Guedes: Governo vai anunciar 3 ou 4 grandes privatizaƧƵes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou, hoje, que o governo irá propor, em até 60 dias, a privatização de três ou quatro grandes empresas públicas.

"Eu acho que o congresso estará ao nosso lado. O presidente estará nos ajudando com a coordenação política", declarou. Porém, Guedes não citou o nome das empresas a ser vendidas. As declarações foram dadas em um evento online promovido pela "Fundación Internacional para la Libertad" (FIL).

Segundo o ministro, as privatizações são uma estratégia para melhorar as contas públicas e o perfil da dívida pública. Esses dois indicadores pioraram por conta dos gastos extraordinários com a pandemia do novo coronavírus.

"Temos menos tempo, perdemos um ano em termos de espaço fiscal, mas ganhamos milhões de vidas, a economia continuou com os sinais vitais preservados. Então, estou dizendo que o Brasil vai surpreender o mundo de novo. No ano passado, passamos uma reforma difícil [Previdência] e vamos surpreender neste ano, porque estávamos votando as propostas", declarou o ministro.

Questionado sobre a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) prevista para 2021, Guedes estimou uma alta de 3% a 3,5% no período. O mercado financeiro estima uma expansão de 3,5% para a economia brasileira no próximo ano.

"Mas não gosto de previsões. O que podemos fazer é atuar como um bom jardineiro. Só podemos cuidar do jardim e esperar que as borboletas venham. Acho que o Brasil vai voltar logo, talvez mais cedo o que muitos países avançados", afirmou.

O ministro da Economia disse que o Brasil vai "surpreender o mundo de novo" e lembrou que, no ano passado, foi aprovada a reforma da Previdência Social. "O Congresso é pré-reformas e nos dará apoio. Estou otimista com o que acontecerá neste ano", declarou.

Guedes informou que o governo buscará aprovar no Congresso, em até duas semanas, o marco legal do gás natural. De acordo com o ministro, as novas regras promoverão "choque de energia barata" na economia brasileira.

Ele voltou a dizer que não haverá um aumento do nível geral de impostos com a reforma tributária, mas que pode haver substituições. "Se uma taxa aparece, é para substituir outra", declarou.

O ministro acrescento que, se a reforma provocar um aumento da arrecadação acima do previsto, as alíquotas serão posteriormente reduzidas.

Segundo o ministro da Economia, impostos sobre a folha de salários são uma "arma de destruição de empregos" e são a "taxa mais estúpida que pode haver no mundo". A área econômica tem defendido um imposto sobre pagamentos eletrônicos para conseguir reduzir a tributação sobre a folha de pagamentos.

Publicado em: 06/08/2020