O Jornal do Poder

23/10


2020

Raquel tem 59% e vence no primeiro turno em Caruaru

Se as eleições fossem hoje, a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), estaria reeleita no primeiro turno, com 59,8% das intenções de voto. Os números são do Instituto Opinião, com exclusividade para este blog, em parceria com a Rádio Cultura do Nordeste. A tucana abre uma frente de 44,8 pontos sobre o delegado Lessa (PP), que aparece com 15%. Abaixo, aparecem Raffiê Dellon (PSD), com 3,8%, Marcelo Gomes (PSB), 2% e Marcelo Rodrigues, do PT, 1,6%. O candidato da UP, Rafael Wanderley, pontuou apenas 0,2%. Brancos e nulos somam 6,4% e os indecisos são 11,2%.

No levantamento espontâneo, em que o entrevistado é forçado a lembrar o nome do postulante sem o auxílio do disco com o nome dos candidatos, Raquel aparece com 58,8%, enquanto Delegado Lessa tem 9,6% e Raffiê Dellon 3%. Marcelo Gomes e Marcelo Rodrigues surgem empatados com 1% das intenções, cada. Os eleitores não citaram Rafael Wanderley. Brancos e nulos atingem 5,8% e os indecisos vão a 20,8%.

Em relação à rejeição, o socialista Marcelo Gomes lidera. Entre os entrevistados, 15% disseram que não votariam nele de jeito nenhum, seguido pelo pepista Lessa, com 12,8%. A prefeita Raquel Lyra é rejeitada por 9,4% dos eleitores, Raffiê Dellon por 8,6% e Marcelo Rodrigues por 7,4%. Rafael Wanderley é tem rejeição de 3%. Dos entrevistados, 39% não rejeitam nenhum dos candidatos, enquanto 4,8% rejeitam todos.

Raquel também bate todos no segundo turno

O Instituto Opinião também simulou cenários de segundo turno. Em um deles, foram listados os nomes de Raquel Lyra e Delegado Lessa. A prefeita chega a 65% contra 18,4% do oponente do PP. Brancos e nulos somam 7% e 9,6% não souberam responder.

Em outro cenário, entre Raquel e Raffiê Dellon, a tucana chega aos 69,2% das intenções, enquanto o candidato do PSD vai a 13%. Brancos e nulos representam 8,8% e os indecisos são 9%.

Quando enfrenta Marcelo Gomes (PSB), a prefeita soma 71% das intenções contra 11,4% do postulante do PSB. O índice de brancos e nulos vai a 9% e o de indecisos chega a 8,6%.

A pesquisa do Instituto Opinião, de Campina Grande (PB), foi a campo entre os dias 19 e 20 deste mês, com a aplicação de 500 questionários. A margem de erro é de 4,4 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiança de 95%. A modalidade de pesquisa adotada envolveu a técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação.

O levantamento é representativo dos eleitores da área pesquisada (o município de Caruaru) e foi selecionado da seguinte forma: primeiro na aleatorização da amostra em quatro estágios (bairro/localização, rua, domicílio e entrevistado) e depois em um controle das variáveis (sexo e faixa etária), ponderado de acordo com os dados obtidos junto ao TSE e TRE-PE. A pesquisa está registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo PE-00207/2020.

Quando a consulta é estratificada, as maiores taxas de intenção de voto de Raquel estão entre os eleitores idosos (68,2%), entre os eleitores com grau de instrução superior (68,3%) e entre os eleitores com renda familiar acima de cinco salários (71,0%). Por sexo, tem a preferência de 61,4% dos homens e 58,5% das mulheres.

Já Delegado Lessa tem seus maiores índices de voto entre os eleitores da faixa etária dos 25 aos 34 anos (18,4%), entre os eleitores com grau de instrução fundamental 2 (16,2%) e entre os eleitores com renda familiar de até dois salários (17%). Por sexo, 16,6% são homens e 13,7%.

Raffiê Dellon, por sua vez, tem a preferência dos eleitores na faixa etária dos 25 aos 34 anos (5,3%), dos eleitores com grau de instrução ensino médio (5,3%) e dos que possuem renda familiar de até dois salários (4,7%). Por sexo, 4,7% são mulheres e 2,7% são homens.

AVALIAÇÃO DE GESTÃO

O Instituto Opinião também perguntou aos entrevistados sobre o grau de satisfação com os três níveis de poder – federal, estadual e municipal. A administração da prefeita Raquel Lyra tem uma grande aprovação de 78,6%, já 15,4% não aprovam. Somente 6% não responderam.

O governador Paulo Câmara (PSB), por sua vez, tem desaprovação de 54,6% e é aprovado por 30,6%. Já o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conta com aprovação de 45% e é desaprovado por 44% do eleitorado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

23/10


2020

Coluna da sexta-feira

A vacina e o impeachment

O affair vacina chinesa, que o presidente Bolsonaro se recusa a comprar o primeiro lote que havia sido anunciado pelo ministro da Saúde, gerou uma crise política e já tem até ameaça de pedido de impeachment. O Partido Cidadania, presidido pelo pernambucano Roberto Freire, sinalizou, ontem, com uma ação nesse sentido, caso o chefe da Nação desautorize a compra de uma vacina que se comprove eficaz contra a covid-19.

A estratégia está sendo avaliada pela cúpula do partido e depende dos próximos passos do Governo. A discussão aumenta a pressão sobre Bolsonaro após ele ter desautorizado o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A compra de doses de um laboratório chinês produzidas com o Instituto Butantã, de São Paulo, havia sido anunciada pelo Ministério da Saúde na terça-feira. Bolsonaro, porém, ficou inconformado com o destaque recebido pelo governador João Doria (PSDB-SP) no episódio e avaliou que Pazuello se precipitou.

A nacionalidade e o domicílio eleitoral da vacina deram fôlego à ala ideológica do governo, que atacou a iniciativa tomada com aval dos militares. Se for comprovado que realmente a vacina pode imunizar a população do novo coronavírus, uma atitude de Bolsonaro para barrar o financiamento poderia ser enquadrada como crime de responsabilidade ou até mesmo crime comum, de acordo com o presidente do Cidadania, Roberto Freire.

Um processo de impeachment precisa passar pelo crivo do Congresso e, inicialmente, depende de uma decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que, até o momento, rejeita autorizar uma denúncia. "Crime de responsabilidade, durante ainda o curto mandato do presidente, tem a granel. Se essa vacina for atestada do ponto de vista científico como eficaz e ele tentar impedir, não é nem crime de responsabilidade, é crime comum para ser processado por atentado à saúde e à vida dos brasileiros", diz Freire.

Imbecilidade – "Discutir a coloração política da vacina é uma imbecilidade”, acrescentou. Freire ponderou que não vê ambiente político para impeachment no momento, apesar da posição de Bolsonaro. O presidente afirmou que “qualquer vacina, antes de ser oferecida, deverá ser comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela ANVISA”. A posição de confronto com Doria incomodou líderes do Congresso. "Impeachment é quando há crime de responsabilidade. Se ele tomar alguma atitude que caracterize, podemos considerar um pedido, embora não seja o que discutimos neste instante. A postura do presidente é altamente inaceitável", afirmou o líder do Cidadania na Câmara, Arnaldo Jardim (SP).

No protocolo – Na quarta-feira passada, a Rede Sustentabilidade protocolou ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar Bolsonaro a assinar protocolo de intenções para a aquisição de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech e em desenvolvimento no Instituto Butantã, em São Paulo. Na avaliação do partido, Bolsonaro agiu violando o direito à vida e à saúde, com o objetivo de "privar a população brasileira de uma possibilidade de prevenção da covid-19 por puro preconceito ideológico ou, até pior, por motivações estritamente políticas".

Gabinete do ódio – Acabou a temporada do “Bolsonaro paz e amor”. A guerra das vacinas devolveu à cena política o presidente Jair Bolsonaro como ele é, insuflado pelas redes sociais no estilo “quem manda sou eu”, que havia sido arquivado após investigações do Ministério Público, da Polícia Federal e do Supremo Tribunal Federal atingirem sua família e amigos. Agora, porém, no momento em que Bolsonaro vê a Procuradoria-Geral da República como sua aliada e consegue nomear pessoas de sua mais estrita confiança para o Supremo e o Tribunal de Contas da União (TCU), o “gabinete do ódio” voltou.

Cueca 1 – A República Federativa das Cuecas ganhou um novo episódio, ontem, em Brasília. O senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado pela Polícia Federal com dinheiro escondido nas vestes íntimas, agora terá que dividir seu protagonismo com um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que apareceu numa reunião virtual de trabalho da Corte apenas de camisa social, gravata e toga. Tudo corria bem em mais uma sessão do tribunal. Com suas togas, os ministros da 6ª Turma do STJ faziam considerações profundas do saber jurídico, em uma sessão transmitida via internet, para o pleno vigor de transparência ao público. Mas acabou transparecendo demais.

CURTAS

CUECA 2 – No meio da sessão, enquanto um de seus pares discorria sobre um julgamento, o ministro Néfi Cordeiro caminhou até a imagem de uma estante de livros, o que se tornou símbolo da ostentação acadêmica e cultural em tempos de pandemia. Na transmissão, os contornos da toga do ministro aparecem borrados não por uma edição, mas porque o aplicativo Zoom permite o uso de um plano de fundo virtual que, enquanto há movimento, faz a imagem ficar alterada. Com um celular nas mãos, escrevendo mensagens, Cordeiro esqueceu-se de prestar atenção no que dizia o colega de turma. Esqueceu-se, também, que havia deixado ligada a câmera de seu computador. Na tela, durante a discussão, o ministro brilhou de cuecas, com a sua toga até a cintura, como mostrou, ontem, os segundos divulgados pelo site jurídico Jota.

PESQUISA CARUARU – A pesquisa do Instituto Opinião em parceria com este blog sobre a sucessão em Caruaru somente será postada, hoje, exatamente, às 7h15, horário do primeiro jornal da Rádio Cultura do Nordeste, integrante da Rede Nordeste de Rádio, que retransmite o programa Frente a Frente. A emissora fechou a parceria para a divulgação. Portanto, estamos quebrando uma tradição de trazer o levantamento à meia noite, como habitualmente fazemos.

Perguntar não ofende: O Brasil virou a República das Cuecas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Esse é o marcos, a bicha nova o queima rosca de camaragibe dando Xilique.

marcos

Enquanto a carruagem passa os cães ladram e as bichas véias do Cabo dão Xilique.

Fernandes

Esse é o marcos, o queima rosca de camaragibe.

marcos

João Dória e Roberto Freire podem enfiar a Vacina no cu. Luis Inácio Corona da silva.

marcos

Bom dia povo de Deus, só lembrando que Lula o Carniça Ladrão saqueou a Petrobras, quebrou o Brasil, deixou 13 milhões de pessoas desempregadas e mandou matar Celso Daniel. Amém


Banco de Alimentos

22/10


2020

“Há empresas com mesma capacidade da Huawey”, diz Faria

Por Hylda Cavalcanti

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, surpreendeu setores diversos do mercado de telecomunicações ao afirmar hoje (22), em sentido contrário ao que tem sido noticiado, que o leilão para a implantação da tecnologia 5 G no Brasil envolve três empresas concorrentes e que a chinesa Huawey, tida como detentora dos principais equipamentos para a tecnologia, estaria em situação comparável à de outras empresas.

A declaração do ministro foi feita durante entrevista concedida em live para o Blog do Magno. Especialistas em tecnologia têm afirmado que caso a Huawey seja banida do leilão, o Brasil pode vir a ter um atraso de dois a até cinco anos na implantação do sistema 5G.

Uma reação negativa do Governo Federal para com a Huawey vem acontecendo em função dos pedidos do governo dos Estados Unidos para que o Brasil não aceite a empresa no país, como consequência da “guerra fria” que o presidente norte-americano Donald Trump trava com a China.Fábio Faria, entretanto, disse que o leilão de 5G está previsto para se realizar entre maio e junho de 2021 e que não tem visto problemas no caso. “Quem pode dar mais informações sobre isso é a Anatel, que está realizando estudos, mas posso afirmar que tudo será investigado e que, na hora certa, o presidente Bolsonaro tomará a melhor decisão sobre o leilão”, destacou.

Ao ser questionado, ainda, sobre a polêmica em torno das vacinas observada hoje no país – que tem como pano de fundo o mesmo motivo de rejeição, por parte de Jair Bolsonaro, a uma vacina desenvolvida por um laboratório chinês – o ministro desconversou. Ele contestou informações veiculadas hoje na mídia nacional de que o presidente não quer de forma alguma a versão chinesa da vacina, que está sendo elaborada em parceria com o Instituto Butantan, do governo de São Paulo.

“A questão toda se baseia no fato de que ninguém pode comprar nada que não tenha ainda uma comprovação. Quando a Anvisa autorizar, o presidente comprará a primeira vacina a ser autorizada. Fora isso, o que existe é barulho por parte da oposição”, argumentou.

Em relação ao setor de telecomunicações, Faria afirmou que considera relevante o serviço prestado hoje no país. “Tivemos um aumento significativo de serviços durante a pandemia, com as pessoas mais tempo em casa, e as teles suportaram bem esse aumento da demanda, conseguiram oferecer bem o serviço”, ressaltou.

Conforme acrescentou o ministro, apesar disso, 20% da população brasileira, ou 40 milhões de habitantes, ainda não possuem internet. “Suprir estas áreas não é um trabalho rápido, mas é o que tentaremos fazer. Temos avançado porque agora queremos chegar a localidades muito distantes da Região Norte, onde há dificuldade para implantar os cabos, mas estamos atuando bem nisso. Em seguida vamos focar o desenvolvimento do mesmo trabalho na região Nordeste e, depois, no Centro Oeste”.

Faria explicou que, dentro desse plano de expansão, a prioridade tem sido os municípios do interior dos estados que só possuem hoje tecnologia 3G, o que tem sido observado em cidades mais afastadas do Norte e, também, de várias localizadas nos estados nordestinos da Paraíba e do Rio Grande do Norte, por exemplo.

Segundo ele, a pasta que comanda fornecerá, também, em breve, um chip de smartfone para que as pessoas tenham rádio FM dentro do celular sem precisar pagar por um pacote de dados. “Queremos levar a internet para dentro das emissoras de rádio porque sabemos da importância desse sistema. Esse projeto está sendo desenvolvido em conjunto com a secretaria de Indústria e Comércio do Ministério da Economia”, informou.

O ministro não perdeu uma única oportunidade de, em meio à entrevista, tecer elogios ao seu chefe máximo. “Bolsonaro é o presidente mais comunicativo que já tivemos. Assiste os programas de rádio às 5h e já começa a demandar os ministros a partir do que ele ouve”, afirmou, para depois acrescentar mais informações sobre o presidente da República.

“Falam muito, mas não faltou dinheiro por parte do governo para o combate à covid nos estados. Este é um governo honesto, sem casos de corrupção. Tanto é assim, que o presidente não criou nada, está tocando obras e projetos iniciados nos governos anteriores com o maior empenho. E tem pedido muito aos ministros foco nos programas desenvolvidos no Nordeste. Em todas as reuniões o presidente joga duro e as pessoas estão percebendo que este é um governo diferente”.

No tocante ao relacionamento que possui com o Congresso, Fábio Faria fez questão de negar que seja uma espécie de apaziguador de confrontos entre o Legislativo e o Planalto, conforme tem sido divulgado entre parlamentares. E destacou que o bom relacionamento é fruto dos amigos que fez ao longo de três mandatos como deputado federal.

“É claro, isso ajuda na convivência com os parlamentares, mas não sou o articulador político do governo nem tenho essa missão. Quero dizer aqui que o governo tem hoje uma boa equipe de articulação e líderes empenhados e bem preparados para esse trabalho”, frisou.

 Sobre as medidas para desburocratizar o setor de outorgas de emissoras de rádio e TV ele jogou a bola para o Congresso, mesmo sendo o titular do Ministério das Comunicações.

“Quem dá as licenças é o Congresso e quem regula tudo é a Anatel. O que podemos fazer é trabalhar no Congresso para dar maior celeridade a esses processos e é isso que estou tentando fazer. Há algumas questões em que não temos como atuar muito, porque não podemos mudar a lei e essa é uma delas”, disse.

A privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) foi outro tema tratado na live. De acordo com o ministro, o projeto já saiu do ministério, está sendo avaliada pela secretaria de assuntos jurídicos da presidência da República e em breve seguirá para o Congresso Nacional.

“Teremos o ano que vem para apreciar a proposta nas duas casas legislativas. O governo quer privatizar os Correios para melhorar os serviços, fazer uma meritocracia com os funcionários e oferecer um atendimento que seja referência na América Latina, porque as pessoas hoje reclamam muito dos Correios”.

Ele criticou a greve dos servidores da estatal, encerrada recentemente. Afirmou que no período da paralisação “muita gente precisava receber vários produtos em casa durante a pandemia”. “Fatos como esse não podem acontecer. A greve não ajudou em nada a estatal e nem foi vista como um papel correto dos servidores, já que se trata de uma empresa pública”, acrescentou. Faria ainda confirmou que a pasta que comanda também realiza estudos para a privatização da Telebras, que ainda é objeto de uma consultoria.

Segundo contou, ele não tem interesse em ser governador do Rio Grande do Norte, seu estado. “Não estou pensando em ser candidato à reeleição nem mesmo como deputado federal. São 16 anos que tenho de atuação no Congresso, acho que já é um período mais do que suficiente. Pode ser que eu continue na política, mas minha motivação hoje é continuar onde estou”, enfatizou.

Ao ser questionado sobre o sogro, Sílvio Santos, Faria negou que tenha sido convidado para o cargo por conta da influência do empresário. “Ele (Sílvio) soube que eu seria ministro às 23h30 do dia do anúncio, não teve qualquer interferência nisso, nem ele nem meus pais. Só contei depois que saiu a notícia”.

O ministro admitiu que embora não peça diretamente conselhos ao empresário, sempre tem se aconselhado a partir das conversas que tem com Sílvio. “Não é que eu peça conselhos a ele, mas aprendo muito com sua sabedoria. Estou sempre aprendendo, é uma pessoa impressionante e poder desfrutar de sua sabedoria em conversas é sempre um privilégio. Trata-se do maior comunicador do país, um homem de 89 anos e 65 anos de televisão, sem falar que é um grande torcedor do Brasil”, destacou.

Perguntado também sobre a concessão da TV Globo, Fábio Faria afirmou que o assunto será tratado de forma técnica, dentro da lei. “Se estiver tudo correto a concessão vai ser renovada sim, porque o caso não consiste em um ato político”.

Já sobre as constantes brigas entre o presidente e a emissora, ele tentou sair pela tangente. “Acho que cada um age de acordo com o que acredita. A Globo cumpre o papel que acha que deve cumprir e o presidente também. O que falta na mídia é notícia positiva sobre o Brasil. Precisamos de alegria e de esperança no noticiário. Quanto às críticas do presidente Bolsonaro à emissora, sabemos que nosso presidente joga duro mesmo. Ele ganhou a eleição assim, está cumprindo o que disse na campanha".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2020

O camaleão de Ipojuca

Em 2016, quando acabou derrotado ao disputar a reeleição em Ipojuca, o ex-prefeito Carlos Santana fazia parte do PSDB, que liderou o processo de derrubada da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O antipetismo falava mais alto no seu coração e entre os demais tucanos.

Menos de quatro anos depois, Santana integra os quadros do PSB, em nova tentativa de chegar à Prefeitura ipojucana, e a raiva que tinha do Partido dos Trabalhadores parece que passou, já que apareceu no domingo passado vestindo a camisa da legenda liderada por Lula.

É ou não é um camaleão?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2020

Ibope em João Pessoa: Cícero 21%; Nilvan 15%; Ricardo 10% e Wallber 10%

Pesquisa Ibope divulgada pela TV Cabo Branco hoje aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para a Prefeitura de João Pessoa nas Eleições 2020:

  • Cícero Lucena (PP): 21%
  • Nilvan Ferreira (MDB): 15%
  • Ricardo Coutinho (PSB): 10%
  • Wallber Virgolino (PATRIOTA): 10%
  • Ruy Carneiro (PSDB): 9%
  • Edilma Freire (PV): 9%
  • João Almeida (SOLIDARIEDADE): 3%
  • Raoni (DEM): 1%
  • Anísio Maia (PT): 1%
  • Branco/Nulo: 13%
  • Não sabe/Não respondeu: 7%

Ítalo Guedes (PSOL) e Rama Dantas (PSTU) tiveram menos de 1%. Camilo Duarte (PCO), Carlos Monteiro (REDE) e Rafael Freire (UP) não foram citados.

Evolução

Em relação ao levantamento anterior do Ibope, de 5 de outubro:

  • Cícero Lucena foi de 18% para 21%;
  • Nilvan Ferreira se manteve com 15%;
  • Ricardo Coutinho foi de 12% para 10%;
  • Wallber Virgolino se manteve com 10%;
  • Ruy Carneiro foi de 7% para 9%;
  • Edilma Freire foi de 5% para 9%;
  • João Almeida foi de 1% para 3%
  • Raoni foi de 2% para 1%;
  • Anísio Maia se manteve com 1%;
  • Ítalo Guedes (PSOL) não estava na primeira pesquisa e foi para 0%
  • Rama Dantas (PSTU) não foi citada na primeira pesquisa e foi para 0%.
  • Brancos e nulos foram de 20% para 13%;
  • Indecisos foram de 8% para 7%.

Rejeição

A pesquisa também perguntou em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum. Os percentuais foram os seguintes:

  • Ricardo Coutinho (PSB): 53%
  • Cícero Lucena (PP): 30%
  • Ruy Carneiro (PSDB): 17%
  • Nilvan Ferreira (MDB): 17%
  • Wallber Virgolino (PATRIOTA): 16%
  • Anísio Maia (PT): 15%
  • Edilma Freire (PV): 13%
  • João Almeida (SOLIDARIEDADE): 13%
  • Raoni (DEM): 12%
  • Rafael Freire (UP): 11%
  • Rama Dantas (PSTU): 11%
  • Carlos Monteiro (REDE): 10%
  • Camilo Duarte (PCO): 8%
  • Ítalo Guedes (PSOL): 8%
  • Poderiam votar em todos: 1%
  • Não sabem ou preferem não opinar: 11%

Os entrevistados podiam apontar mais de uma resposta, por isso a soma dos fatores apontados é de mais de 100%.

A pesquisa foi encomendada pela TV Cabo Branco.

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 4 pontos percentuais para mais ou para menos

Quem foi ouvido: 602 eleitores da cidade de João Pessoa

Quando a pesquisa foi feita: 20 a 22 de outubro

Número de identificação na Justiça Eleitoral: PB-08581/2020.

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2020

Ibope em Aracaju: Edvaldo 34% e Delegada Danielle 19%

Pesquisa Ibope divulgada pela TV Sergipe hoje aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para a Prefeitura Aracaju nas Eleições 2020:

  • Edvaldo (PDT): 34 %
  • Delegada Danielle (Cidadania): 19 %
  • Rodrigo Valadares (PTB): 10%
  • Márcio Macêdo (PT): 6 %
  • Georlize (DEM): 4%
  • Lúcio Flávio (Avante): 2%
  • Alexis Pedrão (PSOL): 2%
  • Almeida Lima (PRTB): 1%
  • Delegado Paulo Márcio (DC): 0%
  • Gilvaní Santos (PSTU): 0%
  • Juraci Nunes (PMB): 0 %
  • Branco/ Nulo: 15%
  • Não sabe/ Não respondeu: 6%

Evolução

Em relação ao levantamento anterior do Ibope, de 9 de outubro:

  • Edvaldo foi de 32% para 34%
  • Delegada Danielle foi de 21% para 19%
  • Rodrigo Valadares foi de 6% para 10%
  • Márcio Macêdo foi de 5% para 6%
  • Georlize foi de 3% para 4%
  • Lúcio Flávio foi de 3% para 2%
  • Alexis Pedrão foi de 2% para 2%
  • Almeida Lima foi de 3% para 1%
  • Delegado Paulo Márcio foi de 1% para 0%
  • Gilvaní Santos manteve 0%
  • Juraci Nunes foi de não citado pelos entrevistados para 0%
  • Branco/Nulo foi de 18% para 15%
  • Não sabem ou não responderam manteve 6%

Rejeição

A pesquisa também perguntou em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum. Os percentuais foram os seguintes:

  • Almeida Lima (PRTB): 47%
  • Rodrigo Valadares (PTB): 31%
  • Edvaldo (PDT): 28%
  • Delegada Danielle (Cidadania): 25%
  • Márcio Macêdo (PT): 22%
  • Lúcio Flávio (Avante): 14%
  • Delegado Paulo Márcio (DC): 13%
  • Alexis Pedrão (PSOL): 12%
  • Georlize (DEM): 11%
  • Gilvaní Santos (PSTU): 11%
  • Juraci Nunes (PMB): 11%
  • Poderiam votar em todos: 1%
  • Não sabem ou preferem não opinar: 10%

Os entrevistados podiam apontar mais de uma resposta, por isso a soma dos fatores apontados é de mais de 100%.

Simulações de segundo turno

O Ibope também questionou, caso haja segundo turno entre Edvaldo e Danielle Garcia, em quem os eleitores votariam:

  • Edvaldo 47% X 34% Danielle Garcia (branco/nulo: 14%; não sabe: 5%)

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 4 pontos percentuais para mais ou para menos

Quem foi ouvido: 504 eleitores da cidade de Aracaju

Quando a pesquisa foi feita: 20 a 21 de outubro

A pesquisa foi encomendada pela TV Sergipe

Número de identificação na Justiça Eleitoral: SE-08376/2020

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2020

Pesquisa IBOPE/GLOBO/XT de Olinda tem nova derrota

Hoje, o juiz da 1ª Zona Eleitoral de Pernambuco indeferiu a petição inicial de habeas corpus impetrado pelo senhor Helber Cláudio da Silva, tendo como alvo a empresa XT CONSULTORIA E PESQUISA LTDA., no qual se sustentou que no dia 20/10/2020 a candidata do PT à Prefeitura do Recife, Marília Arraes, promoveu fake news ao aduzir que a referida empresa teria realizado pesquisa de campo pelo IBOPE (pesquisa eleitoral nº 09685/2020).

O impetrante requereu a retirada das notícias das redes sociais e deste Blog e, no mérito, quis determinar que Marília Arraes sofresse limitações quanto às alegações de que a empresa XT teria sido contratada pela IBOPE para realização de pesquisa no Recife.

O juiz Eleitoral assentou que a impetração seria descabida porque pessoa jurídica não pode figurar como paciente em habeas corpus, além de que manejou-se inadequadamente o HC para demandar tutela jurisdicional que nada tem a ver com liberdade de o cidadão ir vir ou permanecer. A verdade é que a pesquisa já perdeu sua credibilidade na justiça e na sociedade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2020

Pesquisa de Caruaru só amanhã com a Cultura

Ao invés de ser postada à meia noite, horário habitual deste blog, a pesquisa de intenção de voto para prefeito de Caruaru, do Instituto Opinião, somente será divulgada amanhã, logo cedo, de 7h15, aproveitando a audiência do programa noticioso da Cultura, parceira do levantamento. A expectativa faz parte do prazer.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/10


2020

Datafolha no RJ: Paes 28%; Crivella 13%; Martha 13% e Benedita 10%

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (22) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para a Prefeitura do Rio de Janeiro nas Eleições 2020:

  • Eduardo Paes (DEM): 28%
  • Crivella (Republicanos): 13%
  • Martha Rocha (PDT): 13%
  • Benedita da Silva (PT): 10%
  • Renata Souza (PSOL): 5%
  • Luiz Lima (PSL): 4%
  • Bandeira de Mello (Rede): 3%
  • Cyro Garcia (PSTU): 1%
  • Clarissa Garotinho (Pros): 1%
  • Fred Luz (Novo): 1%
  • Glória Heloiza (PSC): 1%
  • Nenhum/branco/nulo: 17%
  • Não sabe/Não respondeu: 3%

Paulo Messina (MDB), Suêd Haidar (PMB) tiveram menos de 1%, e Henrique Simonard (PCO) não foi citado.

Em relação ao levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 8 de outubro:

  • Eduardo Paes foi de 30% para 28%
  • Crivella foi de 14% para 13%
  • Martha Rocha foi de 10% para 13%
  • Benedita da Silva foi de 8% para 10%
  • Renata Souza foi de 3% para 5%
  • Luiz Lima foi de 1% para 4%
  • Bandeira de Mello se manteve com 3%
  • Cyro Garcia foi de 2% para 1%
  • Clarissa Garotinho se manteve com 1%
  • Fred Luz se manteve com 1%
  • Glória Heloiza foi de 0% para 1%
  • Paulo Messina foi de 1% para 0%
  • Suêd Haidar se manteve com 0%

Henrique Simonard tinha 0% e não foi citado na segunda pesquisa

Os indecisos se mantiveram em 3%, e os brancos ou nulos foram de 22% para 17%

Simulações de segundo turno

O Datafolha também simulou três cenários de segundo turno. Veja os números:

 

  • Eduardo Paes 52% x 22% Crivella (branco/nulo: 25%; não sabe: 2%)
  • Martha Rocha 45% x 41% Eduardo Paes (branco/nulo: 13%; não sabe: 1%)
  • Eduardo Paes 48% x 30% Benedita da Silva (branco/nulo: 21%; não sabe: 1%)

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos

Quem foi ouvido: 1.008 eleitores da cidade do Rio de Janeiro

Quando a pesquisa foi feita: 20 e 21 de outubro

Número de identificação na Justiça Eleitoral: RJ-08627/2020

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha