiça, Pedro Eurico (SJDH), pelo gerente geral do Procon, Helder Rômulo, e pela gerente de fiscalização Maria Danyelle Sena.

Perguntar não ofende: Na conferência entre as cúpulas do PSB e PT, anteontem, foi reatado o casamento para 22?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

DOUTOR JAIRINHO DEIXA A LIÇÃO. nunca deixe uma criança sozinha com um cidadão de bem!

marcos

Esse verme bolsonaro vai ser Exterminado junto com sua família e os seus apoiadores. Nehemias Fernandes o Nazista do Cabo de Santo Agostinho 05/04/21.

Fernandes

Esse Hitler é aquele NaziSta que igual a Bolsonaro e marcos de camaragibe gosta de Exterminar pessoas?

marcos

Esse Hitler é aquele NaziSta que igual a Nehemias Fernandes gosta de Exterminar pessoas?

Fernandes

Boa Noite, sobreviventes do desgoverno bolsonarista. Manter a esperança na retomada da democracia é um ato de resistência. Esquerda Segue Esquerda.


Bandeirantes 2021

08/04


2021

Coluna da quinta-feira

O orgasmo do furo

Não costumo comemorar datas de louvação a qualquer categoria, muito menos a minha, como o Dia do Jornalista, transcorrido no 7 de abril de ontem. Mas aproveito a deixa para uma reflexão sobre as profundas mudanças que a era da internet provocaram no exercício da profissão. Sou da geração do jornalismo impresso.

Comecei escrevendo em máquinas de datilografia, fiz jornal mimeografado, que tinha cheiro de álcool, vibrei com a chegada do telex e depois do fac-símile, instrumentos essenciais para retransmissão das notícias para o jornal, já que passei boa parte da minha carreira como correspondente, do interior de Pernambuco, na largada, ao Planalto Central, Brasília, minha universidade da praticidade.

Com a chegada de novas tecnologias, os meios de comunicação, especialmente o jornal impresso, sofreram redefinições na sua forma de fazer jornalismo. TVs por assinatura com canais de programas exclusivos têm afastado o telespectador da programação em TV aberta. Aplicativos de músicas com a possibilidade de criar uma seleção e jornais online afetaram a lógica produtiva do rádio e do próprio jornal impresso, este com os dias contados.

Os jornais impressos travam uma luta inglória para se reinventar no mercado atual. O papel-jornal utilizado na produção do impresso, mão de obra qualificada e distribuição tem elevado o custo da assinatura diária. Com as facilidades que o mundo da internet apresenta, a busca por informação ficou ainda mais acessível e, assim, os jornais foram induzidos a buscarem soluções para acompanhar as mídias e manter os seus leitores.

Entre as estratégias para aproximar o leitor da redação, os meios de comunicação criaram páginas nas principais redes sociais, como Facebook, Instagram e Twitter, além de aplicativos disponíveis para Android e iOS. Assim, através das mídias online, anunciam a notícia com as principais informações e o link direcionando o leitor para outros detalhes, reservando às páginas impressas a reportagem completa, mais contextualizada.

Do mesmo modo, foram criados sites, onde os leitores encontram notícias nacionais e regionais, além de acompanhar o fato em tempo real por meio de vídeos e imagens. O jornal impresso, nos dias atuais, limita bastante a distribuição de seu conteúdo ao espaço físico e o compartilhamento de informações se dá apenas por meio da comunicação verbal entre os leitores.

Já no meio virtual, não há barreiras para que o seu conteúdo alcance vários usuários, uma vez que o conteúdo está disponível nas páginas da web e também pode ser compartilhado nas redes sociais. Seja qual for o canal do exercício da profissão, o jornalista tem que ter a enorme capacidade de exercer o ofício com a exata noção e consciência de que jornalismo é noticiar aquilo que alguém se sinta contrariado. O resto é publicidade.

Gabriel Garcia Márquez dizia que jornalismo é uma paixão insaciável e fala que todo jornalista tem que sentir o orgasmo do furo, viver a palpitação sobrenatural da notícia. Sou daqueles que enxergam que sem jornalismo não há revolução, ou como disse Cláudio Abramo: a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter estão no bom jornalismo.

Orçamento polêmico – O Tribunal de Contas da União vai analisar representações do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e de um grupo de deputados de que haveria ilegalidades no Orçamento aprovado pelo Congresso. A análise foi aceita em caráter preliminar, que ainda não inclui o mérito da ação. “A matéria presente nos dois expedientes acostados nos presentes autos insere-se no contexto de representação referida no art. 237 do Regimento Interno do TCU, segundo o qual os congressistas têm legitimidade para representar a esta Corte de Contas”, informou o documento. “Há, nos documentos endereçados aos presentes autos, elementos de densa relevância e de caráter transversal”, prossegue o documento.

Leitos das forças – O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) entrou, ontem, com uma ação na Justiça para que leitos de hospitais das Forças Armadas sejam liberados para atender a população geral na pandemia por meio de convênio com o SUS. Essas instituições têm estruturas de saúde próprias para atender às suas tropas e demais funcionários. A vacância nesses hospitais chegaria a 85%, com leitos reservados para militares. Esses leitos não são necessariamente de UTI (unidade de terapia intensiva), os mais demandados no atual momento de recrudescimento da pandemia.

Dinheiro da Globo – Em conversa com apoiadores diante do Palácio da Alvorada, o presidente Bolsonaro citou, ontem, a ‘inimiga’ Globo em declaração controversa. “Eu resolvo o problema do vírus em poucos minutos. É só pegar o que os governos pagavam no passado para a Globo, para a ‘Folha’, ‘Estado de S. Paulo’. Esse dinheiro não é para a imprensa. Esse dinheiro era pra outras coisas”, disse. O presidente cumpriu a promessa de campanha de reduzir a publicidade estatal na emissora da família Marinho. O corte foi de 60%. Do primeiro mandato de Lula, iniciado em 2003, até o final da Presidência de Michel Temer, em 2018, a Globo faturou em média R$ 400 milhões por ano com verbas ligadas ao governo federal.

Petrolina no leilão – O aeroporto de Petrolina foi incluído, ontem, no leilão de 22 equipamentos da mesma modalidade, que atraiu interessados para todos os três blocos, garantindo ao Governo federal uma arrecadação inicial de R$ 3,302 bilhões. Segundo o Ministério da Infraestrutura, o ágio médio foi de 3.822%, o que representou uma arrecadação R$ 3,1 bilhões acima do mínimo fixado pelo edital para o valor de contribuição inicial (R$ 186,2 milhões). Além do valor à vista, as regras do leilão preveem uma outorga variável, a ser paga a partir do quinto ano de contrato até o fim da concessão.

O maior lote – Sete consórcios diferentes participaram do certame, mas a grande vencedora foi a CCR, que arrematou dois dos três blocos ofertados pelo governo. Por meio da subsidiária Companhia de Participação em Concessões, a empresa deu um lance de R$ 2,128 bilhões no lote Sul, com ágio de 1.534%. Esse bloco é composto pelos aeroportos de Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC), Londrina (PR), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS). O lance mínimo era de R$ 130,2 milhões. O outro lote vencido pela CCR foi o Central, que inclui os terminais de Goiânia (GO), São Luís (MA), Teresina (PI), Palmas (TO), Petrolina (PE) e Imperatriz (MA). Nesse bloco, a proposta da empresa foi de R$ 754 milhões – um ágio de 9.156% ante o lance mínimo de R$ 8,1 milhões.

CURTAS

BRONCA – O presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, que é "inadmissível" a Petrobrás reajustar o preço do gás natural em 39%, como anunciado nesta semana. Se dirigindo ao general Joaquim Silva e Luna, escolhido por ele para assumir a estatal, o presidente defendeu que haja previsibilidade sobre reajustes: "Podemos mudar esta política de preços lá", afirmou.

MONTADORAS – A combinação do aumento de casos de covid-19 com a falta de componentes levou ao fechamento de metade das 60 fábricas de montadoras no País nas últimas duas semanas e 65 mil funcionários ficaram em casa, o equivalente a 60% da mão de obra do setor, sem contar o pessoal que já estava em home-office. A maioria retomou atividades na última segunda-feira, mas dez seguem fechadas, com um total de cinco mil trabalhadores em licença ou férias coletivas.

Perguntar não ofende: Quem é o prefeito de Paulista: Yves Ribeiro ou Jorge Carrero?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Lula foi rebaixado à vice por Ciro! Ui

Fernandes

Ciro Gomes, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão . No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

marcos

Que fique bem claro, Lula é Ladrão.

Fernandes

Boa noite, sobreviventes do desgoverno bolsonarista. Manter a esperança na retomada da democracia é um ato de resistência. Esquerda Segue Esquerda.

Fernandes

Dr. Jairinho é evangélico.



07/04


2021

Coluna da quarta-feira

Ciro quer Lula na vice

Sentindo que será, mais uma vez, traído, desta vez pelo PDT, na condição de pré-candidato ao Planalto, o ex-ministro Ciro Gomes apresentou, ontem, uma proposta sui generis. Quer o ex-presidente Lula fora da disputa em 2022, como cabeça de chapa. Deseja a sua companhia de outra forma, como seu vice. Lula é tão bestinha mesmo para cair nessa!

Ocorreu durante debate sobre a proposta de reforma administrativa em discussão no Congresso. Ciro sugeriu que o ex-presidente petista não dispute as eleições de 2022 como candidato a presidente, em prol de uma aliança contra Bolsonaro. Fez a ressalva que Lula deve se espelhar no exemplo de Cristina Kirchner, na Argentina, que deu um “passo para trás” e aceitou ser vice de Alberto Fernández, atual presidente argentino.

“A gente devia pedir generosidade a quem já teve oportunidade, como o Lula, que é um grande líder da história brasileira, mas a gente devia pedir a ele que se compenetrasse e que não imitasse o exemplo desastrado do Maduro na Venezuela ou o exemplo desastrado do Evo Morales na Bolívia. E que olhasse o que a Cristina Kirchner fez na Argentina, em que, tendo uma força grande, deu um passo pra trás e ajudou a Argentina a se reconciliar”, afirmou.

O ex-ministro citou a corrupção que marcou a gestão petista, o que, segundo ele, poderia minar a campanha de Lula. “Imaginem vocês uma campanha em 2022, o Bolsonaro querendo se recuperar da impopularidade, a lembrar da esculhambação do Palocci, a esculhambação do Zé Dirceu, a esculhambação não sei de quem. Eu não digo nem que seja verdade ou que seja mentira, eu estou dizendo é o que eu estou vendo pela minha experiência”, disse.

“É fazer de novo a campanha antipetista em cima dos exemplos”. Ciro Gomes já foi deputado, prefeito, governador e ministro, e disputou a eleição presidencial de 2018, da qual Bolsonaro saiu vitorioso. Está filiado ao PDT e sonha em ter o PSB como aliado. Um dos seus maiores entusiastas é o prefeito do Recife, João Campos, mas foi o pai dele, o ex-governador Eduardo Campos, que puxou o tapete de Ciro quanto este queria a legenda para disputar o Planalto.

Desastre – “Derrotar Bolsonaro é muito importante, não por ódio a ele, mas para derrotar o desastre que ele está produzindo, na saúde, na economia, na relação internacional, em que o Brasil está desmoralizado”. Para isso, ressaltou, o Brasil precisa de projetos nacionais, e uma “ampla aliança” política poderia ser o meio para atingir esse objetivo. “Quem vai operar esse novo projeto nacional é a política, uma nova e ampla aliança, generosa aliança que vai permitir ao Brasil se reconciliar consigo mesmo”. Ciro ainda disse que “botar uma coisa nova no lugar” de Bolsonaro é uma função “mais difícil e que pede muita reconciliação”.

O novo Pinóquio – Vereador em Sertânia pelo PSB, Antônio Henrique, o Fiapo, virou motivo da galhofa, ontem, no Sertão do Moxotó. Ao bajular a secretária de Infraestrutura, Fernandha Batista, disse que o segundo trecho da estrada que liga o seu município a Cruzeiro do Nordeste estava em obras tapa-buraco. Virou o novo Pinóquio e passou a concorrer com a própria secretária, que mente descaradamente quanto à situação das estradas na região. Mas a piada que se espalha é que Fiapo só vai ao Recife pela estrada de Monteiro (PB), um tapete em relação à que está abandonada. Por isso, não conhece a buraqueira dos 12 km inacabados no trecho Sertânia/Placas. Tem sentido!

IR prorrogado – O Senado aprovou, ontem, o adiamento do prazo para a declaração do Imposto de Renda em 2021 por causa da pandemia de covid-19. O texto adia o cronograma em 91 dias para 31 de julho e já foi aprovado pela Câmara, mas como houve mudança no texto, precisará passar pela análise dos deputados novamente. O prazo para entrega das declarações das pessoas físicas, alvo do projeto, se encerra em 30 de abril. O cronograma de restituições não mudará, com o 1º lote sendo entregue em 31 de maio. O texto autoriza ainda o pagamento da cota única ou das cotas vencidas até 31 de julho sem acréscimo de juros ou penalidade de qualquer natureza.

O caloteiro e o traidor – Ex-aliado histórico do prefeito de Paulista, Yves Ribeiro (MDB), de quem foi vice na gestão anterior, Dufles Pires (PL) acusa o gestor de caloteiro. “Ele não paga o aluguel de uma casa de minha propriedade há três meses, no valor de R$ 3,2 mil”, afirmou. Segundo Dufles, que enviou uma carta de cobrança ao próprio prefeito, o imóvel está alugado pela Prefeitura desde 2017, servindo para uma clínica de acompanhamento terapêutico. Na carta, Dufles pede que o prefeito desocupe o imóvel de imediato. “Mas, ele não dá a menor satisfação”, disse o ex-vice. Dufles afirma que, a partir de agora, será o maior opositor ao que chama de “desgoverno” de Paulista. “Na verdade, Yves é uma rainha da Inglaterra. Quem manda na Prefeitura é Jorge Carrero, o maior traíra da política do município”, desabafou.

Estação das artes – Presidente do Cidadania em Serra Talhada, o secretário de Relações Institucionais da gestão Márcia Conrado (PT), Elyzandro Nogueira, usou o seu prestígio com o deputado federal Daniel Coelho e arrebatou uma emenda no valor de R$ 1 milhão destinada a reformar a Estação do Forró, atual centro cultural, que vai virar Estação das Artes. A prefeita comemorou a boa-nova durante ato que marcou a reforma de quatro ruas no bairro Caxixola. “Foi muito importante para o avanço da cultura”, disse Márcia.

CURTAS

ENVOLVIDO – Estranhamente, a polícia não incluiu na operação Beira Rio, ontem, em Paulista, o atual secretário executivo de Desenvolvimento Urbano do Paulista, Paulo Marenga, que, na época, assinou o alvará de funcionamento da Marina. Ele também trabalhou na gestão Matuto como titular da Pasta. A Polícia Civil investiga suspeitos de fazer parte de um esquema para favorecer o estabelecimento por meio de licitações e de uso de documentos falsos.

ESQUEMA – De acordo com o delegado Diego Pinheiro, à frente das investigações, o trabalho da polícia começou em agosto de 2019, após o Ministério Público de Pernambuco verificar irregularidades em uma concessão de uma área pública na praia de Maria Farinha, em Paulista, de mais de 10 mil metros quadrados. A concessão teria como implantar uma marina, um restaurante, um posto de gasolina e uma área pública de convivência.

Perguntar não ofende: Yves Ribeiro deixou de pagar o aluguel a Dufles por perseguição política?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Boa Noite, sobreviventes do desgoverno bolsonarista. Manter a esperança na retomada da democracia é um ato de resistência. Esquerda Segue Esquerda.

marcos

Boa noite Nazista Exterminador.

Fernandes

Tal pai, tal filho? Escritório de Jair Renan ganhou móveis de empresa que mantêm contrato com o governo.

Fernandes

Vitória! Pesquisa mostra que Lula vence Bolsonaro no 1.º e no (2.º) turnos.

Fernandes

Mamata Sem Fim. Esposa de Queiroz receberá, de novo, auxílio emergencial do governo Bolsonaro.


Serra Talhada 2021

06/04


2021

Coluna da terça-feira

PSB quer frear armas

O PSB renovou o pedido para que o Supremo Tribunal Federal derrube quatro decretos editados em fevereiro pelo Governo Federal com novas flexibilizações para o porte de armas. O partido quer urgência na análise do pedido de liminar distribuído ao gabinete da ministra Rosa Weber. Isso porque as mudanças entram em vigor no próximo dia 12.

“Estão prestes a entrar em vigor medidas que aumentam a quantidade de armas de fogo em circulação, o que resultará em aumento de crimes violentos como assassinatos e feminicídios, sem falar nos riscos institucionais. É urgente que o STF contenha essa política armamentista antes que seja tarde demais”, disse o advogado Rafael Carneiro, do Carneiros e Dip Advogados, que representa a legenda.

O partido entrou com a ação em fevereiro alegando que os dispositivos são inconstitucionais e representam ‘retrocesso’ em direitos fundamentais, como o direito à vida e à segurança, na medida em que facilitam de forma ‘desmedida’ o acesso a armas e munições pelos cidadãos comuns. O PSB diz ainda que, embora pretendam disciplinar o Estatuto do Desarmamento, os decretos ferem suas diretrizes.

PT, PSOL e Rede Sustentabilidade também formalizaram ações semelhantes. Após requisição de Rosa Weber, o governo federal enviou esclarecimentos sobre os decretos. Na ocasião, a própria ministra chamou atenção para a necessidade de urgência na análise do caso. Bolsonaro acrescentou mais quatro decretos à longa lista de mudanças na legislação de armamento que vem promovendo desde que assumiu a presidência.

Desde 2019, já foram 31 alterações, dentre elas decretos, portarias e projetos de lei que ainda não foram aprovados. Estas mudanças vão desde a flexibilização da quantidade de armas que uma pessoa, civil ou não, pode adquirir e portar em seu nome, até a quantidade de cartuchos e munições que podem ser comprados.

Tema polêmico – Primeira medida concretizada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro na área de segurança pública, a flexibilização da posse de armas é um tema que levanta polêmicas entre especialistas. Uma das promessas de campanha de Bolsonaro é justamente rever o Estatuto do Desarmamento, que entrou em vigor em 2003, para facilitar a posse e o porte de armas no país. Mudanças significativas em relação à legislação devem, necessariamente, passar pelo Congresso Nacional. Mas Bolsonaro pode, por meio de decreto, alterar alguns pontos referentes à regulamentação da lei em vigor sobre o tema.

Pura emoção – O Frente a Frente fez, ontem, uma belíssima e justa homenagem ao cantor Agnaldo Timóteo, com depoimentos de grandes astros da MPB, como Raimundo Fagner, Moacyr Franco, Altemar Dutra Júnior, Alcymar Monteiro, Martinha, a eterna musa do rei Roberto Carlos, Gilliard e Adilson Ramos. Incluiu também artistas que conviveram no dia a dia com Agnaldo, como o humorista Pedro Manso, imitador dos cacoetes daquele que foi a maior voz do Brasil, o nosso Frank Sinatra brasileiro. O programa foi emoção do início ao fim. Muita gente não segurou o choro, como a cantora carioca Luciene Franco, amiga de Agnaldo desde 1964.

Volta ao trabalho – Em mais uma defesa pelo retorno à normalidade das atividades econômicas, o presidente Bolsonaro repetiu, ontem, que "o Brasil precisa voltar a trabalhar". Mais uma vez, defendeu o enfrentamento do vírus e do desemprego de forma conjunta e manifestou contrariedade a medidas restritivas para impedir a disseminação da covid-19. "Bato na mesma tecla desde março do ano passado. Temos dois problemas pela frente gravíssimos ainda: o vírus e o desemprego. E também sempre bati na mesma tecla das medidas para combater o vírus (porque) os seus efeitos colaterais não podem ser mais danosos que o próprio vírus", disse.

Anulação – Sete procuradores da Operação Lava Jato enviaram, ontem, um documento no qual defendem a anulação da suspeição do ex-juiz Sergio Moro aos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal. O pedido considera a questão se o plenário da Corte referendar a decisão de Edson Fachin, que reconheceu a incompetência da Vara de Curitiba e reverteu as condenações do ex-presidente Lula. A peça é um "memorial", tipo de instrumento jurídico que expõe argumentos aos ministros buscando influenciar a decisão deles. No texto, a tese estabelecida é a de que a suspeição de Moro não poderia ter sido julgada pela Segunda Turma do STF, no dia 23 de março, antes que a decisão de Fachin fosse apreciada pelo plenário da Corte.

Orçamento corrigido – O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, ontem, que há boa vontade do Congresso para que haja um acordo para corrigir as distorções do Orçamento de 2021. O presidente tem até 22 de abril para decidir como se posicionar em relação ao texto. Segundo Guedes, há três caminhos possíveis: sancionar todo o texto – “Se seguir em frente do jeito que está, deixa o governo exposto lá na frente a uma eventual não aprovação de contas pelo TCU [Tribunal de Contas da União]”; veto integral – “Aí não há qualquer possibilidade de exploração pela oposição para falar em impeachment. Mas é politicamente desconfortável”; veto parcial – “É possivelmente para onde a coisa está indo”. Afirmou que esse caminho pode garantir uma costura política mais satisfatória, com riscos jurídicos maiores.

CURTAS

JOVEM PAN – O Grupo Jovem Pan anunciou a estreia do seu mais novo produto na comunicação, o News Jovem Pan, o seu canal de notícias que competirá com audiência dos canais Globo e CNN Brasil. O News Jovem Pan será transmitido em TV aberta, no canal 24, em São Paulo. Com informações 24h, a emissora também estará disponível em pacotes de televisão por assinatura, que ainda estão em negociação, na parabólica, YouTube, no Amazon Fire Tv, Pluto TV e no PanFlix.

QUADRO – O Estado contabilizou, ontem, 709 novos casos e 44 óbitos por Covid-19. Com esses registros de pacientes e falecimentos, Pernambuco passou a totalizar 356.326 diagnósticos confirmados e 12.421 mortes pela doença provocada pelo novo coronavírus. De acordo com a Secretaria de Saúde, 93 dos 709 casos são de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Outros 616 pacientes foram diagnosticados com a forma leve da doença.

Perguntar não ofende: O Sertão ainda tem representante de oposição na Assembleia ou algum parlamentar governista que proteste contra a buraqueira nas estradas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ô marcos de camaragibe, deixa eu guardar guardar meus 23 C no teu papeiro.

marcos

Ô Nazista, quem chama o nosso mito de bozo queima a Rosca! ui

marcos

\"Esse verme Bolsonaro será Executado com sua família e os seus apoiadores \" Nehemias Fernandes em 05/04/2021, no Blog do Magno Martins.

Fernandes

O Bozo agora é o super trunfo da esquerda.

Fernandes

Bolsonaro é o maior cabo eleitoral do Lula. E esse é o problema, porque a direita centro está se mordendo de inveja.


Anuncie Aqui - Blog do Magno

05/04


2021

Coluna da segunda-feira

Secretária mentirosa

No primeiro mandato, o governador Paulo Câmara (PSB) teve dois secretários de Infraestrutura, pasta que cuida da manutenção das estradas. O primeiro, o atual deputado estadual Isaltino Nascimento (PSB), foi tão ruim que ganhou o apelido de “Isaltino Buracão”, em razão da malha viária ter se transformado em sua gestão numa grande cratera.

Deputado federal, com passagem também no Governo Eduardo Campos, Sebastião Oliveira (Avante) bateu de longe Isaltino, mas mesmo assim não conseguiu ficar mais tempo por questões de ingerência política. Isaltino e Sebá, como este é conhecido, não agradaram nem ao Governo, mas pelo menos não mentiam como a atual secretária, Fernandha Batista.  

No Sertão, ela é conhecida como a Pinóquio de saia e eu sei a razão. Basta trafegar pela estrada que liga o distrito de Cruzeiro do Nordeste ao município de Sertânia. Ali, ela fez um arremedo de obra que envergonha o Governo, uma meia sola de asfalto de apenas 9 km, que parece um cascalho de tão precária qualidade.

O restante do trecho – algo em torno de 12 km – é um soco no estômago dos sertanejos, uma buraqueira infernal. Ora, o Governo Paulo Câmara é ruim, todo mundo sabe, mas a ponto de fazer uma estrada pela metade, mesmo assim de péssima qualidade, e deixar o restante do trecho sem o menor sinal de requalificação?

Passei o fim de semana em Afogados da Ingazeira, minha terra natal, e penei para alcançar Sertânia. O carro corre risco de empenar a roda, estourar o pneu, sofre todo tipo de avaria, pondo em risco a vida de quem trafega por lá. Uma vergonha! Será que o governador sabe que a secretária está enganando-o? Ela é tão cara de pau que ainda aparece nos blogs da região e nas emissoras de rádio posando de tocadora de obra.

“Estamos em uma fase muito importante do andamento do Programa Caminhos de Pernambuco. Concluímos a primeira etapa da requalificação da PE-265, que sai da BR-232 e segue até a sede do município de Sertânia. É uma obra aguardada há 20 anos por quem trafega pela localidade e espera soluções estruturadoras. Concluímos também os projetos da segunda e terceira fase das obras dessa via, que receberá os serviços após o término do processo licitatório”, disse ela, numa emissora de rádio.

Pelo amor de Deus, que secretária mentirosa! Qual obra ela está se referindo como concluída? Um arranjo de 9 km? Passei novamente por lá, ontem, de volta ao Recife, e confesso que aquilo não é obra. Abra os olhos, governador! A Fernandha mente descaradamente. Pergunte aos próprios aliados do PSB que têm um pezinho naquela região se aquilo pode ser chamado de requalificação? E pergunte também onde ela botou o restante dos R$ 3,8 milhões reservados para recuperação de todo o trecho, porque não há sinal nenhum de canteiro de obras em toda a extensão da estrada.

SEM SINALIZAÇÃO – O governador deveria exigir da secretária Pinóquio o mesmo tratamento que deu na requalificação do trecho entre Sertânia e Albuquerquené. Ali, sim, é obra de verdade, que dá gosto de se ver. O asfalto é de ótima qualidade, falta apenas a sinalização. A dona inverdade, porém, até o momento não deu nenhum prazo para concluir o trecho. Sem sinalização, andar por ali à noite é um perigo. Muita gente já foi vítima de acidentes envolvendo animais, como jumentos e cavalos, encontrados no meio da pista. Como o sertanejo sofre, meu Deus!

AGRADANDO TÁBATA – Segundo o bem informado colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o prefeito do Recife, João Campos, uma das principais lideranças do PSB no Estado, sucessor de Eduardo Campos, não quer ouvir falar em recomposição com o PT, mesmo que Lula desponte como favorito na corrida presidencial de 22. Está inclinado a cumprir o acordo de levar o PSB a apoiar a candidatura de Ciro Gomes, que foi leal a ele na campanha, participando de vários atos presenciais no Recife. A postura de João pró Ciro agrada a futura primeira-dama do município, Tábata Amaral, que não foi expulsa ainda do PDT por causa da mão protetora de Ciro.

ORÇAMENTO AVANÇA – O Congresso e a área econômica do Governo chegaram a um acordo sobre o Orçamento deste ano, segundo a ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda (PL-DF). Ela disse ao jornal O Globo que o “acordo político foi fechado”. No entanto, o valor exato do corte ainda será definido. No fim de semana, houve conversas dos integrantes da equipe econômica com Flávia Arruda, os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o relator do Orçamento, Márcio Bittar (MDB-AC). O presidente Jair Bolsonaro deixou para depois do feriado de Páscoa o desfecho do assunto. A data limite para aprovar ou vetar o documento é 22 de abril

PROVOCAÇÃO – O presidente Bolsonaro reproduziu em sua conta no Twitter um vídeo em que o apresentador de TV Sikêra Jr. faz críticas ao governador Paulo Câmara, a partir de cifras retratadas em seu programa como verbas da União destinadas ao Estado. "Paulo Câmara, esse dinheiro não é teu, é para salvar vidas", provocou o apresentador após citar números que ele atribui a repasses do governo federal. "Senhores governadores, criem vergonha na cara. Digam ao seu povo quanto receberam para cuidar das vidas, e não tomar essas vidas, não matar as pessoas", acrescenta Sikêra Jr.

O NOVO PODEROSO – As mudanças nos Ministérios trouxeram à tona a influência de um amigo do presidente desde o tempo da Escola de Cadetes do Exército. O general da reserva Luiz Eduardo Ramos operou, em parceria com o também general Walter Braga Netto, a missão dada por Bolsonaro de demitir a cúpula das Forças Armadas e consolidar a aliança com o bloco dos partidos integrantes do Centrão. Foi num encontro na casa de Braga Netto, em Brasília, que Bolsonaro decidiu substituir o ministro da Defesa, general Luiz Fernando Azevedo e Silva, e o comandante do Exército, Edson Pujol. Ramos estava presente à conversa. A troca abalou a caserna e alterou as posições de poder no governo. Braga Netto foi nomeado para a pasta militar e Ramos herdou a cadeira do amigo na chefia da Casa Civil.

CURTAS

RESPOSTA – Em resposta a Bolsonaro, Câmara postou o seguinte: "Difícil acreditar que em um dia como hoje, domingo de Páscoa, sejamos obrigados a nos deparar com novas atitudes lamentáveis do Presidente da República. Em lugar de disseminar fake news, por que não assumir suas verdadeiras atribuições e fazer parte do enfrentamento à pandemia?". E completou: "Nossa maior missão é salvar vidas. Infelizmente, de alguém que trata a dor do outro como mimimi e o luto como fraqueza, não se pode esperar muito.”

IGREJAS – O presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizette, pediu, ontem, ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que se manifeste com urgência sobre a decisão da véspera do ministro da Corte Kassio Nunes Marques que liberou a realização de cultos e missas no País, apesar de o Brasil atravessar o pior momento da pandemia de covid-19.

Perguntar não ofende: Por quanto tempo os sertanejos vão sofrer com as estradas mal conservadas pelo governador?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos de camaragibe, eu quero teu papeiro pra guardar os meus 23, C, filho da puta pirobo cabra safado.

marcos

Nehemias Fernandes o Nazista travestido de comunista.

Fernandes

Ciro Gomes diz. Este verme Bozonaro será exterminado junto com sua familícia e quem mais o estiver apoiando.

marcos

Boa noite Nehemias Fernandes, amanhã a Polícia Federal bate na tua porta.

Fernandes

Boa Noite, sobreviventes do desgoverno bolsonarista. Manter a esperança na retomada da democracia é um ato de resistência. Esquerda Segue Esquerda.


Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

03/04


2021

Coluna do sabadão

Sinal de fritura em Ciro

O presidente do PDT, Carlos Lupi, oscila entre manter a candidatura de Ciro Gomes (PDT) à Presidência da República em 2022 ou rifar o seu nome em apoio a uma candidatura viável contra Jair Bolsonaro. Ele deu declarações nos dois sentidos. Em um primeiro momento, em entrevista ao jornal Valor Econômico, afirmou que o PDT poderia apoiar outro nome.

Ponderou, porém, que a ideia de candidatura própria continua sendo a prioridade do partido. “Se houver a ameaça de continuidade de Bolsonaro, é uma hipótese que admito”, disse a respeito de recuar em uma candidatura própria. “Se surgir nessa terceira via um outro nome, que apresente um bom projeto, podemos conversar”, prosseguiu, a respeito da carta assinada por seis presenciáveis, entre eles o próprio Ciro, em defesa da democracia na última quarta-feira.

O manifesto se identificou como uma reação ao “autoritarismo” e uma defesa da “liberdade”. O texto foi divulgado na data que marcou o 57º aniversário do golpe militar de 1964, que é exaltado pelo atual presidente. “É preciso ver o melhor nome, quem poderá derrotar Bolsonaro. Não podemos entrar nessa conversa com uma conversa com um projeto hegemônico, de fazer aliança desde que o candidato seja o meu”, argumentou.

No fim do dia, porém, o dirigente pedetista disse à revista Carta Capital que a candidatura é uma “decisão tomada”. “Queremos conquistar aliados para nosso projeto nacional de desenvolvimento que é personalizado pelo Ciro”, disse Lupi. Se o próprio presidente do partido de Ciro vacila, imagine o PSB, que o presidenciável imagina contar nas eleições do próximo ano, investimento que fez no pleito de 2020.

Tal investimento se observou, especialmente, em Pernambuco. Ciro se envolveu de corpo e alma na candidatura de João Campos, participando de vários eventos presenciais no Recife, com a esperança, certamente, de que em 2022 terá o partido em seu palanque. É bom ficar com um pé atrás. Quando esteve filiado à legenda, Ciro provou do fel. Eduardo Campos rifou sua postulação ao Planalto e ainda o humilhou.

PERSISTENTE – Ciro Gomes tem um temperamento explosivo, sem papas na língua e é insistente. Foi candidato a presidente em 2018 e ficou em terceiro lugar. Ele teve 13.344.366 votos, ou 12,47% do total. O ex-governador do Ceará e ex-ministro de Itamar Franco também foi candidato em 1998 e em 2002 pelo PPS. Em 98, ficou em terceiro lugar, atrás de Fernando Henrique Cardoso (que foi reeleito) e Lula. Teve 7.426.190 votos, 10,97% do total. Em 2002, ficou em quarto lugar, com 10.170.882 votos, atrás de Lula, José Serra e Anthony Garotinho. Teve 11,97% dos votos.

O RESPONSÁVEL – Para 44% da população brasileira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi o principal responsável pela atual situação da crise do coronavírus no Brasil. Outros 23% citam as pessoas que não respeitam as normas de biossegurança contra a covid-19, enquanto 16% responsabilizam o governador do seu Estado. Os números são de pesquisa PoderData realizada de 29 a 31 de março de 2021 com 3,5 mil pessoas em 541 municípios das 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos. Ainda há 8% que dizem que os responsáveis pela atual crise da covid-19 foram os prefeitos. O Ministério da Saúde aparece na sequência, citado por 4%. Aqueles que responsabilizam “outros” somam 5%.

MAIS VACINAS - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enviou um ofício ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, pedindo apoio do órgão e de outros países para acelerar a vacinação contra a covid-19 no Brasil. Junto ao ofício, foi encaminhada a “moção de apelo à comunidade internacional”, aprovada pelos senadores em 23 de março. Pacheco afirma que o País é o epicentro da pandemia e que a situação é “dramática”. Pede a Guterres que a ONU ajuste o cronograma de entrega de vacinas pelo consórcio Covax Facility, uma aliança global com mais de 150 países, criada para incentivar o desenvolvimento e a distribuição de vacinas. O acordo com o Brasil é para a entrega de 42,5 milhões de doses, um investimento de R$ 2,5 bilhões.

GOLPE DE ESTADO – O colunista Hélio Schwartsman, do jornal Folha de S. Paulo, defendeu um golpe de Estado em que militares de alta patente pressionassem Jair Bolsonaro a renunciar, para que assumisse o vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB). O texto foi publicado, ontem, na versão impressa do jornal. Schwartsman diz ser contra um golpe com militares e tanques nas ruas. Mas acha que uma hipótese mais reservada seria aceitável. Ele escreve: “Admitamos, porém, para os propósitos desta coluna, que seja mesmo um golpe, já que idealmente militares não se metem com política. Você o aplaudiria ou vaiaria? […] Não sei quanto a você, mas eu, em nenhuma hipótese, derramaria uma lágrima por Bolsonaro."

JUSTIÇA JUSTA – Após perder ação de danos morais contra três ex-jornalistas da revista Época, o ex-presidente Lula teve de pagar R$ 31.940,14 em honorários ao advogado deles. A intimação para o pagamento foi feita no último dia 23 e este foi realizado no dia seguinte. Lula entrou com ação na Justiça em 2015. Na edição 882 daquele ano, a revista publicou a matéria de capa “Lula: o operador”, na qual revelou uma investigação da Procuradoria no Distrito Federal para apurar se o petista teria atuado para favorecer a Odebrecht em contratos na América Latina e na África com dinheiro do BNDES. O texto foi assinado por Thiago Bronzatto e Filipe Coutinho, enquanto Diego Escosteguy era editor-chefe da revista.

CURTAS

LAMENTO 1 – A jornalista Aline Midlej roubou a cena durante a parte final do Estúdio i, da Globo News, na última quinta-feira, com um recado claro ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e sua equipe de ministros e auxiliares. A jornalista lamentou a eleição do atual governo, em 2018, em meio ao caos vivido por causa da pandemia.

LAMENTO 2 – “Eu gostaria que fosse mentira o que aconteceu nas eleições de 2018, para que a gente tivesse de fato uma liderança a altura do que o Brasil merece e precisa no momento tão duro que a gente enfrenta agora, em que o amor ao próximo, a empatia, o respeito à vida salva vidas”, comentou Aline, gerando uma grande polêmica no ar.

Perguntar não ofende: Sobre a vacina, quem fala a verdade: o presidente ou os governadores?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Kássio Nunes Marques revoltou o país ao reabrir igrejas com o sistema de saúde do país em colapso. Pode se tornar o primeiro ministro do STF a perder o cargo.

Fernandes

Este verme Bozonaro será exterminado junto com sua familícia e quem mais o estiver apoiando.

Fernandes

Pesquisa XP: 60% rejeitam Bolsonaro e Lula lidera sucessão presidencial. Lula, com 42% das intenções de voto, aparece à frente de Bolsonaro, que tem 38%, na projeção de segundo turno em 2022

Fernandes

Ciro Gomes, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão . No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

marcos

Ciro, Queiroz, michele, rachadinha, mansão tudo mimimi pra desviar a atenção do Golpe. Acabou Porra, tem que ser no voto.



02/04


2021

Coluna da sexta-feira

JCPM acerta em cheio

Na quarta-feira passada, num comunicado aos leitores, o empresário João Carlos Paes Mendonça confirmou o que já se sabia nos bastidores: o fim da edição impressa do Jornal do Commercio. O recado já havia sido dado, há 15 dias, no start da quarentena da pandemia no Estado, quando o jornal passou a chegar aos assinantes apenas no formato digital.

Empreendedor visionário, responsável por uma grife de uma rede de supermercados, o Bompreço, da qual se desfez para contribuir com a face moderna do Nordeste, a expansão de shoppings, Paes Mendonça tirou o JC do fundo do poço, literalmente, após a mais longa e agonizante crise da sua história, que se iniciou na década de 70 e teve seu ápice em 1987, ano que comprou 100% das cotas do periódico.

“Fomos desafiados a reerguer um sistema que, à época, estava com inúmeras dificuldades. Juntos, lutamos durante mais de 30 anos para fazer do Jornal do Commercio e todo o SJCC uma referência em jornalismo independente e comprometido com a sociedade”, diz ele, na nota, para acrescentar: “E fizemos isso. Tenho orgulho da equipe que construímos. E queremos fazer muito mais”. Em seguida, destacou o desafio de entrar na nova era do jornal 100% digital.

Paes Mendonça não fez nenhuma loucura, não inventou a pólvora nem tomou a decisão aleatoriamente. A notícia em papel está fadada a sumir. Já sumiu em grande parte nas grandes potências mundiais, dos Estados Unidos, passando pela Europa e até a Ásia. Não precisa ir muito longe. No Nordeste, o Estado vanguarda na migração dos seus jornais 100% digitais foi a Paraíba, seguido de Alagoas. Em Maceió, aliás, a Gazeta, maior jornal do Estado, só está sendo impresso aos domingos, com dias contados para acabar.

O Ceará, há pouco, viu seu maior jornal, o Diário do Nordeste, virar também 100% digital. A tecnologia e a expansão do fluxo de informações transformaram a sociedade e seus hábitos. O ser humano não precisa nem sair de casa para saber os fatos de sua região ou mesmo de outros lugares do mundo. Basta ligar o rádio, a televisão, ler o jornal digital em seu celular. A Internet é o veículo de comunicação mais revolucionário.

Reúne várias formas (textos, vídeo e áudio), tudo ao mesmo tempo, com a finalidade de informar e atrair o internauta esteja ele onde estiver e a hora que quiser, pois o conteúdo fica disponível 24 horas por dia. Hoje, com os smartphones, é possível receber informações sobre qualquer lugar ou País, em diversas línguas e por inúmeros portais, aplicativos, podcasts, dentre outros formatos digitais.

Como resultado do avanço da divulgação de informação pela internet, jornais impressos já perderam espaço para grandes portais digitais. Acredita-se que somente no ano de 2019, os 10 maiores jornais impressos do Brasil tiveram uma redução de quase 36 mil exemplares.

Isso mostra o impacto de como a informação hoje é buscada e divulgada nos jornais impressos. Por fim, grandes agências de notícias e portais eletrônicos criaram sites que são alimentados a cada minuto com as notícias mais atuais, de diversos nichos de mercado.

Rádio vivo – Muitas pessoas achavam que o rádio teria seu fim decretado com o surgimento da televisão, uma vez que, na opinião de muitas pessoas, ninguém iria querer só escutar quando se podia ver, na tela, um programa. Com o advento da internet, o rádio não desapareceu, está presente com mais rapidez, eficiência e qualidade na maneira de atingir a população. Hoje, a própria televisão está tendo que se reinventar com o surgimento do entretenimento digital. Resistindo, o que não acredito, os jornais terão o desafio de se reinventar, talvez com um tom mais crítico e editorial, pois os portais de informação digital ocupam, cada vez mais, o papel central na divulgação de informação.

Quem é genocida? – Numa conversa, ontem, com este colunista, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, disse que o Governo Bolsonaro já mandou mais de 36 milhões de doses de vacina para os Estados, mas os governadores, estranhamente, só usaram a metade. “Quem é o genocida no caso? O presidente ou essa leva de governadores?” Machado acha que, além de genocidas, os governadores são incompetentes e relapsos. “O Brasil poderia estar numa situação bem mais avançada se os governadores fossem mais comprometidos com a saúde do povo brasileiro”, desabafou.

Sem roubo – Quanto às críticas à reforma ministerial, Gilson disse que ela se deu no sentido de fazer uma arrumação no Governo. “É natural que a oposição fique buscando encontrar chifre em cabeça de cavalo”, ironizou, adiantando que todos os governos, quando comprometidos com o melhor para a sociedade, têm que operar mudanças, ajustar a máquina. “Bolsonaro faz um governo cuja maior marca é não roubar. Não há corrupção em seu governo e isso o País é testemunha”, afirmou.

Volta das missas – O advogado-geral da União, André Mendonça, pediu, ontem, ao Supremo Tribunal Federal a concessão urgente de medida cautelar para liberar a realização de atividades religiosas presenciais. A AGU solicita a derrubada de decretos, federais, estaduais e municipais, citando a importância das celebrações de Páscoa. A proximidade das celebrações da sexta-feira da Paixão e do Domingo de Páscoa foi a justifica utilizada por Mendonça para pedir a urgência da medida. O advogado-geral afirma que a proibição de atividades religiosas, incluindo atividades sem aglomeração, viola o direito de crença, com “excessivo impacto sobre o direito à liberdade de religião”.

Defesa do teto – O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), saiu em defesa do teto de gastos (regra que limita o crescimento das despesas públicas à inflação) e falou na necessidade de mais cortes no Orçamento de 2021. Antes antagonista de Paulo Guedes, Maia defendeu a tese do ministro da Economia na disputa contra o Centrão – grupo de partidos sem coloração ideológica clara que adere aos mais diferentes governos. Guedes quer cortes por meio de vetos, ou, em último caso, a derrubada integral do texto. “O relator cortou R$ 10 bilhões do orçamento. Só que precisa cortar mais R$ 25 bilhões para cumprir o teto de gastos”.

CURTAS

VACINAS – O Estado recebeu, ontem, mais 394.650 doses de vacinas contra a Covid-19, sendo 32.250 doses da AstraZeneca e 362.400 doses da Coronavac. Com as novas unidades, o Governo anunciou que vai começar a imunizar profissionais de segurança pública, já que esses trabalhadores foram incluídos nas prioridades do Plano Nacional de Imunização (PNI).

VERGONHA – No momento em que a rede pública de saúde do País registra falta de leitos e de medicamentos para atender pacientes da covid-19, o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), elevou em 170% o limite de despesas médicas de deputados na rede privada. O valor que pode ser reembolsado com dinheiro público passou de R$ 50 mil para R$ 135,4 mil. Pelas regras internas, gastos acima disso também podem ser devolvidos ao parlamentar, mas apenas após aval da Mesa Diretora da Casa.

Perguntar não ofende: Qual o maior Judas brasileiro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bolsonaro é a régua exata de grande parte da nação. Desonesto com postura moralista. Neonazista com discurso de cristão.

marcos

Lula é a régua exata de 30% do povo, Ladrão, Corrupto, Cachaceiro, Mentiroso e Côrno.

Fernandes

Bolsonaro é a régua exata de grande parte da nação. Desonesto com postura moralista. Neonazista com discurso de cristão.

Fernandes

Hoje foi o dia em que soldados romanos apoiados por religiosos da época torturaram Jesus até a morte!

Fernandes

Os hipócritas iguais a esse FILHO da PUTA marcos de camaragibe, mamador de piroca e queima rosca, usam Deus , Pátria e Família, nós amamos o Verde e Amarelo pra disfarçar suas maldades! Oh! Viado cabra safado. Filho da Puta.



01/04


2021

Coluna da quinta-feira

Uma luz no fim do túnel

Já vi muitos caciques políticos forçarem a barra para gerar a espécie do seu sucessor. Alguns acabam se frustrando com o resultado porque não enxergam algo fundamental para o exercício da vida pública: vocação. Escritor, filósofo e político, o carioca Marques de Maricá, filho de comerciante português, ensinou que há homens para nada, muitos para pouco, alguns para muito, nenhum para tudo. Traduzindo para uma linguagem direta, quem não tem vocação acaba em frustração.

Não é o caso do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), o terceiro filho do senador Fernando Bezerra Coelho, líder do Governo no Senado. FBC, como é mais conhecido, não queria, mas o destino impôs que mais dois dos seus quatro herdeiros – Fernando e Antônio – também seguissem seus passos na política. Ambos são, igualmente, animais políticos. Fernando Filho, no terceiro mandato de deputado federal, já emprestou o seu talento como ministro, ocupando a pasta de Minas e Energia no Governo Temer.

Antônio, o caçula, está no seu primeiro mandato de deputado estadual. Ave rara fora do mundo político na família, Pedro, o segundo na ordem de nascença, é cientista, poliglota e faz carreira profissional na iniciativa privada bem-sucedida nos Estados Unidos. A estrela dos herdeiros, entretanto, é Miguel, reeleito prefeito com uma das maiores votações do País, detentor de uma popularidade nunca alcançada por nenhum outro gestor, nem o pai quando esteve no auge como prefeito.

Entrevistei Miguel, mais uma vez, anteontem, no Frente a Frente. Percebi, como milhares de ouvintes, que o garoto, de apenas 30 anos, tem um discurso lógico, uma linha de raciocínio rápida e uma capacidade de convencimento impressionante. Sem arrodeios, fala coisa com coisa. Estudou muito e está preparado para desafios que podem surgir pela frente, como o de despontar como alternativa de aglutinação das forças de oposição ao Governo de Pernambuco nas eleições do ano que vem.

Apaixonado pelo que faz, com uma vitrine para apresentar ao Estado, a sua grande obra em Petrolina, Miguel parece seguir o conselho dos bons livros da arte da política e do poder: “Se queres assumir em pleno o teu trabalho, não te esqueças de que toda a vocação só se consegue concretizar com muita dedicação”.

Bronca pesada – A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara aprovou, na manhã de ontem, a convocação do ministro da Defesa para dar explicações ao colegiado. O novo chefe da pasta é o general Walter Braga Netto, que antes comandava a Casa Civil. O requerimento foi apresentado pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO). A justificação do pedido começa com o seguinte parágrafo: “Fomos surpreendidos ao fazer um levantamento no Painel de Preços do Ministério da Economia, em processos de compras para as Forças Armadas, e detectamos a aquisição de picanha, cerveja, bacalhau, filé e salmão”.

Dentro do previsto – O vice-presidente Hamilton Mourão não vê problema na demissão dos comandantes militares no dia seguinte à demissão de Fernando Azevedo e Silva do Ministério da Defesa. Deu a declaração a jornalistas no Palácio do Planalto. “Essa aí foi uma mudança mais abrupta, mas está dentro do previsto, vamos dizer assim. Comandantes não têm mandato”, disse Mourão. Segundo ele, “qualquer um que assumir o comando das Forças vai manter a mesma forma de atuar”. “As Forças Armadas atuam dentro do tripé da legalidade, atenta à missão constitucional é a missão dada pelas leis complementares, dentro da legitimidade”, disse. “Não muda nada”, completou.

Apoio artístico – O presidente Jair Bolsonaro se encontrou, ontem, com o cantor Latino para discutir a crise que a classe artística enfrenta por conta da pandemia de covid-19. O ministro Fábio Faria (Comunicações) também participou da reunião. O compromisso não estava na agenda oficial. A reunião foi realizada em meio a uma reforma ministerial conduzida por Bolsonaro e à troca do comando das Forças Armadas. O cantor comentou o encontro em seu perfil no Instagram. “Hoje, testemunho que os bons projetos e ações que visem ao bem comum são sempre bem-vindos no Governo”.

Fim do lockdown – O Estado chegou, ontem, ao último dia da quarentena para tentar diminuir a contaminação da Covid-19. Em vigor desde o dia 18 de março, as restrições passam a ser flexibilizadas a partir de hoje, véspera do feriado de Páscoa. O retorno das atividades ocorre de maneira gradual, obedecendo aos protocolos específicos para cada serviço. O plano deve seguir até o dia 25 de abril, quando novas flexibilizações podem ser anunciadas. Foi publicado no Diário Oficial o decreto que normatiza a abertura de estabelecimentos comerciais localizados fora da Região Metropolitana do Recife. Esses espaços não podem abrir antes das 5h e devem encerrar as atividades às 20h.

Vacina particular – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que a Casa defende a possibilidade de a iniciativa privada adquirir doses de vacinas contra a covid-19 para aplicação em seus funcionários e para doação de parte do total adquirido ao Sistema Único de Saúde (SUS). “Um brasileiro vacinado significa uma pessoa a menos correndo risco por causa do coronavírus”, argumenta. A matéria vai entrar em discussão pela Câmara dos Deputados e visa desafogar a fila de espera do SUS.

CURTAS

BAND BOMBA – Enquanto a Globo agoniza, a Band comemora internamente um aumento avaliado em 400% em sua audiência com a estreia da Fórmula 1. Embora o comparativo entre a nova dona dos direitos de transmissão com a Globo, ex-detentora das corridas, mostre uma realidade desigual, a emissora se apega aos valores em crescimento. Na temporada de 2020, a Globo registrou audiências superiores. Com o mesmo GP do Bahrein, em novembro do ano passado, a emissora carioca teve um total de 9 pontos de audiência de média.

AGRESSÃO – Por falar em Globo, ontem, durante o “Bom Dia São Paulo”, um homem interrompeu a reportagem ao vivo de Fernanda Elnour para criticar a emissora. A jornalista falava sobre uma campanha de arrecadação de alimentos não-perecíveis em um posto de vacinação Jundiaí, interior de São Paulo, quando foi surpreendida pelo indivíduo gritando “Globo lixo”.

Perguntar não ofende: Qual a pegadinha para o 1° de abril de hoje, o dia da mentira?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Há algo de podre no reino do clã Bolsonaro.

Fernandes

Todo Direitista tem vocação Gay diz o vereador Carlos Bolsonaro (Carluxo)

marcos

Todo esquerdista tem vocação Gay diz ex deputado Jean Wyllys.

marcos

Que fique Bem Claro, Lula é Ladrão.

marcos

Numa coisa Ciro e Malafaia tem razão, ... Paruano quem votar em Ladrão é um Filho da Puta.



31/03


2021

Coluna da quarta-feira

Tensão em Brasília

O pedido de demissão conjunto dos comandantes das Forças Armadas, ontem, causou reações no meio político que vão de demonstração de preocupação até minimização da importância da troca. Alguns, afirmaram que a decisão dos comandantes sinaliza uma recusa à tentativa do presidente Jair Bolsonaro de aparelhar as Forças Armadas.

O general Edson Leal Pujol (Exército), o almirante Ilques Barbosa (Marinha) e o tenente-brigadeiro do ar Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica) deixaram os respectivos cargos. Na véspera, segunda-feira passada, o general Fernando Azevedo e Silva deixou o comando do Ministério da Defesa. Na nota em que anunciou a saída, disse que preservou as Forças Armadas como instituições de Estado.

Nos bastidores, a informação é de que a saída de Azevedo e Silva aconteceu porque o então ministro hesitava em demonstrar apoio dos militares a Jair Bolsonaro. Hoje, haverá uma efeméride cara à relação entre os poderes militar e civil: em 31 de março o golpe que instalou a ditadura em 1964 faz 57 anos. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), minimizou o caso. “Enxergo com naturalidade. Isso precisa ser tratado dentro de um universo próprio que é o das Forças Armadas e do ministério da Defesa sem nenhum tipo de especulação que não seja de uma troca de comando”, disse.

No Twitter, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), manifestou solidariedade aos militares que deixaram seus cargos. Para o tucano, a decisão dos comandantes de deixar os cargos “demonstraram grandeza ao recusar qualquer subserviência a inclinações autoritárias”.

Doria é um dos principais rivais políticos de Jair Bolsonaro atualmente. Ele não cita o presidente nominalmente, mas é a ele que se refere quando cita “inclinações autoritárias”. “As Forças Armadas são instituições de Estado, não de governo”, declarou Doria.

Gesto grave – Ciro Gomes disse que a demissão conjunta “é um gesto muito poderoso, muito grave”. “Potencialmente, é uma mensagem importante que eles estão mandando para várias direções”, afirmou. “Para dentro da tropa, é uma mensagem inequívoca de que eles não aceitam –e eles representam a liderança formal daqueles que estão na ativa– o apelo golpista dos setores bolsonaristas que querem envolver as forças armadas na politicagem”, afirmou Ciro no Twitter. Segundo ele, a saída dos militares do governo “é sinal de que o limite de transgressão do respeito à Constituição, ao profissionalismo das Forças Armadas, foi ultrapassado” quando Bolsonaro “demitiu sem conversar com ninguém o ministro da Defesa por razões mesquinhas”.

Recado de Baleia – O presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), lamentou a demissão, também pelo Twitter. “Exército, Marinha e Aeronáutica têm cumprido à risca suas funções como instituições de Estado, afastando-se de questões político-partidárias implementadas por governos limitados por mandatos”, escreveu Baleia. “[A Constituição] impõe direitos e deveres quanto às atuações de todos. Qualquer medida que afronte o texto constitucional deve ser entendida como desrespeito ao povo brasileiro, e isso não pode ser tolerado em um Regime Democrático”, declarou.

Líder barrado – O líder do PSL na Câmara, Major Vitor Hugo (GO), um dos congressistas mais próximos de Jair Bolsonaro, tentou emplacar um projeto que, se aprovado, daria superpoderes a Jair Bolsonaro. Há um pedido para que a proposta tramite em regime de urgência. Ou seja, avance mais rapidamente na Câmara. É assinado por Vitor Hugo e por Hugo Motta (Republicanos-PB), líder do maior bloco da Casa. Houve reunião de líderes de bancada na manhã desta 3ª feira (30.mar.2021). Esse encontro serve para decidir quais projetos serão votados no plenário. O projeto não entrou na pauta de votações.

Herói e confusão – A presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, Bia Kicis (PSL-DF), foi alvo de fortes críticas na reunião de ontem do colegiado. O motivo foi a manifestação da deputada por meio do Twitter na qual chamava de herói o policial morto por colegas na Bahia no domingo passado. Bia Kicis disse que o agente foi morto porque se recusou “a prender trabalhadores”. “Chega de cumprir ordem ilegal!”, completou, com crítica ao Governo de Rui Costa (PT). Depois, ela apagou o tweet.

Governo insensível – Em plena crise da pandemia do novo coronavírus, quando a situação social dos mais vulneráveis se agravou muito e o número de pessoas em situação de rua e com fome aumentaram, o Governo de Pernambuco suspendeu o Programa Sopa Amiga, que mata a fome, diariamente, de mais de 12.000 pessoas pobres. A denúncia foi feita em um vídeo gravado pelo deputado estadual Alberto Feitosa (PSC) e postado ontem neste blog. Como disse, ontem, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, em entrevista ao Frente a Frente, o Governo Paulo Câmara é insensível, está londe de ouvir a voz rouca das ruas. O programa funcionava no Ceasa e a sopa era produzida com sobras dos alimentos comercializados e doados por comerciantes e distribuída nas ruas por 39 entidades.

CURTAS

SUSPENSÃO – Organizações não governamentais (ONGs) questionaram gastos da Assembleia Legislativa de Pernambuco com o aluguel de carros, na pandemia. O valor, de quase R$ 6 milhões, foi alvo de denúncias, mas ontem, diante dos questionamentos, os deputados estaduais decidiram suspender a licitação por "questões administrativas".

VALOR ABSURDO – O edital previa um gasto de até R$ 5.825.950,32 com locadoras de carros. De acordo com a ONG Cidadão Fiscal, um levantamento feito a partir dos dados do Portal da Transparência da própria Alepe, esse valor saiu de R$ 500 mil, em 2012, para R$ 2,1 milhões, em 2013. No ano seguinte, em 2014, foram R$ 2,7 milhões e, em 2015, R$ 2,9 milhões.

Perguntar não ofende: Há motivos para se tremer hoje neste 31 de março pelo termômetro de Brasília? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Adolf Hitler deixou uma mensagem para o povo brasileiro: ...... Bozo é Ladrão e Genocida.

marcos

Que fique bem claro, Lula é Ladrão.

Fernandes

Bolsonaro hoje: “o Brasil precisa voltar a trabalhar”. Disse a pessoa que nunca trabalhou na vida.

Fernandes

Ciro Gomes, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão . No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

Fernandes

Adolf Hitler deixou uma mensagem para o povo brasileiro: ...... Bozo é Ladrão e Genocida.



30/03


2021

Coluna da terça-feira

Tsunami na Esplanada 

Em meio a um estágio dramático e preocupante da pandemia, com mortandade em alta crescente e sem controle, o Governo Bolsonaro sofreu, uma verdadeira mutação: seis ministros foram à guilhotina. Nunca na história republicana aconteceu algo semelhante. As cabeças começaram a rolar nas Relações Exteriores, pasta que cuida da política internacional, com a degola do diplomata Ernesto Araújo.

Araújo não se segurou na manchete dos sites e blogs nem por uma hora, sendo confirmada a degola do general Fernando Azevedo e Silva, da Defesa. Mais tarde, antes do sol se pôr, o Governo veio com uma notícia mais surpreendente ainda: não eram apenas dois ministros que estavam no olho da rua, mas seis: na Justiça, dançou André Mendonça e foi escolhido como sucessor Anderson Torres, ligado ao senador Flávio Bolsonaro.

Na Secretaria de Governo, com status de ministro, o general Luiz Eduardo Ramos levou cartão vermelho, sendo substituído pela deputada Flávia Arruda (PL-DF), esposa do ex-governador José Roberto Arruda, cassado por corrupção. Mais mudanças: na Casa Civil, Bolsonaro se livrou de Braga Neto e escolheu Luiz Eduardo Ramos, na verdade remanejado da Secretaria de Governo. A entrada de Flávia Arruda na Articulação do Governo sela o casamento definitivo de Bolsonaro com o Centrão.

A deputada é próxima ao presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), que na semana passada cobrou uma mudança de postura do governo federal no enfrentamento da pandemia. Na ocasião, alertou que a declaração era um "sinal amarelo" do Congresso ao chefe do Executivo e, sem citar o impeachment, disse que o Legislativo possui “remédios políticos amargos”, alguns “fatais”.

No mês passado, Bolsonaro já havia acomodado um nome do Centrão no governo, com a nomeação de João Roma (Republicanos-BA) no Ministério da Cidadania. O chanceler Ernesto Araújo enfrentava forte pressão para deixar o cargo. A decisão foi avisada por Araújo aos secretários do Ministério por mensagem no WhatsApp. Bolsonaro conversou com Araújo e sugeriu que pedisse para sair, como é praxe nesses casos.

O chanceler criticou, ontem, a senadora Kátia Abreu (PP-TO), foi chamado de “marginal” pela congressista e contestado por vários outros senadores e deputados. Em publicações nas redes sociais, Olavo de Carvalho, Fabio Wajngarten, Abraham Weintraub e Eduardo Bolsonaro apoiaram o titular do Itamaraty no conflito. Na visão de parlamentares, especialistas e empresários, a atuação do chanceler na pasta, considerada ideológica, prejudicou o País na obtenção de insumos e vacinas para combater a covid-19. A pressão sobre Ernesto aumentou no domingo, depois que o ministro acusou a senadora Kátia Abreu (Progressistas-TO) de fazer lobby de chineses durante almoço no Itamaraty.

Com o gesto, ele forçou novo embate entre o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. Presidente da Comissão de Relações Exteriores, a senadora disse apenas ter defendido que não haja discriminação à China no leilão da tecnologia 5G, que vem sendo discutido no Governo, e chamou o ministro de “marginal”. Ela recebeu apoio expressivo de congressistas que já cobravam a demissão de Ernesto.

No caso do ministro da Defesa, o que houve, de fato, foi uma demissão sumária. Bolsonaro pediu a saída de Azevedo após uma entrevista do general Paulo Sérgio, responsável pela área de saúde do Exército, ao jornal Correio Braziliense. À publicação, o militar apontou a possibilidade de uma terceira onda da covid-19 no País nos próximos meses e defendeu lockdown, contrariando o que prega o presidente, crítico a medidas de isolamento social. Dois generais afirmaram que Bolsonaro defendeu uma punição ao oficial, mas Azevedo não concordou. O presidente, então, pediu sua demissão.

Sem mudança – Não são poucos os diplomatas que já tinham uma garrafa de champanhe na geladeira, prontos para brindar ao fim de um dos capítulos mais infames da política externa nacional. Seguidor das teses conspiratórias de Olavo de Carvalho, Ernesto Araújo dançou feio. Carlos França, seu sucessor, será mais será mais hábil em mobilizar o Itamaraty para servir de escudo e mitigar, em parte, o impacto nefasto da retórica do presidente Bolsonaro na reputação do Brasil no exterior. Porém, o próximo chanceler terá que lutar somente com uma das mãos. Desde 2019, Jair e Eduardo Bolsonaro determinam a política externa brasileira, e o chanceler apenas a executa.

Fundo turístico – Uma das atividades econômicas mais castigadas pelo avanço da pandemia do coronavírus, o turismo no Nordeste, passa a contar com um montante de R$ 500 milhões do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) para o financiamento de empresas do setor. Segundo o ministro do Turismo, Gilson Machado, a iniciativa deverá dar suporte às empresas durante a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. Um dos focos da medida, afirmou ele, é dar mais fluxo de caixa para os negócios atravessarem os momentos de baixa atividade econômica.

Eles podem tudo – Uma confraternização promovida pelo governador interino do Rio, Cláudio Castro (PSC), domingo passado, em Itaipava, Petrópolis, na Região Serrana, levantou suspeitas de aglomeração em meio à alta de casos da covid-19 no Estado. Às 22 horas, a assessoria do Governo informou que o movimento de pessoas e veículos que fora relatado pelo jornal O Globo era uma pequena comemoração familiar. Segundo o jornal carioca, havia doze carros estacionados na porta da casa onde ocorria a celebração, iniciada ao meio-dia. Acredite se quiser!

Governador ameaçado – A Polícia Civil do Ceará abriu procedimento para investigar ameaças de morte ao governador cearense Camilo Santana (PT) em meio à pandemia. O caso mais recente aconteceu, segundo o Diário do Nordeste, em um grupo de ‘WhatsApp’ formado por membros que se dizem contrários às medidas restritivas adotadas no Estado. Em um dos áudios, um homem, que já tem antecedentes criminais, chama o governador e outros políticos cearenses de “bandido” e relata que tem “amigos militares” que teriam “o olho quente”. Segundo ele, as operações policiais de cumprimento do decreto estadual estão ocorrendo porque o Estado estaria “obrigando (militares) a fazer isso”.

Caos em comissão – Eleita para comandar a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, há 20 dias, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) não conseguiu votar um único projeto desde que assumiu o cargo. De lá para cá, foram cinco sessões do colegiado, todas marcadas por discussões, obstruções e até o registro de reclamação para que a parlamentar utilizasse máscara ao presidir as reuniões - o que não fez no início da primeira. Kicis é uma das principais aliadas do governo Jair Bolsonaro no Congresso. Sua escolha para comandar a CCJ foi articulada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), em troca do apoio que recebeu do Palácio do Planalto para se eleger ao cargo.

CURTAS

AUXÍLIO – A Prefeitura de Olinda criou auxílio de R$ 600, dividido em três parcelas de R$ 200, para trabalhadores do município. O benefício é destinado a diversos setores, como tapioqueiras, artesãos, barraqueiros da praia, condutores escolares e guias turísticos. A expectativa é começar a pagar 15 dias após a lei ser sancionada e publicada no Diário Oficial. Antes disso, o projeto deve ser apreciado e votado pela Câmara.

BURAQUEIRA – A população de Triunfo, oásis em pleno Sertão do Pajeú, com temperatura média de 15 graus, chegando a despencar no inverno, ficando com cara de cidade europeia, perdeu a paciência com o governador Paulo Câmara diante do descaso da PE-365, que liga a cidade ao município vizinho de Serra Talhada. Não há quem suporte tamanha buraqueira, o que tem provocado uma onda de acidentes com vítimas fatais.

Perguntar não ofende: Qual vai ser a próxima baixa no Governo Bolsonaro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Os hipócritas iguais a esse FILHO da PUTA marcos de camaragibe, mamador de piroca e queima rosca, usam Deus , Pátria e Família, nós amamos o Verde e Amarelo pra disfarçar suas maldades! Oh! Viado cabra safado. Filho da Puta.

Fernandes

Ciro gomes, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão . No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

Fernandes

O Golpe falhou! Já se fala em Renúncia! Parece que Deus está ouvindo nossas preces!

Fernandes

Adolf Hitler deixou uma mensagem para o povo brasileiro: ...... Bozo é Ladrão e Genocida.

Fernandes

O fascismo é um tipo de psicopatia, o braço direito de Adolf Hitler, Goebbels, antes de suicidar-se matou os filhos e a esposa envenenados, o Brasil está cheio desse psicopata, inclusive no poder.



29/03


2021

Coluna da segunda-feira

Um livro ressurgido das cinzas 

Eu ainda morava em Brasília em 2000, ano que marcou a interrupção de um projeto de poder da chamada União por Pernambuco, liderada pelo então governador Jarbas Vasconcelos (MDB). O responsável pelo encurtamento do sonho era, na época, a maior liderança do PT no Nordeste em ascensão: o deputado estadual mais votado do Estado dois anos antes, nas eleições de 1998, de tradição operária, forjada na luta sindical pontuada por greves históricas, João Paulo e Silva.

Aquela eleição acompanhei boa parte em viagens periódicas ao Recife, cenário de uma disputa que despertou as atenções do País. Afinal, o que estava em jogo era a manutenção no poder de um grupo arregimentado numa aliança à direita por Jarbas Vasconcelos, já rompido com o mito Miguel Arraes, símbolo do esquerdismo em Pernambuco. Arraes e Jarbas combateram a ditadura, desafiaram os coronéis de patentes e sem patentes, urbanos e rurais, mas sempre numa relação de desconfiança. 

Quando Arraes voltou do exílio no final dos anos 80, anistiado no bojo de um processo de reabertura lento, mas gradual, das liberdades democráticas no País, porteira aberta pelo ex-presidente Ernesto Geisel, encontrou seu campo de liderança ocupado por novas cepas de homens públicos, entre eles o próprio Jarbas e Marcos Freire, este o mais brilhante senador da história pernambucana. Tomou o lugar de Arraes na disputa pelo Governo do Estado nas eleições de 1982, mas perdeu, surpreendentemente, para Roberto Magalhães por causa de um fator casuístico, o voto vinculado.

O casuismo, que mudou de última hora as regras do jogo, obrigou o eleitor a votar em candidatos de um mesmo partido para todos os cargos em disputa, sob pena de anular seu voto. Alijado da disputa, Arraes assistiu de camarote à derrota do concorrente no mesmo campo ideológico e, quatro anos depois, voltou ao Palácio do Campo das Princesas pela porta que saiu deportado pelo regime de exceção. Foi protagonista de uma das eleições mais emocionantes do País. Esmagou nas urnas o hoje ex-ministro José Múcio Monteiro, na época um jovem político egresso da sua Rio Formoso, onde foi eleito prefeito, mas não tomou posse, para assumir a presidência da Celpe.

Arraes e Jarbas começaram a cortar o cordão umbilical em 1990. Candidato a governador numa disputa em que perdeu para Joaquim Francisco, candidato da direita moderna, Jarbas acabou traído por Arraes, que não aceitou disputar o Senado em sua chapa, montou uma chapinha para federal já filiado ao PSB e fez corpo mole na campanha. Oito anos depois, já abraçado com a direita numa aliança arquitetada pelo ex-deputado federal José Mendonça Bezerra, a chamada União por Pernambuco, Jarbas deu o troco a Arraes e o derrotou de forma acachapante. 

Mas esta mesma aliança, liderada por Jarbas, não conseguiu manter, dois anos depois, nas eleições de 2000, a Prefeitura do Recife. Curioso, mergulhei nos bastidores daquela tumultuada eleição, na qual houve de tudo, de greve da PM com troca de tiros em frente ao Palácio a uma "banana" dada pelo prefeito e candidato à reeleição Roberto Magalhães. O resultado da longa pesquisa e apuração dos fatos resultou no livro "A derrota não anunciada", reeditado nos últimos dias, em capítulos neste blog, como contribuição à história política de Pernambuco.

A repercussão é tamanha que os últimos livros, disponíveis nos sebos da cidade, foram esgotados depois da publicação dos primeiros capítulos. Daí, uma boa notícia aos interessados pela obra: será reeditada em edição virtual ainda neste primeiro semestre e, provavelmente, em papel também.

GOLPE MILITAR – O jornalista Mario Sergio Conti propôs, em coluna no jornal Folha de S. Paulo, um golpe militar para retirar do poder o presidente Jair Bolsonaro. O texto foi publicado na edição impressa do jornal no sábado passado. O título divulgado pelo jornal na internet é este: “Nata militar poderia, sim, derrubar Bolsonaro, mas precisaria ter coragem”. Na edição impressa, o título é diferente e apenas alusivo: “O pocotó das valquírias". No texto, Conti cita Claus von Stauffenberg, conde e coronel do exército alemão na 2ª Guerra. Stauffenberg liderou uma tentativa de assassinato a Adolf Hitler em julho de 1944. O atentado foi malsucedido. Von Stauffenber e outros participantes do complô foram executados pelo governo nazista.

PISADA DE BOLA – Ao trocar o seu domicílio eleitoral, Caruaru, por Recife, para receber a primeira dose da vacina anti-covid, o deputado José Queiroz (PDT) deu um péssimo exemplo como homem público. Feriu violentamente o código da ética e dos bons costumes. Na prática, discriminou sua Caruaru, que governou por três vezes, e como cidadão não residente na capital tirou a vaga de mais um que poderia ser vacinado nessa corrida desenfreada pela vida. A moral e a ética, se ele não sabe, são duas invenções humanas que dependem muito do espaço geográfico que se ocupe.

VENCENDO A PANDEMIA - O financiamento imobiliário com recursos da poupança deve crescer 27% em 2021 em relação a 2020, ultrapassando o recorde da série histórica, segundo dados da Associação Brasileira de Entidades de Créditos Imobiliário e Poupança. A expectativa da associação é que a soma dos financiamentos chegue a R$157 bilhões neste ano. No ano passado, o valor financiado foi de R$ 124 bilhões, o mais alto da série histórica (sem correções pela inflação), iniciada em 1994. A presidente da instituição, Cristiane Portella, diz que o mercado imobiliário já apresentava um cenário de retomada antes da pandemia e as baixas taxas de juros possibilitaram que a compra e o financiamento de imóveis permanecessem em alta mesmo com a pandemia.

CIRURGIAS SUSPENSAS – O Governo de Pernambuco prorrogou até o dia 4 de abril a suspensão das cirurgias eletivas, aquelas que são agendadas e não urgentes. Motivada pelo agravamento da pandemia da Covid-19, essa prorrogação vale para as redes pública e privada em todo o Estado. A prorrogação foi publicada no Diário Oficial sábado passado, dia em que o Estado bateu outro recorde na média móvel de casos. As cirurgias eletivas estavam suspensas desde 8 de março para que mais leitos fossem destinados a pacientes com Covid-19.

RETORNO AO TRABALHO – Também no mesmo sábado, no Diário Oficial, foi publicada uma portaria determinando que os profissionais de saúde que estejam imunizados com as duas doses da vacina contra a Covid-19 e estavam afastados de suas funções devem retornar ao trabalho presencial 21 dias após a aplicação da segunda dose do imunizante. Ao retornarem ao trabalho, é preciso apresentar, no setor de gestão de pessoal da unidade, uma cópia do cartão de vacinação para comprovar o esquema vacinal completo. "Caso o trabalhador finalize o esquema vacinal e após 21 dias não retorne ao trabalho, serão tomadas as medidas administrativas cabíveis. Já aqueles trabalhadores que, porventura, se recusam a tomar a vacina deverão assinar um termo de responsabilidade, que será disponibilizado na sua unidade de lotação", informou o Governo, em nota.

CURTAS

QUEIXAS – Foi na condição de porta-vozes do mercado que os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), participaram, na manhã da última quarta-feira, de um encontro com o presidente Jair Bolsonaro para discutir a pandemia, no Palácio do Planalto. Na ponta da língua eles tinham as queixas e avisos do empresariado, de banqueiros e do mercado financeiro. Coube a Pacheco sugerir a criação do comitê para coordenar o enfrentamento da Covid-19.

TROCAR DE ROUPA – Ainda na quarta, Lira decidiu fazer um discurso no plenário para alertar Bolsonaro de que o Congresso dispõe de “remédios políticos amargos”, alguns “fatais”, com o objetivo de impedir “a espiral de erros de avaliação”. A primeira versão do texto continha a palavra “impeachment”. Tanto Lira quanto Pacheco ouviram dos empresários a expectativa de que o presidente “troque de roupa”.

Perguntar não ofende: Que tal abrir uma CPI no Congresso para apurar a roubalheira nos Estados e Municípios do dinheiro federal da Covid por governadores e prefeitos?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ciro, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão . No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

marcos

Lula diz que desobedeceu tem que mandar pro inferno. Fdp

marcos

Rui Costa PT assassino.

marcos

Cuidado com os governadores de Esquerda, eles mandam matar qualquer cidadão.

Fernandes

Estou absolutamente convencido de que a principal fonte de ódio no mundo, é a religião.



27/03


2021

Coluna do sabadão

A Globo também sangra

Em era de pandemia, geradora de vacas magras, associada ao fenômeno da internet, a mídia tradicional pena. Não são apenas os jornalões que agonizam. O poderoso grupo Globo Comunicação e Participações, detentor da concessão da TV-Globo, não foge à regra. Maior grupo de mídia do Brasil, comunicou, ontem, que teve faturamento de R$ 12,5 bilhões em 2020, com uma queda de 11% sobre os R$ 14 bilhões faturados em 2019.

Os dados foram publicados numa reportagem do jornal Valor Econômico, veículo do mesmo grupo. O conglomerado informou que teve lucro líquido consolidado de R$ 167,8 milhões em 2020, queda de 77,7% em relação aos R$ 752,5 milhões registrados em 2019. Segundo relata o texto do jornal Valor, “apesar das dificuldades causadas pela pandemia, a empresa manteve, no ano passado, investimentos de R$ 4,5 bilhões em conteúdo e de mais de R$ 1 bilhão em tecnologia”.

A redução no lucro foi causada, diz a Globo, “pelo efeito da desvalorização do real sobre a dívida em dólar da empresa, sem efeito caixa”. Em 2020, o grupo terminou o ano com um caixa declarado de R$ 13,6 bilhões, cifra que seria “equivalente a 2,5 vezes a dívida da companhia no fim do ano, de R$ 5,4 bilhões”. No caso da queda de receita líquida consolidada (de R$ 12,5 bilhões em 2020 frente a R$ 14 bilhões de 2019), a maior queda “foi na publicidade, que responde por 60% da receita total”.

A Globo disse ter perdido 17% de faturamento em publicidade em 2020 na comparação com 2019. “Já nas receitas de conteúdo, que são os restantes 40% do bolo, o desempenho ficou ‘em linha’ com 2019”, afirma o grupo. A queda na receita de publicidade tem sido constante para todos os meios de comunicação tradicionais, que enfrentam forte concorrência das empresas de tecnologia, com o Google sugando quase todas as verbas do mercado.

Há pelo menos três anos que o Google no Brasil, sozinho, fatura mais do que Globo em publicidade. O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Globo Comunicação e Participações foi de R$ 688 milhões, “queda de 26% sobre os R$ 933 milhões de 2019”. Segundo a empresa, “a margem Ebitda foi de 6% ante 7%, no ano anterior”. Já o resultado operacional líquido “foi de R$ 366,3 milhões, 36% abaixo dos R$ 573 milhões de 2019”.

Terreno positivo – Os resultados em 2020 têm “terreno positivo”, diz o diretor-geral de finanças da Globo, Manuel Belmar, citado pelo Valor. A empresa teve de reduzir custos fixos. Houve corte de 11% nos custos relacionados com vendas e de 7% nos custos gerais. O lucro acabou caindo mesmo assim por causa, sobretudo, do impacto da desvalorização do real frente ao dólar. A dívida em dólares da Globo e a desvalorização do câmbio tiveram efeitos no item despesa financeira. Por conta dessa conjuntura, informa a empresa, “essa linha do balanço, que havia sido negativa em R$ 411,8 milhões em 2019, subiu para R$ 1,9 bilhão em 2020”.

Ainda é confortável – A Globo tem dívida atrelada a três emissões de bônus que vencem em 2025, 2027 e 2030. Segundo o diretor Manuel Belmar (foto), “a situação do endividamento é confortável uma vez que a empresa tem capital próprio para suportar as operações”. A dívida conta ainda com “hedge” (cobertura contra risco) e parte dela tem “swap” (contrato de troca de moedas) para reais. A empresa tem sofrido forte impacto por causa da pandemia. A produção de conteúdo próprio (como novelas) teve de ser interrompida por muitos meses. Além disso, houve o adiamento do calendário esportivo (a transmissão de competições diversas são importante vertical de rentabilização da Globo).

Gravações interrompidas – A Globo tem, aproximadamente, 14 mil colaboradores. “Em março de 2020, cerca de 75% dos funcionários passaram a trabalhar de casa. Os restantes 25% continuaram no trabalho presencial”, informa a empresa. Na semana que está se encerrando, veio um novo revés por causa do recrudescimento da pandemia de coronavírus. Na terça-feira passada, a Globo emitiu uma nota: “Em decorrência do agravamento da crise pandêmica e das medidas restritivas estabelecidas pelas autoridades locais, a Globo se antecipou e definiu que, a partir daquela data, as gravações das obras de dramaturgia serão interrompidas. Séries e novelas só deverão voltar a gravar no dia 5 de abril, ao final do prazo decretado pelas Prefeituras do Rio de Janeiro e São Paulo”.

Só reprises – Desde 2020, quando deixou seus estúdios fechados, a Globo passou a exibir reprises. Segundo a empresa, “mesmo forçada a exibir algumas reprises, os Canais Globo falaram em 2020 com 100 milhões de pessoas por dia. Já os produtos digitais de jornalismo (G1), de esporte (GE) e de entretenimento (GShow), o Globoplay e o ‘fantasy game’ Cartola FC alcançaram, em média, 100 milhões de pessoas por mês”. O Globoplay, aposta da emissora para ganhar terreno no setor de streaming, “aumentou o volume de assinantes em quase 80%” em 2020. A Globoplay tem parceria com a Walt Disney Company. Há um combo Globoplay e Disney+ disponível desde novembro do ano passado.

A filha mandante – A deputada Flordelis (PSD-RJ) revelou que uma de suas filhas, Simone, foi a mandante do assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo, morto a tiros na casa da família, em 2019. A declaração foi feita em entrevista ao apresentador Pedro Bial, da TV Globo, exibida quinta-feira passada. De acordo com a congressista, Simone sofria abusos e violência sexual. “Além de estar com câncer, sofrendo com câncer, ela carregava isso sozinha, em silêncio, esses assédios, esses estupros. Ela carregava sozinha, Bial. Não estou defendendo-a, porque não concordo com o que ela fez. Eu discordo 100%. Ela não podia ter feito isso, não é matando que resolvemos os problemas”, afirmou Flordelis.

CURTAS

HORROR – Com a confirmação, ontem, de 2.227 casos da Covid-19 o Estado atingiu, pelo terceiro dia consecutivo, recorde nas estatísticas. A média móvel de diagnósticos da doença chegou a 1.960, a maior desde o início da pandemia, em março de 2020. Ao todo, o Estado tem 341.249 infectados pelo novo coronavírus. A Secretaria de Saúde também confirmou 62 novos óbitos, ocorridos entre o dia 10 de outubro de 2020 e quinta-feira passada. Com esses novos registros de mortes, a média móvel de falecimentos em Pernambuco subiu para 43, a mais alta desde 11 de agosto do ano passado.

MAIS VACINAS – Pernambuco recebeu, ontem, mais doses 177 mil doses da vacina contra a Covid-19. A remessa era esperada para quinta-feira, mas houve um atraso na entrega. Com o novo lote, o Governo orientou que todas as cidades comecem a vacinar idosos a partir de 65 anos. O voo aterrissou no Aeroporto Internacional do Recife às 7h56. Ao todo, chegaram 133.200 doses da vacina CoronaVac e outras 44.720 doses da vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz.

Perguntar não ofende: A Globo está em dia com as certidões negativas para lutar pela renovação da sua concessão?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ou você segue Deus ou segue Bolsonaro seguir os dois é tecnicamente impossível.

Fernandes

Pensar incomoda.

Fernandes

Os hipócritas iguais a esse FILHO da PUTA marcos de camaragibe, mamador de piroca e queima rosca, usam Deus , Pátria e Família, nós amamos o Verde e Amarelo pra disfarçar suas maldades! Oh! Viado cabra safado. Filho da Puta.

Fernandes

Ô filho da Puta do cu arrombado, em qual dicionário tem essa palavra? Agora que Bozo é Ladrão todo dicionário tem. E vai dar o cu na Rua da Esquina pra dormir feliz.

Fernandes

marcos de camaragibe, analfa, a palavra correta é ARRETOU-SE, e não arretosse, aprende português filho da puta pirobo safado.



26/03


2021

Coluna da sexta-feira

Panos mornos na crise

Em meio à crise sanitária, o País enfrenta outra crise, de natureza política, e que parecia ganhar novos contornos com a declaração do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), na última terça-feira, sinalizando que havia uma discordância dele com o presidente Bolsonaro na condução da pandemia. O deputado afirmou que está acionando um “sinal amarelo” e mencionou remédios políticos “amargos” e “fatais”.

A declaração foi feita no mesmo dia em que o presidente Bolsonaro fez uma reunião com chefes dos Poderes e governadores para discutir o combate à pandemia e anunciou a criação de um comitê para o acompanhamento da pandemia. Foi o mesmo dia também em que o Brasil ultrapassou a marca dos 300 mil mortos por covid-19.

Mas, ontem, o presidente da República disse que não há problemas em sua relação com o presidente da Câmara. A declaração de Lira deu a entender que o Legislativo não iria tolerar mais erros na condução do combate à pandemia. “Eu conversei com o Lira. Não tem problema entre nós. Zero problema. Conversamos sobre muitas coisas”, disse Bolsonaro a jornalistas em incomum caminhada pelo salão térreo do Palácio do Planalto.

“Nunca teve nada de errado. Meu velho amigo de parlamento, torci por ele, e o governo continua tudo normal”, acrescentou. A fala de Lira, entretanto, foi muito dura e deixou a impressão de estar ocorrendo um distanciamento. “Estou apertando um sinal amarelo para quem quiser enxergar. Não vamos continuar votando e seguindo um protocolo legislativo com o compromisso de não errar com o País se, fora daqui erros primários, erros desnecessários, erros inúteis, erros que são muito menores do que os acertos cometidos continuarem a serem praticados”, afirmou.

O presidente da Câmara pediu um esforço concentrado para a pandemia. “Faço um alerta amigo, leal e solidário: dentre todos os remédios políticos possíveis que esta Casa pode aplicar num momento de enorme angústia do povo e de seus representantes, o de menor dano seria fazer um freio de arrumação até que todas as medidas necessárias e todas as posturas inadiáveis fossem imediatamente adotadas”.

Sem troca – Bolsonaro foi perguntado sobre a situação do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Cresceu nos últimos dias a pressão de congressistas para que o presidente demita o chanceler. No discurso da quarta-feira, Lira também criticou publicamente a política externa brasileira, mas Bolsonaro limitou-se a dizer: “Não estamos medindo esforços para contratar vacinas “. Também afirmou que sua relação com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, é “excepcional”. Bolsonaro foi consultado por ministros sobre essa troca e rechaçou a possibilidade. “Não me peçam para trocar o Ernesto”, respondeu. Havia dentro do Palácio do Planalto a sugestão para que o almirante Rocha, hoje titular da Secretaria de Assuntos Estratégicos e interino na Secom da Presidência, fosse deslocado para o Itamaraty.

Normalidade em abril – No pior momento da pandemia, o governador Paulo Câmara anunciou, ontem, que vai estender, até 31 de março, a quarentena que está em vigor desde o dia 18. Informou que em abril haverá reaberturas de atividades econômicas com novos protocolos. "A partir de 1º de abril, as atividades econômicas poderão reabrir das 10h às 20h, nos dias de semana, e das 9h às 17h, aos sábados, domingos e feriados. As praias voltarão a ter atividades físicas individuais permitidas, e a volta às aulas estará liberada, a partir do próximo dia 5 de abril, para a rede privada e para o ensino médio da rede estadual", declarou.

Missas e cultos – As celebrações religiosas em Pernambuco, desde que obedecendo aos protocolos e horários pré-estabelecidos, também estarão permitidas em 1 de abril. O secretário estadual de Saúde, André Longo, disse que a segunda semana de março foi a pior de 2021. "Foram 1.594 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Houve um aumento de 19%, em uma semana, e de 40%, em 15 dias. Ainda mais grave é o número de internados em UTI por conta da Covid-19. Esse número tem subido constantemente", declarou.

Retomada gradual – André Longo afirmou também que é preciso cuidado com os novos tempos de normalidade. "A retomada das atividades será gradual e sua evolução e intensidade continua atrelada ao comportamento das pessoas e aos números da pandemia", disse. Quanto às medidas adotadas nesta quarentena serem mais brandas que o que foi praticado em maio de 2020, Longo disse o seguinte: “Naquela época, havia rodízio para circulação de veículos e restrição maior dos serviços autorizados a funcionar”. De acordo com o secretário, o Estado "buscou fazer medidas restritivas baseadas na experiência anterior". Ele disse, ainda, que não "houve uma diminuição dos efeitos desse processo".

Bolada para emendas – O relator do Orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC), cancelou R$ 26,46 bilhões em despesas do seu parecer e remanejou os recursos para obras e gastos dos ministérios. A mudança foi apresentada, ontem, numa complementação de voto. O Ministério do Desenvolvimento Regional ficou com R$ 8,7 bilhões. O Fundo Nacional de Saúde, com R$ 8,3 bilhões. Para fazer as mudanças, foram cancelados recursos reservados inicialmente pelo Poder Executivo para benefícios previdenciários (R$ 13,5 bilhões), para abono salarial (R$ 7,4 bilhões) e para seguro-desemprego (R$ 2,6 bilhões).

CURTAS

REPÚDIO – O gesto feito por Martins, pouco antes de ajeitar a lapela de seu terno, é parecido com um sinal de “Ok”. No Brasil, faz alusão ao ânus. Nos Estados Unidos, o mesmo gesto é usado por supremacistas brancos que exaltam o que chamam de “White Power” (poder branco). “Nós queremos aqui uma vez mais repudiar todo e qualquer ato que envolva racismo ou discriminação de qualquer natureza, repudiar qualquer tipo de ato obsceno caso tenha sido essa a conotação no Senado ou fora dele”, declarou Pacheco.

TRANSPLANTADOS – Pacientes renais crônicos, transplantados e portadores do vírus HIV podem ser priorizados no processo de imunização contra a Covid-19 se a Câmara dos Deputados aprovar projeto da deputada Mara Rocha (PSDB-AC). “São eles os pacientes renais crônicos, pacientes transplantados e portadores do vírus HIV, que também apresentam enormes chances de agravamento da doença em função das comorbidades que os acometem e que, portanto, precisam ser priorizados nas primeiras filas da vacinação”, alegou.

Perguntar não ofende: A nova eleição em Arcoverde deve ser marcada pelo TSE já em maio, diante de mais uma decisão tomada ontem pelo TRE?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ciro, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão neste sábado. No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

marcos

Que fique bem claro, Lula é Ladrão.

Fernandes

Ciro, sobre família Bolsonaro: “Se gritar pega ladrão, não fica um” Ciro Gomes voltou a chamar Jair Bolsonaro de ladrão neste sábado. No Twitter, o pedetista compartilhou uma reportagem da Folha sobre as investigações que miram os quatro filhos do presidente, e escreveu: “‘Se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão’. O chefe da quadrilha é o pai, Jair Bolsonaro!”

marcos

Bem vou tomar uma, mas não se esqueçam que Lula é Ladrão. Boa noite.

Fernandes

Bolsonaro é o Corrupvírus brasileiro.



25/03


2021

Coluna da quinta-feira

Só Lula não é pecador?

Se Lula, que comandou a quadrilha do mensalão, foi condenado, preso e já está livre, que futuro então está reservado aos mais de cem larápios, que, como ele, meteram a mão no dinheiro alheio, quebraram a Petrobras e foram responsáveis pelo maior escândalo da República do século? Com a palavra o Supremo Tribunal Federal, primeiro o ministro Edson Fachin, que atestou a santidade de Lula, depois o ministro Gilmar Mendes, que perseguiu e, finalmente, transformou Sérgio Moro de herói a bandido.

O Brasil não é um País sério, atribuíram esta frase a De Gaulle, ex-presidente francês que comandou as Forças Livres durante a Segunda Guerra Mundial. Nunca se provou, mas o Brasil é uma bagunça, um País sem lei, injusto socialmente e economicamente, uma republiqueta de quinta categoria. Sua justiça é injusta, só funciona para ladrão de galinha. Ladrão que mete a mão no meu, no seu, no dinheiro de todo cidadão que paga imposto, faz letra morta a mesma lei que aprisiona os pequenos sem dinheiro para recorrer a advogados movidos à dólar.

Ex-deputado federal preso pelo mesmo pecado cometido pelo ex-presidente Lula, Pedro Corrêa tem razão de sobra quando afirma, como fez ontem no Frente a Frente, que vai exigir a mesma regalia dada a Lula pela mais alta corte da justiça, o STF. O petista gatuno já está livre, com direitos políticos restaurados para disputar à Presidência da República, enquanto Corrêa, mesmo já tendo cumprido os rigores da lei de uma pena de 7 anos e três meses, continua preso em casa, usando tornozeleira.

Detido porque o ministro Luís Roberto Barroso, relator, engavetou o processo e se nega a soltar o ex-deputado. Corrêa já fez de tudo, seus advogados agiram, cumprindo todos os prazos legais, recorreram a todos os recursos previstos na lei, mas Barroso não está nem aí. Ignora o sofrimento do réu e nem respeita o princípio legal de que cumpriu integralmente sua pena. Comparado ao caso Lula, dois pesos, duas medidas. Justiça não pode discriminar nem privilegiar, menos no Brasil, o País da justiça torta.

O STF já atestou que Lula não é um pecador igual aos mais de 100 envolvidos na Lava Jato. Tudo bem, mas o que vai acontecer, por exemplo, com os que fizeram delação premiada e devolveram R$ 5 bilhões que roubaram para terem suas penas abrandadas? Pela lógica, já que o ex-juiz Sérgio Moro foi julgado suspeito de comandar a Lava Jato, tudo por ele julgado não vale nada. Se não vale para o ex-presidente, está, consequentemente, inválido para os demais condenados. Esses terão o direito de pedir de volta o que pagaram em suas delações.

Moro reage – O ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro afirmou, ontem, em nota, que tem “absoluta tranquilidade” em relação às suas decisões quando julgou casos da Lava Jato na 13ª Vara Federal de Curitiba. Ele disse também que sempre baseou suas decisões nos processos judiciais, inclusive àquelas ligadas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "Tenho absoluta tranquilidade em relação aos acertos das minhas decisões, todas fundamentadas, nos processos judiciais, inclusive quanto aqueles que tinham como acusado o ex-presidente”, afirmou Moro em nota divulgada em seu perfil no Twitter.

Decisão incontestável – Na nota, o ex-juiz lembrou ainda que a sua decisão de condenar Lula no caso foi confirmada pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) e pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Moro ainda defendeu a atuação da Lava Jato. Segundo ele, a operação foi um marco no combate à corrupção no Brasil e na América Latina. O ex-juiz disse ainda que a Lava Jato colocou fim à impunidade generalizada. “O Brasil não pode retroceder e destruir o passado recente de combate à corrupção e à impunidade e pelo qual foi elogiado internacionalmente“, afirmou. Para o ex-juiz federal, a atuação na Lava Jato sempre foi imparcial. Afirmou ainda que nunca teve animosidade com nenhum acusado nos processos que julgou.

Nada apaga – O procurador da República Deltan Dallagnol, ex-coordenador da Lava Jato, também defendeu a conduta da força-tarefa. Por meio do Twitter, Deltan disse que “nada apaga a consistência dos fatos e provas dos numerosos casos da Lava Jato, sobre os quais caberá ao Judiciário a última palavra”. “A Lava Jato investigou crimes e aplicou a lei. Os 5 bilhões devolvidos por criminosos confessos aos cofres públicos não cresceram em árvores”, disse. Na noite da última terça-feira, a defesa do ex-presidente Lula chamou a decisão de “histórica e revigorante”. Em nota, os advogados Cristiano Zanin e Valeska Martins comemoraram o fim do processo que iniciou em 2018.

Comitê da crise - O presidente Jair Bolsonaro se reuniu, ontem, no Palácio do Alvorada, com governadores e chefes de Poderes para tratar de medidas de combate à pandemia. Anunciou que será criado um comitê que se reunirá semanalmente para discutir as políticas para conter o alastramento da covid-19. O presidente voltou a defender o “tratamento precoce”. “Será criado um comitê que se reunirá toda semana com autoridades para decidirmos ou redirecionarmos o rumo do combate ao coronavírus“, disse Bolsonaro a jornalistas depois da reunião. Participaram da reunião governadores, os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux. Também foram ao Palácio ministros do governo e o vice-presidente Hamilton Mourão.

Tratamento precoce – O presidente foi o único dos chefes de Poderes a falar sobre “tratamento precoce”. O chefe do Executivo disse que o assunto foi tratado no encontro. Segundo ele, ficam a cargo do ministro da saúde, Marcelo Queiroga, os protocolos em torno do método de tratamento, que não tem eficácia comprovada cientificamente. Bolsonaro disse que o novo ministro “respeita o direito e o dever do médico [em prescrever o tratamento] off label”. No entanto, declarou que “não temos remédio” para a doença. “Nossa união, nosso esforço entre os Três Poderes da República, ao nos direcionarmos para aquilo que realmente interessa, sem que haja conflito ou politização do problema, é o caminho para o Brasil sair dessa situação complicada em que se encontra”, disse o presidente.

CURTAS

PEDIDOS – Os governadores levaram uma série de demandas ao presidente. Cada região teve um representante na reunião. Foram eles: Ratinho Júnior (PSD), governador do Paraná; Renan Filho (MDB), governador de Alagoas; Cláudio Castro (PSC), governador do Rio de Janeiro; Ronaldo Caiado (DEM), governador de Goiás; e Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas. Alguns deles adotaram medidas que foram atacadas por Bolsonaro durante a crise, como confinamentos.

MORTES – O Ministério da Saúde confirmou mais 3.251 mortes pela covid-19. É o maior número já registrado em um único dia desde o início da pandemia. O número nunca havia ficado acima de 3.000. No total, 300.018 pessoas morreram vítimas da covid-19 no País. Na terça-feira, Bolsonaro fez um pronunciamento na televisão, no qual defendeu a vacinação contra a covid-19 no Brasil. Políticos de diversos espectros ideológicos foram às redes sociais para criticar o presidente.

Perguntar não ofende: Palocci será o primeiro a pedir de volta o dinheiro que abriu mão para fazer sua delação premiada?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bolsonaro é o Corrupvírus brasileiro.

marcos

Que fique bem claro, Lula é Ladrão.

Fernandes

Bolsonaro é o Corrupvírus brasileiro.

Fernandes

Pazuello solta uma direta na saída: não tenho mansão no lago sul de Brasília.

Fernandes

Os hipócritas iguais a esse FILHO da PUTA marcos de camaragibe, mamador de piroca e queima rosca, usam Deus , Pátria e Família, nós amamos o Verde e Amarelo pra disfarçar suas maldades! Oh! Viado cabra safado. Filho da Puta.