Prefeitura do cabo

18/08


2019

Delegado fala em forças externas e se diz ameaçado

O delegado da Receita no Porto de Itaguaí (RJ), José Alex Nóbrega de Oliveira, enviou mensagem a colegas denunciando interferência política de "forças externas que não coadunam com os objetivos de fiscalização" da Receita Federal. Os auditores da Receita Federal ameaçam entregar os cargos caso sejam efetivadas indicações políticas costuradas por Bolsonaro, que teme investigações contra filhos e aliados. 

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que "o órgão se encontra em crise, pressionado pelo Executivo, Legislativo e Judiciário para mudanças em sua estrutura e na forma de atuação. A situação se agravou com os relatos nos bastidores do órgão de que o secretário especial da Receita, Marcos Cintra, pediu ao superintendente da Receita no Rio de Janeiro, Mário Dehon, a troca de delegados chefes de duas unidades no Estado - a Delegacia da Alfândega da Receita Federal no Porto de Itaguaí e da Delegacia da Receita Federal no Rio de Janeiro II, na Barra da Tijuca."

A matéria ainda informa que "Dehon, que está com o cargo ameaçado, se recusou a fazer a troca. Procurado por meio da assessoria de imprensa, Cintra não se manifestou sobre a informação de que sugeriu troca de delegados na Receita. Na carta, José Alex Nóbrega de Oliveira escreveu que Dehon o informou, há três semanas, sobre uma "indicação política" para assumir a Alfândega de Itaguaí, com a qual o superintendente não concordou."  (BR 247)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE

18/08


2019

Joice fala como candidata a prefeita de SP

Alfineta Doria e exalta Bolsonaro 'brucutu'

Deputada usou discurso em mutirão de filiações ao PSL para se lançar na disputa contra Covas, aliado do governador

Joelmir Tavares – Folha de S.Paulo

Em evento do PSL em Barueri (Grande SP) sem outras estrelas da sigla, a deputada federal Joice Hasselmann discursou como pré-candidata da sigla a prefeita de São Paulo em 2020, neste sábado (17), sob aclamação de militantes que participavam de mutirão para atrair novos filiados.

Entusiasta em 2018 do voto “BolsoDoria”, a parlamentar alfinetou o governador João Doria (PSDB), a quem se referiu como amigo. Lembrou que ele abandonou o mandato de prefeito para disputar o governo e o criticou por ter deixado “um cavalo de Troia” no posto, seu então vice Bruno Covas (PSDB).

"São Paulo precisa de muito mais. São Paulo ainda não foi um caso de sucesso. Ficou aqui tropeçando, aos trancos e barrancos. Vem [Fernando] Haddad pra lá, o outro pra cá, aí o outro vai embora no meio do caminho", falou Joice, sem mencionar o nome de Doria.

Depois, em entrevista a jornalistas, ela disse que o governador "deixou essa herança, que é o Bruno, cavalo de Troia". Ele tentará a reeleição.

"Ninguém votou no Bruno. E eu gosto do Bruno. É um cara bacana, gente boa, gente fina, festeiro, gosta de academia, tudo. Mas minha mãe também é bacana, e nem por isso serve para ser prefeita", ironizou. "O João é meu amigo, acho que ele é uma figura muito bacana, excepcional, mas errou no vice. Errou muito feio."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detran

17/08


2019

Serra instruiu para impeachment de Dilma

Deu orientação a embaixadores

“Cumpri instruções”. Assim começa uma série de correspondências escritas por diplomatas brasileiros no exterior. Da representação do Brasil em Washington ao embaixador na minúscula e paradisíaca ilha de Santa Lúcia, no Caribe, oficiais brasileiros obedeceram à ordem clara e rigorosa do Ministério das Relações Exteriores do recém-iniciado governo de Michel Temer (MDB):

Rechaçar qualquer questionamento ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) vindo de outros diplomatas, de órgãos internacionais ou mesmo da imprensa estrangeira, além de manter informado o governo Temer de onde partiriam eventuais críticas.

A ordem partiu do também recém-empossado ministro José Serra (PSDB), no dia 24 de maio — apenas 12 dias após o afastamento inicial de Dilma pela Câmara dos Deputados. As informações estão presentes em mais de cem comunicados transmitidos pelas embaixadas do Brasil entre maio e setembro de 2016, aos quais a Pública teve acesso através de pedidos pela Lei de Acesso à Informação.

Segundo os documentos, era crucial aos embaixadores brasileiros rebater qualquer afirmação sobre erros de conduta durante o julgamento, que citasse “jogos de interesse” ou apontasse de manobra política no processo. Termos como “golpe de Estado” e “manipulação política” também constaram nos exemplos de “posturas equivocadas”.(BR 247)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

17/08


2019

Eduardo embaixador seria nepotismo, diz Senado

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo para embaixada seria nepotismo

Presidente tem insistido na nomeação, e cabe ao Senado aprovar ou não a escolha

Ricardo Della Coletta eThiago Resende – Folha de S.Paulo

Um parecer elaborado por consultores do Senado classifica uma possível indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada brasileira em Washington, nos Estados Unidos, como nepotismo. Apesar das críticas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem insistido em indicar o filho para o cargo de embaixador no país. Cabe ao Senado, porém, aprovar ou não a escolha do presidente. A avaliação da consultoria do Senado considera que embaixador é um cargo comissionado comum. Por isso, na visão dos consultores, o presidente da República não poderia indicar o próprio filho à vaga.

O parecer é de caráter consultivo. Ou seja, serve para ajudar os senadores na decisão de uma possível indicação do filho de Bolsonaro, mas os parlamentares não precisam necessariamente votar de acordo com as considerações dos técnicos.

Os técnicos do Senado lembram ainda que em outros países não é comum que o cargo de embaixador seja exercido exclusivamente por servidores de carreira do serviço exterior. Isso, contudo, não significa que a maioria dos chefes de missão diplomática seja de pessoas fora dessa formação.

Assinado por Renato Monteiro de Rezende e Tarciso Dal Maso Jardim, o parecer é de 13 de agosto e foi um pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Os consultores levaram em consideração uma súmula do STF (Supremo Tribunal Federal) de 2008 que impede a nomeação de cônjuges e parentes para cargos de direção, assessoramento, cargos de comissão ou de confiança, entre outros casos.

Um decreto nesse mesmo sentido foi assinado em 2010 incluindo a restrição também ao presidente e vice-presidente da República.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/08


2019

Oi diz à Anatel que dinheiro pode acabar em fevereiro

Empresa de telecomunicação apresentou à agência um diagnóstico que indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao "mínimo necessário"

Estadão Conteúdo

O diagnóstico da situação da Oi, apresentado à cúpula da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nesta semana, indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário” e que há previsão de que os recursos terminem em fevereiro de 2020 se nada for feito.

As projeções, às quais o ‘Estado’ teve acesso, foram debatidas em reuniões ocorridas na terça e na quarta-feira na agência, que é responsável por regular o setor, e na qual participaram cerca de 20 pessoas, incluindo integrantes da diretoria e o presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais.

A apresentação feita à cúpula da agência incluiu o alerta de que, se a Oi não reagir, a interrupção da operação por falta de caixa tem “probabilidade alta” e apresentará impacto “muito alto” no sistema de telecomunicações.

Foi indicada a preocupação de “assegurar a continuidade da prestação” e o lembrete de que a União é “solidária na manutenção da continuidade” dos serviços de telefonia fixa, que são fruto de concessão. Segundo o documento, mais de 3 mil municípios do País são atendidos apenas pela telefonia fixa da Oi.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

17/08


2019

Novo sócio é um cinturão de fogo dentro do PSDB

Frota amplia fissuras entre alas do PSDB

Coluna do Estadão – Alberto Bombig

Apesar de ser um ativo político para João Doria na disputa velada com Jair Bolsonaropara ver quem vai liderar a centro-direita do País em 2022, o deputado Alexandre Frota chegou ao ninho tucano alargando a fissura entre o governador de SP e a ala histórica do partido. Fernando Guimarães, do Movimento PSDB Esquerda Pra Valer, externou o incômodo:

“O comportamento político reacionário de Alexandre Frota difere de maneira incontornável não apenas dessas doutrinas (históricas da sigla), mas também dos princípios democráticos e republicanos”.

O movimento quer interpelar Doria sobre a filiação de Frota. “O governador deve esclarecer se endossa tais manifestações (do deputado)”, diz Guimarães. Cardeais antigos do partido também manifestaram desconforto em grupos privados dos tucanos.

Doria, de seu lado, prossegue firme em sua toada para renovar o partido. “Precisamos colocar mais gente jovem no PSDB.”  Depois de ser expulso do PSL de Jair Bolsonaro, o deputado federal Alexandre Frota colocou uma imagem sua com João Doria em seu WhatsApp.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

17/08


2019

MP investiga patrimônio de ministro do Meio Ambiente

Ministério Público investiga evolução patrimonial de ministro do Meio Ambiente

Patrimônio declarado por Ricardo Salles cresceu 335% em cinco anos; Ele nega haver irregularidades

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para apurar suspeita de enriquecimento ilícito do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, entre 2012 e 2017, período em que ele alternou a atividade de advogado com cargos no governo paulista. A Promotoria já pediu a quebra de sigilo bancário e fiscal de Salles, mas a medida foi negada duas vezes pela Justiça estadual neste mês.

A investigação teve início em julho a partir de representação feita por uma empresa chamada Sppatrim Administração e Participações, que levantou suspeita sobre a evolução patrimonial de Salles com base nas declarações de bens que ele mesmo prestou à Justiça Eleitoral.

Em 2012, quando foi candidato a vereador pelo PSDB, Salles declarou possuir R$ 1,4 milhão em bens, a maior parte em aplicações financeiras, 10% de um apartamento, um carro e uma moto. Em 2018, quando saiu a deputado federal pelo Novo, foram R$ 8,8 milhões, sendo dois apartamentos de R$ 3 milhões cada, R$ 2,3 milhões em aplicações e um barco de R$ 500 mil – alta de 335% em cinco anos, corrigindo o valor pela inflação.

Foi secretário particular do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) entre março de 2013 e novembro de 2014, função pela qual recebia R$ 12,4 mil líquidos, e secretário do Meio Ambiente na mesma gestão, entre julho de 2016 e agosto de 2017, com remuneração média de R$ 18,4 mil.

O promotor menciona no pedido o fato da evolução patrimonial de Salles ter ocorrido no período em que ele foi acusado de fraudar o plano de manejo de uma área de proteção ambiental quando foi secretário em São Paulo para beneficiar empresas de mineração. O MP moveu ação que resultou na condenação dele por improbidade administrativa em dezembro de 2018. Ele nega responsabilidade e recorreu da decisão.

Leia reportagem completa clicando ao lado:     Ministério Público investiga evolução patrimonial de ministro do Me


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/08


2019

À Presidência: cadê o Queiroz? Só sei que nada sei

O gabinete de Bolsonaro respondeu a questionamento do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), que enviou ofício a ele na semana passada perguntando: “Onde está o Queiroz?”.

Ele se referia a Fabrício Queiroz, ex-auxiliar do presidente acusado de movimentar R$ 1,2 milhão de forma atípica e que “encontra-se desaparecido”.

“Informo que o senhor presidente não possui informações referentes ao paradeiro do senhor Fabrício Queiroz”, disse o chefe de gabinete de Bolsonaro, Pedro Cesar Marques de Sousa, em papel oficial e timbrado da Presidência. (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/08


2019

Arrogância: complexos que Bolsonaro traz do passado

Mônica Bergamo - Folha de S.Paulo

ex-ministro Gustavo Bebianno, que era um dos assessores mais próximos e conviveu intensamente com Bolsonaro na campanha eleitoral, credita o estilo “eu que mando” do presidente a “complexos que ele traz do passado”.

 “O presidente tem revelado extremo grau de insegurança. Essa coisa de querer mostrar, a ferro e fogo, todo o tempo, que é ele quem manda, sem escutar a ninguém e sem aceitar qualquer tipo de ponderação, é muito ruim para o nosso país. O presidente precisa superar os complexos que traz do passado e mostrar maior grandeza de espírito”, diz Bebianno.

Ele diz ainda que aprendeu com o mestre de jiu-jitsu Hélio Gracie que o campeão precisa nutrir a nobreza de espírito. “Hoje, o capitão é o vencedor. É hora de engrandecer a alma”. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/08


2019

Rebelião na PF do Rio se Bolsonaro tentar intervir

Delegados cogitam demissão coletiva após Bolsonaro tentar intervir na PF do Rio

Presidente atropelou comando da Polícia Federal carioca ao anunciar troca de superintendente

A tentativa de Jair Bolsonaro de interferir na indicação do Superintendente da Polícia Federal no Rio quebrou de vez o que ainda restava de confiança de delegados da cúpula da corporação, de diferentes partes do país, no presidente. Um pedido de demissão coletiva não está descartado, caso Bolsonaro insista na investida.

As críticas ao presidente são abertas e contundentes. Um dos policiais mais prestigiados entre os colegas afirma não se recordar de nada parecido vindo de qualquer outro presidente desde a redemocratização do país.

Na quinta (15), Bolsonaro anunciou que o superintendente do Rio seria um nome de sua confiança deslocado de Manaus —o delegado Alexandre Saraiva. Afirmou que era ele quem mandava e que não seria um presidente “banana”.

Horas depois, com a reação contundente da PF, recuou.

De acordo com um dos policiais, aceitar ingerência de Bolsonaro na PF significará o fim da corporação —que não seria o espaço apropriado para ele mostrar que pode mandar e desmandar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores