Caruaru - Jan 2022


13/10


2021

Coluna da quarta-feira

Moro, a aposta do Podemos

Antecipei, ontem, com exclusividade, que o ex-juiz Sérgio Moro bateu o martelo no ingresso no Podemos, legenda que vinha perseguindo os seus passos e com ele flertando há muito tempo por insistência do senador Álvaro Dias (PR), líder do partido no Senado e da presidente nacional Renata Abreu, deputa federal por São Paulo.

Segundo ela confirmou, ontem, em Santa Catarina, ex-ministro da Justiça deve concorrer à Presidência da República nas eleições de 2022 pelo Podemos. “ A presidente Renata afirmou que as chances de ele concorrer são de 90% e a filiação ao Podemos deve se concretizar nos próximos dias”, disse ao blog o ex-deputado federal Paulinho Bornhausen, filho do ex-presidente nacional do DEM e ex-ministro Jorge Bornhausen.

Atuando num grupo privado internacional, Moro desembarcou no Brasil no fim do mês passado para se reunir com lideranças políticas a fim de decidir seu futuro político. Esteve com representantes do Movimento Brasil Livre (MBL), com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), além do ex-ministro da Saúde do governo Bolsonaro Luiz Henrique Mandetta (DEM). Mas foi com o comando do Podemos que teve o encontro mais produtivo.

A ele foi apresentada uma pesquisa que tem amplas chances de quebrar a polarização existente hoje na disputa presidencial entre Bolsonaro e Lula. Trata-se de um levantamento qualitativo feito em todo o território nacional. Nele, há registros animadores, como um percentual da ordem de 40% de eleitores que não querem nem Bolsonaro nem Lula que apostariam no nome dele.

A filiação deve ser anunciada até o próximo dia 20 e está provocando euforia na legenda. “Moro tem potencial para ser o grande fato novo em 22”, diz uma liderança influente do Podemos que participou do encontro com o ex-ministro, no qual a pesquisa foi dissecada e amplamente compartilhada entre eles como uma ferramenta importante para colocá-lo no debate presidencial a partir de agora.

O senador Álvaro Dias não se impressiona com as pesquisas que mostram Lula e Bolsonaro bem à frente do segundo pelotão de possíveis postulantes. "Acho cedo pra alguém decolar, essas pesquisas a toda hora só interessam à polarização", ressalta. Tão logo este blog antecipou a decisão de Moro, a mídia nacional correu para confirmar, o que se deu em vários blogs, portais e jornais. Eis o fato novo que pode jogar mais emoção na briga pelo Palácio do Planalto nas eleições de 2022.

Rebateu de leve – O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, rebateu as críticas que sofreu do pastor Silas Malafaia. O líder evangélico o acusou de trabalhar contra a nomeação do ex-advogado-geral da União André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal. “Falta informação a esse pastor sobre a nossa atuação", disse Nogueira a jornalistas no Piauí, onde passa o feriado de Nossa Senhora Aparecida. “Não estou entendendo [as críticas de Malafaia]. Sou um auxiliar do presidente da República e toda a sua determinação será cumprida sempre", afirmou.

Leite em queda – Os produtores de leite da bacia do Agreste Meridional penam com a falta de incentivo por parte do Governo do Estado. Com o preço do leite sem dar resultados para cobrir as despesas com ração, já tem muitos criadores trocando o gado leiteiro pelo de corte visando atender à demanda do novo abatedouro da Masterboi em Canhotinho. “No futuro, pode não comprometer a bacia leiteira, mas deixará o Estado com uma produção chinfrim”, diz Saulo Malta, presidente do Sindicato dos Produtores de Leite de Pernambuco.

A gasolina mais barata – Apesar de novo reajuste anunciado pela Petrobras, a gasolina comum teve queda de preços em Fortaleza e no Ceará em geral na última semana. De acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizado entre 3 e 9 de outubro, o preço médio do produto no Estado cearense foi de R$ 5,957, o menor do Nordeste e sexto menor do País. Na semana imediatamente anterior, era R$ 5,98. O preço máximo encontrado pela ANP durante pesquisa em 203 postos no Ceará foi de R$ 6,44; R$ 0,55 a menos do que os R$ 6,99 encontrados na semana passada. 

Inflação é mundial – Ameaçado de perder o posto a qualquer hora, o ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que a alta dos preços é algo generalizado em todo o mundo e que, no Brasil, a elevação dos valores de alimentos e energia responde por metade das taxas do País. “A inflação está em todo o mundo. Metade da inflação (no Brasil) é exatamente comida e energia”, disse Guedes durante entrevista à CNN Interacional nos Estados Unidos. O ministro está no País para participar de eventos organizados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), do qual o Brasil faz parte.

Cearense na Economia – Remanescente do Governo de Michel Temer, o economista cearense Mansueto Almeida, chefe do banco BTG Pactual, está forte na bolsa de apostas para substituir Paulo Guedes na pasta da Economia. Ele deixou a Secretaria do Tesouro, um dos principais cargos da equipe econômica nacional, em julho de 2020 em posição privilegiada, gozando da confiança do meio político e de uma respeitabilidade alta no mercado financeiro. Não é à toa que seu nome volta a circular nos bastidores de Brasília. Almeida foi o grande fiador do projeto de ajuste fiscal, que acabou um pouco prejudicado por conta da pandemia da Covid-19.

CURTAS

A NOVA PANDEMIA – Pernambuco teve um aumento de 371,1% nos casos suspeitos de Chikungunya entre janeiro e setembro deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com informações divulgadas pela Secretaria Estadual de Saúde. Nos nove primeiros meses de 2021, foram 32.358 casos suspeitos da doença. Destes, 15.491 foram confirmados. No mesmo período, houve um aumento de 152,9% nas suspeitas de Zika e de 43,3% nos casos suspeitos de dengue.

FOCO EM LULA – Enquanto em São Paulo, o ex-governador Márcio França diz que o PT tem que ceder em alguns Estados nas alianças para priorizar a eleição de Lula, em Pernambuco, o deputado federal Carlos Veras (PT) quer a participação do PSB no palanque eleitoral do ex-presidente Lula (PT) no primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 de qualquer jeito. “Temos que formar uma frente única para robustecer o projeto presidencial”, alerta.

Perguntar não ofende: Moro, Pacheco ou Eduardo Leite, quem pode quebrar a polarização Bolsonaro x Lula? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE - Ações Sociais - Janeiro 2022


12/10


2021

Coluna da terça-feira

Ruim na política e na comunicação

O Governo Bolsonaro continua apanhando na política e na comunicação. Na primeira, cedeu às pressões para entregar a articulação com o Congresso a gente do ramo, deu carta branca ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), mas continua patinando, a ponto de o interlocutor sofrer uma repreenda de um pastor pela mídia, sugerindo a cabeça dele.

Refiro-me a Silas Malafaia. “Como pode, gente? A Folha de São Paulo dizendo que Ciro Nogueira, ministro da Casa Civil, um dos mais importantes cargos políticos, vai jantar com Renan Calheiros, o cara que quer destruir Bolsonaro por interesses políticos. Se o senhor [Ciro Nogueira] não foi jantar com ele, e se o senhor Ciro Nogueira é a favor da indicação de André Mendonça, convoque a imprensa, não é pra mim não. O senhor é obrigado a vir a público dar uma satisfação”, cutucou o pastor.

A fala de Malafaia faz referência à reportagem da Folha que diz que “Centrão quer novo nome para o STF e abre crise entre evangélicos e Bolsonaro”. No texto, é descrito que em dois jantares, os três ministros teriam tentado viabilizar Alexandre Cordeiro de Macedo, presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade, para vaga no STF. Se há interferências indevidas na política, na comunicação o desastre é muito maior.

Região lulista, o Nordeste tem 6,8 mil obras hídricas em andamento, incluindo a Transposição, superfaturada e depois abandonada pelo PT, segundo o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, mas ninguém toma conhecimento disso. Na pandemia, o Governo recheou os cofres dos governadores, grande parte desviou e até roubou, mas o genocida é Bolsonaro.

Além de ter gerido, pessoalmente, muito mal o processo da pandemia, não escancara a roubalheira nos Estados nem também nos municípios. Recife, por exemplo, foi campeã em operações da Polícia Federal. No Rio Grande do Norte, uma CPI está desnudando o escândalo do Consórcio Nordeste, composto pelos nove governadores.

Todos têm culpa no cartório pelo mega escândalo que resultou numa compra superfaturada de respiradores testados em porcos a uma empresa laranja. O Governo não se comunica mal apenas para fora, fazendo chegar a grande mídia o que a sociedade precisa saber. Vai muito mal também muito na política de comunicação interna.

Na entrevista que fiz com o presidente, há 40 dias, o sinal da internet só ficou disponível para Rede Nordeste de Rádio faltando cinco minutos para o Frente a Frente ir ao ar para mais de 300 emissoras no País. A culpa disso tudo é o ministro Fábio Faria, das Comunicações, um ET na área. Entende tanto de comunicação quanto eu de astronomia.

E age de má-fé com o presidente e o seu Governo. Na mesma entrevista que fiz com Bolsonaro, a única capital do Nordeste que não retransmitiu o Frente a Frente foi Natal, terra do ministro chinfrim, que colocou gosto ruim na agenda. É um nordestino de meia tigela.

Obrigação – Sobre Fábio Faria, Silas Malafaia afirmou que o ministro ligou para ele dizendo “que não esteve em jantar nenhum” –diferentemente do que foi informado pela Folha. Horas depois de ter publicado a reportagem, o próprio jornal paulista publicou uma nota de “Erramos” corrigindo informação que dizia incorretamente que Fábio Faria sediou um dos mencionados jantares em sua casa. No entanto, pressionou o ministro. Disse que “[Faria] é obrigado emitir uma nota clara de apoio a André Mendonça”. “Os ministros palacianos são políticos, ele [Fábio Faria], o ministro Ciro Nogueira, e a ministra Flávia Arruda [Secretaria de Governo] são políticos. Eles são obrigados a emitirem nota e trabalharem pela indicação do presidente”, afirmou.

Devagar, quase parando – Passados mais de 30 dias do pé na estrada do governador Paulo Câmara no Sertão, as obras de restauração de estradas pomposamente anunciadas, com direito a comemorações bizarras, só começaram a sair do papel agora. Um dos exemplos mais gritantes é o da Rodovia 264, do povoado Grossos, em São José do Egito, a Ouro Velho (PB). Ali, no dia 2 de setembro, ao lado da secretária de Infraestrutura, Fernanda Batista, e de uma penca de deputados, Câmara assinou a ordem de serviço. Somente ontem o maquinário chegou ao local da obra.

Bolsonaro no Ceará – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) volta ao Ceará no próximo dia 20. A visita está prevista para o município de Russas. A informação foi confirmada pelo vereador Carmelo Neto, da bancada do Republicanos na Câmara de Fortaleza. De acordo com o parlamentar, a viagem, que será ao lado do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, tem como objetivo cumprir uma agenda de pautas com projetos e obras hídricas, denominado "Jornada das Águas". A última visita do presidente Jair Bolsonaro ao Ceará ocorreu em agosto deste ano para a entrega de casas populares no município de Juazeiro do Norte.

Casa dos 100 milhões – O Brasil se aproxima de romper a barreira de 100 milhões de pessoas com o esquema completo de vacinação contra a Covid-19. Ontem, o País chegou a 99.315.948 vacinados com as duas doses, ou a única, no caso da Janssen. No último fim de semana, foram aplicadas mais de 1 milhão de doses ao dia, segundo dados do Localiza SUS. Mesmo que quase a metade da população brasileira esteja com o esquema de vacinação completo, ainda não é o momento de relaxar com as medidas de proteção. Afinal, a pandemia matou mais de 601 mil pessoas.

Era dos paninhos – A deputada federal Alê Silva (PSL-MG) defendeu, em seu perfil no Twitter o veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao projeto que estabelecia a distribuição gratuita de absorventes feminino para parte da população mais necessitada, de autoria da deputada pernambucana Marília Arraes (PT). Para a congressista, às críticas ao veto do presidente representam um “mimimi” – expressão usada para satirizar uma reclamação considerada desnecessária. Alê Silva afirma que no seu tempo as mulheres usavam “paninhos” e não cobravam o governo pelo produto de higiene íntima. “Sou do tempo em que usávamos paninhos, que a cada mês eram lavados e passados para serem novamente usados. Não tinha mi, mi, mi. ‘Aínn [sic] o governo tem que me dar.”

CURTAS

SÓ DO ESTADO – Uma lei complementar publicada no Diário Oficial determina que as empresas locadoras com estabelecimento em Pernambuco devem disponibilizar aos locatários apenas veículos que sejam licenciados no Estado. A lei altera a que trata sobre o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Foi dado um prazo de 120 dias para que as empresas se adequem e façam o licenciamento da frota de maneira correta.

SEBÁ CIDADÃO – Na comemoração dos 86 anos da emancipação política do município de João Alfredo, o deputado federal Sebastião Oliveira (Avante) recebeu o título de Cidadão João-alfredense. A iniciativa foi do presidente da Câmara de Vereadores, Walque Dutra. “Nos piores momentos da pandemia, Sebastião nos atendeu de imediato. Ele é o deputado que resolve nossos pleitos em Brasília”, disse o prefeito Zé Martins (PSB).

Perguntar não ofende: Até quando Bolsonaro vai ficar batendo cabeça com um ministro que nada entende de comunicação?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem


11/10


2021

Coluna da segunda-feira

Recife continua uma Biafra

Em janeiro de 1970, a guerra civil na Nigéria, um dos países mais pobres do mundo, finalmente terminou. O conflito foi travado com a arma da fome e abalou o mundo, muitos alemães se manifestaram contra a Guerra do Biafra e Biafra acabou virando sinônimo de miséria, de uma chaga social terrível que enche nossos olhos de lágrimas. Próximo a completar seu primeiro ano de mandato, o prefeito João Campos (PSB) não conseguiu avançar em políticas transformadoras da face oculta da Biafra recifense.

Moradores de rua continuam sem tratamento social acolhedor. Basta dar uma passadinha na Rua do Imperador, transformada na Venezuela nordestina, com centenas de famílias abandonadas morando em barracas de papelão improvisadas. Mas João deve estar, a esta altura, debruçado, na companhia de marqueteiros, em cima de uma campanha midiática para incutir na população a ideia de que é o rei da cocada preta e que seu Governo é uma Brastemp.

Não acredite! Você deve se deparar com um filmete recheado de factoides. Recife continua a mesma Biafra que Geraldo, antecessor e tutor político de João, batizou, desavergonhadamente, de “Capital do Nordeste”. Só se for do abandono, do retrocesso, da miséria, dos engarrafamentos, da sujeira, de um panorama débil e penoso.

O que mudou no Recife? Sob o olhar da limpeza, absolutamente nada. Dá vergonha andar na cidade, especialmente nos bairros mais pobres, longe dos refletores formadores de opinião, onde habitacionais rastejam, morros sem obras estruturadoras, palafitas crescendo, nada para transformar a face africana. Que obra ou projeto de infraestrutura saiu do papel e chegou aos olhos dos recifenses, através da Câmara de Vereadores, para debate?

Recife continua imbatível como campeã em pior trânsito do País, com uma mãozinha dada pelo prefeito na medida em que reduz o espaço dos automóveis para abrir vias de ciclistas em ruas já historicamente estranguladas. Cadê as centenas de creches prometidas? Milhares de mães continuam sacrificando empregos porque não têm com quem deixar seus filhos.

Cartão postal na era Jarbas, o Bairro do Recife continua às moscas, igualmente o centro da cidade sem o prometido projeto de revitalização. Os canais, como o do Arruda, uma podridão. Falta água nas comunidades, o transporte público continua caro e de péssima qualidade. O prefeito comemorou uma classificação bizarra no ranking da Transparência Brasil, mas até agora não deu um pio nas razões que levaram a Polícia Federal a promover sete operações na gestão de Geraldo Covidão, recorde nacional em investigações de dinheiro público da União remetido ao município para salvar vidas ameaçadas pela covid-19.

Também outrora orgulhoso cartão de visitas, a praia de Boa Viagem é uma vergonha, suja, abandonada, sem vida nem atrativos para os turistas, principalmente no período noturno quando vira um verdadeiro cemitério, diferente das orlas de Fortaleza, Salvador e Maceió. Não precisa ir muito longe. Na vizinha João Pessoa, Tambaú é uma festa.

Por fim, a única ação visível de João foi se promover como gestor eficiente em cima do programa de imunização contra a covid, através de lotes de vacinas enviadas pelo Governo Federal, além de um auxílio para micro empreendedores sem um acompanhamento técnico e duradouro, porque não consegue se desvencilhar no viés político, da instrumentalização do cargo para tirar dividendos eleitorais.

Exemplos de avanços – Recife paga o preço do isolamento político e da inexistência de um modelo administrativo confiável. Alguém pode perguntar por que Jaboatão, Caruaru e Petrolina fizeram o diferencial nos últimos anos enquanto Recife não conseguiu destaque? Jaboatão, na RMR, apesar dos seus latentes contrastes sociais, tem realizações, com prêmios internacionais. Caruaru também andou para frente e Petrolina virou, nos últimos anos, o maior canteiro de obras do Estado.

Meritocracia ao inverso – Ainda está bem presente na mente dos recifenses, na propaganda eleitoral passada, o discurso do então candidato a prefeito do Recife, João Campos, falando numa tal meritocracia, dando como exemplo o fato de, eleito deputado federal, ter feito seleção pública na contratação de servidores para o seu gabinete. Eleito prefeito, nomeou filhos de políticos para a sua equipe e acomodou parentes fazendo a política do nepotismo cruzado. O governador Paulo Câmara já havia nomeado Maria Eduarda, sua irmã, diretora da Perpart e, na semana passada, Pedro, também irmão, virou o todo poderoso chefe de projetos especiais da Secretaria de Planejamento.

Manda quem pode! – No último sábado, postei neste blog, com exclusividade, que ao ser nomeado chefe de projetos especiais do Governo do Estado, Pedro Campos, que batizei de dente de leite do projeto ambicioso da família Campos, irá gerir uma fatia orçamentária de R$ 5 bilhões até abril, quando deve se afastar para disputar um mandato de deputado federal. Desse montante, com o seu crivo, sairão as verbas para todas as obras pendentes no Estado, desde uma simples pavimentação de uma rua a um projeto de infraestrutura viária ou hídrica.

Governador – Na prática, o governador de fato, na gestão dos R$ 5 bilhões, será o candidato mirim da capitania hereditária. Pedro, não o Simão, que negou Cristo por três vezes, mas sim o Campos, não negará um tostão do bolão que estará em suas mãos para gerir aos que, evidentemente, tiverem a oferecer o que ele precisa: votos. Quer sair das urnas em 2022 como o deputado federal mais votado do Estado.

O mundo mudou – O que apurei, em reserva, é que o prefeito João Campos não está gostando nem um tiquinho da grande visibilidade que o irmão Pedro está ganhando. Não esperava que, dentro do próprio clã, aparecesse, não mais que de repente, como diz o poeta, alguém para roubar um pouco da pouca luz que tem hoje. Enganou-se João, o príncipe!  Apesar dos sonhos e da megalomania de sua Tabata, o mundo não gira mais absolutamente e unicamente em torno dele.

CURTAS

Professores esquecidos – Enquanto em Jaboatão, o prefeito Anderson Ferreira (PL) anuncia um bônus de R$ 1 mil para professores da rede municipal na compra de livros e material escolar, os professores estaduais continuam sem ver a cor do dinheiro que o governador prometeu de aumento na campanha passada. Ser profissional em sala de aula no Estado virou um inferno. A categoria não consegue sair do cheque especial, quando tem, diga-se de passagem.

Rasgando o verbo – Curtindo o feriadão imprensado do 12 de outubro, Dia da Criança, em Afogados da Ingazeira, estarei logo mais, às 10 horas, no Debate das Dez, da Rádio Pajeú, ao lado do companheiro Nill Júnior, âncora de um dos programas de maior audiência do Sertão pernambucano. Vamos tratar de tudo, inclusive das especulações de uma provável candidatura minha a senador.

Perguntar não ofende: O que os deputados federais do PSB com dificuldade de reeleição por causa do fim das coligações estão achando da bombada do Governo na candidatura de Pedro Campos?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Dezembro 2021


09/10


2021

Coluna do sabadão

A palavra do presidente

Por Houldine Nascimento, da equipe do Blog

O Brasil ultrapassou a triste marca de 600 mil mortes pela Covid-19 ontem. Só este ano, foram 405 mil vítimas da doença, fazendo o país ser o que mais registrou óbitos no mundo em 2021. Em números absolutos, está atrás apenas dos Estados Unidos (712.122 mortes).

Importante dizer que houve uma queda considerável no número de óbitos no nosso país graças ao avanço da vacinação, segundo especialistas. Diferentemente dos EUA, onde há resistência de parte da sociedade a imunizantes, a população brasileira é propensa à vacina.

Essa virtude do Brasil sempre foi posta à prova pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que possui um farto repertório de declarações contrárias às vacinas. Na abertura da 1ª Feira Brasileira do Nióbio, em Campinas (SP), ele resolveu discorrer brevemente sobre a crise sanitária e disse que houve uma “potencialização” da pandemia.

“Em que pesem as mortes. Lamentamos todas as mortes, mas houve uma politização enorme”, emendou. Até aqui, o presidente sempre buscou minimizar os efeitos da Covid-19. Além das 600.077 mortes, são mais de 20 milhões de pessoas com sequelas deixadas pela doença.

Incrivelmente, no famigerado cercadinho do Palácio da Alvorada, nas lives ou em situações aleatórias, as falas do chefe do Executivo ganham corpo entre os seus apoiadores. Um exemplo disso foi a justificativa que deu a seguidores sobre o veto à distribuição gratuita de absorventes, prevista no Projeto de Lei nº 4.968/19, de autoria da deputada pernambucana Marília Arraes (PT).

O presidente afirmou que foi “obrigado a vetar” por, em suas palavras, não haver fonte de custeio. Os bolsonaristas rapidamente acataram a inverdade nas redes sociais. Mas o projeto explica que as despesas seriam custeadas a partir das “dotações orçamentárias disponibilizadas pela União ao Sistema Único de Saúde (SUS)”.

Inflação, desemprego e fome em alta também não importam a este segmento da sociedade. Em outros tempos, o presidente seria responsabilizado por isso. Na era Bolsonaro, o inferno são os outros.

Veto deve cair – Segundo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o veto do presidente Bolsonaro deve cair no Congresso. "Considero desde já que esse veto é candidatíssimo a ser derrubado", declarou. Pacheco também disse que o Senado aprovou rapidamente a proposta para “transformar” a realidade de adolescentes e mulheres que chegam a improvisar com papel de jornal e miolo de pão por não dispor de recursos para comprar absorvente.

“Fogo amigo” – Ao sair do Governo Federal, o ex-secretário Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano Tiago Pontes Queiroz deixou uma carta para Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional. Ele disse que foi “alvejado pelo ‘fogo amigo da política’ com reiterados ‘offs’ na imprensa nacional” sobre sua gestão na Secretaria. Investigado pela Polícia Federal, Queiroz afirmou que pediu exoneração.

Cerimônia cancelada ­– O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou o cancelamento da cerimônia em homenagem às vítimas da Covid, prevista para ocorrer no próximo dia 19, quando o relatório será apresentado. “Para me dedicar mais ao Relatório e evitar narrativas políticas e Fake News, cancelamos a Cerimônia que homenagearia as Vítimas da Covid 19. Os responsáveis pelas mais de 600 mil mortes serão punidos pela justiça dos homens e de Deus”, escreveu Calheiros no Twitter.

Declinou – Antes, a mãe do ator Paulo Gustavo, morto devido à doença, recusou o convite feito pela CPI. “Não vou participar de jeito nenhum. Essa CPI virou uma CPI política, comandada por Renan Calheiros e Omar Aziz. Você acha que é séria e que vai dar em alguma coisa? Já estão em ano eleitoral. Não vou me prestar a isso”, disse Déa Lúcia. “Se precisarem de mim para uma campanha séria, para crianças e para idosos, eu vou. Pode me telefonar. Para política, não”, continuou.

Funcionalismo preocupado – Servidores da Prefeitura do Recife estão apreensivos com uma proposição que altera a Previdência municipal. O Projeto de Lei nº 36/2021 foi enviado em regime de urgência pelo prefeito João Campos (PSB) à Câmara de Vereadores. A medida prevê a migração de mais 729 aposentados do Fundo Recifin para o Reciprev, o que aciona uma "bomba-relógio" nas contas previdenciárias da Prefeitura, segundo servidores, que pedem para que os vereadores votem contra.

CURTAS

RECUO – Na passagem por Brasília, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que a regulação da mídia é “um tema do Congresso Nacional”, mudando o tom sobre o assunto. O líder petista vinha defendendo com ênfase a regulamentação dos meios de comunicação.

CORTE – O Congresso aprovou um corte de R$ 690 milhões no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Isso representa uma perda de 90% para a pasta. Os recursos foram remanejados para outros ministérios a pedido da equipe econômica do Governo, que enviou ofício à Comissão Mista de Orçamento (CMO).

Perguntar não ofende: Quando Bolsonaro vai definir seu partido?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



08/10


2021

Coluna da sexta-feira

Aposta na área social

No ápice da pandemia, o Governo Bolsonaro lubrificou os cofres dos Estados e Municípios sem cerimônia. Foi tanto dinheiro que governadores e prefeitos se lambuzaram e alguns estão ameaçados de impeachment, como Wilson Witzel, do Rio, Wilson Lima, do Amazonas, e Carlos Moisés, de Santa Catarina. No Recife, o ex-prefeito Geraldo Júlio, o Covidão (PSB), bateu o hexa do Náutico: foi heptacampeão em operações da Polícia Federal.

Seis pessoas ligadas ao ex-prefeito, investigadas no âmbito da Operação Apneia, são acusadas de desvio de recursos do SUS em contratação, por parte do Município do Recife, da microempresa Juvanete Barreto Freire (Brasmed Veterinária) para o fornecimento de ventiladores pulmonares (respiradores) para o enfrentamento da pandemia de covid-19. Na marca do pênalti, o ex-secretário de Saúde, Jailson de Barros Correia, o ex-diretor Executivo de Administração e Finanças da Secretaria de Saúde do município, Felipe Soares Bittencourt, e a ex-gerente de Conservação de Rede da Secretaria de Saúde do Recife, Mariah Simões da Mota Loureiro Amorim Bravo.

São acusados da prática dos crimes de dispensa indevida de licitação (atribuída a todos), peculato (Jailson de Barros Correia, Felipe Soares Bittencourt, Mariah Simões da Mota Loureiro Amorim Bravo, Juarez Freire da Silva e Juvanete Barreto Freire) e crime contra a ordem tributária (Juarez Freire da Silva e Juvanete Barreto Freire). O MPF também requereu que a Justiça Federal decretasse a perda de eventual cargo público exercido pelos denunciados, bem como o pagamento de indenização para reparação dos danos morais e/ou patrimoniais causados.

Ainda na pandemia, o Governo criou o Auxílio Emergencial, valor que superou, quando o valor era, inicialmente, de R$ 600, a bagatela de R$ 300 bilhões. Foi, na prática, um novo Bolsa Família. Investir no social, garante retorno político. Que o diga Lula, que estava morto no esquema do mensalão e foi salvo pelo Bolsa Família e ainda elegeu Dilma. Ontem, o Governo publicou o decreto regulamentador da MP (medida provisória) que institui o Programa Auxílio Brasil e o Programa Alimenta Brasil.

A medida provisória atribuiu a função de agente operador do programa Auxílio Brasil e dos recursos a instituições financeiras federais, como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). O Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, atenderá cerca de 17 milhões de famílias e custará R$ 60 bilhões aos cofres públicos em 2022. O valor é R$ 26 bilhões superior ao do Bolsa Família e deve ser financiado por meio da taxação dos lucros e dividendos, prevista na reforma do IR. O Programa Alimenta Brasil prevê a compra de alimentos de pequenos agricultores e distribuição para as famílias beneficiadas. De olho na reeleição, Bolsonaro segue a mesma cartilha de Lula. Acha que, como Lula, supera a onda adversa investindo no social.

Novo programa – No Auxílio Brasil haverá nove modalidades diferentes de benefícios. As três primeiras formam o núcleo básico do novo programa, enquanto as demais o complementam com ferramentas de inserção socioeconômica, como o Benefício Primeira Infância, para famílias com crianças entre 0 e 36 meses incompletos e Benefício Composição Familiar. Diferente da atual estrutura do Bolsa Família, que limita o benefício aos jovens de até 17 anos, será direcionado também a jovens de 18 a 21 anos incompletos. O objetivo é incentivar esse grupo a permanecer nos estudos para concluir pelo menos um nível de escolaridade formal.

Perseguição política – Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, a deputada Marília Arraes (PT) disse que está desconfiada de que veto que o presidente Bolsonaro deu ao seu projeto, de distribuição gratuita de absorvente feminino, aprovado pelo Congresso, teve viés político. “Como sou do PT, o veto pode ter sido por birra”, afirmou, adiantando que faltou ao chefe da Nação sensibilidade. “O projeto tem elevado alcance social e foi aprovado consensualmente nas duas Casas – Câmara e Senado – com a anuência dos líderes governistas”, atacou.

Atraso na vacina – O Estado tem quase meio milhão de pessoas com a segunda dose atrasada da vacina contra a Covid-19, segundo dados do Programa Nacional de Imunizações (PNI). O levantamento foi feito a partir de dados preenchidos por 93% dos municípios pernambucanos. Ao todo, 486 mil pessoas estão com a segunda dose em atraso, considerando o intervalo de cada fabricante do imunizante (veja vídeo acima). As informações, do G-1 PE, foram divulgadas pela Secretaria de Saúde. São 254 mil pessoas com a segunda dose do imunizante da AstraZeneca/Fiocruz em atraso, acima dos 90 dias previstos.

Tucanada dividida – Pré-candidatos à Presidência da República nas prévias do PSDB, os governadores Eduardo Leite (RS) e João Doria (SP) travam uma guerra de números e ambos se dizem favoritos para vencer a disputa, marcada para o dia 21 de novembro. Em entrevista coletiva "técnica”, ontem, na sede do PSDB paulista, o presidente da legenda no Estado, Marco Vinholi, o coordenador da pré-campanha de Doria, Wilson Pedroso, e o presidente da Associação Paulista de Municípios, Frederico Guidoni, explicaram como funcionará o colégio eleitoral e disseram que São Paulo já larga com uma dianteira de 25% entre os filiados ao partido.

O rombo da Globo – O número negativo era previsível, mas a informação de que a Globo teve prejuízo de R$ 114 milhões de janeiro a junho causou burburinho no mercado e na Imprensa. Este índice no vermelho representa quase 70% do lucro total que a emissora registrou em 2020, R$ 167,8 milhões. Nos primeiros seis meses deste ano, o canal atingiu faturamento considerado positivo, R$ 6,451 bilhões, mas as despesas no período foram 36% maiores na comparação com o primeiro semestre de 2020. Corte de custos, demissões e a não renovação de contratos gerou economia de R$ 218 milhões, porém, foi insuficiente diante do impacto da pandemia de covid-19.

CURTAS

EFEITO COVID – Apesar de líder em audiência e preferida dos grandes anunciantes, a Globo também sofreu com a retração do mercado publicitário, a antecipação de pagamentos de direitos de transmissões e os gastos extras motivados pelo coronavírus. Em relação à propaganda do governo federal, a emissora recebe cada vez menos, em cumprimento à promessa de campanha feita por Jair Bolsonaro.

NADANDO EM DINHEIRO – Apesar do prejuízo apontado pelo relatório divulgado pela própria Globo, a TV da família Marinho mantém boa saúde financeira. No final do ano passado, tinha R$ 13,6 bilhões em caixa, R$ 3,1 bilhões a mais do que havia nas contas em 2019.

Perguntar não ofende: Bolsonaro renova a concessão da Globo a vencer ano que vem?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Perguntar não ofende: caso Lula ou outro candidato da oposição seja eleito, o blogueiro vai puxar o saco do eleito?


Arcoverde janeiro 2022 - 2


07/10


2021

Coluna da quinta-feira

União Brasil com Pacheco

Aprovada, ontem, a fusão do DEM ao PSL lançou ao País a União Brasil, legenda que apresentará à nação, em breve, uma terceira via ao Palácio do Planalto, na tentativa de quebrar a polarização Bolsonaro x Lula. Segundo as pesquisas, há entre 30% a 35% do eleitorado brasileiro que não quer votar nem em Lula nem tampouco em Bolsonaro.

A União Brasil oferecerá, provavelmente, a candidatura do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MG), remanescente do DEM. Fala-se também no apresentador José Luiz Datena, de São Paulo, e no ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ex-DEM do Mato Grosso do Sul, Estado sem importância na composição de uma chapa por ter um eleitorado pequeno.

A união das duas siglas criará a maior legenda com representação na Câmara, com potencialmente 81 deputados. A cúpula do novo partido, no entanto, sabe que haverá defecções, principalmente em março, quando se abrirá o período oficial para trocas de partidos. Praticamente metade da bancada do PSL, que é ligada a Jair Bolsonaro, deverá deixar o partido. Já no DEM, disputas locais também podem causar baixas.

As cúpulas de DEM e PSL querem oficializar a fusão das legendas até outubro. Estimam que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) levará de 3 a 4 meses para homologação. A nova legenda precisará da confirmação até abril para disputar as eleições de 2022. O presidente do PSL, Luciano Bivar, deverá presidir a nova sigla. O atual presidente do DEM, ACM Neto, será o secretário-geral.

Pelo Twitter, ACM definiu a união como “somatório de forças”. “Nascido da fusão de dois partidos fortes e em ascensão – DEM e PSL –, o #UniaoBrasil44 é um somatório de forças que tem como propósito servir de base, de caminho para a pacificação, o diálogo, a conjunção de esforços e a paz que os brasileiros desejam e merecem ter”, disse.

Reações e aprovação – Houve reações no DEM à fusão. O ministro do Trabalho e Previdência Social, Onyx Lorenzoni, que é filiado ao partido, criticou o projeto e disse que “só faria sentido um novo partido se fosse para reforçar a direita brasileira”. Já o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) classificou a iniciativa como um “importante movimento”. Segundo ele, a nova legenda nasce “grande” e com chances de “ser protagonista em 2022”. Para o presidente nacional do Psol, Juliano Medeiros, a fusão entre o DEM e PSL criará um partido “para atacar os direitos do povo”. Segundo o socialista, “não tem como sair coisa boa daí”.

Papinha do centrão – A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) disse que a decisão do plenário da Câmara de aprovar a convocação do ministro da Economia, Paulo Guedes, foi acertadíssima. Ela acredita que o chefe da pasta terá dificuldades no depoimento em frente a membros do Centrão. O ministro terá que prestar esclarecimentos sobre a revelação da investigação internacional Pandora Papers que mostrou que ele é sócio de uma empresa no exterior com patrimônio de US$ 9,55 milhões (cerca de R$ 51 milhões).  No Twitter, a congressista escreveu: “Guedes vai virar papinha do centrão. Será engolido de colherzinha. A tigrada não vai nem precisar mostrar os dentes para mastigar”.

Oposição na frente – Faltando 40 dias para as eleições da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Pernambuco, o instituto Exatta realizou pesquisa no final do mês de setembro (antes do período de registro das chapas) para avaliar o cenário das eleições da entidade. Almir Reis, candidato de oposição, confirmou a tendência de crescimento verificada nos levantamentos anteriores e já aparece com 34,4% das intenções de voto, enquanto o candidato da situação Fernando Ribeiro caiu para 17,5% das intenções de voto. Brancos, nulos e indecisos somam 48,1%.

Prestando contas – O Governo Federal prepara uma série de ações, tanto nas mídias sociais quanto nos veículos de comunicação tradicionais, para, com a máquina na mão, fazer frente a seus adversários e opositores em 2022. São ações publicitárias, no Brasil e no exterior, entrevistas para jornalistas e intensificação das publicações nas páginas oficiais em redes sociais. As ações publicitárias precisarão de desembolso. No eixo principal, o Governo abriu licitação no valor de R$ 450 milhões para contratar quatro agências de publicidade. As empresas têm a missão de elaborar campanhas institucionais ao longo do ano.

A grande derrotada – Uma das lideranças que saíram mais chamuscadas na eleição suplementar de Capoeiras, domingo passado, foi a ex-prefeita de São Bento do Una, Débora Almeida (PSB). De olho numa vaga na Assembleia Legislativa, deu carga na campanha de Celina de Dudu, derrotada pelo candidato do PSB, Nêgo do Mercado. Irada com a postura agressiva de Débora ao longo da campanha, a ex-prefeita Neli Reino abriu o verbo contra ela no dia seguinte à vitória do aliado e prometeu vingança. “Onde você, Débora, tiver voto na região para deputada, vou lá tirar”, ameaçou num áudio que viralizou pelas redes sociais.

CURTAS

OBRIGAÇÃO – A Associação Brasileira das Empresas Aéreas anunciou, ontem, que todos os trabalhadores e colaboradores das companhias terão que tomar a vacina contra a covid-19. A entidade é integrada pela Gol, Latam, Voepass e Itapemirim. Segundo o comunicado, o objetivo é ampliar os protocolos sanitários e garantir segurança aos passageiros e funcionários. Cada companhia adotará a medida em prazos diferentes, mas, segundo a nota, a regra começa a valer “até o fim de 2021“.

SÉ SEM CARRO – O Alto da Sé, principal ponto turístico de Olinda, fica fechado para a circulação de veículos e passa a ser exclusivo para pedestres nos finais de semana, a partir do próximo sábado. A iniciativa foi anunciada pelo prefeito Lupércio (SD) em meio a um conjunto de medidas chamado "Vamos Olindar", criado para incentivar o turismo no Sítio Histórico da cidade.

Perguntar não ofende: Quem votar no candidato da situação a presidente da OAB dará aval ao grupo politico do PSB?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021


06/10


2021

Coluna da quarta-feira

Hora da mudança na OAB

Instituição com mais de 40 mil associados, com alto índice de inadimplência – algo em torno de 50% (o que não dá direito ao voto) – a Ordem dos Advogados de Pernambuco (OAB) vive clima eleitoral. Em 16 de novembro, seu conselho será renovado em pleito livre e direto, marcado por uma disputa polarizada entre Fernando Ribeiro, candidato da continuidade, e Almir Reis, postulante da oposição.

Primeiro a registrar a chapa, Almir Reis fez, ontem, um manifesto à categoria destacando a necessidade de mudança. “A Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco clama por renovação. É urgente tirá-la da inércia em que se encontra por mais de uma década, figurando na visão de muitos como mera recolhedora de anuidades. Urge o encerramento de um ciclo vicioso, decadente e inóspito, para que volte a atender aos anseios de sua classe e passe a exercer seu protagonismo na sociedade, na defesa da Constituição”, afirmou.

E acrescentou: “As bases que alicerçam o grupo que atualmente comanda a instituição estão desconectadas dos anseios da advocacia militante, frustrando a esperança e os sonhos de toda uma geração de operadores do direito, especialmente da jovem advocacia. Como advogado militante percorri todo o Estado, do Litoral ao Sertão, testemunhando a majoritária decepção da advocacia com os rumos dados à instituição. A extrema vulnerabilidade da atual gestão da OAB-PE e o desequilíbrio claro na relação da entidade com o Judiciário são pontos incontestes”.

Jovem, bastante atuante, com trânsito em todas as esferas da instituição, Almir Reis atraiu importantes apoios e é a grande esperança para tirar a OAB de um grupo que tem sólidas ligações com o PSB no Estado, com o governador Paulo Câmara, e o prefeito João Campos. Mais do que isso, que deixou, com o tempo, ser aparelhada, o que é muito ruim para a categoria. Por isso, há um nítido crescimento do candidato da oposição em setores da advocacia que até então eram ligados ao atual grupo.

“A adesão à nossa candidatura toma o caráter de um movimento em defesa da OAB, dos recém-formados, das nossas prerrogativas profissionais, do zelo ao ensino jurídico, de uma forte atuação da Escola Superior de Advocacia (ESA), como braço qualificado de auxílio à inserção no mercado de trabalho. As mais variadas matrizes ideológicas declaram espontaneamente seu apoio a esse projeto de mudança na OAB-PE. Trata-se de uma vasta coalizão, completamente apartidária e que reúne jovens e veteranos advogados e advogadas, autônomos, atuantes no serviço público, no magistério, em escritórios pequenos, médios e grandes”, prega Almir.

E conclama: “Juntos, abriremos caminho para convergir o incremento da atividade advocatícia com políticas tecnológicas consistentes e criativas. Encerraremos assim o lamentável processo de precarização e a corrosão do poder e do respeito à nossa entidade. O que nos move é a certeza de que somos maiores do que todos os desafios. É chegada a hora da renovação: vamos juntos!”

Vai se quiser – A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou o convite ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para que expliquem as atividades de suas offshores. O requerimento de convocação do ministro Paulo Guedes foi elaborado por Jean Paul Prates (PT-RN) e Paulo Rocha (PT-PA). No entanto, durante a votação, a convocação se transformou em convite, que foi estendido ao presidente do Banco Central. Nesse caso, Guedes e Campos Neto podem optar por não comparecer à reunião – marcada para 19 de outubro.

Rio sem máscaras – O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD-RJ), afirmou, ontem, que o Comitê Científico carioca acredita atingir cobertura vacinal de 75% em apenas 11 dias, abolindo assim o uso de máscaras em locais abertos e sem aglomeração. Em ata da reunião do Comitê de 9 de outubro de 2021 divulgada pelo prefeito, o processo de redução gradual das medidas restritivas segue três etapas que devem ocorrer até o próximo dia 15 de novembro. As etapas de redução gradual das medidas de restrição devem acontecer ao atingir, na primeira etapa, 50% da população vacinada, na segunda 65% da população vacinada, e terceira etapa e última ao atingir 75% da população vacinada.

Bolsonaro indiciado – O relatório final da CPI da Covid, que apura a atuação do Governo Federal na crise sanitária, "com certeza" pedirá o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro. A declaração foi dada, ontem, pelo senador e relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL). "Com certeza será [indiciado]. Nós não vamos falar grosso na investigação e miar no relatório. Ele com certeza será, sim, pelo o que praticou", confirmou o senador em resposta a jornalistas ao chegar na comissão.

Noronha ameaçada – A Agência Nacional do Petróleo (ANP) vai leiloar, amanhã, 92 blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural e, entre as áreas, está uma região na Bacia Potiguar próxima a Fernando de Noronha e Atol das Rochas. O leilão é criticado por ambientalistas e também preocupa moradores da ilha. Uma ação civil pública tenta barrar a licitação. Numa nota técnica do Instituto Chico Mendes (ICMBio), disponível na página da 17ª rodada da ANP, o instituto afirmou ser "temerária" a inclusão dessa área por causa da proximidade com Noronha e Atol das Rocas, ambos berçários naturais.

Amazon no Cabo – O prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Keko do Armazém, recebeu uma boa notícia ontem: a Amazon anunciou uma nova expansão das operações no Nordeste no Cabo. O empreendimento passa a ser o terceiro desse tipo na Região para empresa americana, um deles no Ceará, unidade que deve ser inaugurada nos próximos meses. “O Nordeste é uma região de extrema importância para a Amazon, tanto que estamos inaugurando a nossa segunda operação em Pernambuco”, disse Ricardo Pagani, diretor de operações da Amazon no Brasil.

CURTAS

PROTESTO – Integrantes de maracatus fizeram, ontem, um protesto em frente à sede da Prefeitura do Recife, no Cais do Apolo. Os grupos reivindicaram ações para preservar a manifestação cultural, declarada como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil em 2014. Os manifestantes bloquearam as faixas da Avenida Cais do Apolo ocasionando desvios no trânsito. O ato foi organizado pela Associação dos Maracatus Nação de Pernambuco (Amanpe) e, segundo eles, contou com a presença de representantes de mais de 20 maracatus.

CONEXÃO DUBAI – O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, compartilhou em seu Instagram pessoal o aeroporto do Recife passando a ser a única capital do Nordeste com conexão com Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A reunião aconteceu presencialmente em Dubai e o comunicado foi realizado por ele com um entusiasmo incomum.

Perguntar não ofende: As mudanças em Pernambuco começam pela eleição da OAB?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC - Férias de Janeiro


05/10


2021

Coluna da terça-feira

PT mente descaradamente  

Seria cômica se não fosse trágica a fala da presidente do PT, Gleisi Hoffman, no encontro do ex-presidente Lula, ontem, em Brasília, com a bancada petista no Congresso, quando conclamou aliados para terem um discurso alinhado de rebate aos escândalos na era petista de Lula e Dilma. “Podemos fazer módulos específicos, com umas três horas, para a bancada, explicando tintim por tintim o que aconteceu. Mostrar o que aconteceu na lava jato, as mentiras que foram contadas, no que culminaram, o que falaram sobre a Petrobras. Temos que estar com isso na ponta da língua. Temos muitos argumentos e vamos encarar nosso debate”, disse ao lado do ex-presidente.

Joseph Goebbels, ministro de Propaganda Hitler na Alemanha Nazista, dizia que uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade. Não é o caso do que aconteceu nos governos petistas, campeões em roubalheira no País, a começar do Mensalão, no primeiro mandato de Lula. Só não deu em impeachment porque o pernambucano Severino Cavalcanti, então presidente da Câmara, engavetou todos os pedidos feitos pela oposição.

O escândalo estourou em 6 de junho de 2005, quando o deputado Roberto Jefferson disse ao jornal Folha de São Paulo que o Partido dos Trabalhadores (PT) pagou a vários deputados R$ 30 mil por mês para votar favorável aos interesses do Governo na Câmara dos Deputados. Os fundos supostamente vieram dos orçamentos de publicidade das empresas estatais, canalizados através de uma agência de publicidade de propriedade de Marcos Valério. O que Hoffman tem a dizer sobre isso? Mentira, cara pálida?

Quanto à lava jato, exclusividade do seu discurso, foi resultado de um conjunto de investigações, realizadas pela Polícia Federal do Brasil, que cumpriu mais de mil mandados de busca e apreensão, de prisão temporária, de prisão preventiva e de condução coercitiva, visando apurar um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou bilhões de reais em propina. Ao longo de seus desdobramentos, entre outras pessoas relevantes que acabaram sendo presas, o próprio ex-presidente Lula.

Também ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e o seu sucessor Luiz Fernando Pezão, ainda durante o mandato. Ainda ex-senador Delcídio do Amaral, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, os ex-ministros da Fazenda, Antonio Palocci e Guido Mantega, o publicitário João Santana, o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, e o empresário Eike Batista. Ao final de dezembro de 2016, a Operação Lava Jato obteve um acordo de leniência com a empreiteira Odebrecht, que proporcionou o maior ressarcimento da história mundial, que causou graves danos à ordem econômica brasileira.

O acordo previu o depoimento de 78 executivos da empreiteira, gerando 83 inquéritos no STF, e de que o ministro Edson Fachin. Do STF, retirou o sigilo em abril de 2017. Aonde está a mentira, Gleisi Hoffman, cara pálida?

Maior do País – A operação Lava Jato investigou crimes de corrupção ativa e passiva, gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro, organização criminosa, obstrução da justiça, operação fraudulenta de câmbio e recebimento de vantagem indevida. Foi apontada como uma das causas da crise político-econômica de 2014 no País. De acordo com investigações e delações premiadas, estavam envolvidos em corrupção membros administrativos da empresa estatal Petrobras, políticos dos maiores partidos do Brasil, incluindo presidentes da República, presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e governadores de estados, além de empresários de grandes empresas brasileiras. A Polícia Federal considera-a a maior investigação de corrupção da história do País.

Olho na bancada – Presente ao encontro, o ex-presidente Lula destacou a necessidade de o PT eleger uma bancada expressiva no Congresso nas eleições de 2022. “É importante formar uma bancada grande para ter um bom apoio”, afirmou. “Só não vou conversar com quem não quiser conversar comigo”, disse Lula. A agenda do ex-presidente em Brasília deve se estender pelo menos até sexta-feira. Na quinta-feira, visitará uma cooperativa de catadores de materiais recicláveis na Cidade Estrutural, na periferia de Brasília. Lula também planeja para os próximos meses ao menos duas viagens internacionais. Uma para a Europa, onde deve ir à Bélgica, França e Alemanha. Depois, à América Latina, começando pela Argentina.

Folia sem restrição – Apostando na vacinação em massa da população até o final do ano, Rio e São Paulo saíram na frente e já anunciaram a volta do Carnaval em 2022. No Rio, por exemplo, será sem nenhum tipo de restrição, como o uso de máscaras. Da mesma forma, a capital paulista. O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, anunciou que a festa será realizada sem medidas de restrição “se a questão sanitária estiver da forma como está”. Declaração foi dada em fala a jornalista no Hospital Municipal da Bela Vista, no centro. “Tanto o Carnaval de rua quanto o do Sambódromo, não conseguiríamos fazer se não houvesse uma preparação antes. Não dá pra esperar até fevereiro para eles começarem a fazer toda a preparação”, afirmou.

Ciro busca Datena – O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o apresentador José Luiz Datena se reuniram neste fim de semana durante um jantar em São Paulo para discutir uma possível aliança para 2022. O presidente do PDT, Carlos Lupi, e a mulher de Ciro, Giselle Bezerra, também participaram do encontro. O jantar marca a primeira reunião presencial entre Ciro e Datena depois que o apresentador foi convidado pelo PDT a se filiar ao partido. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, eles conversaram sobre o “futuro do Brasil” e “possíveis alianças”.

É bronca! – Se Lula optar pelo nome de Marília Arraes para disputar o Senado pelo PT, nome mais forte da legenda no Estado, como a deputada reagirá, tendo em vista que será obrigada a participar de uma aliança liderada pelo PSB? E da parte do PSB, suas principais lideranças, que enxergam em Marília uma inimiga e não adversária, haverá disposição para entendimento? Eis uma equação que só o próprio Lula será capaz de resolver!

CURTAS

NO PÉ DE GUEDES – O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) apresentou, ontem, um ofício contra o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Ele afirma que as offshores mantidas por ambos configura os crimes de tráfico de influência, advocacia administrativa e improbidade administrativa. A acusação de Frota foi enviada a PGR (Procuradoria Geral da República.

ELEIÇÕES LIVRES – O ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou, ontem, que o Brasil terá eleições livres em 2022 e com as instituições funcionando. Barroso deu as declarações ao discursar na abertura do "Seminário Internacional: Integridade Eleitoral na América Latina – Experiências Recentes e Perspectivas", organizado em parceria pelo TSE e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Perguntar não ofende: Sem coligações, MDB, SD e Avante se unem numa federação partidária?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

O blogueiro fã do acéfalo, já começou a elaborar a lista de mentiras do seu ídolo, bem como as cifras desviadas via rachadinhas da família (cia)?


Bandeirantes novembro 2021


04/10


2021

Coluna da segunda-feira

PSB dá adeus a Geraldo  

A um ano da eleição, no PSB, partido que detém o poder em Pernambuco, o cenário é de indefinição quanto ao candidato do partido que será posto à mesa para disputar a sucessão do governador Paulo Câmara. Ex-prefeito do Recife, respondendo hoje por Suape (a pasta que dirige se resume ao porto), Geraldo Júlio deixou de ser o nome natural. Abandonado pelo próprio partido – nem sequer aparece nos atos do Governo no Interior –, parece ser carta fora do baralho.

Criou incompatibilidades com Deus e o mundo. Não está bem com o governador, perdeu a interlocução no âmbito familiar (leia-se Renata Campos e herdeiros de Eduardo), deixou de ter voz ativa no núcleo duro do PSB, e o mais grave, que o levou a tornar público, reiteradas vezes, que não é candidato: não aparece uma só voz em defesa das acusações que levaram sua imagem para o fundo do poço.

Tudo começou com as sete operações da Polícia Federal em sua gestão para apurar desvios de recursos federais da covid. No comando de Suape, não consegue emplacar uma só licitação, postas abaixo por suspeitas de direcionamento ou superfaturamento pelos órgãos de controle. De paparicado quando detinha o poder e parecia ser o sucessor natural de Eduardo (até no vestuário imitava o ex-governador vestindo camisas brancas), Geraldo se transformou em indigente político.

Sumiu da mídia, ninguém fala mais em sua candidatura, virou um burocrata que bate ponto na pasta que dirige. Quando deu a primeira nota da suposta desistência, não apareceu uma só voz, nem dentro do partido, para choramingar sua atitude. Esperava que houvesse uma reação conjunta dos líderes da Frente Popular para lhe buscar em casa como a tábua de salvação. Não houve. Nem João Campos, a quem ajudou eleger como sucessor, abriu a boca e não se manifesta mais em favor da sua candidatura.

Isolado, Geraldo virou um político sem torcida dentro do seu próprio grupo. Não tem sequer tarefeiros para cumprir missões indesejadas. Maquiavel dizia que o primeiro método para estimar o tamanho de uma liderança política é olhar para os homens à sua volta. A política não se faz com uma pessoa só. É por isso que é imprescindível prestar atenção nos grupos que constituem um projeto de candidatura majoritária.

Os grupos de poder e partido, no PSB e no conjunto da Frente Popular, abandonaram o ex-prefeito. Preferem lembrar os nomes de Zé Neto, secretário da Casa Civil, do deputado Tadeu Alencar, e da secretária de Infraestrutura, Fernandha Batista. Maquiavel também ensinou que a política sem amor nos deixa egoístas, e a fé sem amor nos torna fanáticos. Para exercer a política e a fé, devemos pensar nos outros com empatia e com compaixão. Senão, seguiremos apenas os nossos interesses e objetivos.

Geraldo esqueceu os princípios básicos de Maquiavel.

O amor se foi – O que se diz no Palácio das Princesas, onde até o Curió com o seu canto belo sabe, é que o governador e o ex-prefeito Geraldo Júlio estão de relações estremecidas já tem um bom tempo. E, a depender de Paulo Câmara, não haverá o menor esforço para que possam cantar a musicazinha “Amigos para sempre”. O coração de Câmara para 22 balança em torno de Zé Neto ou Fernandha. Como diz o preceito bíblico, viva que o tempo dirá!

Carta fora – De um socialista que bate ponto nas Princesas, vez por outra, para sentir para que direção o vento vai soprar na construção da candidatura governista à sucessão de Paulo Câmara: “De uma coisa, eu tenho certeza: Geraldo é carta fora do baralho.” Ele chegou a soprar no ouvido do governador para correr, porque o tempo voa. A eleição de 22 será realizada exatamente daqui a um ano. Em janeiro, as campanhas já estarão nas ruas.

Candidatíssimo – Já no bloco da oposição, uma só certeza: o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (DEM), não tem mais caminho de volta no projeto de disputar o Governo do Estado. Não se tem a mesma certeza em relação aos outros dois pré-candidatos da mesma linhagem oposicionista: Raquel Lyra (PSDB), a Mainha, prefeita de Caruaru, e Anderson Ferreira (PL), prefeito de Jaboatão dos Guararapes. Quanto a estes, o que se diz é que já teriam fechado um acordo pelo qual o que estiver melhor nas pesquisas em abril abre para o outro. No Recife, em 2020, Mendonça Filho foi nessa com Daniel Coelho e se deu mal.

Só serve ao PCdoB – Aprovada no bojo da mini reforma politica pelo Congresso, as chamadas federações partidárias não resolvem a vida da expressiva maioria da bancada federal de Pernambuco. Servirão apenas para fechar uma coligação branca entre PT e PCdoB. Nenhum outro partido adere a essa federação. O PSB, por exemplo, que poderia ser o terceiro, não deseja ficar atrelado a compromissos que duram todo o mandato de quatro anos. Deputados ameaçados de não emplacarem a reeleição só se salvariam de fato se o Senado não tivesse dado um não ao regresso das coligações.

Terceiro mais poderoso – Para onde caminha o PDT em Pernambuco? “Tenho compromisso com Ciro e vou com ele até o fim”, garante o deputado Wolney Queiroz, líder do partido na Câmara dos Deputados. Quem imaginar que o deputado trairá Ciro, pulando para o palanque de Lula, tendência majoritária dos demais partidos que dão sustentação, hoje, ao Governo Paulo Câmara, pode tirar o cavalinho da chuva. Na hierarquia de poder nacional do PDT, Wolney hoje é o terceiro, ficando abaixo apenas do presidente nacional, Carlos Lupi, e do próprio presidenciável Ciro.

CURTAS

Já era esperado – Não houve surpresas nos resultados das eleições suplementares para prefeito de Capoeiras e Palmeirina realizadas ontem. Nêgo do Mercado, eleito pelo PSB em Capoeiras, além de ser o comerciante mais forte da cidade, tinha o apoio do grupo que está no poder. Já a delegada Thatianne Macedo, do Solidariedade, aparecia à frente de todas as pesquisas em Palmeirina, onde derrotou dona Marili, 77 anos, mãe do ex-prefeito Eudson Catão (MDB).

Sem eleições – Não há mais previsão de eleições suplementares em Pernambuco. Em Arcoverde, o prefeito Wellington Maciel (MDB) já derrubou o processo de anulação da sua eleição em todas as instâncias. Já em Pesqueira, o que se diz por lá é que o processo da volta do Cacique Marquinhos (Republicanos), eleito e afastado, depende apenas de uma leitura do STF em relação à interpretação do seu afastamento por se encaixar na lei da ficha limpa, que seria favorável a ele.

Perguntar não ofende: Por que o povo não foi às ruas atendendo ao chamamento da oposição? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão


02/10


2021

Coluna do sabadão

Oposição nas ruas

Por Houldine Nascimento – interino

A esquerda brasileira capitaneia, hoje, atos contra o Governo Bolsonaro. Várias centrais sindicais e frentes, como Central Única dos Trabalhadores, Brasil Popular, Direitos Já e Povo sem Medo, organizam as manifestações. De acordo com eles, há pelo menos 260 protestos marcados em 251 cidades e 16 países. As pautas se concentram em temas como desemprego, fome, inflação e repúdio à Reforma Administrativa (PEC 32).

Líderes de ao menos 21 partidos confirmaram presença na Campanha Nacional Fora Bolsonaro – como é intitulado o ato: PT, PSOL, PSB, PSD, MDB, PSDB, DEM, PV, PSL, UP, PCB, PSTU, PCO, PCdoB, PDT, PL, Rede, Podemos, Cidadania, Solidariedade e Novo. Mesmo com a esquerda predominando nos protestos, são esperados nomes do centro à direita.

Em Pernambuco, seis cidades têm atos marcados: Araripina, Belo Jardim, Caruaru, Garanhuns, Petrolina e Recife, que terá a Praça do Derby, na área central da capital pernambucana, como o ponto de concentração, a partir das 9h. O trajeto está previsto para seguir vias importantes do Centro, com destino ao Pátio do Carmo, no bairro de Santo Antônio.

Existe uma expectativa dos organizadores de que esta seja a maior manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) este ano. No último dia 12, protestos marcados por grupos de direita, como Movimento Brasil Livre, Vem Pra Rua e Livres, tiveram baixíssima adesão. Cinco pré-candidatos à Presidência chegaram a comparecer em São Paulo: Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB), Simone Tebet (MDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Alessandro Vieira (Cidadania).

Antes, no feriado da Independência, houve grande mobilização em prol do chefe do Executivo, sob um clima de tensão quanto aos desdobramentos. Na ocasião, Bolsonaro disse que não mais obedeceria a decisões do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, a quem chamou de “canalha”. Dois dias depois, fez uma declaração à Nação, com a ajuda do ex-presidente Michel Temer (MDB), baixando a temperatura e evitando uma ruptura entre os Poderes.

Hoje, os maiores protestos são aguardados em São Paulo e no Rio de Janeiro. Nomes como Ciro Gomes, Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL), que disputaram a Presidência em 2018, devem marcar presença, às 13h, na Avenida Paulista, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp). A ver se as manifestações cumprirão a expectativa.

Andanças – O titular deste Blog, Magno Martins, está visitando cidades do interior pernambucano, relatando fatos bons e ruins do Estado nas últimas semanas. O jornalista visitou o Agreste Central, ontem, e mostrou como o cooperativismo da pequena Alagoinha tem obtido êxito na produção e exportação de queijo de cabra. No lado negativo, a precária situação de rodovias administradas pelo Governo do Estado.

Inseparáveis – O deputado federal Silvio Costa Filho (Republicanos) tem acompanhado o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), em diversas agendas. O parlamentar compôs a comitiva do gestor por cidades do Sertão, nos últimos dois dias. Cotado para disputar o Senado pela Frente Popular, Silvio Filho segue Câmara até em entrevistas para rádios e está se distanciando do Governo Bolsonaro, mesmo com aliados ocupando cargos na máquina pública federal.

Aporte – Líder da Oposição na Alepe, o deputado estadual Antonio Coelho (DEM) anunciou a destinação de R$ 1 milhão em recursos para a infraestrutura de Xexéu, na Mata Sul pernambucana. O comunicado ocorreu, ontem, em visita à cidade, que comemora 30 anos de emancipação. O parlamentar foi recebido pelo prefeito Thiago de Miel (PSC). O aporte é resultado de uma articulação do democrata com o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e será investido em obras de pavimentação asfáltica a serem executadas pela Codevasf.

Críticas – Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Governo Dilma, o ex-senador Armando Monteiro Neto criticou a paralisação do acordo Mercosul-União Europeia. Ele culpa a gestão Bolsonaro: “Infelizmente, em função da má condução da política ambiental pelo atual governo, o processo de ratificação está travado no Parlamento Europeu. Nesse sentido, o Brasil precisará reafirmar seus compromissos com a sustentabilidade ambiental e recuperar nossa credibilidade nessa área.”

Presidente no relatório – O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que o nome do presidente Jair Bolsonaro vai estar no relatório final da comissão, apesar de o chefe do Executivo não constar como investigado. “Caso típico é o do presidente da República, pelas digitais, participação, omissão, pela forma como deixou de comprar na hora certa as vacinas. Pelo crime que significou ele não responder às ofertas da Pfizer, do Butantan, da OMS, que dariam naquela oportunidade quase 170 milhões de doses de vacina”, disse à GloboNews.

CURTAS

ENTREGAS – Em Tuparetama (PE), o prefeito Sávio Torres (PTB) promove entregas, hoje, a partir das 15h30. Ao lado do deputado federal Ricardo Teobaldo (Podemos), o gestor lança a pedra fundamental de uma creche, apresenta um caminhão para coleta de lixo e cinco ônibus escolares, com a ajuda de emendas do parlamentar.

APURAÇÃO – A Procuradoria da República no DF vai investigar a suposta atuação da primeira-dama Michelle Bolsonaro para favorecer empresas de amigos com recursos da Caixa Econômica Federal. A revista Crusoé obteve documentos de indicados para receber empréstimos e aponta que Michelle tratou diretamente com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Perguntar não ofende: Os protestos de hoje contra o Governo Bolsonaro farão frente às manifestações a favor do presidente no Dia da Independência?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



01/10


2021

Coluna da sexta-feira

Domingo tem eleição  

Capoeiras e Palmeirina, no Agreste Meridional, voltam às urnas no próximo domingo. Em eleição suplementar, escolherão seus prefeitos. Eleitos em outubro passado, Dudu (PL) e Eudson Catão (PSB), dos respectivos municípios, entraram na lista dos fichas sujas e perderam a batalha fora da instância do voto popular, na justiça eleitoral.

Ambos, quando governaram Capoeiras e Palmeirina tiveram contas rejeitadas. O primeiro indicou a esposa Celina (PL) para disputar em seu lugar, enquanto o segundo optou pela mãe Marili, de 80 anos. Se eleita, será a mais longeva prefeita do Estado. Em Palmeirina, o clima é de guerra. A campanha corre solta nas ruas.

Em Capoeiras, não. A juíza proibiu todo e qualquer ato de campanha. Engessou a disputa, mas não evitou a guerra dos ataques verbais. Candidato novamente, tendo perdido no pleito anterior para Dudu por uma diferença de apenas 200 votos, Nêgo do Mercado (PSB) chama a adversária de laranja e forasteira. No rebate, Celina acusa o adversário de práticas irregulares na venda de produtos do seu supermercado para a merenda escolar na gestão passada.

Em Palmeirina, Catão usa sua força política para eleger a mãe. Já governou o município e diz que a mãe, apesar da idade avançada, entrou na disputa por uma convocação do povo. “Ela encarna o desejo de mudança na cidade”, sintetiza o filho. A briga em Palmeirina envolve duas mulheres. A adversária de Marili é a delegada Thatianne, do Solidariedade (SD), de 44 anos, a xerife do município.

Páreo duro para o grupo de Catão. Tanto em Capoeiras quanto em Palmeirina, o Governo do Estado reforçou a segurança para garantir a lisura e tranquilidade da eleição. “É só por precaução, não há sinais de violência em nenhuma das duas cidades”, diz uma fonte do Governo.

Gás mais barato – Com apoio de todos os partidos, com exceção do Novo e da base do governo, a Câmara aprovou a criação do “Desconto Gás”, subsídio mensal pago pelo Governo e destinado às famílias de baixa renda para a compra de gás de cozinha. A aprovação foi simbólica, sem a contagem de votos, e o texto segue agora para o Senado. De acordo com o texto, terão direito ao Desconto Gás as famílias inscritas no Cadastro Único, com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo, ou que tenham entre seus integrantes pessoa que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Tadeu na mesa – Nos bastidores, a nova aposta do PSB para o Governo do Estado é o deputado Tadeu Alencar. Além de ter laços familiares com a viúva Renata Campos – seu filho é casado com a filha dela – Tadeu já era o nome preferido de Eduardo Campos em 2014. Preparado, educado, culto e com trânsito fácil em Brasília, o parlamentar tem chances ainda de unir em torno da sua candidatura toda a Frente Popular e leva a vantagem de não ter as arestas de Geraldo Covidão.

O partido de Bolsonaro – O PTB realizou uma reunião virtual para debater a possível filiação do presidente Jair Bolsonaro à sigla. Ficou decidido que será redigido um documento com a assinatura de todos os presidentes estaduais para incentivar a ida do chefe do Executivo ao partido, segundo comunicado. A conferência foi convocada pela presidente em exercício do PTB, Graciela Nienov. No encontro, ela relatou ao grupo a conversa que teve com Bolsonaro sobre a filiação e reiterou que o partido está preparado para recebê-lo. Bolsonaro vira trabalhista, mas o comando da legenda continua nas mãos de Roberto Jefferson.

MDB com Lula – O ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE) receberá o ex-presidente Lula (PT) em um jantar em sua casa na próxima quarta-feira, em Brasília. O ex-presidente é aliado de Eunício. O jantar deve contar também com a presença do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), e do ex-presidente José Sarney (MDB). O senador e relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), estava na lista de convidados, mas recusou o convite, alegando que só aceitaria participar de encontros políticos depois da segunda quinzena de outubro, data da entrega do relatório final da CPI no Senado.

A Gramado nordestina – O Natal deste ano de Garanhuns, com quase a totalidade da sua população vacinada, voltará a ser iluminado. O prefeito Sivaldo Albino (PSB) já decidiu devolver à população o “Natal Luz”, que transforma a cidade na Gramado do Nordeste, desde o Relógio das Flores, na entrada, ingressando pela Avenida Santo Antônio, que fica belíssima, até chegar ao Palácio Celso Galvão, prédio histórico, sede do poder da chamada Suíça brasileira”.

CURTAS

CANDIDATOS – Por falar em Garanhuns, a cidade terá quatro candidatos da terra disputando um mandato para Assembleia Legislativa em 2022: o ex-prefeito Izaías Régis (PSDB), Zaqueu Lins, que disputou pelo PP a eleição passada para prefeito, Cayo Albino (PSB), filho do prefeito Sivaldo Albino, e o Coronel Campos (PL), que já disputou um mandato federal. 

CAPRINOS – O Piauí tem um rebanho de 1,9 milhão de cabeças de caprinos, conforme pesquisa realizada pela Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) 2020, pelo IBGE. Ficou atrás apenas da Bahia - com 3,6 milhões - e Pernambuco - com 3,1 milhões. A cada 100 cabeças de caprinos existentes no País, 15 estão no Piauí, e isso acontece porque o rebanho piauiense representa 15,8% do total brasileiro.

Perguntar não ofende: Não sendo candidato a governador, Covidão disputa um mandato de deputado federal?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



30/09


2021

Coluna da quinta-feira

As regras do jogo  

O Congresso já promulgou a reforma eleitoral estabelecida pela Emenda Constitucional 111. As novas regras já serão aplicadas a partir das eleições de 2022. Aprovada no Senado na semana passada, entre os principais pontos está a contagem em dobro dos votos dados a candidatos negros, índios e mulheres para efeito da distribuição dos recursos dos fundos partidário e eleitoral nas eleições de 2022 a 2030.

A medida também abre uma possibilidade para deputados e vereadores não perderem o mandato se deixarem os partidos, desde que haja anuência das legendas para essa saída. Além disso, fica prevista a mudança na data das posses de presidente da República e governadores. No caso do primeiro, a posse será no dia 5 de janeiro, e no dos governadores, no dia seguinte, 6 de janeiro. Essa mudança valerá a partir da eleição de 2026.

Para o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a reforma é “enxuta, mas com preceitos que contribuem para o equilíbrio da atividade política brasileira”. “No final das contas, o entendimento do Senado Federal foi um entendimento de que o sistema eleitoral deveria e deve ser aquele que estabelecemos em 2017: o sistema proporcional, sem coligações partidárias, com cláusula de desempenho que façam que os partidos possam funcionar e ter acesso ao fundo partidário, tempo de TV e rádio, desde que cumpram determinadas metas ao longo do tempo. Primeira eleição federal com essa regra é esta de 2022”, argumentou o parlamentar.

Outro trecho mantido foi a possibilidade de realização de plebiscitos municipais durante o processo eleitoral. A ideia é utilizar a estrutura já dispensada nas eleições em plebiscitos que sejam necessários em determinado município. Medida semelhante é empregada, por exemplo, nas eleições dos Estados Unidos.

União Brasil – Integrantes do PSL e do DEM chegaram a um consenso, ontem, sobre o nome do novo partido que derivará da fusão entre as duas legendas. Ele se chamará União Brasil e terá o número de urna 44. A nova identidade deverá ser anunciada oficialmente em 6 de outubro, quando as duas siglas realizarão uma convenção nacional conjunta para homologar a fusão. Inicialmente, cogitou-se usar o atual número do DEM, o 25, mas a ideia foi deixada de lado. Uma pesquisa encomendada pelos dois partidos mostrou o que teria mais apelo junto aos eleitores.

Sem campanha – Em Capoeiras, onde estive ontem, não há nada que lembre que no próximo domingo haverá uma eleição suplementar para prefeito do município, tudo porque a juíza proibiu todos os atos de campanha, diferente de Palmeirina, onde a briga política tomou conta da cidade, tendo até comícios, carreatas e caminhadas. Não fossem umas tímidas bandeiras na principal praça ninguém saberia que a população será obrigada a voltar às urnas, porque a eleição de outubro passado foi anulada pela justiça eleitoral.

 

Virou um santo – A juíza Pollyanna Kelly Maciel, da 12ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, voltou a negar, ontem, uma ratificação de denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e demais acusados no caso do sítio de Atibaia. A magistrada já havia rejeitado em agosto um pedido do MPF (Ministério Público Federal) para reabrir o caso por considerar que o material probatório usado foi o mesmo apresentado pelos procuradores da extinta força-tarefa da Lava Jato de Curitiba quando o caso tramitava no Paraná.

Modelo chinês – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acha que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) quer adotar o modelo econômico chinês no Brasil, caso seja eleito em 2022. A mudança, segundo Bolsonaro, acabaria com direitos trabalhistas dos brasileiros. “Agora há pouco assisti a um vídeo do ex-presidente Lula dizendo que o modelo econômico da China é o que deve ser imposto no Brasil”, disse o presidente em evento de entregas do governo em Boa Vista (RR), na manhã de ontem. “Obviamente, o primeiro passo que deveria ser feito aqui no Brasil, se esse cara viesse a ocupar a Presidência para seguir o modelo chinês, seria acabar com a CLT, seria acabar com o 13º [salário], acabar com as férias, acabar com o Fundo de Garantia, acabar com a hora extra”, atacou.

Uma aberração corrigida – A justiça, enfim, fez justiça, ontem, ao inocentar a ex-prefeita de Olinda, Jacilda Urquisa, de um pecado que não cometeu. Quando prefeita, ao final da sua gestão em 2000, seu secretário de Finanças jogou na conta única do município o valor de um convênio federal e com esse dinheiro pagou pessoal. Jacilda cansou de explicar isso nas diversas instâncias em que o processo tramitou, mas chegou a ser condenada, ficando ilegível. Agora, tanto tempo depois, com o estrago feito, o Tribunal Regional Federal reconheceu a sua inocência. Antes tarde do que nunca. Jacilda é uma pessoa honesta, capaz, séria e de extrema sensibilidade social.

CURTAS

BOA NOTÍCIA – Atingidas pela pandemia, as atividades culturais do Recife contarão com verbas para impulsionar a retomada. O prefeito João Campos lançou, ontem, o programa “Recife Virado na Cultura”, com previsão de investir R$ 10,3 milhões, sendo R$ 2 milhões dos cofres municipais e R$ 8,3 milhões da Lei Aldir Blanc, que é federal.

MAIS EMPREGOS – Pernambuco teve resultado positivo na criação de empregos formais em agosto, segundo levantamento do governo federal que apontam 47.637 contratações e 30.422 demissões, um saldo de 17.215 postos de trabalho. Foi o melhor mês de agosto para a geração de vagas desde 2011. Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregos (Caged) e estão no site do Ministério do Trabalho e Previdência.

Perguntar não ofende: Eduardo Leite bate Dória nas prévias do PSDB destinadas à escolha do candidato ao Planalto?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos Souza

Lula teve 8 anos para adotar tal modelo, por que não o fez?! Bolsonaro não tá nem aí pro trabalhador brasileiro, prova que já tá em campanha enquanto o país derrete economicamente.




29/09


2021

Coluna da quarta-feira

Casuísmo aberrante 

Aprovada pelo Congresso, em sessões vapt-vupt, as federações partidárias, vetadas pelo presidente Bolsonaro, representam um tremendo casuísmo. Na prática, os deputados e senadores encontraram uma saída bem no jeitinho brasileiro para coligações disfarçadas. Com isso, três ou quatro partidos poderão se juntar numa frente partidária nacional reproduzida nos Estados também na disputa proporcional.

As federações são dispositivos que podem salvar da extinção ou do ostracismo partidos políticos ameaçados pela cláusula de desempenho – que condiciona o acesso ao fundo Partidário ao desempenho nas eleições. Dois ou mais partidos poderão se juntar para superar a cláusula e eleger mais deputados e vereadores. Os recursos dos fundos Partidário e Eleitoral irão para as federações e serão divididos entre as legendas participantes conforme acordarem a partilha.

Essas entidades precisarão ter validade de no mínimo quatro anos. Teriam de ser constituídas até as convenções partidárias para serem válidas nas eleições do ano. Será necessário aos partidos participantes elaborar um programa comum. A legenda que deixar uma federação antes do prazo sofrerá punição. Elas funcionarão nas instâncias de representação como um único partido.

Se três legendas firmarem aliança desse tipo, terão direito a apenas uma estrutura de liderança na Câmara, por exemplo. Será possível às siglas federadas, porém, manter estruturas separadas, como sedes, dirigentes e funcionários. As burocracias ficariam preservadas. Ao vetar as federações, o Executivo afirmou que elas inaugurariam “um novo formato com características análogas à das coligações partidárias”, hoje vetadas na Constituição para eleições proporcionais.

“A vedação às coligações partidárias nas eleições proporcionais, introduzida pela Emenda Constitucional 97, de 4 de outubro de 2017, combinada com as regras de desempenho partidário para o acesso aos recursos do fundo partidário e à propaganda gratuitas no rádio e na televisão tiveram por objetivo o aprimoramento do sistema representativo, com a redução da fragmentação partidária e, por consequência, a diminuição da dificuldade do eleitoral de se identificar com determinada agremiação”, escreveu o governo.

Valendo em 2022 – A sessão da derrubada do veto presidencial às federações partidárias foi adiantada de ontem para segunda-feira, para reduzir as chances de não haver tempo para cumprir os trâmites burocráticos em caso de rejeição do veto. Isso porque só valem nas eleições de 2022 as alterações nas regras que estejam em vigor até o dia 1º de outubro deste ano. Com a mudança na data, a equipe técnica do Congresso terá um dia a mais para encaminhar a burocracia necessária. A análise do veto começou pelo Senado porque a tramitação sempre se inicia pela Casa de onde a proposta se origina.

Herói na pandemia – O ex-presidente Michel Temer (MDB) afirmou no programa Roda Vida da segunda-feira passada que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) perdeu a chance de ser um “herói” no enfrentamento à pandemia de covid-19 no Brasil. Para o emedebista, Bolsonaro deveria ter centralizado o poder e reunido governadores e autoridades dos Três Poderes para uma “união” nacional, podendo ser exemplo nacional e internacionalmente. “Se ao começo da pandemia, ele [Bolsonaro] tivesse assumido, e até mesmo centralizado o controle –reunindo os 27 governadores, os presidentes dos Poderes e até a oposição, comprando vacinas– hoje ele seria um verdadeiro herói”, disse.

Sem impeachment – Temer (MDB) avalia que não seria conveniente iniciar neste momento um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Ele ressalta que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid pode concluir que o presidente teve "incúria" no combate à covid-19, o que eventualmente pode levar o Ministério Público a pedir o afastamento de Bolsonaro. Entretanto, Temer acredita que o momento não é o ideal para este processo. "Se você me perguntasse um ano atrás, eu diria que talvez fosse o caso de começar um impedimento. Nesse momento, eu não acho adequado", disse ele, na mesma entrevista.

Desvio em Glória – O ex-prefeito de Glória de Goitá, Zenilton Miranda Vieira (PTB), e mais sete suspeitos de envolvimento em uma fraude para a compra de merenda escolar no município, se tornaram alvo de ações penal e de improbidade administrativa. Segundo o Ministério Público Federal, foram desviados R$ 310 mil de recursos federais entre 2013 e 2015. O valor foi atualizado, conforme o Ministério Público Federal. O dinheiro era do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O Ministério Público Federal informou que foram descobertos contratos irregulares na administração municipal.

Hora da vingança – O grupo da prefeita de Tabira, Nicinha Melo (MDB), esposa do ex-prefeito Dinca Brandino, fechou com a pré-candidatura do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, a governador. O casal não apenas esteve presente no ato de filiação do emedebista ao DEM, sábado passado, no Recife, como declarou publicamente, no dia seguinte, ao blog de Marcelo Patriota, de São José do Egito, a adesão formal ao projeto de Miguel. Desde a eleição de Eduardo Campos, votam no PSB. Depois da morte do ex-governador, passaram a ser tratados como patinho feio no município. “Chegou a hora da vingança”, disse um aliado da prefeita.

CURTAS

CORRUPÇÃO NO BN – Um contrato suspeito de R$ 600 milhões da instituição financeira com a ONG Instituto Nordeste Cidadania, entidade parceira do BNB na operacionalização do Crediamigo e Agroamigo, levou o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, a pedir ao presidente Bolsonaro a demissão de toda a diretoria do banco.

JÁ ALGEMADO – Dono das lojas Havan e aliado do governo Bolsonaro (sem partido), o empresário Luciano Hang publicou vídeo em suas redes sociais provocando os senadores que vão interrogá-lo, hoje, na da Covid-19. “Se, por acaso, não aceitarem aquilo o que vou falar, já comprei, pra não gastarem dinheiro com algema, já comprei, vou entregar uma chave pra cada senador, e que me prendam”, desafiou, exibindo para a câmera um braço já algemado.

Perguntar não ofende: O que muda nas pré-candidaturas presidenciais com a aprovação das federações partidárias?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



28/09


2021

Coluna da terça-feira

Pernambuco às moscas  

Quando Deus o chamou em 2014, numa fatalidade que comoveu o País, o ex-governador Eduardo Campos partiu com a imagem de gestor ousado, inovador e moderno. Mais do que isso, que havia tirado o Estado da sarjeta, fazendo inveja ao Ceará e a Bahia, rivais na atração de investimentos. Na prática, não era bem assim. Eduardo não era marqueteiro, mas  governava como tal.

Com a sua morte precoce, o Estado, que parecia bem, no rumo certo, foi se deteriorando. Tudo hoje, como bem disse, ontem, o cantor Alcymar Monteiro, é sinônimo de abandono. O Recife, por exemplo, perdeu a liderança do PIB regional para Fortaleza e Salvador, estando em terceira posição. Suape virou um elefante branco. Mais de 90% das frutas saídas de Petrolina via navio para o mercado internacional se dão pelo porto de Pecém, no Ceará.

Tudo porque são caríssimas as tarifas portuárias praticadas pelo porto pernambucano. O estaleiro, que seria uma das tábuas de salvação da economia, virou tempestade do Norte, só produzindo até agora um navio. É outro elefante branco. Milhares de trabalhadores treinados e contratados para produzir navios estão a ver navios, literalmente desempregados. A refinaria, que seria o carro-chefe da geração de renda e emprego, não anda. Aliás, anda, a passos de tartaruga.

Há muito, Recife não sabe o que é uma obra de infraestrutura. A cidade continua campeã em engarrafamento, suja, calçadas malcuidadas e com o simbólico bairro Antigo jogado às moscas. O Estado não tem estradas. De norte a sul, a começar pela BR-232, a mais movimentada, que Jarbas Vasconcelos construiu com o dinheiro da venda da Celpe, se trafega driblando buracos, colocando e vida em risco. Pernambuco também não tem segurança. A Região Metropolitana continua sanguinária como nos tempos do cangaço.

Na semana passada, ao botar o pé na estrada, constatei, mais uma vez, a cara do abandono do Interior. Em Fazenda Nova, o Parque Nilo Coelho de Esculturas Monumentais, uma das vitrines do turismo no passado, está coberto pela caatinga, sem receber um só visitante. Trata-se de um equipamento cultural fantástico. Enormes blocos de granito viraram esculturas de dois a sete metros, algumas chegando a 15 toneladas, 37 peças foram agrupadas por temas em nove setores, investimento de mais de R$ 2 milhões jogado fora.

Já ontem, postei no blog o retrato da sucata em que foi transformado o prédio histórico do bicentenário Diário de Pernambuco, um dos cartões postais do passado compondo a paisagem cultural da famosa e lendária Pracinha do Diário. Mário Quintana dizia que o que mata uma cidade não é o abandono. É o olhar de quem passa por ela indiferente, como os governantes insensíveis do Estado. Quando um patrimônio público é abandonado, a vizinhança é a solidão. A indiferença e o abandono, na verdade, causam danos irreversíveis à história e a cultura.

Sem perseguição – O novo partido que sairá da fusão entre PSL e DEM não será governista, segundo afirmou o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, que assumirá a função de secretário-geral da legenda em formação. Atual presidente do DEM, ele diz, no entanto, que a sigla "não criará constrangimentos" a filiados e diretórios que decidam apoiar o presidente Jair Bolsonaro. A postura é semelhante à do DEM hoje. Oficialmente, a sigla não integra a base aliada, mas tem dois ministros no governo (Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina) e maioria das bancadas na Câmara e no Senado alinhada ao Palácio do Planalto.

Em faixa própria – Um dos objetivos da fusão – que deve criar uma das maiores legendas da atualidade – é lançar candidato próprio ao Palácio do Planalto em 2022. "A gente acha que nasce com musculatura suficiente para isso", afirmou. O dirigente partidário ressaltou que, apesar disso, os diretórios municipais e regionais da nova legenda ficarão livres para apoiar outros candidatos. "Ter candidatura própria a presidente não significa que a gente pretenda estabelecer qualquer tipo de constrangimento para as lideranças e figuras do partido que eventualmente em seus Estados tenham uma situação distinta da nacional", disse.

Ceará desconectado – Apesar de figurar entre os dez estados com os maiores acessos a computadores para alunos durante a pandemia do novo coronavírus, estudantes da rede pública no Ceará têm menos conectividade com a internet, segundo o IBGE. A disponibilidade de computadores e tablets no Estado é 60,8% para matriculados nas unidades públicas e 78,0% na rede particular. O levantamento mostra ainda que salas ou laboratórios de informática estavam disponíveis para 75,2% dos escolares, sendo 76,5% na rede pública e 66,2% na rede privada.

Nordeste ameaçado – O Governo Federal anunciou um projeto para reduzir os incentivos fiscais fornecidos à iniciativa privada nos próximos anos, criando um espaço maior para compensar os impactos no orçamento gerados pela crise da pandemia do novo coronavírus. Especialistas ponderam que a inciativa poderá reduzir o potencial de desenvolvimento regional no Norte e no Nordeste, elevando ainda mais a disparidade econômica. De acordo com o plano elaborado pela Receita Federal, a previsão é cortar mais de R$ 22 bilhões em gastos tributários, sendo R$ 15 bilhões cortados já no primeiro ano.

Renovação na bancada – Um dos maiores atacadistas do polo de confecções do Agreste, com negócios entre Santa Cruz do Capibaribe e Santa Catarina, o empresário Robson Ferreira, líder do movimento bolsonarista na região, deve disputar um mandato de deputado federal em 2022, com chances de se revelar na mais surpreendente novidade da eleição proporcional. Foi ele que liderou o grupo responsável pela organização da motociata pro-Bolsonaro, no último dia 4, saindo de Santa Cruz em direção a Caruaru, atraindo mais de 70 mil motociclistas.

CURTAS

VOLTA AOS ESTÁDIOS – Jogos de futebol profissional voltaram a ser realizados com público a partir de ontem em Pernambuco. Para todos os eventos esportivos, o Governo autorizou a presença de até 2,5 mil pessoas ou 20% da capacidade do local, o que for menor, desde que elas tenham sido vacinadas contra a Covid-19. Além disso, também foi ampliada a quantidade de pessoas em shows, eventos culturais, sociais e corporativos em todo o Estado, que podem receber até 2,5 mil pessoas ou 50% da capacidade total do local onde o evento deve ser realizado.

VACINA OBRIGATÓRIA – Reunidos virtualmente, os integrantes da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovaram, ontem, por unanimidade a obrigatoriedade da vacinação contra a Covid-19 para todos os servidores efetivos ou que prestam serviço ao poder público estadual. A medida se estende a servidores, militares estaduais, contratados temporários, empregados de empresas estatais e prestadores de serviços e também se aplica aos outros poderes e órgãos estaduais, como Legislativo, Judiciário e Ministério Público.

Perguntar não ofende: Quem será, afinal, o candidato do PSB a governador de Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



27/09


2021

Coluna da segunda

Miguel pede passagem  

"Quem é coxo, parte cedo”, já dizia Ulysses Guimarães, o Senhor Diretas, estadista que inaugurou a nova ordem democrática no Brasil com a Constituição de 88, após 21 anos de ditadura militar. Valente, conciliador, nacionalista convicto, Ulysses participou de todas as campanhas pelo retorno do País à democracia, inclusive liderou a luta pela anistia ampla, geral e irrestrita. Com o fim do bipartidarismo em 1979, o MDB converteu-se em Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), do qual virou presidente nacional vitalício.

Com as sandálias da humildade, um jovem de 30 anos, representante da nova geração aguerrida do clã Coelho, remanescente das terras secas euclidianas, simbolizadas pelas caras assustadoras saídas das mãos de Ana das Carrancas, botou os pés no Recife, sábado passado, para assinar a ficha do DEM, apresentando-se assim: “Muito prazer, Pernambuco! Sou Miguel Coelho, prefeito de Petrolina”. Seu gesto franciscano foi aplaudido por uma plateia de quase mil pessoas, que foi ao delírio.

Na linguagem convencional, Miguel foi ovacionado. As palmas e os gritos partiram de caras velhas e novas da política estadual, de partidos das mais diferentes cepas ideológicas, do DEM, sua nova legenda, ao PSB, incluindo o PSDB, que tenta também criar uma candidatura de oposição ao Palácio do Campo das Princesas com a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra. O barulho ensurdecedor da plateia dava a sensação de uma resposta assim em couro: “Seja, bem-vindo! Pernambuco precisa de ti, Miguel.”

O cenário armado para a filiação e, ao mesmo tempo, o pré-lançamento da candidatura de Miguel ao Palácio do Campo das Princesas lembraram as convenções americanas e os lendários atos do ex-governador Eduardo Campos. Aliás, tão visionário quanto ousado como Eduardo, Miguel quer Pernambuco lhe dando oportunidade para mostrar a ilha de exceção de gestão que transformou a sua Petrolina.

Quando sonhou com o Planalto, Eduardo também pediu para apresentar sua vitrine ao País. Eduardo foi ulyssista, partiu cedo, mas foi impedido de sonhar por uma fatalidade que lhe roubou a vida. Miguel também adotou a filosofia Ulysses Guimarães. É coxo, porque sua obra só ganhou vitrine até agora no Sertão. Para torná-la ampla, geral e massificada, tem que calçar botas de sete léguas para percorrer, além do seu Sertão, o Agreste, a Zona da Mata e a Região Metropolitana.

Dos três pré-candidatos da oposição, Miguel é o que tem o maior acervo de obras e projetos estruturadores como cartão de apresentação ao grosso do eleitorado concentrado na Região Metropolitana do Recife, onde ainda é uma cara estranha. Daí, a humildade de se apresentar pedindo passagem para seu bloco desfilar na avenida.

Muito prestigiado – Segundo os organizadores do ato pró-Miguel, 34 prefeitos foram bater palmas para ele, sendo quatro de outros estados. Os 500 lugares reservados foram todos ocupados e muita gente ficou em pé. Contou ainda com lideranças de nove siglas: DEM, MDB, PSB, PSL, PP, Podemos, Avante, PSDB e PV. Entre os principais nomes, o presidente nacional do Democratas, ACM Neto, o vice-presidente do PSL, Antônio Rueda; o presidente estadual do DEM, Mendonça Filho, os prefeitos de Florianópolis, Gean Loureiro, de Salvador, Bruno Reis (ambos do DEM); e de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD).

O palanque nacional – Nos discursos celebrando o ingresso de Miguel ao DEM e seu start rumo ao Palácio das Princesas, ninguém associou seu palanque estadual ao nacional. Mas se o PSD, de Kassab, se entender com o DEM e o PSL, que virarão um único partido com a fusão prevista para o próximo dia 5, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), tem chances de se transformar no candidato apoiado por Miguel em Pernambuco, constituindo, assim, de fato e de direito a chamada terceira via.

Ameaça ao PSB – Caso o PSD de Kassab marche junto com Rodrigo, o PP tanto pode se agregar a essa frente quanto ficar com Bolsonaro. Caso adira a Pacheco, em Pernambuco Miguel passa a ser o candidato com mais chances de provocar uma fissura na Frente Popular, atraindo o grupo do deputado federal Eduardo da Fonte, presidente estadual da legenda. Miguel passa a ser, portanto, o postulante da oposição mais temido pelo PSB, muito mais que Raquel e Anderson, que não teriam esse guarda-chuva nacional.

Três de olho no TCU – Atual líder do Governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho está cotado, sim, para a vaga que será aberta no Tribunal de Contas da União com o pedido antecipado de aposentadoria do ministro Raimundo Carreiro. A vaga é da cota do Senado, não tem interferência do presidente Bolsonaro, mas Fernando tem concorrentes: o senador mineiro Antônio Anastasia (PSDB) e a senadora Kátia Abreu , do PP de Tocantins. A antecipação da aposentadoria de Carreiro depende de um gesto de Bolsonaro: convocá-lo para assumir uma embaixada no Exterior.

Fica no DEM – Uma das principais lideranças do DEM no Estado, a deputada Priscila Krause tem uma relação melhor e mais estreita com Raquel Lyra, até porque foi apoiada pela prefeita tucana nas eleições passadas. Com o sepultamento das coligações pelo Senado, o melhor caminho para Priscila renovar o seu mandato na Alepe é o DEM. Até porque uma candidatura própria a governador, como a de Miguel, além de facilitar a montagem da chapa proporcional, não será obra do partido, mas da fusão com o PSL. Custaria um preço caro para a deputada se rebelar apenas porque teria uns votinhos colada a Raquel. Candidata a governadora, a tucana, vale a ressalva, não poderá ter candidato preferencial ao parlamento.

CURTAS

ORGULHO – Do presidente nacional do DEM e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, em discurso no ato de sábado passado: "Petrolina consagrou a primeira gestão de Miguel. Um gestor público que nos orgulha. Muito mais que qualquer palavra que eu possa falar neste encontro, o reconhecimento do seu povo o qualifica para seguir uma nova jornada na sua nova vida pública."

ENGAJAMENTO – De Mendonça Filho em seu discurso: “A gente tem muita fé de que Miguel vai tocar o coração do povo, apresentar boas ideias, propostas, num diálogo aberto para que a gente possa mudar Pernambuco. A gente vai ajudar onde quer que a gente esteja, no Agreste, na Mata, no Sertão ou mesmo aqui na capital e Região Metropolitana.”

Perguntar não ofende: Depois de Miguel, quem dirá que é candidato a governador em ato formal: Raquel ou Anderson?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

Publicidade

Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Opinião

Publicidade
Apoiadores
Parceiros