Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

23/01


2021

Joel da Harpa testa positivo para Covid-19

O deputado estadual Joel da Harpa (PP) informa que testou positivo para o novo coronavírus. Ele já iniciou tratamento e começou o isolamento em casa. O parlamentar tem quadro clínico estável, mas revela que vem sentindo muitas dores.

Joel alerta sobre a importância do distanciamento social, como a medida mais importante e eficaz, e pediu orações pelo restabelecimento de sua saúde. “Estou bem até o momento e peço a todos orações. Cumprirei minha agenda de forma remota nos próximos dias, seguindo as instruções médicas", afirma.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

23/01


2021

PGR pede ao STF abertura de inquérito contra Pazuello

Do Estadão

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu neste sábado (23) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para apurar se houve omissão no enfrentamento da crise provocada pela falta de oxigênio para pacientes com covid-19 em Manaus (AM). Neste mês, dezenas de pacientes morreram devido à falta de abastecimento do gás medicinal na região, diante do aumento vertiginoso no número de casos e internações.

O pedido de Aras é uma resposta à representação feita por partidos políticos, que acionaram a PGR sob a alegação de que Pazuello e seus auxiliares têm adotado uma “conduta omissiva”. Ao longo dos últimos dias, a pressão de parlamentares e da opinião pública cresceu sobre a PGR.

Ao comunicar a abertura de inquérito, Aras considera “possível intempestividade” nas ações de Pazuello, indicando que o ministro da Saúde pode ter demorado a reagir à crise em Manaus. O próprio governo já admitiu ao STF que a pasta sabia desde 8 de janeiro que havia escassez de oxigênio para os pacientes em Manaus, uma semana antes do colapso.

O Ministério da Saúde, no entanto, iniciou a entrega de oxigênio apenas em 12 de janeiro, segundo as informações prestadas. A PGR menciona ainda que a pasta informou ter distribuído 120 mil unidades de hidroxicloroquina para tratamento da covid-19 no dia 14 de janeiro, às vésperas do colapso. O medicamento não tem eficácia comprovada contra a doença. Após o estouro da crise e declaração da própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a inexistência de tratamento comprovado contra a covid-19, Pazuello passou a negar que tenha recomendado a cloroquina para combater a enfermidade.

Aras considerou os fatos “gravíssimos”. De acordo com a Procuradoria, o ministro da Saúde pode responder pelos fatos nas esferas cível, administrativa e criminal, caso seja comprovada sua omissão na crise em Manaus. “Considerando que a possível intempestividade nas ações do representado (Pazuello), o qual tinha dever legal e possibilidade de agir para mitigar os resultados, pode caracterizar omissão passível de responsabilização cível, administrativa e/ou criminal, impõe-se o aprofundamento das investigações a fim de se obter elementos informativos robustos para a deflagração de eventual ação judicial”, afirmou o procurador-geral.

“Tais fatos são potencialmente lesivos e ocorreram no exercício de cargo público, dado que, em tese, praticados pelo Ministro de Estado da Saúde, Eduardo Pazuello, o que justifica a competência do Supremo Tribunal Federal para apreciar o presente requerimento”, observou Aras.

As também apontou que, mesmo com o aumento do número de casos de covid-19 na semana do Natal, o governo enviou representantes a Manaus “apenas em 3 de janeiro, uma semana depois de ter tomado conhecimento da situação calamitosa em que se encontrava aquela capital”.

A PGR quer que Pazuello preste depoimento para apresentar explicações sobre a sua atuação. Aras também enviou os autos à Polícia Federal para “adoção das medidas investigativas cabíveis”.

Na última quinta-feira (21), Aras se reuniu com Pazuello para tratar da atuação da pasta no enfrentamento da pandemia. O ministro foi à audiência acompanhado de assessores das áreas técnica e jurídica do ministério, mas as informações prestadas foram insuficientes.

Cobrança. Considerado um aliado do Palácio do Planalto, Aras vinha sofrendo pressão, tanto interna quanto externa, para adotar medidas de investigação contra o governo federal. No último sábado, o procurador-geral da República pediu abertura de inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para apurar eventual omissão do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e da prefeitura de Manaus no enfrentamento da pandemia de covid-19, especialmente no fornecimento de oxigênio.

Na ocasião, Aras também solicitou informações a Pazuello, a respeito do cumprimento das medidas que são de competência da pasta – mas só agora o procurador-geral da República pediu uma investigação sobre o titular da Saúde.

Procurado pela reportagem, o Ministério da Saúde ainda não se manifestou.

Esta é a terceira vez que a PGR, sob a gestão de Aras, pede a abertura de um inquérito contra um ministro do governo Bolsonaro. Antes, a PGR já havia pedido abertura de inquérito contra o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, por crime de racismo contra chineses, e contra o atual titular da pasta, Milton Ribeiro, por homofobia.

Em entrevista ao Estadão, Ribeiro atribuiu a homossexualidade de jovens a “famílias desajustadas”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

23/01


2021

Uma nação acéfala

Por Weiller Diniz*

O isolamento do capitão vai se adensando. O impeachment voltou a ser reverberado, reacendeu manifestações e afinou as panelas. Os desastres em todas as áreas vão empilhando derrotas ao governo. As apostas de Bolsonaro, internas e externas, malograram. Seus comparsas da direita perderam as eleições pelo mundo, no pleito municipal em 2020 o capitão foi o grande derrotado, a economia está destruída e Bolsonaro acaba de intubar seu maior fiasco na guerra das vacinas.

Perdeu no tom, no marketing, na estratégia ideologizada, no timing e na condução da crise, onde se esmerou em sabotar a ciência e debochar das milhares de mortes. Com gabinete do ódio, impulsionamentos em redes sociais, mentiras e bravatas de ruptura, o ajuntamento governamental não consegue mais camuflar a inépcia generalizada, responsável pela necrópole assustadora e a proscrição mundial de uma Nação.

Na política externa Bolsonaro fracassou e as consequências são funestas. O capitão apostou errado nas eleições da Argentina, Bolívia, na Venezuela e no plebiscito chileno. Soçobrou com Donald Trump, repelido pelas urnas. Depois de ceder em tudo na relação vergonhosa e servil aos EUA, transformando o Brasil em um pária global, o capitão perdeu um falso aliado e a referência mundial da direita hidrofóbica e extremista. A diplomacia brasileira foi esfolada. Bolsonaro ameaçou usar “pólvora” contra Joe Biden, recém-empossado que dará o troco, como a China fez. A selvageria golpista de apoiadores na saída de Trump, barbarizando o Capitólio, ainda contou com o endosso do capitão que, macaqueando o método, resgatou a tática de nutrir sua base com fanfarronices golpistas no cercadinho da estrebaria do Alvorada.

O resultado do desastre internacional é mais trágico e mais eloquente na pandemia. Em nome da vassalagem aos EUA, Bolsonaro, os filhos, ministros e ex-ministros dispararam agressões gratuitas contra a China que usou o “V” da vingança e obrigou Bolsonaro a ajoelhar para regularizar o repasse de insumos para produção das vacinas. As ironias, gracejos preconceituosos, racismo, xenofobia, acusações infundadas já refletem num custo muito alto, pago com vidas de inocentes. O governo afastou o Brasil do estratégico BRICs e a Índia, inicialmente, priorizou a exportação do imunizante de Oxford para países asiáticos. Saímos do fim da fila indiana depois do castigo inicial. Para buscar 2 milhões de doses na Índia foi montada uma farsa adesivando um avião. Mentem como método, mentem como os nazistas.

O saldo da indefensável ideologização da diplomacia é que o Brasil está brigado com as 2 maiores potências mundiais: China e EUA. O fornecimento de insumos para as vacinas está ameaçado e o auxílio de oxigênio veio do país que Bolsonaro considera inimigo, a Venezuela, inúmeras vezes hostilizado pela seita. As mortes por asfixia no Amazonas e no Pará evocam as câmaras de gás dos campos de concentração nazistas e jamais serão esquecidas. A vacina russa, registrada em 8 países, foi negada, mas a cloroquina inútil foi recomendada por protocolos do Ministério da Saúde. O Brasil não fez nenhum pré-acordo com a vacina da Johnson & Johnson, prestes a ser aprovada nos EUA. Não temos vacina. Temos tubaína, cloroquina e uma latrina verborrágica.

O histórico do obscurantismo, do escarnecimento e desdém com as vidas é vasto em zombarias. Desde o primeiro dia o capitão minimizou inúmeras vezes a gravidade da doença, provocou e estimulou aglomerações, organizou churrascos, ofendeu os brasileiros chamando-os de “maricas”, conspirou contra a ciência e, ilegalmente, ainda hoje prescreve medicamentos sem eficácia contra a Covid-19. Na batalha das vacinas, derivada da ignorância e despreparo, perdeu todas. Um Aníbal Barca às avessas.

O Ministério da Saúde desprezou o imunizante da Pfeizer, o primeiro a ser aplicado no mundo com taxas elevadas de sucesso e segurança. Quanto ao mesmo imunizante disse: “Se você virar um jacaré, problema seu”. A aposta única, mal conduzida, foi na vacina de Oxford que atrasará ainda mais. Em pelo menos 10 oportunidades Bolsonaro detonou a Coronavac produzida pelo conceituado instituto Butantan, numa irresponsabilidade genocida. Eis o breviário da incúria e da mais abominável abjeção.

“Nós entramos naquele consórcio lá de Oxford. Pelo que tudo indica, vai dar certo e 100 milhões de unidades chegarão para nós. Não é daquele outro país não, tá ok pessoal?”(julho/2020); “E o que é mais importante nessa vacina, diferente daquela outra que um governador resolveu acertar com outro país, vem a tecnologia pra nós”(agosto/2020);“Vacina chinesa de João Dória”(setembro/2020);“Já mandei cancelar, o presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade”(outubro/2020 desfazendo a compra de 46 milhões de doses);“A da China nós não compraremos, é decisão minha. Eu não acredito que ela transmita segurança suficiente para população.

A China, lamentavelmente, já existe um descrédito muito grande por parte da população, até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido lá” (1 dia depois do cancelamento da compra); “Ninguém vai tomar sua vacina na marra não, tá ok? Procura outro. E eu, que sou governo, o dinheiro não é meu, é do povo, não vai comprar a vacina também não, tá ok? Procura outro para pagar a tua vacina aí” (A João Dória em outubro/2020); “Morte invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistas tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha” (novembro/2020, sobre a morte de um voluntário sem relação com os testes); “A eficácia daquela vacina em São Paulo parece que está lá embaixo” (dezembro/2020); “Essa de 50% é uma boa?” (janeiro/2021); “Desmoralizado pela baixa taxa de sucesso” (janeiro/2021); “A vacina é do Brasil, não é de nenhum governador” (janeiro/2021).

A incompetência e idiotia desinibiram-se na pandemia. Se transformaram em colapso, caos, expondo ao ridículo mundial o atrapalhado general de 3 estrelas que desmoraliza o Exército. A caserna virou uma caverna. Ressuscitaram o obscurantismo, revelando ogros, trogloditas, brucutus e outras bestas primitivas.

O despreparo, insegurança, truculência e a mentira sobressaíram nos chiliques fardados. “A senhora nunca me viu receitar ou dizer, colocar para as pessoas tomarem este ou aquele remédio”, afirmou Eduardo Pazuello sobre o uso da cloroquina e outras inutilidades. São inúmeras as manifestações de Bolsonaro, Pazuello e Ministério da Saúde enaltecendo o medicamento.

A publicação do MS incentivando o “tratamento precoce” recebeu um alerta no twitter por disseminar informações falsas ou enganosas. As fotos irracionais do capitão com caixas de cloroquina, inclusive para as emas, são eternas, insanas e inexplicáveis.

Na economia a inflação ressurge ameaçadora, o desemprego atinge índices recordes e estratosféricos, o capital privado escafedeu-se, o real derreteu como moeda, a dívida pública explodiu e as empresas vão fechando as portas diante da abulia governamental que insiste no ilusionismo do crescimento em “V” enganoso. O fim do auxílio emergencial, que maquiou um PIB medíocre, já começou a afetar negativamente a popularidade de Bolsonaro na virada do ano. O fechamento das atividades da multinacional Ford, há mais de 100 anos no Brasil, engrossará a massa de desempregados e o desdém governamental contribuiu para o desfecho trágico para os trabalhadores e suas famílias. Antes já tinham encerrado as atividades por aqui a Mercedes, Sony, Audi, entre outras.

O próprio Bolsonaro, viciado em leviandades, chegou a anunciar em suas vadiagens pelas redes sociais que a Argentina perderia 3 grandes multinacionais após a eleição de Alberto Fernandez. Honda, L’Oreal e MWM iriam fechar suas atividades no país vizinho e migrar para Brasil: “A nova confiança do investidor vai gerar mais empregos e maior giro econômico em nosso país”, mentiu em 2019 com o despudor inconfundível. Pouco mais de um ano da mentira, a “confiança” da Ford fechou mais de 6,5 mil empregos diretos no Brasil e manteve-se na “inconfiável” Argentina, que aprovou recentemente imposto sobre grandes fortunas, apresentado como fantasma que afugentaria investidores. Mas exportamos abacate para Argentina, celebrou Bolsonaro.

Internamente, no primeiro teste eleitoral após 2018, o fiasco nas eleições municipais foi ensurdecedor, com reveses individuais e políticos. Todos os candidatos que tentaram explorar a logomarca Bolsonaro fracassaram, inclusive a fantasma Wal do Açaí e Rogéria, ex-mulher e mãe da prole problema (01,02 e 03). O 02 se reelegeu vereador, mas perdeu 34% dos votos desde a última eleição. Jagunços que basearam a campanha no ideário bolsonarista (capitão, major, coronel, delegado, juiz etc.) malograram.

O capitão pediu votos para 5 candidatos em capitais: São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Manaus e Rio de Janeiro. Os eleitores nessas capitais somam 18 milhões de votos. Os nomes de Bolsonaro só alcançaram 1,5 milhão de votos, menos do que 10% do total no 1 turno. Apenas 1 avançou para o 2 turno e foi derrotado.

A direita escolheu um quadro tosco para tentar se reabilitar no Brasil. O resultado é a ameaça recorrente à democracia, retrocessos civilizatórios, morticínio, mitificação da ignorância, banalização da barbárie, apologia a facínoras e carniceiros, reiteração da mentira, charlatanismo, impunidade para amigos e parentes, promoção das milícias e canonização do banditismo. Depois dos fracassos anteriores, o próximo round é a eleição no Congresso Nacional. Sem resistências, sem a defesa da ordem jurídica ele seguirá, mesmo agônico, por mais 2 anos em conspirações. Exatamente como fez o ícone Donald Trump. Se derrotado, o impeachment se avoluma.

Além das pregações golpistas, bravatas contra os Poderes constituídos e crimes de responsabilidade, outras premissas para o impeachment estão postas: economia em frangalhos, isolamento mundial, incapacidade de governar, inexistência de agenda e perda gradual de popularidade. A conjunção desses fatores não evitou a queda de Fernando Collor de Mello e Dilma Roussef. Ambos tinham os corsários do centrão ao lado. O Brasil se tornou uma ilha anacrônica de imoralidades, malfeitos, embustes, extremismos, infâmia, incúria, irracionalidade, golpismo e desalento. A Democracia, em longe do que diz Bolsonaro, não é uma liberalidade das Forças Armadas; é um princípio constitucional. Ao contrário de 1964, agora a Nação está, de fato, acéfala.

*Jornalista. Texto publicado originalmente no site Os divergentes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

gilson

Quem é pior, o Bolzo, ou quem ainda o defende? Esqueçam o PT, EXISTE VIDA EXTRA PT. Este incompetente está destruindo o país, e estes IMBECIES não percebem, esqueçam o PT, e analisem este incompetente, deixem de fanatismo.

VACÉLY WACEMBERG SANTOS DUARTE

Um idiota esse pseudo escritor!

marcos

Onde estava esse idiota Weiller Diniz no governo Dilma? A Jumenta referenciava a mandioca , estocava vento e via a figura de um cachorro nas crianças, e ele nunca publicou porra nenhuma. O choro é livre Diniz.

Fernandes

É verdade, acéfala!

Jose Roberto Correia de Jesus

Menos Magno... Estsmos firme com Bolsonaro... Isso aí é dor de cotovelo... inveja pura...



23/01


2021

Manifestantes fazem carreatas por impeachment de Bolsonaro

Folha de São Paulo

Manifestantes pediram, hoje, o impeachment do presidente Jair Bolsonaro em carreatas em capitais pelo país. O ato foi impulsionado por partidos de esquerda.

Com a presença de representantes da oposição ao governo, como PT e PC do B, a carreata em Brasília ocupou uma área superior a 10 quilômetros da capital federal, inclusive faixas da Esplanada dos Ministérios.

Também houve protesto em favor do impeachment de Bolsonaro em outras cidades pelo país, como Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE) e Salvador (BA). Alguns ainda estão previstos para a tarde deste sábado. Em São Paulo, a concentração ocorreu nas proximidades da Assembleia Legislativa.

Os protestos contra o presidente tiveram uma espécie de racha entre a oposição ao governo: movimentos mais à direita, como o MBL e o Vem Pra Rua, não aderiram aos atos deste sábado e marcaram outras carreatas pelo afastamento de Bolsonaro para domingo (24).

Os protestos de sábado tinham sido divulgados por lideranças da esquerda, como Ciro Gomes (PDT), ao longo da semana. No Rio, houve participação de líderes sindicais e cobranças por vacinas contra a Covid-19.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), esteve à frente do protesto em Brasília. Em discurso antes da carreata, ela negou que um processo de impeachment geraria instabilidade política no país. “A instabilidade já está acontecendo e a crise está grave.”

Nesta sexta-feira (22), pesquisa do Datafolha mostrou que, em meio ao agravamento da crise de gestão da pandemia da Covid-19, o presidente é avaliado como ruim ou péssimo por 40% da população, ante 32% que assim o consideravam na rodada anterior da pesquisa, no começo de dezembro.

No entanto, para 53% dos entrevistados, a Câmara dos Deputados não deveria abrir um processo por crime de responsabilidade contra o presidente.

Apesar de defender o impeachment de Bolsonaro, o PT apoia o candidato do governo à presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM). O senador disse recentemente não haver ambiente adequado neste momento para abrir um processo de impeachment.

“Impeachment se abre pelo que está previsto na Constituição, e não pela vontade ou opinião do presidente”, disse Gleisi. Ela pediu que a bancada do Senado cobre uma posição de Pacheco de compromisso com as regras previstas na Constituição em relação aos pedidos de processo de impeachment.

Na Câmara, o PT se aliou ao candidato Baleia Rossi (MDB-SP), mas caciques partidários afirmam que não há compromisso de Baleia para a abertura de um processo de impeachment. O acordo é que ele avalie esse instrumento de acordo com os atos de Bolsonaro e as regras previstas na Constituição.

Partidos da oposição planejam a partir desta segunda-feira (25) intensificar a pressão pelo retorno dos trabalhos do Congresso, que está em recesso. A ideia é que sejam instaladas comissões que desgastem a imagem do presidente e apure a atuação de Bolsonaro na pandemia, inclusive diante de problemas no cronograma de vacinação.

*Foto: Alexandre Aroeira/Folha PE


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Cadê as bandeiras do Brasil?.... Meia dúzia de mortadelas motorizadas com bandeiras de Cuba e China NÃO representam o povo Brasileiro. XÔ Corrupção!

Fernandes

Impeachment: grupos de direita e esquerda convocam carreatas pela saída de Bolsonaro Protesto contra o governo destaca frase de Bolsonaro sobre mortes por covid-19. E dai?

Saulo Alves

Deixa do teu MIMIMI Magno ????



23/01


2021

AMPPE protesta contra prefeito interino de Pesqueira

A Associação do Ministério Público de Pernambuco (AMPPE) emitiu, ontem, uma nota de desagravo e repúdio sobre uma confusão na Prefeitura de Pesqueira, na última terça-feira (19), quando a promotora de Justiça Jeanne Bezerra Silva de Oliveira foi fazer uma inspeção. De acordo com o relato da AMPPE, ela foi recebida de maneira ríspida pelo prefeito interino, Sebastião Leite da Silva Neto, conhecido como Bal de Mimoso (Republicanos), pela irmã do gestor, Luciana Leite, e pelo advogado Moaci Novaes Júnior.

A Associação considera a conduta intimidatória e, por isso, resolveu prestar solidariedade à promotora com jurisdição em Pesqueira. Leia a nota na íntegra:

NOTA DE DESAGRAVO E REPÚDIO

 A Associação do Ministério Público de Pernambuco – AMPPE, entidade civil que reúne os Promotores e Procuradores de Justiça do Estado de Pernambuco, fundada em 17 de junho de 1946, vem a público emitir NOTA DE DESAGRAVO à Exma. Dra. JEANNE BEZERRA SILVA OLIVEIRA, Promotora de Justiça de Pesqueira, ao mesmo tempo em que externa seu REPÚDIO à conduta do Exmo. Sr. Prefeito interino do Município de Pesqueira, Sr. Sebastião Leite da Silva Neto, de sua irmã, Sra. Luciana Leite, e do Exmo. Sr. Moaci Novaes Júnior, advogado que acompanhava o dignitário municipal, pelas seguintes razões:

• No dia 19 de janeiro de 2021, no legítimo cumprimento de suas obrigações constitucionais e legais, na defesa da ordem jurídica e do regime democrático, em obediência ao que prescreve o art. 127, caput, da Constituição Federal, art. 26, I, “c”, da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público, a Representante Ministerial procedeu a inspeção ministerial que teve como objetivo instruir o inquérito civil 02256.000.009/2021, instaurado de acordo com as normas legais e regulamentares que regem o procedimento.

• Como o fato objeto de investigação se tratava de tema sensível, a representante ministerial, para evitar repercussões desproporcionais e que terceiros se aproveitassem da situação, decretou o sigilo de sua investigação e cuidou para que o ato investigatório referido ocorresse sem exposições desnecessárias.

• Ao chegar à Prefeitura Municipal, porém, a Promotora de Justiça foi surpreendida pela postura do dignitário municipal que empatou, num primeiro momento, o seu ingresso no prédio e de forma desrespeitosa e ríspida, antes mesmo de receber os cumprimentos, indagou o que ela fazia ali, já que não tinha sido convidada a comparecer ao prédio público, e ao receber as explicações quis saber se “algum papel” autorizava a inspeção ministerial.

• Explicada a natureza da diligência e seu amparo legal, o Sr. Prefeito, em patente falta de urbanidade, passou a falar alto, chamando a atenção de populares e servidores públicos presentes ao recinto, a quem se dizia constrangido e pedia que filmassem a atuação da Promotora de Justiça e transmitissem por redes sociais, esse sim um claro gesto de intimidação.

• Apesar dessas dificuldades, a Representante Ministerial seguiu no cumprimento de sua obrigação, mas ainda enfrentou a interferência do Sr. Prefeito, do advogado que o acompanhava, Dr. Moaci Novaes Júnior, e de sua irmã, Sra. Luciana Leite, como ficou devidamente registrado em vídeo providenciado, por cautela, pela Promotora de Justiça.

• Nesse contexto em que uma atuação prevista legalmente e planejada para ser executada da forma mais discreta possível acabou ganhando contornos inesperados pela surpreendente conduta do Sr. Sebastião Leite, também é de se destacar o comportamento do advogado que o acompanhava, o qual, em vez de mostrar que o trabalho do Ministério Público se revestia de legalidade e até sugerir formas para que a inspeção se desse sem intercorrências, optou por insinuar que a Promotora de Justiça, não tinha isenção para conduzir aquele ato e chegou a dizer que ela tinha deixado de investigar fatos ilícitos, afirmação que será devidamente tratada na seara jurídica.

• Apesar do escarcéu artificialmente gerado pelas atitudes afrontosas do Sr. Prefeito interino e daqueles que o acompanhavam, em relação às quais a AMPPE registra o seu REPÚDIO, a Representante do Ministério Público concluiu o ato de investigação, necessário à apuração de fato sério e juridicamente relevante.

• Pelo histórico de trabalho sério e dedicado da Dra. JEANNE BEZERRA SILVA OLIVEIRA, que sempre pautou sua conduta profissional pela retidão e busca de Justiça, nos termos da lei, guardando o necessário respeito a qualquer cidadão ou autoridade pública, mas sem transigir quando sua atuação é demandada e se faz necessária, como no caso presente, a AMPPE vem a público DESAGRAVAR a sua Associada, afrontada no legítimo exercício de seu papel constitucional, ao mesmo tempo em que afiança à sociedade pesqueirense e pernambucana que episódios lamentáveis como o presente não desviarão os representantes do Ministério Público do seu compromisso de promover Justiça.

• Por fim, a AMPPE hipoteca integral apoio à Dra. a Dra. JEANNE BEZERRA SILVA OLIVEIRA, a quem assegura a adoção de todas as medidas cabíveis para reparar os danos provocados a sua dignidade pessoal e profissional.

A Diretoria


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

23/01


2021

Morre Larry King, lenda da TV norte-americana

Um dos grandes comunicadores da TV dos Estados Unidos, o apresentador Larry King morreu, hoje, aos 87 anos por complicações da Covid-19. A informação foi confirmada pelos representantes do jornalista em sua conta oficial no Twitter.

Larry King estava internado desde 2 de janeiro deste ano no Centro Médico Cedros Sinai, em Los Angeles, depois que contraiu a Covid-19. Na CNN, ele conduziu durante 25 anos o programa "Larry King Live".

King era portador da diabetes do tipo 2 e retirou um câncer de pulmão em 2017. Ainda não há informações sobre o velório e enterro do comunicador, que deixa três filhos e nove netos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/01


2021

Fundaj participa de exposição dedicada a Pelé

A Fundação Joaquim Nabuco firmou parceria com a IDBrasil Cultura, Educação e Esporte, Organização Social de Cultura,  responsável pela gestão do Museu do Futebol e do Museu da Língua Portuguesa. A Fundaj participará da exposição "Pelé 80 – o Rei do Futebol", inaugurada em outubro do ano passado no Museu do Futebol, em São Paulo, cedendo o apito usado para marcar o milésimo gol do Rei do Futebol para compor a mostra.

O presidente da Fundaj, Antônio Campos, esteve reunido em São Paulo, na manhã de hoje, com a diretoria da IDBrasil, representada pelas diretoras Executiva, Renata Motta; Técnica, Marília Bonas; e de Desenvolvimento Institucional, Carolina Bianchi. O apito, que integra o acervo do Museu do Homem do Nordeste desde 2008, foi usado pelo árbitro alagoano Manoel Amaro de Lima, em 19 de novembro de 1969, para autorizar o pênalti no qual Pelé marcou seu milésimo gol. 

O Rei do Futebol vestia a camisa do Santos e jogava contra o Vasco, na 14ª rodada da Taça Roberto Gomes Pedrosa, no estádio do Maracanã. Enquanto o som do apito parava o jogo, o pênalti era anunciado na voz do cronista esportivo Jota Soares, narrador da histórica partida.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jornao O Poder

23/01


2021

Prefeita do Ipojuca define metas com o secretariado

Na primeira reunião com o secretariado, ontem, a prefeita do Ipojuca, Célia Sales (PTB), pediu integração à sua equipe. Além da apresentação do seu Plano de Governo, a gestora e a vice, Patrícia Alves, definiram as metas para os próximos quatro anos. A estrutura administrativa de cada secretaria permanece a mesma, devendo haver uma reforma administrativa, no entanto, ainda no primeiro semestre de 2021. 

“Peço que coloquem à disposição de Ipojuca toda a experiência que carregam em seus currículos. Os desafios, quando surgirem, precisam ser vencidos pela disposição em fazer o melhor sempre. Nestes próximos quatro anos, vou monitorar de perto cada secretaria que confiei a vocês. Teremos reuniões de monitoramento com metas e prazos bem definidos, porque entendemos que só assim vamos avançar. Fizemos muito no primeiro mandato mesmo com todas as dificuldades que vocês já sabem. Agora, com a graça de Deus, vamos fazer muito mais”, discursou Célia Sales. 

Ela ressaltou que, na crise desta pandemia da  Covid-19, o time de secretários teve uma maior integração e parabenizou pela dedicação e empenho dos comitês formados, a exemplo do Comitê Contra o Coronavírus e o de fiscalização em Porto de Galinhas. “Quero que esta motivação e compromisso continuem”, afirmou. Célia Sales também ressaltou que todos precisam trabalhar para gerar mais emprego e renda para os ipojucanos, se empenhando, com “criatividade e inovação”, para garantir não só a instalação de novas empresas, mas o fortalecimento das já existentes no município. 

Em seu discurso, a prefeita declarou que quer ver ainda mais avanços do que já conquistou na Educação, na Saúde e na Segurança. Falou da preocupação com o tráfico de drogas, que vem crescendo no município, e antecipou que cobrará políticas públicas mais assertivas tanto para a Zona Rural como para a juventude envolvendo esportes, cursos de capacitação e oportunidades de emprego. Anunciou que vai dar uma atenção especial ao Turismo e ao Meio Ambiente, tão afetados nos últimos dois anos (óleo e pandemia), e antecipou que, em breve, fará diversas inaugurações de demandas antigas da população, contempladas no Programa de Retomada Econômica, lançado em junho de 2020, “Ipojuca é TOP”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/01


2021

Procon-PE interdita Sala de Reboco

Houldine Nascimento, da equipe do blog

O Procon Pernambuco interditou o Sala de Reboco Bar & Comedoria. Uma equipe do órgão operativo esteve no tradicional espaço localizado no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife, por volta das 22h30 de ontem. Durante a operação, fiscais encontraram pessoas dançando enquanto havia a execução de música ao vivo, o que foi proibido pelo Governo do Estado em uma nova determinação para enfrentamento à Covid-19, no último dia 15 de janeiro.

O Blog procurou o proprietário da Sala de Reboco, Rinaldo Ferraz, para que se pronunciasse sobre a interdição. De acordo com ele, ocorria uma live solidária para ajudar músicos. "Algumas pessoas vieram doar presencialmente. Na hora em que a fiscalização chegou, elas estavam dançando. Mostrei na relação que só havia 125 pessoas. Eles viram que estava tudo regularizado com o Corpo de Bombeiros e infelizmente houve essa interdição. Eu vou fazer a defesa. Fui informado que vou ser notificado em dez dias", explicou,

A Sala de Reboco está em funcionamento desde 1999 e se notabilizou pelo incentivo ao forró pé-de-serra, ajudando a revelar diversos talentos. Ainda segundo Rinaldo, a ação do Governo pode levar o espaço à falência. "Estou com um sanfoneiro da banda que está ficando cego. Estamos levantando dinheiro para a cirurgia dele. Infelizmente, quando as pessoas vêm fiscalizar, olham de forma fria. Até questionei pelo fato de ser uma causa nobre, enquanto os ônibus e os metrôs estão dessa forma, assim como foram os comícios. E eles vêm agora em cima da classe empresarial e artística. Vou preparar a defesa e lutar pela casa para manter a divulgação da nossa cultura porque, caso contrário, vai embora mais um espaço", comentou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha