Nova Orla Jaboatão

29/07


2021

Borga Gato queima na reforma tributária

Por Márcio de Freitas*

O fogo ateado em São Paulo à estátua do bandeirante Manoel de Borba Gato elevou ao ar muita fumaça, gerou debate débil de revisionismo mas passou por sobre um tema que ainda hoje nos conecta ao passado: a questão dos tributos. Tema ainda polêmico, revelado na resistência ao aumento de impostos proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Borga Gato revelou à Coroa Portuguesa a localização das jazidas de ouro da região onde hoje estão as cidades históricas de Minas Gerais. Ouro Preto (Vila Rica), Mariana (Ribeirão do Carmo), São João Del Rey e Tiradentes (Vila de São José Del Rey) foram palco depois de conflitos de bandeirantes (que se achavam no direito de explorar os veios auríferos, além de monopolizar o comércio na área), contra portugueses, baianos, índios e “mineiros” — chamados pejorativamente emboabas.

A Guerra dos Emboabas deixou marcas na geografia da região, como o Rio das Mortes e o Capão da Traição — onde os bandeirantes armaram uma emboscada para os emboabas. Não conseguiram vencer, foram dominados com a promessa de que seriam liberados para voltar a São Paulo. Depois de se entregarem, cerca de 300 bandeirantes foram mortos no tal Capão… cujo nome traduz a falta de correção de qualquer dos lados numa briga.

Do lado dos bandeirantes, lutou Borba Gato. Ele tinha cargo de Superintendente oferecido pela Coroa Portuguesa pela sua importante descoberta. Mas com a exploração o El Rey mandou o capitão Manuel Nunes Viana para comandar o negócio. Ele liderou os emboabas.

O objetivo português era o imposto chamado de Quinto, 20% do ouro obtido pela mineração (houve ainda duas formas de tributação no período, pelo número de escravos e a estimativa pela produção total, que estipulava o pagamento anual de 100 arrobas de ouro a Portugal, quando se não atingisse e peso, havia a malfadada derrama).

O antigo Quinto tem relação simbólica com os tais lucros e dividendos das empresas que a Receita Federal quer taxar nos dias atuais. A semelhança de percentual mostra que, tanto no passado como no presente, encontrar a justa medida sem despertar a ira dos contribuintes é assunto complexo.

Ao fim, os emboabas venceram a guerra e se tornaram mineiros — um povo desconfiado e arredio, cujo gosto pela ostentação terrena é inversamente proporcional à homenagem prestada ao mundo espiritual, corporificado nos altares preciosos das igrejas coloniais que chegaram aos nossos dias.

A sonegação também foi introduzida de maneira bastante eficiente no período do ouro. A tal Serra da Moeda é outra região geográfica próxima a Ouro Preto: nas cercanias das minas, para fugir do imposto, se cunhava moeda clandestinamente no meio da mata. Eram tantos os casos, que a serra ganhou o nome oficial do passatempo dos sonegadores.

Estudar o passado serve para evitar erros no presente. Ou deveria. Nem sempre as lições são recordadas ou apreendidas. A atual proposta de mudança nos tributos se faz num momento em que, mês após mês, a Receita divulga aumento de arrecadação. Novos patamares estão sendo estabelecidos.

Mesmo assim, o recado do governo foi querer arrecadar mais. O próprio presidente criticou a proposta depois da repercussão, ao apontar que houve sede demais por parte do Fisco.

O intuito primeiro da proposta era tentar agradar os eleitores. E o governo propôs aumentar a tabela de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física, além de diminuir o percentual da Pessoa Jurídica. Mas o que uma mão dá, retira a outra. O projeto dificulta formas de compensação de gastos de uma classe média já sobrecarregada e avança sobre lucros e dividendos de empresas – que já pagam seus impostos nessa forma legal.

Há contradição latente no governo que bate no atraso das relações trabalhistas, e nos impostos que encarecem os custos de contratação, mas busca aumentar impostos de um mecanismo que passou a ser a válvula de escape para esse modelo já falido desde o século passado. E aponta para o bolso de empresas e da classe média como se fossem contraventores, numa regra endossada até por ex-secretários da Receita Federal. Inibe investimento e o mercado de fundos e ações.

O governo não tomou cuidado com a consequência de certas ações. O Capão da Traição é um ponto de referência histórico, e modernamente ele pode mudar sua localização para a urna eleitoral. A derrama na popularidade pode ser fatal num cenário de disputa acirrada em 2022.

*Márcio de Freitas é analista político da FSB Comunicação


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Julho 2

29/07


2021

Bolsonaro apresenta supostas fraudes em eleições

O presidente Jair Bolsonaro transmite, hoje, mais uma live semanal. Desta vez, diferente do que costuma fazer, convocou a imprensa para acompanhar presencialmente no Palácio da Alvorada. Sem direito a perguntas, os jornalistas acompanham a apresentação de supostas fraudes em eleições anteriores.

O Poder360 convidou especialistas para analisarem em tempo real as declarações do presidente sobre o voto eletrônico. São eles:

  • Renato Ribeiro, advogado, professor universitário e doutor em Direito pela USP (Universidade de São Paulo)
  • Jhames Sampaio, professor do Departamento de Estatística da UnB

“INAUDITÁVEL”

Bolsonaro afirmou que a eleição brasileira é “inauditável”.

“O sistema eleitoral é inauditável. Não dá para comparar se houve ou não fraude nas eleições”, afirmou o presidente.

Renato Ribeiro discorda. De acordo com ele, há uma série de meios para checar eventuais irregularidades.

“O sistema eleitoral é plenamente auditável. Há auditorias. É possível auditar em todas as fases. A questão aqui é confusão: acreditar que auditoria significa fazer uma contagem manual dos votos”, explica.

O presidente também voltou a dizer que eleições anteriores foram alvo de irregularidades e que querem “fraudar” as próximas votações. “Tá na cara que querem fraudar. De novo. Geralmente quem está no poder faz as artimanhas, eu tô fazendo justamente o que você confirma o seu voto”.

Na live, Bolsonaro passou um vídeo afirmando ser possível hackear o código fonte da urna eletrônica. Isso permitiria, diz o material, que um eleitor votasse em um candidato, enquanto a urna registra outro. Também mostraram imagens que supostamente demonstrariam que eleitores tentavam votar em Bolsonaro, enquanto a urna sugeria a anulação do voto.

Para Ribeiro, não há qualquer evidência de fraude eleitoral desde 1996, quando o Brasil passou a utilizar a urna eletrônica. “Não é possível um hacker mudar o voto do eleitor. A urna não tem acesso à internet e o invasor teria que ter acesso a urna. Mas esse equipamento é acompanhado integralmente pelas autoridades. É impossível mudar o resultado de um modo macro”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

wilson washington carvalho de lima

Com todo respeito a Renato Ribeiro ,mas ele é omisso na informação,nao se trata de mudar voto e sim as urnas já estarem com o voto computado ou programado

Joao

Meu Deus, que vergonha isso, será que o acéfalo não tem ninguém para pedir que ele para com estas bizarrices. Tudo requentado e desmentido, ou seja, só fakes! Será que o jornalista cloroquina assistiu?


Pousada da Paixão

29/07


2021

Pazuello diz que foi avisado por Bolsonaro sobre suspeitas na Covaxin

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse em depoimento à Polícia Federal que foi alertado verbalmente pelo presidente Jair Bolsonaro sobre suspeitas de irregularidades na negociação da vacina indiana Covaxin.

Pazuello afirmou ainda que ele, como ministro, repassou as informações para seu secretário-executivo, Élcio Franco, também verbalmente.

À PF, Pazuello contou que Franco lhe disse que não havia irregularidades no negócio com a Covaxin.

As suspeitas de irregularidades na compra da vacina se tornaram públicas por meio dos irmãos Miranda: o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda e o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF).

À imprensa e à CPI da Covid eles contaram que haviam identificado inconsistências na documentação da compra. Relataram também que contaram sobre as suspeitas para o presidente Jair Bolsonaro.

Um inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República investiga se Bolsonaro cometeu crime de prevaricação. Ou seja, se ele deixou de dar o encaminhamento devido às denúncias.

Entre as suspeitas apresentadas pelos irmãos Miranda estão:

  • invoice (nota fiscal internacional) com previsão de pagamento adiantado de US$ 45 milhões, o que não era previsto no contrato
  • invoice com previsão de menos doses do que o previsto no contrato
  • invoice em nome de empresa com sede em Singapura, que não é citada no contrato


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca - Muro de Arrimo

29/07


2021

Confira o Frente a Frente direto de Caruaru

O programa Frente a Frente de hoje, ancorado por este blogueiro e retransmitido pela Rede Nordeste de Rádio, foi apresentado dos estúdios da Cultura FM, em Caruaru. Na ocasião, foram entrevistadas as prefeitas Raquel Lyra (PSDB), de Caruaru, Lucielle Laurentino (DEM), de Bezerros, e Juliana de Chaparral (DEM), de Casinhas. Se o leitor perdeu a exibição do programa, basta clicar no link disponível e conferir na íntegra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/07


2021

Paulo recebe governadores do NE e embaixadora da França

O governador Paulo Câmara recebeu, hoje, no Palácio do Campo das Princesas, os governadores do Nordeste e a embaixadora da França no Brasil, Brigitte Collet, para reafirmar os compromissos com o governo francês pactuados em 2019, durante missão oficial do Consórcio Nordeste a Paris. Nos últimos dois anos, a região recebeu investimentos de diversas empresas francesas, além de assistência técnica em ações de sustentabilidade e preservação ambiental. Especificamente em Pernambuco, foi anunciada uma planta de hidrogênio verde em Suape da multinacional francesa Qair, com investimento de US$ 3,8 bilhões, e também um novo hotel da rede Accor.

“Temos, desde 2019, um protocolo com o governo francês. E a partir disso, desenvolvemos uma série de ações. Mesmo com a pandemia, foi possível avançar em parcerias na área de energia renovável, discussões sobre aceleração da questão do saneamento e meio ambiente, e temos uma pauta importante com alguns Estados já praticando a agricultura familiar e parcerias na área de turismo”, pontuou Paulo Câmara.

De acordo com o governador de Pernambuco, o Nordeste tem um grande potencial de turismo e o governo francês também se mostrou interessado em ampliar as parcerias nesse setor. “Hoje foi reafirmado pela embaixadora um conjunto de ações, de avanços em relação a isso. Já na área de energia renovável, temos mais de R$ 7 bilhões de investimentos acontecendo no Nordeste. Então, é uma agenda de planejamento do futuro”, finalizou.

A partir da celebração do novo termo, algumas questões foram definidas como prioritárias, como energia, meio ambiente, água e saneamento, gestão de resíduos, agricultura familiar e turismo sustentável. “Como disse o governador Paulo Câmara, isso permite que a gente tenha neste momento, já aplicado e em andamento, mais de R$ 7,5 bilhões em investimentos, gerando emprego e renda. Agora, nós colocamos uma nova etapa, que irá prosseguir com outros investimentos”, detalhou o presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, governador do Piauí.

A embaixadora da França no Brasil, Brigitte Collet, destacou iniciativas que impactam a vida dos nordestinos, no sentido de melhorar a qualidade de vida da população, e que continuarão sendo realizadas de acordo com o que está previsto na nova declaração conjunta. “A Agência Francesa de Desenvolvimento lançou e continua lançando vários projetos, particularmente nos setores de água e de saneamento. No âmbito da nossa cooperação científica, a Rede Franco-Brasileira está trabalhando pelo Desenvolvimento Sustentável no Semiárido do Nordeste, em questões relativas à gestão de recursos hídricos e às mudanças climáticas. Daqui pra frente, vamos seguir de maneira determinada o que foi pactuado”, disse.

Após o encontro, todos os envolvidos mostraram interesse em organizar, no segundo semestre de 2021, um evento sobre os temas prioritários. Dessa vez, também contando com a participação de empresas francesas e de atores econômicos brasileiros dos Estados do Nordeste, com o objetivo de dar celeridade às ações e facilitar as parcerias.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru Novas Creches

29/07


2021

Incêndio atinge galpão da Cinemateca Brasileira

Um incêndio atingiu o galpão da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo, hoje. O Corpo de Bombeiros informou que recebeu um chamado para fogo em edificação comercial por volta das 18h na Rua Othão, 290. As informações são do G1.

No endereço há um galpão de cerca de 6.356 m² de área construída onde parte do acervo da Cinemateca Brasileira é guardado. O edifício principal da Cinemateca Brasileira, na Vila Mariana, não foi atingido.

De acordo com informações preliminares, não há vítimas no local. Onze viaturas foram enviadas para combater o fogo. Segundo o major Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros, no galpão há materiais altamente inflamáveis.

"Nós temos o registro de ser um local onde temos diversos materiais combustíveis diferentes. Arquivos de filmes, que tem acetato altamente inflamável e todos os materiais que compõem a edificação", disse Major Palumbo.

O local já foi atingido por outro incêndio em 2016. Cerca de 500 obras foram destruídas pelo fogo. Em julho de 2020, o Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) entrou com uma ação na Justiça contra a União por abandono da Cinemateca Brasileira. A promotoria questiona a falta de contrato para gestão da instituição.

O contrato para gestão da Cinemateca firmado entre o governo federal e a Organização Social (OS) Associação Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp) terminou no dia 31 de dezembro de 2019 e, desde então, não houve nova licitação. Na ação judicial, a promotoria destaca problemas como risco de incêndio, falta de vigilância, atrasos nas contas de água e luz, e atraso no pagamento de salários.

No entanto, em maio deste ano, o MPF-SP suspendeu a ação contra a União depois que o governo federal se comprometeu a mostrar as ações implementadas pela preservação do patrimônio no prazo de até 45 dias. No ano passado, um temporal alagou o galpão e parte do acervo foi, novamente, comprometido. A instituição não revelou quais itens foram danificados.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

CABO

29/07


2021

Jarbas e André debatem sobre os próximos passos para 2022

O senador Jarbas Vasconcelos visitou, hoje, na sede do PSD em Pernambuco, o deputado André de Paula, que preside a sigla no Estado. Jarbas tem uma amizade próxima com André, se falam com frequência, e sempre é ouvido pelo parlamentar. André ocupou, no Governo de Jarbas, a secretaria de Agricultura, fez lá um trabalho reconhecido, conquistando a admiração e o respeito do então governador.

Em política não existe gesto sem sentido, portanto, essa visita ao escritório político do deputado, no momento em que ele surge como uma alternativa real a vaga de senador na chapa da frente popular, levanta sinais de reforço a essa possibilidade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Junho 2021

29/07


2021

Bolsonaro: “Gilson é um dos que mais trabalham”

Em uma conversa com apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada, hoje, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a elogiar o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, dizendo que o auxiliar é um dos que mais "trabalham". "Os outros viajavam e resolviam as questões do Turismo debaixo da Torre Eiffel tomando champanhe. Esse cara (Gilson) resolve aqui viajando para qualquer lugar do Brasil", comentou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Trabalhar não sei, mas é um dos maiores puxadores de saco do Bozo!


Serra Talhada 2021

29/07


2021

Gilson sobre Doria: Brinca de ser governador

O ministro do Turismo, Gilson Machado, criticou, hoje, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), no Twitter. Disse que o político “quer brincar de ser governador com recurso federal”.

“João Doria é no mínimo comédia com fama alheia, quer brincar de ser governador com recurso federal. Assim é fácil. Palanque sem mérito qualquer papagaio de pirata consegue. Afinal colocas apenas 1 real na obra?”, disse ao comentar publicação do secretário da Cultura, Mario Frias.

Mais cedo, Mario Frias comentou reportagem da Folha de S.Paulo que dizia: “Decreto da Rouanet eleva disputa entre Mario Frias e governo de SP”. Depois, o título foi alterado para: “Decreto da Rouanet impede Doria de inaugurar museus sem autorização do governo Bolsonaro”.

O secretário da Cultura disse que não tem disputa com o governo paulista, mas que não permitirá que “João Doria queira usar obras financiadas com o dinheiro do governo federal para fazer palanque político pessoal”.

“No mais, pode dar chilique à vontade”, disse Mario Frias. As informações são do portal Poder 360.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

Quem é esse Gilson Machado na fila do pão?

Wellington Antunes

Será o lanterna em Pernambuco assim como foi o Feitosa à Prefeitura do Recife em 2020. Todo aquele que segurar na alça do caixão do governo bolsonaro há de sofrer fragorosa derrota.

gilson

Este puxa saco do Bolzo, e péssimo sanfoneiro, será devolvido para a caixinha em 2022, junto com o chefe, se candidata a Senador ou a Governador aqui em Pernambuco, mas traga o bolzo para o palanque, será uma surra política sem tamanho, Sr. Gilson



29/07


2021

Tavares Neto, uma lenda do jornalismo

Caruaru, a terra de Vitalino, as mãos sagradas que imortalizaram os bonecos de barro do maior centro de artes figurativas da América Latina, tem também uma verdadeira lenda da Imprensa nordestina. Baixinho, magro, quase esquelético, banguelo e cara assustadora, Tavares Neto, 71 anos, persegue a notícia há 50 anos.

Conhecido em todas as esquinas da capital do Agreste, visto como figura folclórica e divertida, é, na verdade, o papa da radiofonia pernambucana. Aonde vai, a notícia bate nele e se impregna como visgo. Com o ouvido e os olhos viciados em notícia desde garoto, Tavares Neto abandonou a profissão de contador para viver intensamente do rádio e pelo rádio.

Faz a notícia e é notícia, não apenas na área policial, que cobriu por muito tempo, mas principalmente na política. É, sem dúvida, uma enciclopédia viva da história brasileira desde o período do golpe militar, em 1964, aos dias atuais, onde vive do mesmo jeito do passado: agarrado a um gravador. Na ditadura, acusado de noticiar um fato interpretado com viés racista, foi preso pela Polícia Federal.

Já quando o ex-presidente Figueiredo esteve no Recife, rompeu a forte segurança que o cercava, jogou um enorme gravador na boca do general e perguntou a ele se os comunistas cassados seriam anistiados. Era uma provocação sobre a possível volta de Miguel Arraes. Houve um bate-boca com os seguranças de Figueiredo que rendeu matéria no Jornal Nacional, na época apresentado por Cid Moreira. “Eu tomei um susto quando me vi no JN, sendo a notícia mais destacada daquele dia”, recorda.

Tavares Neto fez também intrigas e entregou políticos. Foi ele que soprou no ouvido do ex-prefeito de Caruaru, Drayton Nejaim, no seu entender o maior político da cidade, que o ex-deputado Ricardo Fiúza andava falando mal dele num restaurante da cidade. Imediatamente, Drayton pegou um revólver e saiu procurando Fiúza na cidade para matá-lo. Tavares Neto conviveu, também, com figuras lendárias do jornalismo brasileiro.

Ciceroneou, em Caruaru, na década de 60, por exemplo, o jornalista Samuel Wainer, criador do jornal Última Hora, na cobertura da eleição que Jânio Quadros derrotou Lott. Também teve a coragem de passar por cima da censura ao noticiar, na rádio Cultura, onde até hoje trabalha, que dom Helder Câmara estava na cidade, fato que estava proibido em todos os veículos de comunicação do País.

Também noticiou que o Arcebispo de Olinda e Recife, referência da Igreja no combate à ditadura, não teria seu título de cidadão de Caruaru aprovado pela Câmara. Radialista nato, furão, atrevido e sagaz, Tavares Neto, nos últimos 50 anos, atuou em rádio e foi correspondente em Caruaru de todos os jornais da capital.

Num certo dia, foi informado que uma notícia sua, proibida de sair no Brasil, foi destacada pela BBC, de Londres. Segundo ele, dizia respeito a uma passeata em Caruaru, única no País, em apoio ao Governo Médici, por populares satisfeitos com a adoção de uma ajuda de meio salário mínimo.

Tavares Neto acompanha a evolução do jornalismo. Com o advento da internet, usa sua conta no Instagram para contar as histórias que viveu como radialista nos últimos 50 anos. Só com as de Drayton Nejaim, dariam um livro. Tavares foi o único que teve coragem de noticiar que o ex-prefeito “vendeu” o mandato da esposa Aracy Nejaim, que elegeu deputada estadual pela sua força política no Agreste. “O caso foi parar na Polícia Federal”, recorda ele.

Há pouco, contou que o lendário comunista Gregório Bezerra, candidato a deputado federal nas eleições de 1945, foi hostilizado pela militância do concorrente Gersino de Pontes. Tudo porque Gregório denunciava a exploração dos assalariados no País. “Gregório chegou a entrar em luta corporal, foi agredido e, com arma em punho, tentou atirar, mas teve a arma apreendida pela polícia”, lembra, adiantando que, abertas as urnas, Gregório teve uma excelente votação em Caruaru.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores