Vila Perpétuo do Socorro não há celular, mas internet sim

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A vila Perpétuo do Socorro, encravada numa serra em Alagoinha, a 240 km do Recife, parece viver no isolamento. Para chegar lá, só com um carro possante. O acesso é difícil, com curvas acentuadas, pedras numa estrada de chão batido. Lá, não há telefonia celular, mas a internet chegou por ondas de rádio. E em breve os alunos da Escola Municipal José Paes Gramim vão ganhar um centro de inclusão digital, implantado pela Prefeitura.

Foi nessa escola, com 900 alunos, que falei sobre inclusão digital e a internet na era do conhecimento. Encontrei uma garotada bonita e antenada com o mundo virtual. Quase todos com conhecimento e sendo usuários das redes sociais. Quanto à telefonia celular, não há prazo para a população ganhar o sinal.

O prefeito Maurílio de Almeida (PTB) está tentando levar uma operadora para o distrito. Enquanto não vem, ele prefere investir na melhoria do acesso e na infraestrutura de serviços, além da educação. A escola escolhida por ele é dirigida pelo professor Luiz Carlos, que uniu uma multidão no pátio da escolas. Mesmo não tendo cadeira para todos, eles acompanharam o evento atentamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alagoinha tem 14.913 habitantes. Seu nome  é proveniente da grande quantidade de pequenas lagoas existentes nas terras do município. Na chamada pedra do letreiro estão gravadas várias inscrições rupestres. Foram identificadas tanto pinturas como gravuras, demonstrando a ocupação da região por tribos indígenas pré-históricas há milhares de anos. Na zona urbana o belo casario histórico no centro da cidade encantam os visitantes da terra do xerém.

Entre os principais atrativos naturais da cidade estão o belo lagedo, que forma lagoas, poços e montes, ele fica localizado no bairro do coqueiro e no cruzeiro. Outros atrativos são as trilhas ecológicas: como a trilha que leva até a Serra do Gavião (Pesqueira) formada por mata de transição,entre a caatinga e a vegetação litorânea, ainda intocada pelo homem. Alagoinha conta ainda com outras lagoas (peri-peri, de beber, do junco etc) e cachoeiras enchem os olhos dos visitantes.

O artesanato  destaca-se pelos trabalhos em palha, bordados e renda renascença. No Sítio Pindoba está localizada a Pindoarte, associação de artesanato em palha de milho, e na zona urbana está a Cooperativa de Bordados. Essas cooperativas de artesãos exportam o produto e o nome de Alagoinha para diversas partes do mundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No mês de Outubro, ocorre o Alagofest (Carnaval Fora de Época), onde atrai muitos visitantes das cidades vizinhas. O mesmo reúne atrações de grandes nomes e uma super estrutura no BLOCO PINÉL, coordenado pela LW Produções & Eventos.

Parque Brasília, Dona Teca, Vassouras e Angélicas são sinônimos de festa e animação em toda a cidade e zona rural. Há dezenas de anos a cidade se anima toda para festejar a mais emocionante tradição da cidade, na qual os vaqueiros entram na caatinga fechada para buscar reses de há muito lá colocadas para este fim. Suor, arranhões e a glória do animal trazido ''à unha'' motivam estes homens bem mais que um simples prêmio em dinheiro ou representado por um eletrodoméstico qualquer.

Publicado em: 08/12/2011