FMO

19/09


2019

A terrível fama de Boa Viagem

Benito Gama foi deputado federal por quatro legislaturas pelo DEM da Bahia. O conheci líder do DEM na Câmara, posição que se revelou um dos mais qualificados e hábeis articuladores do Congresso.

Gama criou uma relação excelente com a Imprensa, uma boa fonte, sempre bem informado. Fez a migração partidária do DEM para o PTB, partido que presidiu em nível nacional. Hoje sem mandato, assessora o presidente do Senado, Davi Alcolumbre. 

Ontem, no Piantas, point da fauna política da corte, Gama me contou um episódio passado no Recife no segundo mandato de Eduardo Campos que ficou na sua memória. 

Participava ele de uma reunião com o então governador tentando impressionar o presidente do Banco Mundial, que havia ido a Pernambuco pela primeira vez e se mostrava disposto a investir mais no Estado.

Em determinado momento, Eduardo, que tinha enorme poder de sedução e persuasão, convidou o ilustre e poderoso visitante americano a tomar um banho de mar na praia de Boa Viagem.

Mas a praia já tinha uma péssima fama nos EUA. E a resposta do presidente do Bird, bem humorada, provocou uma gargalhada geral entre os convidados presentes.

"Mergulhar numa praia, governador, com placas de canto a canto advertindo que um tubarão pode nos comer, Deus me livre".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Abreu e Lima

Confira os últimos posts



16/11


2019

Cunha a Bolsonaro: não se governa sem Congresso

Ex-presidente da Câmara fez previsão amarga para o capitão. Cunha sobre Bolsonaro; " Vai ter muitos problemas. Nã se govrna sem Congresso"

Eduardo Cunha Foto: Ailton Freitas/Agência O Globo
Época - Coluna de Guilherme Amado
Por Eduardo Barretto

 

Eduardo Cunha fez uma previsão amarga para o governo de Jair Bolsonaro .

Um mês antes de Bolsonaro subir a rampa do Palácio do Planalto, disse Cunha na prisão, em Curitiba, a dois interlocutores:

 “Ele vai ter muitos problemas. Bolsonaro sempre apostou no confronto, nunca foi da negociação. Mas um presidente precisa negociar com o Congresso. Não se governa sem o Congresso”, afirmou o homem que abriu o processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

O relato está no livro A elite na cadeia - o dia a dia dos presos da Lava Jato , do jornalista Wálter Nunes, que será lançado neste mês pela editora Objetiva.

Na ocasião, Cunha emendou:

“Ninguém se sustenta no cargo na base do confronto".

(Por Eduardo Barretto)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Toffoli ao peitar a PGR de Bolsonaro, manda recado claro.. se vierem com o Jeep e o cabo, colocarei toda a familicia na cadeia!!!

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Governa sim. Basta ser honesto, não ter rabo preso, ter a população ao seu lado. Se quiser o confronto fora da Constituição. Tem nossas Forças Armadas. Acabou essa de exigir um Ministério ou uma Estatal para roubar. É o Brasil acima de tudo e Deus acima de todos


Prefeitura de Paulista

16/11


2019

Prefeitura refuta denúncias de que escolas estejam sem merenda

São Lourenço da Mata

Segundo a prefeitura de São Lourenço da Mata, todas as 43 unidades de ensino estão abastecidas, atendendo todos os 12 mil alunos da rede. 

Sobre a matéria publicada no Blog do Magno, nesta quinta-feira (14), sobre a falta de merenda nas escolas da Rede Municipal de Ensino, a Prefeitura de São Lourenço da Mata, por meio da Secretaria Municipal de Educação, comunica que a informação não procede. Todas as 43 unidades de ensino estão abastecidas, atendendo todos os 12 mil alunos da rede. Inclusive, a gestão municipal gostaria de convidar o Blog do Magno para vir conferir de perto a qualidade da merenda dos nossos alunos. 

A Prefeitura informa que em 2019 a empresa citada venceu a licitação, para fornecer apenas alguns intens; tendo seu valor de contrato R$ 533,00. Ou seja, tanto o valor quantos os itens que ela deveria fornecer, não impactariam no fornecimento da merenda escolar de 12 mil alunos. Bem como, caso o Sr. João da Luz Tavares seja funcionário do Estado, ele participou de uma licitação no município de São Lourenço da Mata, o qual não possui vínculo algum, portanto, não tendo para o município qualquer óbice. 

Evidenciando assim, que o denunciante, que passou as informações para o respectivo blog, não conhece a real situação do processo, como também desconhece sobre conceitos e práticas inerentes à administração pública, devendo se apropriar melhor das informações, antes de passá-las. 

Por fim, a Prefeitura de São Lourenço da Mata informa ainda, que o município foi o primeiro do Estado de Pernambuco a sancionar a Lei Municipal nº 2.601/2018, conhecida como Lei Anticorrupção, que responsabiliza administrativamente pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública municipal. Após confirmar as irregularidades, as empresas são punidas como pode ser acompanhado no Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS) e no Cadastro Nacional das Empresas Punidas (CNEP).

Sem mais, a Prefeitura de São Lourenço da Mata fica à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Atenciosamente,
Prefeitura de São Lourenço da Mata
Secretaria Municipal de Educação


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

16/11


2019

BPC: Justiça responde por 20% das novas concessões

Governo tenta conter aumento de processos. No ano passado, benefícios garantidos judicialmente somaram R$ 5,4 bi. Para governo, ações distorcem objetivo do programa.

Agência do INSS no Rio Foto: Márcia Foletto
O Globo - Geralda Doca

O governo vai apertar o cerco contra ações na Justiça que ampliam a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Criado para impedir a pobreza na velhice, o benefício é equivalente a um salário mínimo e é concedido a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda.

Em 2018, 20% de todo o montante de novos benefícios pagos pela União foram decorrentes de ações judiciais, o que correspondeu a uma despesa de R$ 5,4 bilhões. A proporção de pagamentos do BPC obtida por via judicial é maior do que a registrada quando se observa o conjunto de todos os benefícios do INSS.

O programa tem sido objeto de ações civis públicas e decisões judiciais, que, na avaliação do governo, distorcem o objetivo inicial do programa, ao estabelecer regras diferentes para quem recebe o recurso da União.

A Lei Orgânica de Assistência Social (Loas) define como critério para a concessão do benefício renda familiar per capita de um quarto do salário mínimo. O Supremo Tribunal Federal (STF) entende que esse critério é legal, mas que ele pode ser flexibilizado, dependendo do caso. O resultado é uma profusão de ações judiciais com abrangência nacional, estadual e municipal.

Vinte e nove critérios

Segundo dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), existem 29 critérios diferentes para a concessão do BPC no país, o que provoca até migração de pessoas para locais onde a Justiça concede maiores vantagens. Essa situação, para a equipe econômica, é uma das razões que explicam o salto nas despesas de R$ 6 bilhões em 2004 para R$ 53,8 bilhões em 2018.

Mudança: Pensão por morte não será mais integral

Segundo o professor João Saboia, da UFRJ, esse salto também se deve ao envelhecimento da população. Em 2012, havia no país 24,8 milhões de pessoas com 60 anos ou mais. Esse número subiu para 33,3 milhões este ano.

— A população brasileira está envelhecendo. A taxa de nascimento tem caído, e a população idosa, aumentado. A tendência é continuar crescendo a demanda pelo benefício — adianta.

Derrotado no Senado, durante a votação da reforma da Previdência, na tentativa de pôr na Constituição os critérios para a concessão do benefício, o governo partirá para uma nova estratégia. Segundo o secretário de Previdência, Leonardo Rolim, a equipe econômica vai aproveitar em breve a regulamentação da Lei Brasileira de Inclusão (LBI), aprovada em 2015, para definir claramente o conceito de vulnerabilidade e estabelecer um parâmetro único e nacional para o benefício:

— Uma solução é utilizar a regulamentação da LBI para fazer o Executivo voltar a conceder o BPC. Quem faz isso hoje é o Judiciário.

Entre 2004 e 2018, o índice de concessão judicial do BPC passou de 2,8% do total de benefícios concedidos na Justiça para 18,7% do total. Atualmente, 4,8 milhões de pessoas recebem o BPC.

Polêmica na reforma do INSS

A discussão em torno do BPC foi uma das mais polêmicas da tramitação da reforma da Previdência no Congresso, por envolver a parcela mais vulnerável da sociedade e por ser um benefício considerado socialmente justo.

Na tentativa de reduzir o índice de judicialização na concessão desse benefício, o governo incluiu na proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso o critério único na Constituição: renda familiar per capita de um quarto do salário mínimo. A medida foi aprovada pela Câmara dos Deputados, mas rejeitada no Senado. Se aprovada, resultaria em uma economia de R$ 33 bilhões em dez anos.

O argumento do governo para incluir o critério de renda do BPC na Constituição foi que os juízes acabam usando outros princípios constitucionais como direito a saúde e dignidade para conceder o benefício.

Um levantamento do INSS aponta um rol de sentenças que permitem a concessão do BPC mesmo que outro integrante da família já receba o benefício, ou mesmo aposentadoria e pensão, o que quebra o critério original de concessão.

Há processos em que os juízes mandam descontar do critério de renda as despesas do idoso com medicamentos, alimentação especial, fraldas descartáveis, transporte especial, consultas médicas, tratamento psicológico e fisioterapia. Esse é o caso de uma decisão do Rio Grande do Sul com abrangência nacional.

Outra ação, no Distrito Federal, determinou a concessão do benefício a estrangeiros (idosos e deficientes) residentes no país. A Loas não faz referência quanto à nacionalidade do beneficiário.

Avaliações menos rígidas

Em Pernambuco, uma decisão que abrange 22 municípios considera como critério para a concessão do BPC a renda familiar per capita de meio salário mínimo e manda desconsiderar do cálculo se algum membro do grupo familiar recebe aposentadoria ou pensão no valor de um salário mínimo. Já em Porto Alegre, uma sentença diz que o fato de os requerentes serem internos do Instituto Psiquiátrico Forense Doutor Maurício Cardoso Gonçalves e do Hospital Psiquiátrico São Pedro, localizados na cidade, não deverá ser usado como obstáculo para a concessão do benefício, independentemente de renda.

As sentenças judiciais acabam estimulando as pessoas a recorrerem à Justiça quando o pedido é negado administrativamente, disse o procurador-chefe do INSS, Adler Anaximandro. Ao todo, existem em andamento no país 55 ações civis movidas pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública, provocados pelos cidadãos.

— Além de criar várias categorias de beneficiários, o crescimento dos gastos põe a política pública em risco — disse o procurador, acrescentando que o objetivo é atender as pessoas da baixa renda que não tiveram condições de contribuir o suficiente para a aposentadoria (por idade).

Na opinião de Saboia, da UFRJ, mesmo que se inibam as ações na Justiça, dois fatores vão contribuir para que os gastos continuem aumentando:

— O grande problema é a informalidade, que não para de aumentar desde 2014. Metade dos ocupados é informal e não terá direito à aposentadoria pelo INSS. Além disso, a pobreza vem crescendo. Envelhecimento, informalidade e pobreza criam um ambiente para o aumento dos gastos. (Colaborou Cássia Almeida)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Eu acredito no porteiro.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Ou se faz uma Lei explicita, onde não se possa ter interpretação ao bem prazer, ou vai continuar essa zorra.



16/11


2019

Tem até outdoor

O I Curso de Capacitação para Candidatos em 2020, na próxima segunda-feira, no Centro de Convenções, se reveste de tal magnitude que ganhou até propaganda em outdoors. 

Tenho a honra de ser um dos palestrantes. Falo sobre a nova mídia e como o político deve se relacionar com a Imprensa. Se você ainda não fez a sua inscrição, corra. 

O link está disponível no meu blog e no site do IDEPPE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

16/11


2019

Mega-Sena pode pagar hoje R$ 10,5 milhões

Valor da aposta mínima passa a ser de R$ 4,50, conforme reajuste no domingo. Jogos podem ser feitos até 19h do dia do sorteio em lotéricas ou pela internet.

Aposta única da Mega-Sena custa R$ 4,50 e apostas podem ser feitas até às 19h — Foto: Marcelo Brandt/G1

Por G1

 

O concurso 2.208 pode pagar um prêmio de R$ 10,5 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre neste sábado (16) em São Paulo (SP). A aposta mínima passa a custar R$ 4,50, conforme o reajuste feito no último domingo (10). O novo valor foi autorizado no final de outubro pelo Ministério da Economia.

Para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país ou pela internet.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Capacitação de Candidatos

16/11


2019

Tribunal concede habeas corpus a Eduardo Cunha

Apesar disso, ex-deputado vai permanecer encarcerado

O Dia

 

A Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região concedeu ontem um habeas corpus para Eduardo Cunha, ex-deputado e ex-presidente da Câmara.

Mas Cunha permanecerá preso por outros mandados de prisão preventiva decretados pelas justiças federais de Brasília e do Paraná, relativos a suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro na Petrobras e na Caixa Econômica Federal.

No caso em que recebeu o habeas corpus, o ex-presidente da Câmara é acusado de receber propina em troca do favorecimento às empreiteiras Odebrecht e OAS para a Copa do Mundo de 2014. O tribunal suspendeu a prisão por dois votos a um.

A defesa do ex-deputado argumentou que não há mais riscos a ordem pública, já que Cunha “não detém mais grande poder de influência política no âmbito nacional” e que o MDB “não está mais nos Poderes Executivos”. Apontou, também, que não há risco de fuga.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Hitler dizia: \"Culpem os adversários dos crimes que vocês praticam, pois a massa acredita.\"

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

O STF concede Habeas Corpos até para assassinos, por que não ao Eduardo Cunha?


Magno coloca pimenta folha

16/11


2019

Executivo de alta linhagem

Tive o prazer e a alegria de reencontrar, ontem, em Gravatá, o ex-secretário de Agricultura no Governo Eduardo Campos, Aldo Santos. Dentre tantas revelações de executivos frutos do tino gestor de Eduardo, Aldo é, sem dúvida, uma das melhores.

Executivo moderno e competente, com ampla visão política, alicerçada nos movimentos sociais, com ênfase na agricultura familiar ecológica. Atuou em Ongs, como a Sabiá e a Asa - Articulação do Semiárido, esta do projeto Um milhão de cisternas.

Na vida pública, atuou no Ipa e no Prorural. Ninguém conhece melhor de Agricultura familiar, uma das marcas que imprimiu no Governo Eduardo. Aldo empresta seu talento, no momento, a Compesa e sua mulher Neilda trabalha na Cáritas, braço da Igreja, em Pesqueira. 

O reencontro se deu no restaurante Barito, um dos mais charmosos, românticos e boa mesa de Gravatá, onde acabei reencontrando também muitos gestores públicos e políticos que curtem o feriadão no melhor clima serrano do Estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

16/11


2019

BNDES libera emprestimos bilionários a empresas

Foto: Arquivo Agência Brasil

O Dia


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou três empréstimos bilionários para investimentos empresariais. A operação sinaliza que a instituição não abandonará o crédito e aponta para uma percepção de melhora na economia no médio prazo, segundo o diretor de Crédito e Garantia do banco, Petrônio Cançado.

Em outubro, foram dois empréstimos para o setor elétrico: R$1,76 bilhão para a Chimarrão Transmissora de Energia, e R$1,26 bilhão para um parque de geração eólica da Engie, na Bahia. Semana passada, a fabricante de papel e celulose Klabin anunciou a contratação de R$3 bilhões com o BNDES, para financiar a expansão da fábrica de embalagens no Paraná.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Toda propaganda tem que ser popular e acomodar-se à compreensão do menos inteligente dentre aqueles que pretende atingir.” ADOLF HITLER

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

É isso. Para Cuba, Angola e outros países comunistas que recebiam esses empréstimos e não tem como pagar nada. Sim, ainda tinha o retorno em caixotes de parte desse empréstimo para os \"cumpanheiros\".


Shopping Aragão

16/11


2019

Ministro da Educação defende a Monarquia

Foto: Valter Campanato/Agência Brasi

O Dia


O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fez elogios à Monarquia e questionou as comemorações de ontem à Proclamação da República.

“Não estou defendendo que voltemos à Monarquia mas… O que diabos estamos comemorando?”, perguntou no Twitter.

Weintraub postou foto em reunião com a legenda: “Qual a melhor forma de ‘comemorar’ o primeiro golpe de estado no Brasil? TRABALHANDO!”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2019

Bolsonaro questiona investigações sobre caso Marielle

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) entrou com ação contra o presidente por obstrução de Justiça no caso Marielle.

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O Dia

 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na manhã de ontem, ao chegar ao Forte dos Andradas, em Guarujá, litoral de São Paulo, que ficou “chateado” ao ler notícias divulgadas sobre um possível mandado de busca e apreensão na casa de seu filho Carlos Bolsonaro relacionado ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

“A vida toca. Vi uma matéria agora de que o PT quer fazer uma busca e apreensão na casa de um filho meu no Rio de Janeiro. O pessoal vê sobre busca e apreensão e pensa que está metido com que coisa errada. Eles querem é saber se eu tenho ligação com caso Marielle. Não conseguiram nada comigo, vão pra cima de um filho meu. É muita marola, mas deixa a gente chateado”, disse.

O presidente questionou o “que teria a ver com a morte desta senhora” e provocou: “Tem 150 pessoas morando no meu condomínio, agora se roubam uma galinha vão me acusar de ter feito uma galinhada”.

Ações contra o presidente

Ainda no mesmo dia, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) entrou com uma ação no Tribunal Federal (STF) contra Bolsonaro por suposta obstrução às investigações após o presidente ter admitido que pegou as gravações da portaria de seu condomínio no Rio de Janeiro. Bolsonaro negou que tenha adulterado o material.

No começo do mês, o PT entrou com o mesmo tipo de ação judicial contra Bolsonaro. O partido alega ter havido crime de responsabilidade por parte do presidente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Eu acredito no porteiro.



16/11


2019

Inadimplência cai entre os mais jovens

Foto: Marcelo Casal JR/Agência Brasil

O Dia

 

A inadimplência cresceu entre mais velhos e caiu na faixa dos mais jovens no último mês, segundo levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Quanto ao perfil dos endividados, a pesquisa mostra um aumento expressivo da inadimplência entre os que têm idade mais avançada: crescimento de 7,1% na faixa de 64 a 84 anos e de 4,1% entre a população de 50 a 64 anos.

Entre os consumidores mais jovens, há um recuo mais acentuado na faixa de 18 a 24 anos, com uma diminuição de 21,6% em outubro na comparação com igual mês de 2018. Também houve queda nas faixas de 25 a 29 anos e de 30 a 39 anos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2019

Fake news atrapalham vacinação da população

Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

O Dia

 

Segundo informações da Agência Brasil, uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Imunizações em parceria com a organização não governamental Avaaz mostra que sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas.

Entre os entrevistados, 13% assumiram que deixaram de se vacinar ou deixaram de vacinar uma criança sob seus cuidados. Para 24% dos entrevistados, “há boa possibilidade de as vacinas causarem efeitos colaterais graves”, quando, na verdade, os efeitos adversos graves são raríssimos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2019

Novas manchas de óleo atingem praias do Piauí

O material foi encontrado em praias de Ilha Grande e Parnaíba.

Foto: MARINHA DO BRASIL/DIVULGAÇÃO / Estadão

Da Veja - Por Estadão Conteúdo

 

A força-tarefa do governo federal que acompanha o caso das manchas de óleo encontradas nas praias do litoral do Nordeste e do Sudeste brasileiro confirmou nesta sexta-feira, 15, o aparecimento de novas manchas de óleo no Piauí. O material foi encontrado em praias de Ilha Grande e Parnaíba. Na quinta-feira, 14, já haviam sido registradas manchas em Luís Correia, onde a praia de Atalaia foi decretada imprópria para banho pela secretaria estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

Além desses casos no Piauí, têm vestígios de óleo e estão com ações de limpeza em andamento outros 20 locais: Araioses, no Maranhão; Fortim, no Ceará; Baía Formosa, no Rio Grande do Norte; Paulista e São José da Coroa Grande, em Pernambuco; Coruripe, Barra de São Miguel, Feliz Deserto e Piaçabuçu, em Alagoas; Brejo Grande, em Sergipe; Prado, Canavieiras, Ilhéus, Itacaré, Maraú, Cairu, Belmonte e Entre Rios, na Bahia; Linhares e Serra, no Espírito Santo.

Segundo nota divulgada nesta sexta-feira pela força-tarefa, já foram recolhidas cerca de 4.500 toneladas de resíduos de óleo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2019

General defende Bebiano

General sai em defesa de Bebianno e vira alvo de bolsonaristas nas redes. Paulo Chagas diz que Bebbiano foi um "pitbull" na defesa de Bolsonaro e que virou um bode expiatório.

(Evandro Éboli/VEJA)
Da Veja - Radar
Por Evandro Éboli

 

Ainda aliado do governo Jair Bolsonaro, o general Paulo Chagas saiu em defesa do ex-ministro Gustavo Bebianno, que virou um desafeto do presidente, de sua família e de ex-colegas da Esplanada.

Chagas disputou o governo do Distrito Federal, com o apoio do hoje presidente, postou um artigo extenso em que elogia Bebianno e diz que ele foi um “pitbull” na defesa de Bolsonaro. Diz que ele foi de fiel escudeiro a traidor e agora a bode expiatório.

E atacou Carlos Bolsonaro, com quem Bebiano se desentendeu e foi a razão de sua saída do governo.

“Bebianno foi o mais próximo, leal e confiável membro do staff do candidato Jair Bolsonaro, condição que o converteu em injustificável da desconfiança e antipatia de Carlos Bolsonaro. Foi transformado em traidor e bode expiatório daquela crise familiar, e agora de uma possível mágoa do deputado Phillipe Orleans e Bragança por ter sido rejeitado para o cargo de vice-presidente na chapa. Algo para mim lamentável e decepcionante”, escreveu Chagas nas suas redes.

O general recebeu alguns elogios, mas muitas críticas de seguidores de Bolsonaro nos comentários.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/11


2019

Mercado prevê alta de 1% do PIB

Foto/Agência Brasil

Da IstoÉ - Por Estadão Conteúdo

 

Os dados de atividade do mês de setembro confirmaram a expectativa de mercado de leve aceleração do ritmo de retomada e provocaram um aumento nas perspectivas para o crescimento da economia em 2019 e 2020, de acordo com levantamento feito ontem pela Projeções Broadcast após a divulgação do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) do nono mês. Agora, a expansão de 1,0% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 é a mediana, contra 0,90% há um mês. Para 2020, a mediana é de 2,3%, mais alta do que no levantamento anterior (2,0%).

Com 35 instituições ouvidas, o intervalo para o PIB deste ano vai de 0,90% a 1,20%, enquanto para 2020 varia de 1,60% a 2,80%. Para o terceiro trimestre, o piso das estimativas é de 0,30% e, o teto, de 1,0%. A mediana encontrada é de 0,40%. O IBGE divulga o PIB de julho a setembro no dia 3 de dezembro.

O resultado do IBC-Br (uma espécie de prévia do PIB do Banco Central) do terceiro trimestre evidenciou a melhora no desempenho da economia, com crescimento de 0,91%, acima do indicado pela mediana do serviço especializado do Broadcast, de 0,75%. A expansão de 0,44% de setembro também superou a mediana de 0,39% e os números dos meses anteriores do trimestre também foram revisados para cima. A avaliação do mercado é de que fatores pontuais, como o FGTS, impulsionam a atividade, mas que há outros motivos mais duradouros que explicam o melhor desempenho da economia. Números do IBGE sobre atividade nos Serviços e no Varejo em setembro também apresentaram melhora.

“Diante da leitura do IBC-Br acima da expectativa e da recente recuperação acima do esperado dos principais setores da economia brasileira, acreditamos que a recuperação da atividade econômica continuará ganhando tração nos próximos meses”, avalia a XP Investimentos, em relatório em que reporta o aumento da projeção de 2019 de 0,90% para 1,0% e de 2020, de 2,10% para 2,3%.

Surpresa

O Banco Safra, o Rabobank, a Mongeral Aegon Investimentos, a Arazul Capital e a GO Associados também elevaram as projeções depois da divulgação dos indicadores de setembro.

Mas não foi só o IBC-Br que surpreendeu positivamente. O economista Julio Cesar Barros, da Mongeral Aegon Investimentos, alterou a projeção para o PIB de julho a setembro, de 0,50% para 0,60%, por causa do “conjunto da obra”. A estimativa para 2019 é de 1,0%. “O que acho importante é a sinalização para frente. Setembro foi um mês mais forte, afetado por questões específicas, como o FGTS e a Semana do Brasil, mas também por um crescimento do crédito, pela melhora gradual do emprego e pela redução das incertezas.”

O desempenho melhor da atividade no fim deste ano também vai deixar uma herança positiva para 2020. Por isso, Barros aumentou a projeção do PIB do ano que vem de 2,20% para 2,40%.

 
“Há um impulso maior de atividade econômica, mas é uma aceleração frente ao primeiro trimestre, que foi bem ruim. Não devemos nos entusiasmar tanto assim. Apesar de ser o número mais elevado do ano, caso a projeção se confirme, ainda não é tão forte como deveria ser no pós-crise”, diz o economista Alexandre Lohmann, da GO Associados, que espera alta de 0,52% no terceiro trimestre e de 1,15% em 2019.

Na Trafalgar Investimentos, o economista-chefe Guilherme Loureiro manteve a perspectiva para o PIB do terceiro trimestre, de 0,50%, de 2019 (1,0%) e de 2020 (2,5%). “Os dados reforçam a expectativa que já era mais otimista para o terceiro trimestre.”

Mas Loureiro acrescenta que outros sinais de setembro indicam um crescimento mais forte lá na frente, com melhora adicional das condições financeiras, o que pode possibilitar uma expansão maior do PIB em 2020, de 2,6% a 2,7%. “Há indicadores antecedentes, como a curva de juros e a inflação de curto prazo, que vão se refletir daqui a seis meses, que indicam retomada mais forte”, diz, citando também que as reformas estruturais devem impulsionar o crescimento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/11


2019

PT ataca agenda econômica de Paulo Guedes

Com Lula solto, PT ataca agenda econômica de Paulo Guedes. O discurso do ex-presidente ao deixar a cadeia assustou investidores, mas o governo tem condições de mostrar ao país que se trata apenas de revanchismo.

Da Veja - Por Machado da Costa

 

Correligionários do #LulaLivre e opositores a esse movimento discordam em tudo, mas uma dúvida era comum aos dois grupos às vésperas da saída do ex-­presidente da cadeia: o Lula que seria solto em Curitiba assumiria o papel de apaziguador, empenhado em estabelecer um diálogo nacional, ou adotaria a persona de líder incendiário, disposto a atiçar ainda mais a guerra ideológica em curso no país? Quem apostou na segunda possibilidade se deu bem. Luiz Inácio Lula da Silva deixou claro, em seus primeiros discursos públicos, que seu interesse imediato é atacar sem trégua o governo Bolsonaro. Na verdade, seu alvo foi ainda mais preciso: o ministro da Economia, Paulo Guedes, qualificado como “o demolidor de sonhos”. Até quando mencionou pautas mais distantes do debate econômico, Lula deu um jeito de trazer a discussão para essa seara e bateu na bandeira bolsonarista do combate à violência com um argumento de viés socioeconômico, dizendo que a segurança pública se constrói com pleno emprego e não com estímulo ao armamento da população. Se a esquerda andava desbaratinada, desde o sábado 3 ganhou um norte.

O ataque ao superministro foi, obviamente, cuidadosamente calculado por Lula. Microfone na mão, ele alinhou seus argumentos às notícias vindas de outros países da América do Sul. De acordo com Lula, as crises e derrotas enfrentadas por países como Argentina e Chile têm origem em suas políticas econômicas. Mauricio Macri saiu derrotado de sua tentativa de reeleição na Argentina devido ao fracasso do modelo liberalizante que adotou, assim como o chileno Sebastián Piñera se defronta com o desgaste de um modelo que não conseguiu garantir o bem-estar social almejado pela população. Seguindo seu raciocínio, Lula mirou diretamente o desemprego e a corrosão de renda no Brasil — situação criada, é importante lembrar, pela sucessora que ele mesmo escolheu, Dilma Rousseff. Não à toa, dedicou-se a exaltar os sindicatos e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), aos quais atribui — talvez com excessiva confiança — amplo poder de mobilização popular.

 (./.)

Depois de 580 dias na cadeia, Lula sabe que não goza mais da liderança que tinha no passado. Muitos de seus antigos eleitores, desgostosos com as denúncias que cercam seu partido e seu nome, não o veem mais como o mesmo político que desceu a rampa do Palácio do Planalto com 87% de aprovação em 2010. A retórica atual agrada somente a um nicho do eleitorado, a parcela que ainda acredita que a onda de crescimento vigoroso dos anos 2000 — sustentado por circunstâncias externas, como o elevado preço das commodities no mercado internacional — pode voltar a se repetir sem mudanças estruturais no país. À equipe econômica de Guedes cabe, portanto, trabalhar duro na agenda de reformas para que seus resultados criem uma blindagem contra a verborragia de Lula.

Os ataques de Lula a Guedes também se apoiam no único momento em que o PT teve alguma visibilidade política no ano, durante o triste embate em que o deputado Zeca Dirceu constrangeu Paulo Guedes na Câmara, em abril, ao chamá-lo de “tchutchuca”. Essa será a tônica da atuação de PT, PSOL e PCdoB a partir de agora. O governo sabe disso, e não pretende repetir o erro de deixar Guedes exposto. A Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, caberão os contra-ataques. O Planalto entende que Guedes deve ser poupado de embates com o líder do PT. Na verdade, há no entorno do presidente quem esteja aliviado no que diz respeito ao alvo escolhido. No núcleo duro do bolsonarismo, acredita-se que será justamente a economia que impulsionará a reeleição do presidente em 2022. Tal grupo se apega à expectativa de que, com as mudanças em curso, o emprego e a renda dos trabalhadores comecem a reagir já no próximo ano.

Isso não afasta, porém, o “risco Lula” — expressão utilizada desde a sua soltura para descrever os temores de empresários investidores e executivos do setor financeiro. Com menos de uma semana na rua, o petista já começou a tumultuar a rotina do Congresso. Com parte das reformas propostas por Guedes para aprovar — as PECs do Pacto Federativo, Emergencial e a dos Fundos —, deputados e senadores deixaram o assunto para se debruçar sobre a discussão da prisão após condenação em segunda instância. “Isso já é um custo óbvio”, afirma o economista André Perfeito. “Se forem se dedicar à PEC que tenta restabelecer a prisão em segunda instância, vão roubar tempo de aprovação de outros temas. E a agenda do Guedes é complexa, para dizer o mínimo.”

Além do risco implícito, que é atrasar o desenvolvimento do país ao apostar no “quanto pior, melhor”, há os concretos. Paira no horizonte o risco de greves gerais articuladas pelo PT e sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e de invasões de propriedades rurais e urbanas por membros dos movimentos de sem-terra (MST) e de sem-teto (MTST). E, claro, parlamentares dos partidos de esquerda voltaram a demonstrar entusiasmo para travar a pauta governista. “Lula fortalece muito a oposição, tem diálogo com vários governadores, líderes de sindicatos, de movimentos sociais, religiosos”, afirma o deputado Paulo Teixeira (PT-­SP). “Ele contribuirá tanto no diagnóstico das situações que se colocarão daqui para a frente como na ação propriamente dita”, prevê.

A avaliação entre os petistas é que Bolsonaro tem baixa governabilidade, situação causada pelos frequentes embates entre a família do presidente e seus aliados. Os desgastes só não causaram maiores prejuízos ao país porque os presidentes das duas Casas do Legislativo, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), se esforçaram pessoalmente para aprovar a reforma da Previdência. Entre os dias 22 e 24 de novembro, toda a liderança do Partido dos Trabalhadores deve se reunir para discutir as táticas a ser adotadas no combate às propostas de reformas que ainda estão por vir. “A mera soltura do Lula já gerou uma mobilização, uma tensão no país”, conclui Teixeira.

 (./.)

O Brasil mudou muito desde os tempos em que Lula era o principal líder da oposição, nos anos 1990. Os sindicatos enfraqueceram sem os recursos do imposto sindical e não têm conseguido promover grandes manifestações. O MST também não tem mais o mesmo potencial de mobilização. E a esquerda perdeu o protagonismo nas manifestações de rua. Hoje há um equilíbrio de forças maior do que no passado. “Ninguém pode desconsiderar o poder político de Lula”, diz o cientista político Murillo de Aragão. “Mas ele tem sérios problemas jurídicos, conta com uma militância esvaziada e enfrenta a possibilidade de sucesso de Bolsonaro, que está conseguindo despertar a economia.”

Tanto em 2014, com Dilma, quanto em 2018, com Fernando Haddad, o PT adotou o discurso de que, se os representantes do partido não fossem eleitos, os pobres perderiam o pouco que tinham, os ricos ficariam mais ricos e todas as conquistas sociais seriam desfeitas. O fato é que tais mazelas começaram a acontecer justamente no governo de Dilma. A alardeada “nova matriz econômica”, focada no consumo, e os sequenciais ataques aos cofres públicos, que levaram ao mensalão e ao petrolão, provocaram uma depressão do PIB só comparada à crise de 1929. Tantos descalabros deixaram Lula com pouca credibilidade para falar de economia. Cabe ao governo fazer com que o discurso do ex-presidente seja visto apenas como uma narrativa revanchista.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bolsonaro diz que o PSL é uma Quadrilha. O PSL diz que Bolsonaro é um Bandido. E eu concordo com os dois!

Fernandes

Este País precisava de mais Chilenos, Equatorianos e menos Brasileiros.

Fernandes

O STF arquivou o processo do Flávio Bolsonaro e do Queiroz! Não vi essa revolta toda!

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

A esquerda e a grande mídia é contra, é por que é boa. Deixaram o País quebrado pelo roubo e pela incompetência não tem moral para contestar nada.