Lavareda

30/11


2020

Armando testa positivo para o coronavírus pela 2ª vez

Ex-senador por Pernambuco, Armando Monteiro testou positivo para o novo coronavírus no último dia 24. Monteiro está clinicamente bem, sendo medicado e acompanhado mais de perto por médicos no Hospital Português, onde foi internado ontem. A medida de internação é preventiva e se deu por se tratar de um paciente que apresenta a doença pela segunda vez.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ALEPE

30/11


2020

Abstenção de 30% nas eleições surpreende

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, lamentou o alto índice de abstenção dos eleitores (cerca de 30%), no segundo turno das eleições municipais. As informações são do Blog do Riella.

É um percentual bem maior do que o desejável.

Barroso acha que a pandemia pode ter sido fator determinante para a ausência dos eleitores.

Nas cidades de Rio de Janeiro e Goiânia, os não-votantes “ganharam” dos candidatos eleitos a prefeito, o que surge como um resultado surpreendente e frustrante.

Nas principais cidades, São Paulo e Rio, a abstenção ultrapassou a média de 30%.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Osmar Costa Lima

Enquanto estava prestando atenção a quem não foi às urnas, fez de conta que não viu a boca de urna e a compra de votos, pelo PSB. Inocência ou conivência?


O Jornal do Poder

30/11


2020

No Rio, abstenção, brancos e nulos ganharam de Paes

Grande vencedor das eleições de segundo turno, brancos, nulos e abstenções vão entrar para a história. Se no Recife, a soma dos três ingredientes derrotou Marília Arraes, no Rio esse fenômeno foi muito mais cruel: ganhou do prefeito eleito Eduardo Paes.

Já em São Paulo, maior colégio eleitoral do País, bateu um recorde: quase 30% de abstenção. Para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luis Roberto Barroso, o grande número de eleitores ausentes das urnas se justifica pelo temor da pandemia do coronavírus. 

Será mesmo ou o povo está de saco cheio de político?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

30/11


2020

Presidente de seção eleitoral morre após passar mal

Uma mesária que trabalhava como presidente de seção eleitoral morreu, ontem, dia de segundo turno das eleições municipais, no Recife. A informação foi divulgada pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) hoje, que apontou que passou mal logo no começo dos trabalhos (veja vídeo acima).

O caso aconteceu por volta das 7h em uma seção localizada na Escola Pintor Lauro Vilares, no bairro do Bongi, na Zona Oeste da cidade. Ainda de acordo com o TRE, agentes da Polícia Militar que estavam no local fizeram o socorro de Ana Cláudia de Souza.

De acordo com o diretor do TRE, Orson Lemos, a filha da presidente de seção também trabalhava como mesária no mesmo colégio, mas em outra seção eleitoral. "A filha dela era secretária da seção ao lado, a mãe era presidente da seção. Então, a filha foi liberada e substituímos elas depois", declarou.

Lemos afirmou que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas a mulher acabou sendo socorrida por um carro particular até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro do Torrões, na Zona Oeste da cidade, onde faleceu.

"Em Pernambuco eu desconheço outro caso. Já teve caso de passar mal, ficar doente, mas falecer é o primeiro", declarou o diretor do TRE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


30/11


2020

PT arrastou Marília para o fundo do poço

De todos os fatos relevantes para explicar a derrota de Marília Arraes no Recife, o mais óbvio e incontestável: a rejeição ao PT. A estrela, que brilhou na era Lula, se apagou depois dos escândalos que levaram o próprio Lula ao xadrez.

Dos 57 municípios da disputa em segundo turno, encerrada ontem, o PT só elegeu quatro prefeitos, nenhum de capital: Mauá e Diadema, em São Paulo, e Contagem e Juiz de Fora, em Minas Gerais. 

Perdeu em Vitória, Recife, Caxias do Sul, Guarulhos,  São Gonçalo,  Anápolis, Feira de Santana, Cariacica,  Pelotas, Vitória da Conquista e Santarém.

Não tem candidato à Presidência da República nem potenciais candidatos a governador em nenhum Estado da Federação.

Só falta a missa de réquiem.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Roberto de Lima Barros

O blog do magno é pé frio não elegeu a esposa do dono e nenhum grande aliados.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Não somente o Partido da Trambicagem. A própria candidata que, de maneira arrogante e prepotente, indo contra tudo e todos, se achando a última bolacha do pacote. Inclusive contra seus companheiros de partido onde se daria a eleição. Outra fator que enganou a candidata e seus apoiadores, foram as pesquisas fajutas e interpretadas pelos \"cientistas políticos\" que, ainda não entendi, serem sempre esquerdista. Esquerdistas caviar, é claro O povo já deu seu recado por três vezes. Um grande não aos petralhas, ao Mendonça Filho e ao Armando Monteiro. Vamos aguardar os candidatos para Governador. Será que o Mendonça e o Armando ainda tem cara de pau de sair candidato?


Banco de Alimentos

30/11


2020

O grande vencedor: brancos, nulos e abstenções

Detendo-me mais a fundo nos números da eleição no Recife, uma constatação irrefutável: ficou difícil para o eleitor escolher no segundo turno entre João Campos, o prefeito eleito, e Marília Arraes, a derrotada. Se não, vejamos:

Marília perdeu para o somatório dos votos brancos, nulos e abstenções, que totalizaram 363.285 votos, enquanto ela teve apenas 347.029 votos, uma diferença de 16.256 votos.

Já João Campos foi eleito com 445.922, soma superior apenas 82.637 votos da contabilidade dos brancos, nulos e abstenções. Para um colégio de 1.156.000 eleitores, nenhum dos dois dois chegou perto da chamada representativa, que seria de  578.001 votos .


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Mais uma análise incorreta. O eleitor escolheu bem. Primeiríssimo lugar o João Campos com 447.913 votos, em segundo os brancos, nulos e abstenção com 361.285. Em último e terceiro, a Marília candidata do Partido da Trambicagem com 348.126 votos. Partido que tem como seu chefe maior e ídolo o bandido julgado e condenado o Lula ladrão.



30/11


2020

A terceira onda

Idos da década de 1980, o escritor norte-americanos Alvin Toffler preconizou “a terceira onda”, a quarta onda, revela o bicho-grilo Adalbertovsky. “Estamos atualmente navegando na crista das sucessivas ondas toffernianas em todas as longitudes do planeta Vivenciamos uma revolução na dimensão exata da palavra. As ondas de Alvin Toffler referem-se a revoluções civilizatórias, de processos evolutivos na sociedade. Isto, nada a ver com as ondas do vírus comunista chinês nos tempos tresloucados de agora. Aliás, nem de vírus eu gosto, muito menos comunista”.  

“O micróbio, cuja imagem é uma coroa de espinhos, vai completar aniversário de um ano em circulação no planeta. O maior estrago já foi feito. Se houver novas ondas marítimas, fluviais ou terrestres, a solução é adotar medidas cautelares para conviver com o bicho. Irracional seria parar todas as atividades, porque a vida segue e não podemos desembarcar deste planeta azul. Nem só de vírus e de eleição vive a humanidade”.

“MEU LIVRO – Transcrevo a seguir resumo de capítulo do meu atual livro que está para ser lançado – A PRIMEIRA VACINA: A descoberta da primeira vacina vem dos idos de 1796, pelas mãos e o cérebro do médico e cientista Edward Jenner, no lugarejo Berkeley, Inglaterra. Dedicado  a pesquisas sobre doenças, em especial a varíola, lá estava o inglês Edward Jenner estudando os casos de pessoas que se contaminavam com uma doença chamada cowpox, zoonose bovina variante da varíola humana, ao ordenharem vacas. Apareciam pústulas na pele das pessoas contaminadas. 

“O médico extraiu o pus de lesões das pessoas contaminadas com o vírus cowpox e o aplicou em doentes da varíola humana. O doutor Jenner fez e repetiu a experiências em várias pessoas. Os doentes de varíola ficaram curados. Estava criada a prodigiosa e pioneira vacina.

Tempos do Império, 1808, a vacina chegou ao Brazil trazida pelo  general e diplomata com atuação internacional, Felisberto Caldeira Brant, o Marques de Barbacena, uma das figuras mais notáveis do Primeiro Império. Assim começava uma longa e heróica jornada planetária”.

A crônica do bicho-grilo Adalbertovskly está postada no Menu Opinião. Metam os peitos!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


30/11


2020

Coluna da segunda-feira

As razões da derrota

A vitória de Marília Arraes (PT) estava nas mãos, com 8 pontos de vantagem frente ao concorrente João Campos, segundo o primeiro levantamento do Datafolha na disputa de segundo turno. Só que ao longo da campanha cometeu erros mortais. Ficou num jogo solitário, ouvindo só um lado, o do seu marqueteiro, da teoria suicida de amor na política, paz e amor. Só quem se deu bem com isso uma única vez foi Lula, mas Lula era Lula.

Se quisesse e soubesse usar na hora certa, Marília tinha um verdadeiro arsenal para detonar o adversário, que passou incólume, enquanto ela, agredida e atacada, não reagiu e quando reagiu não convenceu. Quando partiu para endurecer o jogo, já era tarde. Já João Campos, bem assessorado e bom aluno na estreia de campanha majoritária, soube, mesmo as vezes parecendo um robô, desconstruí-la.

A candidata não aceitou nenhuma visão que não fosse a do marqueteiro, que vinha com pesquisas quantitativas mostrando enormes vantagens numéricas, a ponto de ontem, às vésperas da eleição, entregar dados que Marília venceria. Também argumentava que as qualitativas diziam que ela não podia nem desconstruir o adversário nem rebater a desconstrução. Só que Marília também não admitia sequer o questionamento dessa estratégia que, estava na cara, seria e foi mortal.

Se ocorreram ataques tenebrosos de todos os tipos, mas ao não reagir deixou que sua candidatura fossa abatida em pleno voo. Marília perdeu por outros fatores também, entre os quais o abuso do poder econômico do PSB, com duas máquinas moendo para João, o amadorismo instalado em sua coordenação política, que em nenhum momento existiu, e, por último, e decisivo: a rejeição do eleitorado ao PT, partido varrido do mapa eleitoral das capitais, sem um só prefeito eleito.

João Campos obteve uma grande e histórica vitória. Agora o Recife vai ter o mais jovem prefeito de capital de todo o Brasil e de sua história, aos com 27 anos. Passa a carregar nas costas a responsabilidade como sucessor do pai, que partiu de maneira prematura e trágica. Com isso, terá que demonstrar sua capacidade política e gerencial para obter bons resultados, ser reeleito prefeito em 2024 e ser candidato a governador em 2026 quando terá atingido a idade mínima para concorrer ao Governo do Estado.

Amadorismo – Tão logo passou para o segundo turno, tirando a vaga de Mendonça Filho (DEM), Marília foi procurada por vários atores e lideranças políticas. Houve, de largada, um grande número de adesões. Eram vereadores eleitos, mas magoados com o PSB, suplentes e um balaio de pensadores, que não tinham voto, mas tinham o que dizer. Marília não constituiu um núcleo político nem deu poderes a ninguém para falar em seu nome. Dava a impressão de que não queria companhias nem voto, que venceria sozinha uma eleição dificílima. Política não é para amadores.

Jogou certo – Já João Campos, mais humilde no aprendizado do jogo, ouviu a todos, delegou, ampliou e montou uma equipe de campanha experiente e astuta. Jogou de acordo com o que ensinou a sua equipe técnica, até nos debates, quando conseguiu, em muitos momentos, tirar a adversária do sério. Mais do que isso, João foi para o ataque e suas flechadas funcionaram, deram resultado, tanto que atraiu um balaio de votos do segmento evangélico ao sugerir que Marília era ateia.

Direita e esquerda – Ferino e vingativo, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, comemorou como ninguém a vitória de João Campos, não por ter simpatia ao PSB, mas para se vingar do ex-senador Armando Monteiro Neto, que deixou a legenda em apoio à Marília. “O incrível é que Armando nunca dá uma dentro: perdeu na direita e na esquerda”, disse Jefferson, em mensagem ao blog tão logo tomou conhecimento da derrocada do PT na capital pernambucana.

Milton Coelho – A vitória de João abre na Câmara dos Deputados uma oportunidade para um dos quadros mais brilhantes do PSB: o suplente Milton Coelho, que passa a ser efetivado. Atual chefe de gabinete do governador Paulo Câmara, Milton é um eduardista histórico, tendo ocupado todas as funções públicas em vida, desde a presidência estadual da legenda socialista à missão de vice-prefeito do Recife na gestão João da Costa, por delegação expressa do ex-governador. Fará com certeza um belo mandato, amplo, com visão para todos os segmentos da sociedade. É um articulador nato, jeitoso no trato.

CURTAS

O GUARDIÃO – Em Paulista, a vitória esmagadora de Yves Ribeiro (MDB) não é obra apenas da sua história, sua popularidade e cheiro de povo. Seu vice Dido Vieira, também emedebista, teve papel relevante na campanha, verdadeiro braço direito do prefeito eleito. Empresário bem-sucedido, Dido será um grande ator na gestão e pode até pensar em voos mais altos na política se Yves vier a fazer uma boa gestão.

TRANSIÇÃO – Em live, ontem, no calor da eleição de segundo turno, o prefeito eleito de Paulista anunciou que pretende constituir, já a partir de hoje, a sua equipe de transição para levantar a herança maldita de Júnior Matuto. Posso até estar errado, mas essa equipe deve ser coordenada pelo vice-prefeito eleito Dido Vieira.

Perguntar não ofende: Magoada com as traições do PT, Marília deixa o partido ou vai ficar convivendo com lobos?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Carlos

Cadê os petralhas que comentam neste blog? Estão de ressaca de tanto chorar? Chorem não, gritem Lula livre que passa kkkkkkkkkkkk.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Mais uma vez tivemos a desmoralização dos institutos de pesquisas. Ou eles são incompetentes ou desonestos. O detalhe é que eles sempre erram em favor da esquerda. Agora, querer dourar a derrota não dá. Marília perdeu e perdeu feio. Primeiro por ser candidata do PT, partido que virou uma Organização Criminosa comandado pelo bandido julgado e condenado Lula ladrão. Segundo por ser uma péssima política, sem carisma, desagregadora sem nenhum preparo para o diálogo e debates. É a típica petista que só fala palavras do ordem. Como repetia em todos os debates sendo chamada de Marília passo a passo. Tivemos também as figuras do Mendonça Filho e Armando Monteiro se revelando que nunca pensaram no nosso povo quando um, de maneira patética, pediu o voto nulo e o Armando, pelo menos teve a hombridade de definir seu apoio. Apoio para o Partido da Trambicagem. A Patrícia, sem nenhuma chance, pensando unicamente em vingança. Recife mostrou não é mais aquela que se deixava enganar pelas promessas. Mostrou que não aceita essa dos donos dos votos querendo transferir o que não lhe pertence. O voto é do povo. Não tem dono. Deus é grande.

MARCOS MORAIS

Pois é caro Magno, agora você reconhece os méritos de João Campos, aquele que você disse que foi emparedado por Marília no último debate. Na verdade Marília só foi vencedora dessa eleição na primeira pesquisa do segundo turno por que nas urnas quem sempre ganhou foi João Campos foi assim no primeiro turno e novamente no segundo, na força do voto João sempre foi mais forte, desde a campanha para Deputado Federal até o pleito atual. Apesar de toda campanha que você fez no seu blog contra João e a favor de Marília o povo demonstrou que já sabia quem ele queria ver à frente da Prefeitura do Recife. Mas João assim como o seu pai saberá ser grande, agregador e com inteligência suficiente para governar com todos, inclusive com adversários, pelo bem da cidade e do povo do Recife.

marcos

Bom dia Gretchen e Boca de veludo, vocês irão para o Enterro do PT?

marcos

O PT Perdeu foi? .......... kkkkkkk



29/11


2020

Marília: Aqui começa uma nova articulação da oposição

Por Houldine Nascimento, da equipe do blog 

A candidata do PT à Prefeitura do Recife, Marília Arraes, falou sobre o resultado eleitoral mais de uma hora depois de a apuração ter encerrado. Um pronunciamento ocorreu na noite de hoje, no Hotel Villa D'Oro, na Soledade, área central da cidade.

Marília fez alguns agradecimentos aos eleitores e aos apoios recebidos durante a campanha. A prefeiturável criticou o candidato adversário, João Campos, e o PSB.

"Fizemos uma campanha bonita, limpa, diferente do nosso adversário, que iniciou o segundo turno parecendo que era outra pessoa. Com uma campanha baseada em agressões, em fake news. Em argumentos fundamentalistas que buscavam trazer a ilusão das pessoas sobre minha imagem e colocando a fé das pessoas no meio", declarou.

A candidata petista foi além, ao dizer que "lutou contra duas máquinas", em referência à Prefeitura do Recife e o Governo de Pernambuco, ambos administrados pelo PSB. "É importante dizer que desde 2016 nenhuma candidatura do PSB tinha essa dificuldade de ganhar uma eleição. Isso mostra a insatisfação das pessoas com a atual gestão", comentou.

"Foi feita a democracia. A gente tem que respeitar a democracia e desejar sempre o melhor para a cidade, mas é importante deixar aqui bastante marcado: aqui vai começar uma nova articulação da oposição em Pernambuco. Nós não temos condições de nos articular com um grupo que, além de fazer tão mal na gestão, seja no Estado, seja no município, mas também trata a política da forma que tratou", prosseguiu.

Marília também disse que as pessoas recuperaram a esperança em um novo projeto e que isso representa uma vitória. Ela destacou o fato de ser a primeira mulher a chegar no segundo turno.

Ao lado da petista, estiveram o candidato a vice, João Arnaldo (PSOL), o presidente Estadual do Podemos, deputado federal Ricardo Teobaldo; o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), a deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) e a deputada estadual Teresa Leitão (PT), entre outros nomes da política local. O vice-presidente nacional do PT, José Guimarães, era aguardado, mas não veio.

Com 100% das urnas apuradas, Marília obteve 348.126 votos, o que representa 43,73% dos votos válidos. Uma diferença de quase 100 mil votos para o vencedor João Campos (PSB), com quem disputou o segundo turno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Nova articulação? Com Marília à frente? Com a bandeira do PT, uma Organização Criminosa? Graças a Deus que essa oposição, agora formada pelos eternos derrotados Mendonça e Armando, juntos com uma amadora e raivosa Patrícia, nunca prosperará. Todos sem visão de estadista. Querendo apenas seus projetos pessoais e a vaidade acima de tudo. Essa eleição teve, além da grande derrota do PT, o desmascaramento, repito, do Mendonça Filho, Armando Monteiro e a Patrícia, mostrando que nunca foram candidatos de direita.