Coluna da sexta-feira

O buraco é mais embaixo

Os estragos da decretação do estado de pandemia do coronavírus, pela Organização Mundial de Saúde, força o Governo brasileiro tomar medidas urgentes de caráter preventivo para evitar o pior para a população. Em duas semanas, segundo previsões de estudiosos, cerca de 500 casos podem ser confirmados no País ante os 77 já oficialmente identificados até ontem, segundo o Ministério da Saúde.

Isso implica, naturalmente, numa conjugação de esforços políticos. O presidente Bolsonaro terá que promover, imediatamente, um plano de contingência em conjunto com os 26 Estados da Federação e o Distrito Federal. Isso diante da triste realidade de que as periferias dos grandes centros urbanos têm maior potencial de ajuntamento de pessoas. Uma das recomendações preventivas é evitar justamente aglomerados humanos.

Uma ação coletiva é imprescindível para Estados angustiados e apreensivos com o alastramento de um vírus que se apresenta devastador com viés ainda desconhecido, sem que o Governo tenha tomado medidas eficazes e duradouras para evitar o pior para a sociedade brasileira. Os Estados Unidos e os países da Europa saíram na frente na tomada de medidas, como o fechamento de aeroportos para voos oriundos da Europa.

No caso do Brasil, do ponto de vista político, preocupa o distanciamento do presidente com os Estados, especialmente os que não adotam a sua cartilha política, como os do Nordeste. Sem exceção, os nove chefes de Estado da região são de oposição e por isso mesmo o Governo tem dificuldades de operações em conjunto imprescindíveis, como ocorreu no Ceará na greve dos policiais militares durante o Carnaval.

Ao invés de convocar os governadores, o presidente prefere subestimar a ameaça real de epidemia do coronavírus no País. Durante discurso em um evento em Miami, nos Estados

Unidos, afirmou que a “questão do coronavírus” não é “isso tudo” e se trata muito mais de uma “fantasia” propagada pela mídia no mundo todo. A prática está mostrando ao presidente que o buraco é muito mais embaixo.

Resultado sai hoje – O presidente Jair Bolsonaro e família, políticos e membros do Governo que viajaram para os Estados Unidos fizeram exames, ontem, para identificar se contraíram o novo coronavírus. A testagem de toda a comitiva foi decidida porque o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, contraiu o vírus e está em isolamento domiciliar. Ele fez o exame em São Paulo, e o resultado da contraprova, que confirmou a infecção, foi divulgado ontem mesmo. O presidente, a primeira-dama Michelle e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram o teste no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República. O resultado só será conhecido hoje.

Balanço nacional – Novo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, ontem, apontou que o Brasil tem 77 casos confirmados de novo coronavírus. Com mais registros, o Estado de São Paulo tem 42 pacientes infectados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), agente causador da doença Covid-19. Os principais dados do balanço são: 77 casos confirmados, eram 52 casos na quarta-feira 1.427 casos suspeitos 1.156 descartados. No novo balanço, pela primeira vez aparecem casos confirmados em Pernambuco e no Paraná. O balanço ainda não considera novas confirmações divulgadas por secretarias estaduais de saúde. Em São Paulo, já há 46 casos confirmados, quatro além do que consta no balanço.

Cenário estadual – Já em Pernambuco, os primeiros dois casos confirmados do coronavírus foram importados. Os pacientes são uma mulher de 66 anos e um homem de 71 com viagem recente para a Itália, segundo país com mais casos do vírus no mundo. Ambos residem no Recife. Ela está em um hospital privado na capital pernambucana e ele na UTI desta mesma unidade de saúde. Os sintomas relatados pelo casal são febre, tosse e problemas respiratórios. As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa pelo secretário de Saúde do Estado, André Longo. Além dos dois confirmados, um dos 17 casos suspeitos do novo coronavírus teria tido contato com o casal.

Barrados no baile – Os senadores Jorginho Mello (PL-SC) e Nelsinho Trad (PSD-MS) receberam a orientação de não irem ao Congresso nos próximos dias. Ambos integraram a comitiva brasileira que foi aos Estados Unidos, juntamente com o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, infectado com o novo coronavírus. Os dois trabalharam normalmente ontem no Congresso. Eles ainda farão o exame para saberem se também estão infectados.

CURTAS

EXEMPLO CUBANO – Segundo o ministro da Saúde Pública de Cuba, José Ángel Portal Miranda, a ilha continua sem casos confirmados do novo coronavírus que já afetou 104 nações. Até o momento, trinta viajantes foram admitidos para estudo e depois de realizar sete novas análises especificamente para o Covid-19, que, como as oito anteriores, foram negativas, o país permanece sem a doença. O país também criou um medicamento, o ‘Interferon alfa 2B’ (IFNrec), produzido desde 25 de janeiro na fábrica cubana Chang-Heber, localizada na cidade de Changchun, província de Jilin, na China. Pode ser o caminho para descoberta da vacina.

PERNAMBUCO BATE O BRASIL – A Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (Condepe/Fidem) divulgou, ontem, os números do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado referente ao ano passado, que chegou a R$ 205,0 bilhões em valores correntes. O boletim da entidade, desenvolvido através da Diretoria de Estudos, Pesquisas e Estatísticas, em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE – apontou que o PIB cresceu 1,9% em 2019 em relação ao ano anterior, o que mostra que a economia pernambucana apresentou um comportamento mais acelerado do que a economia nacional no ano, já que o índice do PIB brasileiro foi de apenas 1,1%.

MOACYR FAZ SHOW HOJE – Está imperdível o show do cantor Moacyr Franco, hoje, às 21 horas, no Teatro Riomar. O repertório traz sucessos como “Doce Amargura”, “Coração sem Juízo”, “Querida”, “Milagre da Flecha”, “Balada das Mãos”, “Distante dos Olhos”, “Cartas na Mesa”, “Suave é a Noite”, “Balada nº 7”, “Eu Te Darei Bem Mais”, “Ainda Ontem Chorei de Saudade” e “Seu Amor Ainda é Tudo”. Também o hit que trouxe Moacyr Franco para perto do público jovem, “Tudo Vira Bosta”, sucesso na voz de Rita Lee. Atualmente, Moacyr atua como ator no elenco do seriado Segunda Chamada, da Globo, com estreia em abril. Quem ainda não assegurou a presença no espetáculo é bom correr à bilheteria do Teatro Riomar, que funciona no horário comercial.

Perguntar não ofende: O que Bolsonaro já fez para prevenir o Brasil de uma epidemia do coronavírus?

Publicado em: 12/03/2020