Em Salvador, leitor atesta cenĂ¡rio do blog

Por Aloísio Arruda*

Com a sua curiosidade peculiar e o olhar de lince, o blogueiro Magno Martins descreveu a cidade de Salvador de maneira tão mágica, que, na condição de leitor atento, resolvi conferir “In loco”. Verdade verdadeira!

Na Salvador de hoje existe o diálogo entre os séculos (XVI e XXI), pois nasceram as grandes vias expressas e metrôs. No entanto, percebi o cuidado em preservar o maior conjunto arquitetônico colonial da América Latina, sobremodo na arquitetura religiosa. Museus, teatros, igrejas, espaços de convivência, praças e largos são tratados de maneira especial tanto pelo atual prefeito ACM Neto e descendente de libanês, quanto pelo filho de metalúrgico e governador Rui Costa.

O que mais me encantou foi a preservação da alma e consciência baiana, sobremodo, como mantêm a identidade cultural. Ouvi de uma baiana que vendia balangandãs, guardava carro, e ainda cuidava do seu rebento bem recente, a seguinte frase: Não sou descendente de escravos. Sou descendente de pessoas que foram escravizadas.

Dique do Itororó, elevador Lacerda, farol da barra, orla Barra/Ondina, Cruz do Pascoal, Plano inclinado Pilar, Mercado Modelo, Largo do Pelourinho. Como não voltar! Até breve.

Neste périplo, estive na companhia de mulher e filhos (Cristina, Rique e Carol), que assim como o blogueiro voltaram encantados com a baianidade nagô.

*Advogado

Publicado em: 21/01/2020