O Jornal do Poder

09/10


2006

Alckmin venceu o debate pelas interrogações

De Josias de Souza, no seu blog na Folha Online: "O tête-à-tête deste domingo deu o tom do que será a campanha presidencial no segundo turno. Quando um quer, dois acabam brigando. E Alckmin demonstrou que quer brigar. Foi ao ringue da TV Bandeirante de luvas em punho. Saiu distribuindo “chuchutes”. Venceu a luta por um ponto. O ponto de interrogação.

Como previsto, o debate converteu-se em luta de boxe. Uma luta em que Lula entrou, na maior parte dos cinco rounds, com a cara. Beneficiado pelo sorteio, coube a Alckmin a primeira pergunta. Poderia tê-la usado para fustigar o adversário com jabs de esquerda. Mas não perdeu tempo com golpes preparatórios.  

Alckmin desferiu logo um direto de direita no calcanhar-de-aquiles de Lula. “De onde veio o dinheiro sujo, R$ 1,7 milhão em dinheiro vivo, para comprar dossiê fajuto”? No contragolpe, Lula tentou respirar: “Quero saber quem arquitetou esse plano maquiavélico, quero saber qual é o conteúdo do dossiê, de onde vem o dinheiro. O único ganhador nesse trambique foi a candidatura do meu adversário (...)”.

Na réplica, porém, Alckmin empurrou o adversário para o córner: “Olha nos olhos do povo brasileiro e responda: de onde veio o dinheiro”? Lula não tinha resposta: “Não sou policial, sou presidente da Republica. O governador ainda tem saudade do tempo da tortura (...).” E Alckmin, algumas perguntas depois: “A questão do dinheiro, não precisa fazer tortura para saber de onde veio o dinheiro. É só perguntar para o PT (...). É só chamar os seus amigos de 30 anos e perguntar.”

Essa primeira troca de golpes deu o tom do embate, que girou em torno da ética por duas horas e meia. A grande novidade foi o timbre de Alckmin. De chuchu aguado, o candidato converteu-se em pimenta ardida. Manteve-se no ataque durante todo o tempo.

Lula também desferiu os seus socos. Martelou perversões da era FHC e do governo de Alckmin em São Paulo –as privatizações mal explicadas, a compra de votos da reeleição, o caixa dois de Eduardo Azeredo, a paternidade tucana das sanguessugas e dos vampiros, Barjas Negri, Abel Pereira, as 69 CPIs enterradas. Mas seus ataques vieram sempre na forma de contra-golpes de um lutador acuado.

Embora relevantes, os casos que Lula mencionou, por antigos, não têm a mesma  materialidade plástica da montanha de dinheiro (R$ 1,7 milhão) que ninguém sabe de onde veio. Para desassossego de Lula, nos poucos instantes em que se discutiu programa de governo, o presidente não teve nem tempo nem organização mental para expor as coisas boas que julga ter realizado em quatro anos de mandato.

Alckmin subiu ao tablado com uma missão: não deixar o adversário respirar. Para atingir o seu intento, não hesitou em apelar para os golpes baixos, como nos instantes em que trouxe os gastos com os cartões de crédito da presidência e a compra do Aerolula. Chegou mesmo a dizer, se eleito, venderá o avião presidencial para construir cinco hospitais. Como se isso fosse resolver os problemas do país.

Em certos momentos, o boxe resvalou para a briga de rua. Alckmin chamou Lula de mentiroso em três oportunidades. Numa delas, o presidente pediu direito de resposta, negado pelos organizadores do debate. Revidou chamando Alckmin de leviano.

O Lula que foi aos estúdios da Bandeirantes não fez jus ao polemista experimentado dos embates de assembléias sindicais e de disputas presidenciais anteriores. O presidente apanhou nos dois primeiros rounds. Só não foi a nocaute porque recobrou os sentidos nos dois rounds seguintes.

Embora não tenha tido desempenho capaz de anular a vantagem do rival, Lula voltou à luta. Recuperou até a capacidade de produzir ironias, como no instante em que aconselhou o candidato a retomar o figurino leguminoso: “Sem essa coisa de ficar bravo. Não faz o seu gênero. Eu te conheço e sei que não faz o seu gênero”. Ou quando chamou o vice de Alckmin, José Jorge, de rei do apagão. No quinto e último round mantiveram-se as posições.

Analisando-se o conjunto da refrega, o desempenho de Lula foi inegavelmente inferior ao de Alckmin. A pergunta é: isso muda o cenário eleitoral? Debates, por maior audiência que possam ter (o de hoje teve audiência média de 14,2 pontos), não têm o condão de virar o jogo de uma eleição. É a repercussão do confronto e os seus desdobramentos no noticiário e na campanha, que podem influir no resultado da peleja.

Dificilmente o eleitores de Lula e de Alckmin mudarão de opinião a essa altura do campeonato. Está em jogo principalmente a conquista dos indecisos. E Lula entrou na briga com uma enorme interrogação a pesar-lhe sobre os ombros: de onde veio o dinheiro? É esse o ponto de interrogação que deu vantagem a Alckmin no debate deste domingo."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ricardo José Amorim Campos

Mas vcs há de convir q debate necessaramente é superficial. afinal, 2 hs nao é suficiente p se discutir o Brasil. Lula tentou fazer o dele: defender seu mandato e alckmin fez a dele: baixou o cacete. Infelizmente, a maioria do eleitorado bras nao é consciente. É preciso descer o nivel p alcanca-los

Drácula

HAHAHAHA... EU ME DIVIRTO AQUI....ISSO AQUI É MELHOR QUE FILA DO INSS.......O LULA NÃO PERDEU O DEBATE.....O LULA SIMPLESMENTE APANHOU NO DEBATE...APANHOU QUE NEM CARNE DE SEGUNDA......CHEGOU A PERDER AS PREGAS DO BOTOX QUE APLICOU NA CARA...VAI TER DE REFAZER TUDO... QUE NEM A SONGA MONGA DA MARÍSA

roberto lima

Ou sr. alckmim ou estava "com outro espírito" ou se aplicou no método Stanslavsky. O Pres. lula, abatido. Alckmim falou em reformas . Reforma = dar nova forma. Mas que forma? Catigar mais os aposentados e trabalhadores? E o povo não questiona que reformas são essas.......

Roberto Santos

O debate pouco acrescentou, o candidato do PSDB perdeu a oportunidade de ser diferente, o que não conseguiu. Tanto o Governo FHC quanto o Governo Lula tem muito a esclarecer, e tanto o Alkmin quanto o Lula apenas questionaram um ao outro, mas, nada explicaram. Vamos dexixar com a Polícia Federal.

José Rodrigues da Silva

Raimundo, Raimundinho, tu só acertas em um, no outro te equivocas ou gajo burro!!! Avanti Dudu! Fora Luiz!


Potencial Pesquisa & Informação

09/10


2006

Os principais momentos do debate

Confira abaixo os principais momentos do debate entre os candidatos à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Corrupção

"A obrigação de um governante é apurar tudo, mas quando era governador, o senhor [Alckmin] soube de fatos graves e nunca fez nada para apurar" - Lula

"Se tem alguém que não tem moral para falar de ética é o governo Lula" - Alckmin

Dossiê

"Eu quero saber mais [do que sobre o dinheiro para a compra do dossiê], quero saber quem arquitetou este plano, o conteúdo deste dossiê, quem fez esta negociata, porque o único beneficiado foi meu adversário [Alckmin]" - Lula

"Eu não tenho no meu governo ministro condenado" - Alckmin

"Não sou policial, sou presidente da República. O que é pertinente ao presidente, nós fizemos, que foi afastar os envolvidos, mas a investigação cabe à polícia" - Lula

"Quando a polícia tiver os dados, eu tenho mais interesse que Vossa Excelência de saber a verdade" - Lula

Privatizações

"Todo mundo sabe que foi o PFL e o PSDB que privatizaram esse país. Quando não tiver mais o que vender, o que ele vai fazer? Vai vender a Amazônia? Só posso responder aquilo que eu sei. Não disse que o governador vai privatizar, disse que há setores do PFL e PSDB que querem privatizar até a Petrobras" - Lula

"Não minta, Lula. Não foi o PSDB nem o PFL que falaram em privatização, foi você que falou. Fico triste com a irresponsabilidade de um presidente da República ter dito isso. Foi você que falou e vou distribuir isso à imprensa no fim do debate. É mentira que vou acabar com o Bolsa Família" - Alckmin

Apagão

"Houve um problema de falta de energia por questões hídricas. Por falta de chuva" - Alckmin, em relação ao apagão ocorrido durante o governo FHC

Cartão Corporativo

"Não seja leviano, não seja leviano, pergunte isso [sobre os gastos do governo federal com o cartão de crédito corporativo] ao FHC [ex-presidente Fernando Henrique Cardoso]" - Lula

"Vá devagar, não vá como muita sede ao pote, porque sua bravata não vai funcionar" - Lula

CPIs

"Ao contrário do meu governo, que não movimentei um dedo para não fazer CPI" - Lula, sobre os "69 pedidos de CPIs" engavetados no Estado de São Paulo

"Quanta mentira. As CPIs só saíram porque o Roberto Jefferson denunciou. O governo foi derrotado, por isso saiu CPI" - Alckmin

Segurança Pública

"Você cortou dinheiro da segurança pública. Há uma contradição entre os números que você decorou para esse debate e a realidade do Estado de São Paulo" - Lula

"Essa é uma questão nacional [segurança pública]. Eu não vou me omitir, jogando a culpa nos governadores" - Alckmin

"Fizemos 75 unidades prisionais. O governo Lula fez uma, tem 60 presos. A polícia de fronteira, que é de responsabilidade federal, não aconteceu" - Alckmin

Política externa

"É uma política que fez o Brasil deixar de depender de dois blocos: Europa e Estados Unidos. Se tem uma coisa que o Brasil tem de correto, e que você deveria reconhecer, é a política externa" - Lula

"Conselho de segurança na ONU, perdeu. Diretoria da OMC, perdeu. Com a Bolívia, o Brasil foi humilhado, os ativos da Petrobras foram expropriados" - Alckmin

Aerolula

"Eu quero dizer que eu vou vender esse Aerolula e vou construir cinco hospitais" - Alckmin.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Rodrigues da Silva

Avanti Dudu (zóio zú)! Fora Luiz ( zóio do c...)

José Rodrigues da Silva

E o fantástico maior espetáculo da terra, o "fome zero"? Heim? Explicas? Não? Então?

LandRover

Lula perdeu o debate. - - - - Visivelmente embriagado, Lula não sabia o que dizia. Alckimim venceu o Debate, Alckimim venceu o Mijão, digo, o Fujão!

que houver, o nível vai depender dele. Nós estamos e continuaremos tranquilos e firmes no propósito de ganhar a cada dia mais votos, para consoilidar a nossa vitória, nas eleições de 29/10/2006. Com Lula 13 lá e Eduardo 40 cá.

É isso aí Lula, o debate não foi muito bom, pois o desesperado chuchuzeiro, somente quis falar de assuntos já conhecido, e que o Sr. se saiu muito bem, infelizmente ele está preparado para agressão pois a derrota já está confirmada através das pesquisas. Vazmos continuar firme e qualquer outro debat


Banco de Alimentos

09/10


2006

O Brasil que saiu das urnas

O Brasil é tão bonzinho quanto os votinhos que elegeram Paulo Maluf, Jader Barbalho, Fernando Collor e Clodovil Hernandes. Na terra das belezuras de Marta Suplicy, sua excelência o deputado Clodô é apenas uma pantera cor de rosa diante dos carcarás tipo Maluf e caboclos mamadores da fauna dos predadores. Os homens-linguas tipo Hamilton Lacerca e Berzoine podem explodir a Republica. A língua de Maluf guarda os segredos de milhões de dólares nos paraisos monetários. A lingua de Clodô já está cansadérrima de guerras'', escreve o jornalista José Adalberto Ribeiro, em artigo que acabo de postar no meu Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/10


2006

Primeiro debate virou troca de acusações

O primeiro debate entre Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, e o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, começou como se esperava: os assuntos ética e dossiê Vedoin - que seria comprado por petistas para ser usado contra tucanos - dominaram o confronto. A primeira pergunta de Ricardo Boechat sobre corte de gastos foi praticamente ignorada para que estes assuntos entrassem logo no embate. Durante todo o tempo, Alckmin, olhando para as câmeras, atacava Alckmin. E Lula, olhando para o candidato, se defendia.

Alckmin pedia o tempo todo que Lula explicasse de onde viria o dinheiro para a compra do dossiê, de R$ 1,7 milhão. O petista retrucava dizendo que a única prejudicada pelo caso do dossiê era a sua própria candidatura. "Não sou policial sou presidente da República. O candidato deve ter saudade do tempo da ditadura em que as pessoas eram obrigadas a falar. Tudo está sendo feito, as pessoas envolvidas foram afastadas", disse.

O primeiro bloco terminou com Lula questionando o candidato tucano sobre as 69 CPIs que não foram instaladas no seu governo e perguntou: "a que preço?". Alckmin retrucou: "Quanta mentira. Como Lula mudou.... As CPIs (no governo Lula) só saíram porque o Roberto Jefferson contou a verdade para o Brasil".

O clima esquentou no segundo bloco, Alckmin disse que Lula precisava ler suas perguntas e respostas e, ao ser atacado por Lula, dizia: "Quem escreveu aí, escreveu errado". O petista se defendeu dizendo: "Não tem problema ler, não fiquei decorando, não fiz curso de psicodrama". Os assuntos finais do bloco anterior foram retomados. Alckmin continuou atacando com o dossiê e Lula com a instauração das 69 CPIs.

Na metade do segundo bloco, Lula foi o primeiro a chamar o debate para a discussão de assuntos que envolvessem política econômica e política social. Mas Alckmin não aceitou o "convite" e voltou a falar dos esquemas de corrupção que foram descobertos no governo Lula. Constrangido com o fato apontado por Alckmin, sobre a leitura de suas perguntas e respostas, o petista novamente chamou o debate para plano de governo e criticou a atuação de Alckmin na administração da Febem.

O primeiro direito de resposta foi pedido no segundo bloco. Lula reclamou que foi chamado de mentiroso. Alckmin ameaçou pedir também. O direito de resposta não foi autorizado pela produção do programa e a intenção de Alckmin ficou por isso mesmo. A irritação de Lula ficou cada vez mais evidente, principalmente quando Alckmin questionou o uso do cartão corporativo. "Não seja leviano, Alckmin, não seja leviano", disse Lula. O tucano também se alterou e respondeu alto e fora do microfone: "Respeito!, Respeito!"

O terceiro bloco foi marcado por discussões sobre problemas do governo de ambos. Alckmin se defendeu sobre a violência no Estado de São Paulo, mas Lula destacou que ele cortou 15% dos gastos em segurança. Na política externa, Alckmin disse que por trás "desse palavrório todo há um presidente fraco", quando destacou os problemas enfrentados pela Petrobras na Bolívia. Esse foi um dos momentos em que a platéia se manifestou, quando Lula disse: "É difícil discutir com alguém que pensa que ainda estamos na Guerra Fria. Se o Bush tivesse o bom senso que eu tenho, não teria feito a guerra do Iraque. Ele pensava que nem você, Alckmin". Eles falaram ainda de energia e estradas.

Jornalistas questionam

A partir do quarto bloco, o questionamento aos candidatos foi feito pelos jornalistas Franklin Martins, Joelmir Beting, Fernando Vieira de Mello e José Paulo de Andrade. Novamente o assunto ética voltou ao debate. Alckmin chamou Lula de "arrogante" e disse que o "mensalão foi feito dentro do Palácio do Planalto". "É uma lista telefônica de corrupção", acusou.

A pergunta foi sobre maioridade penal, mas Alckmin falou que venderia o aerolula e construiria cinco hospitais. Daí para frente voltaram a falar de corrupção. Olhando para a câmera, disse: "Qual é autoridade moral para ele vir falar com essa lista de corrupção no seu governo?". Lula respondeu: "Com a autoridade de quem descobriu que 60% dos prefeitos envolvidos (com sanguessugas) eram do PFL e do PSDB, a autoridade de quem sabe como a sociedade reage quando as denúncias não são apuradas".

O embate neste bloco terminou com uma discussão sobre crescimento econômico. Alckmin disse que governo lula é "governo tartaruga". Lula rebateu com uma frase de efeito: “A qualidade de vocês é privatizar, privatizar, privatizar. A nossa é investir no social, investir no social, investir no social.” Para o tucano, os juros altos do Brasil significam “o risco Lula” e explicou: “Precisa ter os juros lá em cima, porque não tem credibilidade.” Ele citou várias obras de grande porte que Lula anota como realizações de seu governo e que até agora não saíram do papel. Lula, na réplica, confirmou que várias delas só começarão no próximo ano e explicou por quê: “Essas coisas tem um tempo de maturação”.

Nos comentários finais, Lula agradeceu os votos recebidos e disse: "até o próximo debate". Alckmin usou o tempo para novamente dizer que participou de todos os debates e destacou seu principal projeto de crescimento econômico. O debate durou pouco mais de duas horas. (Agência Estado)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Alexandre Kennedy Torres

Alckmin não tem propostas não está preparado para governar um país que ele nem conhece, perdeu a oportunidade de mostrar suas idéias.

Guerreiro do povo Brasileiro

DEPUTADO JOSÉ MENDONÇA, PAI DE MENDONÇA FILHO É ACIONISTA DO SISTEMA JORNAL DO COMMÉRCIO, VEJAM: 17.060 AÇÕES DA EMPRESA JORNAL DO COMMERCIO 23.074 QUOTAS DA RÁDIO JORNAL DO COMERCIO BRASIL 27.922 DA TV JORNAL DO COMERCIO BRASIL

Deweler

O Noblat ta lava lá e viu que Lula saiu irritado, irritadíssimo do debate acho que se ele tivesse ganhado algo com o debata estaria um pouco mais feliz talvez né?

Deweler

NOBLAT DIZ: Lula saiu irritado, irritadíssimo do debate na Band com Alckmin. Ele não se preparou tão bem como deveria. Achou que levaria Alckmin no bico. Ou então se preparou, mas não deu conta do recado

Deweler

NOBLAT DIZ: DEBATE - Alckmin foi melhor Daqui do estúdio da Band sem ter podido ver direito o debate na telinha, minha sensação é a de que Alckmin se saiu melhor do que Lula. Estava mais bem preparado. Expôs com mais clareza as suas idéias e atacou a maior parte do tempo.



08/10


2006

Lula deixa o debate insatisfeito com os temas

Terminou o primeiro debate da Band. O candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que lamentava que o debate tenha deixado de lado as propostas e ficado nas ''leviandades''.

Lula entende que a questão ética terá domínio ao longo da campanha, mas que continuará disposto a debater o assunto com o adversário tucano, Geraldo Alckmin.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Deweler

NOBLAT DIZ: Lula saiu irritado, irritadíssimo do debate na Band com Alckmin. Ele não se preparou tão bem como deveria. Achou que levaria Alckmin no bico. Ou então se preparou, mas não deu conta do recado.

Carlos

Claro, acho que pela cara do Lula elle queria discutir sobre Pitu, 51, caranguejo...Alckmin nelles! Mais uma vez claro a diferença entre os dois: decência! 45 nelles!

LandRover

Lula perdeu o debate. - - - - Visivelmente embriagado, Lula não sabia o que dizia. Alckimim venceu o Debate, Alckimim venceu o Mijão, digo, o Fujão!

Deweler

RICARDO NOBLAT DIZ: Daqui do estúdio da Band sem ter podido ver direito o debate na telinha, minha sensação é a de que Alckmin se saiu melhor do que Lula. Estava mais bem preparado. Expôs com mais clareza as suas idéias e atacou a maior parte do tempo.Lula se mandou rapidamente tão logo terminou

irania Olivia Benicio

São da existência de brasileiros da qualidade do Cristiano, que "pasta" o país. Tão estúpido quanto aquele por quem "torce"!



08/10


2006

Lula é obrigado a ler para atacar Alckmin

O presidente Lula continua lendo todos os dados que necessita ara atacar o candidato Geraldo Alckmin. Chegou a ser criticado pelo tucano de estar despreparado para  debate.

Na questão da Educação, Alckmin deu uma estocada em Lula: ''Levou três anos para encaminhar ao Congresso a lei do Fundeb (fundo para a educação básica) e acabou não sendo aprovado. Tinha maioria lá para proteger mensaleiro, mas não tinha maioria para aprovar o fundo da Educação''.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Soraya da Cruz Plácido

Lula realmente mostrou incompetência no debate... Teve horas que ri, afinal, parecia que ele tinha decorado a palavra BRAVATA e não dizia mais nada, se perdia muito e não respondeu as perguntas de Alckmin sobre corrupções... Gostei do debate, Alckimin demonstrou mais segurança .

LandRover

Incompetente, o mijão presidente e candidato Lula fugiu durante todo o debate, principalmente ao querer como se não tivesse culpa nos casos de corrupção do seu governo. Alckmim venceu o presidente Mijão e Fujão!



08/10


2006

No 3º bloco, segurança foi destaque

No terceiro bloco do debate entre os candidatos à Presidência da República, Geraldo Alckmin, do PSDB, e Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, se concentraram mais em seus projetos de governo, debatendo temas com segurança pública.

Lula iniciou as discussões citando a performance de Alckmin na área e citando os ataques do PC ao estado, perguntando ao ex-governador qual seriam suas propostas para o país.

Alckmin respondeu com uma série de números. Segundo ele, o governo de São Paulo tirou da rua 90 mil bandidos, reduziu em 50% o número de homicídios de São Paulo, sendo mais de 60% latrocínio, e construiu 75 unidades prisionais, contra uma do governo Lula.

- Temos hoje 130 mil policiais no estado de São Paulo, com polícia trabalhando e protegendo a população. São Paulo é hoje o 22º estado do Brasil nos crimes violentos e contra a vida - disse.

O tucano também acusou Lula de ter liberado apenas 9% dos recursos previstos para o Sistema Único de Segurança Pública, tendo gasto, em contrapartida, R$ 700 milhões em viagens e diárias.

- Essa é uma questão nacional e eu não vou dizer que a responsabilidade é do governador. Eu vou liderar esse trabalho. É uma responsabilidade do Brasil inteiro - afirmou Alckmin.

Na réplica, Lula disse ter gasto o mesmo que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em viagens e perguntou a Alckmin se ele achava que alguém realmente acreditava em suas declarações. E disse que, possivelmente, o ministro da Justiça, Marcio Tomas Bastos, não tenha mandado dinheiro ''porque soube que Alckmin cortou 11% do orçamento da segurança, sendo R$ 67 milhões apenas no setor de inteligência''.

- Houve uma redução de 12% no contingente da força de segurança em 1995. Para cada 100 mil habitantes, o estado de São Paulo tinha 352 policiais civis e militares. Hoje só tem 309 - rebateu Lula.

Alckmin, por sua vez, disse ter investido R$ 10 milhões na segurança pública de São Paulo e lembrou que o estado hospedou o presidiário Fernandinho Beira Mar a pedido do governo federal por falta de presídios de segurança máxima no país. (Globo Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

LandRover

Alckmim ganhou o debate para o presidente Mijão!

LandRover

O PT e os amigos de Lula (Zé Dirceu, Buxodekem, Palocci e tantos outros assaltantes) desviaram milhões de reais necessários a construção de mais moradias, mais presídios... Deposição do Bêbado Já!



08/10


2006

Candidatos continuam trocando acusações

Ao longo do segundo bloco do debate, o tucano Geraldo Alckmin insistiu nas denúncias de corrupção e disse que a grande diferença entre os governos tucanos e administração petista é o caráter. Ele citou o ex-governador de São Paulo, Mário Covas.

- A diferença é de caráter. Covas dizia se alguém errar, foi eu que errei, porque fui eu que pus lá. Eu não jogo culpa nas costa de amigos, eu assumo - afirmou o tucano.

Lula rebateu dizendo que era mesmo verdade que Mário Covas era um homem de caráter, ''tão de caráter que PSDB não queria que ele fosse candidato a presidente'' E argumentou que o escândalo do valerioduto começou em Minas Gerais, no governo de Eduardo Azeredo (PSDB), e também levantou a questão das privatizações e da suspeita de compra de votos de para reeleição de Fernando Henrique.

- O governador poderia dizer onde começou a compra devotos espúrios no país, da eleição de 1994. É melhor aparecer a corrupção combatendo ela, do que não aparecer porque não se combate.

Alckmin rebateu, insistindo nas denúncias que pesam sobre o PT.

- Privatização foi um leilão público, na frente da imprensa, na frente do povo. É muito diferente de dólar na cueca, de dólar em caixa de uísque, de dólar no quarto hotel.

O candidato Lula também destacou os investimentos sociais de seu governo, citando pesquisas que mostraram que na sua administração a desigualdade social foi reduzida e cerca de seis milhões de pessoas saíram da condição de miséria.

Alckmin rebateu dando ênfase a questão da saúde, que a seu ver, era muito melhor tratada no governo Fernando Henrique e na sua própria administração no estado de São Paulo, do que no governo Lula.

- Política social aqui em São Paulo quem faz somos nós. Fizemos19 hospitais, o governo Lula zero.

Na resposta, Lula disse que reformou 74 hospitais e dobrou os gastos com saúde da família.

- Criamos o programa de saúde bucal para que os pobres possam tratar de dente, a farmácia popular que permite comprar remédios pagando 10% do valor e estamos reformando 74 hospitais. Não queira que em quatro anos, eu conserte o que vocês destruíram em quatro séculos - disse Lula. (Globo Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

LandRover

Lula é um bravateiro, incompetente e mentiroso. Lula é um desiquilibrado mental culturalmente inferior aos demais brasileiros. Deposição Já!



08/10


2006

Nem o "Aerolula" escapa da pancadaria

"''Vou vender o Aerolula e fazer cinco hospitais com o dinheiro dele, porque esse avião é caríssimo", Geraldo Alckmin.

Lula: "Eu fico imaginando uma dona de casa, um brasileiro que tenha juízo, ouvir um candidato dizer uma sandice dessas, quando São Paulo tinha aviões".

Alckmin: "''Eu vendi".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

LandRover

Na compra do AeroLula, ele, o presidentezinho comeu uns carocinhos de dólares... Deposição Já do Mijão!



08/10


2006

Lula mostra desconforto com debate sobre ética

Detalhes do debate colhidos pelo Estadão:

"Sem o hábito de responder a perguntas sobre ética, que foram feitas por um candidato preparado com perguntas afiadas e agressivas, Lula demonstrou irritação e desconforto. Enquanto era questionado, as câmeras mostravam sua reação, o que comprovava que o petista estava realmente incomodado com os questionamentos. Nas respostas, uma diferença crucial entre os candidatos: Alckmin olhava para as câmeras, falando diretamente com os telespectadores. Já Lula olhava o tempo todo para o candidato tucano".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

E era para olhar mesmo, para o povo saber qe o Lula encara qualquer um, apesar do tirotéio. Quem não deve não teme, e ele olha nos olhos e responde com toda tranquilidade qualquer pergunta que vier. pois, as falcatruas que ele tem conhecimento, pede investigação do órgão maior, para ficar tranquilo.