Cabo Agosto 2021

08/10


2006

Resultado oficial da eleição só sai na terça diz TSE

Até terça-feira (10), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deve proclamar o resultado oficial das eleições presidenciais - requisito necessário à retomada do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV. Pela legislação eleitoral, a propaganda só pode voltar a ser veiculada no rádio e na TV 48 horas após a proclamação.

O presidente do TSE, ministro Marco Aurélio Mello, convocou uma sessão extraordinária para esta segunda-feira (9), às 19h. Nesta sessão, o TSE deve aprovar os relatórios parciais sobre a totalização dos votos nos estados. Depois disso, o relator-geral, ministro Cesar Peluzo, ainda precisa analisar e aprovar toda a documentação.  Normalmente, são necessárias duas sessões para cumprir esse rito, mas, para agilizar o processo, o colegiado do tribunal pode aprovar os relatórios parciais e o relatório-geral no mesmo dia. "Nós estamos buscando fazer a proclamação na terça-feira, mas isso depende do colegiado", informou Marco Aurélio. 

Na sexta-feira (6), os advogados do PT e do PSDB protocolaram, no TSE, documento abrindo mão do prazo para entrar com recursos relativos ao resultado das eleições. Na prática, a medida teve o objetivo de agilizar o processo necessário até que ocorra a proclamação.

O advogado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva junto ao TSE, José Antonio Tóffoli, acredita que o TSE aprove os relatórios parciais na segunda-feira e que, na terça (10), faça a proclamação. Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Julho 2

08/10


2006

Roseana cai, Jackson Lago sobe, em pesquisa no MA

Pesquisa divulgada neste domingo (8) no site do jornal “O Imparcial” mostra que virou a disputa pelo governo do Maranhão. De acordo com os dados, o candidato Jackson Lago (PDT) tem 51,9% dos votos válidos (sem considerar brancos, nulos e indecisos) contra 48,1% de Roseana Sarney, do PFL.

O levantamento, realizado pelo instituto Toledo & Associados por encomenda de “O Imparcial”, foi realizado entre os dias 4 e 6 de outubro, com 1.206 pessoas em 31 municípios. A margem de erro é de 2,8 pontos percentuais. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) sob o número 3955/06.

Roseana Sarney terminou a disputa do 1º turno na primeira colocação e registrou 47,21% dos votos válidos, conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Jackson Lago teve 34,36%. Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru Novas Creches

08/10


2006

Lula e Alckmin já mobilizados para o debate da Band

O candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, participou de gravações, na manhã e início da tarde de hoje, para seu programa do horário eleitoral gratuito, em uma produtora na Vila Leopoldina, em São Paulo. Encerrada a gravação, ele deve repassar alguns pontos a serem abordados no debate desta noite com o presidente Lula.

Já o petista, candidato à reeleição, antecipou para o final da manhã de hoje seu vôo para São Paulo para o debate desta noite. Anteriormente, a agenda do candidato previa que a viagem começasse às 16h. O petista chegou ao hotel Estanplaza, no Brooklin, por volta das 13h. Ele passará toda a tarde no local descansando e se preparando para o confronto com o adversário. Lula deixará o Estanplaza em torno das 19h30 e seguirá para os estúdios da Bandeirantes. Informações do Portal Terra. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

08/10


2006

Mulheres quebram tabus na política nordestina

As mulheres vêm quebrando tabus na política nordestina. O Rio Grande do Norte, por exemplo, elegeu, pela primeira vez na história, uma senadora. Na Bahia, o número de deputadas federais mais do que dobrou e aumentou o de deputadas estaduais. E Pernambuco, depois de 20 anos, elegeu uma deputada federal. Mas, apesar do crescimento das representantes da Região em Brasília, o número de deputadas estaduais caiu e a presença das mulheres nordestinas na política ainda é tímida.

 

Na atual legislatura, a Região tem sete deputadas federais: Bahia, Maranhão e Rio Grande do Norte com duas representantes cada, e uma da Paraíba. A partir de janeiro de 2007 terá dez: cinco baianas, duas potiguares, uma cearense, uma maranhense e uma pernambucana. Nas Assembléias Legislativas da Região, as mulheres, que são 47, passarão a ser 41.

 

A exceção na Região foi a Bahia, Estado onde houve o maior aumento de mulheres parlamentares estaduais e federais. Passou de duas para cinco na bancada da Câmara dos Deputados, e de cinco para oito na Assembléia Legislativa. Apesar do avanço, as deputadas baianas eleitas reconhecem que a participação das mulheres está aquém da força que representam. “Fico muito feliz em ver a mulher baiana com força para lutar pelo nosso Estado”, disse a deputada federal eleita Lídice da Mata (PSB), ex-prefeita de Salvador. “Ainda não somos em percentual compatível à nossa população mas, quem sabe, chegaremos lá”, comentou. 

 

Nos demais estados, a participação feminina ou estacionou, como em Alagoas e Sergipe, ou caiu, como na Paraíba e no Ceará. As Assembléias alagoana e sergipana continuarão com o mesmo número de mulheres da atual legislatura: três e cinco, respectivamente. E ambos os estados permanecerão sem representação feminina em Brasília, já que não elegeram deputadas federais apesar de, proporcionalmente, Sergipe ter sido o Estado com o maior percentual de candidatos do sexo feminino nas eleições 2006.

 

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as mulheres representaram cerca de 14% do total de candidatos inscritos em todo o País. Em Sergipe, elas alcançaram pouco mais de 24% de participação.

 

Sergipe manteve sua participação no Senado, reelegendo Maria do Carmo Alves (PFL), esposa do governador João Alves Filho (PFL), derrotado na tentativa de reeleição, em primeiro turno, pelo petista Marcelo Déda. Esse será seu segundo mandato consecutivo, conquistado frente ao seu principal rival o ex-presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra (PT).

 

Outra senadora eleita foi Rosalba Ciarlini (PFL) pelo Rio Grande do Norte, a primeira na história do Estado. “O Rio Grande do Norte,
mais uma vez, faz história. O povo quis uma mulher no Senado. E estamos conscientes dessa grande responsabilidade”, comemorou Rosalba Ciarlini. Mesmo com essa marca histórica e tendo uma mulher governadora, Wilma de Faria (PSB), que disputa a reeleição no segundo turno contra Garibaldi Alves (PMDB), os potiguares diminuíram a participação feminina na Assembléia, de quatro para três, e mantiveram duas deputadas federais.

 

O Ceará, apesar de eleger uma deputada federal, Gorete Pereira (PTB), reduziu de forma significativa o número de deputadas estaduais: são oito e serão apenas duas a partir de janeiro. As urnas paraibanas também reduziram o número de deputadas estaduais, de sete para cinco, e federais: de uma passou a não ter representante feminina. O Piauí seguiu o exemplo e ficou sem representante mulher na Câmara, mas aumentou de dois para três as mulheres no Legislativo estadual. O Maranhão tem seis estaduais e passará a ter sete; tem duas federais, mas só terá uma no próximo ano.

 

Pernambuco, depois de 20 anos, voltou a enviar uma representante à Câmara de Deputados. Ana Arraes (PSB), filha do ex-governador Miguel Arraes, foi a terceira na lista dos mais votados no Estado. A última deputada federal eleita em Pernambuco foi a jornalista Cristina Tavares, em 1986. O avanço das mulheres no âmbito federal não se refletiu na Assembléia Legislativa. O Estado tinha uma das maiores participações femininas do País, com oito deputadas estaduais, mas passará por um “enxugamento”: terá seis a partir de janeiro.

 

Com os avanços em alguns pontos e recuos em outros, a participação feminina no Nordeste permaneceu praticamente estagnada. “Acredito”, explica a deputada eleita por Pernambuco Ana Arraes, “que há um fator cultura muito forte que inibe a maior participação feminina na política”. Segundo ela, existem bons quadros de candidatas, mas as estruturas partidárias não estimulam o surgimento de novas militantes e futuras lideranças. “Os partidos precisam cultivar a consciência de mudança e criar secretaria de mulheres, por exemplo. É a consciência nos partidos que tem que ser trabalhada”, considera.

 

Para a deputada estadual Teresa Leitão (PT/PE), reeleita no último domingo, o surgimento de novas lideranças femininas passa pela maior visibilidade pública, com a participação das mulheres nos primeiros escalões das administrações. “Faltam mulheres em condições de ganhar. As mulheres nunca são prioridade na política. Elas deveriam participar mais de cargos importantes, para se criar lideranças. A política é machista e é difícil romper isso”, sentencia.

 

O cientista político Jorge Zaverucha, do Núcleo de Estudos de Instituições Coercitivas (NIC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), considera que a participação pequena das mulheres na política é, predominantemente, cultural. “A possibilidade maior é que seja uma questão cultural de uma sociedade machista”, explica Zaverucha. “Uma mulher, com filhos, sai para um evento político e chega de madrugada. Com quem ficam os filhos? O marido vai aceitar?”.

 

O também cientista político Hely Ferreira, do Núcleo de Estudos Políticos e Partidários da UFPE, também vê questões culturais como entrave à ascensão feminina na política. “O machismo não permite que as mulheres cresçam, principalmente nas questões de poder”, considera. Para Ferreira, as cotas de 30% de candidatas por partido, imposta pela Lei Eleitoral, são preenchidas apenas por formalidade: “Elas entram como apêndice”, diz. E acredita que o aumento e até a virada do número de mulheres na vida política deve partir delas mesmas, ultrapassando obstáculos e destruindo preconceitos. “Criar secretarias de mulheres nos partidos discrimina a própria mulher. Para mudar ela tem que se impor como liderança e ultrapassar os obstáculos”, acredita. Informações da Agência Nordeste.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Depois de vinte anos,só mesmo tendo o sangue do Dr. Arraes para quebrar esse tabu.Uma autêntica e legitima Arraes e Nordestina!

Gláucio José Araujo Vaz

Estou de Parabens votei em ELINA CARNEIRO 40222



08/10


2006

A nova cara da bancada nordestina no Congresso

A dança das cadeiras afetou de modo expressivo a bancada nordestina no Congresso Nacional. Apesar de ter tido um percentual de renovação um pouco menor que a média nacional - na Câmara Federal foram 43% de renovação, contra 48% da média nacional - muitos nomes com expressão acabaram sendo derrotados, como o vice-líder do PSDB na Câmara, Bismarck Maia (CE), e o deputado federal e vice-presidente da Mesa da Casa, Thomaz Nonô (PFL-AL), que disputou uma vaga ao Senado, mas ficou bem atrás dos principais colocados. O ex-presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP-PE), que renunciou o cargo por denúncias de corrupção com promessas de “retorno breve”, também não conseguiu se reeleger.  

 

No Senado, quase 100% das vagas nordestinas foram renovadas. Ficaram de fora o vice-líder do Governo, Fernando Bezerra (PTB-RN), o líder do PMDB no Senado, Ney Suassuna (PB), e um dos maiores aliados do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), Rodolpho Tourinho (PFL-BA).

 

Mas se por um lado alguns parlamentares de renome nacional deixaram o posto, outros tantos nordestinos que conseguiram um mandato podem ter uma atuação relevante no Congresso. Segundo levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), cerca de 30% dos “cabeças” da nova legislatura serão nordestinos. Entre os nomes eleitos pelo Diap como os futuros “cabeças do Congresso” estão o ex-ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes (PSB-CE), o ex-governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), o vereador e líder do Governo em Salvador, Sérgio Barradas Carneiro, e o ex-presidente da Infraero, Carlos Wilson (PT-PE). 

 

Daqueles que devem manter – ou aumentar a sua influência – na nova legislatura figuram nomes como o do deputado federal reeleito Antônio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA), o do deputado federal e presidente da Confederação Nacional das Indústrias, Armando Monteiro (PTB-PE), o deputado federal reeleito José Pimentel (PT-CE) e o deputado federal e senador eleito, Inácio Arruda (PCdoB-CE).

 

Para o jornalista, analista político e Diretor de Documentação do Diap, Antônio Augusto Queiroz, a bancada nordestina tem características próprias. “Acho que a bancada do Nordeste não tem muitos políticos de média atuação. A maior parte destes parlamentares não têm muita expressão, mas aqueles que se destacam têm grande relevância no cenário nacional. Já os grandes centros tendem a ter mais políticos médios, que têm média expressão”, afirmou, completando: “No Nordeste há uma disparidade muito grande. Ou é líder ou é liderado”. 

 

Segundo ele, a maior parte dos políticos de expressão do Nordeste estão concentrados nos estados mais ricos da Região: Pernambuco, Bahia e Ceará. “A elite do Congresso é das regiões mais desenvolvidas”, resume Augusto Queiroz. Informações da Agencia Nordeste.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Discordo do Jornalista do Diap,no Rio Grande do Norte por exemplo,temos o Agripino Maia,no Pará Jader Barbalho já deu muito as cartas no cenário politico,a Paraiba tambem tem grandes nomes.Essa leitura desse rapaz cheira a preconceito!

helenosilva

MAGNO-URGENTE E VERDADE QUE JARBAS FOI PRESO PELO IBAMA AGORA MESMO? DISSERAM QUE ELE ESTAVA COMENDOONÇINHA. HA,HA,HA.


Pousada da Paixão

08/10


2006

Diap apresenta a lista da "bancada dos parentes"

Levantamento preliminar feito pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) mostra que 46 dos deputados federais e senadores eleitos guardam algum grau de parentesco com figuras tradicionais da política.

O Diap considerou como políticos tradicionais aqueles que detêm ou detiveram cargo eletivo em todos os níveis, ou ainda que exerçam cargo de gestão, como ministros ou secretários estaduais.

Não foram incluídos na lista nomes como o do senador José Sarney, reeleito senador pelo Amapá. O senador foi considerado pelo Diap como a referência para estabelecer os vínculos com outros candidatos de menor expressão. No Maranhão, Estado natal do senador, foi eleito o seu filho, Sarney Filho (PV).

Os vínculos familiares são mais comuns nas bancadas do Norte e Nordeste. Nestas regiões, foram eleitos 26 parentes de políticos. Só no Rio Grande do Norte, foram 5 e na Bahia, outros 4.

Fora do Norte-Nordeste, o Rio de Janeiro é o estado que mais elegeu parentes. Foram 4 deputados federais.

Segundo os técnicos do Diap, este fenômeno reforça a tese da circulação no poder, ou seja, de que a política nacional circula em torno de poucos nomes, sejam eles políticos que mantêm-se no cenário revezando-se em diferentes cargos ou seus parentes, "herdeiros" eleitorais e políticos.

Ainda de acordo com a organização, a "bancada dos parentes" comprova que o sobrenome é um fator que pode definir a eleição de um candidato.

Boa parte das relações familiares são facilmente identificadas pelo eleitor, através do sobrenome. No entanto, o Diap chama a atenção para casos em que esta identificação do parentesco fica prejudicada.

Um exemplo emblemático é o da filha do ex-presidente do PP e deputado cassado Pedro Correa. O ex-deputado é de Pernambuco, mas sua filha, Aline Correa, também do PP, foi eleita deputada federal por São Paulo. Seu desempenho não foi excelente, mas Aline foi eleita graças à grande votação de Paulo Maluf, o candidato mais votado no Estado.

Veja a lista preparada pelo Diap:

ACRE (1)
- senador Tião Viana (PT/AC) - reeleito - irmão do governador do Acre, Jorge Viana

ALAGOAS (2)
- deputado Maurício Quintella Lessa (PDT/AL) - reeleito - primo do governador de Alagoas, Ronaldo Lessa
- deputado Olavo Calheiros (PMDB/AL) - reeleito - irmão do deputado federal Renildo Calheiros e do senador Renan Calheiros

AMAPÁ (1)
- deputada Janete Capiberibe (PSB/AP) - nova - esposa do ex-governador João Capiberibe

BAHIA (4)
- deputado ACM Neto (PFL/BA) reeleito - neto - do senador Antônio Carlos Magalhães
- deputado Fábio Souto (PFL/BA) - reeleito - filho do governador da Bahia, Paulo Souto
- deputado Paulo Magalhães (PFL/BA) - reeleito - sobrinho do senador Antonio Carlos Magalhães
- deputado Sérgio Carneiro (PT/BA) - novo - filho do senador eleito pela Bahia, João Durval, e irmão do prefeito de Salvador, João Henrique

CEARÁ (2)
- deputado Léo Alcântara (PSDB/CE) - reeleito - filho do governador do Ceará, Lúcio Alcântara
- deputado Guimarães (PT/CE) - novo - irmão do deputado federal eleito por São Paulo, José Genoino

DISTRITO FEDERAL (1)
- deputado Tadeu Filippelli (PMDB/DF) - reeleito - genro do ex-governador do Distrito Federal e senador eleito por Brasília, Joaquim Roriz

ESPÍRITO SANTO (1)
- deputada Rita Camata (PMDB/ES) - nova - esposa do senador pelo Espírito Santo, Gerson Camata

GOIÁS (2)
deputada Dona Iris (PMDB/GO) - nova - esposa do prefeito de Goiânia, Íris Rezende
-*deputado Tatico (PTB/GO) - reeleito - pai do deputado federal Enio Tatico
*Tatico mudou o domicílio eleitoral do Distrito Federal para o Estado de Goiás

MARANHÃO (3)
deputado Sarney Filho (PV/MA) - reeleito - filho do senador reeleito pelo Amapá, José Sarney
- deputado Clóvis Fecury (PFL/MA) - reeleito - filho do ex-deputado federal e atual suplente da senadora Roseana Sarney, Mauro Fecury
- deputada Nice Lobão (PFL/MA) - reeleita - esposa do senador pelo Maranhão, Edison Lobão

MINAS GERAIS (2)
- deputada Maria Lúcia Cardoso (PMDB/MG) - reeleita - esposa do ex-governador de Minas Gerais, Newton Cardoso
- deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB/MG) - novo - filho do deputado federal Ibrahim Abi-Ackel

MATO GROSSO (3)
- senador Jaime Campos (PFL/MT) - novo - irmão do ex-senador Júlio Campos
- deputada Thelma de Oliveira (PSDB/MT) - reeleita - esposa do ex-governador Dante de Oliveira

PARÁ (1)
- deputada Elcione Barbalho (PMDB/PA) - nova - ex-esposa do deputado reeleito pelo Pará, Jader Barbalho

PARAÍBA (2)
- senador Cícero Lucena (PSDB/PB) - novo - sobrinho do ex-senador Humberto Lucena (falecido) e casado com a atual vice-governadora do estado, Lauremília Lucena
- deputado Efraim Filho (PFL/PB) - novo - filho do senador pela Paraíba, Efraim Morais

PERNAMBUCO (3)
- deputada Ana Arraes (PSB/PE) - nova - mãe do deputado federal e candidato ao governo de Pernambuco, Eduardo Campos
- deputado Fernando Bezerra Coelho Filho (PSB/PE) - novo - irmão do ex-deputado federal Clementino Coelho e sobrinho do ex-deputado federal Osvaldo Coelho
- deputado Renildo Calheiros (PCdoB/PE) - reeleito - irmão do deputado federal Olavo Calheiros e do senador Renan Calheiros

PARANÁ (1)
- deputado Ratinho Junior (PPS/PR) - novo - filho do apresentador de televisão e ex-- - deputado federal Carlos Massa, o Ratinho

RIO DE JANEIRO (4)
- deputado Leonardo Picciani (PMDB/RJ) - reeleito - filho do deputado estadual e presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Janeiro, Jorge Picciani
- deputado Brizola Neto (PDT/RJ) - novo - neto de Leonel Brizola
- deputado Felipe Bornier (PHS/RJ) - novo - filho do deputado federal reeleito Nelson Bornier
- deputado Rodrigo Maia (PFL/RJ) - reeleito - filho do prefeito do Rio de Janeiro, César Maia

RIO GRANDE DO NORTE (5)
- senadora Rosalba Ciarlini (PFL/RN) - nova - cunhada do ex-deputado federal Betinho Rosado
- deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN) - reeleito - filho do ex-governador Aloísio Alves e primo do senador Garabaldi Alves
- deputado Fábio Faria (PMN/RN) - novo - filho do deputado estadual e presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte, Robinson Faria
- deputado Felipe Maia (PFL/RN) - novo - filho do senador José Agripino Maia
- deputada Sandra Rosado (PSB/RN) - reeleita - esposa do ex-deputado federal Laíre Rosado

RIO GRANDE DO SUL (1)
- deputada Luciana Genro (PSol/RS) - reeleita - filha do ministro Tarso Genro

RONDÔNIA (1)
- deputada Marinha Raupp (PMDB/RO) - reeleita - esposa do senador Valdir Raupp

SERGIPE (1)
- deputado Valadares Filho (PSB/SE) - novo - filho do senador Antonio Carlos Valadares

SANTA CATARINA (3)
- deputada Angela Amin (PP/SC) - nova - esposa do ex-senador, ex-governador e candidato ao governo de Santa Catarina, Espiridião Amin
- deputado Paulo Bornhausen (PFL/SC) - novo - filho do senador e presidente do PFL, Jorge Bornhausen
- deputado Celso Maldaner (PMDB/SC) - novo - irmão do ex-senador Cassildo Maldaner

SÃO PAULO (2)
 -deputada Aline Correa (PP/SP) - nova - filha do ex-presidente do PP e deputado federal cassado Pedro Correa
- deputado Zarattini (PT/SP) - novo - filho do ex-deputado federal Carlos Zarattini. (Da Folha Online) 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ivan Câmara de Andrade

Ô MAGNO, TEM ERRO AÍ NO TEU POST, O DEPUTADO FERNANDO BEZERRA FILHO NÃO É IRMÃO DO DEP. CLEMENTINO COELHO, ELE É SOBRINHO DO CLEMENTINO E FILHO DO PREFEITO DE PETROLINA, FERNANDO BEZERRA COELHO.

milton tenorio pinto junior

Apadrinhamento tem em todos setores,Judiciario,Executivo,Legislativo,em Sindicato, a midia usa a força para tirar uma lasquinha tambem.Esse é o Pais do faz de conta.Faz de conta que é tudo Santinho!! Bando de picaretas.O Brasil tinha que zerar!!!!!!!!!!!


Bandeirantes Junho 2021

08/10


2006

A "proposta eleitoreira" de Mendoncinha

Ontem jornais e agências de noticias repercutiram mal a proposta do governador Mendonça Filho, de baixar o ICMS em Pernambuco nas contas de luz, em plena campanha pela reeleição. Hoje o assunto ainda continua no noticiário. Desta vez, sobrou pancada para Mendoncinha, na coluna de Claudio Humberto:

''Vale tudo"

"O governador de Pernambuco, Mendonça Filho (PFL), que disputa o segundo turno com Eduardo Campos (PSB), usou a força da caneta do cargo para reduzir o ICMS cobrado na conta de luz dos pernambucanos. "


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

REVERENDO

IRMÃSO: TODOS DEVEM TER CALMA. EM TODO LUGAR EXISTE UM IMBECIL E ESTE GUERREIRO DE CLODOVIL É UM.

Francisco Filho

"GUERREIRO DO POVO BRASILEIRO" ! ! ! ESSA FIGURA AINDA INSISTE EM ASSOMBRAR OS INTERNAUTAS DO BLOG. VAI DESCANSAR NOBRE GUERREIRO. TU PERTENCE A OUTRO PLANO, O ESPIRITUAL. REZAREMOS POR VC. SEU NETINHO TE FEZ SOFRER MUITO E AINDA USA TEU NOME EM VÃO!!!

milton tenorio pinto junior

O prazer tambem é meu Felipe,fico contente ao ver voçê e Soraya discutindo civilizadamente,é assim que deve ser.Parabéns para voçê e Soraya!!! E Eduardo Neles!!!!!!!!!!!!!!!!!

Gláucio José Araujo Vaz

Ele e muito fraco O POVO DEVE AGRADECER A EDUARDO PELO PRINCIPAL ATO DO FILHOTE COMO GOVERNADOR 40 NELES

Guerreiro do povo Brasileiro

É, desisto..acho que vc nao vai responder minha pergunta sobre FHC e LULA !



08/10


2006

Como é dura a vida do candidato Alckmin

Da coluna de Claudio Humberto, neste domingo:

"Xô, FHC

Geraldo Alckmin já não sabe o que fazer para que FHC desapareça de sua campanha. Pesquisas indicam que o ex-presidente tira votos."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

A enquete do Blog já aponta Lula na Dianteira.São 13hs de 08.10:Vejam:Se a eleição de segundo para presidente fosse hoje, dos candidatos abaixo em quem você votaria?1248 votos Lula 51,04% - 637 votos Alckmin - 48,96% - 611 votos

Raimundo Eleno dos Santos

Suspeitei desde o princípio. Siga-me os bons. Diria Chaves(Chapolim Colorado). Mas não adianta. Quem tem treflon mesmo é o Lula. FHC é um encosto para o Alck, nem com todas as rezadeiras da Bahia de ACM o fará desgrudar. E, se desgrudar, fiacará a inhaca.



08/10


2006

Morre deputado que propôs juros de 12% ao ano

Morreu neste sábado em São Paulo, aos 76 anos, o editor Fernando Gasparian, dono da editora Paz e Terra e deputado constituinte. Um dos nomes mais importantes da história recente do livro no Brasil, Gasparian foi criador, em 1972, do jornal Opinião, um dos principais focos de resistência à ditadura militar. Em 1973, comprou a editora Paz e Terra, que tinha sido fundada em 1965, do amigo Ênio Silveira, editor da Civilização Brasileira.

A Paz e Terra se transformou em referência para a intelectualidade e o meio acadêmico brasileiro nos anos 1970, tendo em seu conselho de acionistas nomes como Alceu Amoroso Lima, Barbosa Lima Sobrinho, Berta Ribeiro, Celso Furtado, Dias Gomes, Érico Verissimo, Fernando Henrique Cardoso, José Aparecido de Oliveira e Wilson Fadul. A casa também editou grandes autores nacionais e internacionais nas áreas da filosofia, da sociologia e da ciência política, transformando-se em referência para o meio acadêmico e universitário.

Nos anos 1970, Gasparian lançou, através da editora, a revista ''Argumento'', que logo teve sua circulação suspensa devido às pressões da censura. Em 1977, o editor criou em São Paulo a Livraria Argumento, cujo nome fazia alusão à extinta revista. Em 1978, a Argumento veio para o Rio de Janeiro, onde foi aberta numa pequena loja na Rua Dias Ferreira. Em 1992, a livraria mudou para uma loja maior na mesma rua. Em 1988, Gasparian foi eleito deputado federal constituinte pelo PMDB e criou a emenda constituicional que proíbe juros maiores de 12% no país.

O editor estava internado desde a última quinta-feira no Hospital Sírio-Libanês, com problemas renais. Morreu na manhã deste sábado, vítima de infecção generalizada. Seu corpo está sendo velado na Assembléia Legislativa de São Paulo e será cremado domingo. O editor deixa viúva e quatro filhos: a diplomata Helena e os livreiros Laura, Eduardo e Marcus - os três últimos à frente da Argumento. (Globo Online)

Comentário: Durante a Assembléia Nacional Constituinte, em 1988, Fernando Gasparian foi o autor da emenda que possibilitou tabelar em 12% ao ano, as taxas de juros no país. O deputado morreu sem ver esse artigo constitucional plenamente em vigor no Brasil. Ao contrário, amargou a desilusão de assistir o Senado Federal derrubá-lo, dez anos depois, a pedido dos bancos e com o apoio de senadores do PT.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/10


2006

O lado bom das campanhas políticas

Outra nota, que eu diria que é uma verdadeira constatação, da coluna ''Radar'' da revista Veja

''Tomou Doril''

''Os fazendeiros brasileiros adoram a temporada eleitoral. Como que por encanto, o MST pára de perturbar. As invasões cessam. Aliás, alguém viu a turma de Stedile por aí? Sumiu, mas é por pouco tempo. Findo o segundo turno, eles voltam.''


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Essa liderança do MST, UNE e a maioria dos dindicatos , com certeza, recebém mensalão do PT.

LandRover

Lula está desesperado, pois sabe que se Alckmim ganhar as eleições toda a cúpula do seu governo e do PT estarão em maus lençóis e terão que amargar mil anos de cadeia cada um pelos rombos que causaram aos cofres da nação. Deposição do tirano Lula Já!


Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores