FMO janeiro 2020


31/08


2021

Coluna da terça-feira

Coligações já eram

Deputados que se animaram com a aprovação da volta das coligações partidárias para as eleições de renovação dos seus mandatos, ano que vem, que caiam na real: falando com empresários num encontro em São Paulo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que o Senado não aceitará as mudanças nas regras eleitorais aprovadas pela Câmara. Também não pretende levar adiante o novo código eleitoral, em análise pelos deputados.

Deve segurar o projeto, se a Câmara conseguir mandá-lo à Casa, para que não seja possível aplicar qualquer nova regra nas eleições de 2022 — outubro é o limite para qualquer alteração. Pacheco sofre pressões para se mostrar efetivamente como candidato à sucessão de Jair Bolsonaro. Primeiro, porém, deve trocar o DEM pelo PSD de Kassab em outubro. No mês seguinte, as prévias do PSDB também serão importantes para definir os próximos movimentos.

No calendário político-eleitoral, há ainda dois momentos-chave para a definição de alianças: outubro, prazo que vai ditar as normas da disputa; e abril, a “janela” que permite que deputados mudem de partido. Enquanto isso, a avaliação dos que gostariam de ver o senador na arena é que há espaço para crescer e que boa parte dos eleitores está fora do campo dividido entre Bolsonaro e o ex-presidente Lula.

Essas análises levam em conta ainda a alta taxa de abstenção das últimas eleições. A corrida até as urnas — eletrônicas — é longa, mas Pacheco entrou na pista. Pacheco passou dois dias em São Paulo na semana passada e, ao lado do presidente do PSD, Gilberto Kassab, teve encontros com políticos, advogados, empresários, médicos e representantes do agronegócio.

Deixou boa impressão, sobretudo com a decisão que se seguiu a essas conversas — a rejeição do pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, apresentado por Jair Bolsonaro. Na avaliação de alguns desses interlocutores, o senador mostrou que sabe exercer a autoridade, pré-requisito para um candidato ao Planalto.

Empenho por Aras – Na volta a Brasília, Pacheco cuidou pessoalmente de apressar a votação que deu mais dois anos de mandato ao procurador-geral da República, Augusto Aras. Negociou com Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça, para que a mensagem presidencial pela recondução do procurador passasse à frente da indicação de André Mendonça para o STF. No roteiro traçado por Pacheco, essa etapa era fundamental para o passo do dia seguinte, a rejeição do pedido de impeachment de Moraes. Pacheco certificou-se de que haveria quórum e acertou com os 20 senadores que não puderam ir à sessão — que, regimentalmente, era presencial —, para que se manifestassem virtualmente.

Os influentes – A bancada pernambucana na Câmara Federal contribuiu com nove parlamentares para a lista dos mais influentes do Congresso. Integram a elite pensante e destacada do parlamento brasileiro os deputados Danilo Cabral (PSB - foto), Fernando Coelho Filho (DEM), Luciano Bivar (PSL), Renildo Calheiros (PCdoB), Silvio Costa Filho (Republicanos), Tadeu Alencar (PSB) e Wolney Queiroz (PDT). No Senado, Fernando Bezerra Coelho e Humberto Costa, o primeiro líder do Governo Bolsonaro na Casa Alta.

Os esquecidos – Ocupar função na mesa diretora da Câmara não pesa nos critérios do Diap – o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. Se tivesse alguma influência, Marília Arraes (PT), segunda-secretária da Câmara, e André de Paula (PSD), quarto-secretário, não teriam sido excluídos da relação dos notáveis. Igualmente esquecido, o senador Jarbas Vasconcelos (MDB), que nunca deixou de figurar na lista dos cabeças do Congresso, anda muito sumido, calado e, há pouco, anunciou que estará se licenciando para tratamento de saúde.

Mudança de tom – Ministros do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) dizem apostar numa mudança de postura do presidente depois das manifestações de 7 de setembro. Comandantes de pastas que mantêm um bom relacionamento com o Congresso e com o Judiciário afirmam, inclusive, que Bolsonaro concorda que a pacificação o beneficiaria na corrida eleitoral de 2022. Segundo a Folha de S. Paulo, tanto os auxiliares quanto Bolsonaro reconhecem que a instabilidade política afeta a economia, dificultado a retomada. Uma melhora do quadro poderia recuperar os pontos perdidos pelo atual presidente nas pesquisas de intenção de voto.

André na vantagem – Se prevalecer o peso partidário, principalmente no plano nacional, o deputado André de Paula (PSD) tende a levar a vantagem numa eventual queda de braço com o republicano Silvio Costa Filho pela vaga de candidato a senador na chapa governista a ser liderada por um nome do PSB a governador. É o que ouve nos bastidores do Palácio, também corre solto na bancada federal. Como Lula quer o PSD em seu palanque, Kassab passaria a exercer influência no fechamento de algumas alianças estaduais, inclusive em Pernambuco. André, para ele, virou mais que um amigo.

CURTAS

Boneco – O educador pernambucano Paulo Freire ganhou uma versão em boneco gigante de Olinda. A homenagem foi feita em comemoração ao centenário de nascimento do patrono da educação brasileira, que ocorre no próximo dia 19. A alegoria foi apresentada, ontem, na abertura do semestre letivo da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Teste gratuito – A Prefeitura do Recife começou, ontem, uma testagem em massa da população para rastrear casos da Covid-19. Cada ponto volante deve ter capacidade para realizar 200 testes diários. A testagem é feita gratuitamente. Podem ser feitos no Polo da Academia da Cidade de Brasília Teimosa, na Estação Joana Bezerra e na Associação dos Moradores do Barro, na Zona Sul da cidade, das 8 às 16 horas.

Perguntar não ofende: Sem a volta das coligações, quem se salva na bancada federal de Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão - Família Acolhedora


31/08


2021

Coluna da quarta-feira

Lula quer Marília senadora

Se couber ao PT a indicação do candidato a senador na chapa majoritária do PSB em Pernambuco, alternativa número um na cabeça de Lula, o nome do coração da cúpula nacional petista, incluindo o ex-presidente, é o da deputada federal Marília Arraes. O que não se sabe é se Lula fala isso apenas da boca para fora, apenas para agradar Marília e aliados, ou se é de fato intenção verdadeira.

Ao exigir a vaga para o Senado e não a de vice-governador, a preocupação do PT é eleger o maior número possível de senadores. Lula raciocina já com a eleição presidencial no papo e quer, assim, ter uma bancada expressiva não apenas na Câmara dos Deputados, mas, principalmente no Senado, a chamada Casa Alta, que exerce o papel de revisora no que passa pelo plenário da Câmara.

Marília lidera todas as pesquisas de intenção de voto para governadora, mas não terá apoio do PT, que já firmou compromisso em apoiar o candidato ao Palácio das Princesas indicado pelo PSB. Nesse jogo, o interesse de Lula é nacional, garantindo mais um partido dentro da sua aliança no enfrentamento ao presidente Bolsonaro. As questões paroquiais ficarão em segundo plano no bojo da construção da candidatura Lula.

É sabido que Marilia teria enormes dificuldades de subir no palanque de um candidato a governador do PSB, porque as feridas não são apenas da eleição passada, quando enfrentou e perdeu a eleição para o seu primo João Campos, mas também de ordem familiar. Pesa também a má vontade do grupo do senador Humberto Costa em a apoiar, restando como opção apenas o projeto de disputar a reeleição para a Câmara dos Deputados.

Se o PT não indicar o senador e sim o vice, será oferecido pelo PSB, diante da avalanche de partidos aliados de olho no Senado, o nome da deputada Teresa Leitão, que está sendo cogitado, também não é palatável para a corrente humbertista, que já fixou nome do ex-presidente estadual da legenda, Dílson Peixoto.

Aliança impossível – Quanto às especulações de que a vaga de senador estaria reservada para o PSD, na hipótese do ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, apoiar a candidatura de Lula, o que se ouve em Brasília é que o partido de Kassab tende a disputar o Governo de vários Estados enfrentando o PT, como é o caso de São Paulo. Ali, o ex-governador Geraldo Alckmin, desapontado com o velho ninho tucano, está de malas prontas para fazer a travessia para o PSD. Assim, se inviabiliza qualquer cenário em que PSB e PT possam caminhar juntos no plano nacional.

Um voto faz falta – O Senado, casa revisora do Congresso, está funcionando apenas com 80 senadores, porque Jarbas Vasconcelos (MDB), ao requerer licença para tratamento de saúde, optou por apenas 90 dias e não 120 dias, o que abriria espaço para Fernando Dueire, seu primeiro suplente, assumir. Caduco esse regimento do Senado. Em qualquer hipótese de licença de um parlamentar deveria ser obrigatório o suplente assumir. Fica o vácuo da falta de um voto.

 

 

É recordista – Com um índice de 21,6%, Pernambuco atingiu no segundo trimestre deste ano sua maior taxa de desocupação desde 2012. O dado, revelado, ontem, pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) Trimestral, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), coloca, pela segunda vez consecutiva, o Estado em primeiro lugar no ranking que mede a desocupação no Brasil. O resultado é ligeiramente superior ao obtido no primeiro trimestre do ano, quando a taxa de desocupação ficou em 21,3%.

Sem reajuste – O Governo Federal decidiu não incluir reajuste para os servidores públicos na proposta de orçamento de 2022, segundo o secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal. Enviada ao Congresso, a proposta prevê, porém, autorização para novos concursos públicos. No ano passado, o governo autorizou reajustes somente para os militares, em razão do processo de reestruturação das carreiras. O último reajuste para os servidores públicos foi anunciado em 2018, pelo então presidente Michel Temer.

Palavra empenhada – Por onde ando, seja no Interior ou em Brasília, e encontro prefeitos, ouço rasgados elogios ao comportamento do deputado federal Fernando Rodolfo (PL) com suas bases. Segundo um desses gestores, Rodolfo não cumpre apenas a palavra na distribuição das emendas federais para os municípios como usa seu prestígio no Governo Federal no abre portas nas negociações para celebração de convênios e repasses da União aos projetos municipais que tramitam em Brasília.

CURTAS

Noronha – A Administração de Fernando de Noronha deu início aos trabalhos de elaboração do Plano de Capacidade de Carga, estudo que estabelece o limite de visitantes. Além do limite da capacidade de carga, a ideia é trabalhar com o Plano Diretor, o Plano de Manejo da Área de Proteção (APA) e a proposta da Lei de Uso e Ocupação do Solo a ser encaminhada para apreciação da Assembleia Legislativa.

Premiada – A ex-empregada doméstica e estudante de direito Mirtes Renata Santana de Souza, de 34 anos, foi a vencedora do prêmio Faz a Diferença 2020, promovido pelo jornal O Globo, na categoria Diversidade. A mãe de Miguel Otávio de Santana, menino que faleceu após cair de um prédio de luxo no Recife, contou que luta por justiça e atribui ao filho a conquista do reconhecimento.

Perguntar não ofende: Se o Código Eleitoral for arquivado, Sérgio Moro se anima para disputar o Planalto?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE - Ações Sociais


30/08


2021

Coluna da segunda-feira

A ditadura de Lula

Lula é a vanguarda do atraso, como diria o ex-ministro Fernando Lyra, um dos melhores frasistas que o País conheceu. Não tem proposta para o País, seu discurso é uma cantilena de 89, quando disputou pela primeira vez e perdeu para Collor. Tem hora que fala para agradar ao centro e a direita, outra exagera na dosagem para atender aos radicais de esquerda e aos petistas raízes.

Está mais perdido do que cego em tiroteio. Sua mais recente pérola foi a regulação da mídia, caso venha a ser eleito, tremenda derrapada na tentativa de se apresentar como centro. Regular o quê? Lula ainda raciocina no tempo em que a Imprensa era monopólio de grupos que detinham a informação no Brasil, da Rede Globo aos então chamados jornalões – Estadão, Folha, JB e Globo.

Globalizado, o mundo da comunicação, hoje, é da internet, das redes sociais, dos grupos de Whatsapp, de gente que dá pitaco e forma opinião com liberdade em variadas plataformas, sem precisar recorrer aos então donos da informação. A regulação dos meios de comunicação, somada à defesa do regime cubano e da Venezuela e à ideia de reestatizar a Eletrobras e de revogar a reforma trabalhista, mostra que Lula só caminha para o centro da boca para fora, ou seja, na “narrativa”.

Na tentativa de deletar a derrapada do ex-presidiário, que tenta calar a mídia certamente ainda magoado com os tempos de prisão pelo maior assalto aos cofres públicos da história republicana, a operação Lava Jato, que resultou numa gatunagem de mais de R$ 40 bilhões, interlocutores andaram soprando que não passa pela cabeça de Lula censurar veículos de comunicação e que, na verdade, ele defende um modelo regulatório “democrático”, como acontece na Inglaterra.

O que os petistas classificam de modelo é uma aberração. Os ingleses criaram o Press Recognition Panel, painel que supervisiona um órgão de autorregulação e tem poder de aplicar multas de até um milhão de libras (R$ 4 milhões) às publicações, além de impor direito de resposta e correções a jornais, revistas e site noticiosos.

A filiação dos veículos ao sistema não é obrigatória, mas há diversos “incentivos” para que façam parte. O veículo que não integrar o órgão, é bom lembrar, precisa pagar as custas judiciais dos processos de acusação, mesmo se sair vencedor. Este é o modelo que os petistas raízes julgam democrático, mas não é ele, na verdade, o que Lula deseja. Se for eleito, Lula vai copiar o modelo chavista ou cubano de Fidel, ou seja, com ele, liberdade de expressão já era.

Bandeira petista – A regulação da mídia é uma bandeira histórica do PT. Já na campanha de Dilma à Presidência, o partido pressionou para que encampasse a discussão em um eventual segundo mandato. Após sua reeleição, a petista deu algumas declarações defendendo a regulação econômica da mídia. Ela negou repetidamente a intenção de regular conteúdo. Dilma chegou a defender a regulamentação de alguns artigos da Constituição que falam do setor pelo Congresso. Eles proíbem monopólios e oligopólios, estabelecem que a programação deve atender a critérios regionais e determinam regras para publicidade.

A primeira tentativa – Então presidente do PT, ligado ao grupo de Lula, Rui Falcão (foto) chegou a defender, abertamente, a censura e a regulação da mídia. “A democracia se aprofunda em ambientes onde há mais diálogo, onde a diversidade de ideias, as diferenças regionais, têm espaço equilibrado na mídia em geral. O que nós queremos, em resumo, é mais democracia. E o caminho é a criação de um marco regulatório moderno", disse. Em 2010, o então ministro Franklin Martins, hoje um dos principais assessores de Lula, chegou a apresentar um projeto de regulação da mídia. Diante da reação da sociedade, Dilma engavetou.

No muro – O grupamento tucano em Pernambuco continua seguindo fielmente o preceito básico do partido de viver em cima do muro. Com a vinda de João Doria Calcinha Apertada, sábado passado, já é o segundo presidencial que a turma bate palminhas e paparica no Estado, mas não se decide. Teve o mesmo comportamento em relação ao governador Eduardo Leite, o fora do armário do Rio Grande do Sul. Traduzindo, ninguém ainda decidiu em quem votar nas prévias do partido que escolherão o candidato ao Planalto, marcadas para novembro.  

Aliança engole? – Ainda não se sabe o futuro do governador Paulo Câmara. Em nota, a revista Veja informa que está inclinado a disputar o Senado, mas ninguém no PSB confirma. É improvável, entretanto, que, diante de uma aliança tão ampla, com uma multiplicidade de partidos, já estando na chapa com o candidato a governador, a legenda socialista venha bater o pé e emplacar também o candidato a senador. MDB, PT, PCdoB, PSD e, principalmente, PP, que tem a maior bancada na Alepe, vão engolir governador e senador de um mesmo partido?

Enganador – Dizem que um cínico é um homem que olha o mundo com um monóculo na sua mente. Assim é João Doria, governador de São Paulo. Na maior cara de pau, o tucano disse em Caruaru, na visita de sábado passado, para apresentar sua plataforma presidencial, que a Transnordestina seria uma das suas prioridades, caso viesse a ser eleito. Ora, “Calcinha apertada”, como o apelidou Bolsonaro, não sabe nem de onde parte o projeto. De tamanho conhecimento da realidade nordestina, confunde alhos com bugalhos, ou seja, não sabe distinguir um bode de um carneiro.

CURTAS

Entrevista – Por falar em Transnordestina, esta será uma das pautas da entrevista que o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, concederá à Rede Nordeste de Rádio, com transmissão automática pelas redes sociais, na próxima quinta-feira. Depois do presidente Bolsonaro, entrevistei o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Com Freitas, o modelo será o mesmo: ao vivo, direto do seu gabinete, em Brasília.

In loco – Diferente do governador João Doria, o ex-prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), incluiu a conclusão da ferrovia Transnordestina entre as suas bandeiras de luta, caso seja eleito deputado estadual, mas foi lá mostrar num vídeo, pelas redes sociais, o trecho paralisado, destacando a sua importância para a economia do Estado.

Perguntar não ofende: Por que Lula quer calar a mídia brasileira? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem


28/08


2021

Coluna do sabadão

O engessado Código Eleitoral

A Câmara dos Deputados deve começar a analisar na próxima semana o projeto que cria o novo Código Eleitoral e altera parte das regras sobre o tema. O texto, que reúne toda a legislação vigente sobre o assunto, tem 905 artigos na versão atual. O pedido de urgência para que ele seja votado diretamente pelo plenário da Casa deve ser analisado na próxima semana. É possível que haja deliberação sobre o mérito.

Apesar de ter sido debatido com os partidos em um grupo de trabalho, deputados ainda discutem alterar pontos específicos do texto, entre eles o adia para 2026 a regra que impõe quarentena de cinco anos para militares, policiais, juízes e integrantes do Ministério Público que quiserem disputar eleições. “Muita coisa não muda. Se traz ao status de lei o que era resolução do TSE”, disse o especialista em direito eleitoral Marcelo Weick Pogliese, da Abradep. (Academia Brasileira de Direito Eleitoral Político).

Segundo ele, “80%, se não for mais” do projeto é uma compilação de regras vigentes. Ele é um dos consultores externos que acompanha a elaboração do projeto. As propostas em discussão têm sido criticadas por organizações da sociedade civil, principalmente as relativas à prestação de contas de partidos. Segundo os críticos, as alterações reduzem a transparência e diminuem demasiadamente punições por irregularidades.

O texto contém a criação das federações partidárias, mecanismo que já foi aprovado pelo Congresso em outra proposta e que Jair Bolsonaro provavelmente vetará. Trata-se da união de 2 ou mais partidos para tentar eleger vereadores e deputados e atingir o desempenho mínimo requerido nas eleições para acessar o Fundo Partidário e o tempo de TV.

As siglas integrantes de uma federação precisariam se comportar como um único partido durante ao menos 4 anos. Teriam, por exemplo, a estrutura de uma única bancada na Câmara. As federações têm semelhanças com as coligações para eleições proporcionais, que atualmente não encontram respaldo na Constituição. A Câmara aprovou a volta das coligações, mas a ideia não deve prosperar no Senado.

Contas partidárias – A proposta também altera regras relativas aos partidos políticos, principalmente em suas prestações de contas. Hoje, essas prestações são jurisdicionais e Justiça Eleitoral tem até cinco anos para julgá-las. O projeto transforma o processo em administrativo e fixa o prazo em três anos. Atualmente, tanto as contas das siglas quanto as das campanhas são prestadas por sistema do TSE. A proposta passa o fornecimento de informações das siglas para um sistema da Receita Federal, menos detalhado.

Confusão nas bases – Nos bastidores da oposição em Pernambuco, ninguém entendeu a acolhida do grupo do senador Fernando Bezerra Coelho pelo DEM, até porque, comentam, os democratas têm linhagem e mais identificação com o PSDB, a começar pelo presidente estadual Mendonça Filho. Mas este, segundo avaliação de outros setores, jogou bem, porque tendo candidato a governador o DEM tem muito mais chances de eleger Mendonça federal e mais dois ou três deputados da aliança.

Em campanha – Pré-candidato à Presidência da República, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), cumpre, hoje, intensa agenda em Caruaru e no Recife. Chega ao Estado no início da manhã, em Caruaru. Lá, será recebido pela prefeita Raquel Lyra no aeroporto da cidade. Também devem estar presentes o ex-governador de Pernambuco, João Lyra (PSDB), e o ex-senador e ex-presidente da CNI, Armando Monteiro Neto (PSDB). De lá, o governador de São Paulo visita a Feira de Artesanato de Caruaru e a Via Parque. No Recife, tem encontro agendado com o governador Paulo Câmara (PSB).

Mudança de vida – Renan Bolsonaro, filho '04' do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e sua mãe, Anna Cristina Vale, se mudaram para uma mansão localizada no Lago Sul, uma das áreas mais nobres de Brasília. O imóvel é avaliado em R$ 3,2 milhões. Antes, os dois viviam em um apartamento registrado no nome do chefe do Executivo, de 70 metros quadrados. As informações são da colunista Juliana Dal Piva, do UOL.

Sem tumulto – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou, ontem, que “não haverá nada” em 7 de setembro. O deputado participou de evento on-line da Federação Brasileira de Bancos. Lira disse que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), “de uma maneira ou de outra”, é quem pauta o Brasil. “Certo ou errado, pautou com a situação do voto impresso e agora com o 7 de setembro. Nunca se falou tanto no 7 de setembro na história do País, pelo menos desde que eu me entendo como gente”, disse Lira. “O humor das bolsas, do mercado está na hipótese do 7 de setembro. Pelo amor de Deus, não haverá nada no 7 de setembro. A gente tem que se esforçar para que os movimentos de rua aconteçam e sejam pacíficos. Grandes ou pequenos, isso é irrelevante”, assinalou.

CURTAS

Vacinação – O Recife ampliou para adolescentes a partir de 14 anos, sem doenças pré-existentes, a campanha de vacinação contra a Covid-19. O agendamento começou, ontem, no site e aplicativo Conecta Recife, e a aplicação, a partir de hoje. Ao todo, 49.935 pessoas integram o novo grupo, de idades entre 14 e 15 anos, que será imunizado com doses da Pfizer. O Estado recebeu, ontem, mais 133 mil doses desse tipo de vacina.

Energia solar – Por causa dos consecutivos aumentos da conta de luz e da crise hídrica, cresce a procura por uma forma de energia sustentável e mais barata: a energia solar. E o consumidor comum, residencial, está no topo da lista dos geradores da própria energia, representando 80% do total. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovotáica, o Brasil tem mais de 520 mil casas com sistemas de geração de energia solar. Pernambuco é o décimo primeiro estado na produção residencial, com 8,3 mil empregos e R$ 1,4 bilhão em investimentos.

Perguntar não ofende: Quantos motociclistas acompanharão Bolsonaro, no próximo sábado, no evento de Santa Cruz do Capibaribe para Caruaru?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



27/08


2021

Coluna da sexta-feira

Xadrez em Pernambuco

Por Houldine Nascimento – interino

O anúncio da filiação do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, ao Democratas já movimenta as peças do tabuleiro político pernambucano. Um encontro em Brasília, na última quarta-feira (25), com as participações do presidente nacional da sigla, ACM Neto, e de Mendonça Filho, que lidera a legenda em Pernambuco, definiu a saída de Miguel do MDB, ratificando sua intenção em disputar o Governo. O deputado federal Fernando Filho (DEM), irmão de Miguel, também esteve no ato.

A ida do gestor petrolinense à capital federal não se restringiu a esta reunião. No mesmo dia, ele almoçou com a cúpula do PDT. O presidente nacional do partido, Carlos Lupi, e o vice, deputado André Figueiredo (CE), estiveram neste encontro, além do líder pedetista na Câmara, Wolney Queiroz, que também é presidente do PDT em Pernambuco.

Embora incipiente, a conversa traça uma possibilidade de aliança entre DEM e PDT não só no Estado, mas envolvendo a conjuntura nacional. Isso abre caminho para que o pré-candidato pedetista à Presidência, Ciro Gomes, tenha um palanque para chamar de seu em Pernambuco. Houve elogios mútuos no encontro.

À coluna, Miguel afirmou que está ouvindo diversas lideranças partidárias e que espera estreitar a relação com os pedetistas: “O PDT é uma das legendas que queremos avançar em uma aliança. O DEM, é bom lembrar, já tem uma relação com o PDT em várias cidades importantes como Salvador e provavelmente isso se estenderá para a campanha estadual. Aqui em Pernambuco temos uma excelente relação com o deputado Wolney e creio que seja possível uma aliança entre os dois partidos para mudar Pernambuco e oferecer um novo rumo. A conversa foi boa.”

Carlos Lupi, por sua vez, expôs a pretensão do PDT de ocupar uma das vagas majoritárias na chapa. “Ele (Miguel) considera essa questão de Ciro com muito carinho. Nós também estamos discutindo com ACM Neto. Avaliamos o quadro de Pernambuco: ele colocou o desejo de ter o apoio do PDT e nós colocamos nossa prioridade, que é o palanque nacional e uma vaga na chapa majoritária, ou de vice-governador ou senador. A questão dos estados é muito amarrada à nacional. De qualquer maneira, abrimos essa primeira conversa e fiquei muito bem impressionado com a determinação do prefeito Miguel, com a sua competência. É jovem, muito preparado”, afirmou ao Blog.

Em Pernambuco, o PDT compõe a Frente Popular, encabeçada pelo PSB, mas as lideranças pedetistas estão assistindo com atenção à reaproximação entre socialistas e o PT. O recente desembarque de Lula no Estado, com direito a um jantar montado pelo governador Paulo Câmara (PSB) no Palácio do Campo das Princesas, acendeu o alerta. “À medida que o PSB se aproxima do PT, somos obrigados a buscar alternativas na mesma proporção. Estamos dialogando com outras forças e o PSB tem conhecimento disso. É uma realidade que se impõe ao nosso partido para construir esse palanque de Ciro”, declarou Wolney à coluna.

A considerar também nesse xadrez o fato de o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), pai de Miguel, estar na liderança do Governo Bolsonaro no Senado, o que faz com que toda essa movimentação seja bastante cautelosa.

Apoio – O PSD fechou questão em prol da indicação do ex-advogado-geral da União André Mendonça para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Ao menos oito dos 11 senadores da legenda e o presidente nacional do partido, Gilberto Kassab, participaram de um jantar que formalizou o apoio. O presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz (PSD-AM), também esteve presente. “Não tenho nada contra ele. Não misturo as coisas. É uma pessoa do bem. Tem que aguardar a sabatina”, declarou Aziz à jornalista Basília Rodrigues, da CNN Brasil.

Sem guerra civil – Na entrevista que concedeu ao comunicador Geraldo Freire, ontem, na Rádio Jornal, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi questionado sobre uma declaração do deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), um de seus aliados, que disse que o Brasil terá uma guerra civil: “Qualquer pessoa que fala algo, exagera, extrapola, se ela tem qualquer ligação comigo, se tem um plástico no seu carro escrito 'Bolsonaro', o pessoal vincula a mim como se aquela pessoa fosse meu porta voz (...) Não acredito em guerra civil, não provocamos e nem queremos isso daí.”

Críticas a Pacheco – Bolsonaro também comentou o arquivamento do pedido de impeachment dele contra o ministro do STF Alexandre de Moraes. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decidiu rejeitar o pedido: “O presidente do Senado, o senhor Pacheco, entendeu e acolheu uma decisão da advocacia do Senado. Agora, quando chegou uma ordem do ministro Barroso para abrir a CPI da Covid ele mandou abrir e ponto final. Ele agiu de forma diferente da que agiu no passado. Vocês sabem que nessa briga eu estou praticamente sozinho. Lamento a posição de Rodrigo Pacheco.”

Sorte no amor – O presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Kaio Maniçoba, falou sobre a saída de uma de suas subordinadas, a influenciadora digital de Serra Talhada Raiane Lima. Ela deixou o cargo em comissão no órgão para morar na Inglaterra com o jogador de futebol Gabriel Jesus, do Manchester City. “Raiane está na Inglaterra amando e querendo bem. Ela tinha um vínculo com o IPA, mas já foi desfeito. Ela seguiu o seu caminho, não tem muito o que a gente discutir. Ela foi morar com o namorado e que siga em frente, que leve o nome de Serra Talhada, tenha bons frutos e quem sabe a gente não traz Gabriel Jesus qualquer dia para jogar no Pereirão (nome do estádio de Serra)”, cogitou em entrevista à TV Farol.

Sigilo derrubado – A Justiça atendeu a um mandado de segurança impetrado pela cúpula da CPI da Pandemia. Em decisão proferida ontem, o juiz federal substituto da 2ª Vara do DF Anderson Santos da Silva deferiu a liminar para suspender o sigilo do processo administrativo envolvendo Ministério da Saúde e Precisa Medicamentos na compra da vacina Covaxin. A informação foi compartilhada no fim da noite pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos autores do mandado. Ele celebrou a derrubada do sigilo: “Mais uma importante vitória da CPI da Covid!”

CURTAS

ATENTADO – Pelo menos 90 pessoas morreram e quase 140 ficaram feridas em um duplo atentado no aeroporto de Cabul, no Afeganistão, de acordo com informações obtidas pela Agência France-Presse. Entre os mortos, há 13 militares dos EUA. O grupo extremista Estado Islâmico (EI) assumiu a autoria do crime.

RETALIAÇÃO – Poucas horas depois das explosões, o presidente Joe Biden (EUA) fez um pronunciamento à nação e prometeu retaliar o Estado Islâmico. “Nós não vamos perdoar, não vamos esquecer. Nós vamos caçá-los e fazê-los pagar", disse em referência aos militantes do Isis-K, filial do EI no Afeganistão e rival do Talebã.

Perguntar não ofende: Ciro Gomes vai conseguir algum palanque robusto em Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina outubro 2021


26/08


2021

Coluna de quinta-feira

Cai mais um arauto  

Vestais na politica enganam hoje, amanhã, mas não a vida inteira. Um dos casos mais simbólicos nos últimos anos foi o do ex-senador Demóstenes Torres, do DEM de Goiás. Enquanto no exercício do mandato, ninguém escapou da sua metralhadora giratória: nas sessões do Congresso, nas comissões temáticas e até em CPIs apontava o seu dedo incriminando atores políticos. Apresentava-se como o verdadeiro arauto da moralidade.

Com o passar do tempo, o mundo desabou sobre a sua cabeça, envolvido com um doleiro corrupto, Carlinhos Cachoeira. Perdeu o mandato e virou réu pelos crimes de corrupção passiva. De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público de Goiás, de junho de 2009 a fevereiro de 2012, Demóstenes se beneficiou de favores de Cachoeira e recebeu benefícios e vantagens do bicheiro, como viagens em aeronaves particulares e pagamentos em dinheiro.

Foram mapeados pelo menos três depósitos, nos valores de 5,1 milhões de reais, 20.000 reais e 3.000 reais, além de benefícios luxuosos. Na CPI da Covid, presidida pelo senador Omar Oziz (PSD-AM), com uma ficha mais que suja, imunda, e um relator, o alagoano Renan Calheiros (MDB-AL), que responde a 18 processos na justiça por corrupção, o vice-presidente Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tem atacado todos os depoentes e apontado o dedo em direção ao Planalto, julgando Bolsonaro sócio da gatunagem.

Como o senador goiano, Randolfe também tem cara de vestal, que, traduzindo, é o político que, em público, mantém um comportamento virtuoso, mas sem uma prática honesta. O site R7 descobriu que o atual chefe de gabinete do parlamentar, Charles Chelala, doou R$ 2 mil em serviços de motorista para a campanha do chefe e que outros familiares dele, também fizeram doações que, totalizadas, chegam a R$ 9 mil.

Conforme a mesma matéria, quatro fornecedores da campanha de Randolfe ao Senado em 2018 foram contratados para prestar serviços a ele depois de eleito, pagos com dinheiro público. Uma delas, a Eco Serviços, teria cobrado R$ 26.208,00 por pesquisas eleitorais e recebido do gabinete R$ 29.222,00 desde janeiro de 2019. O site também informou que, pelas notas fiscais que constam na prestação de contas dos gastos, os serviços da Eco são de consultoria na área de pesquisa socioeconômica, mas a última pesquisa feita foi em outra área.

Procurado pela repórter Hylda Cavalcanti, do jornal O Poder, em Brasília, o senador disse que “nunca existiu nenhum tipo de contribuição financeira de qualquer empresa privada na sua campanha. Explicou que Charles Chelala é um militante político que o acompanha há 25 aos e sempre contribuiu, com sua militância e financeiramente, todas as vezes em que ele concorreu.

Ele lembrou, ainda, que tais contribuições “nunca foram associadas a qualquer benefício futuro” e que a doação não foi em espécie, mas de serviços estimados em R$ dois mil, assim como de outros familiares deles, em contas prestadas e aprovadas pela Justiça eleitoral.

Acredite se quiser!

Serra inocentado – O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, trancou, ontem, uma ação penal contra o senador licenciado José Serra (PSDB-SP) por suposta corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo obras do Rodoanel, em São Paulo. O magistrado também anulou apreensões e quebras de sigilo. A extinta Lava Jato paulista ofereceu denúncia contra Serra em julho do ano passado. O MPF (Ministério Público Federal), em parceria com o MP (Ministério Público Eleitoral) investigou suposto caixa 2 de R$ 5 milhões na campanha do político ao Senado em 2014.

Grupo FBC no DEM – Está confirmada a revoada do grupo politico do senador Fernando Bezerra Coelho, líder do Governo no Senado, do MDB para o DEM. A filiação ao novo partido será no próximo mês. Presidente estadual da legenda, o ex-ministro Mendonça Filho deu régua e compasso também para o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, filho de FBC, embalar seu projeto majoritário em 2022. Uma das revelações como gestor público, com apenas 30 anos, Miguel é candidato a governador.

Travessia natural – Ao ingressar no DEM, o senador FBC perde, mais uma vez, a batalha política contra o grupo do senador Jarbas Vasconcelos para controlar a legenda no Estado. A travessia para o Democrata foi natural pelo fato do filho Fernando Bezerra Filho, deputado federal, já ser filiado à legenda e gozar de trânsito fácil no partido em Brasília, além da boa relação com Mendonça Filho.

Código contra Moro – Às vésperas de ter sua urgência votada pela Câmara, uma nova versão do Código Eleitoral traz agora uma quarentena de cinco anos para militares, policiais, juízes e promotores que quiserem disputar eleições. A novidade entrou em uma versão apresentada, ontem, do projeto com mais de 900 artigos e 371 páginas, relatado pela deputada Margarete Coelho (PP-PI). Caso aprovada e sancionada desta forma até outubro deste ano, a medida veda eventuais candidaturas como a do ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro e também do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Olhando para o pijama – Com a saída do grupo do senador Fernando Bezerra do MDB, quem sai mais prejudicado é o deputado federal Raul Henry, presidente estadual da legenda. Se o Senado derrubar a volta das coligações, já aprovada pela Câmara na minima reforma eleitoral, Henry não se reelege por falta de cauda eleitoral. Todos os partidos enfrentarão dificuldades de montar chapa na conjuntura atual. Como não ficou ao lado do grupo FBC, Henry corre risco de encerrar sua carreira politica antes do que imaginava.

CURTAS

Flexibilização – O Governo do Estado anunciou, ontem, que vai liberar, a partir do próximo mês, a realização de eventos culturais, como shows e peças de teatro, com até 1,2 mil pessoas que estejam vacinadas contra a Covid-19 com duas doses ou com uma dose mais teste negativo para a doença. Também foram anunciadas flexibilizações nas regras para realização de eventos e competições esportivas.

Passe seguro – No último dia 19, o Governo anunciou a criação do selo “Passe Seguro PE”, para validar a presença de pessoas em eventos, incluindo os de grande porte, com informações sobre vacinação e testes de Covid. De acordo com a secretária-executiva de Desenvolvimento Econômico, Ana Paula Vilaça, as primeiras autorizações serão para eventos-teste. A lotação máxima é de 1,2 mil pessoas ou 50% da capacidade do local, o que for menor.

Perguntar não ofende: Por que Pacheco não colocou adiante o impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do STF?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Como é vergonhoso o blog e o blogueiro , caráter de isenção ZERO. Na casinha de 6 milhões que agora virou 14, não falam, na lavanderia de chocolate idem....não se fazem jornais e jornalistas como antes!


Sindicontas


25/08


2021

Coluna de quarta-feira

A energia do futuro já

Nem só de notícia de crise institucional vive o Brasil. Tem muita coisa acontecendo de bom na economia e para o Nordeste uma excelente informação: o Brasil ultrapassou marca de 10 GW (gigawatts) de potência instalada em energia solar e passou a ocupar a 14ª posição na lista de países com mais capacidade de produção desse recurso.

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica afirma que o crescimento é resultado de investimentos no setor. Os investimentos em geração de energia solar foram superiores a R$ 52,7 bilhões desde 2012. Estima-se que eles continuem a crescer devido à aprovação do marco da geração distribuída. O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados e aguarda para ser votado no Senado.

O marco garante benefícios aos atuais produtores e àqueles que registrarem a atividade até 12 meses depois da publicação da lei. Eles terão descontos no uso de tarifas da rede de distribuição de energia até 2045. A ABGD (Associação Brasileira de Geração Distribuída) estima que o projeto vai levar à instalação de mais 10 GW nos próximos 2 anos. O texto também oferece incentivos para a instalação de painéis em unidades consumidoras de baixa renda.

Só em julho, a produção de energia solar registrou dois recordes: geração instantânea, com um pico de 2.211 MW, no dia 19; e geração média em um dia, com 682 MW médios, no dia 30. O aumento da produção de energia solar é impulsionado, principalmente, pela geração centralizada de empresas que venceram leilões do governo e por geração distribuída, quando os consumidores geram a sua própria energia ou compram de condomínios ou consórcios.

Em geração centralizada, o Brasil tem 3,5 GW de potência instalada em usinas solares, o que equivalente a 1,9% da matriz elétrica do País. Nos últimos quatro leilões realizados pelo Governo, de 2019 a 2021, a fonte teve os preços mais baixos, sendo a mais competitiva. Já em geração própria, o Brasil conta com 6,5 GW de potência instalada. É considerada geração própria desde painéis instalados em telhados de casas ou prédios comerciais, a indústrias e fazendas solares.

O presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, cita a energia solar como a solução para a falta de chuvas, que esvaziou os reservatórios das hidrelétricas, obrigando o acionamento de termelétricas, que são mais caras e poluentes. “Parte da solução para o problema está diante de nós, basta olhar para o céu “, escreveu em nota.

Mudanças – Em 2019, a Aneel abriu consulta pública para discutir o modelo atual que regula o setor, criticado por repassar aos consumidores mais pobres, que não têm condições de investir em energia solar, o custo com manutenção e uso do sistema, já que quem os utiliza recebe incentivos. Há resistências dos que consideram que retirar os incentivos existentes seria “taxar o sol”. O presidente Bolsonaro foi um dos que endossaram a crítica e ameaçou demitir os servidores que tratassem do assunto. Os produtores defendem que os incentivos garantem o crescimento de uma fonte de energia limpa e menos demandante de investimentos em linhas de transmissão, já que pode ser instalada perto dos grandes centros consumidores.

Festival de mentiras – Na entrevista que concedeu ao Roda Viva, segunda-feira passada, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que estará no próximo fim de semana em Pernambuco, disse que “2022 não será uma eleição para bonzinhos”. “2022 não será uma eleição para bonzinhos, será uma eleição difícil, de extremismos e de muita dificuldade. Se preparem para um festival de fake news”, disse o tucano. Doria disse ainda que “se preparou” para disputar as eleições prévias de seu partido “respeitando” os outros candidatos, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite e o senador cearense Tasso Jereissati, que acontece em novembro.

Nem horror nem terror – Doria também bateu duro em Bolsonaro. Disse que o governo é “muito pior” do que foram as administrações dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT. “Escolhemos o remédio errado para resolvermos o problema histórico do PT. Por isso que nas próximas eleições, nem PT nem Bolsonaro. Nem Lula nem Bolsonaro. Nem horror nem terror. O que o Brasil vai precisar é de um bom gestor, para precificar o país, para criar harmonia e entendimento”, afirmou.

Boa notícia – O Brasil chegou a 60,4% da população vacinada com ao menos uma dose de um imunizante contra a covid-19. O número representa 128.819.906 pessoas vacinadas com a primeira dose ou dose única.  O número de habitantes totalmente vacinados já ultrapassa 55,9 milhões, chegando a 55.958.956, ou 26,2%. É o total de pessoas que completaram o ciclo da imunização. Ao todo, 180.173.488 doses foram administradas no país. Os dados são da plataforma coronavirusbra1, que compila registros das secretarias estaduais de Saúde. As vacinas aplicadas no Brasil com duas doses são a CoronaVac, o imunizante Oxford/AstraZeneca e o da Pfizer. Também está em uso a vacina da Janssen, que requer só uma dose.

Covarde e mafioso – O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), determinou o afastamento do chefe do Comando de Policiamento do Interior-7 da Polícia Militar de São Paulo, coronel Aleksander Lacerda. A decisão foi tomada após o jornal Estado de São Paulo revelar publicações do oficial em rede social com críticas ao Supremo Tribunal Federal insuflando a participação de “amigos” nas manifestações de 7 de setembro, uma postura que tem se espalhado em ao menos seis Estados. Em suas postagens, o oficial afirma que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), é “covarde”, que Doria é uma “cepa indiana” e que o deputado Rodrigo Maia (RJ), recém-nomeado secretário de Projetos e Ações Estratégicas de São Paulo, é beneficiário de esquema “mafioso”.

CURTAS

Nordeste acolhe – O Consórcio Nordeste, formado pelos governadores dos nove estados da região, lança, hoje, em Natal (RN), um auxílio financeiro voltado a crianças e adolescentes que ficaram órfãs durante a pandemia de Covid-19. O benefício do programa “Nordeste Acolhe” será de R$ 500 por mês, pagos até os 18 anos dos beneficiários. A estimativa é que há cerca de 26,5 mil órfãos em consequência da pandemia da Covid-19, apenas no Nordeste.

Experiência maranhense – Os projetos que criam o programa serão enviados, nos próximos dias, às Assembleias Legislativas dos estados. O programa é inspirado na experiência do Maranhão, governado por Flávio Dino (PSB), o “Programa Cuidar”, que também concede R$ 500 por mês a crianças em situação de orfandade bilateral até a maioridade. 

Perguntar não ofende: O 7 de setembro que se aproxima será um divisor de águas no País?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

R.Soares

Bozo só trouxe miseria e desunião para o BR

Joao

Divisor apenas para os IMBECIS bolsotontos, gado de manobra do acéfalo!


Ipojuca - Novembro


24/08


2021

Coluna de terça-feira

Corrupção com rosto

Depois de mais uma absolvição, desta feita no caso do sítio Atibaia, pelo andar da carruagem só falta a justiça brasileira declarar, com ofício passado em cartório, que o ex-presidente Lula é santo e que os pecadores somos todos nós, a sofrida Nação brasileira, que teve surrupiada dos seus cofres R$ 40 bilhões somente num dos escândalos da era petista, a operação Lava Jato. Juízas, como Pollyanna Kelly Maciel Medeiros Lins, da 12ª Vara Criminal de Brasília, acham que Lula é inocente.

Eu perguntaria a mesma juíza, que acha que Lula não é pecador, de onde saíram os R$ 100 milhões que Palloci, seu ex-ministro Fazenda, ex-ministro também da Casa Civil de Dilma, devolveu no acordo da delação premiada? Do mesmo assalto aos cofres públicos não apenas do esquema Lava Jato, mas de outras investidas ao meu, seu e nosso dinheiro suado e surrado que pagamos de impostos, desviados das estatais.

Não tenho a menor dúvida de que há um complô entre o Judiciário, o Ministério Público, os órgãos de controle, parte do Congresso e da mídia, para sacramentar a inocência de Lula, porque, segundo as pesquisas, ele se apresenta como o nome mais competitivo na disputa contra o presidente Bolsonaro. É verdade que Bolsonaro, com um estilo todo próprio e pelo mau assessoramento, se desincompatibilizou com as instituições, fere de morte ferida quem o desafia.

Mas se Bolsonaro está sendo massacrado por isso, como passar a mão na cabeça de um político, com as qualificações de Lula, que se não roubou, como ele diz em sua defesa, deixou roubar. Sua gestão, mais do que a de Dilma, foi marcada por verdadeiros assaltos ao dinheiro da Nação. Deixou quebrar estatais, como os Correios, a primeira vítima, pivô do escândalo do Mensalão, que quase acabou no impeachment de Lula.

Maus políticos, como Lula, carregam consigo uma aparência de humildade fingida, e na prática abusiva de uma linguagem serena, assume a liderança de mais um hipócrita. A corrupção de governantes, como ele, ao contrário do que julga a justiça brasileira, começou com a corrupção dos seus princípios. Dizem que corrupção é um crime sem rosto. Com Lula, teve rosto, mãos, cabeça e tronco.

A condenação – Segundo a tese da acusação do sítio Atibaia, agora negada pela juíza, o ex-presidente teria recebido vantagens em contratos da Petrobrás, utilizadas para a realização de reformas no sítio, de propriedade de Fernando Bittar. Como resultado, por prescrição ou inexistência de provas, o ex-presidente está livre do processo, pelo qual havia sido condenado a 12 anos e 11 meses de prisão e multa pela juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, em sentença confirmada em prazo recorde, por unanimidade, e ampliada para 17 anos e mês e 10 dias de prisão, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª região.

Freio da decolagem – O ministro da Economia, Paulo Guedes, tentou, ontem, tranquilizar participantes de um seminário sobre a possibilidade de quebra institucional entre os Poderes. Na avaliação dele, o Brasil estava “decolando”, mas a antecipação das eleições atrapalha a retomada econômica. Até algumas semanas, o ministro dizia que o Brasil estava em uma “recuperação em V”, com retomada tão forte quanto a queda registrada na pandemia. Agora, diz que o “barulho” em torno do pleito de 2022 impacta o mercado financeiro e afeta o andamento de reformas estruturantes no Congresso.

Culpa na eleição – “Essa antecipação das eleições, naturalmente, prejudica. Causa muito barulho. Mas eu reafirmo a confiança nas nossas instituições, na Presidência da República, no Supremo, no Senado, na Câmara dos Deputados”, disse Guedes, acrescentando: “Nós confiamos que a ação ou excessos eventuais de alguns atores não se transformem em desvirtuamento das instituições. Essas palavras são muito para tranquilizar”, afirmou. As declarações foram durante participação on-line do 41º Congresso Internacional da Propriedade Intelectual. “Com confiança na democracia brasileira e principalmente nas instituições, esperamos que os excessos que sejam moderados”.

Bolsonaro recua – Após reconhecer que as emendas de relator-geral atrapalham a política fiscal e podem prejudicar a condução de políticas públicas, o presidente Jair Bolsonaro recuou e sancionou a previsão de pagamento dessas emendas, identificadas no Orçamento sob o código RP-9, na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. Com isso, os parlamentares poderão indicar esses recursos no Orçamento do ano que vem, em pleno período eleitoral.

O modelo vem sendo usado pelo governo para cortejar deputados e senadores aliados com repasses do Orçamento da União a municípios e Estados de seus redutos eleitorais, sem que seus nomes sejam divulgados, diminuindo a possibilidade de controle social.

Pacificação – Sem consenso em torno da divulgação de uma nota contra as ameaças feitas por Jair Bolsonaro à democracia, governadores de 24 Estados e do Distrito Federal decidiram, ontem, propor ao presidente e aos outros chefes de Poderes uma espécie de reunião de pacificação e de normalização institucional do País. No encontro do Fórum dos Governadores, realizado em Brasília – com a maioria dos presentes participando de forma virtual –, não faltaram críticas ao comportamento de Bolsonaro e foi unânime a tese de que o atual clima de instabilidade política é prejudicial para todos. A ideia de divulgar um manifesto formal contra o presidente, no entanto, dividiu opiniões, especialmente porque poderia apenas ampliar o clima de instabilidade, sem resolver a situação.

CURTAS

PDV municipal – A Prefeitura do Recife publicou a regulamentação para o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) para funcionários de cinco empresas municipais, contratados sob o regime da Consolidação de Leis Trabalhistas (CLT). Mais de 2,5 mil servidores se enquadram nas regras do plano, segundo a gestão. A medida faz parte de um pacote econômico proposto pelo prefeito João Campos (PSB), enviado em caráter de urgência, que inclui a reforma da Previdência municipal e aumento da taxa de contribuição previdenciária para servidores.

Sem pagamento – Com a ampliação do Bolsa Família e aumentos dívidas judiciais, a equipe econômica pressiona o Congresso Nacional para a aprovação da PEC dos Precatórios. Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, sem aprovação da PEC pode faltar dinheiro para o pagamento dos salários dos funcionários públicos.

Perguntar não ofende: Quando o processo da Lava Jato, suspenso em Curitiba, será reaberto em Brasília para julgar Lula? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Lula a tara dos Augustos, Garcias, Fiuzas, Magnos, Antônios.....esse povo só esquece do acéfalo. Creio que seja melhor ser canonizado pelo papa, do que por Malafaia, RR Soares, Edir Macedo e o vendedor de feijão, não esquecendo do mártir bolsonarista Roberto Jeferson!

Joao

O blogueiro parece que sente uma comichão nos dedos para falar mal do Lula, porém não toca nas rachadinhas , nos gastos dos passeios idiotas do acéfalo bancados com dinheiro público, bem como na casinha de 14 milhões do 02, de onde vem tanta grana?

Rafael C.Soares Quintas

O Papa Francisco devia cononizar o Santo Lula da Silva ????????????

R.Soares

Falar mal de Lula é facil, por acaso o bozo é santo


Caruaru - Feira da Sulanca


23/08


2021

Coluna da segunda-feira

O candidato de Bolsonaro 

No campo da oposição, quando se trata de sucessão estadual, analistas e até institutos de opinião têm incluído apenas três nomes: os dos prefeitos Anderson Ferreira (Jaboatão), Raquel Lyra (Caruaru) e Miguel Coelho (Petrolina). Nenhum deles se insere no perfil bolsonarista nem faz questão do apoio da corrente, muito menos tem algum tipo de relação com o presidente Jair Bolsonaro, que terá palanque em todos os Estados.

No universo bolsonarista em Pernambuco, nem a deputada-pastora Clarissa Tércio, do PSC, nem o presidente estadual do PTB, Coronel Meira, goza da simpatia e da confiança do presidente da República. O nome da preferência de Bolsonaro é o do ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, auxiliar do primeiro time que goza da confiança e tem, na verdade, não apenas relação de trabalho, mas sobretudo de amizade e pessoal. São amigos há mais de 20 anos, desde quando se conheceram no aeroporto de Brasília.

À espera do avião para Tocantins, Estado em que exerce a atividade de fazendeiro, Gilson lia notícias na sala de embarque quando o então deputado federal Jair Bolsonaro, rumo ao Rio, pediu o jornal emprestado. A partir dali, uma amizade foi selada, mais adiante Bolsonaro foi conhecer a fazenda de Gilson e este começou a usar suas duas rádios, uma em Gravatá e outra em Maragogi, em Alagoas, Estado que planta coco e tem um hotel, para defender o projeto presidencial do hoje chefe da Nação.

Na campanha de 2018, Gilson cruzou o País com Bolsonaro. Eleito, Bolsonaro fez Gilson presidente da Embratur. Conhecedor da área, o pernambucano deu conta do recado, fez muito mais do que se esperava. Em pouco tempo, virou ministro do Turismo e deixou seu sucessor na Embratur, Carlos Brito, o que revela sua força com o chefe. Afinal, são dois cargos extremamente visados pela base de apoio do Governo no Congresso e Gilson não tem mandato eletivo. Seu mandato é a confiança cega que o chefe tem nele.

Se Bolsonaro não lançou ainda o nome de Gilson para o Governo de Pernambuco é porque, naturalmente, o timing não é o ideal. As apostas em Brasília, entretanto, se dão na direção de que o candidato do bolsonarismo no Estado para entrar na briga da sucessão de Paulo Câmara atende pelo nome de Gilson Machado Neto. E aconselho os institutos de opinião a incluir o seu nome em todas as pesquisas a partir de agora. 

Senado - Na entrevista exclusiva que deu a este editor do blog, há 30 dias, Bolsonaro chegou a falar no nome de Gilson Machado Neto para o Senado, quando provocado a comentar a possibilidade de oito ministros renunciarem em abril para disputar as eleições de 2022. Um bolsonarista convicto entendeu que naquela ocasião o presidente não se referiu ao Governo do Estado para não antecipar o processo de discussão do candidato da sua base partidária em Pernambuco. É bom observar que Gilson tem tido uma presença muito mais constante no Estado e entrado na mídia quando há tiroteio em defesa do presidente e do Governo.

Memorial Agamenon - Repercutiu intensamente a ideia da construção do Memorial Agamenon Magalhães, em Serra Talhada, lançada em discurso que fiz, sexta-feira passada, em agradecimento ao título de Cidadão Honorário, na Câmara de Vereadores. Em contato com o blog, a prefeita Márcia Conrado (PT) disse que vai elaborar o projeto, já abraçado em nível federal pelos deputados Sebastião Oliveira (Avante), Fernando Monteiro (PP) e Marília Arraes (PT). Em nome da família e na condição de neto, o ex-senador Armando Monteiro disse que recebeu a sugestão com muita emoção e que se depender da família todo o arquivo do estadista será doado ao Memorial.

Longe do PSB - Candidato a deputado estadual pelo PT, o ex-prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque, não quer nem ouvir falar na hipótese de uma aliança do PT com o PSB nas eleições para governador. Defensor da tese de candidatura própria, vai insistir no nome de Marília Arraes. "Se o partido tem Lula disparado na preferência popular para presidente e Marília na mesma situação em Pernambuco, conforme todas as pesquisas, chegou a hora de pôr abaixo a supremacia do PSB no Estado", prega Duque.

Triunfo em alta - Embora junho e julho, período da estação mais fria em Triunfo já tenham passado, a cidade vive um agosto com a mesma intensidade no fluxo de turistas. No fim de semana que passei por lá, vi hotéis lotados, restaurantes e bares apinhados de visitantes, o que comprova que o pior da pandemia já passou, a vida está voltando ao seu curso natural e o turismo, fundamental para cidades com o perfil de Triunfo, retomou num ritmo promissor.

O verdadeiro forasteiro - Ao chamar o deputado federal Fernando Rodolfo de forasteiro, o também deputado federal e líder do PDT na Câmara, Wolney Queiroz, antecipou um processo natural da disputa por uma vaga na Câmara dos Deputados em 22: a polarização na disputa pelo voto na briga do pleito proporcional entre ele e Rodolfo como verdadeiros representantes da terra. Quem, como Rodolfo, colocou R$ 20 milhões em emendas para Caruaru está longe de ser forasteiro. Wolney deveria ter apontado o dedo para Daniel Coelho, este sim não tem nada a ver com Caruaru, é o forasteiro importado por Mainha Raquel Lyra, como é conhecida a prefeita.

CURTAS 

Jungmann ressuscitado - O ministro da Defesa e da Segurança Pública no Governo de Michel Temer, Raul Jungmann, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro determinou que jatos Gripen sobrevoassem o STF acima da velocidade do som para estourar os vidros do prédio. A declaração foi dada em entrevista à revista Veja. Questionado sobre a demissão dos três comandantes das Forças Armadas, em março, Jungmann afirmou que a ordem sobre os jatos estava por trás das motivações.

Recessão em 22 - O ex-secretário de Política Econômica do governo de FHC, José Roberto Mendonça de Barros, não tem uma boa notícia aos brasileiros sobre o início de 2022. Ele prevê uma “pequena recessão” no período. Para todo o ano eleitoral, ele projeta crescimento de apenas 1,4%, enquanto a média das estimativas do mercado continua em 2,0%. “O cenário desenhado é de situação fiscal complicada, juros mais altos, inflação elevada, risco de apagão. Nada de revolução liberal”, afirmou. 

Perguntar não ofende: O ministro Alexandre de Moraes, do STF, merece sofrer impeachment?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

Um lembrete: para governador ou senador de PE o blogueiro faltou citar o nome do bolsonarista Coronel 1,18% Feitosa (só teve 1,18% de votos para prefeito do Recife). Como se vê, ele é um nome muito forte e não pode ficar de fora.

Wellington Antunes

Se esse Gilson Machado for candidato ao senado ou a governador de PE só vai ter dois votos: o dele mesmo e o do blogueiro. E outra, o blogueiro não sabe que Bolsonaro nem partido tem pra chamar de seu? Como é que vai lançar candidatos em todos os Estados? Dá tempo?


Arcoverde novembro 2021


21/08


2021

Coluna do sabadão

Uma crise sem fim

Por Houldine Nascimento – interino

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) levou adiante a promessa que havia feito no último sábado e apresentou ao Senado um pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A ação tomada ontem é inédita na história republicana. 

O documento destinado para apreciação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), faz críticas diretas ao Judiciário, chegando a afirmar que é “um verdadeiro ator político” e que "deve estar pronto para tolerar o escrutínio público e a crítica política, ainda que severa e dura”. Bolsonaro também acusa Moraes de “atuar como um verdadeiro censor da liberdade de expressão” e de estar "ruindo com os pilares do Estado Democrático de Direito”.

Na peça, o presidente questiona o inquérito das fake news, conduzido por Alexandre de Moraes e que incluiu o próprio Bolsonaro entre os investigados. O procedimento foi aberto de ofício, ou seja, sem a participação da Procuradoria Geral da República (PGR) por decisão do então presidente do STF, ministro Dias Toffoli. Contudo, o artigo 43 do regimento do STF prevê a abertura de inquérito nesses moldes e o plenário validou a investigação em junho de 2020 por 10 votos a 1.

Pouco tempo depois de o pedido ser protocolado por um funcionário do Planalto no Senado, o STF emitiu uma nota em repúdio à medida do chefe do Executivo: “O Estado Democrático de Direito não tolera que um magistrado seja acusado por suas decisões, uma vez que devem ser questionadas nas vias recursais próprias, obedecido o devido processo legal.”

“O STF, ao mesmo tempo em que manifesta total confiança na independência e imparcialidade do Ministro Alexandre de Moraes, aguardará de forma republicana a deliberação do Senado Federal”, prossegue o comunicado. Um aditivo para a já explosiva crise entre os poderes.

Sem fundamentos – De São Paulo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, se pronunciou ainda ontem sobre o pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes. Ela afirmou que vai analisar a peça, mas que não antevê fundamentos: “Sinceramente não antevejo fundamentos técnicos, jurídicos e políticos para impeachment de ministro do Supremo, como também não antevejo em relação a impeachment de presidente da República. O impeachment é algo grave, algo excepcional, de exceção, e que não pode ser banalizado. Mas cumprirei o meu dever de, no momento certo, fazer as decisões que cabem ao presidente do Senado.”

Trava – O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), vai manter suspensa a sabatina do ex-advogado-geral da União, André Mendonça, para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. A medida é uma reação ao pedido de impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes feito pelo presidente Bolsonaro. Alcolumbre disse que não será possível avaliar alguma indicação do presidente caso a relação entre os poderes da República se mantenha tensa.

Reações no Parlamento – Vários congressistas se manifestaram contra a atitude do presidente. “Bolsonaro, vá procurar o que fazer! Nós estamos com mais de 14 milhões de desempregados, 19 milhões de famintos, inflação descontrolada! Cuide dos problemas reais do país”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP); “Vergonha! Um presidente da República que ameaça a independência entre os poderes, desrespeita a Constituição e atenta contra o Estado de Direito”, afirmou o senador Humberto Costa (PT-PE); “O destino provável e justo do pedido de Bolsonaro será o arquivo”, explanou o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE); “A fragilidade técnica da peça do pedido de impeachment deixa claro que nessa atitude está apenas o desejo de criar uma nova bandeira mobilizadora para sua militância”, declarou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM).

“Forasteiro” – O deputado federal Wolney Queiroz (PDT-PE) reagiu de forma ríspida a uma colocação atribuída ao colega de Câmara Fernando Rodolfo (PL-PE) sobre ter sido o parlamentar que destinou mais emendas para Caruaru, cidade natal do pedetista. “Isso é mentira e conversa pra boi dormir. Primeiro que Fernando Rodolfo é de Garanhuns, não é daqui. É um forasteiro que está se apropriando do voto de Caruaru. Não tem nada que se assemelhe, que chegue perto dos recursos que eu boto em Caruaru”, disse em entrevista ao comunicador Cesar Lucena, na Rádio Cultura do Nordeste.

Resposta – O deputado Fernando Rodolfo rebateu a declaração de Wolney: “Eu não sabia que ele faz esse tipo de política baixa. Tinha outra impressão. Caruaru não merece isso. Caruaru merece trabalho e esse recado ele ainda não entendeu, por isso penaliza a gestão municipal simplesmente porque não simpatiza com a prefeita. Até agora já destinei para a cidade cerca de R$ 20 milhões em apenas dois anos e meio de mandato. Me chamar de forasteiro é uma agressão barata, desnecessária e covarde. Quero debater Caruaru com ações, com ideias, com trabalho e não com politicagem rasteira.”

CURTAS

NÚMERO ESPERANÇOSO – O Ministério da Saúde repassou para Pernambuco mais de 9 milhões de vacinas contra a Covid-19. O Estado recebeu 401.330 novas doses ontem: 215.300 da Coronavac/Butantan e 186.030 da Pfizer/BioNTech.

COMEMORAÇÃO – O governador Paulo Câmara (PSB) celebrou a quantidade de doses enviadas ao Estado até o momento. “Esse é um número que nos estimula a continuar firmes no enfrentamento à doença”, declarou.

Perguntar não ofende: Quando o Brasil vai sair dessa grave crise institucional?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021


20/08


2021

Coluna da sexta-feira

Interior lidera transparência

Por Houldine Nascimento – interino

Cinco cidades do interior ocupam as primeiras posições no Índice de Transparência dos Municípios Pernambucanos (ITMPE), que avalia os sites oficiais e os portais da transparência de prefeituras e câmaras. O Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE) é o responsável pelo levantamento, que busca estimular a melhoria da transparência pública.

O balanço avaliou o período de agosto de 2020 a fevereiro de 2021. O top 3 é formado por municípios do Agreste Central: Gravatá lidera, com índice de 0,98 (389 pontos), seguida por São Bento do Una (384) e Cupira (381), ambas com 0,96. Triunfo (377 pontos ou 0,95), no Sertão do Pajeú, e Caruaru (0,94 ou 375), também no Agreste Central, completam o pelotão da frente.

Outros municípios com boa colocação: Bom Conselho, Flores, João Alfredo e Toritama (0,93); Petrolina e São Benedito do Sul (0,90); São José do Belmonte e Surubim (0,89), além de Garanhuns (0,88). Duas cidades da Região Metropolitana aparecem na 15ª posição (0,87): Ipojuca e São Lourenço da Mata, ladeadas por Arcoverde, no Sertão, e Belo Jardim, no Agreste.

Chama atenção Recife no 19º lugar, com 0,86, empatado com o município de Cortês, na Mata Sul. Jaboatão dos Guararapes (0,84) e Olinda (0,75) surgem mais atrás. Todas as citadas estão no nível de transparência “desejado”. Setenta e quatro municípios ostentam essa condição.

Cem estão no nível “moderado”, seis figuram com o patamar “insuficiente” e quatro no nível “crítico”. Nenhuma prefeitura ficou no nível de transparência “inexistente”. O TCE utilizou como critérios de avaliação: informações gerais, receita, despesa, licitações, contratos, instrumentos de transparência da gestão fiscal, informações de agentes políticos e servidores, entre outros.

Num comparativo com 2018, houve uma redução de 37,5% das prefeituras que estavam nos níveis mais baixos de avaliação (crítico e insuficiente). No entanto, houve redução de 28,2% no total de prefeituras que estavam no nível de transparência desejado e elevação de 53,8% entre as prefeituras que foram enquadradas no nível moderado.

Piores índices – As cidades que estão em nível crítico são Mirandiba (0,01), Águas Belas (0,04), Tracunhaém (0,05) e Palmeirina (0,08). Em relação a 2018, Mirandiba deixou de estar entre os municípios com patamar desejado, enquanto Águas Belas e Palmeirina caíram de moderado para crítico. A única que permaneceu com baixíssima transparência foi Tracunhaém. Quixaba (0,27), Palmares (0,40), Limoeiro (0,41), Jaqueira (0,47), Cumaru e Maraial (ambas com 0,49) atingiram nível insuficiente.

Avaliação das Câmaras – O TCE-PE também analisou a situação das câmaras municipais: 49 foram enquadradas no nível de transparência desejado, 112 em moderado, 18 como insuficiente e cinco em estado crítico. Assim como as prefeituras, nenhuma Câmara ficou com nível de transparência inexistente. Em relação a dois anos atrás, o levantamento mostra que houve uma redução de 39,5% no número de câmaras que se encontravam enquadradas nos níveis mais baixos de avaliação (crítico, insuficiente ou inexistente). No nível desejado, houve uma redução de 12,5% e um aumento de 24,4% entre as que atingiram o patamar moderado este ano.

Convocação – O deputado federal Danilo Cabral (PE), que é líder do PSB na Câmara, protocolou um pedido de convocação do ministro Milton Ribeiro na Comissão de Educação da Casa Legislativa para que ele preste esclarecimentos a respeito de declarações recentes sobre crianças com deficiência nas escolas. Em visita ao Recife, ontem, Ribeiro disse que há crianças com “um alto grau de deficiência que é impossível a convivência”. Antes, em entrevista à TV Brasil, o ministro da Educação havia dito que a inclusão de alunos com deficiência em sala “atrapalha o aprendizado dos outros”.

Cobrança – Líder da Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o deputado estadual Antonio Coelho (DEM) ocupou a tribuna para cobrar ao governador Paulo Câmara (PSB) a regulamentação imediata da Lei Complementar 427/2020. De autoria do Executivo estadual, a legislação prevê o pagamento de pensão integral aos dependentes de servidores públicos estaduais efetivos, que tenham falecido no exercício de atividade essencial e presencial, durante a pandemia da Covid-19.

Cidadão itapetinense – O jornalista e titular desta coluna, Magno Martins, recebeu o título de cidadão de Itapetim na noite de ontem, em sessão solene na Câmara Municipal. A cerimônia foi prestigiada por algumas autoridades, entre as quais: os prefeitos Adelmo Moura (Itapetim-PE) e Augusto Valadares (Ouro Velho-PB), vereadores e secretários. A presidente da Câmara, Jordânia Siqueira (PSB), abriu as portas da Casa Legislativa para a homenagem, que tem o vereador Júnior de Diógenes (PSB) como autor. Nos agradecimentos, Magno enfatizou: “o Reino Encantado da Poesia é Itapetim”. Hoje, o jornalista receberá o título de cidadão de Serra Talhada, completando a agenda de honrarias no Sertão do Pajeú.

CURTAS

SEM DESPEJO – A Alepe aprovou, ontem, o Projeto de Lei 1010/20, conhecido como “Despejo Zero”. Com autoria das codeputadas Juntas (PSOL), a matéria suspende o cumprimento de mandados de reintegração de posse, despejos e remoções judiciais ou mesmo extrajudiciais no Estado enquanto durar a pandemia. O PL agora segue para sanção do governador Paulo Câmara.

VACINAÇÃO – A Prefeitura de Olinda promove, hoje, uma virada da vacinação contra a Covid-19. A iniciativa é para quem tem 18 anos ou mais e precisa tomar a primeira ou segunda dose do imunizante. A maratona vai das 9h desta sexta-feira (20) até as 20h de amanhã, na Vila Olímpica, em Rio Doce. Não é necessário agendamento. Basta levar um documento de identificação com foto e comprovante de residência.

Perguntar não ofende: Geraldo Julio esconde o jogo sobre a candidatura ao Governo em 2022?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC - Férias de Janeiro


19/08


2021

Coluna da quinta-feira

Foto: Marcello Patriota

Nasce um egipciense

Por Houldine Nascimento – interino

A Câmara Municipal de São José do Egito, no Sertão do Pajeú, promoveu uma sessão solene, ontem, para a entrega do título de cidadão ao jornalista Magno Martins, titular deste blog. A proposição do vereador Albérico Tiago (PP), aprovada por unanimidade, garantiu um novo momento de honraria para Magno, que acumula uma série delas nos últimos anos.

Não é casual: são mais de 40 anos de carreira (e 15 dedicados a este blog). O presidente da Câmara, Leônidas Campos (PSB), deu as boas-vindas ao jornalista, filho do Pajeú: “De minha parte, seria um erro injustificável não exaltar aqui a ética jornalística pela qual se norteia o profissional Magno Martins quanto ao compromisso fundamental com a veracidade dos fatos, onde é notória a responsabilidade presente em tudo o que diz respeito à qualidade da informação apurada e a imparcialidade e correção com que deve chegar às pessoas, o que o torna uma referência para nós todos.”

A homenagem ocorreu com a presença de parlamentares, amigos, da namorada, Nayla Valença; do irmão Augusto Martins, secretário de Cultura de Afogados da Ingazeira; e da cunhada Socorro Martins. Na terra conhecida como Berço Imortal da Poesia, coube ao novo filho tecer as palavras mais sensiveis da noite, fazendo referência ao jornalista egipciense Inaldo Sampaio, já falecido, e ao ofício jornalístico.

“Como disse Gabriel García Márquez, a ética deve sempre acompanhar o jornalismo, da mesma forma que o zumbido acompanha o besouro. Saio daqui mais energizado, estimulado e animado para continuar essa jornada que é, antes de tudo e sobretudo, a prática diária da inteligência, o exercício cotidiano do caráter.”

“Não sou poeta, mas como Carlos Drummond de Andrade, que disse ter duas mãos e o sentimento do mundo, meu mundo do Pajeú, nossa nação pajeuzeira, do canto fácil e doce, me inspira. Faz meus textos terem a suavidade das confissões amorosas de José de Alencar à sua Iracema dos lábios do mel.”

Mais honrarias – As homenagens a Magno Martins seguem hoje e amanhã no Pajeú. Logo mais, às 20h, recebe o título de cidadão itapetinense. A proposição é do vereador Júnior de Diógenes (PSB). No dia seguinte, vai a Serra Talhada receber a mesma honraria, que será concedida a partir de uma proposta do vereador China Menezes (PP). As sessões solenes organizadas nas Câmaras Municipais seguem os protocolos sanitários de combate à Covid-19.

Ministro excludente – Repercute negativamente a fala do ministro da Educação, Milton Ribeiro, sobre crianças com deficiência em sala de aula. “A criança com deficiência era colocada dentro de uma sala de alunos sem deficiência. Ela não aprendia. Ela atrapalhava, entre aspas, essa palavra falo com muito cuidado, ela atrapalhava o aprendizado dos outros porque a professora não tinha equipe, não tinha conhecimento para dar a ela atenção especial”, declarou em entrevista à TV Brasil no último dia 9.

Reações – A declaração capacitista gerou reações. A filha do senador Romário (PL-RJ), Ivy Faria, que tem síndrome de Down, respondeu em carta publicada nas redes sociais: “A fala do senhor revela muita falta de educação. Como pode achar que a deficiência torna alguém incapaz de estudar? A deficiência não nos torna incapaz de nada, basta que tenhamos oportunidade”, escreveu. A fala preconceituosa de Ribeiro se soma a outra afirmação catastrófica na mesma entrevista: ele chegou a dizer que a “universidade deveria ser para poucos”. 

Corpo a corpo – A deputada federal Marília Arraes (PT-PE) retomou as reuniões presenciais com apoiadores de diversos bairros do Recife e de cidades vizinhas. A parlamentar se encontra hoje com um grupo na Várzea, Zona Oeste da capital pernambucana. Ela informa que está atendendo a convites de lideranças comunitárias e sindicais, mas “sempre respeitando os cuidados e regras de segurança sanitária e de combate à Covid-19”. Com pedidos na fila de espera, a agenda de encontros teve início na quinta-feira passada, em Jardim São Paulo, também na Zona Oeste recifense.

Segregação – Pegou muito mal a tentativa de implantar um sistema de pagamento em Fernando de Noronha (PE) a partir de pulseiras coloridas que distinguem o usuário de acordo com o poder aquisitivo. O projeto “Um novo jeito de viver Noronha” previa a distribuição dos acessórios em cinco cores para ilhéus, turistas, artistas e influenciadores. Entre elas: a cinza, sem necessidade de recarga, seria destinada a moradores, enquanto a ‘black’ para recargas acima de R$ 10 mil. Já a roxa teria as benesses da preta e seria distribuída para celebridades. Pelas críticas na internet, o grupo Meep – responsável pelo projeto – e a Administração de Noronha abortaram a ideia.

CURTAS

REPRESENTAÇÃO – O vice-presidente da CPI da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), anunciou que vai entrar com uma representação contra a subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, no Conselho Nacional do Ministério Público.

MOTIVO – Lindôra rejeitou dois pedidos, do PT e do PSOL, para investigar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por não utilizar máscara em atos com apoiadores, contrariando leis estaduais e federal. Para justificar sua posição, a subprocuradora pôs em xeque o uso de máscara como medida de proteção contra a Covid-19.

Perguntar não ofende: Passou da hora de exonerar o ministro da Educação?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Cícero Ramos de Souza

A fala do ministro retrata somente a realidade. Ou se prioriza o atendimento da criança deficiente ou dos demais alunos. Isso é ciência. Não há como atender as duas situações. Uma ou outra vai ser prejudicada. Não há como atender as duas situações em uma mesma sala se aula.

Joao

Não apenas o ministro da educação, mas todo essa corja que está no poder, lambendo e se lambuzando do mesmo juntamente com acéfalos, não esquecendo de Aras e Lindôra que ratificam aos devaneios e absurdos cometidos pelo Bozo!


Bandeirantes novembro 2021


18/08


2021

Coluna da quarta-feira

Reforma eleitoral avança

A Câmara dos Deputados aprovou, ontem, em segundo turno, a proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma eleitoral. O texto traz de volta as coligações entre partidos nas disputas proporcionais e restringe o alcance de decisões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre as eleições. O texto segue agora para o Senado, onde também precisará ser aprovado em dois turnos e deve encontrar resistências.

A PEC foi aprovada em segundo turno por 347 votos contra 135. Foram três abstenções. Não houve até o momento mudanças no texto em relação ao que foi aprovado na semana passada, e neste momento os deputados votam os 11 destaques feitos ao texto. As coligações proporcionais foram extintas pelo Congresso em 2017, e as eleições de vereadores em 2020 foram as únicas realizadas sob a vigência da regra.

A volta das coligações é fruto de um acordo entre deputados governistas e os principais partidos de oposição, principalmente o PT, ainda no primeiro turno. No acordo, o “distritão”, que até então era o mote da proposta, foi excluído do texto em troca do retorno das coligações.

A reforma aprovada pela Câmara atende aos interesses dos pequenos partidos e deverá frear a queda na fragmentação do sistema político -- o fim das coligações proporcionais tinha por objetivo diminuir o número de siglas. Com a volta das coligações, a tendência é que o país continue tendo um grande número de legendas com representação no Congresso, inclusive aquelas sem linha ideológica clara.

"A volta das coligações é legítima, é o direito que você tem de coligar com outro partido da mesma ideologia. E quem tem que resolver (...) o modelo eleitoral do Brasil é o Congresso Nacional brasileiro, não é o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Eu já ouvi falar que o ministro (Luís Roberto) Barroso (presidente do TSE) não aceita as coligações. O ministro Barroso não manda no Parlamento brasileiro. O TSE tem que acatar a decisão do Congresso Nacional brasileiro, que quer a volta das coligações", disse o deputado José Nelto (Podemos-GO), vice-líder do partido.

"Eu sempre fui contra as coligações proporcionais. Sempre fui e continuo sendo. Não acho que é o melhor caminho. Mas eu participei de uma negociação política efetiva, onde aqueles que queriam apoiar o 'Distritão' abriram mão deste embate, para manter o sistema proporcional. E neste acordo nós assumimos (...) a ética do mal menor, que é a volta das coligações", disse o deputado Henrique Fontana (PT-RS), que foi o relator de uma reforma política anterior aprovada pelo Congresso.

Imposto de renda – Sobre a votação do projeto que altera as regras do Imposto de Renda, o presidente da Câmara, Arthur Lira, disse, ontem, que tentará votar o projeto novamente, mas sabe que pode haver resistências. Na semana passada, ele chegou a pautá-lo em plenário, mas até mesmo aliados pediram o adiamento. “Tema desse nunca vai dar acordo. Em um país que quer quebrar o paradigma de tachar dividendos e com R$ 330 bilhões que nunca pagaram um centavo de imposto, não vão querer pagar agora sem reagir. É normal que haja empurra-empurra de textos”, disse.

Reflexos na economia – O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou, ontem, que, discutir pedidos de impeachment de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), como os que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quer apresentar, “não é recomendável” e prejudicaria a recuperação econômica e o combate à pobreza no país. “Essa pauta propositiva do Brasil ficaria realmente muito prejudicada com o esgarçamento das instituições e é isso que nós temos que evitar e encontrar as ações que sejam realmente salutares, sejam positivas para esse ambiente de pacificação”, declarou.

Impeachment – O ex-prefeito e candidato ao Planalto em 2018, Fernando Haddad (PT-SP), e o deputado Rui Falcão (PT-SP), recorreram da decisão da ministra Cármen Lúcia, do STF, de rejeitar mandado de segurança que pedia que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fosse obrigado a analisar pedido de impeachment contra Jair Bolsonaro. O agravo pede que seja determinado o imediato processamento da denúncia por crimes de responsabilidade cometidos pelo presidente da República Jair Bolsonaro por parte de Arthur Lira, e a leitura no expediente da primeira sessão plenária subsequente ao recebimento da notificação da decisão da Corte.

Mudou o tom – Em audiência pública, ontem, na Câmara, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, adotou tom cauteloso diante da escalada de tensão dos últimos dias entre o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal e procurou amenizar declarações do presidente Jair Bolsonaro de que as Forças Armadas têm papel de “poder moderador” numa eventual crise. Após o Estadão revelar que o Braga Netto ameaçou, em julho, a realização das eleições de 2022 ao voto impresso no País, o general tentou desvincular os militares de qualquer plano de ruptura institucional. Negou que tenha feito ameaça à democracia e, diante de uma plateia de deputados, disse que nunca houve ditadura militar no Brasil.

Foi só um susto – Fátima Bernardes vai continuar afastada do comando do Encontro nos próximos dias por decisão da Globo. Após mal-estar, ontem, quando foi substituída por Fernanda Gentil, a apresentadora ficará em isolamento. Isso porque, mesmo testando negativo para a covid-19 após exame, Fátima terá que seguir os protocolos da Globo. Assim, ela vai continuar afastada até segunda ordem. Quando vi a notícia, ontem, pensei que ela iria se afastar para se dedicar à campanha do seu love em Pernambuco, o deputado Túlio Gadelha, eleito por causa da popularidade dela.

CURTAS

PE ACOLHE – Uma iniciativa para conceder meio salário mínimo para crianças e adolescentes que perderam pai e mãe para a Covid-19 foi anunciada, ontem, pelo Governo do Estado. O projeto de lei prevê o benefício de R$ 550 para quem tem até 18 anos e será enviado na próxima semana para a Assembleia Legislativa. Para começar a valer, o Pernambuco Acolhe depende da aprovação dos deputados estaduais e, depois, da assinatura do governador Paulo Câmara (PSB).

ADOLESCENTES – O Governo do Estado liberou, ontem, a vacinação contra Covid-19 para adolescentes com deficiências permanentes, doenças pré-existentes e jovens que estão em instituições para infratores. Também serão contempladas grávidas e mulheres no período de um ano após o parto. O público beneficiado tem entre 12 e 17 anos

Perguntar não ofende: O Senado mantém a volta das coligações na reforma aprovada ontem pela Câmara em segundo turno?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão


17/08


2021

Coluna da terça-feira

Senador sai do MDB ou PT

Na montagem da aliança que passa pela cabeça de Lula, o PSB, que paparicou por dois dias no Recife, abrindo a maratona pelo Nordeste, terá papel de ator principal, não de figurante. Dos socialistas, nos planos para voltar ao poder, o ex-presidiário abocanha tempo na TV, sua coligação amplia o território da esquerda e em contrapartida em Pernambuco seus aliados acham que criam as condições para emplacar o sucessor de Paulo Câmara, pegando carona na popularidade de Lula.

Lula fez uma agenda em Pernambuco para atrair também outros partidos, como o Republicanos e o PSD, abrindo espaço para o centro direita. Conversou com André de Paula, presidente estadual do PSD, e Silvio Costa Filho, presidente dos Republicanos. Ambos sonham em disputar o Senado e por isso mesmo aceitaram posar para fotos com um ex-presidiário, mesmo ocupando cargos no Governo Bolsonaro, a quem Lula combate tenazmente.

A política é feita de jogo e definida por estratégias, mas são mínimas as chances do Republicanos ou do PSD emplacarem uma vaga na chapa majoritária do PSB. O raciocínio é muito lógico e elementar: PSB e PT, juntos, decidirão o que acharem mais conveniente. Cabeça de chapa, os socialistas oferecerão ao PT o Senado ou a vice na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas.

Nesta aliança com Lula, que o PT acha que vai lavar a burra, os interesses locais não prevalecerão. Com Lula na disputa, o PT, frágil hoje no Congresso, irá exigir de Paulo Câmara a vaga para o Senado. Isso se o MDB não atrapalhar. O que se ouve nos bastidores é que o senador Fernando Bezerra Coelho seria o nome preferido de Geraldo Júlio, o Covidão, na disputa para o Senado, caso o ex-prefeito seja o candidato a governador indicado pelo PSB.

Concretizada esse regresso de FBC à base governista, André e Silvio Filho, sonhadores acordados com a vaga ao Senado, serão obrigados a tirarem o cavalinho da chuva, porque, pela ordem de grandeza e importância, o MDB, na aliança estadual, não abrirá mão da vaga para o Senado. 

Resumo da ópera: o candidato a senador na chapa governista sairá do MDB ou do PT, nunca do PSD ou Republicanos.

FHC fez história – Lula, o ex-presidiário da Lava Jato, já está cantando de galo antes do tempo. Arrotando beicinho de eleito sem o teste das urnas, disse, ontem, na coletiva no Recife, que vai pegar em 2023, ano da posse do novo chefe da Nação, um Brasil pior do que deixou em 2012. “Tenho clareza de que pegaremos o Brasil em 2022 muito pior do que eu peguei em 2003”, afirmou. Em política, cantar vitória antes da hora dá um azar terrível. Que diga FHC, que chegou a sentar na cadeira de prefeito e o escolhido pelo povo foi Jânio Quadros.

Segurei o vômito– Ao ver, ontem, a foto do deputado André de Paula, de DNA macielista, de extrema direita conservadora, agarrado com Lula e Humberto Costa, me deu náuseas. No túmulo, os restos mortais de Marco Maciel devem ter sido revirados. De volta à cena nacional, o chefe da quadrilha do mensalão está exercitando a sua maior virtude, a de enganar. Quanto a André, antes de beijar a mão do ex-presidiário, deveria entregar os cargos federais que aliados ocupam no Estado. A fraqueza política é apenas uma consequência das escolhas do povo.

Folha seca – Além de provocar repugnância, a imagem de André de Paula agarrado a um ex-presidiário revoltou profundamente os macielistas de raiz. Um deles assim reagiu: “Só quem não aprendeu a ser gente com Marco Maciel procura Lula”. Roberto Magalhães disse, certa vez, que a política é diabólica. Tem razão, porque assim se comportam os políticos oportunistas, que mudam de lado como folha seca.

Tudo mentira – Os bolsonaristas espalharam vídeos em grupos, entre domingo e ontem, com hostilidades da população a Lula, mas nenhum deles é verdadeiro. O primeiro, ele num ônibus, em Boa Viagem, é muito antigo e o segundo, uma ida do ex-presidiário a um restaurante, sendo recebido com o coro “Lula ladrão”, também é velho e se passou num restaurante em Natal, a charmosa capital do Rio Grande do Norte. Até onde vai parar essa indústria maluca e neurótica das fake news?

Terceira via a caminho – Na passagem vapt-vupt pelo Recife e com mais tempo para Caruaru, na sexta-feira passada, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, pré-candidato ao Planalto, agradou em cheio. Simpático, educado e gentil, arriscou até uns passos de forró na apresentação de um grupo tradicional no Pátio do Forró organizado pela prefeita anfitriã Raquel Lyra. Leite tem carisma e preparo, mas precisa, antes, ganhar as prévias tucanas para viabilizar seu voo ao Planalto, com chances de virar a terceira via na corrida presidencial.

CURTAS

Mentiroso – Duas usinas para produção de energia solar com capacidade para abastecer 50 veículos elétricos vão ser construídas em Fernando de Noronha. Segundo a Celpe, os equipamentos estão na ilha e a primeira usina vai ser instalada na região da Vacaria até dezembro de 2021. A informação foi divulgada por Mario Ruiz-Tagle, diretor da Neoenergia, grupo ao qual a Celpe pertence.

Isso é o Zeca – O sambista Zeca Pagodinho resolveu presentear os médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem da Casa de Saúde São José, no Humaitá, durante a noite de domingo passado com uma “canja”. Internado com Covid-19, o músico cantou trechos de sambas-canção gravados por Lupicínio Rodrigues e Silvio Caldas.

Perguntar não ofende: Por que Lula não anda de avião de carreira nem vai às ruas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Perguntar não ofende: por que o blogueiro puxa-sacos do acéfalo, dos Feitosa, dos Ferreira e dos Coelhos, acho que não mais dos últimos, não fala das rachadinhas doa ZEROS, bem como da casinha de Flavinho chocolate? Será que aprendeu com cloroquina!




16/08


2021

Coluna da segunda-feira

O banquete e Santo Agostinho

O PSB de Pernambuco tem todo o direito de abraçar-se com Lula, ex-presidiário da Lava Jato, esquema que desviou dos cofres públicos da Nação a bagatela de R$ 40 bilhões. Tem direito também de renovar o namoro que redundará, certamente, em casamento para as eleições presidenciais do ano que vem, recebendo em troca o apoio do PT para se manter no Governo do Estado.

Só não tem o direito de gastar o meu, o seu, o dinheiro do contribuinte, num banquete para Lula no Palácio do Campo das Princesas em pleno domingo. Lula não é mais chefe de Estado nem autoridade pública. Não goza, portanto, dessa regalia, aberração do governador Paulo Câmara, o impostor. Num Estado nordestino, em que a fome mata e assola milhares de miseráveis, servir lagosta, caviar e camarão, com vinhos finos e uísque, a um presidiário, com o dinheiro dos nossos impostos, é um acinte.

Com a chibata do poder nas mãos no Estado e na Prefeitura do Recife desde que Eduardo Campos se elegeu em 2006, o PSB governa de costas para o povo. E quando isso acontece, a prosperidade ou a ruína de um estado depende da moralidade de seus governantes. Na gestão pública, não sabe o PSB, o que conta é o mínimo de respeito ao cidadão, não a permissividade passiva, fruto de uma administração provinciana e irresponsável.

A moralidade está além da legalidade. Torrar dinheiro público com ex-presidiário, para se discutir uma aliança politica na cozinha e no salão do prazer palaciano, é má administração. E a má administração do dinheiro público, associada à corrupção, gangrenam a sociedade brasileira. Para ser um grande governante não precisa ser um nacionalista ou estadista. Basta respeitar o que é alheio, não premiar corruptos em jantares com o nosso dinheiro.

A sociedade não tem medo nem nojo apenas de governos tiranos, mas de governantes que se lambuzam em banquetes pagos pelo povo. O exemplo da boa governabilidade do Estado não é em si o caráter e o bom empenho do governante, mas, sobretudo, a dignidade e o afinco dos que compõem o quadro de posições firmes em defesa dos mais frágeis, carentes e dependentes do poder.

Para governar um Estado há de se ter, no mínimo, decência. Sem isso, a tendência é o abismo. Não sabe o governador que a força mais poderosa da liderança de um chefe de Estado é o exemplo e o que ele fez ontem foi um péssimo exemplo. Não sabe que a maior força de uma liderança está na causa que ela serve, não em agradar homens maus, que fazem maldades. Lula fez um grande mal à Nação. É loucura imaginar diferente. Já ouvi que o mal dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios.

Ao ler essa coluna, hoje, o governador poderia fazer uma reflexão sobre os ensinamentos de Santo Agostinho, que dizia preferir os que o criticavam, porque o corrigiam, enquanto os que o elogiavam, tentavam corrompê-lo.

PT nada em dinheiro – O imponente jatinho que deixou Lula e sua comitiva, ontem, no Recife, é digno de chefes de Estado, não de ex-presidiário. Chamou tanto atenção ao taxiar no hangar da Weston que o PT foi rápido no gatilho. Antes que aparece insinuações de que algum empreiteiro estava bancando a festa, o partido emitiu um comunicado que a dinheirama do aluguel da aeronave estava saindo dos cofres do partido. O PT é um partido rico. Segundo nota do TSE de junho de 2020, o PT embolsou R$ 200,9 milhões do chamado Fundo Partidário, o Fundão.

A ira de Tábata – O prefeito do Recife, João Campos, não queria ir ao banquete de ontem, em Palácio, para o ex-presidiário Lula, temendo desagradar a futura primeira-dama Tábata Amaral, que não morre de amores pelo PT nem tampouco pela figura de Lula. Ainda está engasgada com a baixaria que o PT pernambucano, com a anuência de Lula, promoveu na eleição passada no Recife, onde o grande amor de sua vida foi chamado de corrupto.

O mundo dá voltas – Depois de trair Ciro Gomes e abandonar o PDT, o deputado Túlio Gadelha, que ganhou notabilidade nacional apenas por ser namorado da apresentadora global Fátima Bernardes – ninguém, na verdade, de bom senso, sabe o que ele faz em Brasília – foi flertar com o ex-presidiário Lula, ontem, num hotel do Recife, e saiu de lá fazendo rasgados elogios ao chefe da quadrilha da Lava Jato. Quem te viu, quem te vê, hein?

Passou a tristeza – Líder do PCdoB na Câmara, o deputado Renildo Calheiros também foi paparicar o ex-presidiário. "Ele não se coloca como candidato a presidente, mas como um brasileiro interessando que o brasileiro não tenha tantos problemas, alguém interessado que as coisas melhorem", disse. Lembrou que, da última vez que esteve com Lula, após sair da prisão, encontrou um Lula bastante abatido, diferente do astral apresentado ontem. "Ele está muito contente, a gente vê isso no olhar dele", observou.

Oposição altiva – Liderança de oposição em ascensão no Estado, o deputado Alberto Feitosa (PSC), que disputou a Prefeitura do Recife na eleição passada, gravou, ontem, um importante e oportuno vídeo em frente ao Palácio das Princesas, para condenar o que classificou de “banquete do escárnio”, oferecido pelo governador Paulo Câmara ao ex-presidiário do PT na sede do poder estadual. Hoje, ele deve encaminhar um pedido de explicações ao Governo do Estado sobre os custos da farra, com um prazo de 48 horas.

CURTAS

Mentiroso – No encontro que teve, ontem, com lideranças politicas no Recife, o ex-presidiário Lula caprichou no populismo. Disse que ia colocar “os pobres no orçamento e os ricos no imposto de renda”. Não mudou em absolutamente nada. Omitiu que no seu Governo nunca os banqueiros lucraram tanto.

Caindo fora – Líderes caminhoneiros afirmaram, ontem, em Brasília, que a classe rejeita a convocação de manifestações feitas pelo cantor e ex-deputado Sérgio Reis para que presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), “aprove” o voto impresso e derrube os 11 ministros do STF em até 72 horas. Segundo Chorão, presidente da Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores), os caminhoneiros não vão se envolver em discussões políticas".

Perguntar não ofende: Quanto custou aos cofres públicos o banquete do escárnio?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Leticia Medeiros

PT deve ter muito dinheiro, em espécie, escondido em algum lugar do mundo, pois passou 16 anos captando grana de obras de estatais e empreiteiras. E o povo pernambucano ainda paga a conta destes bacanais imorais realizados com verba pública!

Joao

Perguntar não ofende: e aí blogueiro, sabe dizer quanto já custou aos cofres públicos as motociatas idiotas do acéfalo? Sei que quase 600 mil brasileiros já morreram, boa parte por incompetência do governo, de covid-19. Sabe dizer quanto custou verdadeiramente a casa 01?


Coluna do Blog
Publicidade

Publicidade

Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Opinião

Publicidade
Apoiadores
Parceiros