Paulo e Geraudo, ser poste na vida

Quem inventou o poste? Einstein? Pedrálvares? O Energúmeno vermelho? X-Men? Mistério do além. O bicho-grilo Adalbertovsky tá ligado: “Postes de carne e osso, tripas e coração são criaturas humanas, demasiadamente humanas. Ou por vezes são criaturas desumanas, demasiadamente desumanas. A mulher que estocava ventos era um poste vermelho incompetente, demasiadamente incompetente. Veio das cavernas, tipo o poste de Neandertal. Adeus!”.

“O inefável Paulo Câmara, governador, é um poste-raiz estadual plantado por seu tutor Eduardo Campos nos jardins do Palácio dos Campos, dos Príncipes e das Princesas. Geraudo Julho foi proclamado poste-raiz municipal nesta cidade lendária. Ele deu pulinhos de alegria. Ôba-ôba! Eu serei um poste lendário, disse. Mas, acabou o recreio. E agora, Paulão? E agora, Geraudo?”.

“Paulo fez dinâmica de grupo para exorbitar na cobrança de ICMS, encarecer produtos e serviços. Geraudo aplicou todas as ciências para incrementar a indústria de multas de trânsito da CTTU. Os sócios dos radares da Prefeitura estão adorando”.

“De olho nas urnas, Geraudo está tresvariando, fala em inaugurar 1.500 obras. Ele mantém conexão com o Palácio dos Campos, dos Príncipes e das Princesas através de cabos e soldados de fibras ópticas. Os cabos geraudinos de fibra óptica acompanham os movimentos vermelhos e infravermelhos de Paulo Câmera. O sonho de Geraudo é receber de presente uma capitania hereditária. Te liga, Paulão!”. A crônica do bicho-grilo Adalbertovsky está postada no Menu Opinião. 

Publicado em: 20/01/2020