Coluna desta quarta-feira

Militar merece atenção especial

Se excluir os policiais militares da mesa de negociação salarial, dando mais uma vez prioridade aos delegados da Polícia Civil, com assembleia-geral marcada para a próxima segunda-feira, o governador Paulo Câmara (PSB) pode sinalizar que, na prática, a tropa para ele não é prioridade, não está entre as suas principais preocupações como aliada no combate à violência, mantendo vivo o chamado Pacto pela Vida.

Ninguém torce para o quanto pior, melhor. Na segurança pública, quanto mais assistida e acompanhada pelo Governo, melhor a Polícia Militar. Não dá para encarar mais uma paralisação da PM em Pernambuco. O que ocorreu no Ceará, antes e depois do Carnaval, ainda está bem vivo na memória dos brasileiros em geral, com raiz traumática para o talentoso e devotado povo cearense.

Ali, o governador Camilo Santana (PT) enfrentou de cabeça erguida e destemor o quartel em chamas. Pagou para ver. Em 11 dias de paralisação, aumento da ordem de 100% no número de mortes, os festejos momescos foram cancelados e o fim foi dramático, com um senador da República tentando desbloquear o motim dos PMs com uma retroescavadeira, levando dois tiros e sendo socorrido numa emergência.

É sabido que o Pacto pela Vida é o principal programa do Governo socialista em busca da redução de mortes violentas. O ex-governador Eduardo Campos, que o criou, vivia apegado aos números, acompanhando tudo de perto, na torcida para que os planos e metas fossem plenamente cumpridos. É preciso entender, em relação ao que vem se observando, a pouca importância que o governador vem dando à pauta PM e ficar atento a insatisfação dos policiais militares. Eles querem o tratamento similar ao que está sendo dispensado aos delegados pelo governador.

Uma nova eleição? – Ao levantar a lebre de que ganhou a eleição no primeiro turno quando teve que disputar em dois turnos, o presidente Bolsonaro abre o leque para as mais dispares interpretações, não escapando da pior delas: se realmente houve fraude, ele topa então em anular o pleito? Tornado sem efeito, terá que se submeter a uma nova eleição e aí, pelo desgaste que enfrenta hoje, com mais de 70% de rejeição em regiões como o Nordeste, tentaria, evidentemente, a perder. O presidente perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado. Incitou até os nobres ministros do Tribunal Superior Eleitoral.

O que ele disse – Na noite da última segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro declarou ter provas de que ganhou a eleição de 2018 no primeiro turno afirmando o seguinte: “Temos não apenas palavra, temos provas, que eu quero brevemente (sic) mostrar, porque precisamos de aprovar no Brasil um sistema seguro de aprovação de votos”. A declaração gerou repercussão nas redes, do desdém à teoria de que ele estaria fazendo isso para enfraquecer o sistema democrático e as urnas eletrônicas. É crime Bolsonaro dizer que foi eleito no primeiro turno. Mentira. Tem gente pedindo responsabilidade”, foi a tônica nas redes.

TSE debate – A presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Rosa Weber, divulgou nota, ontem, para reafirmar que o sistema de votação utilizado no Brasil é de “absoluta confiabilidade e segurança”. Ela também afirmou que o sistema é auditado, o que permite a apuração de eventuais denúncias e suspeitas. “O sistema brasileiro de votação e apuração é reconhecido internacionalmente por sua eficiência e confiabilidade. Embora possa ser aperfeiçoado sempre, cabe ao Tribunal zelar por sua credibilidade, que até hoje não foi abalada por nenhuma impugnação consistente, baseada em evidências”, afirmou.

Reação contra – Um levantamento da empresa Paraná Pesquisas mostra que a maioria (52,2%) da população acha errado o presidente Jair Bolsonaro apoiar atos contra o Congresso. Outros 40% acham certo o apoio. Não souberam responder ou não opinaram 7,8% dos entrevistados. A pesquisa foi divulgada ontem. O Paraná Pesquisas ouviu por telefone 2002 pessoas em 26 Estados e no Distrito Federal de 4 a 6 de março de 2020. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o grau de confiança é 95%. O estudo foi registrado no Conselho Regional de Estatística da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª Região sob o nº 3122/19.

CURTAS

VERGONHA EM JABOATÃO – Cadê a justiça, o Ministério Público e a fiscalização do Tribunal Regional Eleitoral que não reagem diante da imoral adesão de 17 vereadores de Jaboatão ao barco do prefeito Anderson Ferreira? Está na cara que houve aliciamento e que muitos tiveram suas bocas adoçadas, porque desconheço elevado espírito público que justifique uma adesão em massa ao PL, partido do prefeito cantor-bossal. O Brasil não é um país sério e os políticos dão uma enorme contribuição cedendo aos apelos e chantagens do toma-lá-dá-cá.

JANTAR E DEPOIMENTO – O governador Paulo Câmara fez de tudo para esconder o jantar secreto que ofereceu ao ex-ministro José Dirceu na noite da última segunda-feira. Enquanto degustava vinhos franceses e encarava um irresistível bacalhau, o irmão do ex-governador Eduardo Campos, o presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, postava em suas redes sociais que havia prestado novo depoimento sobre os processos envolvendo a operação Lava Jato no Estado. “No momento em que o governador oferece jantar a José Dirceu, declaro a Pernambuco que prestei novos esclarecimentos ao MPF hoje. Dos 19 pontos levantados, 10 são objetos de investigação e ação”, afirmou.

IMPERDÍVEL – Está imperdível o show do cantor Moacyr Franco, na próxima sexta-feira, às 21 horas, no Teatro Riomar. O repertório traz sucessos como “Doce Amargura”, “Coração sem Juízo”, “Querida”, “Milagre da Flecha”, “Balada das Mãos”, “Distante dos Olhos”, “Cartas na Mesa”, “Suave é a Noite”, “Balada nº 7”, “Eu Te Darei Bem Mais”, “Ainda Ontem Chorei de Saudade” e “Seu Amor Ainda é Tudo”. Também o hit que trouxe Moacyr Franco para perto do público jovem, “Tudo Vira Bosta”, sucesso na voz de Rita Lee. Atualmente, Moacyr atua como ator no elenco do seriado “Segunda Chamada”, da Globo, com estreia em abril. Quem ainda não assegurou a presença no espetáculo é bom correr à bilheteria do Teatro Riomar, que funciona no horário comercial.

Perguntar não ofende: José Dirceu tratou de negócios ou da fritura de Marília no jantar que seria secreto com o governador?

Publicado em: 11/03/2020