FMO - Previnir é a melhor forma de lutar

13/10


2021

O xerém irresistível do Lord

Com o pé na estrada pelo Agreste e Sertão, dei uma paradinha em Arcoverde para provar o melhor da cozinha regional do Vale do Moxotó: o bar e restaurante “O Lord Nordestino”. Tem tudo de bom dos pratos regionais, com destaque para o xerém com creme de leite, melhor acompanhamento para galinha de capoeira com feijão, farofa e arroz. José, o Lord, dono da boa mesa, localizada no bairro da Cohab 1, é, literalmente, um lord inglês. Recebe muito bem e ele próprio vai para o fogão à lenha preparar os pratos.

Serviço

Restaurante Comedoria Regional Lord Nordestino

Endereço: Avenida Conselheiro João Alfredo, 1001 – Saída para o distrito de Ipojuca

Fones: (87) 9.9128-3379 e (87) 2159-0018


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão - regularizacao-fundiaria

13/10


2021

PE anuncia pagamento em Bônus de Desempenho Educacional

Com o objetivo de fortalecer a educação em Pernambuco, o governador Paulo Câmara fez uma série de anúncios, hoje, em solenidade no Palácio do Campo das Princesas. Entre as ações estão o pagamento do Bônus de Desempenho Educacional (BDE) 2021, que visa premiar servidores lotados e em exercício nas unidades escolares e nas 16 Gerências Regionais de Educação (GREs) por desempenho no processo educacional e cumprimento de metas e condições estabelecidas. Neste ano, o valor do BDE é superior a R$ 71,5 milhões, contemplando 876 escolas da rede estadual e impactando mais de 32 mil servidores.

O montante é o maior já pago em qualquer edição do BDE e vai acarretar uma distribuição média de R$ 2.214,64 por profissional, que deve ser pago nesta sexta-feira (15.10), Dia do Professor. O valor total deste ano representa um aumento de mais de 200% em comparação com o de 2020, que foi de R$ 21,7 milhões e contemplou 635 unidades de ensino e mais de 24 mil servidores. “Nunca houve um valor dessa magnitude, e isso é reflexo de planejamento e da certeza de que temos que retribuir todo esse esforço que a rede de educação de Pernambuco tem feito nos últimos anos. Principalmente durante a pandemia”, pontuou Paulo Câmara.

No mesmo evento, o governador anunciou a realização de concurso público, para contratar 3.500 novos servidores para a Secretaria de Educação e Esportes. O certame vai ofertar vagas para professores de todas as disciplinas da Educação Básica, Educação Profissional, Educação Especial e para o Conservatório Pernambucano de Música, além de vagas para analistas em gestão educacional. O edital com o cronograma e demais informações será divulgado em breve.

De acordo com Paulo Câmara, todas as áreas da educação terão o quadro renovado com o concurso, o maior já anunciado na educação de Pernambuco. “O lançamento foi autorizado e agora vamos selecionar a instituição organizadora. Temos como meta até o final do ano lançar o edital para que, em 2022, possamos ter condições de ter novos profissionais atuando na nossa rede”, esclareceu.

NOVO PROGRAMA – O governador lançou ainda o Programa Monitoria PE, voltado para diminuir a evasão escolar. A iniciativa se divide em Monitoria de Busca Ativa e Monitoria de Aprendizagem. O primeiro tem investimento de R$ 568 mil, e visa resgatar os estudantes que, dentro do contexto da pandemia, se afastaram do ambiente escolar. Entre os critérios exigidos está à disponibilidade para jornada de 20h semanais e, preferencialmente, ser egresso da rede estadual. Neste caso, os monitores receberão uma bolsa de R$ 800.

Já o Programa Monitoria Aprendizagem tem um investimento de mais de R$ 4 milhões apenas neste ano, com objetivo de estimular os estudantes com lacunas de aprendizagem neste momento de retomada das aulas presenciais. Ao todo, estão sendo disponibilizadas 7.128 vagas de monitor para todas as escolas do Estado. As turmas do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio terão dois monitores, um para Língua Portuguesa e um para Matemática.

Os monitores serão alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio, e receberão uma bolsa no valor de R$ 200. “Esses estudantes terão como atribuição socializar os conhecimentos com aqueles colegas que têm dificuldades em determinados conteúdos. Para poder se candidatar à monitoria, o aluno deve ter média acima de sete e disponibilidade de tempo. Esse aluno vai passar por um processo seletivo dentro da escola para poder ser escolhido”, detalhou o secretário de Educação e Esportes, Marcelo Barros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem

13/10


2021

Fundef, tema de estreia de Cintra como articulista

Ex-senador da República, ex-superintendente da Sudene e empresário bem-sucedido no Estado, Douglas Cintra (PSDB) faz sua estreia como articulista deste blog abordando um tema polêmico: o uso do Fundef para pagamento da folha dos professores. “A luta dos professores é mais do que justa. Trata-se de uma categoria que tem a responsabilidade de formar o nosso futuro”, prega. Confira a íntegra abaixo.

O Fundef e a (in)Justiça

Por Douglas Cintra*

Fruto da extinta Lei 9.424/1996, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (extinto Fundef) repassava aos Estados e Municípios um valor mensal para que os gestores pudessem investir na qualificação, capacitação contínua e melhor remuneração dos profissionais da educação, sendo uma parte desses recursos destinados a manutenção e melhoria das escolas públicas das redes estadual e municipal de ensino.

De acordo com as regras estabelecidas pela antiga Lei do Fundef, mantida atualmente pela Lei do Fundeb, 60% dos recursos enviados pelo Governo Federal devem ser destinados ao pagamento dos profissionais da educação.

Ocorre que, entre os anos de 1996 e 2006, a União não repassou os valores corretos a Estados e Municípios, o que levou a quase totalidade dos gestores a ingressarem na Justiça, a partir de 2007, requerendo essa complementação. Dessas discussões judiciais provieram sentenças que obrigam a União a fazer o pagamento atualizado por via de precatório judicial, o que, em suma, consiste em uma decisão judicial que não cabe mais recurso, que de tal maneira se transforma em um título executivo e, por consequência, em uma ordem de pagamento a ser cumprida pelo Governo Federal.

Para se ter uma ideia dos montantes, mais de R$ 90 bilhões deverão ser pagos pela União aos Estados e Municípios. Apenas o Governo de Pernambuco está em vias de receber R$ 3,8 bilhões, só para a rede estadual, enquanto que as prefeituras receberão, em conjunto, um valor ainda maior que esse.

Diante dessa situação, existe uma luta dos professores das redes estadual e municipal com o objetivo de garantir que 60% dos valores provenientes dos precatórios do extinto Fundef sejam destinados ao pagamento dos profissionais da educação, o que exige das gestões municipais e estaduais a correta decisão política de assegurar esse pagamento aos professores, não apenas como forma de reconhecer e valorizar essa categoria que tem a responsabilidade de formar o nosso futuro, mas, sobretudo, como forma de fazer justiça.

*Ex-senador da República


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina setembro 2

13/10


2021

O medo vai pesar nas eleições de 2022

Por Adriano Oliveira*

O medo é sentimento que revela rejeição. Ele surge na mente das pessoas em razão da experiência ou convívio com algo durante determinado período. O medo pode ser oriundo também do ouvir falar. Neste caso, as pessoas falam tanto para outro sobre alguém ou de uma época que a rejeição surge. O medo expressa o desejo de não viver algo negativo novamente.

Eleitores sentem medo de candidatos. Pesquisas qualitativas da Cenário Inteligência provocam os eleitores a manifestarem a sua rejeição a um candidato ou a uma época.

As quantitativas também. Para encontrar o medo para com algum competidor, incentiva-se a lembrança dos votantes. Mas, muitas vezes, não é necessário o incentivo. Os eleitores manifestam espontaneamente a sua ojeriza para com algum candidato e explicam os motivos.

Dados de recentes pesquisas têm mostrado que o medo estará presente na próxima eleição presidencial. O ex-presidente Lula e o atual mandatário da República, Jair Bolsonaro, são candidatos com alta rejeição. A rejeição do candidato do PT diminuiu. E a do atual presidente aumentou. Pesquisas qualitativas revelam que eleitores temem Lula em razão da corrupção presente na era PT. E variados votantes temem Jair Bolsonaro em virtude das suas ações na pandemia, do seu jeito de ser e da grave crise econômica que assola o Brasil.

Neste instante, Lula pode vencer a eleição no 1° turno. Mas não descarto a possibilidade de o candidato do centro ir ao 2° turno contra Lula. Outro cenário é o atual presidente da República estar no turno final contra o candidato do PT. É cedo para construir previsão determinista. É adequado trabalharmos com cenários. Inclusive, o de Jair Bolsonaro não disputar a eleição.

As presenças de Lula e do PT na disputa eleitoral incentivarão a estratégia do medo. Opositores lembrarão da era Lula como a era do PT corrupto. Perguntarão se o Brasil merece ter de volta a corrupção. É claro que Lula reagirá mostrando as conquistas econômicas da sua época. Seria, portanto, o medo da corrupção versus os avanços econômicos. Jair Bolsonaro também será alcançado pela estratégia do medo. Os seus adversários mostrarão o presidente que relegou a vacina, que criticou fortemente as instituições e que mergulhou o país em graves crises econômica e política.

Portanto, a eleição de 2022 será a disputa do medo, da rejeição, da lembrança do que foi ruim. Lula tem uma vantagem: pesquisas qualitativas, em particular no Nordeste, mostram a memória econômica positiva para com a sua era. O candidato do centro também poderá ter vantagem – neste caso, a ausência de memória e a esperança de um futuro melhor sem Lula e Bolsonaro. Quanto ao atual presidente da República, resta a ele incentivar o antipetismo e responsabilizar a covid-19 pela grave crise econômica.

*Doutor em Ciência Política


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/10


2021

Prefeito do Cariri alcança 95% de aprovação popular

A gestão de Augusto Valadares (DEM), em Ouro Velho, no cariri paraibano, bateu a marca de 95,7% de aprovação popular, em menos de um ano. Os dados são de pesquisa do Instituto Opinião, realizada no último dia 1º de outubro.

Foi esse o percentual de respostas para a pergunta: você aprova ou desaprova a maneira como o prefeito de Ouro Velho, Doutor Augusto Valadares, vem administrando o município?

O modo de governar do prefeito é desaprovado por apenas 1,7 dos 230 entrevistados. Outros 2,6% disseram não saber ou não quiseram responder ao questionário.

Para 42,2% dos quase três mil habitantes do município, a gestão é ótima, boa para 48,2%, regular para 7,4%, ruim para 0,4%, péssima para 0,9%, enquanto 0,9% não quiseram ou não souberam responder.

O Instituto Opinião perguntou aos entrevistados qual nota, numa escala de 0 a 10, poderia ser dada para classificar o governo de Augusto Valadares.

A média da classificação atingiu 9,0. A nota dez recebeu o maior número de respostas, 53,35%. Somente 0,9% da população pesquisada deu nota zero à administração municipal. Clique aqui e confira a matéria do portal MaisPB na íntegra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sindicontas

13/10


2021

Eleições 2022: quais as alterações na legislação

Por Diana Câmara*

Regras postas para as Eleições Gerais 2022. O que mudou mudou, o que não mudou não muda mais. Algumas mudanças foram feitas para as regras do jogo das próximas eleições, mas a principal foi a “não mudança”, ou seja, a lei que acabou com as coligações proporcionais não ter sido modificada e, com isso, os partidos têm que se reinventar para conseguirem eleger seus candidatos e serem autossuficientes na corrida pelo voto e estruturação de chapa. 

Ao contrário do que ocorreu em  eleições anteriores, a prioridade máxima dos partidos em 2022 é eleger a maior bancada possível — fator determinante na partilha dos fundos públicos e do tempo de propaganda no rádio e na televisão. Inclusive esta tem sido a principal condicionante dos movimentos dos candidatos presidenciais no jogo eleitoral de 2022.

Por outro lado, no que tange as mudanças, vamos ter a oportunidade de abordar mais detalhadamente cada uma, já adianto que são diversas. As alterações envolvem desde a data da posse até a distribuição de recursos. Vamos falar de algumas. 

Para incentivar candidaturas de mulheres e negros, a nova regra modifica contagem dos votos para efeito da distribuição dos recursos dos fundos partidário e eleitoral nas eleições de 2022 a 2030. Serão contados em dobro os votos dados a candidatas mulheres ou a candidatos negros para a Câmara dos Deputados nas eleições realizadas durante esse período.

Como era sabido, a volta das coligações proporcionais não iria acontecer, porque assim se posicionou o Senado desde o início, e apesar de não fazer parte da Emenda Constitucional 111, outra mudança nas regras eleitorais terá validade no próximo pleito: as federações partidárias. 

O Congresso, ao derrubar o veto do presidente da República, validou o projeto que permite a reunião de dois ou mais partidos em uma federação partidária. Ela possibilita aos partidos, entre outros pontos, se unirem para atuar como uma só legenda nas eleições e na legislatura, devendo permanecer assim por um período mínimo de quatro anos. 

As siglas que integram o grupo mantêm identidade e autonomia, mas quem for eleito devem respeitar a fidelidade ao estatuto da federação. Algumas grandes siglas avançam a largos passos para fecharem acordo quanto a federação e marcharem juntos por, pelo menos, quatro anos após a eleição e/ou até mesmo na possibilidade de fusão de partidos, como foi o caso, por exemplo, da decisão do DEM e PSL, anunciada recentemente. 

Entre as inovações da nova regra eleitoral está a autorização para candidaturas coletivas para os cargos de deputado e vereador. 

Outra importante mudança que podemos destacar foi a questão de Fidelidade partidária. As novas regras permite que parlamentares que ocupam cargos de deputado federal, estadual e distrital e de vereador possam deixar o partido pelo qual foram eleitos, sem perder o mandato, desde que a legenda aceite. Isso põe fim a uma série de ações judiciais promovidas pelo suplente.

*Advogada especialista em Direito Eleitoral e em Direito Público. Pós-graduanda em LLM de Direito Municipal. Membro da Comissão de Direito Eleitoral da OAB Nacional. Ex-Presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/PE. Ex-Presidente da Comissão de Direito Municipal da OAB/PE. Ex-Presidente do IDEPPE - Instituto de Direito Eleitoral e Público de Pernambuco. Membro fundadora da ABRADEP - Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca - Outubro

13/10


2021

Bolsonaro diz que Alcolumbre não segue a Constituição

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, hoje, que ainda aguarda a sabatina de André Mendonça pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, após 90 dias da indicação do ex-chefe da Advocacia Geral da União (AGU).

O nome de Mendonça foi oficializado no mês de julho. À CNN, Bolsonaro disse ainda que Davi Alcolumbe (DEM-AP) não segue a Constituição Federal.

“Eu ainda aguardo a sabatina do André Mendonça no Senado Federal. Ele [Davi Alcolumbre] age fora das quatro linhas da Constituição”, ressaltou.

Na prática, Alcolumbre trabalha para que a indicação do ex-chefe da AGU perca validade e que a cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF) seja ocupada por um indicado no próximo mandato presidencial.

A declaração de Alcolumbre também provocou reação no Senado. A ex-presidente da CCJ Simone Tebet (MDB-MS) afirmou nas redes sociais que “o atraso injustificado [da sabatina], sem motivação, caracteriza abuso de poder”.

Senadores da base do governo afirmam que devem obstruir a pauta de votação no plenário do Senado caso a sabatina não seja marcada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru - Transparência em 1° Lugar

13/10


2021

Mourão faz queixas sobre Alcolumbre

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou, hoje, que não considera “correto” o procedimento do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que ainda não marcou a sabatina no Senado do ex-ministro da Justiça André Mendonça, indicado há três meses pelo presidente Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Como presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, cabe a Alcolumbre pautar a sabatina de Mendonça no colegiado. A CCJ é responsável por sabatinar e emitir um parecer sobre os indicados ao STF. Já o plenário do Senado aprova ou rejeita a escolha do presidente da República.

Mendonça, que também foi ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), teve a indicação oficializada por Bolsonaro há três meses. Contudo, a sabatina ainda não teve a data marcada, o que tem gerado críticas dentro do governo. Mourão foi questionado sobre a situação nesta segunda, ao chegar ao gabinete no Palácio do Planalto.

“Acho que não está correto isso aí. O senador Alcolumbre devia cumprir a tarefa dele como presidente da Comissão de Constituição e Justiça, botar o nome para ser votado e acabou. Se for aprovado, muito bem, e se não for, muito bem também. É o papel do Senado confirmar ou não a indicação do presidente da República”, disse Mourão.

“Gosto que as coisas sejam feitas de acordo com a regra. A regra é o quê? Está indicado, você vota. Acabou. Se vai ser aprovado ou não, é outra coisa”, acrescentou o vice.

Nos bastidores, Alcolumbre trabalha para que Bolsonaro reveja a indicação do jurista escolhido para herdar a vaga de Marco Aurélio Mello no Supremo. Desde a aposentadoria do ministro, em julho, a Corte está com 10, em vez de 11, integrantes.

Mendonça já declarou que não pretende desistir da vaga no STF. Bolsonaro afirmou que, caso o Senado rejeite Mendonça, indicará outro jurista evangélico. Mendonça é pastor e se enquadra no perfil “terrivelmente evangélico” defendido por Bolsonaro para a cadeira aberta no Supremo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

13/10


2021

Jupi quebra tabu e elege prefeito sem disputa

A região onde se localiza Jupi, a 204 km do Recife, no Agreste Meridional, era amplamente habitada por Índios Caetés, tribo que tinha como idioma o Tupi e praticava o o canibalismo ritual. Consta que a tribo também foi responsabilizada por matar e comer o corpo do primeiro bispo do Brasil, Dom Pero Fernandes Sardinha, cujo navio em que regressava a Portugal naufragou nas costas da foz do Rio Coruripe, junto a outros cem náufragos. O episódio divide historiadores.

Na política, na eleição passada, divisão foi prática em desuso. Pela primeira vez na história do município, seu eleitorado – pouco mais de oito mil votantes – foi convocado às urnas para votar num único candidato a prefeito, o empresário Marcos Patriota, do DEM. Em 2016, o democrata derrotou o grupo da ex-prefeita Celina Tenório, mas quatro anos depois, em 2020, foi à reeleição em céu de brigadeiro. O bloco da oposição sequer apresentou candidatos a vereador, resultando numa Câmara 100% governista. Dos nove integrantes, cinco são do DEM e o resto de partidos aliados.

"Em 2016, enfrentei o grupo da ex-prefeita, ganhei bem, fiz uma gestão tão boa que não apareceu ninguém para nos enfrentar", traduz Marcos. Empreiteiro bem sucedido, no mercado nacional de obras públicas e privadas há mais de 20 anos, Marcos mora em Garanhuns, distante 20 km de Jupi, mas todos os dias bate o ponto na Prefeitura e na empresa, com sede na cidade.  "O segredo de um bom governo é uma boa equipe", reforça.

Jupi, com apenas 13 mil habitantes, vive da agricultura tradicional com produção de milho e feijão, integra a bacia leiteira do Estado e se destaca também na avicultura. Dificilmente, em 2024, a história irá se repetir na corrida sucessória com candidatura única. O próprio prefeito não sonha com esse cenário. "Em política, a história não se repete", afirma.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

13/10


2021

Coluna da quarta-feira

Moro, a aposta do Podemos

Antecipei, ontem, com exclusividade, que o ex-juiz Sérgio Moro bateu o martelo no ingresso no Podemos, legenda que vinha perseguindo os seus passos e com ele flertando há muito tempo por insistência do senador Álvaro Dias (PR), líder do partido no Senado e da presidente nacional Renata Abreu, deputa federal por São Paulo.

Segundo ela confirmou, ontem, em Santa Catarina, ex-ministro da Justiça deve concorrer à Presidência da República nas eleições de 2022 pelo Podemos. “ A presidente Renata afirmou que as chances de ele concorrer são de 90% e a filiação ao Podemos deve se concretizar nos próximos dias”, disse ao blog o ex-deputado federal Paulinho Bornhausen, filho do ex-presidente nacional do DEM e ex-ministro Jorge Bornhausen.

Atuando num grupo privado internacional, Moro desembarcou no Brasil no fim do mês passado para se reunir com lideranças políticas a fim de decidir seu futuro político. Esteve com representantes do Movimento Brasil Livre (MBL), com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), além do ex-ministro da Saúde do governo Bolsonaro Luiz Henrique Mandetta (DEM). Mas foi com o comando do Podemos que teve o encontro mais produtivo.

A ele foi apresentada uma pesquisa que tem amplas chances de quebrar a polarização existente hoje na disputa presidencial entre Bolsonaro e Lula. Trata-se de um levantamento qualitativo feito em todo o território nacional. Nele, há registros animadores, como um percentual da ordem de 40% de eleitores que não querem nem Bolsonaro nem Lula que apostariam no nome dele.

A filiação deve ser anunciada até o próximo dia 20 e está provocando euforia na legenda. “Moro tem potencial para ser o grande fato novo em 22”, diz uma liderança influente do Podemos que participou do encontro com o ex-ministro, no qual a pesquisa foi dissecada e amplamente compartilhada entre eles como uma ferramenta importante para colocá-lo no debate presidencial a partir de agora.

O senador Álvaro Dias não se impressiona com as pesquisas que mostram Lula e Bolsonaro bem à frente do segundo pelotão de possíveis postulantes. "Acho cedo pra alguém decolar, essas pesquisas a toda hora só interessam à polarização", ressalta. Tão logo este blog antecipou a decisão de Moro, a mídia nacional correu para confirmar, o que se deu em vários blogs, portais e jornais. Eis o fato novo que pode jogar mais emoção na briga pelo Palácio do Planalto nas eleições de 2022.

Rebateu de leve – O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, rebateu as críticas que sofreu do pastor Silas Malafaia. O líder evangélico o acusou de trabalhar contra a nomeação do ex-advogado-geral da União André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal. “Falta informação a esse pastor sobre a nossa atuação", disse Nogueira a jornalistas no Piauí, onde passa o feriado de Nossa Senhora Aparecida. “Não estou entendendo [as críticas de Malafaia]. Sou um auxiliar do presidente da República e toda a sua determinação será cumprida sempre", afirmou.

Leite em queda – Os produtores de leite da bacia do Agreste Meridional penam com a falta de incentivo por parte do Governo do Estado. Com o preço do leite sem dar resultados para cobrir as despesas com ração, já tem muitos criadores trocando o gado leiteiro pelo de corte visando atender à demanda do novo abatedouro da Masterboi em Canhotinho. “No futuro, pode não comprometer a bacia leiteira, mas deixará o Estado com uma produção chinfrim”, diz Saulo Malta, presidente do Sindicato dos Produtores de Leite de Pernambuco.

A gasolina mais barata – Apesar de novo reajuste anunciado pela Petrobras, a gasolina comum teve queda de preços em Fortaleza e no Ceará em geral na última semana. De acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizado entre 3 e 9 de outubro, o preço médio do produto no Estado cearense foi de R$ 5,957, o menor do Nordeste e sexto menor do País. Na semana imediatamente anterior, era R$ 5,98. O preço máximo encontrado pela ANP durante pesquisa em 203 postos no Ceará foi de R$ 6,44; R$ 0,55 a menos do que os R$ 6,99 encontrados na semana passada. 

Inflação é mundial – Ameaçado de perder o posto a qualquer hora, o ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que a alta dos preços é algo generalizado em todo o mundo e que, no Brasil, a elevação dos valores de alimentos e energia responde por metade das taxas do País. “A inflação está em todo o mundo. Metade da inflação (no Brasil) é exatamente comida e energia”, disse Guedes durante entrevista à CNN Interacional nos Estados Unidos. O ministro está no País para participar de eventos organizados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), do qual o Brasil faz parte.

Cearense na Economia – Remanescente do Governo de Michel Temer, o economista cearense Mansueto Almeida, chefe do banco BTG Pactual, está forte na bolsa de apostas para substituir Paulo Guedes na pasta da Economia. Ele deixou a Secretaria do Tesouro, um dos principais cargos da equipe econômica nacional, em julho de 2020 em posição privilegiada, gozando da confiança do meio político e de uma respeitabilidade alta no mercado financeiro. Não é à toa que seu nome volta a circular nos bastidores de Brasília. Almeida foi o grande fiador do projeto de ajuste fiscal, que acabou um pouco prejudicado por conta da pandemia da Covid-19.

CURTAS

A NOVA PANDEMIA – Pernambuco teve um aumento de 371,1% nos casos suspeitos de Chikungunya entre janeiro e setembro deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com informações divulgadas pela Secretaria Estadual de Saúde. Nos nove primeiros meses de 2021, foram 32.358 casos suspeitos da doença. Destes, 15.491 foram confirmados. No mesmo período, houve um aumento de 152,9% nas suspeitas de Zika e de 43,3% nos casos suspeitos de dengue.

FOCO EM LULA – Enquanto em São Paulo, o ex-governador Márcio França diz que o PT tem que ceder em alguns Estados nas alianças para priorizar a eleição de Lula, em Pernambuco, o deputado federal Carlos Veras (PT) quer a participação do PSB no palanque eleitoral do ex-presidente Lula (PT) no primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 de qualquer jeito. “Temos que formar uma frente única para robustecer o projeto presidencial”, alerta.

Perguntar não ofende: Moro, Pacheco ou Eduardo Leite, quem pode quebrar a polarização Bolsonaro x Lula? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC Outubro 2021

12/10


2021

Jornal de Brasília repercute furo do Blog sobre Moro

Jornal de Brasília

O ex-juiz e ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, está ingressando no Podemos e o anúncio da sua filiação deve ocorrer até o próximo dia 20, de acordo com o jornalista Magno Martins.

Conforme o jornalista, uma pesquisa do Podemos aponta que Moro entra na disputa presidencial com chances de se viabilizar como a terceira via, uma alternativa fora de Bolsonaro ou Lula.

O ex-juiz já disse sim à cúpula da sigla. Falta decidir a data de anúncio e a pré-candidatura. A pesquisa interna do Podemos revelou que Moro teria 40% dos votos daqueles que não querem nem Bolsonaro nem Lula.

De acordo com o partido, a a população brasileira aprovou o trabalho que Moro coordenou na Java Jato e que o enxerga como um juiz corajoso e inteligente.

Segundo o jornalista Magno Martins, o líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR), trabalhou intensamente nos últimos dias para convencer Moro a entrar no partido.

A matéria do Jornal de Brasília está disponível neste link.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Agosto 2021

12/10


2021

Guedes culpa comida e energia por inflação elevada

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje (12) que a alta dos preços é algo generalizado em todo o mundo. Culpou a elevação da inflação no Brasil pelos custos dos alimentos e da energia, que, segundo ele, respondem por metade da taxa do país. As informações são do Poder360.

O IPCA, que mede a inflação nacional, alcançou a casa dos 10% no acumulado de 12 meses até setembro. É o maior percentual anualizado desde fevereiro de 2016. “É verdade que a inflação está subindo. Metade da inflação é comida e energia, que está subindo em todo o mundo –então não há nenhuma novidade sobre o Brasil”.

A declaração foi dada em entrevista ao canal Bloomberg, nos Estados Unidos, na tarde de hoje. O ministro está em Washington, onde participa de eventos organizados pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) e o grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), do qual o Brasil faz parte.

Em recado aos investidores internacionais, Guedes disse que o Banco Central está de olho nos preços e irá controlar a inflação. Ele citou que a autoridade monetária ganhou independência por causa de uma reforma aprovada no meio da pandemia.

Para controlar os preços, o Banco Central iniciou sua escalada de alta dos juros de forma antecipada em relação ao restante do mundo. O presidente da instituição, Roberto Campos Neto, projetava uma inflação menor do que a medida oficialmente. Ele admitiu má avaliação do cenário.

Guedes disse durante a entrevista que a economia irá subir 5,5% em 2021. Citou que o Brasil atingiu marca de 60% da população adulta completamente vacinada contra a covid e avança na abertura das atividades econômicas,

Na visão do ministro, o Brasil é a maior fronteira de investimentos do mundo. Falou que a mudança da estrutura regulatória já garantiu ao país compromissos de investimento de mais de US$ 100 bilhões (R$ 540 bilhões) em vários setores, como petróleo, gás natural e energia renovável.

Indagado sobre os riscos à frente, o ministro respondeu que as eleições de 2022 provocam muito “barulho“. Disse, porém, que a situação fiscal está controlada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Assim como o acéfalo do seu chefe, a incompetência sempre é dos outros, bando de canalhas!


Coluna do Blog
Publicidade

Publicidade

Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Opinião

Publicidade
Apoiadores
Parceiros