A Desordem Programada I

Por Cássio Rizzonuto

A extrema imprensa e os blogs que tudo repetem sem estudar, pesquisar ou saber o que de fato acontece (inocentes inúteis), querem nos fazer crer que o último discurso do presidente Bolsonaro a respeito do coronavírus – o vírus chinês –, foi ideia sua, isolada.

O presidente está respaldado por sua equipe ministerial e dados levantados nos setores de inteligência governamental. A dose que os governadores estão ministrando, nessa onda do vírus chinês, não deixa nenhuma dúvida de que o objetivo é arrasar o país. Estamos numa pauta comunista, comandada pela China, único a lucrar em todo o caos.

Desde que o vírus deixou Wohan, ganhando o mundo, o noticiário nos diz que a China comprou empresas lucrativas na bacia das almas, com a queda vertiginosa das bolsas, ampliando seu espaço de poder e dominação. A China soltou o vírus, mas já dispunha de remédio, antídoto que fosse para evitar que se prolongasse a epidemia por lá.

Construiu hospital para exibir ao mundo, como se tal obra não estivesse projetada há tempo, esquadrinhada em seus mínimos detalhes. O país deu “show” de eficiência e competência. Em tempo recorde, Wohan saiu da quarentena e deixou os seus cidadãos circularem livremente, garantindo tudo estar seguro e em perfeita ordem.

O que nos deixa a todos intranquilos é saber que a China, que já controla 17 de nossas usinas hidrelétricas, está investindo pesadamente nos meios de comunicação. A TV estatal chinês “praticamente comprou a Rede Bandeirante” e “fechou um acordo de cooperação com o Grupo Globo”, detentor da Rede Globo.

A denúncia foi efetuada por Bernardo Küster, em vídeo que circula na rede, com notícias apanhadas nos próprios meios de comunicação e que ninguém repercutiu. Todos os programas da Globo estão voltados para o fortalecimento da imagem chinesa. Muito dinheiro está sendo injetado ali. A Rede Globo vem devastando o país há muitos anos.

O caso da Band é tão sério que montou um programa, também transmitido pelo canal fechado, Arte 1, com “frases clássicas do presidente Xi Jinping”. Para se ter ideia, o apresentador Datena, inculto e semialfabetizado, detentor de vocabulário extremamente limitado, passou a atacar o presidente Bolsonaro. Não faz muito, ele o elogiava à toa.

E o governador Doria (SP)? Abriu escritório em Xangai, “voltado a negócios”. Ele é um dos políticos brasileiros em que a China investe. Doria diz que “virão recursos para rodovias, para a Hidrovia Tietê-Paraná, uma nova malha ferroviária no estado e 28 aeroportos regionais, além de saneamento básico e tecnologia”. Num prazo de 4 anos!

Vejam como a coisa é grave: além do domínio dos meios de comunicação, a China possui no Brasil 17 usinas hidrelétricas e 11 parques eólicos que geram um total de 8,28 GW de capacidade instalada. E ainda não se sabe por que a Rede Globo coloca panelaço todos os dias no Jornal Nacional e quer derrubar o presidente de todas as maneiras.

O problema é que o Brasil poderá mergulhar numa desordem de característica revolucionária, com as pessoas se matando nas ruas por comida. A população mais pobre e desempregada, que vive na informalidade, está sendo obrigada a ficar em casa e perder todas as suas fontes de renda. Os governadores, mancomunados, estão enlouquecidos.

Já vêm acontecendo saques a supermercados em algumas cidades. Em Pernambuco, onde se encontra um dos governadores mais insensíveis e despreparados (Paulo Câmara-PSB), a violência nas ruas cresce a níveis insustentáveis. O presidente da República está certo, mas a pauta dos comunistas é derrubá-lo. (Continua no próximo artigo).

Publicado em: 25/03/2020