FMO

19/09


2019

A terrível fama de Boa Viagem

Benito Gama foi deputado federal por quatro legislaturas pelo DEM da Bahia. O conheci líder do DEM na Câmara, posição que se revelou um dos mais qualificados e hábeis articuladores do Congresso.

Gama criou uma relação excelente com a Imprensa, uma boa fonte, sempre bem informado. Fez a migração partidária do DEM para o PTB, partido que presidiu em nível nacional. Hoje sem mandato, assessora o presidente do Senado, Davi Alcolumbre. 

Ontem, no Piantas, point da fauna política da corte, Gama me contou um episódio passado no Recife no segundo mandato de Eduardo Campos que ficou na sua memória. 

Participava ele de uma reunião com o então governador tentando impressionar o presidente do Banco Mundial, que havia ido a Pernambuco pela primeira vez e se mostrava disposto a investir mais no Estado.

Em determinado momento, Eduardo, que tinha enorme poder de sedução e persuasão, convidou o ilustre e poderoso visitante americano a tomar um banho de mar na praia de Boa Viagem.

Mas a praia já tinha uma péssima fama nos EUA. E a resposta do presidente do Bird, bem humorada, provocou uma gargalhada geral entre os convidados presentes.

"Mergulhar numa praia, governador, com placas de canto a canto advertindo que um tubarão pode nos comer, Deus me livre".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Abreu e Lima

Confira os últimos posts



18/11


2019

Multidão recepciona Lula em festival de música no Recife

Evento lotou o Pátio do Carmo, na região central da capital pernambucana, neste domingo (17). Ao longo do dia, nomes pernambucanos como Otto, Johnny Hooker e a banda Devotos alternaram alguns de seus sucessos com artistas de outras partes do país, como Chico Cesar e Odair José.

Foto: Reprodução/TV Globo

Por Pedro Alves, G1 PE

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve no Recife, neste domingo (17), para participar de um festival musical no Pátio do Carmo, no Centro da capital pernambucana, em homenagem a ele.

Diversos artistas participaram do evento, que começou por volta das 14h e se estendeu até a noite. Ao longo do dia, nomes pernambucanos como Otto, Johnny Hooker e a banda Devotos alternaram alguns de seus sucessos com artistas de outras partes do país, como Chico Cesar e Odair José.

Cada um cantava entre duas ou três canções e conversava com o público. O paulista Marcelo Jeneci, por exemplo, cantou músicas como "Pra sonhar" e "Felicidade".

"Queria agora ajudar a fazer uma união do Nordeste, trazendo uma música lá da minha Bahia aqui, junto de vocês, porque nós somos irmãos, e nós somos fortes, e nós somos bonitos e felizes", falou Moreno Veloso antes de começar a cantar "Deusa do amor", sob aplausos do público.

O festival, segundo os organizadores, foi idealizado antes da decisão do Supremo Tribunal Federal que possibilitou a soltura de Lula no dia 8 de novembro.

O ex-presidente subiu ao palco por volta das 19h, agradeceu a presença e o apoio recebido. Ele afirmou que vai lutar para provar a própria inocência. "Não aceito negociação, eu quero a minha inocência, eu não quero privilégio. Eu quero que eles julguem o meu processo, quero que arrumem provas para dizer quem é quadrilha nesse país. Não quero favor de ninguém."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Paulista

17/11


2019

Lula relaciona Moro, Dallagnol e Bolsonaro à milícia

JC Online

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou no Festival Lula Livre, que aconteceu hoje, no Pátio do Carmo, bairro de Santo Antônio, que se entregou à sede da Polícia Federal em Curitiba, no dia 7 de abril de 2018, com a intenção de 'desmascarar' o então juiz Sergio Moro, o chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL), e relacionou estes à milícia. Segundo a organização, 200 mil pessoas compareceram ao ato. A Polícia Militar afirmou não ter feito estimativas de público.

"Eu não precisava estar preso, eu poderia ter ido até uma embaixada ou a outro país, mas fui até a Polícia Federal porque precisava desmascarar o (Sergio) Moro, o (Deltan) Dallagnol, o (Jair) Bolsonaro e a Lava Jato. Eles estão destruindo o país em nome do que? Estão destruindo a esperança em nome do que? Estão fomentando a milícia em nome do que? Alimentando o ódio em nome do que? A (Rede) Globo alimenta a mentira em nome do que?", disse o petista.

Ele ainda criticou as taxas de desemprego no país, a violência aos grupos minoritários e a Reforma da Previdência. "Estou vendo a nossa cultura, a ciência e tecnologia, as universidades, os empregos, a esperança da sociedade e, sobretudo, da juventude, serem destruídas. Estou vendo os ataques aos LGBTS, negros e índios, o crescimento do feminicídio, o salário desaparecer e uma aposentadoria cada vez mais distante do trabalhador, e vejo que estamos com dificuldade de reagir", discursou.

Após 580 dias preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, Lula disse que saiu ''melhor do que quando entrou". "Hoje, sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia, estou mais maduro. Aprendi que nada derrota as pessoas que se amam neste país", disse o ex-presidente.

Ele agradeceu ao ex-prefeito da cidade de São Paulo Fernando Haddad (PT) por ter sido representante do partido nas eleições presidenciais de 2018, à sua namorada, Rosangela da Silva, mais conhecida por Janja, por "estar nas ruas lutando pela democracia", aos organizadores do Festival Lula Livre e os artistas que compõem sua grade de apresentações.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

17/11


2019

Lula já está na casa de Marília

O ex-presidente Lula chegou, há pouco, no apartamento da deputada Marília Arraes, pré-candidata do PT à prefeita do Recife. O PSB prestigiou em peso o ato da volta de Lula ao Recife e não engoliu o petista ter aceitado o convive de Marília.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Este País precisava de mais Chilenos, Equatorianos e menos Brasileiros.

marcos

Eu marcos de Camaragibe acho bom pra Daniel Coelho.

marcos

Pega fogo cabaré, que bom para Mendoncinha

marcos

Dá-lhe Daniel Coelho!



17/11


2019

Uso medicinal da maconha será votado até o final do ano

Anvisa vota o uso medicinal da maconha ate o fim do ano.

Anvisa | Divulgação

O Globo - Coluna de Lauro Jardim
Por Gabriel Mascarenhas

 A 40 dias do término do seu mandato de presidente da Anvisa, William Dib tem uma certeza: antes de deixar a agência, vai botar em votação os processos sobre uso medicinal da maconha — um autoriza o cultivo industrial e outro, a venda de remédios derivados da cannabis.

A tramitação de ambos está parada desde outubro, quando dois diretores pediram vista. Caso não os devolvam em breve, Dib vai avocar para si os processos e pautá-los, goela abaixo de quem trabalha pelo adiamento da votação "ad aeternum".

Dib é declaradamente favorável tanto ao cultivo da cannabis quanto à venda de medicamentos produzidos a partir da planta da maconha. Intramuros, aposta-se que, além do presidente, os diretores Alessandra Bastos e Renato Porto votem pela aprovação dos dois processos.

A dupla que pediu vista — Fernando Garcia Neto e o almirante Antônio Barra Torres, ligadíssimo a Jair Bolsonaro — devem votar contra em ambos. O fiel da balança, então, será Renato Porto. A tendência é que ele se posicione a favor da comercialização dos remédios. Em relação ao cultivo, ninguém arrisca adiantar um palpite sobre o que Porto fará.

A propósito, Jair Bolsonaro já bateu o martelo: o almirante Barra Torres será o próximo presidente da Anvisa.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

17/11


2019

Sileno diz que análise foi maldosa

Caro Magno,

A presidente Nacional do PCdoB, Luciana Santos, convidou o prefeito do Recife, a direção do PSB e vários deputados estaduais e federais de diversos partidos para abraçar o ex-presidente Lula. Logo, não é correto que a sua análise singela e maldosa venha a procurar diminuir o PSB e os mais de setenta anos de história desse partido.

Sileno Guedes – presidente estadual do PSB

Nota do blog

Sileno quer jogar a responsabilidade para Luciana. Mas o fato é que só estavam presentes os deputados da família e contra fatos não há argumentos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Lula diz que Sergio Rezende foi o melhor ministro da Ciência e tecnologia. Lascou Dudu dos precatorios. Ui

marcos

Pra acabar com essa Viadagem o povo do Recife vai votar com Daniel Coelho!


Capacitação de Candidatos

17/11


2019

Dudu da Fonte na recepção a Lula

Recentemente, objeto de uma reação irada da bancada federal por ter emplacado o Metrorec, mesmo votando contra a Previdência, o deputado Eduardo da Fonte (PP) foi ao beija mão de Lula. E ainda posou para fotos. Com a palavra, o presidente Bolsonaro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

17/11


2019

Grupos de imitação são a nova onda do WhatsApp

Em comunidades repletas de desconhecidos, brasileiros imitam celebridades, pilotos de avião e até barulho de moto; para especialistas, fenômeno é resposta a tempos conturbados.

Do Terra - Por Giovanna Wolf, do Estadão

Há quem não aguente mais fazer parte de novos grupos no WhatsApp - entre o grupo da família, dos amigos, do trabalho e da turma do futebol, o fluxo incessante de mensagens (por vezes desnecessárias) parece atordoar muita gente. Mas para toda regra há uma exceção - e no caso do app de mensagens não é diferente. Nas últimas semanas, começou a pipocar no WhatsApp um fenômeno digno da internet brasileira: os grupos de imitações.

Em vez de discussões políticas ou mensagens de bom dia, esses espaços reúnem pessoas que não se conhecem mandando áudios com as mais variadas personificações: barulho de moto, piloto de avião, feirante ou vozes de celebridades. Em alguns casos, a diversão se torna um show de calouros 2.0, revelando talentos não imaginados.

É o caso da paulistana Camila Lourenço, de 28 anos, que tem feito sucesso na internet imitando a voz do Google Assistant. "Antes era só uma brincadeira entre meus amigos, mas agora estou atingindo mais pessoas por causa dos grupos", explica a estudante de veterinária, que usa a hora do almoço para mandar áudios com suas imitações.

"Essa menina está deixando a gente traumatizado. Lá no grupo a gente está começando a achar que ela é o robô do Google mesmo", brinca o carioca Rômulo Almeida, de 33 anos. Ele e Camila fazem parte de um grupo de imitações de pilotos de avião, onde a jovem faz uma "participação especial" como assistente do Google, a pedido dos usuários.

Morador de São Luís (MA), Almeida também improvisa com as cordas vocais: além de fingir que comanda uma aeronave, ele também replica as vozes de Silvio Santos, Bob Esponja, entre outros. "Desde sempre brinco disso, não é nada profissional. Sou um cara da comédia, do alto astral", diz ele, que trabalha na área comercial de uma correspondente bancária. Com suas imitações, Almeida chegou a ter alguns segundo de fama nas redes sociais: um de seus áudios imitando pilotos de avião chegou ao Twitter e teve mais de 43 mil curtidas e 10 mil compartilhamentos.
"É o maior barato: mando algum áudio para divertir a galera do grupo antes de ir pro serviço e outro à noite", afirma. Para quem quiser seguir seus passos, ele dá uma dica: o segredo é se atentar mais à forma que ao conteúdo, se preocupando principalmente em reproduzir o som de um microfone abafado.

Lugares privados
Ao contrário de outros fenômenos das redes sociais, os grupos de imitação têm uma dinâmica complexa de viralização: por um lado, seu conteúdo pode ser facilmente replicável pelo aplicativo de mensagens, a partir de encaminhamentos. Entrar numa dessas comunidades, porém, é bem mais complicado: como o WhatsApp limita que cada grupo tenha até 256 usuários, a maioria deles está lotado.

Não é a primeira "febre" que tem essa característica no app: desde o ano passado, quando o app passou a permitir o uso de figurinhas (ou stickers, como também são conhecidos), muitas pessoas passaram a se reunir para trocarem imagens e aumentarem seus acervos.

Para especialistas, são movimentos que fazem parte de uma tendência maior de comportamento. "Há uma mudança de conversas públicas para ambientes privados", avalia Edney Souza, diretor acadêmico da Digital House Brasil. "As pessoas se sentem mais à vontade de falar 'um a um'. No caso da imitação, há um agravante: fazer isso de forma pública pode levar à ridicularização."

Na visão de Fábio Malini, professor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), os grupos acabam tendo uma dimensão imaginária para seus participantes. "É um espaço onde as pessoas deixam um pouco a realidade mais bruta e entram em um universo de sonho, de brincadeira", afirma o pesquisador, que vê nos grupos de imitação uma reação ao dia a dia. "Estamos em um período em que plataformas digitais estão contaminadas de forma tóxica com muito conteúdo parecido e temas políticos".

É o que sente Mayra Nascimento, de 21 anos. Diagnosticada com depressão, ela encontrou no WhatsApp um novo lugar para rir. "No começo, resolvi entrar nesses grupos por pura falta do que fazer", brinca a estudante de Ciências Biológicas na Universidade Federal de Goiás (UFG). "Quando estou triste, percebi que escutar as imitações faz bem para mim." A jovem afirma que não leva jeito para imitar, mas mesmo assim usa os grupos para ouvir os áudios dos outros e se distrair.

Botando ordem
Há ainda quem dedique seu tempo a colocar ordem na casa. O estudante Lucas Pedroso, de 20 anos, por exemplo, é dono de mais de 70 comunidades. Seu celular nunca para de vibrar - é comum ele ter mais de mil notificações no app quando fica longe do celular. "Sou eu quem removo as pessoas que publicam conteúdos que não condizem com a proposta dos grupos, como pornografia", diz o jovem, que estuda Ciências Aeronáuticas na PUC de Goiás.

Procurado pelo Estado, o WhatsApp afirma que os grupos de imitações são bem-vindos na plataforma, desde que não infrinjam os termos de uso. Como o aplicativo funciona com criptografia de ponta a ponta, recurso que protege o conteúdo das mensagens, é difícil para a empresa saber quando algum usuário comete infração. Para isso, são necessárias denúncias que partam dos próprios usuários. Mas vale esclarecer: segundo a lei de direito autoral vigente no Brasil, fazer paródias não infringe as regras de propriedade intelectual - algo que poderia expulsar muita gente do aplicativo.

É preciso, entretanto, que os usuários estejam conscientes de que ainda assim os grupos trazem riscos - como expor seu nome e número de telefone para desconhecidos. "Em casos mais extremos, essas informações podem ser usadas para criar uma base de dados para disparos de anúncios, spam ou propaganda política", afirma Francisco Brito Cruz, diretor do centro de pesquisa em direito e tecnologia InternetLab. "É algo que pode ter consequências, mas não pode ser um incentivo para as pessoas não se divertirem."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

17/11


2019

As lições da vinda de Lula a Recife

Primeiro, reforça a atenção do ex-presidente por Marília indo jantar na casa da deputada. Outra constatação irrefutável: o PSB é cada vez mais um núcleo familiar dos Campos. Na visita a Lula, Renata só levou os deputados da família, João Campos e Tadeu Alencar, demonstrando cada vez mais o poder dos Campos no partido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

17/11


2019

Lula diz que quadrilha é a de Moro

Portal FolhaPE

Diante de uma multidão que tomou o Pátio do Carmo, no Centro do Recife, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avisou, na noite de hoje: "Ninguém fará com que eu pare de lutar". O aviso, no palco do Festival Lula Livre, levou ao delírio os milhares de apoiadores que tomaram as ruas e ponte do entorno.

Acompanhado da namorada, Rosângela Silva, e do candidato petista na última eleição presidencial, Fernando Haddad, Lula repetiu no discurso o tom acusatório e de críticas ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro Sergio Moro feito logo após a saída da prisão, no último dia 8. "A quadrilha neste país foi montada pelo Moro... Bolsonaro, por aqueles que me julgaram", afirmou Lula, que disse: "Eu escolhi ir pra PF porque eu tinha que desmascarar Moro e a Lava Jato".

O discurso foi iniciado por volta das 19h e, basicamente a cada frase do ex-presidente petista, o público grita: "Lula guerreiro do povo brasileiro". "Tenho certeza que cada minuto de vida que eu terei pela frente será para libertar o país dessa quadrilha de milicianos", garantiu e completou: "Não foi fácil tirar de um cidadão de 74 anos 580 dias de liberdade”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

“Sou um homem melhor”, diz Lula após saída da prisão

O ex-presidente Lula discursou para 200 mil pessoas, segundo a organização do evento, no início da noite de hoje, no Festival Lula Livre, que acontece no Pátio do Carmo, bairro de Santo Antônio. Após a sua saída da carceragem da Polícia Federal de Curitiba, Lula disse que está “melhor do que quando entrou”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Magno 200 pessoas dá quatro vezes a população de Afogados da Ingazeira. Aceitarias 2mil?



17/11


2019

Estudo: é alto o suicídio entre crianças indígenas

Estudo mostra que é alto o suicídio entre crianças indígenas.

Divulgação Prefeitura de Maricá/Fernando Silva/via Agência Brasil

O Globo - Por Ancelmo Gois

Estudo mostra que o número de suicídios entre crianças índigenas (de 10 a 14 anos) é 18,5 vezes maior do que o cometido por crianças não indígenas. 

O meio mais usado é o enforcamento, e a maior parte dos óbitos ocorre onde a criança (indígena ou branca) reside. 

A pesquisa é de Maximiliano Loiola e foi publicada na revista Cadernos de Saúde Pública, da Fiocruz.

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

“O espirito que move Lula é de resistência', diz Luciana

Do JC Online

A governadora de Pernambuco em exercício, Luciana Santos (PCdoB), foi uma das protagonistas políticas de Pernambuco a manifestar seu apoio ao ex-presidente Lula, na tarde de hoje. Tendo assumido a cadeira por motivo de viagem do governador Paulo Câmara e dos demais governadores do Nordeste para a Europa, em missão pelo Consórcio Nordeste, a comunista esteve presente no hotel Atlante Plaza, zona Sul do Recife, para confraternizar com aliados e correligionários, a liberdade do petista.

"Essa tarde foi um momento de encontro de muitos militantes que há anos se conhecem. Então foi um resgate de momentos, de histórias, de luta, de alegria, e, portanto, muito enriquecedor", disse Luciana, que no plano nacional também é presidente do PCdoB. O vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira (PCdoB) e o deputado federal Renildo Calheiros (PCdoB), também foram ao hotel.

O PT e o PCdoB são partidos que já possuem um envolvimento político histórico. Nas últimas eleições de 2018, inclusive, compôs, com Manuela D'Ávila, a chapa presidencial encabeçada pelo petista Fernando Haddad. "Muita gente aqui de várias forças políticas, de diferentes correntes, todos se confraternizando e todos partilhando com o presidente Lula esse momento da conquista da liberdade dele, com a certeza de que ele está com muita disposição para ir à luta, para poder provar a sua inocência e nós estamos, portanto, com a certeza que esse espírito que está movendo Lula hoje é um espírito de resistência, espírito de a gente fazer o bom combate contra essa agenda antinacional e anti-povo comandada por Bolsonaro", completou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

Maia quer votar reforma tributária em março de 2020

Maia quer votar reforma tributária em março de 2020.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Dia

 

A declaração foi feita neste sábado (16) durante uma entrevista a jornalistas em Nova York, onde Maia recebeu o prêmio Woodrow Wilson de Serviço Público.

A reforma tributária pode ser votada em março de 2020 no plenário da Câmara dos Deputados. A expectativa é do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

“A nossa intenção é trabalhar esses dois meses [novembro e dezembro], ter o texto pronto até o final do ano e, assim que o Congresso seja reaberto, que a gente possa votar na comissão, e até março no plenário”, afirmou Maia.

A declaração foi feita neste sábado (16) durante uma entrevista a jornalistas em Nova York, onde Maia recebeu o prêmio Woodrow Wilson de Serviço Público. As informações são do site G1.

Sobre o clima político no Congresso Nacional para discutir mudanças nos impostos do País, Rodrigo Maia afirmou que a reforma tributária “nasceu” no Congresso e que isso facilitaria o debate sobre o tema.  

“Então, há um comprometimento maior, maior responsabilidade dos parlamentares no texto que foi criado pela Casa, isso facilita a tramitação”, disse.

Puxão de orelha? Alcolumbre cobra atuação maior do governo na reforma tributária

A Câmara e o Senado, porém, discutem propostas de reforma tributária diferentes. Além disso, o governo também estuda uma proposta própria, mas não chegou a apresentá-la para o legislativo.

Diálogo

O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) é o relator da reforma tributária na Câmara. A proposta em análise foi apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP) e pelo economista Bernard Appy.
 
Já no senado, a reforma tributária  tem como relator Roberto Rocha (PSDB-MA). O texto foi elaborado por um grupo de senadores e foi apresentada pelo então deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que chegou a ser aprovada em comissão especial na Câmara, mas não chegou a ser analisada em plenário.

“O deputado Baleia junto com o Appy e a equipe econômica vão começar, junto com os senadores, principalmente o Roberto, vão começar a dialogar e tentar construir um texto que resolva esse problema que ainda existe no setor de serviços, por causa da alíquota do novo imposto de bens e serviços”, afirmou Rodrigo Maia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

Aliança pelo Brasil e Integralismo: separados por 87 anos

O presidente Jair Bolsonaro em apresentação de cartas credenciais no Planalto | Daniel Marenco/08.03.2019

Deus, Pátria e Família

 

O Globo - Por Bernardo Mello Franco

Deus, Pátria e Família era o lema do integralismo, movimento de inspiração fascista fundado por Plínio Salgado em 1932. Deus, Pátria e Família é o lema da Aliança pelo Brasil, partido lançado pelo presidente Jair Bolsonaro em 2019.

Os dois grupos de ultradireita são separados por 87 anos e duas ditaduras. Unem-se no apelo à fé, ao nacionalismo e ao anticomunismo para mobilizar seguidores e disputar o poder.

Os integralistas buscaram referências na Europa. Salgado chegou a ser recebido por Mussolini, que comandava a Itália com seus milicianos de camisas negras. Voltou decidido a copiar o modelo de Estado autoritário, com partido único, hierarquia rígida e submissão total ao chefe.

Alguns rituais do fascio foram abrasileirados. A saudação com o braço esticado ganhou a companhia do grito indígena “Anauê!”. Em tupi, a palavra significa “Você é meu irmão”. Os integralistas desfilavam de camisas verdes e, a exemplo dos nazistas, se engalanavam com braçadeiras. No lugar da suástica, exibiam a letra grega sigma.

“O símbolo lembra que o nosso movimento tem o significado de integrar todas as forças sociais do país na suprema expressão da nacionalidade”, explica o site da Frente Integralista Brasileira, que cultua a memória e o ideário de Salgado.

Na quinta-feira, o grupo celebrou a reciclagem do lema pelo partido de Bolsonaro. “É mais uma demonstração do quanto estão vivos os ideais essencial e sadiamente cristãos e brasileiros do integralismo”, festejou, nas redes sociais.

O historiador Odilon Caldeira Neto, da Universidade Federal de Juiz de Fora, vê traços de continuidade entre os dois movimentos. “O integralismo ajudou a formar uma cultura política nacionalista e autoritária”, explica.

Autor do livro “Sob o Signo do Sigma: Integralismo, Neointegralismo e o Antissemitismo” (Eduem, 2014), ele acompanha os pequenos grupos que se espelham em Salgado. Depois da extinção do Prona, do ex-deputado Enéas Carneiro, eles se aproximaram do PRTB, do vice-presidente Hamilton Mourão.

Com a eleição de Bolsonaro, os neointegralistas encontraram um governo partilha suas bandeiras ultraconservadoras. Isso não significa que a Aliança pelo Brasil seja uma nova versão da Ação Integralista Brasileira. O mundo é outro, os personagens também.

Plínio Salgado cultivava veleidades intelectuais. Circulou com os modernistas e escreveu cerca de 70 obras. Bolsonaro e seus filhos não têm intimidade com os livros: preferem os vídeos do guru Olavo de Carvalho. O líder integralista admirava Mussolini, fuzilado em 1945. A família presidencial mira-se em Donald Trump, que sonha com a reeleição em 2020.

Na campanha, o capitão usava uma camiseta com a frase “Meu partido é o Brasil”. Para o historiador Caldeira Neto, a criação da Aliança reforça o caráter antissistêmico do bolsonarismo. “Ela nasce como um partido e, ao mesmo tempo, como um antipartido”, define. Ao mesmo tempo, o clã promove uma “purificação” na tropa, abandonando os dissidentes no PSL.

No que isso vai dar? “Ainda é uma incógnita”, diz o professor da UFJF


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

Ato se opõe à presença de Lula no Recife

Neste domingo, dia em que o ex-presidente Lula discursa no festival Lula Livre, no Pátio do Carmo, no Centro do Recife, o Pixuleco, boneco inflável de Lula com roupa de presidiário foi colocado no Cabanga, no percurso que o petista deve fazer para chegar ao Centro da cidade. O movimento “Vem Pra Rua” circulou, ao longo da manhã e tarde de hoje, com um banner colocado em um caminhão, repudiando a vinda do petista à capital pernambucana. As informações são da Folha de Pernambuco.

De um lado, o material diz que "Recife repudia esse criminoso. Está solto, mas continua condenado". No outro, o ex-presidente também é chamado de "criminoso" e é alvo uma ironia. "Tão 'inocente' que mudaram uma lei para livrá-lo da cadeia!", afirma.

O caminhão percorreu a Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Um banco auxiliou os manifestantes contrários à liberdade de Lula que queriam subir na caçamba do caminhão para tirar fotos com os banners. A maioria estava com a camisa do Brasil, enrolados com a bandeira do País. Por volta das 14h30, os manifestantes se organizaram e ocuparam parte da Avenida Boa Viagem, com cartazes contra Lula e membros do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a organizadora do movimento em Pernambuco, Maria Dulce, o ato pretende mostrar "que o cidadão recifense não aceita a presença de um condenado que está querendo se passar por inocente". "O STF mudou o entendimento sem ter havido nenhum fato relevante para essa mudança. Não havia motivo para mudança de entendimento, temos vídeo de Gilmar Mendes e Dias Toffoli apoiando a prisão em segunda instância, depois mudam, então a mudança foi para atingir a Lava-Jato e soltar Lula".

Maria Dulce acrescentou ainda que o caminhão circulará apenas em Boa Viagem, e não irá para onde ocorrerá o evento do PT. "Não queremos confronto".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

Professor: República ainda não cumpriu importantes promessas

Imagem: Arquivo TV Brasil

"República não garantiu fim de mecanismos que reproduzem desigualdades"

Para o professor da Faculdade de Economia da USP, República ainda não cumpriu algumas de suas promessas importantes.

Do Terra - Por Douglas Gavras, do Estado de S. Paulo

 

Para o professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) Renato Colistete, a experiência republicana no Brasil, apesar de bem-sucedida, ainda tem promessas importantes que não foram cumpridas, como igualdade de oportunidades, acesso à terra e educação de qualidade para grande parte da população. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Na virada da monarquia para a República, o manejo da economia era mais conservador?

A tendência, em geral, dos gabinetes imperiais era de um predomínio da opinião de que a política fiscal e monetária teriam de ser administradas de maneira rigorosa. Em alguns momentos, esse rigor foi flexibilizado e acabou causando problemas de oferta de moeda e de desconfiança em relação ao seu valor. Era uma economia baseada na exportação de produtos agrícolas.

Como os políticos de tendência mais liberal contribuíram para a troca de regime?

Ao longo do Império, conservadores e liberais tiveram, muitas vezes, semelhanças. A diferenciação que surge nesse sistema é a presença de políticos republicanos, como um desdobramento da ala mais radical dos liberais. No fim da década de 1870, vão surgir os primeiros clubes republicanos, e se destacam figuras como Américo Brasiliense, Prudente de Morais e Campos Sales. Esses homens estão ligados à produção agrícola exportadora de café. A sociedade brasileira do fim do século 19 ainda é uma grande fazenda, mas que já tem elementos novos, com novas ideias circulando, que vão aparecer no cenário político também.

Confira a íntegra da entrevista clicando aqui: 'República não garantiu fim de mecanismos que reproduzem ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha