22/10


2006

Compesa abre discussão entre candidatos

Começa o debate, que terá quatro blocos, com duração de 1 hora e meia. No primeiro bloco, candidato pergunta a candidato, Mendonça, sorteado para fazer a primeira pergunta, quis saber de Eduardo sobre sua proposta para a Compesa, especialmente sobre um fundo que anuncia para a estatal.

Eduardo disse que a Compesa fez uma operação desastrosa junto a CEF e com isso deixou de investir em novos projetos de distribuição de água. O fundo, segundo ele, seria destinado não apenas para o abastecimento de água, mas para sanear e garantir a vinda de novas indústrias.

Mendonça disse que o Governo Arraes deixou uma herança maldita de R$ 300 milhões na compesa e servidores com atraso em seus vencimentos, adiantando que com o programa Águas de Pernambuco, o Governo do Estado levou água a muitos municípios.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Manoel de Souza

Vale salientar que a herança maldita não foi de Arraes, mas sim do governo anterior.

helenosilva

nao custa repetir o que a compesa,sob a grande administraçao perazzo fez em nazaré:o banco alemao que financiou o projeto quer saber porque construiram primeiros as caixas de água para armazenar a água e a barragem propriamente dita ainda nao saiu do papel.......


Cabo 2021

22/10


2006

Candidatos dão boa noite. Debate começa já

A mediadora Graça Prado já fez a apresentação dos dois candidatos a governador de Pernambuco - Mendonça Filho e Eduardo Campos. E disse que o debate estava começando em cinco minutos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Manoel de Souza

Magno, o que você tem contra os mediadores? No debate anterior você não percebeu que o nome dele tb É EDUARDO e agora você confunde o nome na nossa conterrânea Graça, ARAÚJO e não Prado



22/10


2006

Mendonça e Eduardo já estão frente a frente

Mendonça Filho (PFL) e Eduardo Campos (PSB), candidatos a governador de Pernambuco, já se encontram posicionados na tribuna onde acontecerá o debate no SBT, em cinco minutos. A mediação será da jornalista Graça Prado. Assim que acabar o guia, o debate começa. Aguarde!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021

22/10


2006

Blog cobre daqui a pouco debate no SBT em Pernambuco

Começa daqui a pouco, logo após o guia eleitoral, o debate no SBT/TV Jornal entre Mendonça Filho (PFL) e Eduardo Campos (PSB), candidatos a governador de Pernambuco. O blog fará a cobertura em tempo real, mostrando os principais momentos do confronto. Fique ligado aqui se você está fora de Pernambuco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2006

Alckmin avisa que Lula não terá trégua da oposição

O tucano Geraldo Alckmin, candidato à Presidência, afirmou neste domingo que a oposição não vai dar trégua ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) depois das eleições e continuará a cobrar explicações sobre os escândalos e acusações de corrupção que envolvem membros próximos a ele e a seu governo.

- O PT não pode exigir da oposição impunidade - disse Alckmin durante gravação do programa Roda Vida da TV Cultura, que irá ao ar às 22h30 deste domingo.

Mesmo não admitindo em nenhum momento a possibilidade de derrota no próximo domingo, Alckmin afirmou que o papel da oposição é fiscalizar.

- Quem ganha governa, quem perde fiscaliza. Não querer que se fiscalize, é não ter apreço pela democracia - disse Alckmin a jornalistas após gravar o programa. Informações do JBOnline.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Manoel de Souza

Desculpe Alckmim, mas vc vai ter que se preparar melhor para, na próxima tentativa apresentar o seu próprio programa de governo e desfazer essa malfada aliança com o PFL, POIS ESSES FORAM OS SEUS DOIS GRANDES ERROS.

JÁ jogou a toalha chuchuzeiro, ainda bem, pelo menos falaste uma coisa certa nessa campanha, que foi assumir a derrota.

Fernando Vieira

de "gang" por "gang" pior seria assistirmos ao retorno da "gang" que começou tudo isso, que instituiu: o mensalão na reeleição e na privatização; que começou com a falcatrua das ambulâncias na saúde no tempo do famigerado FHC "assim não dá".!!!! DEUS ME LIVRE!

Caso o Lulla ganhe o Brasil continuará sendo vitima dessa "gang" que saqueia os cofres públicos 24 horas por dia.

Fernando Vieira

Demoraram a jogar a toalha!!! Na PEFELANÇA e TUCANATO DESVAIRADO tá todo mundo com gosto de cabo de guarda-chuva na boca!! ACHO É POUCO!!!


Jaboatão Março 2021

22/10


2006

Jungmann quer mandado de segurança contra PF

 O deputado Raul Jungmann (PPS-PE), vice-presidente da CPI dos Sanguessugas, afirmou neste domingo, 22, que vai sugerir aos seus colegas, nesta semana, que a comissão entre com mandado de segurança contra a Polícia Federal por obstrução das investigações. Jungmann alega que a CPI até agora não recebeu o relatório parcial do inquérito da PF sobre a trama envolvendo a tentativa de compra, por parte de petistas, do dossiê Vedoin contra tucanos.

''A pergunta que não quer calar é: A quem interessa que essa CPI não chegue aos mandantes do crime, aos responsáveis?'', perguntou o deputado. Jungmann reclamou que o relatório ''vazou'' para a imprensa na sexta-feira sem que os integrantes da CPI tivessem acesso ao documento. Disse, ainda, que o vazamento omitiu trechos importantes da apuração.

''Quem vazou isso não vazou as quebras de sigilo bancário, as transcrições telefônicas nem o cruzamento de dados'', insistiu o vice-presidente da CPI. ''Há um crime aqui e isso caracteriza processo de obstrução da investigação da CPI.'' Para Jungmann, é preciso esclarecer o escândalo do dossiê antes do segundo turno da eleição, no próximo domingo, ''para que não pairem dúvidas''. O deputado apóia o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, mas disse confiar no interesse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em resolver o assunto. (Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Manoel de Souza

Já disseram tudo sobre Jungmann, mas cabe ainda dizer que ele pegou a doença do dedo duro. Se acha.

guilherme alves

O deputado tá sendo desonesto para o povo brasileiro. Não investiga as evidências explicitas do envolvimento do Abel Pereira e Barjas Negris. E ainda manda o eleitorado de pernambuco pensar grande, quando ele é mesquinho e falseador dos fatos.

Paulin de Caruaru.

Jungmmam não presta,honesto é Carlos Wilson do PT.

Fernando Vieira

Os comentaristas que me antecederam já disseram tudo!!! Pobre garoto Jugmann

milton tenorio pinto junior

Jungmann responde um processo no Supremo Federal por usar uma aeronave da FAB para passear em Fernando de Noronha.É uma graça esse rapaz,posar de bom moço!Ele e esse partido medíocre se confundem!!!!!!!


Petrolina 2021

22/10


2006

Lula: "Rico não precisa do Estado"

 O presidente e candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva voltou a adotar um discurso maniqueísta para frisar as eventuais diferenças entre ele e seu opositor, Geraldo Alckmin. Durante comício na Cidade Tiradentes, na Zona Leste da capital paulista, Lula disse que Alckmin representa a elite e que irá privatizar estatais.

Lula afirmou, também, que, se reeleito, tratará com atenção especial os pobres. "A gente precisa cuidar dos mais fracos porque o rico não precisa do Estado brasileiro. Quem precisa é o pobre. O pobre precisa de universidade. O rico pode pagar e, se quiser, até em Paris", comparou.

Lula admitiu novamente que ficou "chateado" por conta do segundo turno, mas agora diz "achar bom que isso tenha acontecido porque o povo brasileiro tem a oportunidade de sentir a diferença e escolher entre dois projetos". De acordo com ele, um dos projetos defende os interesses da pequena elite brasileira e o outro é o dele, que quer governar para o Brasil inteiro, mas com atenção especial ao povo pobre. "Os meus adversários afirmam que eu quero dividir o Brasil entre ricos e pobres. Eu não dividi nada. Eu nasci pobre. Foram eles que dividiram. Se fosse por mim, todos seriam riscos." (Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Manoel de Souza

Tá certo Sr Ary, me desculpe.

Gente, mais uma vez peço que melhorem a forma de diálogo, estamos de certa forma em um ambiente público, que é acessado por várias pessoas, e não é de bom tom, esta forma de comunicar-se. Vamos defender as nossas posições políticas com elegância, deixem as baixarias para Mendonça e Alckmin.

José Manoel de Souza

Deixe o homem trabalhar.. Essa Irania é irada. Agora deu prá filosofar..... É Lula é 13.

Paulin de Caruaru.

Em 4 anos pagou quase 500 bilhões de reais de juros adivinhem para quem? Para os mais pobres?E o lucro recorde dos bancos?E só cresceu mais que o gigante Haiti.

irania Olivia Benicio

Parabéns Raimundo, nada me sensibiliza mais que ver atendida uma minha sugestão. Agora sim, você está compatível ao seu "lider"! Muito apropriado ao seu "estilo" de escrita, infelizmente continuarei a tê-lo como moleque. Entretanto não se preocupe, o teu "lider" é mais, muitíssimo mais moleque!!!


Serra Talhada 2021

22/10


2006

Alckmin pode voltar a bater pesado em Lula

O debate dos presidenciáveis da TV Record pode significar a volta do estilo "agressivo" do tucano Geraldo Alckmin, exibido no primeiro confronto entre os candidatos, mas deixado de lado no segundo. Já a ironia exibida por Luiz Inácio Lula da Silva na quinta-feira agradou aos aliados.

Para o o líder do PFL na Câmara, deputado Rodrigo Maia (RJ), o tucano Alckmin deve focar sua intervenção no debate da Record em mostrar as diferença entre as promessas de Lula na campanha de 2002 e o que efetivamente realizou. "E ele prometeu tanta coisa: 10 milhões de empregos, dobrar o salário mínimo, além da bandeira da ética, a mais importante", ironizou o parlamentar.

Ele também defendeu a mudança de "abordagem" de Alckmin nos debates. "No primeiro, ele tinha que bater pelo campo da ética, no SBT, teve que mesclar as críticas com as propostas", disse ele. "Agora, você tem que continuar na questão ética", acrescentou.

"O Geraldo tem que ser agressivo, mas sem perder a oportunidade de apresentar propostas", concorda o vereador José Aníbal (PSDB-SP).

O petista Raul Pont, licenciado da secretaria-geral de seu partido, elogiou o uso da ironia por Lula no debate do SBT, que marcou a diferença de sua atitude mais tensa no primeiro confronto, realizado pela Bandeirantes.

"Foram dois estilos. O Alckmin, muito programado com números e dados, para passar uma imagem de um tecnocrata bem informado, mas sem uma expressão de sinceridade ou convencimento. E o Lula, que teve a vantagem de ser muito mais espontâneo", diz ele.

"Ele [Lula] estava mais solto, utilizando melhor o sorriso, a ironia, aquela que qualquer pessoa expressa naturalmente", acrescenta.

O petista, no entanto, não acredita que o desempenho melhor ou pior do presidente possa afetar o resultado das eleições. "Nem o episódio do dossiê, a divulgação da imagem do dinheiro [que seria usado para comprar o documento] abalaram a intenção de voto no Lula. Há uma consolidação da preferência do eleitor que tende a se manter nesta semana", afirma. Informações da Folha Online.



Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

Aí é que o bolo vai crescer. De 70% vai para 80%. A diferença vai ser de 60%. É legitimidade demais para um só homem. Dom Lula I, será coroado Rei do Brasil.


Anuncie Aqui - Blog do Magno

22/10


2006

Lula: "Adversários devem rezar pela minha reeleição"

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, ironizou neste domingo seus adversários ao dizer que eles deveriam rezar para sua vitória no segundo turno.

''Ao invés de eles ficaram com tanta bronca de mim, eles deveriam pedir a Deus que eu ganhasse para eu poder deixar o Brasil muito melhor'', disse Lula.

Em comício na região de Cidade Tiradentes (zona leste de São Paulo), o presidente fez questão de enfatizar a questão da luta de classes, sempre se colocando como quem governa para a maioria, em contraponto ao PSDB, que, segundo petistas, governa para os ricos.

Nesta linha, Lula citou os programas Prouni, Bolsa Família e Luz para Todos. Segundo ele, ''um presidente da República precisa governar para 190 milhões, não para 30 ou 35 milhões como acontecia neste país''.

O presidente disse ainda que ''a verdade nua e crua'' é que os pobres nunca estiveram no projeto político da elite brasileira, apenas durante as eleições. ''Em época eleitoral, pobre vale mais do que banqueiro. Mas, depois das eleições, o pobre não é convidado nem para tomar um cafezinho'', ironizou.

Lula reafirmou sua convicção de que foi Deus quem quis levar a disputa presidencial para o segundo turno. Ele admitiu que no início ficou triste, mas diz que agora está feliz com essa situação. ''No segundo turno é que a gente está podendo provar quem é quem'', afirmou.

O petista rebateu as acusações da oposição de que quer dividir o país entre ricos e pobres. ''Não quero dividir coisa nenhuma. Eu já nasci pobre'', disse Lula, arrancando aplausos de centenas de militantes. ''Se dependesse de mim, a gente não tinha pobres e ricos, só tinha ricos'', reiterou.

Antes do discurso do candidato à reeleição, o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), já havia dado o tom. De forma irônica, ele afirmou que o candidato tucano à Presidência, Geraldo Alckmin, parece ''personagem de uma propaganda do Itaú Personalité''.

A coordenadora da campanha de Lula em São Paulo, Marta Suplicy, seguiu a mesma linha. Segundo ela, ''votar em Geraldo Alckmin é aprofundar a diferença entre ricos e pobres neste país''.

Durante o evento, o tema da corrupção --o escândalo do dossiê e a recente denúncia da revista ''Veja'' envolvendo o filho do presidente Lula-- não foi abordado pelos presentes.

O petista voltou a alfinetar Alckmin no tema das privatizações. Segundo Lula, a oposição está com ''raiva'' porque ele está trazendo à tona seu histórico.

''Eles não venderam mais porque não puderam'', disse, em referência às gestões do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de Alckmin em São Paulo.

Para Lula, os tucanos têm tradição de assinar papéis e depois agirem diferente. Por isso, afirmou, não dá para acreditar que eles não pretendem privatizar empresas como o Banco do Brasil e a Petrobras. ''Eu não tenho duas caras. Nós não vamos privatizar nenhuma empresa desse país'', disse Lula. Informações da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Paulin de Caruaru.

Monetariamente falando,concordo plenamente.Foi muinto bom pra quem tem dinheiro e ainda teve a inteligência de calar os pobres e os movimentos sociais com dinheiro....Uma tranquilidade...

irania Olivia Benicio

Não é um vatícinio, trata-se de uma irrecusável evidência! O Luiz não encerrará com honra a sua "carreira" de embusteiro, tal Collor, será afastado (da forma que for) pelo bem da pátria! O "FORA LUIZ" lhe será ensurdecedor!!!

Soraya da Cruz Plácido

Eu como Pernambucana que sou, rezo sim, para que as pessoas ENXERGUEM MAIS, e percebam as arbitrariedades que o PT e seus aliados fazem pelo PAIS...


Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

22/10


2006

Jackson dá a vitória para Eduardo Campos

 Quem está no Recife, para acompanhar logo mais ao vivo no SBT, o debate entre os candidatos a governador de Pernambuco - Mendonça Filho e Eduardo Campos - é o ex-prefeito de Aracaju e segundo deputado federal mais votado no estado de Sergipe, Jackson Barreto.

Encontrado pelo signatário deste Blog sozinho num restaurante da capital pernambuana, Barreto disse que não tem a menor dúvida de que o futuro governador do estado será o socialista Eduardo Campos.

''Vim aqui para dar a minha força ao Eduardo, que foi um bom ministro e não tenho dúvidas que será o melhor governador do estado'', afirmou, adiantando que a retomada do governo pernambucano pela oposição abre um novo ciclo da política no estado, inclusive, de renovação no que se refere a gerações, já que Eduardo tem pouco mais de 40 anos.

Jackson Barreto disse que em Sergipe o governador eleito Marcelo Déda (PT) só não teve uma votação mais expressiva, em razão do que classificou de ''obra eleitoreira'', a ponte feita pelo governador João Alves, ligando a capital sergipana às principais praias do estado.

Barreto teve em Sergipe 104 mil votos para deputado federal e não descarta a possibilidade de vir a disputar a prefeitura de Aracaju em 2008. ''Minha candidatura vai depender de Marcelo Déda'', afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

MARCELO ANDRADE

Vejam o que esse Jackson Barreto falou para o Jornal do Commercio, no dia 12 de abril de 1998. Pesquisam a edição do JC desta data e conheçam essa figura apoiadora do Dudu Precatório.


Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores