FMO janeiro 2020

23/10


2019

Senado convida ministro para esclarecer óleo nas praias

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado aprovou, hoje, um convite ao ministro Ricardo Salles para que ele preste informações sobre medidas adotadas pelo governo para combater o óleo que atinge o litoral do Nordeste. Por se tratar de um convite e não de uma convocação, o ministro do Meio Ambiente não é obrigado a comparecer ao colegiado.

Desde o fim de agosto, diversas manchas de óleo têm aparecido em praias do Nordeste. Segundo o mais recente balanço do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), divulgado na última segunda, o óleo já atingiu 200 localidades. Segundo a Marinha, desde o dia 2 de setembro, mais de 600 toneladas de resíduos foram recolhidas das praias atingidas.

Autor do requerimento, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirma que o governo tem demonstrado "incapacidade” para tratar das questões ambientais brasileiras. “A atuação do governo federal tem sido aquém do necessário, demonstrando que o governo Bolsonaro não tem tido capacidade técnica nem de gestão para lidar com desastres ambientais. Ele demorou 30 dias para se pronunciar e quando o fez já era tarde demais”, diz o senador.

“O Ministério do Meio Ambiente, em particular, não deu nenhuma atenção ao problema desde o início, apesar de se tratar de um problema de sua esfera de competência institucional”, completa o parlamentar do Amapá na justificativa do requerimento.

Para Randolfe, Salles deve comparecer urgentemente ao Senado para prestar esclarecimentos à sociedade sobre a situação no litoral nordestino “diante de mais esse inaceitável exemplo de descaso público”. A assessoria do senador afirmou que a data prevista para a audiência com Salles é dia 13 de novembro.

Ontem, os senadores aprovaram a criação de uma comissão externa para, no prazo de seis meses, acompanhar as ações de enfrentamento às manchas de óleo no litoral do Nordeste. O colegiado será composto por oito senadores. O requerimento de criação da comissão foi proposto por Fabiano Contarato (Rede-ES).

O presidente em exercício da República, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), viaja amanhã ao Nordeste para acompanhar a situação nas praias da região. Está prevista a participação de Ricardo Salles na comitiva com Alcolumbre e senadores nordestinos.


Email

Abreu e Lima

Confira os últimos posts

07/04


2020

Sobre a passagem do agora blogueiro Finfa pelo blog

Caro Magno, 

Primeiro deixar registrado a minha gratidão por todo tempo em que trabalhei no seu Blog. Gratidão é virtude de poucos, e a tenho, graças a Deus.

Sobre minha saída do blog - diferente do que você publicou, foi motivada para assumir o Blog do Sertão em Afogados da Ingazeira, na época tocado pelo meu primo Igor Mariano, que me fez uma proposta de mudança e aceitei. Só dois anos depois foi que veio surgir o meu blog.Tudo isso foi informado a você, com antecedência e com transparência, inclusive conversamos por alguns dias sobre como seria feito os pagamentos que teria direito a receber devido a minha saída. Direitos esses que são inerentes a todos os trabalhadores. Só esse fato, por si só, deixa claro que minha saída foi combinada e acertada com você, tudo dentro do roteiro normal de duas pessoas que se respeitam e construíram uma relação de amizade.

Sobre a época em que fui seu motorista, o fui com o maior prazer. Graças a Deus, ajudei demais seu blog a ser um dos mais lidos do nosso Estado e no País, andamos muito por estrada a fora. 

A fama de bom motorista que tenho sempre foi respaldada por você em todos os nossos momentos. 

No mais, agradecer de novo por ter me dado oportunidades, desejar sucesso ao seu blog e dizer que sempre poderá contar com nossa amizade e parceria.

Parabéns pelos 14 anos do Blog  

Forte abraço!

Júnio Finfa
Do blog do Finfa


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


07/04


2020

Lewandowski: salário menor só com aval dos sindicatos

Por G1

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu ontem que suspensão de contrato e redução de salário e de jornada terão efeito após o aval de sindicatos.

Lewandowski é relator de uma ação que questionou no STF a medida provisória (MP) editada pelo governo federal que permite a suspensão dos contratos e a redução do salário e da jornada.

Pela decisão de Lewandowski, contudo, se o sindicato consultado não se manifestar em até 10 dias, será considerado automaticamente o aval à negociação individual.

A MP foi editada em razão do cenário de crise na economia, provocada pelo avanço da pandemia do novo coronavírus. O governo argumenta que a medida provisória permitirá a manutenção dos postos de emprego.

A decisão do ministro é liminar (provisória) e ainda precisará ser analisada de forma definitiva pelos demais ministros do STF.

Decisão

Lewandowski considerou que fere a Constituição a previsão, na medida provisória, de que os sindicatos serão somente comunicados da decisão tomada em acordo individual.

Para o ministro, o problema pode ser sanado se o entendimento passar a ser que os acordos individuais "somente se convalidarão, ou seja, apenas surtirão efeitos jurídicos plenos, após a manifestação dos sindicatos dos empregados".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Prefeitura de Serra Talhada

07/04


2020

Reunião discutiu cenários para flexibilizar isolamento

Do Blog da Andréia Sadi

O vice-presidente Hamilton Mourão disse ao blog nesta segunda-feira (6) que a reunião que contou com ministros e com o presidente Jair Bolsonaro tratou de cenários futuros para flexibilizar o isolamento, e disse que Luiz Henrique Mandetta segue no Ministério da Saúde.

“Mandetta segue no combate, ele fica. Tratamentos de cenários, como a flexibilização do isolamento, no futuro”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


07/04


2020

Trump teve conversa "muito amistosa" com rival

Por Estadão Conteúdo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que teve ontem uma conversa "muito amistosa" com o Joe Biden, após o favorito na disputa do Partido Democrata ligar para discutir a condução do governo na crise do coronavírus. 

Trump disse que a conversa durou cerca de 15 minutos. 

"Tivemos uma conversa realmente maravilhosa e calorosa", disse Trump durante seu briefing à imprensa sobre a pandemia.

"Ele me mostrou seu ponto de vista, e eu entendi completamente aquilo, e nós tivemos apenas uma conversa muito amistosa."

Biden, que busca a indicação de seu partido para enfrentar Trump nas eleições de 3 de novembro "compartilhou diversas sugestões de ações que o governo pode tomar agora para abordar a atual pandemia do coronavírus", disse a vice-diretora de campanha de Biden Kate Bedingfield, em nota sobre a rara conversa direta entre os rivais pela Casa Branca. 

Ela acrescentou que foi "uma boa ligação". 

Biden tem criticado quase diariamente a condução do presidente na crise do coronavírus em entrevistas e aparições de campanha. 

O ex-vice presidente disse que Trump deveria agir com mais urgência para dirigir recursos federais para ajudar governadores estaduais a responder à doença respiratória, inclusive utilizando sua autoridade presidencial para aumentar a fabricação doméstica de equipamentos médicos em oferta reduzida.

O número de mortos pela doença chegou a 10.674 no país, e o número de infecções conhecidas nos EUA ultrapassou 360 mil nesta segunda-feira.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

O Jornal do Poder

07/04


2020

Senado vota PEC do Orçamento de Guerra na próxima segunda

Por Reuters

O plenário do Senado vai analisar a PEC do orçamento de guerra em sessão remota na próxima segunda-feira, informou a assessoria de imprensa do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em nota divulgada na noite desta segunda.

A proposta permite a separação do orçamento geral do governo daquele de gastos realizados para o combate à pandemia do novo coronavírus.

A PEC foi aprovada pela Câmara dos Deputados em dois turnos na sexta-feira passada


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Banner de Arcoverde

07/04


2020

Brasil tem 566 mortes e 12.232 casos de coronavírus

Por G1

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 21h30 de ontem, 12.232 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 566 mortes pela Covid-19.

O Acre registrou a primeira morte e, agora, apenas o Tocantins não apresenta casos fatais. O estado do Ceará confirmou que 34 municípios do estado têm casos confirmados da doença, e o número de infectados chegou a 1.023. São 31 mortes.

O Amazonas chegou a 19 mortes no estado. A Bahia confirmou a décima morte. Em Minas Gerais subiu para nove o número de mortos pela doença. O Paraná registrou 14 mortes pela doença.

O Acre registrou a primeira morte e, agora, apenas o Tocantins não apresenta casos fatais. O estado do Ceará confirmou que 34 municípios do estado têm casos confirmados da doença, e o número de infectados chegou a 1.023. São 31 mortes.

O Amazonas chegou a 19 mortes no estado. A Bahia confirmou a décima morte. Em Minas Gerais subiu para nove o número de mortos pela doença. O Paraná registrou 14 mortes pela doença.

Veja alguns dados sobre a Covid-19 no Brasil até as 17h da segunda-feira (6):

São Paulo é a cidade com mais casos: 3.612

. Além de São Paulo, Rio de Janeiro (1.068 casos) e Fortaleza (744 casos) aparecem na frente como cidades com mais registros da doença
. Tocantins é o único estado que não registrou mortes
. O mais jovem a morrer foi um adolescente de 15 anos
. O mais idoso a morrer foi um homem de 96 anos, no Rio das Ostras (RJ), no dia 25 de março

Na noite de domingo (5), o Pará registrou mais casos e a terceira morte pela doença - uma mulher de 50 anos que morava em Belém. Não há informações se ela tinha doença preexistente.

Nesta manhã, o Mato Grosso do Sul e o Amapá confirmaram mais casos. Já o número de registros da doença no Rio Grande do Sul saltou para 481. No Rio Grande do Norte são 246 casos confirmados. Bahia já tem 431 infectados e 10 mortes.

Um boletim epidemiológico feito pelo Ministério da Saúde na sexta (3) diz que Distrito Federal, São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro e Amazonas podem estar na transição para uma fase de aceleração descontrolada da pandemia.

Pesquisa Datafolha publicada nesta segunda pelo jornal "Folha de S.Paulo" questionou a população sobre as medidas de isolamento impostas pelas autoridades para conter o avanço do coronavírus.

Segundo o levantamento, 76% dos brasileiros acreditam que o mais importante neste momento é deixar as pessoas em casa; 18% querem acabar com o isolamento; e 6% não sabem opinar. O instituto entrevistou, por telefone, 1.511 pessoas entre os dias 1º e 3 de abril. A margem de erro da pesquisa é de três pontos.

O levantamento também questionou os entrevistados sobre fechamento de comércio, suspensão de aulas e quanto tempo o isolamento deve durar. Veja os resultados na reportagem.

O governo do Japão se prepara para declarar estado de emergência para deter a propagação do novo coronavírus, que acelerou recentemente em algumas regiões do país, principalmente em Tóquio, segundo a imprensa local.

Apesar de ser vizinho da China, berço do novo coronavírus, o país foi muito menos afetado até o momento pela pandemia de Covid-19 que a Europa ou os Estados Unidos. Até domingo (5), o número total de casos no Japão era de 4,3 mil, dos quais 712 eram do navio de cruzeiro Diamond Princess.

A contagem diária de novos casos aumentou consideravelmente na semana passada no país asiático: o Ministério da Saúde japonês anunciou 378 novos casos de coronavírus e 84 mortes. O governo vem sendo alvo de críticas por demorar a tomar medidas mais duras.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Prefeitura de Limoeiro

06/04


2020

A caneta de Magno é venenosa e envenenada

Por Mariana Teles* 

Magno é sertanejo. Essa condição inicial faz dele um farejador nato. Herda, das raízes do Pajeú seco de água e inundado de talento, a coragem, ingrediente que faz do jornalista um legítimo escravo da informação. Sua caneta, apesar de eleger a política como principal alvo, não se permite se resumir a ela. Ao contrário, o veneno e a acidez do seu texto são ponderados pela poesia e a leveza das suas impressões. Mesmo na mais delicada notícia, ele consegue (como bom malabarista) equilibrar o tom cirúrgico e pouco econômico com a brandura de quem escreve contemplando a Catedral de Afogados da Ingazeira.

Seu jornalismo é um jornalismo cidadão. Feito para incomodar, para só deixar a gente sair de casa depois da primeira leitura do seu blog. Sem baixar a guarda, é um exímio criador de fatos. Perseguidor da informação e igual menino ruim, que conhece onde a mãe esconde o doce pelo faro, ele sabe acertar no alvo. 

Sua habilidade não é só de comunicar, seja na mídia impressa ou na vanguarda do blog que fez de sua história um marco temporal que divide a notícia do Nordeste na internet entre dois períodos: antes de Magno e depois de Magno. 

A escola martiniana de comunicação criou uma geração de blogueiro. Até motorista virou volante de notícia. Sua escola é para ser sim criticada, pois o jornalismo que não incomoda ou não perturba a crítica, é apenas diapasão dos que estão no poder, e o poder para Magno é a informação.

Maugno, Maligno... ou qualquer batismo feito, é simplesmente o atestado que Pernambuco (Estado que o fez campeão de títulos de cidadania em quase todos os municípios) possui nos seus quadros de talentos um amante da comunicação, um sertanejo que usa seu espaço e sua credibilidade para descortinar tantos outros sertanejos. 

Na década de 1990, quando assumiu a surcusal do Diário de Pernambuco em Brasília fez questão de levar Valdir Teles (meu pai) e João Paraibano para inauguração, prova inconteste da força do Pajeú em sua história.

Para nós, sertanejos e desbravadores do Recife, Magno funciona como uma espécie de padrinho sem conhecer ou saber quem é o afilhado: basta ser sertanejo. De conseguir cirurgia e transferência de paciente do interior para capital apenas com uma ligação, até apresentar os novos talentos. Essa gratidão é muito genuína de todos nós, seus irmãos do Pajeú. 

Nem as trevas eventuais que a vida nos impõem conseguiram retirar a singularidade de Magno em nosso Estado, apenas reforçou a lacuna de qualidade de texto, independência e informação. O espaço é seu. Nunca deixou de ser. A liderança é atemporal. Ademais, quem abre tantos caminhos entende mais de abrir janelas do que de fechar portas.

Parabéns pelos 14 anos colocando Pernambuco a frente do Nordeste, e o Pajeú falando ao País pela sua caneta, ora venenosa e envenenada, ora lírica e poética, mas sempre genial.

Parabéns meu amigo, não se pode contar a história da comunicação em Pernambuco sem passar pelo seu nome.

*Advogada e poetisa


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Shopping Aragão

06/04


2020

Saúde propõe reduzir isolamento em algumas regiões

Por G1

O Ministério da Saúde propõe reduzir parcialmente o isolamento em cidades e estados com metade dos leitos e estrutura de saúde vagos. A medida, de acordo com o boletim divulgado nesta segunda-feira (6), passaria a valer na segunda-feira (13).

A partir da próxima semana, portanto, cidades com mais de 50% da capacidade de atendimento médico disponível poderiam passar do Distanciamento Social Ampliado (DSA) para uma transição ao Distanciamento Social Seletivo. Veja a diferença entre os dois tipos de isolamento e o bloqueio total (lockdown), de acordo com documento do ministério:

. Distanciamento Social Ampliado (DSA): Estratégia que não tem limitações apenas para grupos específicos - todos os setores da sociedade devem permanecer em isolamento.
. Distanciamento Social Seletivo (DSS): Apenas alguns grupos ficam isolados. Pessoas com menos de 60 anos e sem condições que elevam o risco de casos graves poderão circular livremente.
. Bloqueio total (lockdown): Nível mais alto de segurança com distanciamento de todos os cidadãos e também um bloqueio total de todas as entradas do perímetro da cidade/estado/país por profissionais de segurança. Ninguém tem permissão de entrar ou sair.

As cidades que não apresentarem mais de 50% dos leitos vagos, entre outros critérios médicos, deverão manter o Distanciamento Social Ampliado até a estabilização do sistema de saúde.

"Hoje publicamos informações sobre o Distanciamento Social Ampliado, Distanciamento Social Seletivo, e Bloqueio Total (lockdown). As medidas são temporárias, localizadas e o governo federal está fazendo de tudo para que elas sejam minimizadas ao máximo possível", disse nesta segunda-feira Wanderson Oliveira, secretário de vigilância em saúde do ministério, em entrevista a jornalistas.

A apresentação da nova estratégia ocorre após uma mudança de tom de Jair Bolsonaro a respeito do isolamento social. Na terça-feira (31), o presidente fez pronunciamento em rede nacional em que não criticou diretamente as medidas do Ministério da Saúde. No domingo (29), no entanto, passeou por Brasília e entrou em contato com cidadãos da cidade. A pasta e o presidente têm discordado sobre as medidas de isolamento no combate ao coronavírus no Brasil.

O colunista do G1 Gerson Camarotti informou nesta segunda-feira que o ministro Luiz Henrique Mandetta desabafou a interlocutores depois de tomar conhecimento de uma fala de Jair Bolsonaro.

O presidente teria dito que alguns ministros viraram "estrelas" e falam "pelos cotovelos". Bolsonaro teria afirmado também que a caneta dele funciona. Sem mencionar nomes, disse que "a hora deles [em referência a esses ministros] ainda não chegou. Vai chegar".

"Ameaça não dá. O presidente tem de tomar uma decisão", afirmou Mandetta, segundo interlocutores, em telefonemas aos ministros Braga Neto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) defende o isolamento social como uma das principais medidas para o combate ao vírus. A suspensão da medida deve, segundo o órgão internacional, respeitar uma série de fatores, com uma estratégia de transição cuidadosa e gradual. (veja reportagem acima)

A infectologista Joana D’Arc reforçou que o afrouxamento das medidas de isolamento só deve ser implementado se houver estoque suficiente de equipamentos. Ela avalia que mudar a situação atual pode colocar tudo a perder.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


06/04


2020

Proposta proíbe demissão de ministro e secretários de saúde durante covid-19

Do Blog Falando Francamente

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 54/20 proíbe a demissão imotivada do ministro da Saúde e de secretários estaduais e municipais da área durante a vigência da lei que trata das ações para conter o vírus (Lei 13.979/20).

Pelo texto, os chefes das pastas de saúde só poderão sair por renúncia, condenação transitada em julgado ou descumprimento injustificado das orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), ouvidos os conselhos Nacional de Saúde, Federal de Medicina e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“A investidura a termo para o cargo de dirigente máximo da Saúde visa assegurar a continuidade de orientação e independência técnica do órgão que assume relevante papel científico e de interlocução com a comunidade científica”, afirmou o autor da proposta, deputado Joaquim Passarinho (PSD-PA).

Segundo ele, o enfrentamento da pandemia passa por decisões científicas que exigem a permanência no cargo dos responsáveis pela pasta para proteger a saúde da população.

Normas gerais

O projeto estabelece normas gerais para enfrentar a calamidade pública decretada por causa da pandemia de Covid-19.

Segundo Passarinho, a insegurança jurídica sobre a aplicação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) durante a pandemia e frágil coordenação federativa no enfrentamento ao vírus são os principais motivos da proposta. “A sociedade clama por respostas urgentes, mas legitimamente pactuadas na federação em prol do efetivo enfrentamento da pandemia”, disse.

Segundo o texto, o enfrentamento da calamidade é uma responsabilidade solidária da União, estados e municípios e deve ser feito de forma transparente e proporcional ao máximo de recursos disponíveis.

O projeto dispensa União, estados e municípios de respeitarem as regras da LRF, desde que a expansão da despesa seja por causa de medidas emergenciais em razão do estado de calamidade. Assim, os entes poderão ir além dos limites da LRF para despesa com pessoal ou dívidas e não precisarão seguir as regras de contingenciamento.

A flexibilização da LRF vale, porém, somente para despesas relacionadas diretamente com medidas emergenciais para áreas como saúde, assistência social, segurança pública e seguro-desemprego. Também são vedadas despesas de caráter continuado, ou seja, que se prolonguem por mais de dois anos.

Renúncia de receita

O texto permite a renúncia de receita tributária para reduzir os efeitos econômicos da pandemia de Covid-19. Para isso, o Poder Público precisará demonstrar a necessidade de ampliar eventual benefício e divulgar o impacto fiscal e beneficiários em até 60 dias.

Os governos federal, estaduais e municipais deverão ampliar o número de pessoas atendidas em programas de transferência de renda pela flexibilização de regras cadastrais.

A comissão mista criada para seguir os gastos e as medidas tomadas pelo governo federal no enfrentamento da pandemia de Covid-19 também deverá acompanhar as ações nacionais coordenadas pelos entes.

O projeto suspende também reajuste de servidores ou criação de cargos e qualquer concurso. A exceção é para atender à necessidade temporária de interesse público, como a convocação de novos profissionais de saúde.

O grupo tripartite com representantes da saúde de União, estados e municípios – previsto na Lei Orgânica da Saúde, deve coordenar o levantamento de demandas sanitárias e as respectivas respostas.

O texto cria ainda uma central nacional de regulação de leitos públicos e privados em unidades de tratamento intensivo (UTI) sob responsabilidade do Ministério da Saúde.

Fonte: Agência Câmara de Notícias


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


06/04


2020

Mandetta: governo se reposiciona para enfrentar covid-19

Por G1

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta segunda-feira (6), em entrevista coletiva no ministério, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro e ministros no Palácio do Planalto, que permanecerá no cargo.

De acordo com o Blog do Camarotti, Bolsonaro havia decidido demitir o ministro, mas voltou atrás depois da reação de ministros do governo, dos presidentes de Senado e Câmara e de parlamentares.

O motivo que levou o presidente Jair Bolsonaro a cogitar a demissão de Mandetta foram as divergências públicas de ambos a respeito das estratégias para conter a velocidade do contágio pelo novo coronavírus. O presidente defende o que chama de "isolamento vertical", ou seja, isolar somente idosos e pessoas com doenças graves, que estão no grupo de risco, a fim de não paralisar a economia. O ministro é a favor do isolamento amplo, adotado por governadores, pelo qual a recomendação é que as pessoas se mantenham em casa.

Segundo Mandetta, a reunião no Planalto serviu para demonstrar que agora o governo 'se reposiciona' em relação ao enfrentamento a novo coronavírus.

"A reunião foi muito produtiva. Foi uma reunião muito boa, acho que o governo se reposiciona de ter mais união, foco. Todos unidos em direção ao problema", declarou.

O ministro chegou a afirmar que ele e auxiliares já estavam "limpando as gavetas".

"Tinha gente aqui dentro limpando gaveta, pegando as coisas. Minhas gavetas, vocês ajudaram a fazer a limpeza das minhas gavetas. Nós vamos continuar porque, continuando, a gente vai enfrentar o nosso inimigo. O nosso inimigo tem nome e sobrenome: é o covid-19", afirmou. E voltou a repetir: "Médico não abandona paciente. Eu não vou abandonar", declarou o ministro.

Na entrevista coletiva, Mandetta também afirmou que não tem receio de crítica, mas que as críticas devem ser "construtivas", sem tentativa de criar "dificuldade no ambiente de tabalho".

"Trabalhamos o tempo todo com transparência nos números, nas discussões e nas tomadas de decisão. Não temos receio de crítica. A crítica construtiva enobrece e nos faz rever e dar um passo à frente. Gostamos da crítica construtiva. O que temos diferente é quando, em determinadas situações ou determinadas impressões, as críticas não vêm no sentido de construir, mas para trazer dificuldade no ambiente de trabalho", afirmou.

Paz e imprensa

Mandetta também disse esperar ter "paz" para continuar à frente do ministério. "Infelizmente, começamos com mais um solavanco a semana de trabalho. Esperamos que a gente possa ter paz para poder conduzir", declarou.

Sem citar casos específicos, Mandetta disse ainda que a orientação no Ministério da Saúde é ter "foco", independentemente de "barulhos" que surjam no momento.

"Esses barulhos que vêm ao lado: 'Fulano falou isso, Beltrano falou aquilo'. Esquece isso. Isso está do lado. Apesar dos pesares, foco aqui. Foi o que disse para eles", afirmou.

Em outro momento, destacou o papel da imprensa na cobertura e disse que todos estão dando "dose de sacrifício".

"Agradeço à imprensa que cobra o Ministério da Saúde. Sabemos do momento que está passando o país. Sabemos da importância de permanecer, ajudar. Está todo mundo fazendo sua dose de sacrifício. Nós também daremos nosso sacrifício, nosso quinhão a mais de colaboração, até quando formos importantes, nominados ou até quando o presidente queira", afirmou.

Servidores

Pouco antes de encerrar a fala, Mandetta se dirigiu aos servidores do ministério e afirmou que eles não devem parar o trabalho enquanto ele não determinar isso.

"Não é para parar enquanto eu não falar que é para parar. Quando eu deixar o ministério, vamos colaborar com quem entrar. Mas vamos sair juntos do Ministério da Saúde", afirmou se dirigindo aos servidores que se encontravam na sala da entrevista.

Mandetta também se dirigiu aos servidores para dizer: "Vocês que saíram todos de suas salas, saíram para fazer choro, bater panela, voltem a trabalhar".

Segundo o ministro, ele seguirá no cargo "com o máximo de esforço". Ao afirmar que o dia foi "emocionalmente muito duro para todos" e que ele estava "um pouco mais apreensivo", destacou que irá "tocar em frente como o velho boiadeiro tocando a boiada".

Ao encerrar a entrevista, Mandetta disse que, se Bolsonaro quiser substituí-lo e à equipe atual do ministério, "que encontre as pessoas certas".

"A gente está aqui para ajudar. Mesmo que venha outro, a gente está aqui para ajudar", disse.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se