Os bastidores do poder e da
política em primeira mão

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Jaboatão orientação
Coluna 09.04.2022 00:00

Coluna do sabadão

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

No meio da travessia

Na sua obra prima Grande Sertão: Veredas, João Guimarães Rosa escreveu: "O que tem de ser tem muita força, tem uma força enorme". Em 1990, a Frente Popular tinha uma centena de prefeitos apoiando a candidatura de Jarbas Vasconcelos a governador. Mas foi derrotado por Joaquim Francisco, candidato de oposição.

Em 1994, foi a vez de Gustavo Krause, também apoiado por mais de 100 prefeitos, perder para Arraes. Em 1998 Arraes começou sua campanha à reeleição apoiado por 156 prefeitos da Frente Popular e terminou com apenas 12 deles no seu palanque e uma derrota acachapante com mais de 1,5 milhão de votos para Jarbas. Esse ciclo de revezes se manteve em 2006, quando Mendonça Filho, governador e candidato à reeleição, com mais de 100 prefeitos no palanque, levou uma surra de votos de Eduardo Campos no segundo turno.

Esses exemplos transformam em pó a tese de que o peso da máquina governamental, quem está com o poder da caneta e de prefeitos a favor, decide uma eleição. Não tem sustentação nos fatos e na história. É uma lenda urbana. Na largada, se resume a sinais de força relativa. Começa com muitas poses para fotos, anúncios de compromissos e outras cenas de pré-campanha.

Somente.

No curso do calendário eleitoral, como dissera Magalhães Pinto, a política é como uma nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou". O candidato da máquina governamental, Danilo Cabral (PSB), entrou nessa onda, já caiu nessa armadilha eleitoral. Vem pregando aos quatro cantos que tem o apoio de 145 prefeitos, dos 184 no Estado. E que essa maioria lhe oferece as condições de vencer o próximo pleito.

Mas as pesquisas de opinião pública, todas divulgadas até o presente momento, inclusive as internas encomendadas pelo PSB, indicam uma tendência eleitoral em sentido contrário. Só Danilo ainda não percebeu que esse rumo dele de se apresentar como o candidato da máquina não está dando liga com o eleitorado. Pelo contrário. As mesmas pesquisas indicam fortes sentimentos de rejeição do eleitor a quem detém o poder, seja no plano nacional (Bolsonaro), no plano estadual (Paulo Câmara) e, em regra, salvo raríssimas exceções, nas gestões municipais.

Aqui e ali, nas coxias, o comando da Frente Popular já começou a contabilizar sinais de dispersão de suas forças entre todos os partidos, inclusive no próprio PSB. A agenda da campanha, segundo fontes das principais legendas, neste instante, enfrenta um esforço hercúleo na administração de crises.

O que sugere, convenhamos, acompanhar os desdobramentos, com reflexão, a partir de outro pensamento do genial escritor mineiro. "O real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente no é meio da travessia".

Velho e novos – De um deputado da Frente Popular ao voltar de mais um giro pelo Interior e observar o termômetro eleitoral: "Não encontro eleitor de Danilo. Acho que erramos tremendamente na escolha do candidato. Danilo não é velho, mas tem ideias velhas, discurso velho em cima de um samba só: Eduardo Campos, já morto, e Lula, que está maculado pela corrupção". O mesmo socialista acha que no campo da oposição, em contraponto ao Coronel Danulo, os pré-candidatos, além de jovens, têm ideias novas.

Lula bombardeado – Nos bastidores do PT, há críticas à coordenação da campanha do ex-presidente Lula e preocupação com seus deslizes verbais. Lula tentou consertar afirmações em defesa do aborto e explicar a declaração na qual incentivou que sindicalistas batessem à porta das casas de deputados e de seus parentes para cobrar votações. Mas o desgaste já estava feito, tanto que o bombardeio nas redes sociais continua. Além disso, a equipe de Bolsonaro prepara um material com todas as polêmicas frases de Lula para divulgar no início da campanha oficial, em agosto.

Gleisi no caldeirão – Em 2019, antes da pandemia de covid-19, uma ala do PT tentou encurtar o mandato de Gleisi Hoffmann à frente do Diretório Nacional. O grupo não queria que ela conduzisse a campanha deste ano. Argumentava que a deputada levava o PT para uma linha radical e de isolamento e não tinha jogo de cintura político. Lula ainda estava preso quando essas pressões começaram e não aceitou tirá-la do cargo. Tudo o que Gleisi faz tem aval do ex-presidente. É ele quem, de fato, manda no PT.

Nós com nós mesmos – A sucessão de declarações enviesadas de Lula expôs ainda mais as divergências. Embora o ex-presidente tenha falado de improviso em todas as ocasiões, houve cobranças internas sobre a falta de estratégia política no momento em que pesquisas indicam recuperação da popularidade de Bolsonaro. Na prática, o petista precisa ampliar o leque de apoios para sua candidatura ao Planalto – que será lançada no dia 30, em São Paulo –, e não fazer o discurso do “nós com nós mesmos”.

Só o Senado – O PT continua insistindo em ocupar a vaga de senador na chapa de Danilo Cabral. Na próxima segunda-feira, o diretório estadual volta a se reunir para uma tomada de posição sobre o assunto. Paulo Câmara ofereceu a vice, entregou o Senado, segundo aliados, para André de Paula, mas o PT não quer. Exige o Senado e apresenta dois nomes: a deputada estadual Teresa Leitão e o deputado federal Carlos Veras.

CURTAS

AS DERRAPADAS – Lula deu “conselho” para que os sindicalistas pressionassem deputados em suas casas durante encontro da CUT. Não foi a primeira vez que disse isso, mas a época era outra. Depois, em reunião na Fundação Perseu Abramo, na terça-feira, chamou a elite brasileira de “escravista” e endereçou críticas à classe média por ostentar “um padrão de vida acima do necessário”.

DESACERTOS – O diagnóstico de uma ala do PT é o de que, com essas manifestações fora do prumo, o ex-presidente Lula atiçou ainda mais a divisão e o clima de acirramento existentes no País. A “culpa”, porém, não foi debitada na conta dele, mas, sim, atribuída aos desacertos da coordenação da campanha.

Perguntar não ofende: Qual vai ser a próxima bola fora de Lula?

compartilhamentos

Últimos posts

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Petrolina - São João
Brasil 25.06.2022 16:15

Ministro do STF é tachado de mentiroso em evento no Reino Unido

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso afirmou, hoje, que o Brasil se tornou um “país de ofensas” após ser interrompido em um evento no Reino Unido, quando defendia o processo eleitoral brasileiro. As informações são da CNN Brasil.

Barroso dizia que, quando presidiu o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entre 2020 e 2022, precisou “oferecer resistência aos ataques contra a democracia e impedir esse abominável retrocesso que seria a volta do voto impresso com contagem pública manual, que sempre foi o caminho da fraude no Brasil”.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Ipojuca - Maio 2022
Brasil 25.06.2022 16:00

Estratégia de reeleição de Bolsonaro se impõe e estados já sabem que vão perder receitas de ICMS até no STF

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

A sabedoria popular ensina que contra fatos não há argumentos. E a política é a arte de transformar fatos em narrativas. Vale para o Governo como para quem está na oposição. As informações são do colunista Fernando Castilho, do Jornal do Commercio.

Os estados sabem agora que a decisão de confrontar o governo na questão do ICMS - quando ainda poderiam articular uma negociação assim que os preços do barril do petróleo explodiram e começaram a turbinar as receitas dos estados - foi um equívoco, embora sempre seja muito difícil fechar acordos com Jair Bolsonaro.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Caruaru - Junho 2022
Pernambuco 25.06.2022 15:30

Rodrigo garante coordenar e estar à frente da campanha de Raquel em Caruaru

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Ele tem 40 anos e menos de três meses como gestor de uma das maiores cidades do interior pernambucano. Formado em administração/marketing, o prefeito de Caruaru, Rodrigo Pinheiro (PSDB), vem mostrando garras de leonino. Nos festejos juninos, recebeu em seu camarote, no Pátio de Eventos, todos os pré-candidatos ao Governo de Pernambuco. Os adversários elogiaram a acolhida e observaram a inquietação do jovem. As informações são da Folha de Pernambuco.

A aliada e ex-prefeita, também pré-candidata ao Governo, Raquel Lyra, chegou a se irritar e achar estar perdendo espaço. Nos bastidores, todos desconfiam que, solteiro e sem filhos, o prefeito esteja aproveitando para consolidar seu projeto político e construir sem amarras um caminho para reeleição, em 2024. Com o mesmo prazer de praticar exercícios, comer massas e reunir amigos (alguns que guarda da infância), garante coordenar e estar à frente da campanha de Raquel. Tem gente pagando para ver.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Cabo - Unidade de Saúde da Família
Brasil 25.06.2022 15:10

Casal de idosos é morto a facadas num prédio de luxo no Rio

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

Um casal de idosos foi morto a facadas na madrugada de hoje em um condomínio no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio. De acordo com as primeiras informações da Divisão de Homicídios, que investiga o caso, suspeito do crime, que é oficial da Marinha, seria namorado do filho do casal e teria atacado as vítimas supostamente motivado por ciúmes. As informações são do G1/RJ.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o pedido de socorro foi feito pouco depois da meia noite e atendido pelo Quartel do Humaitá. Ao chegarem no local, um apartamento na Rua Pio Corrêa, os bombeiros encontraram os idosos já mortos e um homem inconsciente, apontado pela polícia como suspeito do crime.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Arcoverde - São João 2022
Brasil 25.06.2022 15:00

Impeachment, a dúvida da oposição se vale a pena ou não nesse momento

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

O escândalo da gravação que joga responsabilidade para cima de Jair Bolsonaro, no caso do ex-ministro Milton Ribeiro (Educação), não foi celebrado com salva de fogos pela oposição. Não na devida dimensão do episódio. Hoje, com as redes sociais, é fácil medir o alcance de um fato e sua repercussão. As informações são do Blog do Noblat.

Em outros tempos, o PT, por exemplo, já estava na rua com a campanha “Fora, Bolsonaro” mais ruidosa do que nunca. Por muito menos, o partido fez isso com Fernando Henrique Cardoso (FHC). Os tucanos não esquecem jamais do “Fora, FHC”.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Toritama
Brasil 25.06.2022 14:30

Minha história com Gonzaguinha

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

*Por Irineu Tamanini

O então presidente Fernando Collor visitou no dia 3 de abril de 1991 a cidade de Juazeiro do Norte, no Ceará. Valter Lima, da Rádio Nacional viajou dois dias antes no escalão precursor da Presidência da República para transmitir, direto da terra de Padre Cícero, o programa “Revista Nacional”.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Serra Talhada 2021
Brasil 25.06.2022 14:00

PF alegou falta de recursos para transferir Milton Ribeiro, mas dispõe de três jatos

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

A Polícia Federal tem três jatos da Embraer, mas alegou que não tinha recursos para transportar o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, na quarta-feira passada, data de sua prisão. Apesar de haver uma ordem judicial para que Ribeiro fosse transferido de Santos (SP), onde reside, até Brasília, a PF manteve o ex-ministro em São Paulo. As informações são do Estadão.

O descumprimento da ordem judicial foi citado pelo delegado Bruno Calandrini, que preside o inquérito sobre a existência de um gabinete paralelo no Ministério da Educação operado por Ribeiro e dois pastores, como indicação de interferência na investigação.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Belo Jardim 2 - Abril
Brasil 25.06.2022 13:00

A lei da lasquinha

Por Magno Martins, edição de Ítala Alves compartilhamentos

* Por Marcelo Tognozzi

Logo depois de proclamar a Independência, o Brasil foi obrigado a pagar uma indenização de 2 milhões de libras esterlinas à Coroa Portuguesa. Num tratado intermediado pelos ingleses, o Brasil pagaria pelo reconhecimento de que éramos uma nação livre, melhor: um reino livre.

...



compartilhamentos
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Bandeirantes Maio 2022