Ambientalista: sem tecnologia não há como superar crise do óleo

Crítico de sociedade que vê natureza como fonte de recursos, líder indígena afirma que "cotidiano de catástrofe vai sendo naturalizado" no país.

Foto Guito Moreto / Agência O Globo Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
O Globo - William Helal Filho
 

RIO — Deixar a mansidão do Vale do Rio Doce , em Minas Gerais, para aterrissar no Rio na hora do rush de uma segunda-feira chuvosa e ir direto para uma entrevista, às 20h, exige uma dose de complacência do pensador e ambientalista Ailton Krenak .

“Acho que não pensei direito quando topei”, diz, com humor e toda serenidade do mundo, o líder indígena de 66 anos, que está na cidade para mediar a segunda edição do “ Selvagem ”, ciclo de debates entre ecologistas que termina nesta sexta, no Teatro do Jardim Botânico .

Mas, depois de se aninhar no sofá de uma casa de vila na Gávea e de inalar um pouco de rapé (pó feito com folhas de tabaco), Krenak faz as pazes com o cansaço. Logo, está dando corda aos pensamentos que forjaram o elogiado livro “ Ideias para adiar o fim do mundo ” (Companhia das Letras), lançado neste ano.

Na conversa, o ativista mineiro denuncia a situação calamitosa do povo Krenak, no Rio Doce, quatro anos após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana ; critica os planos do governo de exploração da Amazônia e questiona a noção de Humanidade “excludente”, que marginaliza os povos da floresta.

— A aparente normalidade que vivemos inclui um cotidiano de catástrofe que vai sendo naturalizado. Se não fosse naturalizado, estaríamos arrancando os cabelos, perguntando o que aconteceu com a costa do Nordeste . As pessoas que moram naquelas praias dependem do que tiram do mar, num sistema artesanal. Eles não têm tecnologia pra superar a crise (do óleo) — diz o ambientalista.

Publicado em: 15/11/2019