Coluna da quinta-feira

O atentado a Cid em Sobral

Exatamente um ano após o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), vencer a batalha contra o crime organizado, o que motivou cenas brutais de violência em Fortaleza e no Interior, o senador Cid Gomes (PDT), que antecipou Camilo no cargo e o elegeu governador, se envolveu, ontem, numa guerra campal contra policiais militares em greve, com desfecho dramático, levando dois tiros.

O senador pilotava uma retroescavadeira e tentava furar um bloqueio feito por policiais militares no Batalhão da Polícia Militar em Sobral (CE). Cid Gomes, que está licenciado do mandato de senador, organizava um protesto contra um grupo de policiais que tentava impedir o trabalho da Polícia Militar. Ao longo do dia de ontem, policiais esvaziaram pneus de carros da polícia para impedir que agentes de segurança atuassem nas ruas.

Inicialmente, foi divulgado que o senador havia sido atingido por bala de borracha, mas, na verdade, foram dois tiros, um no tórax e outro na clavícula. Em frente ao bloqueio dos policiais, utilizando uma retroescavadeira, ele pediu que os policiais deixassem o local: “Vocês têm cinco minutos pra pegarem os seus parentes, as suas esposas e seus filhos e sair daqui em paz. Cinco minutos. Nem um a mais”, afirmou Cid, utilizando um megafone. Ainda em Sobral, policiais ordenaram que comerciantes fechassem as portas do Centro da cidade.

As informações de que Cid não corre risco de vida, confirmadas pelo ex-ministro Ciro Gomes, irmão dele, trouxeram tranquilidade aos familiares, mas o atentado chocou o País. Em nota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que acompanhou o caso “com preocupação” e solicitou informações para garantir a segurança. Em sua conta oficial no Twitter, Ciro Gomes, por sua vez, escreveu que o irmão não corre risco de vida e pediu que as autoridades responsáveis “apresentem prontamente os marginais que tentaram este homicídio bárbaro às penas da lei”.

Ilegalidade da greve – Uma decisão da Justiça determinou a ilegalidade de atos grevistas da polícia cearense. Uma decisão do Supremo Tribunal Federal de 2017 determinou que é inconstitucional o direito de greve de servidores públicos de órgãos de segurança e proibiu qualquer forma de paralisação nas carreiras policiais. Comerciantes do entorno do Mercado Central de Sobral que não quiseram se identificar informaram que homens encapuzados em quatro veículos da polícia ordenaram que as portas fossem fechadas, o que foi acatado por parte dos empresários. Ainda conforme as testemunhas, alguns deles fecharam as portas temendo se tratar de um arrastão.

Moro reage – Minutos depois de o senador Cid Gomes (PSB-CE) ser baleado, o ministro da Justiça, Sergio Moro, abandonou cerimônia de posse da primeira mulher a dirigir o Tribunal Superior do Trabalho (TST), a ministra Cristina Peduzzi. O evento era realizado no tribunal. O ministro se levantou e deixou o prédio para acompanhar desdobramentos da investigação do crime. A cerimônia teve a presença do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, que trocou farpas com Moro.

Mais segurança – Após a notícia de que o senador licenciado Cid Gomes (PDT) foi baleado em Sobral, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado por Sérgio Moro, informou que a segurança do parlamentar será reforçada por forças federais. “Já foram enviadas equipes da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal para Sobral para garantir a segurança do senador Cid Gomes”, comunicou a Pasta, em nota. O Governo do Ceará anunciou processo contra mais de 200 policiais dissidentes e solicitou o reforço da Força Nacional. Também cortou o repasse de verba para associações policiais que, de acordo com o governo, apoiam os atos grevistas.

Vandalismo – Policiais do Ceará que reivindicam aumento salarial e são contrários à proposta do governo de reestruturação da carreira da categoria promoveram, ao longo da semana, atos que a Secretaria da Segurança considerou “vandalismo” e “motim”. Na terça, três policiais foram presos por cercarem veículo da polícia e secarem os pneus. Conforme o Governo do Estado, o ato é uma tentativa ilegal de impedir a atuação de policiais. Ontem, pelo menos quatro batalhões da Polícia Militar foram invadidos por homens mascarados. Eles retiraram veículos policiais das bases militares e rasgaram os pneus com objetos cortantes.

CURTAS

REFORMA TRIBUTÁRIA – Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), criaram, ontem, a comissão mista que vai elaborar um texto de consenso para a reforma tributária. Alcolumbre e Maia assinaram um ato conjunto criando oficialmente o grupo. Esse ato será publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União (DOU). A comissão mista será formada por 25 deputados e 25 senadores. Os 50 integrantes já foram indicados pelos partidos. A proposta terá o objetivo de simplificar a cobrança de tributos com a unificação de vários impostos.

O NEGA-TUDO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, ontem, que há “muita má-fé” e “leviandade” na acusação do Ministério Público Federal (MPF), que o denunciou por suposto recebimento de propina em troca da edição de uma medida provisória que favoreceu montadoras automobilísticas em 2009. Ele negou ter sido favorecido pela edição da MP, aprovada, posteriormente, por deputados e senadores no Congresso. O ex-presidente prestou depoimento ao juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília.

DÍVIDA IMPAGÁVEL – A primeira assembleia da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), na última terça-feira, discutiu a dívida da União com a Assistência Social dos municípios, que chega à casa dos R$ 51 milhões. A vice-presidente da Amupe e prefeita de Surubim, Ana Célia, juntamente com a vice-presidente do Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Assistência Social (Coegemas), Penélope Andrade, apresentaram um quadro atualizado da situação, deixando muitos gestores apreensivos.

Perguntar não ofende: Ao jogar uma retroscavadeira contra policiais em greve, ontem, em Sobral, o senador Cid Gomes não cometeu uma tentativa coletiva de homicídio?

Publicado em: 20/02/2020