Coluna da quinta-feira

Traidor da Constituição é traidor da pátria

O presidente Jair Bolsonaro não deve estar no seu melhor estado mental. Compartilhar de seu celular um vídeo convocando a população para protestar contra o Congresso, no próximo dia 15 de março, beira à loucura, uma insanidade. Cabe a um chefe de Estado trabalhar, diuturnamente, pela madura e democrática relação entre os poderes, nunca instigar qualquer instituição que seja.

Incitar manifestações contra poderes e instituições é ferir a Constituição. Quando promulgou a Constituição de 88, o então presidente Ulysses Guimarães, eternizado pelo Senhor Diretas, fez uma defesa ardorosa da Carta Magna. Disse que não era a Constituição perfeita, mas útil. “Será luz, ainda que de lamparina, na noite dos desgraçados. É caminhando que se abrem os caminhos. Ela vai caminhar e abri-los. Será redentor o caminho que penetrar nos bolsões sujos, escuros e ignorados da miséria”, pregou num discurso antológico.

Não é a primeira vez no atual Governo que o seu chefe e asseclas mandam recados ao retrocesso. Seu filho Eduardo e o general Heleno já defenderam a volta do AI-5, o Ato Inconstitucional que fechou o Congresso, entregou o poder aos militares, baniu e perseguiu políticos, abrindo a janela para a tortura e a repressão.

Ao invés de ficar instigando a sociedade, representada pelas mais notáveis instituições, como o Congresso, o Judiciário e o Ministério Público, Bolsonaro deveria pôr os olhos no retrovisor e não se deixar tentado pelo mal. Reproduzir parte do discurso de Ulysses aqui possa servir a uma reflexão, para tirar da cabeça dele ideias malucas, que só atrapalham o seu Governo e comprometem o País.

“A Constituição certamente não é perfeita. Ela própria o confessa, ao admitir a reforma. Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca. Traidor da Constituição é traidor da Pátria. Conhecemos o caminho maldito: rasgar a Constituição, trancar as portas do Parlamento, garrotear a liberdade, mandar os patriotas para a cadeia, o exílio, o cemitério. A persistência da Constituição é a sobrevivência da democracia”.

Que fique o exemplo do Doutor Ulysses!

O que está rolando – Depois das críticas do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, ao Congresso, grupos de direita que apoiam o Governo vêm convocando uma manifestação contra o Supremo e o Congresso, o que tem sido visto como ameaças a dois pilares do sistema democrático. Na terça passada, Bolsonaro usou sua conta pessoal no WhatsApp para divulgar a alguns correligionários a convocação da manifestação, sem citar o Supremo e o Congresso. Cobrado, disse que a Imprensa e os políticos fizeram ilações maldosas à sua fala.

Tensão institucional – O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao ser abordado sobre o vídeo de Bolsonaro, afirmou em rede social que “criar tensão institucional não ajuda o País a evoluir. Somos nós, autoridades, que temos de dar o exemplo de respeito às instituições e à ordem constitucional. O Brasil precisa de paz e responsabilidade para progredir. Só a democracia é capaz de absorver sem violência as diferenças da sociedade e unir a Nação pelo diálogo. Acima de tudo e de todos está o respeito às instituições democráticas”, disse.

A imagem diz tudo – Declaradamente contrário à candidatura de Marília Arraes à Prefeitura do Recife, o senador Humberto Costa, principal liderança do PT no Estado, aproveitou os festejos carnavalescos para dar uma demonstração pública de que vai lutar até o fim para manter na capital a aliança petista com o PSB em apoio ao deputado João Campos. Fez questão de posar para fotos na abertura oficial do Carnaval ao lado não apenas do pré-candidato socialista, mas também do governador Paulo Câmara e do prefeito Geraldo Júlio, ambos com suas respectivas esposas.

Mágoa de Carreras – O prefeito de Triunfo, cidade turística, João Batista, a caminho do PSB, por onde deve disputar a reeleição, não esconde de ninguém mágoas do ex-secretário estadual de Turismo, Felipe Carreras, por nunca ter prestigiado um só evento na cidade e nunca ter colocado os pés no seu chão. Ao mesmo tempo, não se cansa de elogiar o atual titular da pasta, Rodrigo Novaes, que, na última terça-feira, voltou ao município para prestigiar o Carnaval. “Felipe nunca nos atendeu em nada. Já Rodrigo é atencioso e até generoso com Triunfo”, afirma.

CURTAS

OS SEM FOLIA – Não foi apenas o Ceará que ficou sem carnaval por um fato localizado, a greve da polícia militar. Levantamento da Confederação Nacional dos Municípios aponta que mais de 40% das cidades brasileiras não investiram na folia, preferindo guardar os minguados recursos para aplicar em saúde e educação. Serra Talhada, administrada pelo petista Luciano Duque, se insere entre as que rifaram a folia. Por não ter a festa tradicional de momo, Serra, segundo Duque, ganhará investimentos em outras áreas. Mesmo assim, adversários criaram memes nas redes sociais para bater em Duque.

RISCO DE BLOQUEIO – Por falar em crise, os municípios brasileiros têm até amanhã para homologar as informações sobre o sexto bimestre de 2019 no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde, o Siops. Até a semana passada, 2,5 mil prefeitos não haviam alimentado o sistema e correm o risco de sofrer bloqueios das transferências de recursos constitucionais a partir de 1 de março. O Siops tem o seu próprio portal, canal pelo qual os prefeitos devem atualizar as informações. Quem não correr até amanhã, vai sofrer um baita prejuízo.

O ATAQUE DE CIRO – De Ciro Gomes ao ser informado do vídeo que Bolsonaro está convocando o povo a protestar contra o Congresso: “Atenção, senhor Jair Messias Bolsonaro, canalha-mor: as instituições brasileiras serão defendidas. Eu vou te enfrentar, presidente canalha. E a sua família de canalha. Eu conheço por dentro o Congresso Nacional. E posso dizer que Bolsonaro sempre foi ligado a tudo o que não presta, em matéria de corrupção”.

Perguntar não ofende: O ano 2020 começou agitado com as ameaças de Bolsonaro às instituições?

Publicado em: 26/02/2020