Fuga de presos: desconex√£o entre Brasil e Paraguai

Análise: Fuga de integrantes de facção revela desconexão entre Brasil e Paraguai

Ações de combate ao crime na fronteira entre os dois países são objeto de queixas

Foto: Terceiro / Agência O Globo
O Globo - Por Chico Otavio

RIO - A fuga da penitenciária de Pedro Juan Caballero expõe o descompasso entre os governos do Brasil e do Paraguai no combate às organizações criminosas que atuam na fronteira.

Autoridades paraguaias se queixam de que o país vizinho alega falta de vagas para rejeitar sempre a extradição de presos brasileiros pertencentes a uma das principais facções criminosas nacionais.

No Brasil, porém, a fuga reforça a suspeita de que as instituições paraguaias estão contaminadas pela corrupção. Os presos abriram um túnel, mas poderiam facilmente ter escapado à luz do dia pela porta da frente do presídio.

Em novembro, na “Operação Patrón”, a força-tarefa da Lava Jato do Rio de Janeiro identificou uma extensa lista de agentes e autoridades paraguaias que teriam recebido propina para fazer vista grossa ao megaesquema de tráfico de cocaína e pasta-base envolvendo o empresário brasiguaio Antônio Joaquim da Mota, o Tonho, em Pedro Juan Caballero. Tonho foi acusado de dar cobertura à fuga do doleiro Dario Messer. Essa operação, na qual foi pedida a prisão de Horário Cartes, ex-presidente paraguaio, abriu uma crise diplomática e aprofundou as desconfianças mútuas na tentativa de definir estratégias conjuntas.

Publicado em: 20/01/2020