Coluna desta sexta na Folha

Estado sem emendas federais

Nas articulações do Estado com a bancada federal para abocanhar emendas coletivas na cota do orçamento da União para o ano que vem, pelo menos até agora, quem tem levado vantagem sãos os 25 deputados e três senadores.

Enquanto o Estado patina, sem garantir até o momento um só tostão orçamentário, cada deputado terá direto a emendas no valor de R$ 8 milhões e os senadores, R$ 12 milhões, referentes a uma única emenda.

Escalados pelo governador Paulo Câmara para negociar com a bancada – o secretário de Planejamento, Alexandre Rebelo, e os deputados Tadeu Alencar e João Campos – até ontem não haviam convencidos os deputados que abrissem mão de R$ 4 milhões dos R$ 8 milhões por emendas, para destinar a projetos estruturadores no Estado.

O arremate ficou para a próxima semana, mas como as emendas agora são impositivas, as chances do Governo de reverter são mínimas.

Sem divisão – A única chance do Governo do Estado de meter a mão no bolo das emendas de bancadas está na boa vontade dos deputados de sua base. Para atender ao governador, cada um cederia R$ 4 milhões dos R$ 8 milhões de sua cota individual, o que totalizaria R$ 60 milhões para os cofres estaduais. Mas nenhum deputado, por mais leal que seja a Câmara, não revela disposição para isso.

Derrota – Não é só o Estado que sai perdendo na queda de braço com a bancada federal. A Prefeitura do Recife, também. O prefeito Geraldo Júlio (PSB) entregou suas prioridades aos deputados e senadores, mas desconfia que sairá perdendo da mesma forma que o governador. Os deputados alegam que os critérios mudaram e que as emendas agora são impositivas.

Crime – A cada novo dia, as praias do litoral nordestino abraçam o sol com mais camadas de areias cobertas de manchas de óleo. Falando sobre o assunto, ontem, Bolsonaro disse que o derramamento é criminoso e só não culpou diretamente às autoridades da Venezuela porque, antes, o Governo Maduro já havia dado um puxão de orelha no ministro do Meio Ambiente.

Sem remédio – A Promotoria de Justiça de Moreilândia, no Sertão, comprovou grave falta de medicamentos na rede pública de saúde e deu um prazo de 30 dias para o prefeito Eronildo Enoque (PSB) fazer o reabastecimento. Obrigou também a proceder a compra mediante licitações.

Recado – O deputado Tony Gel (MDB) está de fato com uma contratura muscular, mas não faltou ao evento, ontem, em Caruaru por isso. Na verdade, ele não aceita o tratamento desigual que recebe do governador em relação à família Gomes, que detém a hegemonia nos cargos no município.

ELEIÇÕES – Aos vereadores, candidatos e interessados nas eleições municipais de 2020: restam poucas vagas para o workshop sobre as novas regras eleitorais, na próxima segunda-feira, no Amcham Recife, no Pina. Inscrições pelo link bit.ly/2jZfFnd, via Simpla, pela internet.

Perguntar não ofende: Sem emendas de bancada e sem relação com Bolsonaro, onde o governador arranjará verba federal?

Publicado em: 11/10/2019