14/12


2006

Secretário da Defesa é o chefe da PF em Brasília

A jornalista Divane Carvalho acaba de antecipar no seu site o nome do secretário de Defesa no Governo Eduardo Campos. Chama-se Romero Luciano Lucena de Menezes e é o atual superintendente da Polícia Federal em Brasília. Ele é paraibano e já se encontra no Recife. Como ficará Eduardo agora depois de criticar Mendonça Filho por ter importando um nome para cuidar da área de segurança pública?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos Filho de Serra Talhada

O cara é artista mesmo!!!!!

Obrigado, Adelson, mas seus comentários também não bastante provocativos e realísticos. Política se debate assim, sem agressão.

adelson w. souza

pedro siqueira,receba mais uma vez meus parabens.suas cacetadas sao para valer.é isso mesmo.meteu o pau,e agora faz a mesma coisa.

adelson w. souza

vai acontecer a mesma coisa.o cara nao sabe do corporativismo que reina na policia civil,e vai continuar a mesma bagunça.o gov.eduardo falou mal do mendonça,e vai fazer a mesma m.....

E agora, Eduardo? Mendoncinha estava errado?


Ipojuca 2021

14/12


2006

Bastidores da política e do poder

 

       Inocêncio: a galinha dos ovos de ouro

 

Numa primeira leitura do secretariado do governador eleito Eduardo Campos (PSB), dá para deduzir que dos aliados de palanque, o que conseguiu ser mais bem contemplado foi o deputado Inocêncio Oliveira, do PL. O deputado Sebastião Oliveira, seu sobrinho, vai comandar uma pasta recheada de dinheiro – a de Transportes.

 

Sim, porque a pasta ganha duas estruturas de peso – o Detran, que é uma máquina de fazer dinheiro – e o DER, que cuida da construção de novas e da recuperação das atuais estradas. A princípio, Inocêncio estava de olho na Produção Rural. Confessou a um correligionário em Brasília que fez uma boa troca, sob a alegação de que a antiga pasta cobiçada havia sido esvaziada em conseqüência da criação da Secretaria de Recursos Hídricos.

 

Já o PT, que transferiu praticamente 100% dos votos de Humberto para Eduardo no segundo turno, ficou bem aquém do espaço conquistado por Inocêncio. Abocanhou apenas uma pasta, a de Desenvolvimento Social, que será ocupada pelo ex-ministro Humberto Costa. João Paulo, que chegou a acenar com cargos para o PSB na Prefeitura do Recife, perdeu a queda de braço para o grupo de Humberto e não ganhou nenhum bombom, pelo menos como consolo.

 

Eduardo foi cruel, entretanto, com Armando Monteiro Neto, o poderoso presidente da CNI e do PTB estadual. Deu-lhe apenas Turismo, uma pasta extremamente esvaziada, diga-se de passagem, cuja maior estrutura é a Empetur. Ao indicar o deputado José Chaves, para abrir uma vaga na bancada federal para o primeiro suplente Sílvio Costa, do PMN, Armando acabou deixando no sereno um dos seus mais fiéis seguidores – o deputado Augusto César, que não disputou a reeleição, atendendo uma convocação do PTB para ser o vice na chapa de Humberto.

 

As secretarias estratégicas, como eram de se esperar, ficam nas mãos do núcleo duro do futuro governo, a começar pela Fazenda, entregue ao auditor Djalmo Falcão, da absoluta confiança do governador eleito. Educação e Saúde ficam com o PSB, portanto com o partido do governador e aliados próximos, respectivamente Danilo Cabral e Jorge Gomes.

 

A Casa Civil vai seguir um modelo muito parecido com o que foi adotado pelo ex-governador Jarbas Vasconcelos. Ali, Eduardo optou pelo jornalista Ricardo Leitão, que será o seu Golbery, controlando sua agenda política, ditando suas estratégias de governo e, ao mesmo tempo, acumulando o poder da mídia, com o controle absoluto da verba publicitária.

 

Eduardo fez algumas inovações arriscadas, como passar a administração dos presídios para a Defesa Social. Desmembrou, ainda, a pasta de Produção Rural, que já era esvaziada, criando Recursos Hídricos. O governador eleito convocou para a nova Secretaria de Articulação Regional o deputado eleito Ângelo Ferreira, também do PSB. Trata-se de um bom executivo, que conhece bem o Interior e pode fazer um excelente trabalho, desde, claro, encontre os meios de alavancar recursos, o que não será fácil.

 

O nó da questão – o maior desafio de Eduardo Campos – a área de segurança, tem tirado o sono do governador eleito. Ele queria um delegado da Polícia Federal escolhido pelo governador da Bahia, Jacques Wagner (PT). Mas, chegou tarde. Ontem, em Brasília, recebeu a indicação de um outro nome da PF, que vem sendo guardado a sete chaves, para a surpresa do anúncio de amanhã.

 

Eduardo não fez um secretariado de estrelas, como se esperava. Mas, é bom ressaltar, que não é uma tarefa fácil atrair bons executivos com um salário de R$ 7,5 mil. Além disso, o governador eleito até que se saiu bem na arte do malabarismo, pois não é fácil acomodar uma frente tão ampla, sem deixar mágoas e ressentimentos.

 

O derrotado – O todo-poderoso secretário do Desenvolvimento Econômico do Governo Eduardo Campos – Fernando Bezerra Coelho – se despede da Prefeitura de Petrolina com uma derrota que vai complicar em muito a vida do seu sucessor: o vereador Chico Freire, aliado do prefeito, não emplacou a presidência da Câmara de Vereadores. A eleição foi ontem e Fernando perdeu por 7 votos a seis. O presidente eleito é o vereador Paulo Afonso.

 

Com aquilo pra lua - O senador José Jorge é um sortudo. Depois de perder a eleição presidencial, disputando como vice de Geraldo Alckmin, vai comandar a Companhia de Energia em Brasília - CEB. Em Pernambuco, sua aldeia política, seu genro, Alberto Feitosa, que não conseguiu emplacar um mandato de deputado estadual, assume o mandato, com a convocação de dois deputados da coligação de Eduardo - Sebastião Oliveira e Ângelo Ferreira. Ganhou, digamos, literalmente, na Loto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Carlos-Serra Talhada

Nós temos muito a perder com esse pessoal do Gago a frente de pastas importantes, o Brasil todo sabe quem é o Gago, só administra em beneficio proprio ou em pró de seus aliados. Não quero dizer com isso que Sebastião não preste,pois não o conheço direito,mais que ele não vá na onda do Gago.

Carlos Filho de Serra Talhada

Adelson, Eu acho que Serra talhada só tem a ganhar com isto, porque mostrou seu potencial, É muito merecedor Inocêncio e Sebastião de ganhar este prestigio todo com Eduardo, foi eles quem ficaram(PL) com ele quando muitos foram contra a sua candidadura; lembre-se disto.

adelson w. souza

atençao turma de serra talhada:quero ver a manifestaçao de voces sobre o futuro governo com o gago dando as ordens numa das melhores secretarias.

É isso mesmo, Adelson.

adelson w. souza

TRADUZINDO;PT E JOAO PAULO DANÇARAM.


Petrolina abril 2021

14/12


2006

Eduardo: ''''Escolher secretariado não é acomodar pessoas''''

O governador eleito de Pernambuco, Eduardo Campos, disse agora há pouco, ao chegar para a reunião da Executiva nacional do PSB, que vai anunciar amanhã um secretariado constituído por ''''um grupo hegemônico'''', com capacidade de trabalho, espírito de equipe e com compromissos que representam as forças partidárias que constituem o governo.

Com relação às especulações que têm sido divulgadas na imprensa, Eduardo disse que "secretariado não é uma acomodação", e sim  resultados para a sociedade. Rechaçando insinuações publicadas, dando conta de que houve ''''remanejamento'''', de alguns nomes, o governador eleito disse que todos foram convidados nas últimas horas, e quem foi escolhido ficou no lugar para o qual havia sido indicado. ''''Não há a preocupação de acomodar pessoas''''.

Quando à área de Defesa Social, o governador disse que ''''podem ficar tranquilos'''', porque o problema está resolvido. Eduardo anunciou algumas modificações na estrutura, como por exemplo a fusão das secretaria de Justiça e Defesa Social, que passarão a ser uma única, a de Desenvolvimento Social. Numa crítica a atual estrutura relacionada com o setor de recursos hídricos, ele lembrou que Pernambuco é o Estado que tem o pior balanço hídrico e não há uma secretaria que trate de tão importante problema.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Carlos-Serra Talhada

É sim, é acomodar pessoas desde que não sejam do PTB, Eduardo é Fraco, se não tivesse sido denunciado o Acordo com o Gago, com Certeza ele teria emplacado também a pasta da Saúde. Esse Favor o Povo deve a Mendonça

roberto lima

Tem razão:´´É acomodar INTERESSES ( não republicanos quase sempre) . É acertar as contas com os "aliados $$$$" muitos dos quais não são dignos dessea denominação. É transação , em nome do povo, mas não respeitando esse mesmo povo.

adelson w. souza

tem toda razao.nao acomodou ninguem.todos foram escolhidos pelos méritos.a ana cavalcanti,etc,etc.

adelson w. souza

realmente,vai um secretariado digno de um chefe de estado.tem de tudo.esse rapaz nao herdou nada do avô.infelizmente para nós.


ALEPE

14/12


2006

Salário de parlamentar é 23 vezes maior que a média

 Com o aumento de 91% em seus rendimentos decidido nesta quinta-feira (14), os deputados e senadores brasileiros passarão a ganhar, cada um, R$ 24.600 por mês. Esse valor é 23 vezes maior que o rendimento médio do brasileiro nas capitais pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o instituto, a média dos salários brasileiros teve uma alta de 5,4% entre outubro de 2005 e 2006. Com isso, o rendimento médio mensal do brasileiro chegou a R$ 1.046,50.

Apesar da diferença em relação aos parlamentares, a situação do brasileiro médio têm apresentado recuperação. Segundo pesquisa do LatinPanel – instituto de pesquisas ligado ao Ibope - 2,15 milhões de famílias de baixa renda migraram das classes D e E para a classe C em 2006. Em 2005, 44% das famílias pesquisadas pertenciam às classes D e E, com rendimento médio de até quatro salários mínimos. Em 2006, o número caiu para 39%. Informações do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Renato Cruz

Mágno, pergunta para Antônio Morais se os 6 Deputados do PSDB que foram eleitos pela oposição na assembleia legislativa irão permanecer na oposição . inclusive ele.



14/12


2006

Roberto Amaral: ''''PSB tem agora tarefa dobrada''''

 Começou agora há pouco, no Recife Palace Hotel, a reunião da Executina nacional do PSB, da qual participam lideranças nacionais do partido, a começar pelo seu vice- presidente,   Roberto Amaral, além do governador eleito de Pernambuco, Eduardo Campos. Estão, ainda, na reunião, lideranças como o senador eleito Renato Casagrande, deputados Beto Albuquerque, Lídice da Mata, ex-prefeita de Maceió Katia Born, todos num evento que tem também o objetivo de homenagear aquele que foi o líder maior do partido, o ex-governador Miguel Arraes.

Para o vice-presidente  do partido, Roberto Amaral, o PSB saiu da eleição com responsabilidade redobrada, na medida em que se fortaleceu nas urnas, com a eleição de três governadores, dois vices, mais um senador, que veio se juntar aos três que já integravam a sigla. Amaral entende que a missão agora é consolidar a vitória, para ele tarefa ainda mais difícil que a eleição em si. Essa tarefa. segundo o presidente nacional do PSB, centrada em torno do desempenho de cada um, e do apoio ao presidente Lula, em defesa de teses como desenvolvimento e distribuição de renda.

No aspecto crescimento, Roberto Amaral disse desconhecer a versão surgida hoje na imprensa de que o presidente estaria pessimista quanto ao objetivo de fazer o país crescer 5%. Ele disse que ainda ontem esteve com Lula e não  viu no presidente sinal algum de descrença quanto àquele percentual.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes 2021

14/12


2006

Veja os que votaram pelo aumento dos parlamentares

 Vinte e seis parlamentares foram responsáveis pela decisão de equiparar os salários dos deputados e senadores com os dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja, de R$ 12.847,20 para R$ 24.500 mensais.

Como a decisão não será votada no plenário, os presidentes da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), chamaram os líderes para dividir o ônus pelo reajuste. No total foram 20 deputados e seis senadores que votaram pelo reajuste de 90,7%.

Votaram contra o reajuste os deputados Henrique Fontana (PT-ES), Chico Alencar (PSOL-RJ) e a senadora Heloísa Helena (PSOL-AL).

Veja a lista de parlamentares que votaram pelo reajuste:

Aldo Rebelo (PC do B-SP)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Jorge Alberto (PMDB-SE)
Luciano Castro (PL-RR)
José Múcio (PTB-PE)
Wilson Santiago (PMDB-PB)
Miro Teixeira (PDT-RJ)
Sandra Rosado (PSB-RN)
Coubert Martins (PPS-BA)
Bismarck Maia (PSDB-CE)
Rodrigo Maia (PFL-RJ)
José Carlos Aleluia (PFL-BA)
Sandro Mabel (PL-GO)
Givaldo Carimbão (PSB-AL)
Arlindo Chinaglia (PT-SP)
Inácio Arruda (PC do B-CE)
Carlos Willian (PTC-MG)
Mário Heringer (PDT-MG)
Inocêncio Oliveira (PL-PE)
Demóstenes Torres (PFL-GO)
Efraim Moraes (PFL-PB)
Tião Viana (PT-AC)
Ney Suassuna (PMDB-PB)
Benedito de Lira (PL-AL)
Ideli Salvatti (PT-SC)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

roberto lima

A maioria dos nossos representates não merecem um tostão furado e sim CADEIA!!

roberto lima

Alguns dos individuos que votaram pelo aumento deveriam "devolver dinheiro aos cofres publicos por muito tempo", porque são GATUNOS. É uma tartuferia ! Passaram a mão, avida por dinheiro, no salario dos aposentados, roubando-lhes um direito adquirido. Não votei nem votaria neles.Causam naúseas!!!

Lêda Rivas

Que mal eu pergunte: quanto ganha um professor de ensino público?

Severino Isidoro Fernandes Guedes

... o problema não são os salários dos parlamentares, é a questão das contribuições (nebulosas) de campanha... é por aí que rola a corrupção...

Severino Isidoro Fernandes Guedes

O problema não é os parlamentares ganharem bem (antes fosse isso!). O grande problema é a questão dos financiamentos de campanha, uma caixa preta que ninguém ousa desembrulhar e que só seria resolvido com uma reforma política que não sai do papel... É aí que está o grande problema...


Serra Talhada 2021

14/12


2006

Nova mudança: Geraldo Júlio assume Planejamento

Nova reviravolta no secretariado de Eduardo Campos: Geraldo Júlio, que estava certo para a pasta de Administração, foi remanejado para a de Planejamento. Ainda não há um nome escolhido para Admnistração.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

adelson w. souza

porque nao deixa esse mauricio na administraçao?nao foi tao bom para os funcionários,deu aumento bom para todo mundo,nao perseguiu ninguem,foi justo.merecia ir para o inferno.

ana lucia amaral

Ainda bem que amanhã é o dia do tão esperado anúncio do secretariado, esse troca troca nas especulações ninguém merece.


Anuncie Aqui - Blog do Magno

14/12


2006

Sindicatos protestam contra aumento dos parlamentares

 Sindicatos da região do Vale do Paraíba e a Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas) fizeram um protesto no Centro do Rio de Janeiro, na manhã desta quinta-feira, contra o aumento do salários dos deputados para R$ 24,5 mil. Os sindicatos também protestaram contra o aumento de apenas R$ 17 no valor do salário mínimo.

Os parlamentares aprovaram o aumento do salário de R$ 12,8 mil para R$ 24,5 mil, mesmo valor do teto de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O valor deve representar um gasto extra anual de pelo menos R$ 1,66 bilhão aos cofres públicos.

Também nesta tarde, representantes de centrais sindicais estiveram reunidos com os ministros do Trabalho, Luiz Marinho, e da Previdência Social, Nelson Machado. No entanto, eles não chegaram a acordo.

As centrais sindicais reivindicam um salário mínimo de R$ 420 para o ano que vem. Na terça-feira, no entanto, a Comissão Mista de Orçamento do Congresso aprovou relatório que prevê o reajuste para R$ 375. Marinho afirmou aos sindicatos que não houve nenhum tipo de acordo com a comissão orçamentária e prometeu uma nova reunião com os sindicalistas. Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

14/12


2006

Piauhylino assumirá escritório de PE em Brasília

Uma fonte próxima ao governador eleito de Pernambuco, Eduardo Campos, revelou há pouco ao blog que o deputado federal Luiz Piauhylino(PDT), que não disputou a reeleição no pleito deste ano, assumirá a representação do governo de Pernambuco em Brasília, que ganhará status de secretaria.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos Filho de Serra Talhada

E Augusto Cesar vai para onde?



14/12


2006

Salários de parlamentares vão de R$ 12,800 para R$ 24,500

Líderes partidários da Câmara e do Senado fecharam um acordo hoje para reajustar os salários dos deputados e senadores. Após o encontro, o presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo (PC do B-SP), confirmou que o Congresso deve equiparar o salário dos parlamentares aos vencimentos dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), de R$ 24.500.

Hoje, os parlamentares recebem R$ 12,847,20. A mudança --que representa um aumento salarial de 90,7%-- vale para os salários dos parlamentares que assumirem seus mandatos em fevereiro de 2007.

O reajuste vai ser concedido por ato conjunto das Mesas da Câmara e do Senado e não vai ser submetido à discussão nos plenários do Congresso. Somente o PSOL se pronunciou contra a decisão.

O último aumento salarial dos parlamentares foi ocorreu em 2003, quando a categoria elevou a remuneração de R$ 8.000 para R$ 12.847,20 --na época, teto salarial dos ministros do STF.

O reajuste deve representar um gasto extra anual de pelo menos R$ 1,66 bilhão aos cofres públicos --já que Estados e municípios seguem o aumento federal, no chamado ''efeito cascata''.

Para minimizar o impacto do reajuste, os parlamentares disseram que o aumento será concedido sem a ampliação das despesas das duas Casas. É que eles pretendem fazer cortes em despesas administrativas da Câmara e do Senado para garantir que a equiparação fique dentro do orçamento.

Aldo disse que na Câmara os cortes --que devem somar R$ 150 milhões-- serão feitos na área administrativa, como reformas dos apartamentos funcionais e na construção de prédios para acomodar os parlamentares. Ele adiantou também que não deve haver cortes nas verbas indenizatórias dos parlamentares.

Foi derrotada, na reunião dos integrantes das Mesas Diretoras e líderes partidários das duas Casas, a proposta que elevaria os salários os parlamentares para R$ 16.500 --uma correção da inflação no período. Informações da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Horacio Filho

E o salário do povo!!!!!!!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

JOSE JERONIMO DA SILVA

Enquanto esses SALAFRÁRIOS, legislam em causa propria, lutam o quanto podem para não aumentar os salarios de nossos queridos velhinhos ligados a Previdencia, assim como, aqueles que ganham miseros salarios minimos. O povo, ou aprende a votar ou cada dia virão mais decepções.