Coluna deste sabadão na Folha

Marília é o bicho papão para PSB

Marília Arraes, paparicada pelo ex-presidente Lula, é o bicho papão do PSB. Na eleição para governador em 2018, já despontava como favorita e só não comprometeu a reeleição do governador Paulo Câmara, porque o PSB fez uma aliança, ao apagar das luzes, para colocar a pré-candidatura dela, literalmente, num grande caldeirão.

Como a história não se repete, 2020 se apresenta com um cenário mais alentador para a petista, aliás, ex-socialista. Em jantar na casa de Marília, domingo passado, Lula sinalizou que o PT não repetirá o jogo sujo de 2018, delegando a ela a confiança de representar o partido, em sua plenitude, na disputa pela Prefeitura do Recife.

O PT não prega em deserto. Na última pesquisa do Opinião, contratada pelo meu blog, Marília aparece empatada, tecnicamente, com o socialista João Campos, já escolhido por Geraldo Júlio para disputar a sua sucessão. Vem muitas emoções pela frente.

Bomba atômica – A ida do deputado Felipe Carreras, de saída do PSB, para o PSD ou MDB, antecipada, ontem, nesta coluna, caiu como uma bomba na seara governista. Ninguém imagina que, pelas suas amarras com a estrutura governista, ele tivesse tamanha ousadia. Felipe só não deu ainda o cartão vermelho para o PSB porque o TSE não respondeu a consulta sobre sua entrada em uma outra legenda sem perda do mandato.

Rejeição à usina – No seminário de Mulheres do PT, ontem, em São Paulo, houve reprovação a ideia de se instalar uma usina nuclear em Itacuruba, no Sertão de Itaparica. Presente ao evento, a deputada Marília Arraes, pré-candidata do PT à Prefeitura do Recife, também se posicionou contra. Com a palavra, o deputado Alberto Feitosa (SD), maior defensor do projeto.

Palmas para Tebet – Convidada pelo MDB para o seminário pernambucano sobre os direitos da mulher, a senadora Simone Tebet (MDB=MS) encheu os olhos da plateia, dando um verdadeiro show. Pode ter surpreendido a quem não a conhecia, menos aos que acompanham sua trajetória parlamentar em Brasília. É um quadro que honra a saia no Congresso Nacional.

Preço alto – A Compesa não deu um pio ainda sobre o drama da falta de água nas torneiras em Afogados da Ingazeira, registro na coluna de ontem. Péssimo para o prefeito José Patriota, presidente da Amupe, que tem pago um preço caro pela incompetência da Compesa no Sertão do Pajeú.

O sanfoneiro – No lançamento do Partido Aliança pelo Brasil, o pernambucano Gilson Neto, presidente da Embratur, roubou a cena. Rasgou na sanfona o Hino Nacional, aplaudido pelos bolsonaristas presentes. Aliado de primeira hora do presidente, Gilson é dono da famosa banda Brucelose.

REPÚDIO AO ÓDIO – O pastor Jairinho entrou com queixa-crime no Ministério Público contra a mãe de santa Beth de Oxum, que na passagem do ex-presidente Lula pelo Recife, domingo passado, aproveitou a mídia nacional para destilar seu ódio contra os evangélicos e o presidente Bolsonaro.

Perguntar não ofende: Felipe Carreras terá coragem cívica para cortar o cordão umbilical com o PSB?

Publicado em: 23/11/2019