Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes

12/06


2021

As lições que aprendi com Marco Maciel

Quando ingressei no Jornalismo, no início dos anos 80, tomei um baita susto quando fiquei, pela primeira vez, diante de Marco Maciel, que Deus levou, hoje, aos 80 anos. Vindo de uma região de nanicos, o Sertão, o susto se deu pela magreza dele, pescoço de ganso. Só mais tarde soube do seu apelido: Mapa do Chile, o mais estreito e fino do mundo.

De todos os políticos brasileiros, Maciel é o que está mais entrelaçado em minha carreira. Foi ele que conseguiu meu primeiro estágio em Jornalismo, quando governador, através de convite formulado pelo secretário de Imprensa, jornalista Ângelo Castelo Branco. Foi com ele, igualmente, que descobri o Brasil do Oiapoque ao Chuí. Candidato à Presidência da República em 84, pelo famigerado colégio eleitoral, fui seu repórter viajante.

Cumpríamos uma extensa agenda nos Estados, com um detalhe: católico fervoroso, daqueles que não perdiam uma missa domingueira, Maciel iniciava os contatos como candidato ao Planalto com uma visita ao bispo local. Em Belém, falhei na visita à Diocese porque havia caprichado na vida mundana, na noite anterior.

Já no avião, no percurso para outro Estado do Norte, Maciel fez uma cobrança elegante, como era do seu estilo, um homem de trato fino, educado: “Magno, sei que você é sertanejo e sertanejo acorda cedo. Por que você não esteve na visita ao bispo?” A razão, evidentemente, não pude contar. Afinal, envolvia uma saia paraense.

Maciel não dava esporro, mas também não deixava passar em branco o que não lhe agradava. “Pois, Magno, perca tudo em minha agenda, menos a visita ao bispo.” Fiquei sem saber onde enfiar a cara pálida. Com Maciel, andei, também, o Estado inteiro, ele como governador, eu repórter do SIP – Serviço de Imprensa de Pernambuco.

Nunca vi um político tão disposto, vivia do trabalho e para o trabalho. Homem honrado, nunca se meteu em nenhum tipo de deslize ético. Nunca seu nome apareceu em escândalos. O que se diziam dele, do ponto de vista de ataques, se restringia a sua relação com os militares, sua ideologia de direita.

Marco, de fato, foi governador biônico, nomeado por Ernesto Geisel, mas entre ser de direita, conservador ou servil, e corrupto, como grande parte dos políticos brasileiros de hoje em dia, há uma distância muito grande. Maciel não roubou, nunca aceitou propina, sua mulher, Ana, nem sequer andava em carro oficial.

Marco nasceu em berço de ouro, estudou nos melhores colégios, se formou em Direito pela referencial Faculdade de Direito de Pernambuco. Devorador de livros, a começar pela Bíblia, que lia no avião, Maciel adorava Joaquim Nabuco, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. "Minha formação", de Joaquim Nabuco, vivia na cabeceira da sua cama, era por ele indicado como uma leitura imprescindível.

Mais na frente, já em Brasília atuando em jornais, minha relação com Maciel sofreu um hiato. E, para variar, também briguei com ele, num episódio que o vi perder a elegância. Não gostou de uma matéria minha no Correio Braziliense na qual seu nome estava incluído entre os integrantes da tropa de choque do ex-presidente Collor.

Ficou dois anos sem falar comigo. Perdi a confiança dele, mas não o respeito e a admiração. Há 40 anos no jornalismo político, convivendo com os mais variados personagens da fauna politica brasileira, confesso que Marco Maciel era um político diferenciado. A vida pública, para ele, era um sacerdócio, grande devoção. Vivia para servir, sem servir-se dos cargos.

Célebre poeta espanhol, criador do Dom Quixote, o segundo livro mais lido no mundo depois da Bíblia, Miguel de Cervantes dizia que a formosura da alma campeia e denuncia-se na inteligência, na honestidade, no reto procedimento, na liberalidade e na boa educação.

Este era Marco Maciel! 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

12/06


2021

Marco Maciel tinha perfil conciliador

Por José Nivaldo Júnior

Morreu esta madrugada, aos 80 anos, o político pernambucano Marco Maciel, o 22.° vice-presidente do Brasil. Marco Antônio de Oliveira Maciel nasceu no Recife, em 21 de julho de 1940 e faleceu em Brasília na madrugada de 12 de junho de 2021. Foi líder estudantil, advogado, professor, intelectual e político. Foi deputado estadual, deputado federal e em 1978 foi escolhido pelo regime militar para governar Pernambuco. Fez um bom governo. Em 1982, já no processo de abertura política, aconteceu o retorno da eleição direta para governador. 

BOM DE VOTO

Elegeu seu sucessor, Roberto Magalhães, disputou e também venceu a eleição para o Senado. Foi um dos líderes da dissidência do partido oficial que apoiou a candidatura de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral. Por pouco não foi vice de Tancredo. Abriu mão da vaga para José Sarney considerando que este ampliaria mais os apoios necessários para a vitória.

Com a morte de Tancredo Neves, José Sarney assumiu o Governo Federal. Marco Maciel foi ministro da Educação e da Casa Civil. Nas eleições de 1990, foi reeleito senador, disputando ao lado de Joaquim Francisco, este eleito governador de Pernambuco. Em 1994, foi eleito vice-presidente na chapa de Fernando Henrique Cardoso, tendo sido reeleito em 1998. 

VICE EXEMPLAR 

É considerado um dos melhores vice-presidente de todos os tempos, por sua capacidade de contribuir sem fazer sombra nem provocar atritos com o titular. Assumiu o posto de presidente inúmeras vezes. Em 2002, foi novamente eleito senador. Exerceu o cargo de 2003 até 2011. Neste ano, ao tentar a reeleição, foi derrotado pela primeira e única vez nas urnas.

Após 44 anos de atuação ininterrupta, retirou-se da vida pública. Diagnosticado com o Mal de Alzheimer, teve Covid-19 em março deste ano.

PRINCIPAIS ATIVIDADES

- Professor de Direito Internacional Público da Universidade Católica de Pernambuco;

- Presidente da Câmara dos Deputados (1977–1979); 

- Ministro de Estado da Educação e Cultura (1985–1986); 

- Ministro-chefe do Gabinete Civil da Presidência da República (1986/1987);

- Assumiu, em 2007, a presidência da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania; 

- Foi entusiasta torcedor do Santa Cruz Futebol Clube. O estádio do clube leva o nome do seu pai, o ex-prefeito do Recife José do Rego Maciel.

IMORTAL 

Marco Maciel fez parte da Academia Pernambucana de Letras e da Academia Brasileira de Letras.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021

12/06


2021

Morre ex-vice-presidente Marco Maciel

Soube, há pouco, da morte do ex-vice-presidente Marco Maciel, aos 80 anos. Foi governador de Pernambuco, senador, presidente da Câmara dos Deputados. Em instantes, mais informações.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru

12/06


2021

Coluna do sabadão

Barrado no próprio baile

Criado para dar voz a uma das categorias mais sofridas na pandemia, a dos artistas brasileiros, o quadro “Sextou”, do Frente a Frente, programa que apresento pela Rede Nordeste de Rádio, tem se revelado numa caixinha surpreendente de gratas revelações. Na estreia, há quatro semanas, o cantor Gilliard confessou que Recife foi a cidade em que teve o maior estouro em vendas de discos no auge do seu sucesso, nos anos 80.

Amado Batista provocou repercussão nacional com a declaração apontando o ex-presidente Lula como ladrão, a partir do instante em que a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, anunciou que estava processando o cantor. Terceiro convidado, Alcymar Monteiro, o rei do forró, distinção que só perde para Gonzagão, o rei do baião, contou que, não fosse a mão estendida de Reginaldo Rossi, em São Paulo, não teria chegado aonde chegou.

Nando Cordel abriu o coração, revelou segredos da sua carreira artística e até pessoal. Contou que, no ápice do seu sucesso, ganhou muito dinheiro, desmaiou num show e só aí despertou para a vida espiritual. Abriu uma organização social que cuida de idosos e crianças. Contou, ainda, que fez a música De volta para o meu aconchego, uma das mais conhecidas de sua autoria, a pedido de Dominguinhos, que havia brigado com a esposa.

Convidado do “Sextou” da próxima sexta-feira, Santana, o Cantador, conta que começou como vocalista na banda de Luiz Gonzaga, diz que a música Tamborete de forró, preferida por ele em shows, é uma homenagem a sua esposa Laelma, de Palmares, e que chegou a ser barrado num baile em que ele próprio seria o cantor, o astro da noite.

Foi uma festa filantrópica no Recife para ajudar Arlindo dos 8 baixos. Em um ano de pandemia, completado em março passado, os artistas deixaram de arrecadar um valor estimado em mais de R$ 2 bilhões, com direitos autorais em shows e eventos, segundo o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), responsável por angariar essa renda e distribuir entre os artistas no País.

Grana irrecuperável – A superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim, destacou que esse dinheiro não pode ser recuperado, pois remete ao período atual, em que tudo está parado. Por recomendação das autoridades de saúde e determinação de governos locais, diversos eventos foram adiados ou cancelados e comércios estão proibidos de abrirem as portas para o público. “No caso dos shows, alguns serão remarcados para outras datas. Porém, não haverá uma nova reprodução pública da música em outra data. Se não tocou, não tem direito autoral para pagar”, explicou Isabel Amorim.

Ameaçado de derrota – A novela mexicana em que se transformou a anulação da eleição em Pesqueira, impedindo o Cacique Marquinhos (Republicanos) de tomar posse, parece que está chegando ao fim. Os ministros do TSE – sete ao todo – começaram, ontem, a votar pelo plenário virtual. No primeiro dia, apenas três se manifestaram, deixando o Cacique em desvantagem de 2x1. Até o final da próxima semana, os quatro ministros irão proferir os seus votos. O que se diz no TSE é que o Cacique será derrotado. O TSE rejeitará o seu recurso e marcará a data da eleição suplementar. 

Assessor global – Amigo pessoal de Lula, o jornalista Franklin Martins será o todo-poderoso da comunicação da provável campanha do petista ao Palácio do Planalto, em 2022. Resta saber como será a relação do jornalista com sua antiga casa, a Globo, alvo de duras críticas do ex-presidente. Em julho de 2020, ao ser entrevistado pelo portal ‘Brasil 247’, o veterano do jornalismo analisou o canal carioca. “Os dois maiores partidos políticos do Brasil são o PT e a Rede Globo”, disse ao editor Gustavo Conde.

Destruir o PT – Franklin afirmou ainda que “a TV Globo se construiu a partir de uma posição quase monopolista dentro dos meios de comunicação” e acusou o canal de passar “os últimos 10 anos querendo destruir o PT e não conseguindo” Em maio, durante live, ele voltou a atacar a emissora ao opinar sobre a próxima eleição. “A Globo gostaria de construir um candidato que não fosse o Lula e pudesse derrotar o Bolsonaro, mas o Bolsonaro tomou grande parte do eleitorado que a Globo foi cativando, formando, dentro do processo de perseguição e golpe (contra o PT)”.

Boa escolha – Pernambucano do Recife, sobrinho do ex-ministro José Múcio Monteiro e do empresário Eduardo Monteiro, o deputado Fernando Monteiro (PP) chegou em Brasília como assessor de Múcio no final dos anos 90, conheceu rapidamente os meandros e segredos do Congresso e, de repente, foi eleito para representar o Estado na Câmara Federal. Escolhido presidente da Comissão da Reforma Administrativa, um tremendo abacaxi, porque contraria muitos interesses, ocupou, nos últimos dias, um grande espaço na mídia nacional. Preparado, passou segurança e conhecimento de causa. Deve fazer um bom trabalho.

CURTAS

EM QUEDA – Nas últimas semanas, a Globo está com dificuldade de atingir a casa dos 30 pontos de audiência no Ibope. Houve perda de público em quase todas as regiões do País. Em algumas, fuga de 15% de telespectadores. Esse revés seria consequência do alardeado boicote proposto na internet por críticos da Globo e os bolsonaristas? O principal telejornal da TV seria vítima do radicalismo político-ideológico?

RETRAÇÃO – A rejeição ao jornalismo da emissora carioca explica uma pequena fração do declínio no Ibope. Outras causas são bem mais danosas. A primeira é a retração do distanciamento social nas grandes cidades. As taxas caíram apesar do apelo “fique em casa” repetido pelas autoridades. Mais gente nas ruas por conta do comércio aberto até mais tarde significa menos público diante da TV na faixa nobre.

Perguntar não ofende: Por que o deputado Renildo Calheiros (PCdoB) está bancando o ônus da emenda casuística da federação dos partidos?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/06


2021

Noronha será a primeira localidade pernambucana 100% vacinada

O Governo de Pernambuco vai enviar cerca de mil doses de vacinas contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz à Ilha de Fernando de Noronha, com o objetivo de assegurar a conclusão da imunização de todos os habitantes maiores de 18 anos. O anúncio foi feito pelo governador Paulo Câmara, em pronunciamento hoje.

“Fernando de Noronha será a primeira localidade pernambucana com 100% da população imunizada, a partir dessa faixa etária, o que dará mais segurança para a retomada do turismo, principal atividade econômica da ilha”, destacou Paulo Câmara.

Ainda durante o pronunciamento, o governador contou que recebeu, na manhã de desta sexta-feira, a primeira dose da vacina contra a Covid-19. O imunizante aplicado foi o da AstraZeneca/Fiocruz, no posto de vacinação drive-thru da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), no bairro de Dois Irmãos, no Recife.

Paulo Câmara lembrou que somente com uma porcentagem muito maior do que os atuais 12% da população brasileira vacinada, a sociedade terá segurança para tirar as máscaras da rotina. “É o que a ciência diz, e é o que deve nos orientar. Mais de dois milhões e duzentos mil pernambucanos tomaram pelo menos uma dose da vacina. Apesar da imunização, todos nós precisamos manter os cuidados preventivos, e o mais importante deles é continuar usando máscara”, finalizou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

CABO

11/06


2021

Ipojuca promove Dia D de vacinação contra Covid

Para acelerar ainda mais a imunização dos ipojucanos contra a Covid-19, neste domingo (13), a Prefeitura do Ipojuca promove um Dia D de vacinação no município. A mobilização acontece de 8h às 15h em seis diferentes polos: Complexo de Saúde (Ipojuca Centro), Policlínica de Nossa Senhora do Ó, Policlínica de Porto de Galinhas, Policlínica de Camela, PSF de Serrambi, além do Centro de Saúde da Mulher (para grávidas e puérperas). Além disso, já a partir de domingo, a Secretaria Municipal de Saúde amplia o grupo de vacinados, contemplando todas as pessoas a partir de 50 anos de idade e profissionais de saúde da rede privada.

A imunização segue para os seguintes grupos: profissionais de educação com 45 anos ou mais, Guarda Municipal, Salva Mar, Defesa Civil, profissionais de limpeza urbana com 45 anos ou mais, pessoas a partir de 18 anos com comorbidades incluídas nas fases 1 e 2, doenças raras e pessoas com deficiência, além das grávidas e puérperas (que tiveram o filho a menos de 45 dias). Neste dia não será preciso realizar agendamento, bastando comparecer em um dos locais com os documentos pessoais (CPF, RG e cartão SUS), comprovante de residência e laudos ou declarações (quando necessários).

Para garantir a ação e o atendimento ao público, a Prefeitura do Ipojuca está mobilizando mais de 100 servidores. Até ontem, Ipojuca já vacinou quase 17 mil pessoas.

Vacinação volante no sábado – Amanhã, a Secretaria de Saúde do Ipojuca vai realizar uma vacinação volante na feira, localizada no Centro do município. “A ideia é imunizar muitos feirantes de 50 anos ou mais que moram nos engenhos e que vem vender seus produtos na feira”, explicou a secretária de Saúde Manúcia Medeiros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes 2021

11/06


2021

Confira a entrevista de Alcymar ao Frente a Frente

Se o leitor não conseguiu acompanhar a entrevista do cantor e compositor Nando Cordel ao quadro “Sextou” do programa Frente a Frente, ancorado por este blogueiro e exibido pela Rede Nordeste de Rádio, não se preocupe. Clique no link disponível e confira. Está incrível!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

11/06


2021

São João Solidário do Plenus conta com drive thru

Sanfona, zabumba e triângulo deram o tom da animação, hoje, em Petrolina, durante a realização de dois ‘drive-thrus’ para arrecadação de cestas básicas que serão doadas aos artistas atingidos pela pandemia da Covid-19, através do São João Solidário do Plenus Colégio e Curso.

O movimento começou às 7h, com a chegada dos pais dos alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental na frente da unidade Orla e do Ensino Médio na Unidade da Barão do Rio Branco. Vestindo o colorido dos figurinos juninos e incorporando personagens a exemplo de Lampião e Maria Bonita, os matutinhos e matutinhas arriscaram até um arrasta-pé com muito forró.

Durante a tarde, o arraiá continuou nas duas sedes com as turmas ampliando o número de cestas doadas e reforçando o convite para a grande live solidária que vai acontecer no próximo dia 18, reunindo atrações como Targino Gondim, Nilton Freitas, Fabiana Santiago, Elisson Castro, Ivan Greg e Jonathan Araújo.

De acordo com a diretora Pedagógica da escola, Sílvia Santos, a live será transmitida a partir das 19h pelo canal oficial da escola no YouTube 'plenuspetrolinaoficial'. “O São João é uma das festas mais bonitas do nosso calendário de eventos, e o Plenus sempre faz um grande arraiá com forró, coreografias, figurinos temáticos e boas comidas. Agora, em função da pandemia, nós nos reinventamos para oferecer aos familiares, alunos, amigos e corpo docente uma programação à distância, mas com muita animação e segurança. Um São João que vai aquecer os corações e ajudar aos artistas da nossa região que sempre nos alegraram com a poesia, a música, o teatro e a dança”, concluiu.

O São João Solidário do Plenus vem arrecadando as cestas básicas desde o dia 1º deste mês através de gincanas e competições entre as turmas.  A entrega das cestas será feita no dia próximo dia 23 às associações dos artistas de acordo com as indicações do Movimento Transforma Petrolina.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Anuncie Aqui - Blog do Magno

11/06


2021

Podcast discute caso Caboclo e assédios contra mulheres

O caso de assédio envolvendo o presidente afastado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, expôs, mais uma vez, como são maléficas as relações trabalhistas e de gêneros em muitas empresas do país. Na denúncia, uma ex-secretária acusa o dirigente da CBF de importunação sexual. Em áudios divulgados pela TV Globo, o presidente da entidade máxima do futebol brasileiro chega a perguntar se a mulher “se masturba”.

Para analisar os assédios contra as mulheres no ambiente de trabalho, o podcast Rádio FAP, da Fundação Astrojildo Pereira, conversa com a advogada Thais Riedel, mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo de São Paulo (PUC-SP) e doutoranda pelo Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP). A falta de posicionamento de atores importantes da sociedade nesse tipo de discussão, os avanços da legislação trabalhista e a desigualdade de oportunidades entre gêneros no mercado profissional também estão entre os temas do podcast. O episódio conta com áudios do Fantástico, CBF TV, programa Na Moral, TV Brasil e CNN.

O Rádio FAP é publicado semanalmente, às sextas-feiras, em diversas plataformas de streaming como Spotify, Youtube, Google Podcasts, Ancora, RadioPublic e Pocket Casts. O programa tem a produção e apresentação do jornalista João Rodrigues. A edição-executiva é de Renato Ferraz.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

11/06


2021

Medidas para amortizar a curva de infestação da Covid

Por Dirac Cordeiro*

Estamos há mais de 14 meses adotando várias medidas de restrição para combater a pandemia, as quais vão desde o “lockdown” até as limitações de horários de funcionamento das atividades comerciais nos dias úteis e nos finais de semana. Apesar disso, a função que explica tanto o número de casos infectados como o de óbitos continua fora de controle. Isto, mesmo diante do cenário de muitos que foram infectados nos anos de 2020 e 2021, após tomar as duas doses de vacinas.

O comportamento da série temporal de notificações do Covid-19 está se apresentando com uma componente de uma tendência preponderante e componente de nível mediano. Todas as séries epidemiológicas têm comportamentos singulares – como o caso da série das notificações da dengue –, nas quais a componente sazonal tem importância relevante nos modelos paramétricos de previsão.

Talvez por ser uma epidemia sem histórico no passado, os fatores sazonais são mais difíceis de  serem observados e, dessa maneira, os seus resultados apresentam dificuldades para os cálculos dos respectivos fatores sazonais. Por isso, ao longo do tempo, toda a abordagem feita pelos diversos jornais para apresentar o comportamento da série dos óbitos é com base num filtro linear estável denominado de média móvel, cujo período é de 7 dias. Deve-se lembrar da existência de médias móveis mais robustas, cujos resultados da componente de tendência são inferidos a partir da taxa de crescimento ou decrescimento.  

No nosso contexto atual, ações coercitivas são necessárias para amortecer drasticamente a   forte componente tendência, bem como a busca da redução da componente de nível, a qual vem se mantendo invariante. Para isso, é preciso sugerir (1) o uso de todas as vacinas disponíveis para a imunização dos usuários que circulam nos terminais de integração dos ônibus e do metrô, pois essas áreas são inexoravelmente as potenciais das infestações do vírus; (2) o uso do identificador de localização dos usuários infectados que chegam aos hospitais ou postos de atendimento. Após essa identificação, poder-se-ia se passar a utilizar modelos matemáticos de otimização para definir as métricas das zonas de influência onde se situam os usuários infectados.

No ano de 1998, vários estados lideraram o número de ocorrência das notificações da Dengue, sendo o Rio de Janeiro o que apresentava o maior número de casos e de óbitos. Em alguns estados da federação, o número de doentes em 2001 representou uma média de 32% do total de registrados em 1998 (o ano da grande epidemia). O percentual médio de infestação em cada estado chegou a atingir cerca de 1,5% da população das capitais acrescida às dos municípios que formam as suas regiões metropolitanas. Vale ressaltar que a Região Metropolitana do Recife (RMR) possui uma alta densidade populacional – a segunda do Brasil –; e, além disso, 50% dos domicílios não têm rede de esgoto e um grande percentual não dispõe de água encanada, fazendo uso de reservatórios e pequenos recipientes no seu dia-a-dia.

Elaboramos em 2002 um artigo para explicar o comportamento das notificações de Dengue (Communication in Statistics – Simulation and Computation 36(3)) no Brasil. A conclusão que tiramos foi com base na resposta do modelo; ou seja, “seria nula a probabilidade de erradicar a dengue na próxima década, principalmente pela forte influência da componente sazonal, que é “strongly correlated” pela desordem sanitária.

O legado deixado pela Dengue, Zica e Chikungunya foi muito ruim e ficou marcado na mente da população brasileira. Embora a Covid-19 e a Dengue sejam doenças díspares e não similares em óbitos, o grau de desordem sanitária interfere em ambas. Pelos relatos médicos, iremos conviver com a Covid-19 por longos anos, estabelecendo um ciclo de vacinas ao longo do tempo. Faz-se necessário buscar uma resposta para um processo estacionário com poucas oscilações; resposta está balizada pelos resultados da média móvel, cujos valores das notificações tendem para uma estabilidade em nível semelhante aos processos epidemiológicos ocorridos nos últimos 100 anos. Caso isso não ocorra, convergiremos a longo prazo para uma epidemia com altos e baixos sem controle.

*Doutor em Engenharia de Transporte


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha