As desventuras de um pai de chiqueiro

Por José Adalberto Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Keim é o líder hoje da oposição no Brazil? Zé Ruela, o ex metalúrgico, está enferrujado. Cansado de guerra e de cadeia, o bode rouco não disputa eleição desde 2006.

Aki pra nós, nascido no século XIX e hoje com 174 luas (cento e setenta e quatro) na cabeça, o pai de chiqueiro da seita vermelha está inelegível até a nonagésima instância. Adeus! 

Meu Brazil é com Z porque eu nasci no tempo do Império. Os gramáticos dizem que o S entre duas vogais tem o som de Z. Entonces, vou direto no Z sem intermediário. Eu sou um revolucionário conservador.

Eu escrevo errado porque aprendi a ler pelo método Paulo Freire da Pedagogia do Oprimido. Eu me sinto oprimido pelos gramáticos autoritários. Existem muitos jornalistas que não sabem ler, só sabem escrever, a começar pelo papaizinho, na moral.  Estou sendo politicamente correto e ninguém pode reclamar, Os intelectuais adoram Paulo Freire, visse!

Keim seria o herdeiro do pai de chiqueiro da seita vermelha? Radar, o boneco ventríloquo já derrotado? O cara descarregou a bateria. Alô! O cérebro dele tá fora de área ou desligado.

Ki tal a sinhazinha do nariz de Pinóquio? Cantante de uma nota só, furou o disco de tanto gritar “Zé Ruela livre”. Nada além. 

A mulher que estocava ventos embarcou a bordo de uma vassoura e sumiu no oco do mundo. Lá vai ela a liberar ventos orgânicos a bordo de aeronaves, estações de metrô e salas de espera dos aeroportos.

O Capitão do Mensalão ao sair da cadeia começou a delirar com a volta ao poder. Mais que ganhar eleições, o delírio esquerdofrênico propõe uma revolução tipo bolchevique de domínio total das instituições. Delirou, delirou.

Nesta cidade Recife dos altos coqueiros a deputada Marília Arraes está sendo preterida em favor de João Campos, o pimpolho mimado daqueles olhos verdes de Eduardo e Renata.    

Marta Suplicy já está fora do Anhangabaú da felicidade em São Paulo. Keim mais? Zé Ninguém, ou só restam figuras menores. A seita vermelha está virando uma casa mal-assombrada.

As eleições municipais do próximo ano vão tirar a prova dos noves fora os zumbis do cordão encarnado.

*Jornalista

Publicado em: 09/12/2019