FMO janeiro 2020

10/04


2020

Saúde: Brasil tem 127 mil casos à espera de testes

Estadão Conteúdo

O secretário de vigilância do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, aformou ontem, que o País tem registros de 127 mil casos que esperam exames para averiguar possível contaminação pelo novo coronavírus. Apesar do volume, segundo ele, há disponibilidade suficiente de testes para esta e para a próxima semana.

São pacientes com quadro de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Entre eles podem haver contaminados pelo vírus da covid-19 ou por outros vírus respiratórios.

“Estamos nesta semana distribuindo 320 mil testes. Temos 127 mil casos registrados no nosso sistema para realizar a investigação laboratorial. Então, para esta semana e para a próxima, temos uma folga importante”, afirmou.

Ao todo, até o dia 7 de abril, foram realizados 153.961 testes em pacientes com SRAG para identificar tanto covid-19 quanto influenza e outros vírus respiratórios. Desse total, 62.985 foram específicos para covid-19, com 13,7 mil resultados positivos, segundo dados do Ministério da Saúde.

A previsão da pasta é a de que o Brasil alcance 100 mil casos confirmados de covid-19 nas próximas duas semanas. Os dados atualizados até esta quinta mostram 17.857 pessoas infectadas e 941 mortes.

A ordem do ministério é para que sejam submetidos a testes apenas pessoas internadas com SRAG ou que estão nas chamadas unidades sentinelas da rede de saúde.

“É fundamental que esses recursos sejam bem administrados pelas secretarias estaduais. Não é para testar casos de SRAG que não sejam internados ou não sejam por meio da vigilância sentinela. Se acabar o teste, não temos como suprir imediatamente”, disse o secretário.

Esse critério de aplicação de testes é a explicação do ministério para os 5,3% de taxa de letalidade do novo vírus no Brasil. Como apenas os casos mais graves são submetidos à investigação mais detalhada, a tendência é que taxa seja superior a de países que ampliam os exames para pacientes com sintomas leves.

“Com esse critério, a tendência é que a letalidade continue nesse patamar de 4% ou 5%. É o comportamento de quase todos os países que têm essa maneira de fazer testagem. Naqueles que testam em massa, também os casos leves, claro que a letalidade têm tendência a cair”, afirmou João Gabbardo, secretário-executivo do ministério.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima

10/04


2020

Bolsonaro vai recorrer de decisão sobre isolamento

Por Estadão Conteúdo

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira, dia 9, que o governo federal vai recorrer da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes que confirmou que Estados e municípios têm autonomia para adotar medidas de isolamento social em meio à pandemia do novo coronavírus.

"Tá na tela aqui na frente a decisão de um ministro do Supremo Tribunal Federal. Tem até um lado positivo - a gente vai recorrer, mas tem um lado positivo. Dizendo claramente que quem é o responsável por ações como imposição de ações como distanciamento e isolamento social, quarentena, suspensão de atividades - você que está sem trabalhar, né - bem como aulas, restrições de comércio, atividades culturais, e a circulação de pessoas. Quem decide isso é o respectivo governador ou prefeito", afirmou Bolsonaro durante a live desta quinta.

Na noite de quarta, Moraes decidiu que Estados e municípios podem omar medidas de distanciamento social independentemente de ordens contrárias do governo federal. A decisão representa uma derrota para o presidente, que defende o que ele chama de "isolamento vertical", em que apenas as pessoas que pertencem a grupos de risco da covid-16 evitam sair de casa.

A defesa do presidente pela retomada das atividades virou um ponto de atrito entre o mandatário e diversas outras autoridades, inclusive chefes de Estados e prefeituras, além do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

"Então a responsabilidade - se você tem algum problema no teu Estado, acha que a quarentena, as medidas tomadas pelo seu Estado estão te prejudicando - o fórum adequado para você reclamar é o respectivo governador, respectivo prefeito", comentou Bolsonaro durante a live. Na visão do mandatário, as autoridades deveriam evitar travar a economia.

A decisão do ministro do STF não afastou a possibilidade do governo federal também adotar medidas restritivas, apenas afirmou que o Planalto não tem o poder de derrubar as restrições impostas pelo Estado ou pelo município.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

10/04


2020

Eduardo quer fazer carreata na rua em meio à pandemia

Por Revista Forum

O deputado federal Eduardo Bolsonaro disse ontem, que “o sistema” utiliza a pandemia de coronavírus para “desestabilizar” seu pai, o presidente Jair Bolsonaro.

Em vídeo compartilhado no Twitter, Eduardo culpa a imprensa por “fala exclusivamente da questão da pandemia” e os governadores. Segundo ele, são “autoritários” que se valem da pandemia para proibir manifestações, novamente falando contra as medidas de isolamento, recomendadas por especialistas para conter a transmissão do vírus.

“Esse pessoal, que até ontem tinha dificuldade de transitar nas ruas devida a sua baixíssima moral, hoje estão se sentindo confortáveis de botar as asinhas de fora e dizer o que você e eu devemos fazer”, disse Eduardo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

10/04


2020

Brasil: 957 mortes e mais de 18 mil casos de Covid-19

Por G1 - PE

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 22h00 de ontem, 18.176 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 957 mortes pela Covid-19.

O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de quinta, aponta 17.857 casos confirmados e 941 mortes.

São Paulo continua com o maior número de casos confirmados e de mortes. Foram registrados 7.480 casos e 496 fatalidades. O Rio de Janeiro tem 2.216 casos e 122 mortes. O Ceará conta 1.445 infectados e 57 mortes.

O número de casos confirmados em Minas Gerais subiu para 655; há 15 mortes no estado. No Maranhão, a quantidade de infectados subiu para 292 e a de mortes, para 13. No Amazonas, são 899 casos e 40 mortes. Na Bahia, o número de casos chegou a 559 e foram registradas 19 mortes. O Ceará registra 1.425 infectados e 55 mortos, Goiás tem 179 casos e o Paraná chegou a 23 mortos.

Durante a manhã, o Pará confirmou a 7ª morte, o Espírito Santo confirmou a 7ª morte, Rondônia confirmou a 2ª morte e o Rio Grande do Sul confirmou a 13ª morte. Em todos os estados, as vítimas foram pessoas com mais de 60 anos e doenças crônicas preexistentes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


10/04


2020

Justiça quer explicações do governo de PE sobre EPIs

Por G1 PE

Uma ação civil pública do Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (Coren/PE) solicitou o fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual à categoria e o afastamento de profissionais que façam parte dos grupos de risco do novo coronavírus. Diante disso, a Justiça Federal de Pernambuco deu um prazo de 72 horas, a partir da quarta (8), para que o governo de Pernambuco se pronuncie sobre as solicitações.

Entre os pedidos do Coren/PE estão o fornecimento de equipamentos como máscara de proteção respiratória e gorro ou touca para os profissionais que realizam procedimentos como aspiração traqueal, ventilação mecânica e ventilação manual. O Conselho também pede a distribuição de óculos ou protetor facial, avental ou capote e luvas.

Além do uso de EPIs, o Conselho também pede o afastamento de profissionais de enfermagem com 60 anos ou mais, gestantes, portadores de doença respiratória, cardíaca ou renal crônicas, portadores de tuberculose, hanseníase e outras doenças infecciosas crônicas, além de transplantados e portadores de outras doenças que possam representar risco durante a pandemia.

Os pedidos foram feitos a partir de denúncias de profissionais de enfermagem sobre a falta de EPIs e do não afastamento de profissionais dos grupos de risco.

Por meio de nota, o governo de Pernambuco informou que tem reforçado o envio de EPIs para 52 unidades da rede estadual. Na primeira semana de abril, 1,2 milhão de itens foram encaminhados a hospitais e postos de saúde. Os lotes entregues têm água sanitária, álcool em gel, capotes, gorros, sapatilhas, luvas, óculos cirúrgicos e máscaras.

O governo informou, ainda, ter feito a compra de 1 milhão de máscaras N95, de uso exclusivo de profissionais de saúde. Ao todo, 150 mil foram entregues pelos fornecedores. Na quarta (8), o poder executivo também anunciou um conjunto de ações para reforçar a produção de máscaras e outros EPIs pelo Polo de Confecções do Agreste.

Nesta quinta-feira (9), em entrevista coletiva, o secretário estadual de saúde, André Longo, afirmou que o governo se pronunciará no tempo determinado pela Justiça, mas ressaltou os cuidados adotados pelo poder público com os profissionais de saúde.

"Fomos a primeira secretaria a pensar no afastamento dos profissionais, a ter um normativo adequado para o afastamento profissional, para a testagem. Reforço nosso compromisso com a testagem, com o afastamento no momento certo, com o retorno deles também no momento certo, para que a gente possa garantir a força de trabalho neste enfrentamento à Covid-19", declarou.

Óbitos de técnicas de enfermagem

Duas técnicas de enfermagem que atuavam no Hospital Getúlio Vargas (HGV), na Zona Oeste do Recife, tiveram confirmação da Covid-19 e faleceram no sábado (4) e no domingo (5). De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, uma das mulheres estava de férias e outra não atuava diretamente no tratamento de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

10/04


2020

Quem dá os R$ 600 é o governo federal e não os governadores

Por Lauro Jardim

Jair Bolsonaro resolveu levar sua guerra particular contra os governadores e prefeitos às campanhas institucionais do governo.

Para promover o "coronavoucher", lançou em suas redes sociais uma campanha de ataque direto:

— Atenção: O auxílio emergencial de R$ 600 por pessoa não é de prefeituras nem governos estaduais. O auxílio emergencial é fornecido pelo governo federal para a população.

A campanha da Secom tem ao menos dois problemas.

Primeiro, parte do dinheiro de fato vem de impostos federais, mas outra parte é de impostos repassados por estados e municípios à União.

E, em segundo lugar, é evidente que não cabe este tipo de distinção numa campanha de comunicação pública.

É muita vontade de viver em estado de guerra permenanente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

10/04


2020

Bolsonaro volta a passear pelo comércio

Por Deutsche Welle

Crítico do isolamento social, presidente tirou fotos com funcionários de uma padaria de Brasília e provocou aglomeração no local. Visita ocorre no mesmo dia em que número de mortes por covid-19 no país chegou a 941.Jair Bolsonaro voltou a passear pelo comércio do Distrito Federal nesta quinta-feira (09/04). Sem usar máscara, o presidente visitou uma padaria de Brasília e tirou fotos com apoiadores. A presença de Bolsonaro provocou aglomerações no local.

Um dos filhos do presidente, o deputado Eduardo, publicou no Twitter um vídeo da visita. Nele, o presidente aparece tocando em funcionários da padaria enquanto posa para fotos. Ele também abraçou apoiadores. Quase nenhuma das pessoas que apareceu no vídeo, incluindo membros da comitiva de Bolsonaro, seguiu a recomendação do Ministério da Saúde de manter distância de pelo menos um metro uma da outra.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, também aparece nas imagens.

O passeio ocorre no mesmo dia em que o Brasil voltou a registrar pela terceira vez consecutiva mais de cem mortos por coronavírus num mesmo dia. O total de vítimas da doença no país já chega 941.

Ao voltar para o Palácio da Alvorada, Bolsonaro falou com apoiadores sobre o passeio, segundo o jornal O Globo.

"Parei em uma padaria agora para tomar uma coca-cola. Você sabe o que é para mim atividade essencial? Toda aquela que é necessária para você levar um pão para a tua filha", disse.

Padarias de Brasília estão autorizadas a abrir as portas durante a pandemia, segundo decreto do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Mas o funcionamento está autorizado apenas para a venda de produtos, não para o consumo no local. O governo local também recomenda que as pessoas nesses estabelecimentos mantenham distância de dois metros de outros indivíduos.

Essa não é a primeira vez que o presidente escancara com um passeio sua oposição a medidas de distanciamento social que vêm sendo adotadas pelo mundo e que são recomendadas pelo seu próprio Ministério da Saúde.

No dia de 29 de março, Bolsonaro já havia feito um giro parecido pelo comércio do Distrito Federal, um dia após o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, recomendar que a população ficasse em casa. Nesta ocasião, Bolsonaro publicou vídeos do passeio no Twitter, mas eles acabaram sendo excluídos pela rede social por violarem as regras da rede sobre a divulgação de informações que possam colocar as pessoas em risco durante a pandemia.

Duas semanas antes desse passeio, ele também foi pessoalmente cumprimentar em Brasília centenas de pessoas que tomaram parte em uma manifestação de caráter anticonstitucional para pedir o fechamento do Congresso.

Nas últimas semanas, Bolsonaro tem aumentado o volume de críticas a medidas que possam restringir a circulação de pessoas ou a abertura do comércio, afirmando que o país precisa "voltar à normalidade" para não prejudicar a economia. Ele também já minimizou a pandemia como "uma gripezinha" e "resfriadinho". O presidente chegou a afirmar friamente que "alguns vão morrer", mas que não se pode "parar uma fábrica de automóveis porque tem mortes no trânsito".

Bolsonaro defende apenas a adoção de uma quarentena parcial, com isolamento de grupos de risco, como idosos.

A ideia, no entanto, vai na contramão da maioria dos países que vem sendo severamente atingidos pela pandemia, que aplicaram mecanismos rígidos para desestimular a circulação de pessoas e aglomerações. No caso da Alemanha, o passeio que Bolsonaro realizou, por exemplo, seria punido com multa. O país europeu proibiu aglomerações de mais de duas pessoas. No comércio alemão, a ordem é manter distância de pelo um metro e meio de outras pessoas. Quem não cumprir a determinação pode ser multado em 200 euros (1.100 reais).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

09/04


2020

Bolsonaro orienta doentes a trocar de médico

Por Revista Forum

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso indiscriminado da cloroquina para casos de coronavírus nesta quinta-feira (9) e chegou a recomendar que as pessoas troquem de médico, caso não recebam o tratamento que gostariam.

“É uma oportunidade. Você pergunta para qualquer um. Você está infectado. Você tomaria? Claro que tomaria. A minha mãe está com 93 anos, está na cara que ela vai tomar, democraticamente vai tomar. Vai consultar o médico, claro. E com toda certeza o médico vai ser favorável. Eu tenho certeza disso”, disse Bolsonaro, em live no Facebook.

‌E se não for? O presidente, com ironia, encaminha a solução… “O médico não abandona o paciente, mas o paciente troca de médico. Se ele receita algo que você sabe que não vai dar certo? Você tem todo o direito de trocar de médico”, afirmou Bolsonaro.

Como um propagandista farmacêutico, o presidente exibiu várias vezes uma caixa do remédio a base da substância e voltou a prometer fabricação no país com matéria-prima importada da Índia, acordo anunciado no pronunciamento de ontem. O uso da cloroquina para combater o coronavírus e tratar a covid-19 não é consenso na comunidade científica. Ainda faltam estudos robustos que comprovem e a sua eficácia e também sobre os seus efeitos colaterais.

Bolsonaro também citou novamente o cardilogista Roberto Kalil, que afirmou ter usado cloroquina para se tratar da covid-19 e aproveitou para atacar outra vez o infectologista David Uip e o governador João Doria.

“Kalil, confessou né, confirmou que utilizou, diferente daquele outro colega, que é ligado ao governador lá. Esse politizou o problema”, disse o presidente.

Na abertura da live, Jair Bolsonaro aproveitou para assumir o crédito pelas medidas de auxílio aprovadas pelo Congresso e para criticar mais uma vez as medidas de isolamento, recomendadas por especialistas para conter a transmissão do coronavírus e não sobrecarregar o sistema de saúde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

09/04


2020

CNI e sindicatos podem acompanhar ação no STF

Por Estadão Conteúdo

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta quinta-feira, 9, autorizar que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e centrais sindicais - CUT, UGT, CTB, Força Sindical, CSB, NCST - acompanhem na condição de "amigo da Corte" uma ação que contesta medida do governo que autoriza a redução da jornada de trabalho e salário durante a pandemia do novo coronavírus.

Ao acompanhar a ação na condição de "amigo da Corte", a CNI e as centrais poderão apresentar informações para subsidiar os votos dos ministros e fazerem manifestações durante o julgamento, marcado para 16 de abril.

"A admissão de amici curiae configura circunstância de fundamental importância, porém de caráter excepcional, e que pressupõe, além do atendimento de determinados requisitos, a demonstração da necessidade das contribuições apresentadas. Nesse sentido, cabe ao relator a análise do binômio relevância - representatividade, juntamente com a avaliação dos benefícios potencialmente auferíveis dessa participação, bem como a delimitação de seus poderes", observou Lewandowski em sua decisão.

Na sessão do STF de 16 de abril, que ocorrerá por videoconferência, os magistrados vão decidir se mantêm ou não a liminar concedida por Lewandowski, que frustrou as pretensões do governo ao incluir uma nova etapa burocrática para que os acordos sejam válidos. A expectativa de integrantes do STF ouvidos pela reportagem é a de que a liminar de Lewandowski seja revista pelo plenário.

Na última segunda, 6, Lewandowski determinou que os acordos de redução de salário e jornada de funcionários de empresas privadas apenas terão validade após a manifestação de sindicatos. A medida faz parte do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda para evitar que as empresas demitam durante o período da crise provocada pelo novo coronavírus. Se os sindicatos não se manifestarem, o acordo fica valendo.

As centrais sindicais alegam ao STF que, sob a justificativa de estado de calamidade, "a medida limita-se à restrição de direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras, com o aprofundamento da precarização de sua condição socioeconômica, sem qualquer diálogo com os sujeitos políticos que lhe dão voz".

Bastidores

Conforme informou o Estadão/Broadcast, em busca de maior agilidade nos acordos com trabalhadores, entidades empresariais estudam pedir ao STF a suspensão da liminar que instituiu necessidade de aval prévio de sindicatos em negociações individuais de redução de jornada e salário ou suspensão de contrato. Os sindicatos, por sua vez, tentam sair na frente e costuram acordos "guarda-chuva", uma espécie de aval antecipado a negociações diretas entre empresas e empregados, com garantias mínimas que vão além das previstas na medida do governo.

As próprias entidades que representam os trabalhadores veem risco de a decisão judicial ser derrubada a pedido dos empresários ou do governo. Por isso, a tentativa é estabelecer salvaguardas mínimas para os empregados e, ao mesmo tempo, dar agilidade às negociações.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Dois milhões e meio recebem 1ª parcela do auxílio

Por Jornal Nacional

A Caixa e o Banco do Brasil começaram a pagar nesta quinta-feira (9), o socorro de R$ 600 aos trabalhadores informais. Mais uma vez, muita gente passou o dia tentando regularizar o CPF para conseguir receber o auxílio.

Brasília amanheceu com muita gente na porta da Receita Federal. Em Curitiba, a fila dobrava o quarteirão. Centenas de pessoas, juntas, na fila. Em Fortaleza, os seguranças até tentaram distanciar as pessoas, mas a multidão ignorou o cuidado.

Em uma agência da Receita, na Zona Oeste do Rio, a fila dava volta. Já é o segundo dia de aglomeração. Centenas de pessoas tentando regularizar o CPF.

“Eu sou uma vendedora de café, vivo do meu café e, infelizmente, estou há 20 dias sem ganhar um real”, lamentou a autônoma Miria Cristina Andrade.

Mas não precisa sair de casa para regularizar ou fazer o CPF: pode ser pela internet, no site da Receita Federal. A Receita promete regularizar, até esta sexta (10), os CPFs com pendência eleitoral. Isso para efeito do pagamento do auxílio emergencial.

Nesse primeiro dia de pagamento do benefício, para quem já estava no Cadastro Único e tinha conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa, teve gente que correu para o banco.

Em Belém, as agências da Caixa Econômica ficaram cheias. Era gente querendo sacar o dinheiro ou em busca de informação. A Caixa alerta que não há necessidade disso. Para evitar aglomeração, o ideal é fazer tudo pela internet, como pagamentos e transferências.

Os depósitos são automáticos; 2,5 milhões de beneficiários já estão com o dinheiro na conta, tudo pago hoje: R$ 1,5 bilhão.

“As pessoas não precisam ter pressa. Esta é a parte das pessoas que fazem parte do Cadastro Único fora do Bolsa Família. Na terça-feira, teremos mais 3,5 milhões de brasileiros que receberão via conta digital, de poupança digital. Então temos ao redor de 6 milhões de brasileiros que serão beneficiados hoje e terça-feira”, explicou Pedro Guimarães, presidente da Caixa.

Samanta Leite é autônoma, sem carteira assinada, vende roupas. O benefício já caiu na conta dela. “Eu recebi o meu auxílio emergencial hoje, caiu na minha conta da Caixa, sou correntista da Caixa. Então hoje, pela manhã, quando eu abri meu aplicativo, o dinheiro já estava lá. Fiquei muito feliz, acredito que todas as pessoas que receberam e que vão receber também ficam, estejam, muito feliz, porque é um dinheiro que vai ser bem-vindo”, contou.

A Caixa explicou que ficaram de fora desta leva de quinta (9) mulheres sem companheiro, que são chefes de família, cuidam dos filhos sozinhas. São as que têm direito ao benefício dobrado, R$ 1.200. Elas só receberão na próxima segunda-feira (13), dia 13. Na terça, dia 14, será a vez dos três milhões de beneficiários, sem conta em banco. Serão abertas poupanças digitais para que eles recebam o benefício.

Quase 30 milhões de pessoas já conseguiram se cadastrar, só aguardam o ok da Dataprev, que está analisando as informações. Já foram mais de 270 milhões de acessos à página da internet "auxílio emergencial", e mais de 28 milhões de pessoas já baixaram o aplicativo.

O governo calcula que o auxílio emergencial deverá beneficiar até 54 milhões de pessoas. Assim que os recém cadastrados forem confirmados, eles vão receber a primeira parcela. A segunda parcela do auxílio será paga de 27 a 30 de abril, de acordo com o mês de aniversário do beneficiário. A terceira e última parcela seguirá o mesmo critério e vai ser paga de 26 a 29 de maio .

Nada muda no calendário de quem for do Bolsa Família. Vai receber o auxílio emergencial com o mesmo cartão e sempre na segunda quinzena do mês, agora em abril, em maio e em junho.

Na página da Receita, é possível tirar a primeira via do CPF, atualizar e regularizar a situação do documento.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

PE tem 6 mil testes para diagnosticar Covid-19

Por G1 - PE

Pernambuco tem, de acordo com o secretário estadual de Saúde, André Longo, 6 mil testes para diagnóstico do novo coronavírus para realizar nos próximos dias. Em entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira (9), o secretário afirmou que, destes, 2 mil foram desenvolvidos pelo Instituto Aggeu Magalhães, da Fiocruz-PE, e 4 mil foram enviados pela matriz da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

"Chegaram mais 4 mil kits da Fiocruz do Rio de Janeiro. Pernambuco, hoje, tem o desenvolvimento, pelo instituto Aggeu Magalhães, de mais 2 mil testes. Pernambuco hoje tem algo em torno de 6 mil testes que poderão ser feitos ao longo dos próximos dias, ampliando a nossa capacidade de testagem", afirmou o secretário.

O número é superior à quantidade de testes feitos até o momento. Segundo André Longo, nos últimos 25 dias, o Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE) fez 2.740 exames do novo coronavírus.

"Obviamente que não só o Lacen que fez testes. Existiram testagens também por laboratórios privados, enquanto eles tinham insumos. O Lacen tem procurado compilar todos esses dados", declarou.

Ainda de acordo com o secretário estadual de Saúde, o número crescente de testes positivos mostra que a epidemia está acelerando.

"É fato que nos testes que têm sido feito, nós temos observado uma ampliação no percentual de positivos, o que mostra que a gente está no processo de aceleração da curva epidêmica", afirmou.

Taxa de ocupação dos leitos de UTI no Recife

O secretário de saúde do Recife, Jailson Correia, também participou da coletiva nesta quinta-feira (9) e falou, entre outros assuntos, da taxa de ocupação dos 31 leitos de UTI dos hospitais de campanha entregues pela prefeitura da cidade nos últimos dias.

"Temos, dos leitos de UTI, 74% de ocupação. Rapidamente nós percebemos que esses leitos já começam a fazer diferença e ajudam a salvar vidas", afirmou o secretário.

Utilização da Hidroxicloroquina

O estado de Pernambuco recebeu, até agora, cerca de 10 mil unidades da Hidroxicloroquina, enviados pelo governo federal, segundo o secretário estadual André Longo. Alvo de muito debate nos últimos dias, o remédio vem sendo usado no estado apenas em casos graves da Covid-19, como orienta o Ministério da Saúde.

O infectologista Demetrius Montenegro, que também participou da coletiva, recomenda cautela no uso da substância.

"Precisa-se ter muito cuidado com o uso dessas medicações. Na verdade, os trabalhos que foram feitos em cima da utilização dessas medicações foram basicamente trabalhos em pessoas com estado de gravidade maior. Do ponto de vista científico, não tem fundamento real de ser utilizado em qualquer pessoa em qualquer grau de situação em relação à gravidade da doença", afirmou.

O secretário de saúde do Recife, Jailson Correia, preferiu se concentrar em outras questões.

"Enquanto há muitas dúvidas sobre medicamentos, quais são os medicamentos melhores, quais são os melhores momentos de usar esse medicamento, se sabe que nenhum deles é a solução para tudo. Isso já existe uma boa evidência científica. E, mais importante do que isso, não podemos perder muito tempo debatendo esse assunto e esquecer do assunto principal. O que se sabe que salva vidas é ter acesso a mais leitos de UTI, mais leitos de enfermaria com oxigênio", declarou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Assassinato de Levi Borges, em Pernambuco, abala Paraíba

Por Heron Cid

A morte brutal do advogado, jornalista e defensor público Levi Borges, de 72 anos, pegou a Paraíba de surpresa. Ele foi morto a tiros na tarde desta quinta-feira (9) durante uma tentativa de assalto na entrada de um condomínio residencial na Praia do Paiva, no Cabo de Santo Agostinho (PE).

Ex-vereador de João Pessoa na década de 70, professor universitário e advogado militante, Borges foi conselheiro federal da OAB e conselheiro estadual em diversos mandatos na secional da Ordem, onde disputou o cargo de presidente. Ele ainda exerceu a presidência do Sindicato dos Defensores Públicos da Paraíba.

O assassinato de Levi Borges consternou autoridades e instituições paraibanas. O governador  João Azevêdo (Cidadania), em nota, “externou profundo pesar” e se solidarizou com a família. A Associação Paraibana de Imprensa, entidade que Borges era filiado, também emitiu comunicado de lamento pelo ocorrido.

A Assembleia Legislativa da Paraíba e a Câmara Municipal de João Pessoa manifestaram luto pela morte de Levi Borges. “Pessoa respeitada e bem quista no segmento da advocacia, judiciário, político e da sociedade Pessoense como um todo, Levi deixa, com sua partida prematura, um sentimento de revolta pela violência que lhe vitimou, além da tristeza que representa seu falecimento”, frisa o texto do Pode


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Movimento Acredito propõe 10 sugestões ao governo de PE no combate ao Covid-19

Em carta aberta, os membros do Movimento Acredito em Pernambuco propuseram 10 medidas ao Governo do Estado para potencializar o combate ao Coronavírus em Pernambuco. O documento foi assinado por lideranças de 12 municípios pernambucanos. Entre as principais medidas que compõem o documento, estão: manter as políticas de isolamento social, aumentar o número de testes na população, utilizando inclusive de métodos de testagens alternativos via  “Drive-Thru”, isenções fiscais para EPI’s, transferência dos recursos superavitários de todos os Fundos Especiais de Despesa para o combate ao COVID-19 e redução dos salários do cargos eletivos e de alto escalão no governo estadual até o fim do ano.

“Em um momento de tantos sacrifícios coletivos, as autoridades públicas precisam exercer a liderança pelo exemplo. Outros estados e capitais do Brasil já estão executando medidas semelhantes, e nós como sociedade civil, estamos apresentando esta Carta com o objetivo de contribuir com o debate público e ajudar a encontrar as melhores saídas para este momento tão difícil.” - Rodrigo Nunes, liderança estadual do Acredito-PE.

A iniciativa está sendo replicada em outras cidades onde o movimento atua, como Caruaru, Bezerros, Cabo de Santo Agostinho e Macaparana

O Acredito é um movimento suprapartidário criado em 2017, que tem como membros lideranças relevantes no cenário nacional como os jovens deputados Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) e o Senador Alessandro Vieira (CIDADANIA-SE). O movimento tem como objetivo promover debates fugindo de polarização e radicalismos, da defesa de políticas públicas baseadas em evidências e o apoio à novas lideranças na política.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Brasil: 954 mortes e mais de 18 mil casos de Covid-19

Por G1

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 19h50 desta quinta-feira (9), 18.145 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 954 mortes pela Covid-19.

O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de quinta, aponta 17.857 casos confirmados e 941 mortes.

São Paulo continua com o maior número de casos confirmados e de mortes. Foram registrados 7.480 casos e 496 fatalidades. O Rio de Janeiro tem 2.216 casos e 122 mortes. O Ceará conta 1.445 infectados e 57 mortes.

O número de casos confirmados em Minas Gerais subiu para 655; há 15 mortes no estado. No Maranhão, a quantidade de infectados subiu para 292 e a de mortes, para 13. No Amazonas, são 899 casos e 40 mortes. Na Bahia, o número de casos chegou a 559 e foram registradas 19 mortes. O Ceará registra 1.425 infectados e 55 mortos, Goiás tem 179 casos e o Paraná chegou a 23 mortos.

Durante a manhã, o Pará confirmou a 7ª morte, o Espírito Santo confirmou a 7ª morte, Rondônia confirmou a 2ª morte e o Rio Grande do Sul confirmou a 13ª morte. Em todos os estados, as vítimas foram pessoas com mais de 60 anos e doenças crônicas preexistentes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Geraldo pautado por Marília

Nas suas lives pelas redes sociais, a pré-candidata do PT à Prefeitura do Recife, Marília Arraes, tem sido ponderada em chamar a atenção para o drama da crise do coronavírus, mas em destacar todos os esforços feitos e destacados pelo Governo Central. E que, no seu entender, não é hora de fazer política. Mas o prefeito Geraldo Júlio (PSB), que vinha numa linha de confronto com o presidente Bolsonaro, apareceu num vídeo, há pouco, aliviando as críticas ao Governo e alinhando no mesmo caminho. Continua perdido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Silvio: Anderson Ferreira comete ato de improbidade

O ex-deputado e pré-candidato a prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Silvio Costa (Republicanos), decidiu ingressar com uma ação de improbidade administrativa, no Ministério Público Estadual e no Tribunal de Contas do Estado contra o prefeito do município, Anderson Ferreira, por uso da máquina pública com objetivo de tentar garantir a reeleição.

“Nunca vi um prefeito tão irresponsável. Em um momento que todos os municípios do Brasil precisam de recursos públicos para auxiliar no combate ao coronavírus, o prefeito Anderson Ferreira utiliza os cofres de Jaboatão para tentar calar blogueiros”, denunciou. Ainda segundo Costa, é lamentável que enquanto a maioria esmagadora dos prefeitos do país, está preocupada com o combate ao coronavírus, o prefeito Anderson Ferreira está utilizando a máquina para tentar se reeleger.

“Tenho certeza de que o prefeito Anderson Ferreira não vai conseguir comprar o silêncio da imprensa”, finalizou.

Segue a nomeação publicada no Diário Oficial do município de terça-feira (07) e coincidentemente a matéria publicada pelo blogueiro Roberto Santos destacando que o prefeito Anderson Ferreira vai eleger 90% da Câmara dos Vereadores.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Faro e coragem

Por Alberto Feitosa*

Magno tem faro para o que é notícia e isso vem se refletindo no excelente trabalho que ele desenvolve há 14 anos no Blog do Magno Martins. Sua inteligência, experiência, coragem e lealdade as suas fontes lhe garantem notícias exclusivas e veiculadas sempre prezando pelo compromisso com a verdade.

Seu blog é parte da leitura obrigatória daqueles que gostam e possuem interesse na política do Brasil e do Estado. Parabéns, Magno. Que esse sucesso perdure e continue nos alimentando com o jornalismo bem feito e responsável.

*Deputado estadual


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/04


2020

Bolsonaro é irresponsável e populista

Por Julio Lossio*

Nas guerras, cabe ao presidente, primeiro-ministro, rei ou seja lá qual for a denominação do líder máximo da nação, ouvir seus auxiliares diretos e decidir qual melhor estratégia para enfrentar o inimigo.

Se recua as tropas e segue uma nova rota; Se o ataque será feito via área ou por via terrestre; Onde concentrar mais força para fragilizar o inimigo...

Normalmente, a cúpula da liderança não discute qual melhor tipo de metralhadora a ser usada nem qual o calibre da bala a ser atirada. Essa tarefa fica a cargo dos comandantes da área, que avaliam o que dispõe em mãos e o melhor momento para fazer uso desses equipamentos.

Pois bem, vejam o que o coronavírus conseguiu fazer nos EUA e no Brasil.

Primeiro os presidentes Trump e Bolsonaro desprezaram o inimigo, chamando-o de gripezinha de nada.

Ao perceberem a insanidade que cometeram, no lugar de discutirem a estratégia de ataque e a e o que fazer para proteger  a saúde  e a economia, passaram a discutir o calibre da bala que deve ser utilizada (Cloroquina), coisa que deveria estar a cargo dos comandantes do batalhão, no caso os médicos e profissionais de saúde.

Essa atitude, completamente irresponsável e populista, está trazendo o caos para saúde e para a economia ao mesmo tempo.

Enquanto se coloca o calibre da bala no centro das discussões, as mortes se acumulam e as empresas fecham as portas.

Ao que parece, no final, só restará a possibilidade de isolamento para Trump e Bolsonaro em regime permanente.

*Ex-prefeito de Petrolina


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

gilson

Este Sr. fez ensaio no apoio ao Bozo na eleição de 2018, querendo surfar na ondinha, agora com o barco afundando, claro que abandona o barquinho, perdeu meu voto aqui em petrolina


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores