FMO janeiro 2020

01/05


2014

Dilma: ''''Não vou ouvir calada campanha negativa''''

 A presidente Dilma Rousseff (PT) aproveitou o pronunciamento, em cadeia nacional, na noite desta quarta-feira (30), em referência ao Dia do Trabalhador, para fazer uma ampla defesa do seu governo, justificar o reajuste da tarifa da energia elétrica, reafirmar o controle da inflação e reforçar sua posição em relação a Petrobras. As informações são do portal BR 247. 

Numa fala com forte apelo aos trabalhadores – em vez de dirigir-se à população com ''meus queridos brasileiros e brasileiras'' ou ''meus amigos e minhas amigas'', diz ''trabalhadores e trabalhadoras'' –, a presidente defendeu sua política de valorização do salário mínimo e atacou também a oposição.

Ela anunciou o envio de medida provisória ao Congresso que modifica a tabela do Imposto de Renda – nos últimos anos, a correção tem sido de 4,5%. ''Assinei também um decreto que atualiza em 10% os valores do Bolsa Família recebidos por 36 milhões de brasileiros beneficiários do programa Brasil sem Miséria, assegurando que todos continuem acima da linha da extrema pobreza definida pela ONU'', disse Dilma.

CONTRA-ATAQUE A AÉCIO

Alvo de embate com adversários, a política de valorização do salário mínimo, por sua vez, foi usada como arma para contra-atacá-los. Dilma respondeu veladamente a série de críticas disparadas sobretudo pelo pré-candidato Aécio Neves (PSDB-MG), seu principal adversário na corrida ao Planalto neste ano.

''Algumas pessoas reclamam que o nosso salário mínimo tem crescido mais do que devia. Para eles, um salário mínimo melhor não significa mais bem estar para o trabalhador e sua família, dizem que a valorização do salário mínimo é um erro do governo e, por isso, defendem a adoção de medidas duras, sempre contra os trabalhadores'', disse.

NÃO OUVE CALADA

A presidente também condenou o que chamou de uso político da Petrobras – desta vez, por parte de seus adversários, que, outra vez, não citou nominalmente. ''Não vou ouvir calada a campanha negativa dos que, para tirar proveito político, não hesitam em ferir a imagem dessa empresa que o trabalhador brasileiro construiu com tanta luta, suor e lágrimas.''

''O Brasil já passou por isso no passado e os brasileiros não aceitam mais a hipocrisia, a covardia ou a conivência'', afirmou.

Leia mais clicando aí:   Dilma anuncia aumento de 10% no Bolsa Família, correção da tabela do IR e reajuste real do salário mínimo 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

S. C. B. M. = Só Conversa Besteira Mesmo.

S. C. B. M.

Com este desgoverno que temos até hoje o que queres que seja dito ?. INCOMPETÊNNNNNNNNNNNNNNNNCIA.

joao carlos da silva

NUNCA VI TANTAS INVERDADES NUM PRONUNCIAMENTO COMO O QUE FEZ ESSA DESCARADA. ATÉ PINÓQUIO FICOU COM INVEJA. VEJAM, PREGOU GUERRA A CORRUPÇÃO, PODE? AOS APOSENTADOS VAI DÁ AUMENTO DE 5% AO BOLSA ESMOLA SEUS ELEITORES, MANDOU 10%. DEVIA SER PRESA. BOLSANARO JÁ!


Prefeitura de Jaboatão

01/05


2014

Aconchego: PP fica com Dilma

 Por enquanto, o Partido Progressista não vê qualquer porta de saída do governo Dilma ou da campanha pela reeleição. A avaliação do líder na Câmara, deputado Dudu da Fonte (PE), é que uma saída agora deixaria o partido sem ter o que dizer nas urnas. Agora, mal ou bem, estão em um projeto. A informação é de Denise Rothenburg, na sua coluna do Correio Braziliense.

Por sua vez - avalia ainda a colunista - por mais que Dilma Rousseff diga com todas as letras que ela e Lula falam a mesma língua, tem um grupo do PT, especialmente, aqueles ligados a André Vargas, que não acredita mais na candidatura dela. Ela desagradou empresários, politicos e até setores do partido, mas, infelizmente, não podemos dizer isso abertamente, diz um deles.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Mario Chaves Peixoto

Esse Eduardo da Fonte é um verdadeiro hipócrita, gostaria que ele disse sua opinião sobre o aumento recente da tarifa de energia elétrica que o governo federal que ele apoia deu.

adriano barboza ramos

parabéns Eduardo da Fonte o povo de pernambuco vai te da a recompensa, vamos juntos pra vitória..

o povo da de olho

APROVEITADOR IMORAL

adilson jose da silva

Nas próximas eleições, não se esqueçam que esse cara usou o tempo da TV, para enganar o povo, falando em redução da conta de energia. Agora o Pinóquio goza com a cara do povo posando ao lado de Dilma, que autorizou o reajuste nas contas de energia. Os dois se merecem.

Lucidio de Figueiredo Galvão Júnior

Ô MÔ PIRRAIA !! E AS CONTA DE LUZ ????


Cabo de Santo Agostinho

01/05


2014

Para Aécio, fala de Dilma na TV é desespero do governo

 A oposição reagiu e acusou nesta quarta-feira a presidente Dilma Rousseff de uso eleitoral do pronunciamento na TV sobre o Dia do Trabalho. O presidente do PSDB e pré-candidato tucano à Presidência, Aécio Neves, disse que o pronunciamento “representa o desespero de um governo acossado por sucessivas denúncias de corrupção e uma presidente fragilizada pelo boicote da sua própria base, protagonizando um dos mais patéticos episódios já vistos na política brasileira”.

“É lamentável que a primeira mandatária do país abdique, uma vez mais, da necessária compostura que deveria ter ao utilizar um instrumento de Estado, como a cadeia de rádio e televisão, para fazer campanha política e atacar os adversários. (De O Globo - Cristiane Jungblut)

Continue lendo aí:  Para Aécio, pronunciamento de Dilma representa desespero do governo 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

S. C. B. M.

Estão tirando dinheiro da saúde e das estrada para pagar a estes defensores desta quadrilha.

Wellington Antunes

Desespero? Quá...quá..quá...


Prefeitura de Serra Talhada

01/05


2014

Pesquisa: segundo turno acirra divisão no PT

 A nova queda da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto abriu de vez a ferida que divide lulistas e dilmistas dentro do PT e na base aliada do governo. “Sabíamos que havia o desgaste, mas ela está caindo mais rápido do que esperávamos”, assustou-se um integrante da coalizão governista, que não esconde a afinidade com o ex-presidente.

Já o vice-presidente do PT, deputado José Guimarães (CE), acredita que é hora de encerrar as especulações e sepultar de vez o “Volta, Lula”. “Temos de fazer nosso dever de casa, acabar com esse disse me disse e deixar claro que nossa candidata é Dilma Rousseff”, sentenciou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

Os rola bosta hoje estão todos pirados. O que está acontecendo?

S. C. B. M.

Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” para acabar de vez com os trabalhadores,aposentado o Brasil. Quem governa este pais detesta trabalhador e aposentados. Aposentado vamos nos unir,junto com os familiar e exterminar o PT. Fora Dilma

José Pereira da Silva

“Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha



01/05


2014

Esperando crescer o Volta Lula para faturar

 A pregação aberta em torno do Volta, Lula! por parte do PR tem como pano de fundo a vontade do partido de administrar o Departamento Nacional de Estradas e Rodagens, o Dnit.

A autarquia foi prometida ao PR quando da troca de comando no Ministério dos Transportes e, até agora, nada.

Se todos que pregarem o Volta, Lula! forem nessa batida do toma lá dá cá, vai ficar mal para o ex-presidente. (Denise Rothenburg - Correio Braziliense)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Pereira da Silva

“Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

José Pereira da Silva

“Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” “Volta, Lula” hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha


Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap

01/05


2014

Ameaçado, embaixador do Brasil deixa a Venezuela

Leandro Mazzini - Coluna Esplanada

 O embaixador do Brasil na Venezuela até poucos meses atrás, José
Marcondes de Carvalho, deixou às pressas Caracas porque ele em
especial a esposa, uma artista plástica venezuelana, foram ameaçados de morte. O Ministério de Relações Exteriores e o governo brasileiro tratam o caso sigilosamente. Marcondes não abriu o jogo porque é fiel ao ideologismo na linha do governo na parceria com a Venezuela, mas a esposa, crítica ferrenha da era Chávez e do presidente Nicolas Maduro, não segurou a verve e virou alvo de ameaças anônimas.

Marcondes ficou apenas dois anos em Caracas, dos cinco previstos, e as tratativas para sua substituição foram aceleradas. O substituto Ruy Pereira, 59, assumiu em Novembro.

Marcondes é um dos melhores quadros do Itamaraty. Foi negociador-chefe do Brasil na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

01/05


2014

Segura a fera: regime diferenciado

 O governo de São Paulo quer que Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), volte a cumprir pena no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). O secretário de Administração Penitenciária (SAP), Lourival Gomes, afirmou que vai pedir a internação do chefe da facção por um período de 360 dias no RDD.

No dia 9 de abril, Marcola obteve uma liminar na Justiça para deixar o regime de isolamento. Ele ficou no RDD entre os dias 11 de março e 10 de abril deste ano, a pedido do governador Geraldo Alckmin (PSDB), após a descoberta de um plano de fuga cinematográfico da P-2 de Presidente Venceslau.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

joao carlos da silva

SOLTA O RAPAZ, ELE NA FRENTE DE DIRCEU, JENUINO, JOÃO PAULO E DEMAIS MENSALEIROS É UMA CRIANÇA KKKKKKK


O Jornal do Poder

01/05


2014

Gente é para brilhar, não para ser insultada

Carlos Brickmann

 A sacada do lateral Daniel Alves, da Seleção brasileira, de comer a banana que um idiota atirou em campo, teve efeito-cascata instantâneo: despertou a opinião pública para a tragédia do racismo no futebol. É ótimo, mas tardio.

No futebol brasileiro, por exemplo, o racismo é antigo e já foi bem mais explícito. O Palmeiras só contratou o primeiro jogador negro, o volante Og Moreira, em 1942, 28 anos após a fundação do clube (o segundo negro, Djalma Santos, viria em 1959, dez anos após a saída de Og Moreira). O time do Santos era conhecido como ''Melindrosas'', por jogar todo de branco e não aceitar negros no elenco - justo o Santos, que teria Pelé, Coutinho e Edu!

O Fluminense, fundado em 1902, contratou em 1914 um mulato, Carlos Alberto - e, para disfarçar, fez com que entrasse em campo coberto com pó-de-arroz. Valeu até que começasse a transpirar; o Flu ganhou o apelido que ostenta até hoje, ''pó de arroz''.

E a Seleção?

Depois que o Brasil perdeu para o Uruguai em 1950, no Maracanã, surgiu a lenda de que negro não tinha condições emocionais de aguentar a pressão de uma final. À Seleção, ''faltava raça''. Em 1958, houve vários negros convocados, mas os brancos eram preferidos: De Sordi, grande jogador, pôs Djalma Santos, muito melhor, na reserva; Zózimo perdeu o posto para Orlando (que, aliás, jogou um bolão); o mulato Canhoteiro nem foi cogitado para a ponta-esquerda. Didi era titular, mas seu reserva Moacir também era negro. Pelé era Pelé. Djalma Santos jogou só a final, e foi considerado o melhor lateral do mundo. Pelé e Didi liquidaram o mito. Pelé - o Crioulo, o Negrão, o Craque-Café - era indiscutível.

Morreu ali, nos campos da Suécia, a discriminação no time campeão do mundo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Potencial Pesquisa & Informação

01/05


2014

Na TV Dilma ataca a oposição e ajusta Bolsa Família

 

 

 

 

 

 

 

 

Em queda nas pesquisas de intenção de voto, a presidente Dilma Rousseff aproveitou o Dia do Trabalho para anunciar, na noite desta quarta-feira, 30, em cadeia nacional de rádio e TV, medidas como correção da tabela do Imposto de Renda em 4,5%, reajuste de 10% do Bolsa Família para todos os 36 milhões de beneficiários e destacar a “luta pelo emprego e pela renda” do governo pela continuidade da “política de valorização do salário mínimo”.

“Acabo de assinar uma medida provisória corrigindo a tabela do Imposto de Renda, como estamos fazendo nos últimos anos, para favorecer aqueles que vivem da renda do seu trabalho. Isso vai significar um importante ganho salarial indireto e mais dinheiro no bolso do trabalhador”, afirmou Dilma.

“Assinei também um decreto que atualiza em 10% os valores do Bolsa Família recebidos por 36 milhões de brasileiros beneficiários do programa Brasil sem Miséria, assegurando que todos continuem acima da linha da extrema pobreza definida pela ONU. Anuncio ainda que assumo o compromisso de continuar a política de valorização do salário-mínimo.”

A presidente fez ataques indiretos aos adversários que enfrentará nas urnas. “Algumas pessoas reclamam que o nosso salário mínimo tem crescido mais do que devia. Para eles, um salário mínimo melhor não significa mais bem-estar para o trabalhador e sua família, dizem que a valorização do salário mínimo é um erro do governo e, por isso, defendem a adoção de medidas duras, sempre contra os trabalhadores”, afirmou, em referência a frase atribuída ao economista Armínio Fraga, conselheiro do tucano Aécio Neves no setor. “Nosso governo nunca será o governo do arrocho salarial, nem o governo da mão dura contra o trabalhador.”

Mudança. Ao comentar o desejo de mudanças no governo detectados pelas pesquisas, Dilma defendeu que isso pode ocorrer sob seu comando. “Nosso governo tem o signo da mudança e, junto com vocês, vamos continuar fazendo todas as mudanças que forem necessárias para melhorar a vida dos brasileiros, especialmente dos mais pobres e da classe média”, disse.

“Continuar com as mudanças significa também continuar lutando contra todo tipo de dificuldades e incompreensões, porque mudar não é fácil, e um governo de mudança encontra todo tipo de adversários, que querem manter seus privilégios e as injustiças do passado, mas nós não nos intimidamos.”

Dentro do discurso econômico que levará para a campanha, ela procurou enfatizar ganhos de renda e geração de empregos dos últimos anos. “Vocês que estão nas fábricas, nos campos, nas lojas e nos escritórios sabem bem que estamos vencendo a luta mais difícil e mais importante: a luta do emprego e do salário. Não tenho dúvida, um país que consegue vencer a luta do emprego e do salário nos dias difíceis que a economia internacional atravessa, esse país é capaz de vencer muitos outros desafios.”

Petrobrás. Responsabilizada pelos partidos de oposição por ter autorizado, quando presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, a compra da Refinaria de Pasadena, a presidente Dilma Rousseff aproveitou o pronunciamento para prometer “combate incessante e implacável à corrupção”.

Depois de afirmar que a exposição desses fatos “causa indignação e revolta”, definiu a Petrobrás com “a mais bem-sucedida empresa brasileira” e prometeu: “O que tiver de ser apurado deve e vai ser apurado com o máximo rigor”. Ao concluir, a presidente afirmou: “Não vou ouvir calada” aqueles que, “por proveito político, não hesitam em ferir” a imagem da Petrobrás. (De O Estado de S.Paulo - João Domingos e João Villaverde 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


30/04


2014

Aécio: "Eu me autointitulo candidato do agronegócio"



























Estadão Conteúdo.

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves, disse nesta quarta-feira (30), ao chegar à Agrishow, em Ribeirão Preto, no Interior de São Paulo, que se autointitula "o candidato do agronegócio". A declaração ocorre após uma série de críticas de líderes do setor ao Governo Federal e à presidente Dilma Rousseff (PT), pré-candidata à reeleição, e da cobrança de projetos efetivos por parte dos candidatos à sucessão.

"Eu tenho muito orgulho de me intitular o candidato do agronegócio, o agronegócio produtivo que gera renda, empregos, divisas ao Brasil", disse Aécio, que foi aplaudido por vários líderes do setor ao chegar ao evento.

De acordo com o senador, o país, mesmo com indicadores extremamente baixos, ainda cresce com vigor do agronegócio. Ele repetiu que os setores agrícola e pecuário no Brasil são extremamente eficientes da porteira para dentro, mas sofrem com os problemas logísticos, além da tributação e do seguro rural "ineficiente".

Aécio defendeu a execução de uma política externa mais ousada que abra novos mercados e citou, ainda, a crise no setor produtivo de açúcar e etanol, o qual, segundo ele, foi "desmontado" pelo atual governo com o fechamento de dezenas de usinas.

O tucano ironizou a ausência da presidente Dilma Rousseff na Agrishow e prometeu que, se eventualmente for eleito presidente, estará na feira todos os anos.

A ironia se estendeu ainda à provável ida da petista no sábado à Expozebu, em Uberaba, Minas Gerais, estado que foi governado por ele. "Desde que se apresentou como pré-candidata, ela voltou a ir a Minas Gerais, e lá será bem recebida com a hospitalidade tradicional", concluiu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOSE PINTO DA SILVA

ELE E O CANDIDATO DO AGROPO DE COCA COISA QUE ELE GOSTA TE CUIDA BRASIL DUDU CAMPOS E AECIO NEVES VAI ACABR COM O BRASIL UM NAS DROGAS E O OUTRO NA MENTIRA ABAIXO AECIO DI PO E DUDU CAMPOS REI DA MENTIRA E DOS PRECATORIOS DE PERNAMBUCO.

Wellington Antunes

Eita oposição sem projetos.

weltgeist da silva

É muito atrevimento. Deveria ser candidato do povo. Que o agronegócio o ponha no "trono", porque o povo tem outros candidatos.Essa "turma" desse tal psdb é...