20/04


2021

Palácio é descortês com deputado e escanteia Geraldo

Ainda repercute nos bastidores da política a “reservada” assinatura do protocolo de intenções para a construção do anel viário que dará acesso ao frigorífico da Masterboi, no município de Canhotinho. Ocorrido na última sexta-feira, no Palácio do Campo das Princesas, o evento, que deveria se constituir numa simples agenda do governador Paulo Câmara (PSB), acabou ganhando contornos político-partidários.

Ao não convidar o deputado estadual Álvaro Porto (PTB) e o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Carlos Porto, principais articuladores da ida da Masterboi para o Agreste Meridional, o governo imprimiu a indevida marca da partidarização à cerimônia.

Álvaro é parlamentar de oposição e, como tal, fiscaliza e faz críticas e cobranças à gestão. Talvez por conta disso, seu “cancelamento”, vá lá, possa ter alguma explicação do Palácio. Agora, ao excluir Carlos Porto, o Governo revelou falta de consideração, de cortesia e de respeito à figura e ao papel desempenhado pelo conselheiro. Carlos atuou fortemente para viabilizar o projeto, sendo, inclusive, construtor de canais de diálogo entre a direção da Masterboi e o Governo do Estado. Por isso soou como mesquinharia o fato dele não ter recebido nem mesmo um único telefonema de algum representante do Executivo.

Eleições e desafetos – Mas, para além da descortesia, o evento expôs o distanciamento que a disputa eleitoral de 2022 já provoca entre o governador e o ex-prefeito do Recife e atual secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Geraldo Júlio, desde já pré-candidato à sucessão de Paulo Câmara.

O que se fala pelos corredores palacianos é que a ausência de Geraldo na cerimônia evidenciou, mais uma vez, a preferência do governador pelo secretário da Casa Civil, José Neto, para encabeçar a chapa. Geraldo não teria sido chamado porque o anel viário a ser licitado será erguido num território político em que Zé Neto tem forte inserção.

Já há quem comente, em tom de ironia, que o secretário de Desenvolvimento, mesmo que queira, não poderá incluir a obra já relação das que “foi Geraldo que fez”, numa alusão a mote da primeira campanha pela prefeitura do Recife, em 2012.

Brincadeiras à parte, a cada dia que passa surgem novos sinais de que Paulo e Geraldo, dois técnicos convertidos em políticos pelas mãos do ex-governador Eduardo Campos, brigam protagonismo dentro do PSB. Nesta disputa, já subiram no ringue de 2022.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021 IPTU

20/04


2021

Deputados acionam Justiça e PGR contra Renan

Os deputados Daniel Silveira (PTB-RJ) e Carla Zambelli (PSL-SP) pediram para a Justiça impedir que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) seja o relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19 no Senado. As informações são do Poder360.

Os pedidos foram enviados ontem à PGR (Procuradoria Geral da República) e à 2ª Vara Federal de Brasília. Os deputados argumentam que o senador deve ser considerado suspeito e impedido de assumir a relatoria.

Silveira utiliza um trecho do Código de Processo Civil que diz que agentes públicos não podem fazer parte de processos em que parentes estejam envolvidos. Renan é pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB-AL), que pode ser investigado por causa do uso de verbas federais no combate à pandemia.

Já Zambelli afirma que, como Renan responde por processos na Justiça, “o princípio da moralidade administrativa” estaria prejudicado. “A presença de alguém com 43 processos e 6 inquéritos no STF [Supremo Tribunal Federal] evidentemente fere o princípio da moralidade administrativa“, disse ela em publicação em seu perfil no Twitter.

O relator é quem prepara o parecer final após os trabalhos serem realizados pelos 11 membros da comissão. É nessa peça que são sugeridos indiciamentos ou não. É um cargo chave para garantir que as investigações atinjam aqueles que eventualmente tenham cometido irregularidades ao longo da pandemia.

Silveira foi preso em 16 de fevereiro, por ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes, depois de ter publicado vídeo com xingamentos e acusações contra integrantes da Suprema Corte. Em 14 de março, o deputado passou para a prisão domiciliar, também por ordem de Moraes.

Desde então, Silveira passou a trabalhar de casa, de onde pode fazer despachos. O deputado usa uma tornozeleira eletrônica e não pode dar entrevistas para jornalistas ou usar redes sociais.

O argumento de Silveira contra Renan é o mesmo utilizado por outros apoiadores do presidente Bolsonaro. No domingo (18.abr.), deputados bolsonaristas, como Zambelli e Alê Silva (PSL-MG), fizeram uma campanha no Twitter contra Renan. A hashtag #RenanSuspeito chegou a ser um dos assuntos mais comentados da rede social.

Apoiadores de Bolsonaro têm dito que o governo federal fez sua parte no combate à pandemia transferindo recursos para os Estados. E que é preciso apurar o que é feito com essas verbas.

O governo tenta emplacar Marcos Rogério (DEM-RO) na relatoria da CPI em vez de Renan. Deve haver disputa até o último minuto. A 1ª reunião da comissão está marcada para a próxima terça-feira.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

20/04


2021

É proibido ir para o inferno...

Por Aldo Paes Barreto*

Nunca fui fã de carteirinha de Roberto Carlos, mas curti suas músicas e, claro, acompanhei sua vitoriosa trajetória a exemplo dos consagrados oitentões de hoje. Quem pode ficar indiferente a “Detalhes”, “Jesus Cristo eu estou aqui”?

Sobre essa "relação" dele com o Recife, publicado no Jornal do Commercio virtual, parece fruto de um livro sem pesquisas, de matéria apressada, sem copidescagem. Fala de uma estória que a censura teria proibido em carnaval recifense abadás com versos da canção “Jesus Cristo”..., de 1970... Abadá no carnaval do Recife? Nunca. Censura? A censura sempre poupou Roberto Carlos. Ele não se envolvia com politicagem e era queridinho dos milicos.

Newton Carneiro, então vereador, e citado como “autor” da censura? Como? Newton Carneiro era cheios de jogadas de marketing sem dentadura, mas não tinha poder para censurar ninguém. Abadá no nosso carnaval? Acho que o autor do livro confundiu Recife com Salvador. Para contar as vindas de Roberto Carlos ao Recife, o autor teria que ouvir e entrevistar algumas pessoas que, estas, sim, tiveram alguma convivência com o Rei do Ié-Ié-Ié...

Primeiro "Pinga", empresário que acompanhou o cantor na grande maioria das excursões ao Nordeste. Depois um motorista – não lembro o nome dele, parece que era Reginaldo – que fazia ponto no Hotel Miramar, atendendo hóspedes VIPs. E ainda Samir Abou Hana, Geraldo Freire. O motorista tinha um Landau e quando RC estava aqui, ele não desgrudava.

Certa vez, Roberto Carlos embarcou no carro saindo da porta do Hotel, cujo acesso era uma rampa. Na ocasião, havia outro carro parado na frente. O motorista manobrou para ultrapassar o veículo estacionado, dando ré. RC quase teve um enfarte. Reclamou em dó maior e saiu do carro. Ele, o cantor, sempre se hospedava no Miramar, ocupando andares pares, apartamentos idem.

O maior sucesso de Roberto, que ele abominou depois, certamente foi "Que tudo vá para o Inferno...", lançada em 1965. As emissoras só tocavam isso e todo mundo cantava. A tal ponto, que o JC publicou um anúncio – deve estar na coleção do Jornal: "Precisa-se de uma empregada doméstica que durma no serviço que não cante ‘Que tudo vá para o inferno’...".

*Jornalista


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE

20/04


2021

José Maria destaca meu livro na Jovem Pan

Meu amigo José Maria Trindade, um dos jornalistas mais notáveis de Brasília, âncora dos Pingos nos Is, programa de fenomenal audiência no Brasil pela Jovem Pan, registrou, ontem, o lançamento do meu livro A dor da pandemia e ainda enviou o áudio divulgado. Amigos são para sempre!

Aproveitando, na live de lançamento ontem, com José Nêumanne, do Estadão, em São Paulo, e Paulo André, ex-Globo Recife, acabei não divulgando a forma de adquirir o livro. Você pode comprar usando o seu pix. O valor é simbólico, apenas R$ 10, mas tem gente colaborando com o blog e transferindo valores do tamanho do seu bolso.

Fique à vontade. O número do meu pix é: 187870704-30. Caso não use pix, entre em contato comigo pelo (81) 9.8222-4888. Tão logo a compra seja confirmada, o livro é remetido em PDF.

Muito obrigado!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/04


2021

Governo oficializa troca na PF no Amazonas

O governo federal oficializou, hoje, a troca na Superintendência da Polícia Federal no Amazonas. O delegado Leandro Almada da Costa assume o cargo no lugar de Alexandre Saraiva. A troca foi assinada pelo secretário-executivo do Ministério da Justiça, Tercio Issami Tokano, e publicada no "Diário Oficial da União".

A mudança no comando da PF no Amazonas foi anunciada no último dia 15, um dia após Saraiva ter pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) que investigue o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Na notícia-crime, Saraiva argumentou que ações de Salles podem "obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais".

Na nota em que anunciou a troca, a PF afirmou que Saraiva foi comunicado da substituição "no decorrer da tarde" do dia 14, mesmo dia em que a notícia-crime foi apresentada.

A notícia-crime é um instrumento usado para alertar uma autoridade – a polícia ou o Ministério Público – da ocorrência de um ilícito. Na ocasião, a assessoria de Salles informou que o ministro se manifestaria somente "em juízo". Em entrevista à GloboNews após ter apresentado notícia-crime, Saraiva disse que o ministro defende "infratores ambientais".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes 2021

20/04


2021

Centro Clínico Clara Florêncio se consolida em Arcoverde

Há nove anos, o Centro Clínico Clara Florêncio era inaugurado no município de Arcoverde e, contrariando as expectativas de um empreendimento no Sertão, onde não há muitos recursos para manutenção, se consolidou como uma das mais conceituadas clínicas de Pernambuco

“Hoje a Clínica faz 9 anos. Quero agradecer a vocês pela parceria e dedicação de tantos anos. Que nossa equipe se torne cada vez mais unida trabalhando sempre em prol do bem-estar do próximo. Um grande abraço a todo e comemoraremos ano que vem os 10 anos em grande estilo, se Deus quiser”, disse a idealizadora do centro clinico, Dra. Clara Florêncio.

Dotado de uma infraestrutura moderna, totalmente climatizado, com ampla recepção e consultórios com as mais variadas especialidades médicas, o Clara Florêncio Centro Médico atua através de um olhar humanizado do outro que o permite atender com excelência.

Passados esses nove anos de sucesso, o centro que se iniciou apenas com o consultório de dermatologia, conta hoje com as seguintes especialidades: Cardiologia, Cirurgia Geral, Clínica Médica, Dermatologia Clínica e Cirúrgica, Endocrinologia, Nutrição, Nutrologia, Oftalmologia e Radiologia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

20/04


2021

Roberto Carlos e Zé Corninho

Da Coluna de João Alberto

Uma curiosidade sobre o oitentão Roberto Carlos. Numa das vezes que veio ao Recife, seu produtor encomendou para ele o bacalhau gratinado do restaurante “Recanto dos Amigos”, em Campo Grande, muito mais conhecido como Zé Corninho. A iguaria foi servida na sua suíte no hotel. Gostou tanto que em todas as outras vezes que veio à cidade pediu para receber o prato. E prometeu que iria conhecer o restaurante. Está devendo...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Anuncie Aqui - Blog do Magno

20/04


2021

Só o polígrafo revela a verdade dos fatos

Por José Nêumanne*

Em 15 de julho de 2005, o então presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, inaugurou na República a fala do trono: confortavelmente instalado numa poltrona posta num jardim em Paris, deu a primeira de suas várias versões sobre o momentoso caso do mensalão à repórter brasileira Melissa Monteiro, que trabalhava numa emissora francesa. A Rede Globo de Televisão, segundo informou a jornalista da casa Glória Maria, comprou os direitos de retransmissão, que, sem perguntas de repórteres abelhudos, foi ao ar no programa dominical Fantástico. Inaugurou-se, então, o atual padrão de “entrevista coletiva”, em que profissionais de imprensa podem ouvir e registrar, jamais perguntar.

A 16 anos de seu feito pioneiro, o ex-dirigente sindicalista avançou rumo à retomada da narrativa em programas de entrevistas nos meios eletrônicos de comunicação ao condicionar sua presença no Conversa com Bial, da mesma rede, a uma transmissão ao vivo. Em teoria, para evitar eventuais distorções na edição. “Ao vivo só com polígrafo”, ironizou o apresentador no programa Manhattan Conection. Foi o suficiente para desabar uma tempestade de insultos impublicáveis e outras agressões em redes sociais, numa demonstração de que o gabinete do ódio instalado por Carlos Bolsonaro no Palácio do Planalto tem antecedentes no teórico lado oposto do espectro ideológico. A palavra teórico, aqui usada, registra a afirmação do cientista político da Universidade Federal Fluminense (UFF) Eurico Lima de Figueiredo, na série Nêumanne Entrevista, publicada neste blog, de que o então deputado Jair Bolsonaro disse que “na vida pública, precisamos de gente como Vossa Excelência”, referindo-se à colega Luiza Erundina, então no PSB. E votou em Ciro Gomes, hoje no PDT, no primeiro turno, e em Lula, sempre no PT, no segundo, para presidente, em 2002. Útil ainda lembrar que o capetão sem noção dissera ao Estadão que o coronel venezuelano Hugo Chávez era “uma esperança para a América Latina e gostaria muito que essa filosofia chegasse ao Brasil”.

O repórter esclareceu na editoria de Opinião da Folha de S. Paulo em artigo intitulado O passado como polígrafo: “O caso é pessoal e Lula sabe muito bem que já mentiu a meu respeito. A verdade está registrada, há provas e testemunhas”. O autor destas linhas, verbi gratia, conhece entrevistador e entrevistado há tempo suficiente para saber quem conta a verdade. E contribui para essa discussão relatando fatos históricos indesmentíveis, que têm faltado na crônica jornalística do dia a dia nesta época de pandemia. O gabinete do ódio da famiglia Bolsonaro não é uma inovação e o paredón petecomunista “anti-Bial” não vai me deixar mentir.

Pensando bem, a boutade do apresentador seria uma excelente ideia a ser usada para o perfeito funcionamento das nossas instituições, ao contrário do que seria a bolivarianização proposta pelo “mau militar” (apud Geisel) no apagar das luzes do século 20. O que a verdade faria da cruzada do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes na sua tentativa de desacreditar depoimentos de delatores premiados comprovando os crimes cometidos por Lula para envernizar com juridiquês a vexaminosa higienização da ficha suja do dito cujo? Se Antônio Palocci, que foi ministro da Fazenda do ex-sindicalista e chefe da Casa Civil de Dilma do PT, tivesse sido submetido ao detector de mentiras, continuaria sendo usado cinicamente por advogados de defesa, ministros do “pretório excelso” e outros entusiastas das fantasias garantistas de araque, hein?

A autorização do uso do polígrafo não teria poupado a Polícia Civil do Rio de ter de ouvir duas versões opostas de Tainá Ferreira, babá de Henry Borel, e da empregada doméstica do vereador Jairo Jr. sobre o assassínio sob tortura do menino de 4 anos pelo “Maçaranduba de Bangu”, acusado de chefiar uma milícia? Que tal seria autorizar a tecnologia a detectar os fatos relatados nos votos dos oito ministros do STF que acordaram subitamente para a incompetência de Sergio Moro para julgar o citado Lulinha Rumo ao Centro, após cinco anos de confirmações em todas as instâncias, incluindo as dos próprios “chaveiros de tornozeleiras”?

O que restaria das lives semanais do presidente da República e seus sequazes se os arroubos nelas perpetrados fossem denunciados como mentirosos pelo frio e imparcial aparelhinho, tá OK? Como diria o Cristo, que o apreciador de milicianos Jair (quase Jairo) diz venerar, “em verdade, em verdade, eu vos digo”, a submissão das sessões da Câmara, do Senado e do próprio Congresso não faria os sinais de falta de convicção do que dizem os ditos representantes do povo do alto da tribuna, na qual exercem a sua imunidade, ou seja, impunidade com pê oculto, virar tábula rasa?

Mas este escriba, que nunca viu um polígrafo ao vivo, pode garantir, com certeza absoluta, que quem inventou a polarização, que agora a soi-disante oposição execra, foi o protagonista deste texto, “o cara”, conforme Obama, que também talvez não passasse incólume por uma dose do soro da verdade… Poucos se lembram de que foi o PT que inventou o abismo insondável entre nós e eles, e não a extrema direita, que também não é tão infensa assim ao uso da patranha como método. É que, tal qual a verdade, a memória não é muito popular e benquista no país onde agora a cúpula da Justiça se prepara para condenar o julgador e permitir que um tríplice condenado dispute um pleito no qual talvez se confirme o velho brocardo de bardo segundo o qual quem mentir mais vai chorar menos.

Calma, Centrão de Eduardo Cunha e Arthur Lira! Ninguém aceitará essa ideia do “polígrafo para todos”. No máximo, Planalto, Congresso e Supremo exigirão a prova da verdade inútil apenas dos inimigos antifas.

*Jornalista, poeta e escritor


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

20/04


2021

Bolsonaro nomeia presidente do Banco Central

O presidente Jair Bolsonaro nomeou, hoje, o presidente, Roberto Campos Neto, e sete diretores que terão mandatos fixos no Banco Central.

A legislação que estabelece a autonomia do Banco Central foi sancionada em fevereiro e estabelece uma série de regras, entre elas, o mandato de quatro anos para o presidente do BC, não coincidente com o do presidente da República. Diretores também terão mandatos. Todos podem ser reconduzidos ao cargo, uma única vez, por igual período.

O governo federal tinha 90 dias após a sanção da lei para nomear os diretores do BC. Campos Neto já ocupava o cargo de diretor antes da oficialização do mandato. Um dos objetivos da nova legislação é blindar o órgão de pressões político-partidárias.

Os diretores nomeados foram:

  • Roberto Campos Neto (presidente) – mandato até 31/12/2024;
  • Fábio Kanczuk – mandato até 31/12/2021;
  • João Manoel Pinho de Mello – mandato até 31/12/2021;
  • Bruno Serra Fernandes – mandato até 28/02/2023;
  • Paulo Sérgio Neves de Souza – mandato até 28/02/2023;
  • Carolina de Assis Barros – mandato até 31/12/2024;
  • Otávio Ribeiro Damaso – mandato até 31/12/2024;
  • Maurício Costa de Moura – mandato até 31/12/2023;

Entre outras funções, cabe ao Banco Central, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom), definir a taxa Selic, a taxa básica de juros da economia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/04


2021

Coluna da terça

CPI já mapeou convocados

O plano de trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 prevê chamar ao menos seis ministros ou ex-ministros do governo Jair Bolsonaro para dar explicações sobre o enfrentamento da pandemia no País. Uma versão preliminar do roteiro, elaborado por integrantes do colegiado, também cita a necessidade de ouvir secretários do Ministério da Saúde, autoridades responsáveis pela área de comunicação e governadores.

O único prefeito citado no documento é David Almeida (Avante/foto), de Manaus, cidade em que a rede de saúde entrou em colapso no início do ano, com pacientes morrendo asfixiados após o fim do estoque de oxigênio em hospitais. Como mostrou o jornal o Estado de São Paulo, a CPI deve colocar em foco a gestão dos militares na área da Saúde.

Além do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a lista inicial das autoridades que devem ser ouvidas inclui o ex-número dois da pasta, coronel Élcio Franco, além do ex-comandante do Exército Edson Pujol, que será chamado para explicar a produção de cloroquina pelo laboratório ligado às Forças Armadas. O medicamento, sem eficácia comprovada contra a covid-19, passou a ser produzido em maior escala.

O jornal informa ainda que Walter Braga Netto, atual ministro da Defesa, que comandou um comitê de crise quando estava na chefia da Casa Civil, entre outros oficiais, também devem ir a um incômodo "banco dos réus" da comissão no Senado. A CPI deve começar a funcionar na próxima quinta-feira ou na próxima semana. Um acordo entre a maior parte dos participantes prevê que Omar Aziz (PSD-AM) seja o presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) seja o vice e Renan Calheiros (MDB-AL) atue como relator.

Pau em Bolsonaro – O documento elaborado pelos senadores traz críticas à condução do governo Bolsonaro na crise sanitária. "No início da pandemia, o governo federal tentou impedir que os entes federados pudessem tomar medidas para diminuir o ritmo de propagação do vírus, a exemplo de isolamento social, uso de máscaras e álcool em gel", diz trecho do plano. Os congressistas também mencionam a disputa travada por Bolsonaro com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

CPI presencial – O Planalto, por meio do líder do Governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), tem cobrado que a CPI funcione de forma totalmente presencial e que só comece quando os participantes estiverem vacinados. O pedido é visto como uma forma de retardar o início do colegiado que vai investigar o Poder Executivo. A presença de Pazuello é sugerida em três oitivas de testemunhas. Os depoimentos têm o objetivo de apurar a omissão do governo na falta do fornecimento de equipamentos de oxigênio para o Amazonas, o uso do aplicativo Tratecov, que estimula o tratamento precoce da Covid-19 com medicamentos de eficácia não comprovada e o emprego de verbas públicas federais para combater a crise de coronavírus no Amazonas.

Lista ampla – Além de Pazuello, o prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), também foi incluído no rol de testemunhas desejadas da sessão da CPI que quer apurar a falta de oxigênio na cidade. Foram sugeridos ainda os nomes de Marcellus Campelo, secretário de Saúde do Amazonas; Francisco Ferreira Filho, coordenador do comitê de crise do Amazonas; Mayra Isabel Correia, Luiz Otávio Franco e Hélio Angotti Neto, secretários do Ministério da Saúde; e um representante da White Martins, fabricante de oxigênio.

Mandeta também – Para falar sobre medidas de isolamento social foram sugeridos todos que comandaram o Ministério da Saúde do Governo de Jair Bolsonaro - Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich, Pazuello e o atual ministro Marcelo Queiroga. Especialistas também foram colocados no plano de trabalho, como o biólogo e divulgador científico Átila Iamarino, e os médicos David Uip, Roberto Kalil e Ludhmila Hajjar, que foi cotada para assumir o Ministério da Saúde antes de Queiroga e chegou a conversar com Bolsonaro.

Na mira de Guedes – O ministro da Economia, Paulo Guedes, o secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, e o deputado Daniel Freitas (PSL-SC), relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) que permitiu a volta do auxílio emergencial em 2021, também estão entre aqueles que os senadores querem ouvir. Eles foram mencionados no tópico que pretende apurar o funcionamento do auxílio e outras medidas de socorro financeiro durante a pandemia.

CURTAS

VOLTA AO PSL 1 – Em negociação para retornar ao PSL, partido pelo qual se elegeu em 2018, o presidente Jair Bolsonaro colocou o fim de abril como prazo para definir seu futuro político. "Já estou atrasado. Não tenho outro partido, espero que esse mês eu resolva", afirmou o presidente na manhã de ontem, em conversa com apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada.

VOLTA AO PSL 2 – Bolsonaro deixou o PSL em novembro de 2019 após desavenças com o presidente da sigla, o deputado pernambucano Luciano Bivar. O principal motivo foi o controle do cofre da legenda, que se tornou uma superpotência partidária ao eleger 54 deputados, quatro senadores e três governadores na esteira do bolsonarismo. Com isso, a ex-sigla do presidente deve ter a maior fatia dos recursos públicos destinados a partidos políticos neste ano, de R$ 103,2 milhões.

Perguntar não ofende: Qual primeiro governador deveria ser convocado para depor na CPI?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Quem segue Bolsonaro, tem muita maldade envolvida!

marcos

Mas apesar de tudo não esqueça que Lula é Ladrão.

Fernandes

No Brasil de Bolsonaro, permanecer vivo é um ato de protesto.

Fernandes

Quem segue Bolsonaro, tem muita maldade envolvida!

Fernandes

Bolsonaro testa negativo para presidente.