Jaboatão - Nova UBS PET

20/09


2021

Renan decide adiar entrega do relatório final da CPI da Covid

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse, ao blog do Valdo Cruz, que decidiu adiar a apresentação do seu relatório final para o início de outubro. Ele havia previsto entregar o relatório nesta semana.

“Senadores querem novos depoimentos, principalmente com as novidades trazidas sobre a Prevent Senior e a Precisa. Então, o meu relatório, que está quase pronto, será apresentado após o último depoimento, em outubro”, disse Renan Calheiros.

Renan Calheiros já vinha analisando, a pedido de seus colegas do G-7, grupo majoritário da CPI formado por senadores independentes e de oposição, o adiamento da apresentação do relatório final em que, afirma, vai propor o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por crimes comum e de responsabilidade.

Hoje, ele disse que tomou a decisão de postergar por duas semanas o seu relatório. “O relatório já está praticamente pronto, mas só vou apresentá-lo oficialmente depois dos últimos depoimentos. Temos de ouvir novamente o ministro Marcelo Queiroga sobre a suspensão de vacinas para adolescente, o que ele fez foi um escândalo. Temos de ouvir também novos personagens da Precisa, porque está chegando a documentação apreendida. Tudo isso vai atrasar um pouco, mas vamos ficar dentro do prazo da prorrogação da CPI”, afirmou Renan Calheiros.

O relator da comissão informou que vai propor o indiciamento do presidente Bolsonaro por crime de prevaricação, por não ter determinado a investigação das denúncias dos irmãos Miranda sobre a compra da vacina Covaxin. Neste caso, é crime comum e a proposta de indiciamento será encaminhada para a Procuradoria-Geral da República.

“Vamos também propor indiciamento por crime de responsabilidade. Neste caso, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados, para que seja anexada ou feito um novo pedido de impeachment do presidente da República”, acrescentou Renan Calheiros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem

20/09


2021

Pernambuco recebe 1.560 doses de vacinas da Janssen

Na manhã de hoje, Pernambuco recebeu um lote com 1.560 doses de vacinas da Janssen. O voo trazendo esta quinta remessa desse fabricante aterrissou no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre às 12h05. O imunizante, utilizado em dose única, será destinado à aplicação de doses de reforço em idosos com 70 anos ou mais que completaram o esquema vacinal há pelo menos seis meses, além de pacientes imunossuprimidos, ambos de população indígena.

A nova remessa seguirá para as sedes das Gerências Regionais de Saúde (Geres) nesta terça-feira (21.09), onde ficarão à disposição dos gestores municipais para retirada. Até lá, as vacinas ficam armazenadas na sede do Programa Estadual de Imunizações (PNI-PE).

“Com essas novas doses, podemos avançar na proteção da população contra a Covid-19. O imunizante proporciona a completude de novos esquemas vacinais em uma única etapa. Até o domingo (19.09), 172.991 pessoas já haviam recebido doses da vacina da Janssen e estão protegidas contra o vírus”, afirmou a superintendente de Imunizações do Estado, Ana Catarina de Melo.

Desde o início da campanha, em janeiro deste ano, Pernambuco já recebeu 12.159.500 doses de vacinas contra a Covid-19. Desse total, foram 4.216.270 da Astrazeneca/Oxford/Fiocruz, 4.481.720 da Coronavac/Butantan, 3.287.700 da Pfizer/BioNTech e 173.810 da Janssen.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina setembro 2

20/09


2021

A versão da ex-prefeita de Arcoverde

Caro Magno,

Em resposta a nota publicada na coluna do seu blog, nesta segunda-feira (20), venho esclarecer que não é verídica a notícia de um possível rompimento com o prefeito de Arcoverde, Wellington Maciel.

Apoiei o prefeito nas eleições e continuamos juntos trabalhando para uma Arcoverde melhor.

Madalena Britto


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sindicontas

20/09


2021

Frente a Frente direto da Bitury em Belo Jardim

Já estou nos estúdios da Bitury FM 98.3, em Belo Jardim, no Agreste Setentrional, a 185 km do Recife, onde apresento, a partir das 18 horas, o Frente a Frente itinerante, que terá a presença dos prefeitos Gilvandro Estrela, de Belo Jardim, e Álvaro Marques, de Tacaimbó.

Na chegada, fui muito bem recepcionado pela equipe de comunicadores de Karina Veríssimo, formada por Érica Brito, Débora Cristina e Ednaldo Santos, na foto. Se você deseja ouvir pela internet, clique no botão Rádio acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/09


2021

Vertentes e Frei Miguelinho enviam ofício de adesão ao LINDA

Os prefeitos dos municípios de Vertentes, Romero Leal, e Frei Miguelinho, Adriana Assunção, encaminharam, hoje, um ofício ao CONIAPE, com o objetivo de aderir ao programa de detecção precoce do câncer de mama, através do aparelho LINDA.

O CONIAPE, através do Núcleo Intermunicipal de Saúde, disponibiliza o equipamento que auxilia na prevenção do câncer de mama de forma rápida e indolor. O aparelho, chamado de LINDA, é portátil, composto de um soft que realiza leitura para detecção de algum tipo de lesão na mama. Não é invasivo e não oferece qualquer risco à saúde da mulher. O exame é indicado também para mulheres abaixo de 40 anos, ampliando ainda mais o cuidado.

O principal fator positivo é a praticidade no uso. O equipamento pode ser transportado para qualquer lugar onde haja cobertura 3G. O ‘Linda’ foi criado para somar ao que já existe, com foco no aprimoramento ao combate do câncer de mama, sem ter a pretensão de substituir a mamografia. Com esta inovação, será prestado serviço de qualidade para ajudar a melhorar o sistema de combate à esta doença que ainda é a que mais mata mulheres no Brasil e no mundo.

Para mais esclarecimentos, os gestores devem entrar em contato com o secretário executivo do CONIAPE, Allan Kardec, através do fone: (81) 9.9814-3339 ou com a superintendente de saúde, Andréa Araújo, no (81) 3136-5355.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca - Microempreendedores

20/09


2021

Liderança indígena abre conferência no Instituto Ricardo Brennand

Ailton Krenak, ambientalista, escritor, poeta e uma das maiores lideranças indígenas, hoje, no Brasil, reconhecido e aplaudido também fora do país, é o convidado para abrir a Conferência Anual do Comitê Internacional de Colecionismo (COMCOL), amanhã, no Instituto Ricardo Brennand.

O evento deste ano será realizado no Brasil e no Instituto da Várzea, onde encontram-se registros significativos das nossas origens, através da diferenciada coleção Brasil-Colônia, tida como a mais completa do mundo, com foco no Governo de Maurício Nassau desde a chegada do Conde ao Recife, em 1637.

O evento contará com mais de 50 convidados – palestrantes, mesas redondas, debates, apresentações de trabalhos, etc. Diante da pandemia, a conferencia será hibrida e a palestra do indígena será online. Ainda é possível fazer inscrições pelo site https://comcol.mini.icom.museum/conferences/2021-brazil/


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru volta as aulas 2021

20/09


2021

Alceu inaugura a Estação da Luz

Da coluna de Roberta Jungmann

Alceu Valença, a esposa, Yanê, e a produtora Natália Reis inauguram, na quinta-feira, a casa Estação da Luz, em Olinda. Trata-se de um casarão do final do século 19, na Prudente de Moraes, em Olinda. A abertura será só para seletos convidados, neste primeiro momento, em que estamos vivendo uma pandemia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

20/09


2021

Danilo Cabral destaca legado de Paulo Freire

A Câmara dos Deputados realizou, hoje, o seminário “100 anos de Paulo Freire, o Patrono da Educação Brasileira”, em homenagem ao centenário do grande educador. Na abertura, as obras e a vida de Paulo Freire foram lembradas e celebradas pelos presentes. O líder do PSB na Câmara e um dos proponentes da homenagem, deputado Danilo Cabral, afirmou que o legado de Paulo Freire permanecerá para a eternidade. “Não apenas seu inquestionável legado acadêmico, mas suas práxis como educador e sua militância para transformação da sociedade, que seguem inspirando a todos que lutam por uma sociedade justa e democrática”.

De acordo com o socialista, a proposta de associar o aprendizado da escrita e da leitura pelos mais pobres à conscientização de suas condições de submissão e passividade diante do mundo, foi marca do processo educativo preconizado por Paulo Freire, com o desenvolvimento da consciência crítica do educando, de forma que se reconheça como sujeito participando de sua história. “Freire defendia a educação como um processo dialético, em que educador e educando, a partir de suas experiências, aprendem conjuntamente e a partir disso produzem novos conhecimentos. Em um país que a educação ainda é profundamente desigual e formadora de privilégio, forjar uma educação pública democrática, que forme um pensamento crítico e sujeitos conscientes é uma necessidade premente,” acrescentou.

Para Danilo Cabral, Paulo Freire segue vivo e atual como nunca, em uma conjuntura marcada pela intolerância, por ameaças à democracia e por ataques aos direitos dos trabalhadores e o aumento da pobreza. “É necessário reafirmar sua obra. Não é à toa a obsessão da ultra direita, encarnada pelo bolsonarismo, contra Paulo Freire. Ele representa justamente a antítese da máquina desumana, ignorante e autoritária que está no poder”, disse.

O evento acontece conjuntamente entre as comissões de Educação, de Cultura, de Legislação Participativa e de Direitos Humanos e Minorias.  Após a abertura, o seminário terá três mesas de debate. A primeira, mediada pelo deputado Danilo Cabral, trata do testemunho de educador e gestor. A segunda, mediada pela deputada Lídice da Mata (PSB-NA), será sobre Paulo Freire Educador. A última mesa de debates, mediada pela deputada Marília Arraes (PT-PE) falará sobre a atualidade do pensamento de Paulo Freire.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

20/09


2021

Mobilidade urbana: o que podemos fazer

Por Raimundo Benoni*

Veio um marquês de uma terra já perdida/

E mais uma vez se fez dono da vida/

Mandou buscar cem dúzias de avenidas/

Pra expulsar de vez as margaridas – Sivuca e Paulinho Tapajós

O Brasil, já predominante urbano, insiste em manter um padrão de mobilidade que estimula (com construções de mais e mais viadutos) e financia (com facilidades bancárias para compra de automóveis e motos) o transporte individual motorizado.

Cidades do interior, principalmente aquelas que se tornaram polos regionais, já vivem problemas típicos de metrópoles: Maringá, município paranaense urbanizado, tem 430 mil habitantes - e 330 mil veículos cadastrados no Denatran. Isso dá quase 1 carro por morador.

O Sindipeças, que reúne fabricantes de componentes para veículos automotores, estima que a quantidade de carros novos e usados, comerciais leves, caminhões e ônibus já chegue aos 48 milhões - sem falar das 13 milhões de motocicletas em vias públicas.

Os números assustam. Mas há soluções para áreas específicas, desenvolvimento de projetos de mobilidade e acessibilidade, segurança viária, transporte coletivo e, como fenômeno mais recente, a busca sadia de financiamento para uma infraestrutura urbana sustentável.

Já há municípios valendo-se de novas fontes de recursos para o sistema e incentivando a qualidade, a inovação e a eficiência. O WRI Brasil, instituto de pesquisa que busca transformar ideias em ações, estima que 70% de toda a infraestrutura que deve existir nas cidades do mundo em 2050 não foi ainda nem projetada, muito menos construída.

Setembro é o Mês da Mobilidade, que nos obriga a pensar como está e deva ser a nossa capacidade de se deslocar, de forma prática e rápida, ao trabalho, à escola, aos hospitais, aos parques.

Podemos, por exemplo, estimular a chamada mobilidade ativa, como fazem Berlim ou Nova York, melhorando a circulação urbana (com estímulos a caminhadas e ao uso de bicicletas) e com resultados até mesmo para a saúde.

Podemos tornar nossas cidades ambientes mais seguros e acessíveis, adequando os espaços para as pessoas, não para os carros. A necessidade de se reduzir as emissões de gases de efeito estufa é real. Então, podemos insistir na promoção de combustíveis – e carros – mais limpos. E é fundamental qualificar o transporte coletivo e adotar um modelo de cidade conectada, coordenada, agradável, enfim.

Nesta quarta-feira (22/7) é Dia Mundial Sem Carro, movimento que surgiu na França e se espalhou pelo mundo. Faça, se puder, um teste e utilize meios alternativos para se deslocar no dia: vá ao trabalho andando, use o transporte coletivo (metrôs, ônibus e trens) ou pegue sua bike. E peça ao seu prefeito o plantio de mais margaridas, não de viadutos.

*É engenheiro com formação na área de energia pela Fundação Getulio Vargas (FGV), vice-prefeito de Salinas (MG) e diretor da Fundação Astrojildo Pereira (FAP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC Agosto 2021

20/09


2021

ONU: Bolsonaro falará sobre meio ambiente e pandemia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse à CNN, ontem, que abordará vários temas no discurso de abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas, amanhã. Entre os quais meio ambiente, turismo, agronegócio, além de ações do governo brasileiro no combate à pandemia.

O presidente Jair Bolsonaro chegou a Nova York por volta das 17h do domingo e no hotel Intercontinental se reuniu com três ministros para ajustar detalhes do discurso.

“A viagem foi tranquila. No discurso, irei falar sobre meio ambiente, turismo, agronegócio e as ações do governo no combate à pandemia. O texto, que já está pronto, será tranquilo e bastante objetivo. Irei apenas dar um novo polimento. Devo falar por cerca de 20 minutos e, a princípio, eu farei o discurso de improviso”, destacou Bolsonaro.

Na visita a Nova York, estão previstas reuniões bilaterais com alguns países. Na segunda, Bolsonaro se reunirá com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, no Consulado do Reino Unido em Nova York. Na terça, haverá uma reunião com o presidente da Polônia, Andrzej Duda.

Ainda na terça o chefe de estado brasileiro terá um encontro com o secretário-geral da ONU, António Guterres, antes do discurso de abertura às 9h da manhã. Bolsonaro deve retornar a Brasília às 21h.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Agosto 2021

20/09


2021

Usina Cucaú: 130 anos de tradição e desenvolvimento

Entre os meses de fevereiro e março de 1891, foi instalada no município de Rio Formoso, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, a Usina Cucaú. Erguida nas terras de um antigo engenho de mesmo nome pela Companhia Geral de Melhoramentos, o empreendimento completa 130 anos em 2021. Relembramos neste caderno especial a história da indústria, suas atividades e seus projetos ambientais e sociais. É um ano para celebrar a secular trajetória de desenvolvimento que acompanha a região desde a instalação da Usina.

Formada por um grupo de franceses, a Companhia Geral de Melhoramentos, que também celebra a mesma idade neste ano, tinha o objetivo de entrar em contato com a estrutura ferroviária da região. Mas decidiu ir além e adquiriu o Engenho Cocaú. Na época, até poderia se imaginar, mas ninguém sabia de fato que estava sendo construído naquele momento o que é hoje uma das maiores geradoras de emprego e renda no Estado.

O projeto de desenvolvimento da Usina Cucaú ganhou forma e impulso quando entrou em nova fase, a partir de 1943, ano em que o empresário Armando de Queiroz Monteiro adquiriu o empreendi- mento. Armando chegava com o grande desafio de modernizar e fazer de Cucaú uma das maiores produtoras de açúcar de Pernambuco. E esse sonho passou do pai para seus filhos, Armando, Múcio e Rômulo, a partir de 1989, quando o empresário faleceu.

Cada um da sua forma acrescentou história e desenvolvimento à Usina. O primogênito, Armando Monteiro Filho, liderou a diversificação dos negócios ocorrida entre os anos 1960 e 1990. Rômulo Monteiro contribuiu de forma significativa para que o parque agroindustrial se consolidasse. E Múcio Monteiro teve participação profícua até março de 1972, quando faleceu precocemente em acidente de avião.

A partir de 2000, uma nova transformação ocorreu em Cucaú. Foi quando o empresário Eduardo de Queiroz Monteiro, presidente do Grupo EQM e filho de Armando Monteiro Filho, assumiu o controle acionário da Usina. A nova gestão modernizou ainda mais a empresa como um todo, expandindo sua produção e estabelecendo uma ampla reforma administrativa que a reposicionou no setor sucroenergético.

Em 2021, quando se comemoram os 130 anos da Usina Cucaú, e sob o comando de Eduardo Monteiro, o que se vê é uma usina robusta, geradora de empregos em toda a região, fabricante de vários produtos originados da cana-de-açúcar e com projetos e ações que valorizam a preservação ambiental e o desenvolvimento social.

Modernizações

Quando chega setembro, a Usina soa um apito para avisar sobre a chegada de um novo período de colheita e plantio. O simbolismo do mês levou à escolha da data para as celebrações alusivas aos 130 anos do empreendimento. Até março, são meses de intensa produção agrícola e industrial. O movimento é grande. Os caminhões não param de chegar para descarregar toneladas de cana-de-açúcar, que se transformam, sobretudo, em açúcar e etanol. A capacidade de processamento é de aproximadamente 11 mil toneladas de cana por dia. Além da colheita e produção, é feito o plantio de verão na área agrícola.

Nesse período, cerca de cinco mil trabalhadores são empregados diretamente em Cucaú. Outros 15 mil empregos indiretos são gerados na região. A produção nesses meses é de 24h, dividida em três turnos. “Uma grande importância da Usina Cucaú é que ela gera emprego e renda para diversas cidades, como Rio Formoso, Gameleira, Ribeirão, Escada, Sirinhaém, Tamandaré, Barreiros, e até mesmo na Capital, Recife”, destacou o superintendente da Usina, Fernando Lins. A capital pernambucana fica a 98 quilômetros da indústria.

“Esses empregos alimentam famílias, realizam sonhos e geram renda. Somos uma empresa que fideliza seus funcionários, oferecendo várias oportunidades de crescimento interno”, ressaltou a diretora de gestão de pessoas, Cláudia Dantas.

Apesar de um trabalho mais in- tenso na safra, Cucaú não para nenhum dia do ano. Nos meses de abril a agosto, período de entres- safra, acontece o plantio de in- verno. A cana plantada nesse momento é colhida 16 a 18 meses de- pois. Além disso, nesses meses, é feito um trabalho para manter o canavial limpo de pragas e ervas daninhas. Na indústria, é feita a revisão e manutenção dos equipamentos. Ao todo, são cerca de 3.200 empregos diretos gerados no período.

Em Cucaú, o processo de plantio é misto, feito por máquinas e também manualmente. As máquinas preparam o solo e as pessoas fazem a distribuição das mudas. Por possuir a melhor topografia na Mata Sul que se caracteriza por menos relevos e áreas mais planas, a Usina quer inovar na safra 2021/2022.

“Queremos começar a colheita 10% mecanizada, que é possível nas áreas planas. Temos 40% de área para fazer mecanizada e estamos preparando 10% para começar essa novidade. Até então, a colheita é toda feita manual- mente”, disse o gerente agrícola, Jorge Dutra.

Com todas essas demandas nas áreas agrícola e industrial, Cucaú é uma usina que tem uma estrutura autossustentável, com colaboradores que atuam sempre que necessário. “Na própria Usina há colaboradores de várias profissões, como pintores, encanadores e eletricistas. Eles ficam atentos a fazer quaisquer ajustes nos equipamentos e infraestrutura da empresa”, explicou. Clique aqui e confira o caderno especial da Folha de Pernambuco sobre a Usina Cucaú.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/09


2021

Petrolina, um festival e um show

Por Carlos Laerte*

O que há de comum entre um festival e um show? Pouca coisa desde que não tenham acontecido num lugar por nome Petrolina. A terra onde o impossível amanhece provável e anoitece pleno, realizável. E antes que adormeça o sol deste aniversário de 126 anos, vamos apurar algumas sobras de lembranças e retornar a 1980, há 41 anos, quando tivemos dois momentos emblemáticos da cultura sanfranciscana: o '1º Festival Lítero Musical da Faculdade de Formação de Professores de Petrolina – FFPP' e o show 'Cabelo duro é preciso que é pra ser você crioulo'.

O festival, inspirado no 'MPB 1980', realizado pela TV Globo no Rio de Janeiro, foi meu primeiro alumbramento e deu início a uma parceria poética com Lênio Ferraz que resultou na publicação dos livros Suspiros de Imaginações (1981) e Sementes (1983). Participamos da primeira eliminatória, defendendo a canção Voar sem Asas. Era o mês de junho e o Cine Massangano, hoje Centro Cultural Dom Bosco, completamente tomado, respirava tão somente os acordes e harmonias, arranjos, letras, melodias, o sentimento dos artistas da região. A banda base, Mirage, animava as torcidas organizadas ao som dos solos do guitarrista João Neto, o garanhuense que anos depois veio a tocar com nomes como Dominguinhos, Nando Cordel e Belchior. Tudo bem conduzido com o talento dos apresentadores Daniel Campos e Stella Rios e sob os cuidados de um júri formado por artistas, jornalistas e professores. O primeiro lugar, já era esperado, foi para Maciel Melo, com a música ‘Cheia’. A nossa canção não ganhou prêmios, mas pela empolgação foi escolhida para abrir a final deste festival, que além do incentivo, marcou a linguagem e o estilo de muitos compositores ribeirinhos.

Três meses depois, a cidade, ainda sob esse clima, viveu o show que mais incrivelmente teve a plateia enérgica e participativa. Era setembro, e no clima de aniversário de Petrolina, o Grupo de Teatro Imaginativo – Guterima, subiu ao palco do Cine Massagano sob o comando de José Geraldo, Eraldo Rodrigues, Maciel Melo, Mariney, Jailson Mangabeira e uma bandeira: “...Cura dessa doença de branco/ de querer cabelo liso já tendo cabelo louro/ Cabelo duro é preciso que é pra ser você crioulo’”. Uma canção na qual Gilberto Gil canta sua negritude e a de todos os brasileiros. A primeira apresentação, além da irreverência, rebeldia e recorde de público, deixou um saldo de 42 cadeiras quebradas pela plateia que transformou o auditório em um grande salão e o show em uma dançante festa, uma comunhão de encontros.

A repercussão fez com que a produção procurasse outro endereço para a segunda edição e a trupe seguiu, 15 dias depois, com mais gente ainda para o Cine Petrolina. A empolgação, com músicas a exemplo da ‘Massa’, de Raimundo Sodré, ‘Arrasta Pé’, de Jorge Alfredo e Chico Evangelista e o ‘O Mal é o que Sai da Boca do Homem’ (“Você pode fumar baseado/ baseado em que você pode fazer quase tudo”), de Pepeu Gomes, foi tamanha que o número das poltronas quebradas subiu para 66. José Geraldo garante que todo o prejuízo foi devidamente pago aos dois cinemas e ainda sobraram alguns trocados para uma outra paixão, ‘A Crucificação’, o espetáculo sacro que o Guterima apresenta há 44 anos e que já faz parte da tradição na Semana Santa. Mas o saldo maior deste ano de 1980 rotações, que também registrou o lançamento do primeiro romance publicado na cidade, ‘Pedro e Lina’, de Antônio de Santana Padilha, é certamente o legado de artes e de saberes que alterou o curso da história cultural de Petrolina, enquanto o País assistia ao desmoronamento do regime militar e já respirava o clima das 'Diretas Já'.

*Poeta, jornalista e diretor da Clas Comunicação e Marketing


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha