Lavareda

25/10


2020

A democracia se revigora na alternância do poder

Por Marlos Porto*

No início destas breves linhas, friso que não pauto minha opinião nem minhas escolhas políticas pela expectativa de determinado resultado eleitoral nem pelo conceito que venha a ter perante os demais. Ainda que fosse a única voz disposta a defender aquilo que julgo correto e, assim, atraísse a oposição de um exército contrário, tal não me demoveria de fazê-lo.

Penso que nossa cidade, assim como nosso Estado e nosso país, vive dias difíceis. Há anos imersos em uma crise econômica grave, que tem a corrupção política como pano de fundo, temos uma relação opressiva e cínica com a Democracia. Tal qual mulher covardemente traída e espancada por uns e abandonada à própria sorte por muitos, a Democracia sofre nas nossas mãos. Mas, hipocritamente, fazemos-lhe juras de amor eterno, de que não poderíamos viver sem ela.

Ser fiel à Democracia não é ter fidelidade canina a esse ou àquele governante. Este é que deve ser fiel ao povo e às propostas de governo assumidas. Gratidão é um sentimento nobilíssimo, mas que não pode se confundir jamais com servilismo. Traem a Democracia aqueles que anestesiam suas consciências pelo apego a cargos ou vantagens, aqueles cuja vontade débil cede ao fanatismo interesseiro e egoísta que só enxerga a cor dos que se encontram ao seu lado. 

Violam brutalmente a Democracia os que compram votos de eleitores e apoios de “lideranças” políticas, não merecendo ser chamados de governantes, mas de usurpadores. Os que vendem seu voto e seu apoio, por seu turno, não são diferentes de rufiões da Democracia; prostituem-na incansavelmente para deixar recheados os seus bolsos, ao fim do que, para eles, não passa de uma longa e depravada noitada eleitoral, que só termina às 17 horas do dia do pleito. Essas tristes figuras, contudo, ao verem seus “clientes” derrotados, vão se aprochegando saltitantes aos vencedores e em breve serão, mediante paga, as mais ardorosas defensoras de suas iniquidades.

Abandonam a Democracia os que veem essas cenas dantescas ou delas tomam conhecimento, mas sequer esbravejam contra essas orgias forçadamente impostas à virtuosa jovem ateniense. Sim, a Democracia é uma jovem que a cada eleição se renova. Sua alma pura resta intacta às ofensas terríveis que a cada quatro anos impõem ao seu corpo. Ao exibir seu frescor juvenil a cada eleição, ficamos deslumbrados e nos damos conta do quanto ela é bela, do quanto é virtuosa, do quanto sua existência é benéfica para todos nós. Perguntamos a nós mesmos: “que seríamos de nós sem ela?” – mas quase sempre nada fazemos para defendê-la.

Mas por que a deixamos sofrer pisoteada pelos(as) falsos(as) e incompetentes líderes que se julgam no direito de ditar os destinos da cidade? Por que aceitamos que os endinheirados se julguem no direito de comprá-la como se fosse escrava? Como nada fazemos para impedir, a Democracia passa quatro anos acorrentada em um calabouço e até esquecemos da sua existência; vivemos quatro anos de olhos fechados e bocas cerradas, como se outra alternativa não houvesse para as injustiças que nos vitimam que não a de suportá-las com paciência e contra elas rezingar de vez em quando.

Livre e protegida, a Democracia seria uma Joana D’Arc que faria despertar em nosso povo a sua dignidade intrínseca e restauraria a sua autoconfiança, galvanizaria a união dos trabalhadores contra seus vis algozes e quebraria as correntes da opressão. Humilhada e pisoteada, ela é, nas mãos dos poderosos de sempre e dos usurpadores de plantão, um vazio amuleto exibido a cada quatro anos para afastar críticas e aplacar sentimentos de revolta nas massas.

Assim, o que Arcoverde, Pernambuco e o Brasil precisam é proteger a democracia para que não seja acorrentada por mais quatro anos pelo continuísmo perpetuador de privilégios e opressões. É na alternância de poder que a Democracia se revigora. Como diz a célebre frase de Rosa Luxemburgo: “Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem”.

*Bacharel em Direito, servidor público e membro do Cidadania em Arcoverde


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

25/10


2020

João é campeão em dinheiro

Por Houldine Nascimento, da equipe do blog

O UOL divulgou um levantamento, hoje, sobre todas as doações feitas por diretórios nacionais de partidos aos candidatos a prefeito de capitais registradas na Justiça Eleitoral. O postulante da Frente Popular do Recife, João Campos (PSB), lidera o ranking: a legenda socialista repassou ao deputado federal R$ 7,5 milhões.

"Em outros casos, os partidos privilegiaram famílias fortes, como no Recife. João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos (morto em um acidente aéreo em 2014), lidera a lista de doações do PSB, com R$ 7,5 milhões recebidos para campanha. Foi a maior doação feita até aqui por um partido a um candidato", destaca a matéria assinada pelo jornalista Carlos Madeiro.

Os valores destinados a João superam até mesmo os que o PSDB enviou para o prefeito de São Paulo, Bruno Covas. Para se reeleger na mais importante cidade brasileira, o tucano recebeu dos cofres do partido R$ 5 milhões.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

25/10


2020

Há 45 anos era assassinado Herzog

Por Irineu Tamanini*

No dia de hoje (25), há 45 anos, era torturado e morto nas dependências do DOI-CODI, em São Paulo, o jornalista, professor e dramaturgo Vladimir Herzog, nascido na cidade de Osijek, na então Iugoslávia, em 1937, filho de um casal de origem judaica.

Durante a Segunda Guerra Mundial, para escapar do antissemitismo praticado pelo estado fantoche da Croácia, então controlado pela Alemanha Nazista, a família fugiu primeiramente para a Itália, onde viveu clandestinamente até imigrar para o Brasil. Herzog se formou em Filosofia pela Universidade de São Paulo, em 1959.

Naturalizado brasileiro, Vladimir também tinha paixão pela fotografia, atividade que exercia por conta de seus projetos com o cinema, passou a assinar “Vladimir” por considerar que seu nome soasse exótico para os brasileiros. Na década de 1970, assumiu a direção do departamento de telejornalismo da TV Cultura e também foi professor de jornalismo na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP).

Em 24 de outubro de 1975 — época em que Herzog já era diretor de jornalismo da TV Cultura, após campanha contra a sua gestão, levada a cabo na Assembleia Legislativa de São Paulo pelos deputados Wadih Helu e José Maria Marin, pertencentes ao partido de sustentação do regime militar, a ARENA, agentes do II Exército convocaram Vladimir para prestar depoimento sobre as ligações que ele mantinha com o Partido Comunista Brasileiro, partido que atuava na ilegalidade durante o regime militar.

O Serviço Nacional de Informações recebeu uma mensagem em Brasília de que naquele dia 25 de outubro: “cerca de 15h, o jornalista Vladimir Herzog suicidou-se no DOI/CODI/II Exército”. Conforme o Laudo de Encontro de Cadáver expedido pela Polícia Técnica de São Paulo, Herzog se enforcara com uma tira de pano – a “cinta do macacão que o preso usava” – amarrada a uma grade a 1,63 metro de altura. Ocorre que o macacão dos prisioneiros do DOI-CODI não tinha cinto, o qual era retirado, juntamente com os cordões dos sapatos, segundo a praxe naquele órgão. No laudo, foram anexadas fotos que mostravam os pés do prisioneiro tocando o chão, com os joelhos fletidos – posição em que o enforcamento era impossível. Foi também constatada a existência de duas marcas no pescoço, típicas de estrangulamento.

O nome de Vladimir tornou-se central no movimento pela restauração da democracia no país após 1964. Militante do Partido Comunista Brasileiro, foi torturado e assassinado pelo regime militar brasileiro após ter se apresentado voluntariamente ao órgão para “prestar esclarecimentos” sobre suas ligações com o Partido Comunista Brasileiro (PCB). través do jornalista Paulo Markun, Herzog chegou a ser informado que seria preso, mas não fugiu.

Anos depois, em outubro de 1978, o juiz federal Márcio Moraes, em sentença histórica, responsabilizou o governo federal pela morte de Herzog e pediu a apuração da sua autoria e das condições em que ocorrera. Entretanto nada foi feito. Em 24 de setembro de 2012, o registro de óbito de Vladimir Herzog foi retificado, passando a constar que a “morte decorreu de lesões e maus-tratos sofridos em dependência do II Exército – SP (Doi-Codi)”, conforme havia sido solicitado pela Comissão Nacional da Verdade. Em 2018, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil por negligência na investigação do assassinato do jornalista.

*Jornalista


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

25/10


2020

Jorge Carreiro confirma exonerações em Paulista

O prefeito em exercício de Paulista, Jorge Carreiro (PV), respondeu ao blog, há pouco, sobre o ato administrativo que tomou na última sexta-feira (23), exonerando todos os cargos comissionados. "Procedemos como da primeira vez. Exoneração de todos os comissionados. Aqueles que se apresentarem para o trabalho na segunda-feira terão a análise da possibilidade de retorno", comenta.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/10


2020

Jorge vai ao TRE contra deferimento de candidatura de Lupércio

EXCLUSIVO

Candidato à Prefeitura de Olinda pela coligação “Mudança de verdade”, Jorge Federal (PSL) entrou com recurso no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), na última sexta-feira (23), contra a decisão da juíza da 10ª Zona Eleitoral, Isabelle Moitinho Pinto, pelo deferimento do registro de candidatura do prefeito Professor Lupércio (SD), que disputa a reeleição. O motivo alegado pelo prefeiturável liberal é que não foi sequer analisado o mérito da ação de impugnação ajuizada por ele contra o gestor.

Para Jorge, a juíza “se esquivou em analisar se as condutas e fatos irregularidades que ensejaram a reprovação das contas são de natureza insanável e configuram, equiparadamente, ato doloso de improbidade administrativa”. Ainda de acordo com recurso apresentado, a análise é “obrigação de competência privativa e absoluta da Justiça Eleitoral”.

Jorge Federal se apoia numa denúncia feita pelo advogado Antônio Campos contra Lupércio no Tribunal de Contas do Estado pelo uso indevido de verbas indenizatórias enquanto o prefeito de Olinda ocupava o cargo de deputado estadual, em 2016. O TCE julgou procedente a irregularidade à época. Os valores, que chegaram a R$ 135.479,92, foram devolvidos aos cofres públicos por Lupércio.

“Há o reconhecimento por parte daquela própria corte de contas que o ora Impugnado, há época deputado estadual de Pernambuco, de forma dolosa se utilizou de empresas fantasmas – constituídas apenas documentalmente e/ou sem capacidade operacional para o fornecimento dos bens e serviços contratados, para emitir notas frias - sem efetiva comprovação da despesa com locação de veículos e com quantitativos incompatíveis com a demanda de gabinete parlamentar”, argumenta Jorge no recurso.

“Com o objetivo de receber ‘verbas indenizatórias’ da Alepe, através de seu gabinete e só devolveu os referidos valores aos cofres públicos quando do processamento da referida denúncia e auditoria realizada pelo TCE/PE”, continua.

Professor Lupércio chegou a recorrer da decisão, mas no acórdão 1370/17, os conselheiros não acataram a solicitação e mantiveram os efeitos. Em dezembro de 2019, o prefeito ingressou no Tribunal de Contas com um pedido de rescisão, julgado improcedente no último dia 14 de outubro, segundo o acórdão nº 926/2020.

Neste novo acórdão, contudo, os conselheiros atestam que “não houve imputação de multa nem nota de improbidade” contra Lupércio e que “não teve suas contas julgadas irregulares”. Para deferir o registro do prefeito-candidato, a juíza Isabelle Moitinho Pinto levou em conta esta deliberação do TCE.

"Antes de julgar os presentes autos, havendo notícia de sessão no Pleno do Tribunal de Contas do Estado, realizada em 14 de outubro de 2020, tive o cuidado de assistir à referida sessão, disponível no canal do TCE na plataforma do Youtube, em julgamento do pedido de rescisão formulado pelo impugnado. Apesar de ter sido rejeitado, é certo que a denúncia anteriormente julgada em outro processo não tem o condão de tornar inelegível o impugnado", justificou a magistrada na sentença proferida na última terça-feira (20).

"Desta forma, resta claro que o impugnado não teve as suas contas rejeitadas, muito embora os fatos objeto da denúncia sejam relevantes, mas nesse aspecto não cabe ao Juízo Eleitoral a análise da conduta ética do impugnado", prosseguiu a juíza.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/10


2020

Elcione faz caminhada e passeio de bike amanhã

A candidata do PTB à Prefeitura de Igarassu, professora Elcione Ramos, terá uma agenda política intensa amanhã. A partir das 6h30, ocorre a concentração do circuito esportivo em prol da saúde e das atividades físicas. A largada do passeio ciclístico (15 km), corrida (5 km) e caminhada (4 km) acontece às 7h30 no "Espaço 14", localizado na BR-101 Norte.

O prefeito de Igarassu, Mario Ricardo (PTB), acompanha a programação com os eleitores. Durante os dois mandatos do atual gestor, a professora Elcione segue como vice, acompanhando as ações da Prefeitura. A petebista quer incentivar práticas esportivas com acesso pleno, principalmente para os idosos, com os projetos Domingo da Gente e Academia da Saúde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/10


2020

A emoção está de volta

Depois de quase seis meses sem pegar uma telinha, voltei, hoje, ao cinema do RioMar com meus filhos. Uma emoção muito grande retomar algo que nos relaxa e nos preenche de prazer.

Encontramos o Cinemark completamente adaptado à nova era, aos novos tempos de convívio com a pandemia do coronavírus. Vale dar algumas explicações. As mudanças começam na compra do bilhete. Se você quiser uma pipoquinha com refrigerante ou água, já compra no ato do ingresso.

Isso ficou obrigatório para evitar aglomerações na fila do quiosque. Lá, para pegar a pipoca, se obedece a uma ordem de chamada com áreas demarcadas de distanciamento.

Dentro do cinema, assentos distanciados e todo mundo de máscara. A capacidade de cada sala está reduzida em 50%. Muito bom, seguro, sensacional. Antes do trailer, um comercial didático sobre as normas vigentes para curtir a sétima arte.

Recomendo!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/10


2020

Jorge Carreiro exonera todos comissionados em Paulista

Poucas horas depois de assumir novamente o comando da Prefeitura, Jorge Carreiro (PV), vice-prefeito de Paulista, exonerou todos os servidores comissionados com uma só canetada. O blog teve acesso ao documento assinado pelo gestor, com o número da portaria (2572) a ser publicada no Diário Oficial da Amupe na próxima segunda (26).

Contudo, na noite de ontem, o prefeito em exercício publicou em sua conta oficial no Facebook uma mensagem, convidando todos os comissionados para se apresentar na segunda: "Desde já, quero falar a você que é comissionado, que é trabalhador e que se dedica ao dia a dia da cidade, tenha a certeza de que não será prejudicado. Se apresente na próxima segunda-feira no seu local de trabalho e diga o que você faz, fale o que você faz pela terra da gente e pelo nosso povo!"

Em reserva, uma servidora comissionada disse que, "mais uma vez, Carreiro prejudica o andamento dos serviços públicos na cidade. Ele não consegue aprender com os próprios erros, pisou na bola feio de novo. Fez isso quando assumiu a primeira vez e parou a cidade. Diversos serviços essenciais ficaram prejudicados. Agora, faz de novo e ainda convoca todo mundo pra se apresentar. O que ele quer? Além de prejudicar a cidade ainda quer que a gente vá se humilhar, é isso?”  

O blog procurou Jorge Carreiro para que se pronunciasse sobre o assunto, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Rafael C.Soares Quintas

O prefeito Jorge Carrero está certo, não dá pra conviver com inimigos, os comissionados são amigos do prefeito que saiu.



24/10


2020

Sérgio quer reduzir valor do IPTU em Paulista

O candidato a prefeito de Paulista Sérgio Leite (Progressistas) circulou, hoje, pelo centro comercial da cidade para apresentar propostas que buscam a melhoria da atividade econômica local e detalhou o plano de redução no valor do IPTU pago pela população. A caminhada começou pela manhã e se estendeu até a tarde, contando com a presença do candidato a vice-prefeito, Pastor Hélio Roberto, candidatos a vereador, lideranças políticas da cidade e militantes.

"Nossa proposta é de que o cidadão paulistense pague um IPTU justo. Hoje o que vemos é uma cobrança exorbitante e a má aplicação dos recursos, isso desmotiva o pagamento em dia do imposto. Muita gente não paga o IPTU por desacreditar na gestão. Primeiro vamos renegociar as dívidas e recalcular o valor para que as pessoas paguem um valor menor, justo, e que será devidamente aplicado na melhoria da prestação dos serviços públicos", explicou Sérgio.

O prefeiturável do PP também garantiu que cidadão irá acompanhar os investimentos feitos pela Prefeitura a partir da arrecadação do IPTU. "Iremos trabalhar com total transparência, todos saberão de onde vem o recurso e para onde ele está indo, se transformando em melhoria para a população. Paulista já sofreu demais com escândalos e desvios de dinheiro público, a cidade não merece isso. Essa mudança de gestão será percebida logo nos primeiros meses da nossa gestão", declarou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/10


2020

"Benefício alivia artistas", diz Da Fonte sobre Lei Aldir Blanc

Um dos autores da Lei Aldir Blanc, que estende o auxílio emergencial para artistas, o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) celebrou o início do pagamento do benefício para os profissionais da cultura. “O setor emprega cerca de 5 milhões de pessoas. Esse recurso será fundamental para o sustento dessas famílias e para a manutenção dos espaços. O isolamento social deixou ainda mais evidente a importância dos artistas para o nosso entretenimento. Por isso, trabalhamos muito pela criação da Lei até como forma de reconhecer esses profissionais”, afirma.

A Lei Aldir Blanc foi sancionada em junho. Para ter direito ao benefício, o requerente deve atender alguns critérios, como renda per capita de até R$ 522,50 ou renda familiar de R$ 3.135 e ter atuado social ou profissionalmente no setor cultural nos últimos 24 meses.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


24/10


2020

A cara nova da velha Aliança

Por Marcelo Tognozzi*

Trump reeditou a velha e surrada Aliança para o Progresso, lançada há 60 anos como ferramenta dos Estados Unidos para impedir o avanço do comunismo na América Latina, prometendo dinheiro para cuidar dos pobres e miseráveis. Em agosto de 1961, o então presidente John Kennedy reuniu representantes das repúblicas americanas em Punta del Este e mandou passarem a limpo um documento previamente rascunhado por seus assessores da USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional).

No dia 25 daquele agosto, o presidente brasileiro Jânio Quadros renunciou, João Goulart assumiu e, menos de 3 anos depois, os militares tomaram o poder. O day after da Aliança, desfeita por Nixon em 1969, trouxe militarização dos governos do Conesul, o aumento da pobreza e a crise cada vez mais aguda provocada pelo choque do petróleo.

Em 2018 o governo Trump lançou o programa América Cresce, versão da Aliança para o Progresso no modelito do século 21. Já despejou bilhões de dólares em países da América Latina e Caribe bancando projetos de infraestrutura, ciber segurança e combate à corrupção, tudo supervisionado por órgãos como o Departamento do Tesouro, Departamento de Comercio, de Energia e agências como a USAID, a Agência dos Estados Unidos para o Comércio e Desenvolvimento (USTDA) e a Corporação para Investimento Privado no Exterior (OPIC).

Os Estados Unidos não brincam em serviço. A visita do assessor de Segurança Nacional Robert O’Brien a Brasília na 3ª feira (20.out.2020), cujo resultado mais visível foi a distribuição de caneladas por Bolsonaro na vacina chinesa CoronaVac, no governador João Doria (seu futuro produtor) e no ministro Pazzuelo (ex-futuro cliente), faz parte de uma ampla estratégia para barrar a influência chinesa no continente como aconteceu há 60 anos com a finada União Soviética.

Em plena pandemia, com todos os PIBs despencando e a Europa de muletas, solapada pela segunda onda de coronavírus, O’Brien tem trabalhado num ritmo alucinante. Em agosto, ele esteve no Panamá durante apenas 3 horas para uma reunião com o presidente Nito Cortizo. Assunto: combater a corrupção e desinfetar o sistema financeiro para impedir lavagem de dinheiro pela turma de Nicolás Maduro. O’Brien e seu time comandam uma força-tarefa no Panamá, que investiga inclusive um mandatário suspeito de tráfico de drogas.

Quem quiser entender perfeitamente o discurso anti-China do presidente Bolsonaro basta dar uma conferida no América Cresce. Por exemplo, em relação ao 5G os Estados Unidos ampliaram uma tal Aliança para Conectividade Digital e Ciber segurança (DCCP) e pretendem com isso barrar a entrada dos chineses em mercados como o do Brasil, um dos maiores do mundo, com mais de 200 milhões de smartphones. Um dos alvos dos Estados Unidos é a empresa chinesa Huawei, gigante da tecnologia que briga para instalar no Brasil seus sistemas 5G e pela qual o presidente brasileiro tem zero simpatia.

A contrapartida ao América Cresce tem sido o programa chinês A Nova Rota da Seda. Os dois têm iniciativas e inspirações muito parecidas. Seus objetivos são ganhar mercados para empresas que produzem não somente bens de consumo, mas principalmente conhecimento. Ambos querem investir em infraestrutura, que é o que emperra a vida das empresas neste lado do mundo.

A China até há pouco tempo era famosa pelas cópias de grifes da moda e todo tipo de produto, boa parte dos quais acabava nas mãos dos ambulantes ocidentais. Em Paris e Nova Iorque estes camelôs vendiam desde relógios Rolex e bolsas Louis Vuitton a eletrônicos falsificados.

Esta fase está acabando. A China não apenas cria e fabrica seus próprios produtos, como também se tornou uma produtora de conhecimento e inovação. Consegue fazer isso com preços altamente competitivos. Adotou uma política inteligente ao firmar acordos de cooperação com a União Europeia pelos quais seus cidadãos poderiam se estabelecer com pequenos negócios.

Hoje, em países como a Espanha, os chineses dominam as lojinhas que vendem bebida, tabaco, snacks e comida pronta e também aquelas que vendem todo tipo de mercadoria como flores artificiais a ferramentas, material de construção, cadernos, canetas, chinelos e produtos de limpeza. Não é preciso dizer que 99,9% dos produtos são chineses, fazendo com que estes comerciantes mantenham um vínculo permanente com seu país de origem. São 5 mil anos fazendo comércio.

Com a política de criar pontos de venda na Europa, foram tiraram do mercado os árabes, antes tradicionais neste segmento de mercado, e a quantidade de chineses e seus familiares vivendo de pequenos negócios é de quase 300 mil somente na Espanha, a maioria pessoas em idade produtiva.

De uma coisa todos podem estar certos: tanto faz Trump ou Biden sentados naquela cadeira da Casa Branca. A China não deixará de ser considerada como um adversário poderoso, pronto para tomar um naco dos Estados Unidos, numa era em que o poder das nações passa pela sua capacidade de produzir conhecimento e inovação. O poder militar continua sendo importante, mas não com as armas tradicionais. Numa guerra pra valer um vírus causa mais estrago que qualquer bomba nuclear. Hoje, ninguém mais duvida disso.

A nova edição da velha aliança para o progresso repete o ingrediente ideológico, já gasto e desbotado, num mundo onde as pessoas desejam a modernidade a qualquer preço. Em Cuba, adolescentes desfilam de tênis Nike e iPhones de última geração contrabandeados de Miami. Fazem qualquer coisa para conseguir um destes. Aqui no Brasil, o menino da comunidade não quer saber se o smartphone é chinês ou americano, embora os chefões do tráfico e a milícia não abram mão de armas americanas como os fuzis M-16 ou as metralhadoras Browning de 600 tiros por minuto capazes de derrubar helicópteros.

Em tempos de pandemia, com a Europa derretendo e a recessão instalada na América Latina, podemos nos preparar para uma guerra econômica cada vez mais dura entre China e Estados Unidos. O empobrecimento geral do planeta é ao mesmo tempo uma desgraça e uma oportunidade. Tudo depende de como se enfrenta o problema. O Brasil, como grande produtor de energia, alimentos e tecnologia agrícola, tem tudo para sair da crise maior do que entrou. O caminho do sucesso é um só: menos ideologia e mais diplomacia.

*Jornalista. Artigo publicado originalmente no site Poder360.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha