O vírus está vencendo Trump

Por Marcelo Tognozzi

A cena do policial branco com o joelho no pescoço de um negro, como se estivesse num safari exibindo seu troféu de caça, calou fundo na sociedade dos Estados Unidos. A morte com requintes de perversão mostra a cara feia da pior crise desde 1929. Num dia os americanos viviam num país próspero, a economia bombando, consumo a mil por hora e pleno emprego, tudo muito seguro e confortável. No outro, acordaram sem emprego, sem crédito, empresas fechando, a pobreza crescendo a cada minuto com a grande maioria expulsa da zona de conforto.

Os jovens foram para as ruas. George Floyd, o homem negro transformado em troféu de caça pela brutalidade racista, agora é símbolo dos protestos que tomaram o país. O racismo –melhor: a segregação– existe nos Estados Unidos desde sempre. Está na gênese de uma sociedade nascida de um punhado de segregados pela religião, expulsos da Inglaterra, que embarcaram no May Flower para colonizar as terras do outro lado do Atlântico.

Os Estados Unidos nunca foram uma sociedade igualitária, embora a sua luta pela independência em 1776 tenha inspirado os franceses na sua revolução em 1789. A diferença era que na América só havia a liberdade. A igualdade e a fraternidade vieram depois, por conta dos franceses. A luta pela igualdade na sociedade americana vem de muito longe. Negros e imigrantes foram massacrados por séculos, os índios praticamente dizimados junto com os búfalos. Apesar do intenso movimento pelos direitos civis, de Luther King e Malcon X, os negros somente puderam exercer plenamente o direito ao voto nos anos 1970, como registra o professor Alexander Keyssar no clássico “The Right to Vote”.

O movimento surgido com a morte de Floyd era algo há muito entalado na garganta da grande maioria dos americanos, sejam negros, latinos, asiáticos, indígenas, árabes ou judeus. O rápido empobrecimento de muitos e a perspectiva concreta da pobreza de outros tantos igualou as etnias pelas mesmas necessidades de sobrevivência que todos os seres humanos. É como aquela letra dos Titãs: “Miséria é miséria em qualquer canto. Riquezas são diferentes”.

O discurso violento e desafiador do presidente Donald Trump perdeu consistência diante da tragédia de uma pandemia que já levou mais de 100 mil almas e é administrada com uma incompetência rara. As últimas pesquisas mostram que o candidato democrata Joe Biden tem 48% das preferências contra 40% de Trump, até março considerado imbatível, especialmente pelo crescimento econômico.

A derrota de Trump é uma possibilidade real. Ele não vai perder para Joe Biden. Vai perder para o coronavírus. O presidente mais poderoso do mundo sendo derrotado por um ser invisível vindo de morcegos chineses. Uma pesquisa publicada pela rede de televisão CBS mostrou que o coronavírus influenciará o voto de 52% dos eleitores em novembro deste ano, ficando atrás da economia (72%) e das qualidades pessoais dos candidatos (70%). Mais: 52% dos entrevistados numa pesquisa da YouGov publicada dia 31 de maio consideram Trump racista.

Os Estados Unidos têm um sistema eleitoral com voto facultativo. Normalmente os candidatos fazem duas campanhas: uma para conquistar os votos e, outra, para que as pessoas saiam de casa e votem. Essa maioria que está nas ruas protestando e fazendo política a favor dos direitos civis e da cidadania tem demonstrado uma enorme capacidade de mobilização e é muito provável que consigam tirar as pessoas de casa no dia da eleição.

Se mantiverem isso pelos próximos 5 meses, com Trump acirrando o confronto com seus tweets azedos e a economia afundando ainda mais na recessão, ele será devidamente removido da Casa Branca, passando o bastão para Joe Biden, ex-vice de Obama e durante anos senador pelo pequeno Estado de Delaware, o segundo menor entre os 50 e paraíso fiscal onde estão sediadas mais de 200 mil empresas.

No país da saúde 100% privada onde não há SUS nem salvação, Biden tem aproveitado as derrotas de Trump frente ao coronavírus para conquistar votos, prometendo dar mais acesso à saúde e trazendo de volta o Obamacare e fazendo reverência à frase do político Nathan Sanford, dita na convenção constitucional de Nova York em 1821 e tão atual nestes tempos de pandemônio e pandemia: “O curso das coisas neste país é para a extensão e não para a restrição dos direitos do povo”.

*Jornalista. Artigo escrito para o portal Poder 360.

Publicado em: 06/06/2020