Lavareda

17/05


2009

CPI: PSDB acena com sensatez nas investigações

 Depois do fracasso da operação do governo Lula na tentativa de barrar a CPI da Petrobras, o PSDB sinalizou ontem que não abre mão de investigar a estatal, mas está disposto a negociar um "projeto rigoroso e seguro" de investigação. Presidente do PSDB, o senador Sérgio Guerra (PE) disse à Folha que, se o governo quiser, seu partido aceita "sentar para negociar um plano rigoroso, sensato e seguro de investigação" da Petrobras.

De acordo com ele, seu partido não deseja uma CPI no "estilo publicitário, conduzida com emocionalismo", porque isso poderia provocar "tumultos" na comissão e prejudicaria a "empresa, o país e o próprio partido [o PSDB]". Governo e oposição têm usado, nos bastidores, a mesma munição que pode acabar freando os ânimos investigatórios -a de que todos têm ou já tiveram relações próximas com a Petrobras e uma investigação profunda poderia afetar interesses de empresários simpáticos a esse ou aquele partido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Emanuel Fernandes

Quem é que acredita neste cara chamado Severini Sergio Guerra ? eu não acredito !

guilherme alves

Anões) o que significa uma CPI. No país CPI é para servir a interesses difusos, e os tucanos sabem bem disso. Há várias formas de auditar a Petrobrás, e não é necessário palco. Pois CPI nesse país é sinonimo de Circoi, e os tucandos se dão bem no papel de palahaços. A começar pelo do Amazonas

guilherme alves

É esse o partido que quer voltar a governar o país. Ato de tamanha insanidade reflete o despreparo tucano para administrar. Atingindo um patrimônio brasileiro - a maior de renome internacional - atinge a todos nós. Sabe o Sr. Sérgio Guerra - inclusive já passou por isso ao ser acusado na CPI dos

uilma

eu Quis diser sò muda de partido e de estado, ``e farinha azeda do mesmo saco.

uilma

Tudo igual, sò de estado e de partido, mais sou Serra kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


ALEPE

17/05


2009

Tucana enfrenta 29 meses de crise no governo do RS

 Afora as denúncias de caixa dois e do uso do dinheiro para compra de uma casa, alvo de apuração, os 29 meses de governo de Yeda Crusius (PSDB) no Rio Grande do Sul são marcados pela instabilidade política e por um ajuste fiscal duro, sempre sob fogo cerrado da oposição e de ex-aliados.São esses os três fatores, alternando-se em ordem de importância, que, desde o começo da atual gestão, em janeiro de 2007, têm levado o Estado a uma situação política tensa, com entidades organizadas pedindo o impeachment da governadora, a primeira mulher a comandar o Rio Grande do Sul. Nem o fim de um déficit histórico nas contas públicas foi capaz de dar fôlego à tucana.

Desde a posse, a governadora alterou 21 vezes seu secretariado. No Legislativo, sofreu derrotas importantes, como a segunda tentativa de aumentar o ICMS e a abertura de uma CPI para investigar corrupção. Agora, por conta das suspeitas que pairam sob a compra da casa onde mora, a governadora depende do PMDB e do PP para evitar a abertura de outra CPI. O relacionamento com a sociedade organizada também é conflituoso. (Da Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

guilherme alves

Se os tucanos fossem honestos em vez de atacar a Petrobrás subscrevia esse pedido de CPI.

JARBASTA

Tira essa perua.

DENIS OLIVEIRA

ONDE ESTÃO OS MORALISTAS DO PSDB,DEMO,PPS,PMDB?CADÊ JARBASTA?RAUL JUNGMAN?O SEM VOTO ROBERTO FREIRE?JOSÉ AGRIPINO?ALVÁRO DIAS?SÉRGIO GUERRA?PORQUE SERÁ QUE NENHUM DELES APARECEM PARA DEFENDER A GOVERNADORA DO PSDB,QUE TEM O DEMO COMO VICE?É DE SE ESTRANHAR ,VCS NÃO ACHAM?


O Jornal do Poder

17/05


2009

Lula carrega nos elogios a Obama ante rei saudita

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva discutiu o processo de paz no Oriente Médio e elogiou o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em conversa de 40 minutos, ontem, com o rei saudita, Abdullah bin Abdulaziz al Saud. Após um banquete no palácio real, Lula e o monarca assinaram dois atos de consultas políticas e discutiram a possibilidade de acordos nas áreas petroquímica e agrícola.

O rei Abdullah quis saber qual havia sido a impressão de Lula do presidente Obama, com o qual ambos estiveram recentemente, durante o encontro do G20, em Londres. "A melhor possível", respondeu Lula. O monarca concordou.
A primeira visita de um chefe de Estado brasileiro à Arábia Saudita tem como prioridade intensificar os investimentos e o comércio bilateral, que em 2008 somou US$ 5,5 bilhões. A área com maior potencial para o Brasil, além do agrobusiness, é a da construção civil, já que os sauditas pouco foram afetados pela crise financeira e estão erguendo quatro novos pólos industriais, com custo estimado em US$ 600 bilhões.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

uilma

Obama quis diser ele cara que sabe levar o povo no bico kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

uilma

Enquanto isso o povo espera meses, pra faser um exame pelo sujo, o povo de que o diga fala Arcoverde, prioridade com saude zero.

EDSON COSTA DE SIQUEIRA

A NOTA ABAIXO "GOVERNISTAS TÊM ATÉ DATA DO PLEBISCITO DO 3º MANDATO" EXPLICA A ESTRATÉGIA DO LULA CHAVEZ!


Abreu no Zap

17/05


2009

Governistas têm até data de plebiscito do 3º mandato

 Reportagem da Folha de S.Paulo de hoje dá conta de que a base do governo tem na manga, pronta para ser apresentada, uma PEC (proposta de emenda constitucional) que prevê um referendo sobre a possibilidade de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva concorrer a um terceiro mandato. A consulta ocorreria em setembro deste ano, a tempo de valer para a próxima eleição, caso o Congresso aprove a PEC. A proposta é do deputado federal peemedebista Jackson Barreto (SE) e está guardada em seu gabinete.

O deputado já reuniu as 171 assinaturas necessárias para protocolar a emenda, a maioria vinda de PMDB, PT e outros partidos da base de Lula. Mas há também apoios da oposição. A emenda tem apenas uma página e três artigos. O primeiro altera o parágrafo 5º do artigo 14 da Constituição, que trata da reeleição. "O presidente da República, governadores de Estado e do Distrito Federal, os prefeitos e quem os houver sucedido ou substituído no curso dos mandatos poderão ser eleitos para até dois períodos imediatamente subsequentes", diz a nova redação proposta. O artigo seguinte afirma que "a promulgação desta emenda fica sujeita a referendo popular, a ser realizado no segundo domingo de setembro de 2009".

Na justificativa que acompanha o texto, Barreto diz que "não há razão lógica para se proibir um terceiro mandato sucessivo, mesmo porque, a rigor, cabe ao eleitorado decidir sobre a continuidade ou a descontinuidade da gestão posta ao crivo das urnas".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

guilherme alves

E a oposição torando o aço. Será um show de cidadania, se houver. Acho que deveria existir.

Pedro Batista Filho

Muitos do q condenam um terceiro mandado aplaudiram o estupro da PEC reeleição. São muito hipócritas.

uilma

Você quer diser distribuição de esmola, conheço com esmola,`pena que meu pais ta nessse nivel, que se acha que renda 100, seja dinheiro isso è vergonha nacional.E saude zero.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

rogerio rodrigues dos santos

LULA DE NOVO COM A FORÇA DO POVO. SIM SIM SIM SIM.

JARBASTA

O meu voto é pelo SIM , Lula de Novo com a força de Povo!



17/05


2009

Antes inseparáveis, DEM e PSDB começam a se estranhar

 O litígio entre PSDB e DEM em torno da criação da CPI da Petrobras é apenas o mais recente de uma série iniciada com a eleição de José Sarney (PMDB) para a presidência do Senado -apoiada apenas pelos "demos"- e que complica a costura da aliança para as eleições do ano que vem. O próximo embate deverá ser sobre a alteração nas regras da poupança: o DEM quer bater sem dó; o PSDB tem lá suas dúvidas.

O estranhamento é agravado por disputas em Estados importantes e pela percepção, por parte do DEM, de que os articuladores da candidatura de José Serra jogam muitas fichas na aproximação com o PMDB. "Ou sentamos para aparar as arestas ou vamos entrar em 2010 desarticulados", diz um dirigente do DEM.  (Painel - Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Scarlett Tayná

Não é briga, briga é o que está acontecendo na questão de Humberto e João Paulo..

JARBASTA

Briga de comadres.

rogerio rodrigues dos santos

OH! COITADOS...


Banco de Alimentos

17/05


2009

Acusada por VEJA, governadora vai processar a revista

 A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), vai entrar com ação de indenização por danos morais contra a revista VEJA, por considerar injustas as denúncias veiculadas na reportagem da semana passada sobre irregularidades em sua campanha eleitoral e no governo. A informação é do site da própria revista.

O anúncio foi feito na noite desta sexta-feira em Porto Alegre pelo advogado Eduardo Alckmin, contratado por Yeda para defendê-la das acusações de irregularidades, após reunião com a governadora e secretários do governo do estado.

Alckmin afirmou que as denúncias de corrupção fazem parte de uma "guerra política" promovida por setores que querem desestabilizar o governo da tucana.

Neste sábado, outra reportagem de VEJA traz novas denúncias de caixa dois na campanha eleitoral de Yeda, relatando casos que envolvem o vice-governador Paulo Feijó (DEM).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOEIDES PEREIRA DA PAZ

A revista Veja parace que tem alguma divida a receber com o PSDB ... se não pagar os serviços prestados ... vou detonar. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

uilma

A e Lula que numca sabe de nada, isso è que pior, todos è humano diabolicamente, sem caracter.

DENIS OLIVEIRA

O MAIS ENGRAÇADO DISSO TUDO É AGENTE NÃO VER NENHUM COMENTÁRIO DOS MORALISTAS DO PSDB,DEMO,PPS E PARTE DO PMDB.PORQUE SERÁ?CADÊ JARBAS,AGRIPINO MAIA,ARTUR VIRGILIO,SERGIO GUERRA,ONDE VCS ESTÃO?



17/05


2009

Jarbas e Simon voltam à tribuna para "bombardear" Lula

 É esperada para esta semana, no Senado, a intervenção de pelo menos dois representantes do PMDB, em defesa de companheiros hoje retirados, recentemente agredidos pelo presidente Lula. Pedro Simon e Jarbas Vasconcelos devem criticar o pedido de desculpas feito pelo presidente ao ministro Celso Amorim, por haver nomeado embaixadores fora de carreira no início de seu governo. Itamar Franco, para Roma, e Paes de Andrade, para Lisboa, com Tilden Santiago, do PT, de quebra para Havana. O Itamaraty forçou a saída dos três, até de forma grosseira, reivindicando exclusividade para diplomatas de carreira no preenchimento das nossas embaixadas.

O que o presidente Lula não precisava era ter-se dito arrependido por haver aproveitado políticos derrotados. Primeiro porque nenhum dos três concorreu às eleições de 2002. Depois, porque no mundo inteiro, e até em todos os governos anteriores, no Brasil, sempre foi costume a nomeação de embaixadores fora da carreira.   
Carlos Chagas


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

guilherme alves

Para quem brilha os olhos da inveja são direcionados.

rogerio rodrigues dos santos

JARBAS DE NOVO... TÔ FORA!

uilma

Jarbas ta bom de vossa ex deve mais è trabalhar em prol da saude de pernambuco, que ta uma miseria, brigui por isso eu voterei em vossa ex, que coisa tanta coisa que tem prioridade saude è que interessa o resto não tem pressa kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Josemar Rabêlo

Jarbas inventa de bater em Lula para aparecer na mídia, uma vez que as pesquisas em PE dão uma larga vantagem a Eduardo Campos. JARBAS, JAMAIS!!! JARBAS: CARRASCO DE SERVIDORES PÚBLICOS. Magno, faça uma enquete com os servidores públicos, se eles querem Jarbas de volta... DEUS NOS LIVRE!!!!!!!!



17/05


2009

Lula finge, mas não teme CPI. Confia em acordo

Apesar do jeito irritado com que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva critica publicamente a oposição, acusando-a de ''irresponsabilidade'' por ter criado a CPI da Petrobrás, no bastidor o governo está tranquilo, segundo o Estadão deste domingo. São três as fontes da tranquilidade do Planalto: a esperança de conseguir segurar a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito até o depoimento do presidente da estatal, Sérgio Gabrielli, no Senado; um acordo, puxado pelo DEM e o PMDB, para que os líderes não indiquem os nomes para instalar a CPI, se Gabrielli for bem no depoimento; e, por último, a crença de que não há clima político para fazer uma ''CPI do fim do mundo'', porque a própria oposição promete uma ''investigação light''.

Com Lula em viagem pela Arábia, China e Turquia, e Gabrielli na comitiva, as lideranças governistas vão insistir no início desta semana que havia um acordo com a oposição para não instalar a CPI enquanto o presidente da Petrobrás não participasse da audiência pública de três comissões (Assuntos Econômicos, Infraestrutura e Constituição e Justiça). O PSDB, argumentarão os governistas, arrancou a leitura do requerimento da CPI proposta pelo tucano Álvaro Dias (PR) - na sessão aberta sexta-feira com apenas quatro senadores - à revelia desse acordo. Uma reunião do DEM, marcada para terça-feira, pode ajudar a reforçar a estratégia do Planalto de segurar a instalação da CPI até o depoimento de Gabrielli.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

uilma

Ele tem medo? ele ta acobertado, vai se sair muito bem como sempre.



17/05


2009

Municipios pobres aumentam e deputados querem mais

 Apesar da penúria de muitos municípios - agravada pela crise econômica desde o ano passado - e da farra de emancipações dos últimos 20 anos, o número de cidades brasileiras não para de crescer, segundo reportagem de O Estado de S.Paulo deste domingo. Com a instalação, em 1º de janeiro deste ano, de Nazária (PI), com pouco mais de 10 mil habitantes, o País chegou a 5.565 municípios. Em 2013, serão 5.569, com a oficialização de mais 4 que terão as primeiras eleições para prefeitos e vereadores em 2012. Os municípios foram criados nos anos 90. Por causa de brigas judiciais e do vaivém da legislação, só agora estão sendo oficializados.

A análise dos últimos 58 emancipados revela que eles têm poucos habitantes e altíssima dependência de repasses da União. Em 51 (88%), a população é inferior a 6 mil moradores. Em 29 deles (51,8%), mais da metade da receita é proveniente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), abastecido com dinheiro federal e que usa a população como principal critério para distribuição dos repasses. Sem esse dinheiro, as prefeituras não sobreviveriam.

O grau de dependência destes mais recentes é bem maior que a média nacional de 24,6% de prefeituras que têm no FPM mais da metade da receita.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha