Caruaru - Jan 2022


17/11


2021

Coluna da quarta-feira

Almir, o grande vitorioso 

Ao arrancar, ontem, num grande sufoco, a vitória do advogado Fernando Ribeiro com uma diferença de apenas 300 votos, o comando da OAB de Pernambuco recebeu um claro e indiscutível recado da categoria: não pode continuar gerindo a instituição em torno de um grupo. Não fosse a forte e poderosa estrutura montada pelo ex-presidente Ronnie Duarte, que comandou nos bastidores, com mão de ferro, a eleição de Fernando, o jovem advogado Almir Reis teria sido eleito.

O postulante da oposição, na verdade, sai da eleição como o grande vitorioso moral. Foi um gigante, quase põe abaixo os poderosos numa campanha limpa, em cima de propostas, recorrendo ao discurso da palavra sóbria do convencimento pela mudança. Com botas de sete léguas, andou o Estado inteiro, venceu no Recife, o maior colégio eleitoral, mas acabou derrotado pela força da máquina da situação com os votos desfavoráveis apurados no Interior.

A alternância de poder é salutar e necessária em qualquer instância e instituições, como a OAB. Ribeiro, presidente eleito, representa os interesses e os compromissos de um grupo que manda e desmanda na Ordem há muito tempo, que não conseguiu passar na campanha uma mensagem que conquistasse a confiança dos associados de que a política de grupos mudaria, principalmente para os mais jovens, que votaram maciçamente na oposição, apostando em novos tempos.

Mesmo derrotado, Almir Reis se transforma, a partir de agora, na maior, mais expressiva e jovem liderança da advocacia pernambucana, com chances de encerrar o ciclo dos poderosos no próximo pleito. Quem venceu a eleição da OAB-PE não foi Fernando, foi a máquina, o aparelhamento da instituição. O termo “aparelhamento" aplica-se à tomada de controle de órgãos ou setores da administração pública por representantes de grupo de interesses corporativos ou partidários, mediante a ocupação de postos estratégicos das organizações do Estado, de modo a colocá-las a serviço dos interesses do grupo.

O pequeno Almir de estrutura física, mas de espírito gigante de guerreiro, por pouco não quebra também esse aparelhamento, observado no Estado, hoje, em quase todas as instituições representativas da sociedade sob o viés de um falso e intragável socialismo de mentirinha.

Futuro de Bolsonaro – O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, tem encontro agendado, hoje, com os dirigentes regionais do partido para discutir o imbróglio da filiação do presidente Jair Bolsonaro. Será às 15h na sede do partido em Brasília. O chefe da sigla quer resolver conflitos regionais para facilitar a entrada de Bolsonaro, seus filhos e aliados no partido. Na última segunda-feira, Bolsonaro disse que as pendências para a filiação são o acerto do partido com o pré-candidato do PSDB ao governo de São Paulo e as alianças com governadores de siglas de esquerda no Nordeste.

Pronto para a guerra – Recém filiado ao Podemos, o ex-juiz Sergio Moro afirmou, ontem, ao programa Conversa com Bial, da Globo, que “está pronto” para construir um projeto à Presidência da República. “Estou pronto para liderar esse projeto, e construindo um projeto consistente com o povo brasileiro. Se o povo brasileiro tiver essa confiança, o projeto segue adiante”, afirmou ao jornalista e apresentador Pedro Bial. Moro disse que tem discutido suas ideias para o “projeto” com especialistas em assuntos, principalmente, econômicos. Citou apenas o escritor e economista Affonso Celso Pastore como um “guru” a nível macroeconômico.

Mosca azul – O pacote de obras orçado em R$ 5 bilhões que o Governo do Estado vem tocando em todas as regiões, com destaque para gargalos que irritam e trazem prejuízos à população, como estradas novas e repaginadas no Sertão e Agreste, estaria estimulando o governador Paulo Câmara a rever a sua decisão de ficar no mandato até o fim. Quem passa no Palácio para tomar o cafezinho frio, típico de fim de governo, percebe que Câmara já sonha em disputar o Senado.

À frente dos EUA – O Brasil superou os Estados Unidos na porcentagem de pessoas com imunização completa contra covid-19, apontam dados da plataforma Our World in Data, gerida por pesquisadores da Universidade de Oxford. Atualmente, a parcela de brasileiros que receberam duas doses ou dose única é de 59,75%, ante 57,62% dos americanos. Mesmo tendo largado atrás e enfrentado problemas de falta de vacinas, o Brasil acelerou o ritmo da vacinação principalmente a partir de agosto. Com aumento na disponibilização de doses, a adesão da população brasileira passou a ser determinante para o cenário de hoje.

Prévias tucanas – O presidente do PSDB, Bruno Araújo, decidiu que as prévias do PSDB serão mantidas em 21 de novembro. A mudança chegou a ser proposta pelo ex-deputado Jutahy Júnior (BA), aliado do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que polariza a disputa com o governador de São Paulo, João Doria. Foi feita em reunião interna da sigla na semana passada. O governador gaúcho, no entanto, se disse contrário a qualquer mudança. “Não faz sentido postergarmos a decisão em um processo no qual trabalhamos com absoluta confiança na vitória. Queremos todos os filiados com o aplicativo em mãos e decidindo o futuro do PSDB no dia 21”, negou Leite.

CURTAS

SEM CRUZEIROS – O Governo do Estado desistiu de liberar os cruzeiros turísticos para Fernando de Noronha. A volta, na temporada 2021/2022, foi anunciada na última quinta-feira. Fernando de Noronha não recebe navios turísticos desde 2013. Por 23 anos, os cruzeiros foram realizados, com escalas regulares, e há oito anos foram suspensos. Ao longo dos últimos anos, poucos cruzeiros fizeram escalas em Noronha e não houve uma linha regular, como ocorria no passado.

ESCOLAS – Já as escolas da rede estadual foram autorizadas a voltar a funcionar desde a última segunda-feira, com a capacidade total dos alunos presencialmente nas salas de aula. Outra mudança é que o distanciamento de um metro entre os estudantes e a aferição de temperatura na entrada das unidades de ensino deixou de ser exigido.

Perguntar não ofende: Se o PL desistir, qual legenda abrigará Bolsonaro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE - Ações Sociais - Janeiro 2022


16/11


2021

Coluna da terça-feira

E se Bolsonaro estivesse em alta?  

Se as tratativas de abocanhar um partido para chamar de seu com o PL, do mensaleiro, ex-lavajatista e boquirroto Valdemar Costa Neto, deram para trás, imagine o cenário que se apresenta adiante para o presidente Bolsonaro! No universo do Centrão, base fisiológica do seu Governo no Congresso, só restam o PP, de Ciro Nogueira, ministro da Casa Civil, e o Republicanos, do deputado Marcos Pereira.

Notícias que correm em Brasília dão conta que o PP não quer Bolsonaro em suas fileiras em hipótese alguma, a começar por Ciro, que deixou vazar ontem que tentará apaziguar o PL, junto a Valdemar, para que o presidente não desista da filiação e esqueça o PP. Já Pereira revelou ao site O Antagonista que nunca o Republicanos convidou o chefe da Nação para ingressar na legenda.

Em ano pré-eleitoral, mesmo em se tratando da autoridade máxima do País, não é fácil encontrar um cobertor partidário. Com raríssimas exceções, todas as legendas, independente do alinhamento em cima, na corrida presidencial, embaixo, na disputa pelos governos estaduais, já são fortemente comprometidas.

No caso do PL, Bolsonaro queria o controle de pelo menos cinco diretórios estaduais, entre eles São Paulo e Pernambuco, mas Valdemar já assumiu compromissos com esses dirigentes e resiste às pressões. Se vier a optar pelo PP, nem em São Paulo nem tampouco em Pernambuco será diferente. No caso de São Paulo, o PP está comprometido até a medula com o PSDB – leia-se governador João Doria.

Em Pernambuco, o PP vai de PSB. Seu presidente, Eduardo da Fonte, donatário da maior bancada na Assembleia Legislativa, tem compromisso velado com o candidato a governador que será escolhido e anunciado por Paulo Câmara (PSB). Bolsonaro, portanto, vai ter de comer o pão que o diabo amassou para se abrigar partidariamente até abril, quando se esgota o prazo para filiações e troca de partidos.

Tudo isso se remete, principalmente, ao momento de dificuldades que o presidente e o seu Governo enfrentam. Se estivesse bem avaliado, com amplas chances de ser reeleito logo no primeiro, Bolsonaro escolheria qualquer partido e ainda seria extremamente paparicado. Seu horizonte adverso e sombrio está atrelado ao seu ibope. E tende a não mudar nem tão cedo.

PL com Doria – Em entrevista a jornalistas em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, Bolsonaro deixou claro que as pendências para a filiação são o acerto do partido de Valdemar Costa Neto com o pré-candidato do PSDB ao Governo de São Paulo e as alianças com governadores de siglas de esquerda no Nordeste. “Conversei com o ministro Tarcísio de Freitas e ele aceita discutir uma possível candidatura dele ao Governo de São Paulo. Se ele vier candidato tem tudo pra levar”, declarou. E acrescentou: “É um tocador de obras, é gestor, conhece muito do Brasil e tem como rapidamente se inteirar do que acontece em São Paulo. Uma vez eleito, se vier candidato, da mesma forma como eu fui, sem dever nada para ninguém, tem como botar um bom secretariado e fazer um bom trabalho.”

Acredite se quiser – Bolsonaro disse que foi melhor adiar a data de sua filiação, antes anunciada para 22 de novembro, para não começar o casamento com pendências. E comentou a “intensa troca de mensagens” que, nas palavras do próprio presidente do PL, definiu o cancelamento da data inicial: “Não sei como divulgam uma matéria de que eu teria trocado ofensas [com Costa Neto], foi uma rápida troca por WhatsApp, nem falei por telefone.” Apesar dos impasses que ele pede para o presidente do PL resolver como condição para sua filiação, Bolsonaro afirmou que ele “tem tudo para casar e ser feliz”, recorrendo mais uma vez à metáfora do matrimônio para descrever suas articulações políticas.

Filhos atrapalham – O impasse para se filiar ao PL tem outras razões. O clã Bolsonaro se desentendeu com o mandachuva Valdemar Costa Neto por causa das composições políticas em São Paulo, Bahia, Pernambuco e Piauí. Na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes, a ideia do Planalto é forçar o PL a desfazer o acordo para apoiar a candidatura do vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB). O presidente tem um time de conselheiros para tratar da filiação. Ele tem conversado nos últimos dias sobre a escolha do partido com os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira (Progressistas), das Comunicações, Fábio Faria (PSD), e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho (sem partido).

Ainda em discussão – O PL não decidiu como vai atender as solicitações de Bolsonaro, mas ainda trabalha em ajustar um acordo. Valdemar deu tempo para Bolsonaro poder administrar internamente a questão. Uma reunião com a participação do comando da legenda e das bancadas na Câmara e no Senado está marcada para acontecer hoje, na sede do PL, em Brasília. Integrantes do partido avaliam que um acordo só vai efetivamente começar a ser desenhado após uma conversa cara a cara entre Bolsonaro e Valdemar. O chefe do Poder Executivo volta ao Brasil na próxima quinta-feira.

Portas dos fundos – Após ser demitido pela CNN Brasil, o jornalista Evaristo Costa decidiu mover uma ação na Justiça Cível contra a emissora, exigindo indenização. Acusa a emissora de desrespeito profissional e danos morais e materiais. Ele tomou conhecimento do desligamento enquanto assistia à nova chamada de programação do canal. De férias, notou que o programa que apresentava, CNN Séries Originais, não constava na grade. O jornalista acredita que o correto seria ter sido o primeiro a ser informado da demissão, e considerou humilhante a forma escolhida pela direção para o corte. "Me chutaram pelas portas dos fundos", desabafou.

CURTAS

PIADINHA PRONTA – O senador Humberto Costa não se cansa de plantar a notícia de que o PSB poderá apoiar a candidatura dele a governador, para que Paulo Câmara possa disputar o Senado. O que a viúva Renata Campos e os seus áulicos acham da ideia de o PSB dar de mão beijada o poder ao PT? Humberto governador seria sepultar a ideia de João Campos ser candidato a governador, caso venha a ser reeleito.

ABERTURA – O comércio de rua e os shoppings do Recife começaram, ontem, a abrir todos os dias até o Natal. O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas, Fred Leal, diz estar otimista com as vendas para o final de ano. “Existem fatores positivos e negativos. Estamos com um índice de vacinação muito bom, o que faz com que a gente tenha uma expectativa da volta dos setores, movimenta festas, bares e restaurantes, o que repercute no setor de acessórios, confecções e bebidas”, declarou.

Perguntar não ofende: Doria e Eduardo Leite, que disputam as prévias para virar candidato do PSDB ao Planalto, engolem a ideia de Alckmin vice de Lula? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Quem tá doido em se aliar ao Bozo (inepto)? Apenas o capeta, o gado e os lambe-botas de PE.

Wellington Antunes

Partidos políticos e os políticos não tem vocação para o suicídio. Ninguém quer proximidade com esse defunto mal cheiroso a caminho do cemitério e quem ousar a pegar na alça do caixão, corre o risco de cair na sepultura. Quem tá doido em se aliar com o Bozo?


Cabo - Pavimentação e Drenagem


15/11


2021

Coluna da segunda-feira

PT e PSDB se merecem!  

Um dos mais importantes filósofos do iluminismo francês, o Barão de Montesquieu dizia que a corrupção dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios. Ao saber que o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, está “avaliando” e propenso a ser o candidato a vice-presidente na chapa do ex-presidiário Lula, lembrei não apenas da inteligência de Montesquieu, mas também do sábio Luis Fernando Veríssimo.

Em 1983, em seu décimo volume de crônicas inéditas, Veríssimo lançou um personagem de muito sucesso, a Velhinha de Taubaté, definida como "a única pessoa que ainda acredita no governo e nos políticos”. O ingênuo personagem, que dera a seu gato de estimação o nome do porta-voz do Presidente-General Figueiredo, marcava a decadência do governo militar brasileiro, que já estava quase completando 20 anos.

Mas, anos depois, em plena democracia, Verissimo faria reviver a Velhinha de Taubaté ironizando a credibilidade dos presidentes civis. É também dele a provocante frase: “Brasil, esse estranho País de corruptos e corruptores”. Estranho para nós, cidadãos mortais, pagadores de impostos para deleite dos políticos sem escrúpulos. Menos para eles, que brigam por tudo, xingam a mãe um do outro e suas mulheres, mas se unem pelo poder, a velha tese do poder pelo poder.

Dá náuseas imaginar PT x PSDB juntos, agora, depois de digladiarem a vida inteira pelo poder, um xingando o outro de ladrão e bandido. Com muita hipocrisia, o PSDB utilizou o mensalão para desgastar o PT e depois a Lava Jato, esquema em que aparecem citados como irmãos siameses na ladroagem. É o sujo falando do mal lavado.

É sempre bom lembrar que o PSDB protagonizou alguns dos maiores escândalos de corrupção da história, como a chamada “privataria tucana” dos anos do governo FHC. O PT, por sua vez, fez campanha para provar que o mensalão “nunca existiu”, que o escândalo foi uma tentativa de “golpe” contra o governo Lula. Igualmente, que a Lava Jato foi uma invencionice do ex-juiz Sérgio Moro, mas nunca explicou porque a quadrilha que foi presa, incluindo Lula, mas nunca pediu de volta dos R$ 4 bilhões do roubo recuperados na operação Lava Jato.

Juntos, PT e PSDB podem criar até um slogan: “A diferença entre nós é uma questão de cifras”. Por tantos e mega escândalos, fica difícil saber quem roubou mais ou menos. A diferença que conta, entretanto, não é a que está nos números, mas nos princípios. E, nos princípios, será que PT e PSDB é diferente um do outro? PT e PSDB ficaram tão parecidos que se merecem. As duas legendas estão a tal ponto espelhadas uma na outra que agora projetam o sonho de partilharem a corrupção com Lula presidente e Alckmin vice.

Deus socorra o Brasil!

Bagagem da impunidade – PT e PSDB quando governaram o Brasil foram protagonistas de episódios que entraram para o anedotário. Malas pretas apreendidas, cuecas que voaram entupidas de dinheiro, do meu, do nosso dinheiro que reservamos duramente para educar os meninos mais pobres que nós, para cuidar, gratuitamente, da saúde deles e dos seus pais. PT e PSDB são responsáveis por um dinheiro que viajou por muito tempo na bagagem da impunidade. Santo Agostinho já dizia: “Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem”. Vale para Alckmin!

E agora, Raquel? – Não saindo Alckmin do PSDB e recebendo o aval do partido para o acordo mais espúrio da história recente do Brasil, a juntada da tucanada com a petralhada, como ficará a pré-candidata tucana ao Governo de Pernambuco, Raquel Lyra? Vai engolir e aterrissar em outra legenda? Com a palavra, a própria prefeita, que, certamente, não acredita na possibilidade, na medida em que enxergar o caminho do PSDB na candidatura própria do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, para quem sairá vitorioso nas prévias.

PT nada fez – Do Estadão, ontem, em editorial: “Agora, o PT propõe a mesma receita: crescimento via gastos públicos. Mas se furta a explicar de onde virá o dinheiro. Sem dúvida, recursos públicos podem servir de estímulo à economia. A pandemia explicitou a importância do Estado para amortizar choques e promover políticas anticíclicas. O problema não é o gasto em si, mas o gasto sem controle e sem critério. Na maré alta do ciclo das commodities, o PT nada fez para disciplinar a expansão dos gastos obrigatórios – ao contrário. Na maré baixa, consumiu a capacidade de investimento do País e arruinou sua saúde fiscal”.

Rejeição – Ainda segundo o Estadão, dados da pesquisa Genial/Quaest mostram as principais dificuldades da candidatura de Sérgio Moro na largada. Para vencer, o ex-juiz terá de tocar os corações dos mais pobres, especialmente no Nordeste. A rejeição a Moro entre quem ganha até dois salários mínimos por mês está em 74%, praticamente a mesma de Jair Bolsonaro nessa faixa, 73%. Há, porém, um complicador para o presidente: seu ex-ministro da Justiça vai um pouco melhor entre quem recebe de dois até cinco salários: 49% rejeitam Moro; 65%, Bolsonaro, no segmento. Os dados escancaram os limites do discurso anticorrupção do homem da Lava Jato e da guerra cultural do “Mito”.

Mudança na OAB – Candidato da oposição na briga pela presidência da OAB-PE, o advogado Almir Reis está animado. A eleição ocorre amanhã. “As pesquisas apontam vantagem ao nosso projeto. Essa foi uma caminhada limpa, bonita e propositiva, na qual andamos por mais de 130 cidades, visitamos mais de sete mil colegas e mais de 400 escritórios. Estamos prontos e legitimados pela advocacia pernambucana para começarmos a gestão a partir do ano que vem”, diz. Como opositor, ele se apoia na máxima que diz não existir democracia sem alternância no poder.

CURTAS

MESMO GRUPO – A mais legítima provocação de Almir Reis sobre seu adversário: “Ele representa os mesmos grupos, as mesmas pessoas fazendo rodízios das cadeiras. Ao longo dos últimos cinco mandatos, foi desse jeito. Agora chegou o momento de oxigenar a instituição, de colocar na gestão os jovens, as mulheres, os interioranos, para que a gente possa ter uma gestão realmente antenada com os anseios das advocacias militantes”, desabafa.

SEM MÁSCARA – A flexibilização do uso da máscara, com autorização para não a usar em locais abertos, começa a valer na próxima quarta-feira em Fernando de Noronha. Apesar disso, inúmeras pessoas foram vistas sem usar o item obrigatório durante a gravação do DVD da Banda Eva, quinta-feira passada, na Praia da Conceição, dentro da programação do Réveillon do Ansiosos. O protocolo contra Covid-19 em vigor na ilha atualmente é o mesmo válido em todo o Estado.

Perguntar não ofende: PSDB e PT unidos pela corrupção? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

O que o ministro do turismo vai trazer de útil para o Brasil depois do passeio em Dubai?

Wellington Antunes

Por que o blogueiro lambe-botas não escreve um monossílabo sobre o passeio turístico a Dubai do Bozo, familiares e amigos com o uso do nosso dinheiro?

Joao

Perguntar não ofende: o blog é o blogueiro já fez está mesma pergunta ao Valdemar Costa Neto, ao acéfalo e ao Arthur Lira. Será que está união ao centrão é para quê?


Petrolina Dezembro 2021


13/11


2021

Coluna do sabadão

Fato novo em 2022?

Por Houldine Nascimento, da equipe do Blog

Por mais que a disputa à Presidência tenha sido antecipada, quase metade do eleitorado não se decidiu quanto ao postulante na corrida ao Palácio do Planalto em 2022. O levantamento Exame/Ideia divulgado ontem mostra que 44% dos consultados não sabem em quem votar na pesquisa espontânea, aquela em que o entrevistado precisa lembrar do candidato sem a ajuda de uma lista.

Neste mesmo cenário, o ex-presidente Lula (PT) é citado por 25%, enquanto o presidente Jair Bolsonaro – na iminência de se filiar ao PL – aparece com 18%. Na visão de Maurício Moura, fundador do Ideia, essa simulação concentra os eleitores mais fiéis dos dois pré-candidatos. “E é esse o dado que ainda mostra uma desconexão de grande parte do eleitorado, que não consegue verbalizar um nome sequer de um presidenciável”, completa.

Esses números dão esperança à chamada terceira via, ainda bastante pulverizada. Na última quarta-feira (10), o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro se juntou a esse grupo ao ingressar no Podemos, com um evento pomposo em Brasília. A pesquisa Exame/Ideia entrevistou 1,2 mil eleitores entre os dias 9 e 11 de novembro e por isso ainda não conseguiu detectar qual é o real impacto da entrada de Moro na corrida.

Na consulta estimulada, o ex-juiz da Lava Jato varia de 5% a 9% em dois cenários, surgindo numericamente atrás do ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que chega a 12% e segue como o terceiro colocado na pesquisa, mas bem atrás de Lula (35% a 40%) e de Bolsonaro (25% a 28%).

Em todos os cenários, o petista lidera. Nos confrontos de segundo turno, Lula também bate todos os adversários. Ele se sai melhor no duelo com João Doria, que disputa as prévias do PSDB: 50% x 22%. A simulação menos confortável é contra Ciro (44% a 31%). Sobre Bolsonaro, Lula abre 17 pontos (48% a 31%) e uma frente de 22 pontos para Moro (47% a 25%).

Sem nova chance – A pesquisa Exame/Ideia também perguntou ao eleitorado se o presidente Bolsonaro merece ser reeleito. Para 64%, o chefe do Executivo não deve ser reconduzido ao cargo, enquanto 29% avaliam que ele merece um segundo mandato. Apenas 7% não sabem. Já o ex-presidente Lula não deve voltar à Presidência para 55% dos eleitores e 44% acreditam que ele merece retornar. Só 1% não se posicionou.

Reprovado – O levantamento consultou os eleitores sobre o governo Bolsonaro. A pesquisa mostra que 52% consideram a gestão ruim ou péssima. Já 23% avaliam como boa ou ótima e 22% apontam que é regular. Quando a pergunta é sobre a maneira que o presidente Bolsonaro está lidando com a Presidência, 54% desaprovam e apenas 23% aprovam. Já 20% não aprovam nem desaprovam.

Difícil reversão – Para Maurício Moura, é difícil que Bolsonaro se recupere: “Apesar de ter um nível de aprovação sólido e constante nos últimos meses, o presidente Jair Bolsonaro tem níveis de aprovação abaixo de seus pares que tentaram a reeleição. No terceiro ano de mandato, todos tinham um patamar de aprovação acima de 30% e menor rejeição. E, para serem reeleitos, precisaram melhorar sua performance de popularidade no ano eleitoral. No caso de Bolsonaro, essa recuperação teria de ser recorde.”

Queda entre evangélicos – A consulta Exame/Ideia destaca, ainda, que 28% dos evangélicos avaliam o governo Jair Bolsonaro como ótimo ou bom. Isso representa uma queda de 11 pontos percentuais em relação à rodada anterior, divulgada no último dia 22. Este segmento costuma ser apontado como um dos principais pilares de apoio ao presidente.

Desconforto – Com a filiação de Jair Bolsonaro ao PL, o presidente da sigla em Pernambuco e prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira, fica em uma situação bastante delicada. Isso ocorre devido à aliança com a prefeita de Caruaru e líder do PSDB no Estado, Raquel Lyra, firmada por meio do movimento “Levanta Pernambuco”, que também reúne PSC e Cidadania. Ainda visto como um apoiador do presidente da República, Anderson terá de abdicar de vez dessa ligação com Bolsonaro se quiser seguir com a tucana.

CURTAS

AUTONOMIA – O presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, afirmou em nota que Anderson terá autonomia para montar chapas no Estado: “As decisões tomadas pela direção da legenda em Pernambuco contam com pleno apoio da direção nacional do partido.”

MORADIA – O Ministério do Desenvolvimento Regional entregou 300 moradias a famílias de baixa renda em Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, na última quinta (11). Elas passam a morar no Residencial Vila Bela 1, que teve R$ 21 milhões de investimento federal.

Perguntar não ofende: Anderson Ferreira vai largar Bolsonaro de vez?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



12/11


2021

Coluna da sexta-feira

Só falta definir Anderson  

Está praticamente acertado: Priscila Krause, ex-DEM, está arrumando as malas para desembarcar no Cidadania, reforçando a chapa da tucana Raquel Lyra, candidata à sucessão do governador Paulo Câmara. Para fechar a chapa, com o nome para o Senado, falta definir o destino do prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira, principal liderança do PL no Estado até se confirmar a filiação do presidente Bolsonaro.

Apurei, ontem, em Brasília, que o presidente da República impôs algumas condições para bater o martelo com o PL: o controle absoluto de cinco diretórios estaduais, estando Pernambuco entre eles. Se isso se confirmar, Anderson perde as condições de sair na disputa para o Senado filiado ao Partido Liberal.

Bolsonaro quer entregar o controle do PL no Estado ao ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, atualmente sem filiação partidária. Machado é o nome mais citado no Planalto para disputar o Governo de Pernambuco no agrupamento partidário com forte ressonância no Planalto. Filiado ao PL, pode abrir o palanque para Bolsonaro no Estado.

Soube que Anderson teve uma longa conversa com o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, depois que se confirmou a filiação de Bolsonaro. A primeira versão dá conta que Valdemar manteve a liderança do prefeito de Jaboatão na legenda. A segunda, trata de que será expurgado o quanto antes, para deixar Gilson Machado à vontade na estruturação do diretório estadual e dos núcleos municipais.

Numa conversa com este blogueiro, ontem, em Brasília, Roberto Freire disse que as portas do Cidadania estão abertas para Priscila. “Ela só não entrará se não quiser”, afirmou, adiantando ter informações que a deputada está decidida a ingressar na legenda. Quanto ao fato de ser entregue o cargo de vice na chapa de Raquel ao Cidadania, Freire desconversa. “O que está bem adiantando é a aliança em apoio a Raquel. O resto a gente tem tempo pela frente para discutir”, destacou.

Novo comunismo – Quanto ao perfil de Priscila, marcado pela direita e o conservadorismo histórico, Roberto Freire não vê impedimento para ela se transformar numa neocomunista. “O mundo mudou, os parâmetros de direita e esquerda hoje não são mais os de 500 anos atrás”, enfatiza. Em tempo, o Cidadania é, hoje, a versão mais flexível do Partido Comunista do Brasil, liderado pelo próprio Freire, refundador do comunismo no Brasil. Além de ser de direita, Priscila passou a vida inteira num só partido, o DEM, antes Frente Liberal e depois PFL.

Sem saída aparente – Se vier a se confirmar a entrega do PL ao ministro Gilson Machado Neto em Pernambuco, o prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira, teria, a princípio, a legenda do PSC para se abrigar. No Estado, o mandachuva do Partido Social Cristão, com forte disseminação no meio evangélico, é o deputado federal André Ferreira, irmão de Anderson. Só tem um problema ou problemão: o PSC, em nível nacional, está na sombra do poder, no guarda-chuva do presidente Bolsonaro.

Nordeste sombrio – Eleitores das regiões Sudeste e Nordeste são os que mais avaliam o trabalho do presidente Jair Bolsonaro como “ruim” ou “péssimo”. O dado é da pesquisa PoderData, de 8 a 10 de novembro últimos. No Sudeste, 63% avaliam o chefe do Executivo desta forma. Na região Nordeste, 62% dizem o mesmo. Os percentuais são os maiores entre as 5 regiões brasileiras. Juntas, as duas regiões concentram 101,7 milhões de eleitores –o que corresponde a 69% do total de pessoas aptas a votar no Brasil, segundo estatísticas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) atualizadas em outubro de 2021.

Discurso chinfrim – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou, ontem, o discurso do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, Sérgio Moro, durante sua filiação ao Podemos. O ex-juiz se colocou como pré-candidato à Presidência. “Vocês gostaram do discurso lido pelo cara ontem? O cara leu. Eu assisti porque foi meu ministro, né? Li o discurso, tinham dois teleprompters lá. Não aprendeu nada, não aprendeu nada. Ficou um ano e quatro meses ali, não sabe o que é ser presidente nem ser ministro”, disse a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

Para Cristiana Lôbo – Da jornalista Eliane Cantanhêde em homenagem a Cristiana Lôbo, jornalista da Globo News que morreu ontem em São Paulo, mas com atuação em Brasília: “Era um furacão. Adorava o jornalismo, os furos de reportagem, a correria do dia a dia, mas antes de mais nada adorava a vida. Linda, exuberante, super bem casada com o Murilo, mãe atenta da Bárbara e do Gustavo, avó sempre presente, nunca deixou de ser vaidosa — "chiquérrima", como sempre se dizia em Brasília — nem de frequentar as missas aos domingos. Uma vida completa. Para nós, amigos e colegas, ela deixa a imagem de uma veterana generosa, sempre pronta a alavancar um novo talento, dar uma bronca num repórter mais atrevido, explicar uma notícia complexa. Nas entrevistas coletivas, dava uma aula de como combinar seriedade com humor, para arrancar as melhores revelações, as frases mais contundentes”.

CURTAS

FORA DO AR – O acesso aos serviços online da Prefeitura do Recife fica indisponível, a partir de hoje até a manhã da próxima terça-feira, para a instalação de um novo centro de processamento de dados. A gestão municipal informou que a suspensão temporária é por "medidas de segurança" durante a implantação dos novos equipamentos. Com isso, também fica suspenso o acesso ao aplicativo do Conecta Recife, plataforma para agendar a vacinação contra a Covid-19.

PATRIMÔNIO – Rima e improviso são as principais marcas do Repente. A manifestação artística que faz parte da identidade do Nordeste foi reconhecida, ontem, como patrimônio cultural do Brasil durante reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O pedido de registro da cantoria foi formalizado em 2013 pela Associação dos Cantadores Repentistas e Escritores Populares do DF e Entorno.

Perguntar não ofende: Qual partido vai abrigar Anderson Ferreira depois da sua expulsão voluntária com o ingresso de Bolsonaro na legenda?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Arcoverde janeiro 2022 - 2


11/11


2021

Coluna da quinta-feira

Moro desestabiliza Lula

O start do ex-juiz Sérgio Moro na corrida presidencial, com sua filiação ontem ao Podemos, atemoriza e desestabiliza emocionalmente o ex-presidente Lula. De todos os adversários, é o mais temível, a princípio não eleitoralmente, mas de imediato no enfrentamento político, num debate olho no olho. Foi Moro quem coordenou a operação Lava Jato, a maior roubalheira da história recente do País. Foi Moro, igualmente, que fez Lula ser visto no País na condição de ex-presidiário.

A partir de agora, Moro tem pela frente o desafio de desmitificar a versão plantada em setores da mídia de que seu trabalho à frente da Lava Jato teve falhas em apuração, métodos e provas. Mais do que isso, de que agiu com parcialidade, como julgou o Supremo Tribunal Federal. Moro tem argumentos consistentes para contextualizar que agiu dentro dos princípios da lei, norteado pela boa fé como juiz que julgou certo, retidão e respaldado em provas irrefutáveis.

Por que o Supremo, que se apresenta como a palmatória do mundo, não suspendeu a operação Lava Jato em nenhuma das suas fases, nem tampouco impediu a prisão dos acusados, inclusive Lula? Por que, também, só concluiu que o processo de investigação teria que ser feito em Brasília e não em Curitiba tanto tempo depois, já com Lula cumprindo mais de um ano de prisão? Ora, que ministros sem brilho e sem luzes! Deixaram tudo acontecer para só depois concluir que tudo estava errado?

Dá para inferir que são todos incompetentes, cegos, incapazes de compreender o desencadeamento de uma investigação tão relevante. Se Sérgio Moro errou e não houve roubo, então todos os que fizeram delação premiada para reduzir o tamanho da pena, mediante a devolução de parte da fatia subtraída dos cofres públicos, têm todo o direito agora de exigirem a devolução. A começar, sugiro, pelo ex-ministro Antônio Palloci, homem da extrema confiança de Lula, que negociou a bagatela de R$ 100 milhões em sua delação. De onde veio tanto dinheiro, se não do roubo?

Numa fala de estadista, Moro pregou um novo Brasil quando afirmou: “Podemos construir juntos um Brasil justo. Não é um projeto pessoal. Nunca tive ambições políticas e sempre quis só ajudar, mas se para tanto for necessário assumir a liderança, meu nome sempre estará à disposição”, e acrescentou: “Chega de corrupção, chega de mensalão, chega de petrolão, chega de rachadinha. Chega de querer levar vantagem em tudo e enganar a população”.

Fim dos privilégios – Moro mencionou ainda “projetos” que estão sendo por ele desenhados, como os que tratam do fim do foro privilegiado, da prisão em 2ª instância e das reeleições para cargos no Executivo. Também citou a necessidade de combater a desigualdade, a pobreza e defendeu a educação e as privatizações.  “É mentira dizer que acabou a corrupção quando enfraqueceram as ferramentas para combatê-la”, enfatizou.

Sem citar Lula – Num dos trechos do discurso, Sérgio Moro fez uma referência a Lula sem precisar citá-lo. "Fui juiz dos casos da operação Lava Jato em Curitiba. Foi um momento histórico: quebramos a impunidade da grande corrupção de uma forma e com números sem precedentes. Julgamos e condenamos pessoas poderosas do mundo dos negócios e da política que, pela primeira vez, pagaram por seus crimes. Mais de R$ 4 bilhões foram recuperados dos criminosos e tem uns R$ 10 bilhões previstos ainda para serem devolvidos. Isso nunca aconteceu antes no Brasil.  Eu sempre fui considerado um juiz firme e fiz justiça na forma da Lei. Na época, todos diziam que era impossível fazer isso, mas nós fizemos".

Fora de Mourão – Na contramão do presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão defende a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de suspender o orçamento secreto, esquema de pagamento de emendas. Para Mourão, o esquema montado pelo governo para conquistar apoio no Congresso é ilegal. "Acho que os princípios da administração pública, de legalidade, de impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência não estavam sendo respeitados nessa forma aí de execução orçamentária. Então, eu acho que a intervenção do STF foi oportuna”, afirmou.

Força-tarefa – Entre as medidas no campo social anunciadas por Sérgio Moro em seu discurso o destaque ficou para criação de uma força-tarefa. "Como medida prioritária, sugerimos a primeira operação especial: a criação da Força-Tarefa de Erradicação da Pobreza, convocando servidores e especialistas das estruturas já existentes. Ela será uma força-tarefa permanente e atuará como uma agência independente e sem interesses eleitoreiros, com a missão de erradicar a pobreza no país",

Wolney recua – O líder do PDT, Wolney Queiroz (PDT), foi um dos parlamentares a votar a favor da PEC dos Precatórios no primeiro turno, gerando, inclusive, rusgas dentro do seu núcleo familiar. O pai dele, deputado estadual José Queiroz (PDT), em pronunciamento na Assembleia Legislativa, disse ter ficado “contrariado” com o posicionamento do filho e acreditava em uma mudança de postura, foi o que ocorreu. Durante a votação do segundo turno, Wolney voltou atrás em sua decisão e se manifestou contra a aprovação da proposta. Em entrevista concedida à CBN Caruaru nesta quarta-feira, o parlamentar disse que o motivo da mudança de postura “foi a preservação da unidade".

CURTAS

DEVOLUÇÃO – O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União, determinou a devolução de valores gastos com diárias e passagens a procuradores da extinta Operação Lava Jato. Apontou que o modelo de funcionamento da força-tarefa ‘viabilizou uma indústria de pagamento de diárias e passagens a certos procuradores escolhidos a dedo, o que é absolutamente incompatível com as regras que disciplinam o serviço público brasileiro".

FACHADA – Uma organização suspeita de utilizar empresas de fachada para fechar contratos de alimentação para órgãos públicos foi alvo, ontem, de uma operação. De acordo com o MP, o grupo teria movimentado mais de R$ 80 milhões em dois anos. Foram apreendidos materiais como celulares, pen drives, computadores, documentos e valores em espécie, R$ 53,5 mil em uma empresa no bairro do Cabanga, na Zona Sul do Recife. Nesse mesmo local também foram encontrados dois caminhões e pacotes de alimentos.

Perguntar não ofende: Qual será o primeiro Estado a ser visitado por Moro em campanha?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

O acéfalo amigo de milícianos, não é nem carta fora do baralho, é um tolete que já está no penico há tempos. Vá de retro satanás !

Rafael C.Soares Quintas

Bolsonaro vai ser reeleito no 1.turno, quem viver verá, o Lulaladrão já é carta fora do baralho kkkkkkkkk

Joao

O blog e o blogueiro troca a casaca conforme o discurso. Umas das maiores mentiras desse picareta: não tenho ambições políticas. Deixa a magistratura para servir a um acéfalo e logo em seguida é candidato, isso não é ambição, então é o quê? O Dalagnol comprova a mentira do ex juiz!

Wellington Antunes

Perguntar não ofende: por que a estréia de Moro na política não atraiu aliados no mundo político.? Por que o blog lambe botas do Bozo tá pulando fora do barco do candidato lambe botas sanfoneiro?


Serra Talhada 2021


10/11


2021

Coluna da quarta-feira

Moro rouba a cena hoje 

Com filiação ao Podemos marcada para hoje, em Brasília, o ex-ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) considera que o fim da prisão em 2ª Instância é um “marco da impunidade” e chama de “ineficiência do sistema de Justiça” a demora no julgamento de crimes antigos. “O fim da prisão em 2ª Instância, há 2 anos, libertou corruptos”, assinalou. A ineficiência do sistema de Justiça, segundo ele, também deixa outras tragédias sem resposta, como o incêndio na Boate Kiss, há 8 anos.

Os responsáveis, até hoje, não foram julgados. No início de outubro, Moro disse ser “lamentável” o governo “abandonar” a PEC (proposta de emenda à Constituição) que possibilita o início do cumprimento de pena depois de condenação em 2ª Instância. Em setembro, Moro já havia se posicionado favorável ao retorno da prisão em 2ª Instância junto de uma reforma do Judiciário para melhorar o combate à corrupção e lavagem de dinheiro.

A decisão pela suspensão de prisão antes que todos os recursos sejam examinados foi aprovada em 7 de novembro de 2019 pelo Supremo. Moro deixou a carreira de juiz federal em 2018 para ser ministro do presidente Jair Bolsonaro, eleito com forte discurso anticorrupção. Deixou o cargo em abril de 2020, com acusações contra o chefe do Executivo.

Atualmente, Moro é um nome de provável candidato à Presidência em 2022 pelo Podemos. Sua filiação está marcada para às 9h, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, com transmissão online. “Juntos, podemos construir um Brasil justo para todos”, avaliou o senador Álvaro Dias (PR), líder do Podemos no Senado. A legenda também está criando listas de transmissões em aplicativos de mensagens para disparar informações sobre o ex-ministro da Justiça da Segurança Pública do Governo Bolsonaro.

Internamente, Sérgio Moro já é tratado como pré-candidato à Presidência da República dentro do Podemos, como opção de terceira via, que milhões de brasileiros esperam para escapar de Luiz Inácio da Silva e Bolsonaro. Dentro do Podemos há alguma resistência quanto a Moro, especialmente no Nordeste, que prefere uma aliança com o PT. Exatamente, o PT. No entanto, essa resistência não chega a preocupar a cúpula do partido. Há ainda gente do Podemos que apoia Moro, mas sem romper com Bolsonaro. É aquela gentinha que não sabe o que fazer da vida e fica jogando para seu lucro próprio.

Combate à corrupção – Os que apoiam Sergio Moro no partido garantem que o ex-juiz não será o ‘candidato da Lava Jato’, mas do Brasil. Por isso, o País precisa estar unido com gente especialmente do centro. O Podemos já divulgou nota a respeito disso tudo, dizendo que a direção geral do partido preza pela pluralidade e respeito, além de compreender as diferentes realidades locais, mas discorda totalmente de apoio ao PT ou a Bolsonaro. Isso nem pensar. O partido quer mesmo partir para um nome novo que esteja disposto a enfrentar especialmente a corrupção e o privilégio de muitos.

Expulsão voluntária – No mesmo dia em que Priscila Krause anunciou sua debandada do DEM para apoiar a candidatura de Raquel Lyra ao Governo do Estado, o presidente Bolsonaro confirmou seu ingresso no PL, o Partido Liberal. Para infelicidade do prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira, que é o mandachuva da legenda no Estado e tem compromisso em marchar junto com a prefeita de Caruaru na sucessão estadual, será obrigado a bater na porta de um novo partido, caso queira disputar o Senado na chapa da tucana.

Tripé partidário – O líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), antecipa que o PRB, PP e PL formarão o “tripé da reeleição” do presidente Jair Bolsonaro. Depois de quase dois anos sem sigla, Bolsonaro definiu que irá para o PL. “O presidente está finalizando o seu entendimento com a sua filiação partidária. O Progressista tinha declarado que estará com ele, então, o nosso partido é um partido com que ele pode contar. Nós esperamos ter PRB, PP e PL como o tripé da reeleição do presidente com outros partidos vários que virão também para a aliança”, afirmou. O ato de filiação do presidente ao PL está marcado para o próximo dia 22.

Intervenção branca – O governo de Jair Bolsonaro retirou a administração da Fortaleza de Nossa Senhora dos Remédios, prédio histórico erguido no arquipélago de Fernando de Noronha, do Governo de Pernambuco. A decisão foi comunicada pelo Ministério da Economia ao governador Paulo Câmara (PSB), conforme informou a revista Veja. A gestão do arquipélago é feita pelo governo estadual, sob concessão da União. A avaliação do Ministério da Economia, porém, é de que foram relatadas degradações na estrutura e necessidades de novos reparos. Na prática, o governo federal afirma que a gestão estadual não fez o trabalho como deveria.

Fim de um ciclo – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), disse que ainda é muito cedo para se definir em que palanque nacional em Pernambuco estará o seu filho Miguel Coelho, candidato à sucessão do governador Paulo Câmara. “Não se pode rejeitar apoios de ninguém, existe um amplo espectro para Miguel avançar. Sua candidatura está firme, já tem o apoio de mais de 30 prefeitos e até março ele estará lançando a sua plataforma de governo para tirar o PSB do poder. Pernambuco saturou de PSB, está chegando ao fim o seu ciclo de perversidade”, assinalou. 

CURTAS

REDUÇÃO – O Recife reduziu o intervalo e a idade para a aplicação da dose de reforço contra a Covid-19. Agora, além dos trabalhadores da saúde, quem tem a partir de 50 anos pode participar dessa etapa da campanha. O tempo de espera para a aplicação passa de 180 para 120 dias, após a segunda dose ou a dose única. O anúncio foi feito, ontem, pelo prefeito João Campos (PSB).

ROMPIMENTO – O vice-prefeito de Arcoverde, Israel Rubis (PP), jogou a toalha, entregou o cargo de secretário de Serviços Públicos e Meio Ambiente e rompeu com o prefeito Wellington Maciel (MDB). E saiu atirando. “Fui sendo “colocado no meu lugar de vice”, obtendo vácuo, desprestígio, afastamento por parte de V. Exª. Quero de volta a minha sala de vice para atender às pessoas, pois continuo vice-prefeito e do cargo somente quem pode me tirar é o povo”, desabafou.

Perguntar não ofende: Depois do vice-prefeito, a ex-prefeita Madalena Brito será a próxima a romper com o prefeito de Arcoverde?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jose Roberto Correia de Jesus

Candidato traíra DesMOROnando não decola


SESC - Férias de Janeiro


09/11


2021

Coluna da terça-feira

Oposição veste saia

Com a decisão antecipada da deputada Priscila Krause de largar o DEM, a pré-candidata do PSDB ao Governo do Estado, Raquel Lyra, fez um gol de placa e conseguiu o que estava nos seus planos para botar os dois pés na Região Metropolitana: uma candidata a vice de perfil urbano e, mais do que isso, do seleto agrupamento da saia. Está fechada a primeira chapa da oposição à sucessão do governador Paulo Câmara composta, portanto, de duas mulheres.

Ambas, diga-se de passagem, com envergadura e DNA político. Cabeça da chapa, Raquel Lyra é filha do ex-governador João Lyra Neto, foi deputada estadual e secretária do Governo de Pernambuco antes de romper com os poderosos do PSB. Priscila, por sua vez, é filha do ex-governador Gustavo Krause, tem histórico de lutas no campo democrático do Recife. Ex-vereadora da capital, tem cara de política urbana e uma virtude: cresceu e se fez respeitada sem nunca estar na sombra da oligarquia socialista que reina no Estado e na Prefeitura do Recife.

Com Priscila na vice, Raquel entrará mais fácil e com mais rapidez na maior concentração do eleitorado do Estado, a Região Metropolitana, onde vota quase metade dos eleitores de Pernambuco. Juntas, abrem um novo paradigma: nunca uma mulher foi candidata ao Governo do Estado, com tabu quebrado duplamente, na medida em que a vice também veste saia.

Juntas, Raquel e Priscila surgem assim como o grande, impactante e mais revolucionário fato político novo da eleição que se aproxima. Têm em comum muitas coisas, com destaque para coragem, carisma, talento e ficha limpa. Pelas redes sociais, por onde a campanha terá um escoadouro extremamente importante, parecem imbatíveis, dão show e passam credibilidade.

Priscila deve ir para o Cidadania, partido no Estado liderado pelo deputado federal Daniel Coelho, também de perfil urbano, para evitar a chamada chapa pão com pão, ou seja, PSDB com PSDB. Para completar a aliança PSDB e Cidadania, se incorpora o PL, do prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira, que deve disputar o Senado, além do PSC, partido comandado pelo deputado federal André Ferreira, irmão de Anderson. Isso aglutina, consequentemente, o voto do segmento evangélico no Estado, com mais poder de influência na RMR, área de atuação da família Ferreira.

A oposição antecipou a campanha mais cedo do que se imaginava. Não está coesa, erro cometido na eleição passada no Recife, porque o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, mesmo isolado no jogo traçado por Raquel e Anderson, sairá candidato em faixa própria pelo novo partido resultado da fusão do DEM ao PSL. Além de Miguel, o ministro de Turismo, Gilson Machado Neto, tende a ser candidato ao Palácio para abrir um palanque ao presidente Bolsonaro no Estado.

Traição – O ex-ministro Mendonça Filho, que disputou a Prefeitura do Recife na eleição passada com Priscila na vice, já havia sido comunicado pela aliada da sua decisão. Mendonça foi o principal responsável pelo ingresso de Miguel no DEM, mas não conseguiu segurar a filha de Krause em seu grupo. Ele vai negar e contestar a vida inteira, mas ficou a impressão que Priscila o apunhalou pelas costas.

Aposta da terceira via – Entusiasta da alternativa Moro ao Planalto, o presidente estadual da legenda, deputado federal Ricardo Teobaldo, prevê um crescimento repentino da candidatura do ex-juiz. “Tomei conhecimento de uma pesquisa qualitativa que sinaliza Moro candidato extremamente competitivo, com amplas chances de se consolidar como o nome que quebrará a polarização existente, hoje, entre Bolsonaro e Lula”, disse, adiantando que Moro deve cumprir uma agenda inicial de contatos pelo Brasil, com destaque para o Nordeste.

Leite se fortalece – O presidente do PSDB de Mato Grosso do Sul, Sergio de Paula, declarou, ontem, apoio ao governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias do partido, marcadas para o próximo dia 21. Em nota, disse que o apoio é resultado da postura menos combativa e mais propositiva do gaúcho na comparação com outros concorrentes. “É necessário romper com a polarização e evitar o radicalismo. Por conta desse perfil agregador, aqui nossos filiados e lideranças entendem que podemos juntos trabalhar pela pacificação do nosso País”, afirmou.

Sem a causa – Ainda não é possível dizer o que causou a queda do avião que transportava a cantora Marília Mendonça. Investigações estão sendo realizadas por integrantes do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB). Os militares foram à região de Caratinga para ouvir testemunhas e recolher partes da aeronave que auxiliem na apuração. Não existe um tempo previsto para a duração dessas primeiras medidas. O prazo depende da complexidade da ocorrência.

Votação garantida – O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não acredita que o Supremo Tribunal Federal (STF) paralise a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) dos precatórios - o texto viabiliza o pagamento do Auxílio Brasil em 2022. Aprovado em primeiro turno na semana passada, a proposta será submetida à apreciação dos parlamentares em segundo turno em sessão marcada para hoje. Lira está otimista. Aposta que o placar de votação será ainda mais favorável que os 312 votos da semana passada.

CURTAS

PROTESTO – Servidores municipais do Recife foram às ruas, ontem, protestar contra a política salarial do prefeito João Campos. Cobram reajuste salarial e o cumprimento de um acordo firmado em 2020. Os trabalhadores se reuniram no térreo do edifício-sede da Prefeitura, para se posicionar contra a proposta de reajuste de 1,2% nas remunerações.

SUSTO E ORAÇÃO – Após o susto, um grande alívio. Um vídeo divulgado, ontem, mostrou o piloto Dudu Barbatti fazendo uma oração depois do pouso forçado do helicóptero da rede Globo em um campo de futebol no Bairro Teixeira Dias, Região do Barreiro, em Belo Horizonte. Todos os três ocupantes saíram sem ferimentos.

Perguntar não ofende: O balão da candidatura de João Doria furou?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes novembro 2021


08/11


2021

Coluna da segunda-feira

Em xeque, o papel de assessor

Em meio ao clima de grande comoção que ainda reina na população brasileira pela tragédia aérea que tirou a vida de Marília Mendonça, popstar da música sertaneja carimbada de estilo "sofrência", um detalhe ainda está gerando as maiores discussões no meio jornalístico: a divulgação da primeira informação de que a cantora havia sofrido o acidente, mas que estava viva, sendo retirada da aeronave por uma equipe do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Não houve exceção, todos os veículos de comunicação deram a notícia, a começar pela Globo, e este Blog também. Afinal, a fonte era a Assessoria de Imprensa da cantora e a informação chegou como um bálsamo, um grande alívio no coração para nos tirar do estado de choque. Infelizmente, no entanto, não traduzia a realidade. Todos estavam mortos.

Na corrida pelo “furo”, nenhum um só veículo teve o cuidado de checar a informação repassada pela assessoria de Imprensa da celebridade sertaneja. A pressa é inimiga da perfeição, já ouvia meu avô aconselhar. Muitas vezes, a pressa aniquila o verso. Historiador grego, Heródoto dizia que a pressa gera erros em todas as coisas.

José Saramago escreveu que não tenhamos pressa, mas também nos aconselhou a não perdemos tempo. Depois da internet, o Jornalismo vive a era da notícia em tempo real, ou seja, passada aos leitores naquele exato momento em que o fato está acontecendo. Um dos pilares desse novo modelo são os blogs, que agora pautam a televisão e até o rádio.

O que se coloca em xeque, neste episódio triste e profundamente lamentável - também infelizmente, porque sei que existem milhares de coleguinhas que tiram o pão do dia a dia num mercado fora da mídia tradicional - é o papel do assessor de Imprensa. Até quando confiar na informação passada por uma Assessoria de Imprensa na apuração de fatos relevantes?

Fica essa desconfiança a partir de agora, tudo por causa de um tropeço da equipe da cantora. Pelo amor de Deus, quem passou a informação ao jornalista e então assessor de Marília Mendonça que a cantora estava viva? Essa falha jornalística não gerou pauta. Fica, portanto, o registro para um bom debate entre nós, jornalistas, e a sociedade: até onde confiar em assessores de Imprensa?

Zelo pela apuração  Quanto aos jornalistas do batente, absorvidos pela nova mídia digital, o jornalismo da pressa e da ansiedade pelo furo mercado, fica a lição de Clarice Lispector: “Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas, eu não consigo terminar esta maldita matéria”. Filósofo e jornalista francês, Régis Debray nos leva a refletir: “Antigamente, quando você chegava com uma novidade a um diretor de jornal, ele piscava os olhinhos, esfregava as mãos e dizia entusiasmado: ‘Ótimo, ótimo, vamos publicar já! Ninguém está falando nisso!” Mas hoje, quando se chega a um diretor de jornal com uma novidade, ele faz um muxoxo de desprezo e diz: “Isso não vai dar. Não interessa. Ninguém está falando nisso”.

Candidatíssima  Se alguém ainda tinha duvida quanto à candidatura da tucana Raquel Lyra ao Governo do Estado, que cuide de mudar de opinião: leitores do Blog no Vale do São Francisco, região que Miguel Coelho, pré-candidato do DEM, reina absoluto, relatam que a prefeita de Caruaru tem feito uma forte mídia institucional nos veículos de comunicação da região, principalmente na TV Grande Rio, afiliada da Globo. Além da propaganda, ao lado do prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PL), Raquel percorre o Estado todo com botas de sete léguas.

Pau no vice  Por falar em Caruaru, o jovem Raffiê Dellon (PSD), que disputou a Prefeitura na eleição passada em voo solo, recebendo expressiva votação, já começou a questionar a capacidade do vice-prefeito Rodrigo Pinheiro (PSDB), que Raquel manteve na chapa da reeleição. Deu uma cutucada nas redes sociais: “Rodrigo é limitado para administrar uma cidade tão complexa como Caruaru.” Além de limitado, parece que o vice não é adepto da chamada fidelidade canina.

Voto remoto - Ao menos três deputados votaram remotamente na PEC dos Precatórios na última quinta-feira, mesmo sem estar efetivamente no desempenho de missões oficiais fora do País. Para especialistas ouvidos pelo Poder360, site do jornalista Fernando Rodrigues, a participação na sessão deveria ser considerada irregular. Eles consideram que o ato editado pela Mesa Diretora da Câmara que permitiu a deputados em viagem autorizada pela Casa para missões oficiais votarem a distância determinava que a regra valeria para quem estivesse no efetivo desempenho da missão. Esse não era o caso dos deputados identificados pela reportagem.

Luciana no páreo?  O maior tititi do último fim de semana depois que a vice-governadora Luciana Santos, mesmo filiada ao PCdoB, e não PSB, apareceu pelo Interior fazendo visitas políticas: seu nome estaria cogitado para entrar numa mesa de negociação na Frente Popular como candidata à sucessão de Paulo Câmara, caso a decisão do ex-prefeito Geraldo Julio, de não entrar no páreo, seja mesmo irreversível. Resta saber se a anturragem socialista, adepta da politica de não largar o osso, engoliria uma comunista. 

CURTAS

NO BAIRRO  Quem ainda não tomou vacina contra a Covid-19 deve ficar atento. A partir de hoje e até a próxima sexta-feira, moradores de dez áreas do Recife contarão com a ação de imunização sem ter que sair da comunidade. Os atendimentos ocorrerão em todas as regiões da cidade, das 8h ao meio-dia. Durante a ação, os servidores farão busca dos moradores que têm o perfil para receber a primeira dose. Também vão procurar aqueles que estão com a segunda dose em atraso ou quem pode receber o reforço.

AÇÕES AMBIENTAIS – Na COP 26, realizada na Escócia, o governador Paulo Câmara (PSB) anunciou um pacote de ações ambientais com investimento de R$ 75 milhões em reflorestamento, na preservação de mil nascentes de rios e no tratamento de resíduos sólidos de 43 municípios. Assinou também um compromisso pela neutralidade do Carbono, com meta de zerar as emissões no Estado até 2050.

Perguntar não ofende: Ao ir ao ato de Raquel e Anderson, lançando o debate estadual, a deputada Priscila Krause sinalizou que pode apoiar a tucana ao Palácio das Princesas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão


06/11


2021

Coluna do sabadão

Juiz, justiceiro ou Judas?

Por Houldine Nascimento, da equipe do Blog

O anúncio de filiação do ex-ministro de Justiça e Segurança Pública Sergio Moro ao Podemos na próxima quarta-feira (10), em Brasília, é consequência de um roteiro previsível, traçado desde quando era o responsável por julgar os casos da operação Lava Jato. Por tudo que se desenha, a expectativa é de que o ex-juiz dispute a Presidência da República.

Entre março de 2014 e novembro de 2018, Moro ganhou notoriedade e atraiu os holofotes da mídia. Sua atuação enquanto magistrado deixou marcas profundas no país, dividindo opiniões. Conduções coercitivas e vazamentos ilegais praticamente não sofriam contestações pelo apoio quase irrestrito da sociedade à maior investigação contra a corrupção da história do Brasil.

Em 2016, as conversas telefônicas entre o ex-presidente Lula e um de seus advogados se tornaram públicas graças a uma decisão de Sergio Moro, passando por cima de uma prerrogativa que envolve defesa e cliente, pondo em xeque o próprio sistema judiciário. Com tamanha popularidade, o céu era o limite para o então juiz.

Vários agentes públicos, empreiteiros e doleiros foram parar na cadeia após suas decisões, o que satisfez o imaginário da sociedade, cansada de tantos escândalos e por isso ignorando os métodos. O ápice foi justamente a prisão de Lula, em abril de 2018. Já naquele momento, críticos da postura heterodoxa de Moro apontavam um interesse político por trás de seu desempenho.

No segundo ato, ele renunciou à toga e decidiu entrar para o time de ministros do presidente Jair Messias Bolsonaro, principal adversário petista. O “casamento” durou pouco mais de um ano: em abril de 2020, o então titular da pasta da Justiça saiu atirando ao acusar Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal. Por isso, foi chamado pelo ex-chefe de “Judas”.

De cotado a uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), Sergio Moro virou persona non grata para o bolsonarismo e se mudou para os EUA, onde trabalhou para a consultoria Alvarez & Marsal. A empresa administra judicialmente a massa falida da Odebrecht, cuida da recuperação financeira da Sete Brasil e da reestruturação da Queiroz Galvão, empresas duramente afetadas pela Lava Jato.

O caso chamou atenção do Conselho Federal da OAB, que o notificou mediante suspeitas de violação ética. Antes, a imprensa divulgou conversas entre o então juiz e procuradores da Lava Jato, a exemplo de Deltan Dallagnol, enquanto os processos corriam. Mais do que isso: Moro agiu em conluio e foi flagrado orientando a acusação, além de pressionar contra algumas delações.

Não oferecer um julgamento justo, a quem quer que seja, fere o Estado democrático de direito. Entre março e junho deste ano, o STF reconheceu a suspeição do ex-juiz sobre os processos envolvendo Lula. Agora, com o ingresso definitivo de Moro na política, a tese petista de parcialidade será utilizada mais do que nunca.

Diante disso, fica a pergunta: quem é Sergio Moro? O eleitor saberá definir.

Mosca azul? – O ex-coordenador da força-tarefa da Lava Jato Deltan Dallagnol gravou um vídeo para divulgar sua saída do Ministério Público Federal (MPF). “Eu tenho muito orgulho do Ministério Público e do trabalho que ele faz pela sociedade brasileira em diferentes áreas. Contudo, os nossos instrumentos de trabalho para alcançar a justiça vêm sendo enfraquecidos, destruídos", disse. No anúncio, deixou nas entrelinhas o ingresso na política: “Tenho várias ideias sobre como posso contribuir e eu serei capaz de avaliar, refletir e orar melhor sobre essas ideias."

Perda – A morte da cantora Marília Mendonça, de 26 anos, devido à queda de um avião de pequeno porte, ontem, em Piedade de Caratinga, interior de Minas Gerais, repercutiu no meio político. O presidente Jair Bolsonaro publicou uma mensagem nas redes sociais lamentando a perda: “O país inteiro recebe em choque a notícia do passamento da jovem cantora sertaneja Marília Mendonça, uma das maiores artistas de sua geração, que com sua voz única, seu carisma e sua música conquistou o carinho e a admiração de todos nós. O sentimento é de que perdemos alguém muito próximo”, escreveu.

Luto – Diversos agentes públicos prestaram condolências à família da artista em publicações na internet. Um deles foi o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que decretou luto oficial de três dias. De acordo com o gestor, o velório ocorre logo mais, às 8h, no ginásio Goiânia Arena. “Goianos vão poder prestar linda homenagem. Peço calma e respeito à sinalização para que todos possam dar o seu adeus. Previsão inicial de até 100 mil pessoas passando pelo local”, declarou. Marília nasceu em Cristianópolis, a 90 km de Goiânia. Além dela, quatro pessoas morreram no desastre aéreo.

Emendas suspensas – A ministra do STF Rosa Weber determinou a suspensão das RP9, as chamadas emendas de relator, no orçamento de 2021. Alvo de críticas pela falta de transparência, as emendas têm sido utilizadas pelo Governo Federal como moeda de troca para apoio de congressistas. Segundo o jornal Estadão, a gestão Bolsonaro liberou R$ 1,2 bilhão para deputados aliados na véspera da votação da PEC dos Precatórios na Câmara. Os recursos das RP9 também são conhecidos como “orçamento secreto” ou “orçamento paralelo”.

Cidadão belo-jardinense – O jornalista Magno Martins, titular desta coluna, recebeu da Câmara de Vereadores de Belo Jardim, no Agreste Central, o título de cidadão honorífico. O prefeito Gilvandro Estrela (DEM) esteve na cerimônia realizada na noite de ontem. A proposição foi do legislador Claudemir de Xucuru (Republicanos). “Meu compromisso com Belo Jardim é continuar fazendo do meu jornalismo uma tribuna em defesa do seu povo, de combate às injustiças. Esse meu título é um reconhecimento à minha trajetória no Jornalismo, uma caminhada já de 40 anos, inspirada e alimentada no bom combate. Dou vez e voz ao Interior”, discursou Magno.

CURTAS

PRESTÍGIO – A deputada estadual Priscila Krause (DEM) prestigiou o almoço concedido, ontem, pelo colega Álvaro Porto (PTB) em Canhotinho (PE). Os prefeitos de Jaboatão, Anderson Ferreira (PL), e de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), também participaram do encontro.

"INADMISSÍVEL" – Líder da oposição no Recife, o vereador Renato Antunes (PSC) chamou de "inadmissível" a abertura de licitação de R$ 461 mil para novas obras no Geraldão. Foram gastos R$ 45,4 milhões para a reinauguração do ginásio em setembro de 2020 ainda na gestão Geraldo Julio, aliado do prefeito João Campos (PSB).

Perguntar não ofende: Sergio Moro entra para valer na disputa à Presidência?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



05/11


2021

Coluna da sexta-feira

PEC sem mudanças   

Vitória apertada do Governo, a PEC dos Precatórios, aprovada na madrugada de ontem por 312 votos a 114, deve ir à votação em segundo turno pela Câmara na próxima semana, para ser remetida ao Senado. Personagem importante na articulação do processo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não acredita em eventual mudança de resultado na votação em 2º turno.

O texto deverá ser votado novamente na próxima terça-feira. A aprovação do texto foi possível porque houve adesão de partidos da oposição, especialmente o PDT. O partido deu 15 votos pela aprovação da proposta. Já o PSB contribuiu com 10 votos. Diante do resultado, houve repercussão negativa para os partidos. O PSB discute, inclusive, fechar questão contra a proposta na votação em 2º turno, o que significa que quem votar a favor pode ser punido.

“Não acredito em mudanças partidárias bruscas porque todos os assuntos da PEC são claros, evidentes. […] Não acredito em baixas”, disse Lira. De acordo com ele, houve cerca de 60 deputados ausentes na sessão, o que não deve se repetir na semana que vem. “O quórum vai ser maior”, disse. O apoio do PDT foi construído horas antes da votação da PEC.

Ficou pactuado que os precatórios do antigo Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério), devido pelo governo federal a Estados, seriam pagos em três parcelas. Lira também prometeu colocar em votação outros projetos voltados à educação, como o que destina 60% dos pagamentos das dívidas judiciais para professores.

Ciro Gomes, no entanto, suspendeu sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto pelo PDT em protesto à adesão de seus correligionários. Questionado sobre a decisão, Lira não a comentou diretamente, mas disse que os deputados são acusados de produzir uma PEC eleitoral, “mas eleitoral são algumas posições descabidas”.

“Tudo o que o PDT pediu foi em defesa da educação. Respeitamos todos os posicionamentos políticos que possam vir, mas acho que o PDT tem tranquilidade e terá a temperança de deixar a poeira baixar nesse final de semana”, disse.

Reação com ironias – Lira ironizou ainda a posição do MDB, que votou em peso contra a proposta. “O MDB por certo deve estar com algum problema. Votou contra a proposta do Imposto de Renda, contra o projeto ICMS, a privatização da Eletrobras, dos Correios e, agora, contra a PEC”, disse. Questionado por jornalistas sobre as reações também negativas do mercado financeiro, o presidente da Câmara afirmou que as críticas são feitas muitas vezes por administradores de fundos de investimento que têm precatórios a receber e querem o dinheiro imediatamente.

Ação no Supremo – O PDT entrou com uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar anular a votação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios na Câmara dos Deputados. A Casa aprovou em 1º turno o texto durante a madrugada da última quinta-feira. O partido impetrou mandado de segurança e pede uma liminar de urgência para suspender o trâmite da matéria e anular a votação que deu a vitória ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O motivo é a inclusão de ao menos 20 deputados –que estão em viagem oficial para participar da COP26– entre os votantes. “Alterou-se o comando que instituía a volta do sistema de votação presencial, que exige a biometria dos parlamentares, para satisfazer interesses pessoais na formatação de quórum necessário a? aprovação da PEC 23/2021”, diz a ação.

Rebelião no PDT – A cúpula do PDT consentiu com o voto favorável de deputados do partido à PEC (proposta de emenda à Constituição) dos Precatórios. O partido deu 15 votos favoráveis à proposta. Outra sigla da esquerda, o PSB, também teve setores apoiando o projeto, mas em proporção menor –10 votos. O texto foi aprovado com 312 apoios, só quatro a mais que os 308 necessários. A aprovação causou revolta das siglas de esquerda contra o PDT, e inclusive entre deputados do próprio partido.

Boa notícia – Em operação no Brasil há pouco mais de cinco meses, a Itapemirim Transporte Aéreos segue seu planejamento de expansão nos aeroportos do País. Atualmente operando para 13 destinos e tendo o aeroporto de Guarulhos (SP) como principal hub, a companhia se prepara agora para entrar no aeroporto mais concorrido do país: o de Congonhas (SP). A data para o primeiro voo está marcada para o dia 16 de novembro. Pernambuco também entrará na rota em breve.

Jogou a toalha – A decisão de Ciro Gomes de suspender a candidatura à Presidência depois que a maioria da bancada do PDT votou a favor da PEC dos precatórios foi interpretada no meio político como uma estratégia para fugir do desgaste ou até mesmo jogar a toalha. O fato, porém, é que o ultimato estabelecido por Ciro provocou uma crise nas fileiras do partido, que já fala em “autoflagelo”, e pode obrigar integrantes da bancada do PDT a mudar de rumo no segundo turno de votação da proposta, marcada para a próxima terça-feira. Se a guinada não ocorrer, no entanto, Ciro ameaça mesmo desistir da disputa.

CURTAS

COM LULA – Nos bastidores do Congresso, em Brasília, segundo o blog apurou, há uma ala do PDT querendo se aliar à campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e avalia que a candidatura de Ciro está espremida entre o petista, o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que vai se filiar ao Podemos no próximo dia 10.

ABERRAÇÃO – Ciro vinha dizendo há tempos que a PEC era uma “aberração” porque, para prorrogar o auxílio emergencial ou mesmo pôr de pé o novo Auxílio Brasil – nome inventado por Bolsonaro para ter uma marca social na campanha de 2022 –, não seria necessário quebrar o teto de gastos públicos. Até então, a oposição parecia concordar com isso.

Perguntar não ofende: O PSB vai punir, como se deu na votação da reforma da Previdência, os 10 deputados que votaram a favor da PEC dos Precatórios?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



04/11


2021

Coluna da quinta-feira

Turismo pago por nós

O assunto mais comentado nas redes sociais tem sido, de longe, a ida do casal João Campos e Tabata Amaral para a Conferência das Nações sobre Efeitos Climáticos, aberta ontem na Escócia. Tudo porque desde 2013 – e isso o PSB está caduco de saber e nada faz – Recife aparece na liderança mundial como a capital brasileira mais ameaçada pelo avanço do mar.

No mundo, segundo a ONU, Recife é a 16ª cidade mais ameaçada pelas mudanças climáticas. Diversos aspectos fazem com que o Recife seja a cidade mais afetada pelo avanço marítimo, como a geografia, a densidade demográfica e até mesmo a desigualdade social, segundo especialistas. Isso não significa dizer que a cidade vai ser “engolida” pelo oceano, mas que tem muitos desafios a enfrentar.

Em 2019, ao final da sua gestão, Geraldo Júlio publicou um decreto reconhecendo a emergência climática e anunciou a inclusão do tema no currículo das escolas. De acordo com o professor Marcus Silva, do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco, durante o século 20, estima-se que o nível do mar no Recife tenha se elevado entre 30 a 40 centímetros.

Depois do Recife, só a cidade do Rio é apontada no relatório. No caso da capital pernambucana, o que preocupa é a questão do nível da cidade em relação ao mar, já que é a mais baixa do Brasil. Além disso, a cidade tem uma zona urbana muito próxima da planície estuarina. Os especialistas apontam que a velocidade com o que o mar avança tem aumentado exponencialmente, cada vez mais rapidamente.

Quando trata do assunto, o PSB, desde a gestão Geraldo, tem dito que a questão está sendo enfrentada, mas, estranhamente, o sucessor João Campos ignora o assunto, embora tenha pegado carona no relatório da ONU para ir à conferência da Escócia. Foi, aliás, com sua Tabata, a noiva, sob o patrocínio do PSB, que admitiu ter custeado as despesas do casal, de mais três deputados federais e dois governadores.

Do ponto de vista legal, nada há de errado em o PSB bancar, mas do ponto de vista ético e moral, sim. O dinheiro das despesas sai do Fundo Partidário, dinheiro público, portanto. Grana que sai do meu, do seu, do nosso bolso no pagamento de tributos. Além do mais, como se trata de um partido doméstico, comandado em nível nacional pelo núcleo pernambucano, não deixa de se traduzir num grande privilégio.

Para completar, o governador Paulo Câmara, também bancado pelo PSB, se incorporou ontem à delegação socialista na Escócia. Não se sabe o que fará lá, além de turismo, porque em sete anos no poder nada fez em favor do meio ambiente, não teve a mínima preocupação como avanço do mar ameaçando engolir Recife.

O pagamento do ex – Segundo reportagem publicada pela revista Veja, em julho de 2019, a deputada Tabata Amaral, quando namorava com o colombiano Daniel Alejandro Martínez, chegou a pagar R$ 23 mil ao ex, como prestação de serviço à sua campanha. O dinheiro, entretanto, não saiu do seu bolso, mas do Fundo Partidário, o mesmo fundo que está financiando seu passeio ao santuário escocês. O então namorado prestou serviços à sua campanha como analista de estratégias de campanha eleitoral. Detalhe: Tabata era aquela mesma que foi eleita dizendo que renovação na política não passa por trocar o nome das coisas nem o rostinho no poder, mas por uma mudança de práticas. Que práticas, cara pálida?

Só passa tempo – Martínez, o ex, é formado em estudos sociais por Harvard e bolsista da Michael C. Rockefeller Memorial Fellowship, um centro de pós-graduação mantido dentro da universidade por doadores ligados à família Rockefeller. Segundo o perfil de Martínez, ele estava no Brasil para “passar tempo” com comunidades desfavorecidas e diversificadas étnico-racialmente.  “Imagino minha jornada como uma combinação de experiências de convivência com povos indígenas, afro-brasileiros e comunidades camponesas; navegando na Amazônia; ficando com famílias locais; e me voluntariando para trabalhar com organizações locais”, estava escrito em seu perfil.

Fazer maldade – A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) já foi uma feroz crítica do Fundo Eleitoral como instrumento para bancar campanhas de políticos. Quando o Congresso Nacional aprovou o projeto que permite o aumento do fundo eleitoral ela assim se posicionou ao site Congresso em Foco: “No PL dos partidos, a gente se uniu também, foi uma aberração o que a gente votou, a gente não quer aumentar o fundo eleitoral, essas pautas não são de esquerda ou direita na Câmara, essas pautas unem oposição e governo para fazer maldade”.

Maldade humana – Uma onça-parda — Puma concolor — foi morta por caçadores na cidade de Tarrafas, na região Centro-Sul do Ceará. O crime ambiental, ocorrido em uma localidade chamada Serra Verde, foi filmado pelos infratores. Após a morte, fotos do animal foram exibidas nas redes sociais pelos moradores do sítio Ipueiras. O Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA) de Juazeiro do Norte foi acionado para encontrar os autores do crime, mas até ontem não conseguiu prender nenhum deles.

Batalha solitária – Inimigo da Celpe, que pratica as maiores taxas de aumentos de energia no País, o deputado Eduardo da Fonte disse, ontem, no Frente a Frente, que continuará firme na defesa dos consumidores, até que se possa praticar no Estado cobranças pelo consumo de energia que não sejam tão exorbitantes. Na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara, ele tem sido o calo da Celpe. “Nunca deixarei de ser vigilante na defesa dos que hoje não têm a menor condição de pagar os preços cobrados pela Celpe”, destacou. Engraçado e estranho é que a bancada federal não dá um pio. Da Fonte é solitário nessa luta.

CURTAS

ESTRADAS – O feriadão de Finados teve menos acidentes, mortes e feridos nas estradas federais que cortam Pernambuco. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a redução do número de casos que resultaram em óbitos, durante o período, chegou a 77%. Os dados da Operação Finados foram registrados de sexta-feira a terça-feira passada. Nesse período, houve 43 acidentes, 55 feridos e três mortes. No feriadão de 2020, ocorreram 41 acidentes, com 45 feridos e 13 mortos.

A HORA DO CAFÉ – Começa, amanhã, mais uma edição do Recife Coffee. Com participação de 25 cafeterias autorais nas cidades do Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes e Petrolina, o festival acontece durante um mês. Para participar do evento, os estabelecimentos participantes devem oferecer no cardápio um menu chamado de "sugestão do barista", composto por café, salgado e sobremesa, ao preço fixo de R$ 32,90.

Perguntar não ofende: Quanto deve ter custado ao PSB patrocinar dois governadores, quatro deputados federais e um prefeito na conferência do clima na Escócia?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Como perguntar não ofende : quem pagou a ida de uma comitiva de lambe-botas a Dubai e aquela viagem a Israel em busca do spray mágico contra covid, o blogueiro já analisou ?




03/11


2021

Coluna da quarta-feira

Terceira via tem adeptos 

A sucessão de Bolsonaro em 22 pode não ser decidida num eventual segundo turno entre Lula e o atual mandatário da República. Há 30% dos eleitores brasileiros incluídos no cenário "nem um nem outro". Ao mesmo tempo que aparecem na dianteira, faltando menos de um ano para o pleito, Lula e Bolsonaro igualmente detém as maiores taxas de rejeição, respectivamente 46% e 54%, segundo levantamento publicado ontem no Estadão.

Em português claro, está aberta a janela para consolidação da terceira via presidencial. Dentro deste universo, o nome mais conhecido é o do pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. Passaram a surgir, entretanto, outras alternativas. A mais recente é a do ex-juiz Sergio Moro, que deve se filiar ao Podemos, influenciado principalmente pelo líder do partido no Senado, Álvaro Dias (PR), que disputou sem êxito a eleição de 2018. Também, já filiado ao PSD, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. O MDB sinaliza para a senadora Simone Tebet, a única melhor até agora ventilada para o jogo bruto pela conquista do poder central.

Política não é uma ciência exata, muito menos eleição. Sujeita-se a vários ingredientes, que mudam ao longo de uma campanha. O start de uma corrida presidencial sofre alterações profundas. Historicamente, o fator economia tem dado o norte das urnas. Lula e FHC são provas disso. O primeiro, atingido pelo escândalo do Mensalão, só se reelegeu porque os fatores externos do cenário econômico favoreciam, enquanto FHC surfou na onda do Plano Real. Já Bolsonaro foi consequência do antipetismo, a chaga da corrupção na testa dos governos Lula e Dilma. Também pesou fortemente a facada que levou em Juiz de Fora. O eleitor sem discernimento político adora uma vítima política.

Se o sentimento nem Bolsonaro nem Lula contaminar os diversos segmentos eleitorais, adeus Bolsonaro, adeus volta de Lula. Elegendo o candidato da terceira via, o País não correrá o risco do mesmismo bolsonarista nem arriscará um mergulho no retrocesso, optando pela volta da maior ladroagem já vista neste País. O PT, com Lula mensalão e Dilma Lava Jato, fez uma ferida incicratizável na mente e no coração dos brasileiros.

A partida - Alternativa de terceira via, Sergio Moro já larga com 8% das intenções de voto, mesmo percentual de Ciro Gomes (PDT), na estrada tem tempo. Segundo uma pesquisa qualitativa encomendada pelo Podemos, a população ainda acredita fortemente em Moro e o aponta como justiceiro. Entre as virtudes, o fato de ter colocado Lula no xilindró para ver o sol nascer quadrado por mais de um ano. Líderes do Podemos andam muito otimistas com o potencial de crescimento de Moro. 

Aposta na mulher - Ao despontar na pesquisa do Opinião em primeiro lugar na disputa pelo Governo do Estado, a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), tem amplas chances de crescer ainda mais e se consolidar na oposição por vários fatores, entre eles o de ser mulher. "O eleitor pernambucano está desejando fazer uma grande aposta na mulher, isso está presente em todas as pesquisas", diz o ex-senador Armando Monteiro. Ele tem acompanhado a tucana em incursões pelo Interior e revela muita confiança. "Raquel caiu na graça do eleitorado", assinala.

Usina nuclear - O presidente estadual do PTB, Coronel Meira, não faz um voo solitário para o Estado atrair uma usina nuclear.  Na Assembleia Legislativa, o deputado Alberto Feitosa (PSC) está entrando com uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para alterar o trecho da Carta Magna estadual que proíbe a instalação de usinas similares em qualquer parte do território estadual. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal liberou a usina nuclear prevista para Itacuruba, no Sertão de Itaparica, mas o governador Paulo Câmara torce o nariz para a corte.

Troca-troca - O apresentador de TV José Luiz Datena avisou ao presidente nacional do PSD, o ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, que está de saída do PSL e aceitou o convite para entrar no PSD. Datena deverá ser o candidato a senador por São Paulo pelo partido em 2022. Na mesma chapa, o candidato a governador deverá ser Geraldo Alckmin. O ex-governador paulista (2001-2006 e 2011-18) tem dado sinais de que vai deixar o PSDB. Com a chegada do apresentador da Band, o PSD consegue mais um puxador de voto para as eleições de 2022. O partido deve lançar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para a Presidência da República.

A vice dos sonhos - Pré-candidato a governador da União Brasil, resultado da fusão do DEM com o PSL, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, vindo do Interior, deve escolher para vice na sua chapa um nome com forte inserção na Região Metropolitana do Recife. Embora também seja do antigo DEM, a deputada estadual Priscila Krause seria o nome da sua preferência. Priscila, entretanto, tem mais afinidade e relação com a pré-candidata do PSDB, Raquel Lyra, por quem foi apoiada para estadual na eleição de 2018. Líder do novo partido em Pernambuco, o ex-ministro Mendonça Filho não quer nem ouvir falar na possibilidade de Priscila se aliar a Raquel.

CURTAS

AZEDA - João Príncipe largou a Prefeitura e foi passear na Escócia, entregando o cargo para a vice Isabella de Roldão, a política mais arestada que se tem notícia com passagem pela Câmara de Vereadores do Recife. Enquanto parlamentar, arrebatou o troféu Limão. Precisa dizer mais alguma coisa?

VOLTA ÀS AULAS - Estudantes da Universidade Federal de Pernambuco e da Universidade Federal Rural de Pernambuco estão preocupados com o aprendizado durante o ensino remoto, adotado devido à pandemia da Covid-19. Com o avanço na vacinação, eles cobram que as aulas presenciais voltem a ser realizadas. Foram suspensas pelas universidades de Pernambuco no dia 15 de março de 2020, dois dias depois da confirmação dos dois primeiros casos de Covid no Recife. 

Perguntar não ofende: Por que torrar R$ 93 milhões para triplicar apenas 7 km da BR-232 enquanto a estrada está um caos até Caruaru?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

É impressionante o caráter partidário e parcial do blog e do blogueiro!




02/11


2021

Coluna da terça-feira

Um blog antenado com o leitor      

Fechado outubro ontem, este Blog alcançou 1,2 milhão de visualizações no mês, recorde no Nordeste, segundo dados oficiais do Google Analytics, que mede o alcance de sites, portais e blogs na internet no mundo inteiro. Ao longo dos últimos 15 anos, o Blog manteve liderança absoluta em se tratando de concorrentes com o mesmo perfil na região, com amplo destaque também no plano nacional.

De acordo com especialistas da área, o Blog se renova a cada ano, nivelado entre os mais acessados da sua área no País. O que o faz ser mais acessado passa pelas notícias em primeira mão, os chamados grandes furos nacionais e regionais, a altíssima credibilidade, independência e postura crítica frente aos governos do PSB, massacrante para os que mais precisam do cobertor público, decepcionante em políticas inclusivas para o Interior.

Neste sentido, o Blog segue com a filosofia de que a notícia está nas ruas, no campo, nas áreas esquecidas pela mídia tradicional. Ao contrário da prática do viciado e cômodo Jornalismo do copia e cola, na condição de comandante-mor do Blog, estou em cima dos fatos mais importantes do dia a dia, seja em Brasília, rotina de atuação no plano nacional, seja com o pé na estrada, em busca de notícias pelo Interior.

Foi este Blog que noticiou, em primeira mão, por exemplo, a decisão do ex-juiz Sergio Moro em ingressar no Podemos, que entrevistou com exclusividade, em duas oportunidades, o presidente Bolsonaro. No plano regional, descobriu e deu amplo destaque a dona Rita, a mulher mais velha do País, com 116 anos, localizada em Brejo da Madre de Deus. Acabou gerando pauta para telejornais nacionais.

Diferente da mídia tradicional, dou amplo destaque ao Interior, porque entendo que são as populações distantes dos grandes centros as que mais precisam da imprensa, que não têm voz e por isso mesmo são esquecidas pelos poderes públicos. E quanto mais esquecidas, mais penam com estradas esburacadas, secas inclementes, falta de fiscalização dos órgãos de controle, o que escancara a porta para o caminho da corrupção.

Meu Jornalismo é o de Gabriel García Márquez, uma paixão insaciável. Sinto o orgasmo do furo, a palpitação sobrenatural da notícia. Jornalismo de verdade, como o praticado por este Blog, defende aqueles que não possuem voz. Segue a regra básica de não os calar ainda mais. Sem Jornalismo, enfim, não há revolução.

Ceará mais aberto - O Governo do Ceará avançou muito mais do que o de Pernambuco na liberação de eventos. Entre 16 e 31 de dezembro, 2,5 mil pessoas em ambientes fechados e até cinco mil em lugares abertos, em eventos com oito horas de duração e até 14 pessoas por mesa. Outra mudança importante prevista no novo decreto do governador Camilo Santana (PT) foi ampliar para 80% a capacidade de público nos estádios de futebol em ambiente abertos. Até então, a capacidade máxima era de 50%. Já em lugares fechados, a capacidade total do equipamento não poderá ultrapassar os 50%.

Filiação de Moro – O ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro assinará sua filiação ao Podemos em 10 de novembro, conforme este Blog antecipou em primeira mão há mais de 15 dias. Em suas plataformas, o partido divulgou o convite para o evento, marcado para as 9h no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. O evento na capital federal é o pontapé inicial para uma possível pré-candidatura de Moro à Presidência da República em 2022. A última pesquisa PoderData recolocou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública no páreo e ele já pontuou bem: tem 8% das intenções de voto, atrás apenas do ex-presidente Lula (PT) e do atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Sem bloqueios – A paralisação dos caminhoneiros autônomos e celetistas, iniciada, ontem, se deu de forma pontual, com grupos promovendo manifestações às margens das rodovias e em postos de combustíveis. Bloqueios em estradas e restrições de circulação de veículos de cargas que eram prometidos pela categoria a fim de repetir a greve histórica de maio de 2018 não se concretizaram. A interrupção das atividades ficou concentrada na categoria dos autônomos, sem adesão dos celetistas e empresas transportadoras. As lideranças que estão à frente do movimento disseram que a participação dos transportadores autônomos foi alta.

Futuro partidário – O presidente Jair Bolsonaro disse, ontem, que negocia com três partidos políticos sua filiação. É a primeira vez nas recentes declarações que o chefe do Executivo inclui o Republicanos como possibilidade. Antes, falava apenas no PP, de Ciro Nogueira, e no PL, de Valdemar Costa Neto. “Olha, tem três partidos que me querem. Eu fico muito feliz, são três namoradas, duas vão ficar chateadas. É o PRB [antigo nome do Republicanos], o PL e o PP. Cada dia um está na frente na bolsa de apostas”, disse a jornalistas em Anguillara Veneta, município da Itália.

Polêmica no Ceará – A vereadora Priscila Costa, da bancada do PSC na Câmara de Fortaleza, indicou o jogador de vôlei Maurício Souza para receber uma homenagem da Câmara, após declarações homofóbicas do atleta nas redes sociais. O requerimento é para que o mineiro receba a Medalha de Mérito Desportivo Ayrton Senna. Maurício Souza foi demitido do Minas Tênis Clube após criticar o anúncio da editora DC Comics de que, em futuras histórias em quadrinhos, o personagem do Super-Homem irá se revelar bissexual. Além da demissão, as publicações também geraram críticas de colegas de seleção brasileira, como o jogador Douglas Souza e o técnico Renan Dal Zotto - que afirmou que Maurício não deve mais ser convocado.

CURTAS

PROTESTO – Um protesto bloqueou, na manhã de ontem, os dois sentidos da BR-101, em Jaboatão dos Guararapes. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a manifestação foi realizada por vizinhos de uma mulher que teve o filho levado pelo pai após uma determinação judicial. O nome da mulher e da criança não foram divulgados. A Polícia disse que o pai da criança teria levado o filho, há cerca de uma semana, para o município de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro.

A MAIS CARA – O preço da gasolina voltou a subir em Fernando de Noronha. Considerado um dos mais caros do Brasil, o litro do combustível passou de R$ 9,39 para R$ 9,66. O novo valor está sendo cobrado desde domingo passado. O aumento mais recente de combustíveis foi anunciado, ontem, pela Petrobras.

Perguntar não ofende: Presidente estadual do PTB, Coronel Meira segue Roberto Jefferson e rompe com Bolsonaro?  


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Tudo farinha do mesmo saco. Falta ainda os Tércio\'s, os Ferreira\'s, os Feitosa\'s e os Machado\'s...




01/11


2021

Coluna da segunda-feira

Pesquisas estão manipuladas?      

Na semana passada, uma pesquisa apontou uma queda de dez pontos na distância que separava até então Bolsonaro de Lula na corrida ao Planalto em 2022. Colunista polêmico e atento aos fatos, Claudio Humberto levantou uma lebre: uma possível cartelização dos institutos em consórcio para “bombar” Lula. Alguns chegaram a apontar até quase 20 pontos de vantagem, mas a diferença cai dez pontos sem nenhum fato aparente que possa ter repercussão? Estranho, muito estranho.

Para o colunista, pode estar ocorrendo um forte temor de passarem mais adiante. É que a partir de 1º de janeiro do ano da eleição, as pesquisas devem constar do Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesqEle). Nesse registro, o instituto é obrigado a entregar cadernos de pesquisa e toda a documentação que comprova os seus percentuais. “A 63 dias do fim do ano, os institutos começaram a 'encurtar' a distância entre Lula e Bolsonaro já em outubro, para evitar acusação de 'erro'”, destaca Humberto.

A obrigatoriedade de registro das pesquisas está definida na Resolução 23.600, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que tem força de lei. Na prática, muda tudo e quem manipular pesquisas está correndo o risco de sofrer duras penalidades, chegando a multas astronômicas e até o fechamento do instituto. O cerco aos malfeitores e manipuladores está chegando tarde, mas antes tarde do que nunca. Nas eleições presidenciais de 2018, vários institutos famosos, como DataFolha e Ibope, cometeram erros grosseiros.

Temendo repercussão negativa, chegaram a evitar pesquisas de boca de urna no dia da eleição em algumas capitais, entre elas Recife, que viveu uma disputa de segundo turno bastante acirrada. Existe na sociedade algo conhecido como “comportamento de manada”, que é quando as pessoas veem outras atuando sob determinado comportamento e querem repetir aquele feito. Quando percebem que os resultados das eleições estão de acordo com as pesquisas eleitorais, com um candidato já aparecendo como vencedor por sua crescente, a tendência é a definir pelo voto de quem está na frente.

Nesse caso, os resultados das eleições são determinados pelos indecisos, já que eles estão mais propícios a ter um comportamento condizente com o da maioria. Se um candidato X aparece em primeiro lugar nas pesquisas com uma margem substancial de diferença para o segundo colocado, os indecisos que não definiram seu voto por não entender ou conhecer a plataforma política de ambos tendem a achar que o candidato X é melhor, pois tem mais pessoas votando nele.

Exemplo clássico - Recentemente, os resultados das eleições no Brasil e no mundo foram bem diferentes do que os institutos de pesquisa diziam que o pleito seria. Um exemplo clássico e bem recente foi a disputa, nos Estados Unidos, entre Hillary Clinton e Donald Trump: a maioria absoluta das pesquisas eleitorais conduzidas por institutos especializados ou veículos da imprensa mostravam a democrata com uma boa margem de preferência frente ao republicano. Contudo, quando os eleitores foram a voto, o resultado foi exatamente o oposto.

O Judas de Paulista – Em Paulista, o prefeito Yves Ribeiro (MDB), versão mais apropriada para rainha da Inglaterra, por ter dado superpoderes ao secretário Jorge Carreiro, resolveu fazer maldades agora com os servidores públicos. Quer taxar mensalmente os aposentados e pensionistas em 14% no valor que ultrapasse o salário mínimo. Mobilizada, através do Sindicato dos Servidores Municipais de Paulista, a categoria prejudicada vai às ruas mostrar que Yves é um tremendo Judas.

Sexta via – O fim da CPI da Covid mudou a agenda política de fase e disparou as articulações para as eleições que vão se realizar em 11 meses. Dois movimentos importantes foram feitos nos últimos dias: a filiação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ao PSD de Gilberto Kassab, e a confirmação do ingresso do ex-ministro Sergio Moro no Podemos, aparentemente para encabeçar uma chapa presidencial. A rigor, entram agora na cartela eleitoral a quinta e a sexta vias, ao lado de Ciro Gomes (PDT) e do candidato tucano que vencer as prévias entre João Doria e Eduardo Leite. A possibilidade de uma sétima via surge também com a movimentação dos últimos dias do presidente do MDB, Baleia Rossi, para lançar a candidatura da senadora Simone Tebet, na esteira da repercussão da CPI da Covid.

Ciro reage – A entrada de Moro no páreo pode ou não se concretizar, já que até agora apenas sua filiação partidária está confirmada. Muitos, nos meios políticos, acreditam que o ex-juiz, sem traquejo de campanha e alvo geral do establishment partidário que foi presa da Lava-Jato, poderá encolher suas ambições para uma cadeira no Senado pelo Paraná ou por São Paulo. Mas o simples anúncio da hipotética candidatura presidencial já mexeu com seu rival mais próximo na chamada terceira via, o ex-ministro Ciro Gomes. As primeiras pesquisas nesse quadro trazem os dois num quase empate em torno de 9% ou 10%, mas com Moro na frente, e, não por acaso, o candidato do PDT já começou a bater no ex-ministro.

Lula na Europa – Na segunda semana de novembro, o ex-presidente Lula segue para um périplo europeu destinado a contrastar fortemente com a ida de Jair Bolsonaro para a reunião do G20 em Roma, no último fim de semana. Além de o presidente ter sido hostilizado por manifestantes em diversos compromissos e ter uma agenda rarefeita de personalidades e líderes políticos europeus, a perda de prestígio internacional do Brasil ficou simbolizada na participação obscura na cúpula das maiores economias do planeta.

CURTAS

ARRASTÃO – Uma confusão foi registrada na Rua da Moeda, no Bairro do Recife, na noite de sábado passado. De acordo com testemunhas, houve um arrastão no local. Imagens enviadas ao WhatsApp da Globo registraram uma briga entre um grupo de jovens, que destruíram objetos de bares localizados na via. Cadeiras "voaram" e pessoas saíram correndo por causa do tumulto. Nos vídeos, é possível ver jovens jogando cadeiras uns nos outros e dois deles agarrados no chão, um imobilizando o outro.

UFPE CONDENADA – A Justiça Federal em Pernambuco condenou a Universidade Federal de Pernambuco a indenizar em R$ 5 mil uma estudante por ter publicado o nome dela em uma lista de aprovados no vestibular sem que a jovem tivesse efetivamente sido classificada. O resultado do processo seletivo foi divulgado em maio deste ano. O vestibular foi realizado por meio do Sistema de Seleção Unificada, que utiliza as notas do Enem para classificar os candidatos. De acordo com o processo, a estudante alegou ter sido incluída numa lista de aprovados divulgada pela UFPE.

Perguntar não ofende: Qual bomba explodiu para Bolsonaro reduzir em dez pontos a diferença que o separava de Lula nas pesquisas? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Alberto Costa Santos

O cara fala que a pesquisa é fraudada, e depois pergunta que bomba explodiu pra reduzir dez pontos.


Coluna do Blog
Publicidade

Publicidade

Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Opinião

Publicidade
Apoiadores
Parceiros